Home Exército Brasileiro Pentágono quis invadir o Brasil

Pentágono quis invadir o Brasil

7418
79

Vargas era neutralista na Segunda Guerra, mas teve de ceder à pressão dos EUA. Ele aproveitou para negociar e obter vantagens. Graças a ele, o Brasil é hoje um país industrializado, diz professor Moniz Bandeira

Em entrevista à DW-WORLD sobre os 60 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, o então professor Moniz Bandeira (falecido em 10 de novembro de 2017), da Universidade de Brasília, avaliou as posições adotadas pelo Brasil durante o conflito. O autor do livro Relações Perigosas – Brasil e Estados Unidos fala da influência norte-americana sobre o Exército brasileiro, a entrada de fugitivos nazistas no país e da recente descoberta dos diários de Mengele em São Paulo. Ele afirma que tanto os EUA quanto a União Soviética aproveitaram ex-agentes nazistas no pós-guerra

DW-WORLD: O que significou e/ou ainda significa o dia 8 de maio de 1945 para o Brasil?

Moniz Bandeira: O dia 8 de maio significou para o Brasil o que significou para todo o mundo: o fim de uma guerra que devastou as cidades na Alemanha, comprometeu quase todos os países do mundo e envolveu também o Brasil, que mandou tropas para a Itália. É uma data significava, porém não desperta interesse especial no Brasil, porque já se passaram mais de 60 anos. Não há motivo para festejar nem para chorar nessa data, por se tratar de uma era completamente superada.

Quais foram os motivos que levaram o governo Vargas (no Estado Novo) a oscilar entre o apoio ao III Reich, a neutralidade no início da guerra e, por fim, sua entrada nos combates ao lado dos Aliados?

O governo Vargas era neutralista, mas sabia perfeitamente que o Brasil não poderia manter-se nessa posição se os Estados Unidos entrassem no conflito. O Brasil dependia das exportações de café, e o café, do mercado americano. Vargas aproveitou a situação para negociar com os Estados Unidos e obter vantagens, principalmente a instalação de uma siderúrgica no Brasil. Houve uma negociação. Os americanos pretendiam instalar bases no litoral do Brasil, particularmente no Nordeste, para defender o Atlântico Sul, porque os alemães já estavam no noroeste da África.

Os EUA já estavam se preparando para entrar na guerra. Não foi Pearl Harbor que levou os EUA a entrar na guerra. Pearl Harbor apenas foi o pretexto, provocado pelo presidente Roosevelt, que fora informado sobre o ataque e deixou que acontecesse. Como o Pentágono quis invadir o Brasil, a fim de instalar tais bases, houve um alarme tanto no governo brasileiro quanto no governo americano.

Os militares brasileiros, entre eles o ministro da Guerra, Marechal Dutra, o general Goes Monteiro, chefe do Estado-Maior, eram pró-Alemanha e iriam reagir. Roosevelt sabia que haveria essa reação, os alemães atravessariam o Atlântico e a guerra entraria no Brasil. Então ele negociou com Vargas, que permitiu a construção das bases, sob a condição de que os Estados Unidos concedessem um crédito para a instalação de uma siderúrgica no Brasil, um país com abundantes jazidas de ferro, que queria transformar o ferro em aço e criar uma indústria de bens de capital, uma indústria pesada, para impulsionar seu processo de industrialização.

Roosevelt se dispôs a fazer esse investimento para evitar que fosse feito pela Krupp (empresa alemã), com quem Vargas estava também a negociar. Vargas criou então uma empresa estatal – a Companhia Siderúrgica Nacional – e o governo americano, coisa que nunca havia feito, concedeu o crédito, porque a United Steel não queria fazer o investimento. Depois do bombardeio de Pearl Harbor, o Brasil rompeu relações com a Alemanha, cujos submarinos, depois, começaram a torpedear os navios brasileiros. Foi por isso que Vargas entrou na guerra contra a Alemanha. Mas não entrou em guerra contra o Japão. A declaração de guerra foi só contra a Alemanha e a Itália, por causa dos torpedeamentos.

A política de Vargas foi correta. Graças a ele, o Brasil é hoje um país industrializado, porque pôde implantar o maior complexo siderúrgico da América Latina, que começou a funcionar em 1946. O Brasil, com abundantes jazidas de ferro e uma indústria de bens de consumo já bem desenvolvida, pôde desenvolver uma indústria de bens de capital, o setor que permite a auto-sustentação e a autotransformação do capitalismo, e assim ganhou extraordinário impulso, o boom dos anos 50, época em que justamente os capitais alemães para lá fluíram, porque não podiam ir para o Leste Europeu, subordinado ao regime comunista, e temiam uma guerra atômica na Europa. Já no tempo de Vargas, em 1953, começaram os entendimentos para a instalação das fábricas da Volkswagen e da Mercedes Benz, cujos investimentos amadureceriam durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek, nos anos 1957–59.

Capa do livro 'Relações Perigosas: Brasil – Estados Unidos', de Moniz Bandeira
Capa do livro ‘Relações Perigosas: Brasil – Estados Unidos’, de Moniz Bandeira

Em seu livro Brasil, Argentina e Estados Unidos. Conflito e integração na América do Sul, da Tríplice Aliança ao Mercosul, 1870–2003 , o Sr. analisa, entre outros assuntos, a manutenção de um vínculo tardio argentino à Inglaterra em contrapartida às relações intensas entre Brasil e Estados Unidos no contexto da Segunda Guerra Mundial. Que conseqüências teve o fim da Segunda Guerra para as relações do Brasil com seus vizinhos da América do Sul, principalmente diante da determinação dos EUA de exercer hegemonia direta sobre o continente? Os pracinhas da FEB foram lutar na Europa para mostrar quem manda na América do Sul, modificando o jogo de forças na região?

A FEB foi para a Itália no 5° Exército dos Estados Unidos, e lá sofreu a influência dos americanos. No contexto da Guerra Fria, houve uma divisão no Exército brasileiro: mais ou menos 20% eram anti-Vargas e anticomunistas, outros 20% de esquerda e uma grande maioria nacionalista, mas com medo do comunismo. Isso influiu na política brasileira durante os anos 50. A CIA, criada em 1947, começou a ter uma atividade dentro do Brasil, inclusive para desestabilizar o governo Vargas, por causa da indústria petrolífera e atômica que ele quis implantar.

Por meio da “black propaganda”, agitou as Forças Armadas contra Vargas, que havia implantado a Petrobrás e negociado com os cientistas alemães a transferência da tecnologia de enriquecimento de urânio, por meio das últimas centrífugas fabricadas clandestinamente na Alemanha. A CIA descobriu esse fato, e o Alto Comissariado Aliado impediu o embarque das ultracentrífugas para o Brasil, no porto de Hamburgo em 1954.

Em relação à Argentina, o Brasil saiu fortalecido, não por causa da Guerra propriamente dita e, sim, porque a Inglaterra declinou. Como a Argentina dependia das exportações de trigo e carnes para o mercado inglês, ela não conseguiu dar um salto no seu processo de industrialização. Perón, quando tentou, foi muito tarde; não pôde jogar com as contradições internacionais. O setor agrário argentino era muito mais forte que o brasileiro porque a burguesia industrial brasileira era ao mesmo tempo ligada à agricultura, à plantação de café, ao passo que na Argentina nunca houve essa ligação entre os dois setores. A indústria argentina estava em mãos dos empresários de origem italiana.

Capa do livro 'O Milagre Alemão e o Desenvolvimento do Brasil', de Moniz Bandeira
Capa do livro ‘O Milagre Alemão e o Desenvolvimento do Brasil’, de Moniz Bandeira

O forte interesse do governo brasileiro em atrair agricultores, técnicos e operários especializados alemães para o projeto de desenvolvimento nacional logo após a guerra, mencionado em seu livro “O Milagre Alemão e o Desenvolvimento do Brasil”, favoreceu a entrada clandestina de fugitivos nazistas no país? As autoridades brasileiras foram coniventes nesse ponto, como parece ter ocorrido, pelo menos em parte, na Argentina e no Paraguai?

Não, eles foram independentemente disso. Os poucos fugitivos nazistas que foram para a Argentina, Paraguai e Brasil não tiveram muito significado lá. Nem foram através da importação da mão-de-obra. Além do mais, foram poucos os técnicos recrutados para o Brasil, bem menos por exemplo do que os alemães que foram para os Estados Unidos.

A CIA, que na época ainda se chamava OSS, recrutou seus agentes entre os integrantes do serviço secreto alemão, da Gestapo. Inclusive o chefe do serviço secreto dos EUA na Alemanha, logo depois da guerra, era um ex-agente do tempo do nazismo. Todos os agentes secretos da CIA na Alemanha foram recrutados nessa base porque, quando previu que a luta ia ser contra a União Soviética, a CIA tratou de recrutar os nazistas. E muitos foram para os Estados Unidos. Também a União Soviética, através da Alemanha Oriental, aproveitou muitos militares do tempo do nazismo.

Já no caso do Brasil, não há nenhuma ligação entre a busca de mão-de-obra qualificada na Alemanha e a entrada clandestina de fugitivos nazistas no país. Quanto a isso, a documentação de Mengele encontrada recentemente no Brasil – que eu ainda não conheço – não deve conter novidades. Trata-se de correspondência de pós-guerra, porque ele não levou documentos para lá, ele saiu fugitivo da Alemanha. Durante a guerra, sim, houve atividade nazista no Brasil, inclusive com serviço de espionagem, por conta do partido nazista, proibido em 1937.

E grande parte da colônia alemã no Brasil era simpatizante do nazismo, mas isso não teve maior importância. Não só os descendentes alemães e, sim, muitos brasileiros eram simpatizantes do nazismo. Isso não porque fossem pró-nazismo por convicção, mas sim porque eram contra a Inglaterra e os EUA. O nacionalismo na América Latina sempre foi basicamente, essencialmente, anti-americano. Daí porque tomou uma conotação esquerdista, como foi o caso de Vargas no Brasil e de Perón na Argentina no contexto bipolar da Guerra Fria, em que ser antiamericano parecia ser pró-soviético, ainda que não o fosse.

FONTEDeutsche Welle

79
Deixe um comentário

avatar
25 Comment threads
54 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
42 Comment authors
soldatConancoloradoDaniel Ricardo AlvesPeter nine nine Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
ODST
Visitante
ODST

Parei de ler na parte em que ele diz que o EUA deixou os japas atacarem Pearl Harbor…… Credibilidade ZERO!

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Eu iria dizer exatamente isso! A maior calúnia que se levanta contra FDR é justamente acusá-lo de saber do ataque e ter permitido. E sustentar essa acusação derruba ainda mais a credibilidade de Moniz Bandeira isso sem falar, é claro, na excessiva condescendência com Getúlio Vargas.

Wilson Lobe Junior
Visitante
Wilson Lobe Junior

Mas que os Americanos retiraram os porta-aviões antes do ataque, isto eles fizeram sim!

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Os Porta-Aviões estavam em manobras, não foram retirados!

Edison Castro Durval
Visitante
Edison Castro Durval

Crer em algo sem se aprofundar e coisa de terraplanista.
Achar que os EUA não usariam um fato “ataque japonês” a seu favor e errado, lhe recomendo estudar qual foi o fato que gerou a guerra Estados unidos x Espanha, talvez lhe ajude a abrir os olhos.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Você manda o amigo acima estudar, e eu lhe recomendo ser mais criterioso na compreensão e interpretação de texto…… Que FDR, que era favorável ao ingresso dos EUA na guerra ao lado dos aliados, se aproveitou do ataque isso é um fato amplamente conhecido. Entretanto é preciso lembrar que nas democracias modernas (os EUA foram a primeira) o Chefe do Executivo apenas pode declarar guerra se for autorizado pelo legislativo, que na época era dominado por isolacionistas que se opunham à participação do país no conflito. Contudo, há uma diferença enorme entre isso e saber do ataque e permiti-lo visto… Read more »

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

“Chefe do Executivo apenas pode declarar guerra se for autorizado pelo legislativo”
Ah, é? Assim como Vietnam, Nicarágua, Granada, Panama, etc e etc?

Eduardo
Visitante
Eduardo

Não houve declaração de guerra nesses casos.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Todas essas intervenções foram autorizadas pelo congresso, até mesmo a do Vietnã depois do incidente do Golfo de Tonquim….

Voce devia se informar melhor….

ODST
Visitante
ODST

Edison

Aí é que está, eu disse o que disse justamente por já ter me aprofundado em praticamente todos os principais assuntos referentes a segunda guerra, e insisto em dizer que a afirmação deste senhor é no mínimo ridícula. De onde ele tirou essa informação, para começo de conversa? É achismo? Teoria conspiratória? Não me parece um fato.

Edison Castro Durval
Visitante
Edison Castro Durval

ODST, boa noite, hoje é aceito como verdadeiro o afundamento do encouraçado Maine pelos seus marinheiros, evento esse que culminou na declaração da guerra, só saberemos com certeza se o governo Americano sabia sobre o ataque no futuro, só quero dizer com isso que não tem santo no mundo da geopolítica, outros países fazem o mesmo, apenas isso.

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Ou o Gulf Of Tomkin incident

PauloSollo
Visitante

Realmente absurda esta hipótese. Se os EUA soubessem de antemão do ataque e quisessem permiti-lo, poderiam retirar a maior parte da força que tinham lá para reduzirem as perdas, e não se submeterem a terem 5 couraçados e 3 cruzadores afundados, outros 6 vasos danificados e 188 aviões destruídos e 155 danificados.

francisco
Visitante
francisco

Os USA praticamente forçaram os Japão a atacar. Roosevelt anulou os acordos comerciais que mantinha com o império do Sol Nascente. Inicia o embargo de petróleo e de matérias-primas minerais fundamentais para a indústria de guerra japonesa, além de congelar os créditos que o Japão possuía nos Estados Unidos. No campo diplomático, iniciam-se conversões para obter a evacuação dos nipônicos da China e da Indochina – que fracassaram. O estado de guerra tornava-se latente.(https://www.terra.com.br/noticias/educacao/historia/segunda-guerra-mundial-japao-desafia-estados-unidos,c8554a6efdc1d310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html) Assim como a derrubadas das torres gêmeas (que mais parecem uma implosão controlada) justificou o ataque ao Iraque, Pearl Harbor foi a justificativa para os USA… Read more »

Brunow Basillio
Visitante

“que fora informado sobre o ataque e deixou que acontecesse.”
No passado li em algum lugar que houve um plano no governo Kennedy de alguns aviões (americanos) com a camuflagem de aviões soviéticos atacassem uma base americana , para que eles pudessem declarar guerra a URSS… É bem sinistro o “amor americano”..

Conan
Visitante
Conan

Sinistro são as bobagens que certas pessoas leem e acreditam!

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Really???
Acabei de ler um livro muito bom a respeito, que com documentos verdadeiros, depoimentos e etc simplesmente prova exatamente isso. O livro se chama Day Of Deceit.

Day Of Deceit: The Truth About FDR and Pearl Harbor https://www.amazon.com/dp/0743201299/ref=cm_sw_r_cp_apa_i_csKzCbE1S962S

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Estamos falando da história, de fatos reais e documentados e não de conspiracionismo delirante…..

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Moita, esse livro foi desbancado bilhões de vezes por distorção de fatos, construção de hipóteses sem fundamentos, fabricação de evidências, contradições, etc. Dê uma pesquisada por aí, vai encontrar bastante coisa. O livro é de 1999 e não explodiu como algo sensacional justamente por causa desses fatores que destróem a tese do autor.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Moita, se quiser saber mais, esse PDF aqui te dá uma luz:

http://www.artbarninc.org/REY/Stinnett.pdf

Oiseau de Proie
Visitante
Oiseau de Proie

“ODST Parei de ler na parte em que ele diz que o EUA deixou os japas atacarem Pearl Harbor…… Credibilidade ZERO! Leandro Costa Bem, mais uma vez revisitei meu total desgosto pelo que esse cara escreve. Dizer que os EUA sabiam sobre o ataque à Pearl Harbor e deixaram acontecer é repetir mitos infundados sem qualquer embasamento.” A neo-direita estadunidense havia perdido a fé na eficiência nazista contra o comunismo antes mesmo de Hitler se atolar em Stalingrado…os estadunidenses sabiam que era questão de tempo que os Russos chegariam a Lisboa…se não fossem contidos ao menos no meio do caminho…mas… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Errr… existem tantas coisas erradas com o que foi escrito aí que é difícil até saber por onde começar. Mas se estiver de boa fé, leia o PDF que eu postei para o Moita, já que sei que ele comentou de boa fé.

Mas no seu caso eu também tentaria pegar um mapa do Pacífico e fique atento para a escala do mapa para acompanhar o que está escrito.

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Afinal, o que custou para os americanos? Uns 5 mil marinheiros e alguns navios? Em poucos meses eles já tinham se recuperado de todos os danos e ao final da guerra, os EUA surgiram como a grande potência mundial dominante. A pergunta que você deve se fazer, meu amigo é: os EUA seriam a potência de hoje se não fosse por Pearl Harbor? Eu duvido!

Conan
Visitante
Conan

Prezado Daniel, os EUA já era a maior potencia do mundo desde o final do seculo 19 e começo do 20.

colorado
Visitante
colorado

Prezados
No livro Roosevelt e Hopkins uma História da Segunda Guerra Mundial, Editora Universidade de Brasilia 1996, escrita por Robert Sherwood, assessor do presidente Roosevelt, é fato de que o governo americano sabia do iminente ataque japones aos EUA. O que não se sabia era onde o ataque iria ocorrer. Acreditavam que seria nas bases americanas nas Filipinas. Nada indicava que sabiam que seria em Pearl Harbor.
atenciosamente

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

E não duvide se um dia isso ocorrer, tivermos um monte de sujeitos vestidos de Batman, Capitão América e Superman saudando os invasores americanos na Avenida Paulista.

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Quando eu cair ai de para-quedas serei recebido por milhares de Bolsominions vestidos de Tio Sam!!! Hehe

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

E ainda vai ganhar um sanduíche de fllé mignon na sede da FIESP.
kkkkkkk

Matheus
Visitante
Matheus

História velha já.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Bem, mais uma vez revisitei meu total desgosto pelo que esse cara escreve. Dizer que os EUA sabiam sobre o ataque à Pearl Harbor e deixaram acontecer é repetir mitos infundados sem qualquer embasamento. É o mesmo que dizer que a Guerra do Paraguai aconteceu porque o Brasil, à mando dos ingleses, tinha que freiar o desenvolvimento de uma potência regional em pleno crescimento e que ameaçava o mercado para produtos ingleses. É totalmente ridículo.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Pode ser verdade ou não.
Lembro da lenda da frota americana no Brasil no Golpe de 64.
Tratou-se isso como fantasia, mas documentos recém divulgados mostraram ser verdade.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

A frota norte-americana sequer zarpou visto que em sua incompetência João Goulart logo caiu.

francisco
Visitante
francisco

Os documentos dizem o contrário.

Felipe S
Visitante
Felipe S

O nome da operação era BrotherSam , e os militares americanos vieram com a frota a pedido dos militares brasileiros, e não para pressionar eles. Isto devido a parte dos generais ser de esquerda temiam que poderia haver uma guerra interna entre as próprias forças armadas do Brasil. Pouco é falado , mas muitos oficiais generais perderam o cargo após 1964 por serem a favor da esquerda na época.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Não eram de esquerda. eram LEGALISTAS.
E apenas não se juntaram ao grupos de golpistas que assumiu o País.
O restante da história, nós já conhecemos.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Pior que aqui eu tenho que concordar contigo Xings! Os militares que se opuseram ao golpe de 64 eram de fato legalistas, tanto que inclusive eram anticomunistas ferrenhos. Um exemplo foi o Brigadeiro Moreira Lima.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Levou o meu like.
À época dos fatos e até um pouco antes na época de Getúlio em 1954, tínhamos grandes nomes nas Forças Armadas. Marechal Lott, Brigadeiro Rui Moreira Lima, General Caiado de Castro, General Estilac Leal, Almirante Aragão e muitos outros que honraram suas fardas e seu compromisso com a legalidade.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Mesmo que os EUA quisesse uma desculpa para a guerra, saber do ataque seria muito mais benéfico pra eles do que fingir não saber, sabendo do ataque eles poderiam preparar uma defesa adequada de Pearl Harbor e de todas as outras ilhas sobre autoridade americana que foram invadidas no pacifico em especial as Filipinas.

Os EUA teria seus Casus Belli, teriam sofrido menos perdas e conseguiriam infringir uma derrota ainda mais rápida nos japoneses (que não teriam tido o tempo que tiveram pra literalmente fazer uma festa no pacifico)

Use seu cérebro pelo menos uma vez kings

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Estude mais e veja o absurdo que é isso. Por mais que Roosevelt tivesse deixado claro que, caso um estado bélico existisse entre os EUA e o Império do Japão, ele preferiria que os japoneses dessem o primeiro tiro, isso não significa em absoluto que ele esperasse algo do nível de Pearl Harbor. No máximo, o que Roosevelt e a cúpula militar americana esperavam, era que houvesse alguma agressão ao como o que aconteceu com o USS Panay (se não sabe o que foi esse incidente, procura no google), e nunca, jamais um ataque do tamanho e audácia do que… Read more »

francisco
Visitante
francisco

O natural seria um ataque a base norte americana em Pearl Harbor. Nunca os japoneses iriam atacar diretamente o continente norte-americano. Alguem por acaso acredita que os serviços secretos norte-americanos não sabiam disso? eles apenas queriam uma justificativa.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Naturalmente você não sabe o que está falando. Mas faz parte, com o tempo e paciência se aprende bastante por aqui.

Minuteman
Visitante
Minuteman

Kings, seus comentários nunca fazem sentido.

Lyw
Visitante
Lyw

Exatamente, a fundamentação desta teoria pode ter seus percalços, mas não dá para simplesmente desacreditá-la completamente. O caso citado pelo Antoniokings é um exemplo, muitos pró-americanos ficavam loucos com a afirmação de ter sido possível um ataque (não exatamente uma invasão) ao Brasil em 1964 e depois apareceram documentos que comprovavam de vez a tese. Achei essa citação muito interessante: “O nacionalismo na América Latina sempre foi basicamente, essencialmente, anti-americano. Daí porque tomou uma conotação esquerdista, como foi o caso de Vargas no Brasil e de Perón na Argentina no contexto bipolar da Guerra Fria, em que ser antiamericano parecia… Read more »

João Adaime
Visitante
João Adaime

Caro Antônio
Quais seriam estes documentos recém-divulgados? E o que seria “recém-divulgado”? Uns 30 anos?
Porque eu tenho telegramas trocados entre o Pentágono e a Embaixada dos EUA em Brasília, referentes à Operação Brother Sam, desde o final do século passado. E peguei-os, se não me engano, junto à Biblioteca do Senado.
A tal lenda e fantasia foi revelada logo depois de 1964. Ninguém escondeu nada.
Abraço

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

Engraçado, com esse papinho, você parece um camarada que conheço que trabalha no INPI RJ.

Edison Castro Durval
Visitante
Edison Castro Durval

Guerra Estados Unidos x Espanha
O Álamo
Guerra do Vietnã
A história está cheia de ocorrência falsas que foram usadas para início de guerras, os EUA não são os únicos, vários países já fizeram isso.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Você está citando casos totalmente distintos. É bom lembrar que, no caso da Segunda Guerra Mundial, os EUA se prepararam para, caso entrassem na Guerra, lidarem com a Alemanha primeiro. O ataque Japonês os pegou de calças curtas em relação à isso. Ainda não estavam nem de longe preparados para isso. Por ‘sorte’ Hitler se empolgou e declarou Guerra aos EUA poucos dias depois. O Álamo é totalmente diferente de tudo. Os EUA inclusive não tiveram influência NENHUMA em fazer com que os Texanos resistissem por lá, mas depois da incorporação do Texas, isso virou parte da História deles. E… Read more »

Minuteman
Visitante
Minuteman

Certamente, um presidente deixaria seu país ser atacado, milhares de mortos e feridos, dezenas de aviões destruídos e uma esquadra inteira afundada, só para ter pretexto pra entrar numa guerra. This is nonsense!

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Ah, meu amigo . . . Se existisse apenas “preto e branco” não haveria agências de inteligência e forças especiais no mundo.

Alessandro
Visitante
Alessandro

Vargas neutralista ? Simpatizante dos regimes de Mussolini e Hitler, e ele era neutro? Adotou até a CLT fascista do Mussolini aqui no Brasil, na qual até hoje é amada pela esquerda “anti-fascista” rsrs… nem consegui ler o restante.

francisco
Visitante
francisco

Você quer dizer então que todos os trabalhares brasileiros são de esquerda? porque quem defende a CLT são s assalariados e os juízes do trabalho.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

o Brasileiro não consegue nem dizer o que salário mínimo, fascismo e etc, ele só acham bom pq não entendem nada disso.

Marcos
Visitante
Marcos

“O governo Vargas era neutralista”

Era tão neutralista que deportava judeus e negava a entrada deles em território brasileiro, o que vitimou milhares de famílias. A própria deportação de Olga Benário é um exemplo clássico das relações entre o Brasil e a Alemanha Nazista.

A trilogia deveria fazer uma matéria sobre o Corredor Triplo A e deixar esses malucos revisionistas para o inferno historiográfico.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Bem lembrado! Vargas era abertamente pró-fascista tendo inclusive inaugurado a sua própria versão do mesmo no Estado Novo. E apenas rompeu com a Alemanha não por causa de suas supostas habilidade diplomáticas mas sim porque os EUA ameaçaram invadir o Nordeste caso ele não permitisse a instalação de bases militares.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Não há dúvidas que a ideia de invadir o Brasil tenha passado pelo Pentágono, pois, se o Brasil se bandeia para o lado do Eixo, poderiamos ser um grande problema para os Aliados, enfim, qualquer país que preze pela sua segurança, precisa estar constantemente atento a todas as direções possíveis, ainda mais com uma Guerra (G-u-e-r-r-a) se desenrolando.

É um olho no peixe e outro no gato.

Só os mais preparados sobrevivem.

Lucas Senna
Visitante
Lucas Senna

A parte do plano de invasão é a unica coisa real que ele disse na entrevista. E isso não é novidade nenhuma, o plano de nome “Plan Rubber” já foi aberto pelos próprios americanos a muitos anos, eles mapearam uma série de alvos no norte e nordeste apontando as forças brasileiras no local, dificuldades geográficas da invasão e chegaram até a ensaiar o ataque na Flórida, ensaio esse que foi um fracasso absoluto. Eles temiam inclusive que mesmo com uma resistência bem fraca, com equipamentos e números inferiores, fossem repelidos e sofressem baixas catastróficas. No fim acabou arquivado e optou-se… Read more »

Caio
Visitante
Caio

” em que ser antiamericano parecia ser pro soviético, ainda que não fosse” Assim acabou- se com o nacionalismo produtivo no Brasil; e tudo ficou entre direita e esquerda; em qualquer dos lados mais idéias estrangeiras( em suas faces menos produtivas) e muito menos Brasil.

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Moniz Bandeira é ligeiramente citado no muito interessante 1964: O Elo Perdido. Seus artigos e palestras eram muito requisitados em eventos organizados pela StB no Brasil…

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

“os alemães atravessariam o Atlântico e a guerra entraria no Brasil…” Iriam fazer isso com qual marinha? a Krigsmarine não tinha 20% do tamanho da Royal Navy. quanto mais da US Navy… tirando os U-Boats navios capitais alemães tiveram pouco sucesso na guerra. Os 4 Principais navios da Krigsmarine na guerra: Gneisenau: Foi danificado na operação Cerberus. entrou em doca no ano de 1942 e de lá não saiu até o fim da guerra Scharnhorst: afundou em 1943 Bismarck: Afundou em 1941 Tirpitz foi oque mais teve sucesso durante toda a guerra. ficou inteiro até 1945. O Alto comando da… Read more »

Humberto
Visitante
Humberto

Os EUA quando entraram na SG II, possuiam duas frentes, a do pacífico e da Europa MAS os primeiros combates dos Americanos contra os Alemães foi no norte da África, onde a duras penas, os americanos começaram a aprender a lutar (sim, os primeiros combates americanos foram terríveis para eles, tiveram todo o tipo de problema, desde falta de estratégia, comunicação, logística a problema no programa dos soldados). Como a primeira fase da guerra exigia um fluxo constante de equipamentos, suprimentos e tropas para o norte da África, e sendo o Nordeste o caminho mais curto, nada mais natural que… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

Como sempre a esquerda tupiniquim incensa o fascista Getúlio, depois fica ofendidinha quando se comenta que “fascismo é de esquerda”.

Sequim
Visitante
Sequim

Geralmente eu não me manifesto, mas desta vez irei fazê-lo. Eu sou de esquerda, democrático e anti-fascista por convicção. Não se trata de incenssar Vargas, mas sim reconher o valor de um governo que pensou um Brasil melhor. À época de Vargas, o Brasil era um imenso cafezal atrasado, com a maioria da população levando uma vida dura no campo , e tendo de vir para as cidades em busca de vida melhor. Sei disso não de ouvir dizer, mas como exemplo bem real , pois meu pai e minha mãe foram dois desse povo da “roça ” que vieram… Read more »

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Concordo

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Sequim, aproveitando que você é declaradamente de esquerda, gostaria de saber, se você me permitir, o que você vê de “melhor” no regime, o que te fez peferir essa posição ideológica?

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Ao contrário do que você afirma o governo Vargas era sim fascista sendo que ele e muitos dos seus ministros eram abertamente entusiastas da ideologia de Mussolini e Hitler. E tanto Vargas era fascista que “pensando em um Brasil melhor e visando melhorar as condições de vida do povo” ele instaurou a ditadura do Estado Novo, oportunidade em que os brasileiros não apenas foram brindados com a constituição mais autoritária de todos os tempos (a constituição de 1937, vulgo “polaca”) como a própria Federação foi abolida (os Estados passaram a ser administrados por interventores, o mais famoso foi Adhemar “rouba… Read more »

DaGuerra
Visitante
DaGuerra

8 de maio? Significa nada? Claro…mais um comunista inoculando veneno na “cambada de mestiços vira-latas brazileiros”…

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Brasileiros com z?

Jefferson B
Visitante
Jefferson B

FONTE: Deutsche Welle Amigo, olhem a fonte da matéria, por favor, esse jornal é uma verdadeira piada, é uma globo da vida. A história acima está totalmente mal contada, Getúlio era neutro??? Tão neutro que temos a CLT até hoje…o sujeito “neutro” se inspirou muito nas prática coletivistas (nazismo, comunismo, fascismo) da Europa dos anos 20,30 e 40… Getúlio era um covarde, assim como grande parte dos brasileiros, não é homem de encarar os problemas reais. Vemos isso hoje na Venezuela, militares cagões com medo de meter a cara…financiamos a ditadura Venezuela com dezenas de bilhões, geramos uma ditadura aqui… Read more »

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

De certa forma,o ataque a Pearl Harbour era pedra cantada, pois diante da asfixia econômica do Japão, escassez de matérias primas e do seu eventual bloqueio aos mercados mundiais, a guerra seria a sua única opção. Era questão de sobrevivência, até mesmo para alimentar uma população crescente. Para piorar o quadro, uma elite militar dominava a cena política e mantinha o imperador praticamente refém como um fantoche divino. Exército e Marinha japoneses tinham delírios expansionistas e talvez o almirante Yamamoto fôsse a única pessoa sensata no país, pois sabia que o Japão não aguentaria uma guerra na imensidão do Pacífico.… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

O problema é que simplesmente não se imaginava que um ataque viria em Pearl Harbor. Roosevelt ainda tinha esperanças na negociação e esperava que mostrar a bandeira em determinados locais do Pacífico fosse atenuar as intenções japonesas. Mas esperava-se que se um ataque viesse, este fosse focado em algum outro lugar do pacífico, bem mais próximo do extremo oriente. Houve, inclusive, uma lista feita pela ONI que indicava locais onde os japoneses poderiam tentar atacar, e o Havaí simplesmente não estava na lista. Pouco antes do ataque, conseguiram identificar através de triangulação e interceptação de sinais, um comboio de navios… Read more »

Edison Castro Durval
Visitante
Edison Castro Durval

Fernando, bom dia, também acho que é mais ou menos isso, talvez até mesmo soubesse que o objetivo fosse Pear Harbor, só não teriam idéia que o ataque seria tão forte e eficaz.
É como no caso do 11 de Setembro, o governo foi avisado sobre os terroristas que teriam entrado no país para fazer um ataque, talvez por acreditar que não conseguiriam destruir nada ou por não terem como impedi-los nada foi feito e fica a teoria da conspiração de que sabiam e deixaram acontecer.

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

ODST, uma das teorias mais aceitas era de que Washington suspeitava do ataque, afinal as ações americanas em relação ao Japão deixavam este em situação ruim, mas jamais um movimento tão forte e devastador. Na realidade, um ataque a Pearl era inconcebível. A verdade absoluta sobre isso jamais saberemos, pois admitir uma falha ou mesmo que, intencionalmente, se deixou o Japão tomar a iniciativa (esperando que um ataque a alguma ilha afastada fornecesse o pretexto para a entrada dos EUA na guerra) seria admitir a perda de vidas americanas por manobras políticas. Eu, particularmente, não acredito que pudessem ir tão… Read more »

Pavil
Visitante
Pavil

É notória a presença americana em santarem e manaus, desde a década de 30. Muito se conta dos sistemas de rádios nos telhados, até os bispos e padres eram todos americanos.

Marcos Neves
Visitante
Marcos Neves

Ótima entrevista. Já anotei o nome dos dois livros para serem comprados.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Vargas Neutralista kkkkkkkkkkkk ele era fascista, adorava o Mussolini, assim como o Hitler. sobre pearl harbor ter sido sacrificado para os EUA entrarem na guerra eu acredito que é vdd.

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Só p/ esclarecer onde estavam os PA’s no momento do ataque a Pearl Harbor?
– Enterprise: levando 12 Wildcats e 13 pilotos p/ a Ilha Wake.
– Lexington: levando caças p/ Midway.
– Saratoga: recebendo seu grupamento aéreo em San Diego, após sua modernização que durou 7 meses.

Oganza
Visitante
Oganza

Prof. Moniz Bandeira, mais um dos ilustres comunas “desconhecidos” que ferraram com tudo. Esse comuna foi um dos fundadores do Polop, Moniz Bandeira tem sangue de inocentes nas mãos – Vejam o que foi o Polop – A Trilogia descambou e se desconectou por completo da realidade… tristeza.

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Vargas foi bastante inteligente. Fez a maré virar a nosso favor e começar a industrialização do país às custas dos americanos. Um golpe de mestre! Foi uma pena a forma como ele acabou . . .

soldat
Visitante
soldat

Ótima matéria..Sensacional…falou tudo….viva a Getúlio Vargas so errou por quer foi obrigado a entrar na guerra contra a Alemanha depois que os Âmis afundaram os nossos navios mercantes…