terça-feira, outubro 19, 2021

Saab RBS 70NG

Como se comparam as capacidades militares de Brasil e Venezuela

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Em uma comparação puramente numérica, as Forças Armadas brasileiras têm um contingente maior de soldados, mas não é só isso que conta

Por Clara Cerioni

São Paulo — A decisão de Nicolás Maduro de fechar a fronteira da Venezuela com o Brasil na quinta-feira (21), em sinal de retaliação à oferta de ajuda humanitária do governo de Jair Bolsonaro fez os brasileiros se questionarem sobre a possibilidade de um conflito armado entre os países.

A população brasileira tem pouca vivência de situações de guerra, já que a última batalha do exército do Brasil na América do Sul foi na Guerra do Paraguai, em 1870, e as manifestações divergem.

Nas redes sociais, alguns pedem para o exército brasileiro invadir a Venezuela enquanto outra parcela alerta que a derrota brasileira seria vergonhosa.

Em uma comparação puramente numérica, as Forças Armadas brasileiras têm um contingente maior de soldados do que a Venezuela.

De acordo com o Military Balance, um atlas publicado pelo think tank britânico International Institute for Strategic Studies, o Brasil tinha em 2016 cerca de 660 mil combatentes, espalhados entre o Exército, a Marinha, a Força Aérea e a Força Naval. Já o regime de Maduro tinha, no mesmo ano, 207 mil soldados.

Juliano Cortinhas, professor de Relações Internacionais na Universidade de Brasília (UnB) com experiência em política externa e defesa brasileira, explica que o fato de o Brasil ter mais que o dobro de efetivo não garante uma vitória em caso de conflito.

“Na guerra é sempre mais fácil defender do que atacar”, diz ele. E mesmo com maior número de soldados, o Brasil perde em quantidade e potência dos equipamentos.

Desde o governo de Hugo Chávez (1999-2013), a Rússia tem fornecido armamentos para os venezuelanos. Em dezembro do ano passado, por exemplo, dois bombardeiros russos com capacidade para levar armas atômicas aterrissaram em Caracas.

“O Brasil não tem, há muitos anos, a tradição de se preparar para a guerra. A Venezuela, ao contrário, sempre teve forte presença dos militares e da Guarda Nacional Bolivariana na defesa da soberania”, afirma Carolina Pedroso, pesquisadora de relações internacionais na Universidade Estadual de São Paulo.

Outra diferença é o orçamento das Forças Armadas. Em 2016, segundo o Military Balance, o governo brasileiro investiu 82 bilhões de dólares para o Ministério da Defesa contra 52 bilhões de dólares no equivalente venezuelano. Mas vale notar que por aqui, 80% do orçamento é usado para pagar salários.

Além dos números e dados, Juliano Cortinhas destaca que há fatores imensuráveis como a capacidade de resistência do exército venezuelano e o ímpeto de resistência da população.

“Se o Brasil resolver invadir a Venezuela, as consequências serão desconhecidas. O custo da decisão seria altíssimo em termos econômicos e humanos”, diz.

Militares da Venezuela em manobras
Militares da Venezuela em manobras

Parceria com EUA

Sem capacidade de deslocar, em tempo hábil, o seu contingente das Forças Armadas, uma saída que o governo Bolsonaro poderia tomar, em tese, é a de facilitar a entrada do Exército dos Estados Unidos.

Uma decisão do tipo teria que levar em conta, no entanto, o custo-benefício para o Estado e para a população brasileira tanto em termos concretos quanto estratégicos.

Historicamente, o governo brasileiro sempre teve uma postura de não-intervenção e pacificação de conflitos.

Um exemplo é a Missão de Paz da ONU no Haiti, que durante 13 anos contou com 37.449 militares brasileiros em sua operação, com alguns de seus comandantes hoje no alto escalão do governo Bolsonaro.

“Em um conflito armado, é preciso que os países tomem decisões estratégicas que levem em conta custo-benefício, objetivos e retorno positivo. Autorizar a entrada de soldados americanos não trará nada disso, ao contrário, perderíamos capacidade de liderança regional”, afirma Juliano Cortinhas.

Carolina Pedroso imagina que um conflito armado só aconteceria com estopim do outro lado: “O Brasil, provavelmente, não atacará. Mas pode se defender em caso de ação da Venezuela, como cortar energia elétrica de Roraima ou se ataques como os dessa sexta se repetirem com população daqui”.

A especialista se refere ao confronto ocorrido na sexta-feira (22), em uma comunidade indígena venezuelana na fronteira com o Brasil que deixou duas vítimas.

Além disso, Roraima é o único estado brasileiro que não está interligado ao sistema de transmissão nacional e depende de abastecimento venezuelano, mas o governo brasileiro garante que em caso de retaliação, pode suprir a falta de energia acionando usinas térmicas.

Para Cortinhas, a possibilidade de conflito seria “desastrosa” e o país deveria adotar uma negociação pela via diplomática e política mesmo em caso de reações.

FONTE: exame.com

- Advertisement -

304 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
304 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Delfim
Delfim
2 anos atrás

Não adianta cogitar uma solução militar enquanto uma parcela significativa da população e das FAs venezuelanas apóia Maduro.
É como levar um dependente de drogas a um tratamento forçado, quando acabar ele vai se drogar de novo. Tem de haver vontade própria.
Senão vamos nos meter numa arapuca da qual não sairemos nem cedo nem barato nem bonito.

Brunow Basillio
Reply to  Delfim
2 anos atrás

Verdade , a Venezuela tem em torno de 32 milhões de habitantes ,mas no dia 23 apenas algumas centenas saíram as ruas para manisfetarem , ai fica a dúvida aonde estar o resto da população , são apoiadores de Maduro ? No início do ano passado milhares de pessoas saiam a rua para protestar ,em alguma momento passou de um milhão de pessoas , Mas agora que Guaidó se declarou presidente 90% destas pessoas não protestam contra o regime de Maduro mais , resta a duvida Guaidó tem o apoio da população de um modo geral ? Não adianta tentar… Read more »

Gorgoroth
Gorgoroth
Reply to  Brunow Basillio
2 anos atrás

No Brasil contra a Dilma só tiveram “algumas centenas” tb, sendo que 80% era contra ela.

Só falou asneira.

“negociar com o regime de Maduro” ?????????????????????/ Wtf

Só falou asneira. 2x

Delfim
Delfim
Reply to  Gorgoroth
2 anos atrás

Gorgoroth, Maduro não é problema nosso e sim dos venezuelanos. Não há o que nós negociarmos com ele.

Brunow Basillio
Reply to  Gorgoroth
2 anos atrás

Gorgoroth 80% contra a Dilmanta ? Mas nas ultimas eleições Haddad obteve 47 milhões de votos então VC está desinformado , e a situação do Brasil naquela época era totalmente diferente da situação da Venezuela hoje, VC quer que a oposição tome o poder com um punhado de gatos pingados e Guaidó na frente os guiando ?
Enquanto o “grosso” das forças armadas e parte da população apoiar maduro infelizmente a oposição não tem nenhuma chance…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Brunow Basillio
2 anos atrás

A eleição no segundo turno foi ganha com apenas 39% dos votos totais.
Ou seja, pouco mais de 1/3 de todos os eleitores.

Delfim
Delfim
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Antoniokings, é que nem eleição de síndico, só vota quem vai, quem não vai não opina.

Celso
Celso
Reply to  Brunow Basillio
2 anos atrás

Vamos todos aplaudir a ditadura dos narcomilicos venezuelanos

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Brunow Basillio
2 anos atrás

O que consta é que a oposição é basicamente lastreada pelas classes empresariais.
O Governo tem grande parte do seu apoio entre a população mais pobre.
Tem também as Forças Armadas, as milícias e as instituições ao seu lado.
Daí, esta tentativa rocambolesca de uma solução ‘Guaidó’ para tentar desestruturar o Governo Maduro.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Os empresários estavam nas pontes da Colômbia… Os empresários estão travando batalhas com pedras nas cidades sitiadas onde os venezuelanos etão impedidos de receber doações.

Entendi.

francisco
francisco
Reply to  Sagaz
2 anos atrás

Ali estavam pessoas contratadas pelos opositores do Maduro e uma parte de baderneiros que estão ali só pela bagunça.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Larga de falar bobagem cara…

A população mais pobre é a que sofre mais a escassez de alimentos e remédios.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

Eu vi as imagens do comício de Maduro.
Percebi a quantidade de mulheres com bolsas da Louis Vuitton e homens com ternos de Hermenegildo Zegna.
É isso que dá viver alienado lendo as asneiras publicadas pela imprensa tupiniquim.

Marcos
Marcos
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Isso apenas prova que os libertadores socialistas logo se tornam os tão odiados opressores capitalistas.

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Esqueça um pouco sua opinião se atenha aos fatos, nos ultimos dias, as maiores manifestações contra o governo forma em bairros podres, favelas e polos industriais, basta vc parar de ler só “sputnik” e abrir os olhos, não é mais o empresario vs governo, é o povo contra o governo!

Jorge F
Jorge F
Reply to  Delfim
2 anos atrás

Amigo, como diria Clausewitz, a guerra é a continuidade da política por outros meios. Seu comentário e a aceitação dos leitores indica um país fragilizado pelo apaziguamento. Conflitos militares tem haver com impor a vontade não com aceitar a vontade do outro. Sua apreciação nos leva a conceber que talvez aquele país, como um dependente químico, sofra na verdade de uma doença e seja melhor eles buscarem tratamento. A anarquia entre as nações nunca funcionou e jamais funcionará assim, todos aqueles que caíram em ilusão semelhante padeceram. A pergunta é se vc tem força e poder suficientes para impor a… Read more »

Maus
Maus
2 anos atrás

No caso dos ICBMs é sempre mais fácil atacar.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
2 anos atrás

Creio que no máximo haveriam escaramuças na fronteira com uma outra incursão aérea no território inimigo por parte dos dois lados, resultando num cessar fogo em no máximo 3 semanas, nenhum dos dois está em condições de uma aventura militar em solo alheio. Agora se por causa disso os EUA quiserem intervir de vez na Venezuela, utilizando a Colômbia como trampolim, aí já não é da nossa conta, por que convenhamos, eles podem fazer isso mesmo sem aval da ONU e sem represálias, como já fizeram outras vezes. O máximo que a Rússia poderia fazer em prol do regime bolivariano… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Defensor da liberdade
2 anos atrás

Nesa salada toda, o que está sobresaindo muito é
a total debilidade e impotência do Brasil no campo das relações exteriores.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Joao Moita Jr
2 anos atrás

João Moita, nisto tenho que concordar com vc, ta um ar de excesso de receio por nossa parte. Sei que guerras são o inferno e tal, mas, se quisermos ter o respeito e relevancia como potencia militar e economica na AL, esta é a hora de agir,inteligentemente claro, mas temos que fazer algo mais que levar comida pra fronteira e ver o pau quebrar de forma desigual e ficar olhando,olhando e olhando.

francisco
francisco
Reply to  Joao Moita Jr
2 anos atrás

Cara deixa de ser besta. O Brasil não tem nada a ver com o problema deles.

Diogo
Reply to  Joao Moita Jr
2 anos atrás

Verdade, se eu fosse oficial do exército brasileiro me sentiria mal recebendo um oficial do exército americano para resolver algo de minha incumbência. No mínimo os caras nos chamariam de losers

Munhoz
Munhoz
Reply to  Joao Moita Jr
2 anos atrás

Simplesmente não tem o que o Brasil fazer neste caso.

O que poderíamos fazer??

Além do que já está sendo feito??

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Defensor da liberdade
2 anos atrás

A Rússia não vai fazer nada, como não fez nada para salvar o Iraque que tinha muito mais valor para eles e estava bem mais perto.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

No Iraque as condições geopolíticas eram outras.
Fizeram na Síria, e muito bem.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Antonio Palhares
2 anos atrás

Antonio, são cenários deferentes …

A Russia fez na síria quase por desespero, por causa do seu gasoduto para Europa e da exploração do petróleo e é claro para atrapalhar os planos da china que querem ampliar suas influencia em áreas de influencia Russa e fez muito nem sim.
E la naquela região nao e como aqui, onde é área de influencia americana ha décadas e alinhamento quase automático entre os EUA e esses Países latinos.

francisco
francisco
Reply to  Paulo Costa
2 anos atrás

Sabe tudo, aliás sabe mais do que a própria CIA.

Paulo costa
Paulo costa
Reply to  francisco
2 anos atrás

Eu procuro estar por dentro das noticias e acontecimentos internacionais e filtrar essas informações.

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

Na primeira Guerra do Golfo, a URSS tinha acabado de cair e de certa forma apoiou a coalisão, mas só “deixou” os EUA libertar o Kwait e não seguir além.

Na Segunda Guerra do Golfo, havia o 11 de setembro para justificar a guerra e a Rússia não estava preparada ainda para enfrentar os EUA, estava se reerguendo e fraca demais para isso.

Sua inteligência é brilhante! suas análises precisas! vai trabalhar para o Pentágono que você ganha mais.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  100nick-Elã
2 anos atrás

Como disse um amigo…

Só o Guaidó acertar com o Putin e o cara da China que os interesses deles serão mantidos e o que explodirem ele comprará de novo, que o amor ao Maduro acaba em 5min

Agnelo
Agnelo
Reply to  100nick-Elã
2 anos atrás

Quem lhe disse isso foi desonesto…
A URSS e a China foram totalmente contra a primeira Guerra do Iraque. Não deixou e nem deixou de deixar absolutamente nada. O Objetivo da guerra era unica e inteiramente a libertação do Kwait. Na coalizão participavam diversos países árabes com centenas de milhares de homens. E só concordaram com esse objetivo.
A segunda guerra foi até interessante para a russia, q passa um perrengue lutando contra terroristas islâmicos em seu território, e teve um alívio com estes partindo para a jihad no Iraque.
Menos… menos…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

O tempo passa, o tempo voa.
Hoje temos outra situação.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

Na hora do vamos ver a Rússia entregou até as frequências dos radares iraquianos..

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

“A URSS e a China foram totalmente contra a primeira Guerra do Iraque.”

Banco de escola nunca fez mal a ninguém. Pesquise na
Wikipedia, os EUA atacaram com AVAL DA ONU. Rússia e China, que têm poder de veto, permitiram: a China se absteve e a Rússia foi a favor.

Menos, bem menos você!

Agnelo
Agnelo
Reply to  100nick-Elã
2 anos atrás

Hahahahahahahaha
Wikipedia!!!!!
Hahahahahahah
Leia livros e pesquisas acadêmicas…. é o q faço…
Wikipedia!!!! Hahahahahahahahah

Agnelo
Agnelo
Reply to  100nick-Elã
2 anos atrás

Aprenda
O q um país faz ostensivamente não traduz sua intenção ou reais atos.
A maioria dos países da OTAN foi contra a segunda guerra do Iraque, mas na medida q enviaram tropas para o Afeganistão e até aumentaram suas participações, apoiaram os EUA na empregada no Golfo Pérsico.
China e Rússia lutaram até o fim para q não houvesse a ação contra Saddam, independente do ostensivo voto em uma seção da ONU.

sub urbano
sub urbano
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

A Russia ainda não havia se recuperado completamente no fim durante as duas guerras do Iraque. Fosse hoje a história teria sido outra.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Defensor da liberdade
2 anos atrás

A Russia nao fez nada quando israel foi acusado de usar o avião russo de escudo, a Russia nao fez nada quando os Países bombardearam a Síria e nem fez nada quando EUA destruir veículos blindados e matou mercenários russos. E porque isso ? porque é fraca ? ou tem medo ? Não !!! Ela nao fez nada porque nada disso era importante para a Russia ou prejudicava seus interesses econômicos, militares ou geo-políticos. A Russia é um gigante poderoso, que só se levanta obrigado e quando precisa mesmo e quer saber mais, o Trump ta seguindo esse mesmo caminho… Read more »

francisco
francisco
Reply to  Defensor da liberdade
2 anos atrás

O Brasil, Argentina e Uruguai levaram 6 anos para derrotarem o Paraguai.
Contra a Venezuela não seria uma guerra de seis meses, principalmente se eles receberem ajuda dos Russos, Chineses, Iranianos.
Então é melhor a gente ficar quieto, porque só traria despesas e prejuízos para o Brasil.

Maus
Maus
2 anos atrás

Se for verdade que apenas 20 SU30 e F16 estão operacionais (a força aérea venezuelana é a mais priorizada que as outras forças), isso prova que a maior parte do orçamento da defesa do país vai para a conta dos dois mil “generais”.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Maus
2 anos atrás

Ninguém sabe ao certo quanto desses equipamentos funcionam com segurança para seus pilotos. Mas uma coisa eu sei … Como brasileiro que ama seu País e deseja ter uma Força Armada forte, acredito que essa crise pode ser uma Ótima oportunidade do nosso governo conseguir através de doações ou venda via FMS, de vários tipos diferente de meios e equipamentos para renovar as nossas 03 forças. Pode ter certeza que os EUA estao doidos para o Brasil que é um Pais aliados tenha muito mais capacidade militar na região e ajudaria de bom grado nessa nossa reestruturação. E como bom… Read more »

Maus
Maus
Reply to  Paulo Costa
2 anos atrás

É claro que o Brasil vai estar comprometido com o USA, se por acaso o Brasil quiser vender algum equipamento que adquiriu deles depois, eles têm o poder de barrar a venda e em outros casos os equipamentos só podem ser modernizados lá.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Maus
2 anos atrás

Isso que você falou acontece sim e e normal que um pais detentor de equipamento faça, alias aconteceu recentemente com os M-41C, mas não existira outros tipos de obrigação como entrar em guerras por exemplo isso nao.

colombelli
colombelli
Reply to  Maus
2 anos atrás

eu e outros temos falado isso aqui. E realçado a falta de treinamentos e a questão da validade de misseis, a necessidade de manutenção e tantos outros fatores. Mas tem gente que não entende. faz raciocínio raso e acha que tudo é comparação de caracteristicas de armas, como se elas operasse sozinhas

joao
joao
2 anos atrás

“Nas redes sociais, alguns pedem para o exército brasileiro invadir a Venezuela…” ainda bem que as FFAA não se movem pelo que “dizem” as redes sociais, ao contrário de alguns membros ou “associados informais” do governo central. Nessas horas, muito sangue frio, Inteligência e competência técnica são necessários, para se tomarem as medidas adequadas para resolução da crise. E a respeito a essas habilidades, estamos bem servidos.

colombelli
colombelli
Reply to  joao
2 anos atrás

elementos com 40 anos de serviço e ECEME. Profissionais.

Diego Képler
Diego Képler
2 anos atrás

Depois desses dias as forças armadas nunca mais será a mesma, vão olhar com mais importância a necessidade de superioridade aérea nas forças.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Diego Képler
2 anos atrás

Que sirva de exemplo!

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Diego Képler
2 anos atrás

Queria muuuuuuito acreditar nisso, Diego. Mas o brasileiro é fogo, bicho. Tem memória curta. Se bobear logo logo vão dizer que essa é uma situação que acontece raramente. Infelizmente eu ainda não vejo o brasileiro acordando para a realidade de que o Mundo não é um mar de rosas e que o Brasil, por mais que tente, não vai conseguir ser amiguinho de todo Mundo e que uma hora pode precisar se impor.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

Brasileiro tem memória curta e estamos no carnaval. Aí já viu, né…

Raphael
Raphael
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

Até nisso o Maduro pensou….
Modo ironia: ON

Vinícius Henrique
Vinícius Henrique
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

Esse negócio de Brasil amiguinho acabou com Bolsonaro e agora pensaremos como potência! Não será como a acéfala da Dilma que queria resolver a questão do terrorismo dialogando com os terroristas… Agora quando discordamos de algo, discordamos e pronto, doa a quem doer. Mesmo com as forças armadas necessitando de meios mais apropriados com urgência, somos extremamente poderosos.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Diego Képler
2 anos atrás

Tomara que sirva de incentivo para o governo liberar verbas principalmente para defesa aérea, porque nao da pra esperar 2021 pelos gripens

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Paulo Costa
2 anos atrás

Não vejo por que não podemos esperar pelos Gripen, já que estamos em 2019. No máximo um arrendamento de Gripens C/D direto da Suécia, que aparentemente por enquanto anda precisando de todos eles. Li em algum lugar que teriam que se desfazer de alguns, mas até agora não confirmei quando isso seria feito. Assim mesmo, imagine que o governo Brasileiro resolve adquirir equipamentos tampão usados para lidar com a Venezuela. É bem provável que isso demore bastante tempo, quem sabe alguns meses para ser acertado. Mais alguns meses para a entrega das aeronaves e treinamento dos pilotos e tripulações de… Read more »

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

Eu estou falando em sistemas de misseis de médio e grandes altitudes para defesa aérea por e nao de alugar caças…
Alias, isso de alugar caças seria desnecessário a essa altura da partida, porque temos os F-5M ai para quebrar o Galho e muito bem por sinal.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Paulo Costa
2 anos atrás

Bem, então da próxima vez não mencione Defesa Aérea e Gripens. Talvez Defesa Anti-Aérea seja mais correto nesses casos. E precisamos mesmo de sistemas assim. É uma lacuna importante, mas novamente, não vejo como fazendo uma aquisição AGORA, poderia chegar durante a crise.

Maus
Maus
Reply to  Diego Képler
2 anos atrás

As FA chegaram a esse nível de precariedade por que elas nunca foram subornadas pelos governos anteriores, se fossem estariam bem equipadas como as da Venezuela, mas o povo brasileiro também estaria na mesma situação que o povo venezuelano.

Alexandre
Alexandre
2 anos atrás

Ela, não entende nada, visão da esquerda..se fomos atacados, o Brasil tem condições sim, somos um exército profissional, ter não significa, saber usar.. os militares tem noção e treinamento, e os equipamentos venezuelano, podem ser anulados.. a Venezuela que não tem condições de brigar com o Brasil. Não há ganho para nenhum dos lados, guerra não é vídeo game e a Rússia e China nada irão ajudar.

Fabio
Fabio
Reply to  Alexandre
2 anos atrás
Caravaggio
Caravaggio
Reply to  Alexandre
2 anos atrás

e a sua é a visão da direita.
A verdade estará no meio.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Alexandre
2 anos atrás

Alexandre ,o que vc falou tem tanto sentido que até o Maduro em toda sua loucura sabe disso e no palanque só berrou desfazer relações diplomáticas com a Colombia e não com o Brasil, sabe que não aguenta o tranco. Realmente ela não entende e deve ter pedido informação pra algum canhoto .

Guacamole
Guacamole
Reply to  Alexandre
2 anos atrás

O nosso e exercito não e profissional. Aqui o serviço é obrigatório.
A parte de algumas unidades militares como fuzileiros, paraquedistas entre outros, o grosso das forças armadas é composta de conscritos de 18 anos de idade que recebem formação básica de algumas semanas e depois passam o ano mantendo ordem unida e fazendo cri cri.
Queria concordar contido que temos uma super forças armadas mas essa não é a realidade material, econômica e humana que se vê com um orçamento voltado mais para a despesa de pessoal do que aquisição de equipamentos.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Guacamole
2 anos atrás

suas palavras mostram o quanto vc , Cortinhas e a sra Clara manjam do riscado sobre defesa e nossas forças armadas.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Guacamole
2 anos atrás

Não discordo de você, Guacamole. Felizmente temos sim núcleos profissionais dentro das FFAA que são bem treinados, equipados e contam com experiência. O grosso da infantaria é realmente de conscritos com instrução básica.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Alexandre
2 anos atrás

A Russia ou a china ficariam no meio termo, podem ate vender ou doar equipamentos (eu acho difícil) mas não iram enviar grandes contingentes de tropas ou navios ou aviões seus para lutar tao longe de casa porque é caro, demorado, trabalhoso, desgastante, sendo que é mais barato, rápido e fácil negociar um acordo que poupe seus interesses econômicos com novo governo. O Brasil não quer e nem pensa em atacar, mas tem sim condições de se defender muito bem e ate levar a guerra ao quintal do inimigo, porque nossas forças armadas são as melhores, maiores e mais bem… Read more »

Piloto de Combate
2 anos atrás

Texto superficial, que apresenta opiniões ao invés de fatos…

Desconsidera os poderios industrial e tecnológicos de nosso País. Não aborda a capacidade de mobilização que temos, muito menos a capacidade logística imediata para deslocar meios e tropa para uma área onde se faça necessário.

Para se fazer uma comparação adequada, não basta dizer efetivo… Tem que se entrar no nível de adestramento, disponibilidade dos meios de emprego militar, capacidade logística, entre outros… Qualquer estudo que não considere aspectos como estes não é estudo, e sim mera opinião.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Piloto de Combate
2 anos atrás

Nada melhor que alguém de dentro, que vive o dia a dia militar para calar os falastrões de internet.

A propósito Piloto, alguma novidade sobre os AH-1W???

MFB
MFB
Reply to  Piloto de Combate
2 anos atrás

Achei alguém que leu o mesmo texto que eu. Já falou tudo o que eu gostaria.

Uitina
Uitina
Reply to  Piloto de Combate
2 anos atrás

Não precisa nem citar mais nada, o Piloto foi no ponto, podem não gostar do termo mas haja vira-latas no brasil eita maldito complexo.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Piloto de Combate
2 anos atrás

Daí é Exame de Situação. Coisa que só militares profissionais, com Curso de Estado Maior, podem fazer.

Leandro Costa
Leandro Costa
2 anos atrás

Eu não concordo totalmente com a matéria, embora faça bons pontos aqui e ali. Acredito que a autora quando menciona ‘Força Naval’ deve ter se confundido na hora de escrever ‘Corpo de Fuzileiros Navais’ o que demonstra bastante a ‘afinidade’ que a autora tem com o assunto e de entender plenamente o que os entrevistados estavam falando. Ponto negativo aí. Acredito inclusive que tenhamos capacidade sim de movimentar nossas forças para a região em caso de necessidade. Podemos usar o 767, os C-130, C-105, etc., para reforçar a região e recentemente, acho que ano passado, fizemos exercícios de deslocamento de… Read more »

Vinicius
Vinicius
2 anos atrás

Parei de ler quando eu desci a página e vi: Fonte: Exame..

Marquês de São Vicente
Marquês de São Vicente
2 anos atrás

Na minha opinião o Brasil deve acompanhar as manobras militares da Venezuela com bastante atenção, deixar um contingente de prontidão e traçar uma estratégia de ação conjunta com aliados caso a coisa esquente. Mas não deve tomar uma iniciativa militar. Fica, no entanto a lição. É fundamental revisar nossos custos militares, um orçamento grande que fica completamente comprometido com a folha de pessoal, isto é impraticável! Passou da hora de levar a defesa nacional a sério, um louco pode assumir o poder de um país vizinho a qualquer momento e o papel do Brasil deve ser sustentar a estabilidade regional… Read more »

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 anos atrás

O Brasil só vai invadir a Venezuela se houver um ataque venezuelano primeiro ou se houver uma resolução da ONU, e eu não creio que estes dois fatos venham a ocorrer.

Leandro
Leandro
Reply to  Fabio Araujo
2 anos atrás

Ou uma false flag quem sabe.

Bosco
Bosco
Reply to  Leandro
2 anos atrás

Ainda bem que temos você que poderá nos alertar quando for uma false flag americana pra nos colocar contra a Venezuelana pra eles (os americanos) poderem sugar todo o petróleo do país às nossas custas, né?
Afinal, os americanos já nos usaram várias vezes pra invadir o Iraque, o Afeganistão, o Vietnã, etc.
Sem a grande ajuda militar brasileira os EUA estariam literalmente perdidos porque sozinhos eles não fazem nada.

francisco
francisco
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Se os USA não precisam do Brasil para invadir a Venezuela. Então que vá lá e faça o serviço sozinhos, em vez de ficar pressionando o Grupo de Lima.
A verdade é que sem formar uma aliança contra o Maduro os USA sozinhos não vão fazer nada. Na Síria ele formou uma aliança com 70 países enquanto do lado da Síria só havia Russia e Irã.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Os Estados Unidos adoram montar coalizões, não por medo de entrar sozinho, mas para algumas de suas ações oportunistas serem legalizadas.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
2 anos atrás

Pois é…
Agora é um deus nos acuda´´, é jornalista e comentarista de Facebook se perguntando se o Brasil teria ou não condições de cuidar da Venezuela. Nenhum deles ligou, durante todas essas décadas, para o descaso com nossas FA´s. Agora querem que as FA´s façam milagre. Felizmente, acredito que a possibilidade de guerra seja ínfima.
Adoraria acreditar que, depois disso, as FA´s recebam mais atenção. Mas, como disse um comentarista abaixo, brasileiro tem memória curta, e como no momento estamos no carnaval…
Brasileiro parece que adora ser pego de calças curtas…

Dodo
Dodo
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

As forças armadas brasileiras tem condições mais do que plenas de cuidar da venezeula saudações

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Dodo
2 anos atrás

As forças armadas brasileiras tem condições mais do que plenas de cuidar da venezeula´´
Ok, mas a que preço? Suponhamos que entremos em guerra com a Venezuela. Vai ser um passeio no parque? Não. E o custo material, financeiro e em vidas humanas pra nosso país e nossas FA´s?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

Temos condições sim. Mas não seria nada fácil. Não é como caminhar no parque. No melhor dos cenários (rendição/deserção em massa das forças bolivarianas e apoio total da população), uma intervenção militar Brasileira ainda seria EXTREMAMENTE custosa em vidas, equipamento e economicamente. Não seria algo que conseguiríamos sustentar sem uma ajuda de uma coalisão internacional. Temos mais condições sim de defender nosso país, porque aí os custos maiores incidiriam sobre o país agressor e esse é um dos sustentáculos da matéria e não é mentira. Portanto sim, poderíamos ‘vencer,’ ou seja, atingir objetivos pré-definidos como a anulação de ameaças ao… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

E não custa lembrar que, além da região Norte não ser nada fácil em matéria de logística, nosso país não está passando pelo melhor momento econômico da sua história… Nosso país está quebrado, nem deus sabe o quando isso nos custaria $$.

Dodo
Dodo
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

Quebrado ? Quebrado está a venezuela, a Grécia, etc… não confunda período de crescimento baixo pós recessão com um estado falido
Estamos por um momento de retorno de crescimento e recuperação econômica, a economia crescer pouco mais cresce. Ainda mais agora com um governo sério e com um baita economista e administrador como é o Paulo Guedes cuidando da economia

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Dodo
2 anos atrás

Cara, o Paulo Guedes pode ser a reincarnação de Adam Smith com mudanças genéticas para dotá-lo de um QI Econômico de fator 500 e ainda por cima levaria tempo (leia-se alguns vários anos) para o Brasil se recuperar do estrago feito pela quadrilha.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

Na Venezuela as pessoas roubam o cao do vizinho pra matar e comer com certeza eles estão muito bem pra entrar em guerra com outro País.

Dodo
Dodo
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

E quem disse que seria fácil? Ou que é desejável? Eu apenas falei um fato, temos plenas condições de nos defender da Venezuela se necessário for, por mais que a galera da esquerda se dissolva de raiva por dentro, as Forças armadas brasileiras são inconstesteavelmente as melhores da região.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

Guerra é isso , se for pensar so nisso de custos pode ter certeza que os da Venezuela seriam maiores e eles estao em péssimas condições.

Mas Acho que nao terá guerra nenhuma, no máximo uma invasão da GNB para saquear supermercados brasileiros kkk

Saulo
Saulo
Reply to  Willber Rodrigues
2 anos atrás

Não é fácil pra nenhuma pais entrar em guerra, nem pros EUA, nenhuma das guerras que travou foi um passeio pelo contrario, mesmo com muita tecnologia e armamento, sofreu duras penas… Não desejo a guerra, mas creio que temos capacidade sim de vencer, mas com certeza nenhuma guerra fácil!

Dodo
Dodo
2 anos atrás

Que matéria deplorável, falou e não disse nada ” número e poder de fogo de equipamentos brasileiros é inferior” , honestamente quem escreveu essa matéria está muito mas MUITO fora da realidade. Ahhh entendi, é da revista exame, uma mídia claramente de esquerda e que em diversas matérias nao busca esconder seu apoio pelo PT e pelo governo de Nicolás maduro…. honestamente lamentável que um jornalismo tao baixo e se valendo do desconhecimento de parte da população sobre a realidade militar na região, se aproveite para espalhar propaganda negativa das forças armadas. Lamentável também ontem aquele Andreazza da jovem pan… Read more »

Wagner
Wagner
Reply to  Dodo
2 anos atrás

Concordo. Ter não significa manter nem saber operar. O desconhecimento das capacidades militares reais e a comparação super trunfo é ridícula. Estou é pasmo que um lixo de reportagem desse tenha sido publicado num site que tem se demonstrado até aqui bastante técnico. Cadê os editores?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Wagner
2 anos atrás

Chama-se: Democracia, na qual está contida a ‘pluralidade de idéias.’ A idéia é que matérias que ofereçam diferentes visões possam alimentar o debate franco e positivo, que é algo sempre bom quando é feito de boa fé. Serve bem para ilustrar como a grande mídia não especializada enxerga assuntos militares e pode nos dar uma noção de como isso tudo é visto pelo povo que consome a grande mídia. É um ótimo termômetro para qual se possa balizar análises.

Dodo
Dodo
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

Leandro me desculpa, mas não vejo isso como sendo uso de boa fé para “alimentar um debate”, vejo isso como pura e simples desinformação, seja proposital ou não, e deve ser tratado como tal

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Dodo
2 anos atrás

Então, lamento, mas te falta visão um pouco mais ampla e um pouco de espinha dorsal. Eu jamais frequentaria e comentaria um veículo de comunicações que estivesse com o intuito de me desinformar ao invés de me providenciar uma visão mais detalhada e ampla possível. É a famosa imparcialidade que tanto criticamos a grande mídia brasileira como não tendo. Gosto da variedade das matérias por aqui porque elas podem me mostrar algo que eu não tinha pensado, bem como o fato de como algumas pessoas conseguem distorcer um monte de coisas que para mim são bem claras, como por exemplo… Read more »

Wagner
Wagner
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

OOooo discursinho chato… Alguns pontos: – Meu recado foram aos editores, não a você que fez um montão de elucubrações com base em nada que eu tenha escrito… não venha falar borracha a respeito de democracia, nem querer dar liçãozinha chinfrim, por favor; – Até então esse site tem tratado de assuntos militares bastante técnicos e em artigos de qualidade. Se uma matéria sai fora dessa linha editorial eu questiono sim. Problema nisso? A opinião dos editores sobre essa “reportagem”, ou a razão de sua postagem, não foi dita, e a não ser que você faça parte do corpo editorial… Read more »

André
André
Reply to  Wagner
2 anos atrás

Essa matéria publicada aqui no ForTer é bem ruinzinha!!!

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Dodo
2 anos atrás

Dodo, acho que você considera que todo mundo que não concorda com você seja um esquerdola ensandecido. A vida é um pouco menos preto no branco do que isso e eu não sei com qual regularidade você escuta o Andreazza, mas posso te falar uma coisa de experiência própria em relação à ele. Longe de mim de estar defendendo qualquer pessoa, mas o fato é que durante as eleições ele foi uma das vozes que eu escutava que eram mais anti-PT do que muitos outros. Ainda assim foi bastante moderado e entre os jornalistas de grande mídia Brasileiros, foi uma… Read more »

Dodo
Dodo
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

Nunca disse que ele era esquerdista. P problema é que ele é um baita ignómil nesse tema, e se ele não conhece a respeito deve evitar comentar sobre isso. Pois o tudo que ele conseguiu foi aumentar a histeria coletiva e causar problemas entre a imprensa e os militares . Foi desrespeitoso e irresponsavel além de ser falso. Nunca disse que quem discorda de mim é esquerdista, entretanto, se a maior parte de quem fala besteira em temas militares é esquerdista aí já não é problema meu ….

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Dodo
2 anos atrás

IGNÓBIL… escreva ao menos certo ao ofender alguém em um comentário…

colombelli
colombelli
Reply to  Dodo
2 anos atrás

tu esperavas o que de um civil que não sabe nada de operações militares e nunca chegou perto de um fuzil ou ao menos fez questão de estudar como é de fato emprego de tropa?

Uitina
Uitina
Reply to  Dodo
2 anos atrás

Andreazza ele é sim alguma coisa como editor e escritor mas como comentarista político é ridículo, fraco é sem argumentos as previsões politicas dele viraram meme na internet, dificilmente ele acerta uma ou faz um comentário decente principalmente desde a época das eleições, a JP consegue ter alguns dos piores comentaristas políticos de toda a mídia, Vera, Joel não escondem a cor da camisa, um caso a parte e o Professor Villa conheço o trabalho dele por ser aficionado por historia e gosto dos seus argumentos e comentários mas quando ele tira pra falar m…. ninguém ganha e ainda mais… Read more »

Matheus
Matheus
2 anos atrás

▶️ ATENÇÃO

Governo de @NicolasMaduro pelo segundo dia seguido viola a soberania territorial e lança bombas de gás e atira contra manifestantes em solo brasileiro. Repórter da @GloboNews narra o momento da agressão das forças chavistas.

francisco
francisco
Reply to  Matheus
2 anos atrás

Ai fica uma pergunta: E porque o exercito brasileiro permitiu que baderneiros utilizassem o solo brasileiro para atacar os militares venezuelanos?
No mínimo, o Brasil foi conivente e pecou por omissão. Só resolveram acabar com a baderna quando quiseram.
Agora pintam de vítimas que foram agredidos. Isto também é uma forma de ataque de falsa bandeira.

Matheus
Matheus
2 anos atrás

The Brazilian army has intervened to move protestors away to stop them clashing with the GNB
#Venezuela #Brazil

Leandro
Leandro
2 anos atrás

A maioria dos textos que se falam sobre Venezuela é puramente idológico, tratam o tema como uma luta entre o bem ( capitalismo ) e o mal ( socialismo ) Pare com isso, nem mesmo hoje a China é Socialista! Matamos nosa galinha d ovos dourados. Até a alguns anos a Venezuela importava do Brasil quase 80% do que consumia. Isso significa divisas, no auge da crise o qu os chineses e russos fizeram? investiram no País, mas a troco de que? Acham mesmo que foi a troco de mera solidariedade? A China e a Rússia detém hoje quase que… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Leandro
2 anos atrás

A idéia do envolvimento Brasileiro em relação à Venezuela não é propriamente ideológica como muitos vêem, mas sim porque ela está no nosso quintal e não podemos deixar um elemento instável na nossa região. O nosso comércio com a Venezuela era bastante proveitoso e precisamos que isso retorne à normalidade.

Não se pode, não se deve de forma alguma olhar o mundo com uma ideologia cega como muitos o estão fazendo por aqui, mas sim com total pragmatismo.

Leandro
Leandro
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

Realmente não podemos deixar um elemento instável e sim desestabilizar ainda mais em prol de interesses de terceiros.

Leandro
Leandro
Reply to  Leandro
2 anos atrás

Disse tudo xara. Muito ideologismo para mentes vazias.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Leandro
2 anos atrás

Olhar um vizinho teu minguar de fone, não cuidar de teus filhos, negar a própria família que bate a sua porta implorando por ajuda e ainda este vizinho cria todo o tipo de dificuldade é natural? Devemos aplaudir a forma, ou ideologia, que um insano desses e seus fecais apoiadores pensam?

Pafuncio
Pafuncio
2 anos atrás

A tropa que atuou na intervenção do RJ está perfeitamente apta para combater em qualquer guerra.

Vinícius Henrique
Vinícius Henrique
2 anos atrás

Se é pra fazer uma porcaria de matéria dessas nem faça! Não explicou nada, só levou tudo pro lado do “depende”. Em caso de guerra o Brasil ACABARIA com a Venezuela, ainda que o choque inicial fosse duro para o Brasil por conta do poderoso armamento Russo que possui a Venezuela, contudo em alguns meses equilibrariamos a situação e logo acabariamos com a Venezuela, já que temos uma indústria muito mais poderosa, um povo Valente e alimentado e soldados saudáveis.

Baschera
Baschera
2 anos atrás

Nem à pau a Venezuela gastou Us$ 52 bilhões como orçamento militar no ano citado (2016). Traficionalmente, embora o levantamento dos números reais sejam muito prejudicados pela hiper inflação e as estatísticas mascaradas, o orçamento militar real (citando a mesma fonte da matéria), como média, ficou em 1,14% do PIB no período entre 2011 e 2015. Ainda assim, levando em conta a maior parte das aquisições militares recentes. “Although 2016 saw an unprecedented economic contraction, with inflation at 254.9% and a 56% cut in the defence budget, Venezuela has over the past seven years allocated 1.41% of GDP to defence.… Read more »

Baschera
Baschera
Reply to  Baschera
2 anos atrás

Na verdade, a matéria mente ou peca descaradamente.
O orçamento de defesa da Venezuela, que já foi muito maior, foi de apenas aproximadamente Us$ 2,3 bilhão no ano de 2016.

https://www.as-coa.org/articles/weekly-chart-military-spending-latin-america-and-caribbean

Sds.

Dodo
Dodo
Reply to  Baschera
2 anos atrás

Vindo da revista exame …..eu não me surpreendo

Marcos
Marcos
2 anos atrás

O Jornalismo da Globo filmou mais um confronto faz 30 minutos, atiraram para dentro do território brasileiro. A repórter ficou indignada. Atiraram bombas de gás dentro do território brasileiro

https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2019/02/24/venezuelanos-fazem-novo-protesto-na-fronteira-com-o-brasil.ghtml

Marcos
Marcos
Reply to  Marcos
2 anos atrás

O mesmo coronel sozinho na linha de frente e os soldados da GNB em fila avançando cada vez mais para perto do marco na fronteira. De acordo com a Jornalista, eles estão avançando para o marco da fronteira, ou seja, vão chegar na divisa e se brincar vão cruzar.

1 único soldado brasileiro, desarmado, sem colete segurando 1 rádio portátil no meio da multidão

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Marcos
2 anos atrás

Algumas considerações: 1- A repórter estava bem nervosa. Não deve estar acostumada à ver gás lacrimogêneo. Faz parte, não vi nada de muito agressivo. No momento em que ela declarou que haviam disparado gás contra o território brasileiro, ainda não havia acontecido. Posteriormente dispararam para o lado Brasileiro… e poxa… TRÊS TANQUES! (LOL!) 2- No momento em que a bomba de gás atingiu o território Brasileiro, o Coronel do EB em comando no local fez o que um bom comandante em uma situação delicada deveria fazer. Ele foi sozinho e desarmado até o marco de fronteira e sinalizou aos soldados… Read more »

Delfim
Delfim
Reply to  Marcos
2 anos atrás

Bom pra Globo cheia de vermelhos ver com os olhos da realidade.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Marcos
2 anos atrás

Eu vi isso, nossa atiraram bombas de efeito moral no lado brasileiro, vamos mandar os AMX bombardear Caracas por causa disso… E os “tanques”? kkkkkkkkk Mais interessante foi a atitude do coronel o EB, 1 homem só foi lá na maior tranquilidade e dispersou os manifestantes, para vermos que o EB está tranquilo quanto à situação. EB sempre com o pé no chão!

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Defensor da liberdade
2 anos atrás

Quando a mulher falou “olha os tanques”, eu pensei que era um T-72, eu “pronto tamo fu….”

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Defensor da liberdade
2 anos atrás

Tanque é pra lavar roupa…

Wagner
Wagner
Reply to  Defensor da liberdade
2 anos atrás

T 72 é um alvo muito bom! Pergunte ao Tio Jacob.

Caravaggio
Caravaggio
2 anos atrás

O analista não leva em conta a capacidade econômica e industrial dos dois países, que não tem comparação. E nem precisa dos americanos pra nada. Vc pode começar uma guerra dessas em desvantagem, mas em pouco tempo facilmente suplanta o adversário em todo tipo de fator bélico, de homens a equipamentos. Bem fraco isso aí.

Billy
Billy
2 anos atrás

Quanta besteira nesse artigo! Fala como se fosse uma “aventura” um jogo, uma escolha simples. Se faz de bobo! O canto da sereia, enganoso, do pacifismo, é uma arma utilizada por interesses ocultos globaiss. Manter uma Nação gigante como o Brasil desmobilizada, psicologicamente e materialmente é chave pra elles. Anular-se politica e estrategicamente vai gerar consequências ainda piores. Utopismo para idiotas consumirem! As Nações são chamadas à responsabilidades, algumas colimam seus objetivos e lucram, outras se submetem e amargam as consequências destas atitudes , externa e internamente.

Doug385
Doug385
2 anos atrás

Há algo de muito estranho nos números apresentados na matéria.

João Adaime
João Adaime
2 anos atrás

Matéria superficial, querendo fazer sensacionalismo sobre o assunto do momento. Mas uma coisa se aproveita dali: “Na guerra é sempre mais fácil defender do que atacar”. Isto é relativo, mas eu traduziria como: “Leva vantagem quem atua no seu território”. A Venezuela não tem condições de manter forças dentro do território brasileiro. Fora o fato de que a porta de entrada é um lugar remoto e despovoado, sem nenhum valor estratégico. Fica a 1.276 km de Caracas e para chegar a Manaus, faltariam ainda outros 991 km. É só deixar que soldados venezuelanos cheguem até uns 100 km de Manaus… Read more »

Ramon
Ramon
2 anos atrás

Acho que se for feita uma intervenção militar na Venezuela tem que ser os EUA mesmo, pois na minha visão só eles tem condições de fazer uma intervenção militar que não influenciaria na qualidade de vida de seus cidadãos. O papel do Brasil se ocorrer um conflito deve ser de receber os refugiados e garantir a segurança da fronteira, mas não deve assumir isso por conta própria o governo deve chamar a ONU e outras organizações internacionais para organizar campos de refugiados onde a ajuda internacional iria manter os venezuelanos no território brasileiro com condições mínimas de dignidade e o… Read more »

WarStrike
WarStrike
2 anos atrás

Uma guerra Brasil X Venezuela ia durar apenas semanas. 2 ou 3 semana com o JN mostrando um monte de caixão com bandeira do Brasil chegando em Brasília. Opinião pública ficaria contra. A guerra ia acabar, sem vencedores. O único país que pode resolver essa situação é os EUA.

Paulo B
Paulo B
Reply to  WarStrike
2 anos atrás

Rapaz, nunca vi tanta besteira.
Isso é fruto de muita desinformação. Mesmo a maior fonte de desinformação do mundo, YouTube, os latino-americanos afirmam que temos as melhores forças armadas da AL.

Tá doido

WarStrike
WarStrike
Reply to  Paulo B
2 anos atrás

Sim temos, mas somos um gigante de pés de barro nessa situação. Todo nosso pessoal, equipamento, tanques e carros de combate está no Sul e Sudeste. Não temos ferrovias para levar equipamento para lá. A logística favorece a Venezuela, ela consegue levar material e tropas de forma muito mais rápida para região. O Brasil claro venceria essa guerra, mas na minha opinião, 2 ou 3 semana, a opinião pública estaria contra. Levando a situação a empate, sem ganho algum. Apenas mortos e feridos dos dois lados.

colombelli
colombelli
Reply to  WarStrike
2 anos atrás

nem perto de um fuzil chegou e sabe tudo, até mais que profissionais com 40 anos de serviço e ECEME. Patético

Camargoer
2 anos atrás

O modo mais fácil de errar é simplificando a situação. O primeiro ponto é a ilegitimidade do autoproclamado presidente. Mesmo considerando o fato do boicote da oposição às eleições, Maduro venceu. O segundo ponto seria o agravamento das condições da população devido uma guerra. Se está ruim agora, será pior se ocorrer uma guerra. Portanto, a primeira diretriz de uma ajuda humanitária será evitar a guerra a qualquer custo. O terceiro ponto é a crise econômica e social por que passa a Venezuela, que acaba sendo agravada pela crise política. É preciso equacionar o problema político antes, talvez por um… Read more »

Sagaz
Sagaz
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

Discordo…

Todos pacientes de câncer não devem tratar-se então, afinal, perder peso, os cabelos, efeitos colaterais, que sentem e aguardem a morte.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Sagaz
2 anos atrás

Sua comparação foi bem infeliz.

Camargoer
Reply to  Sagaz
2 anos atrás

Caro Sagaz. Caso o objetivo seja humanitário, não faz sentido uma operação militar que agravaria a condição da população. Por outro lado, se o objetivo for derrubar Maduro por meio de uma operação militar internacional (aos moldes da invasão do Iraque) o resultado seria uma guerra civil. Portanto, a pergunta que deve ser feita é qual o interesse brasileiro? Óbvio é a estabilidade política da Venezuela. Isso resolveria o problema dos refugiados na fronteira brasileira, garantiria o fornecimento de energia elétrica para Roraima, abriria o mercado para empresas brasileiras abastecerem a Venezuela. O pior cenário ao Brasil seria uma desestabilização… Read more »

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

É o mesmo que dizer: “apesar do time A ter sido proibido de escalar seus 7 melhores jogadores (pois estavam presos), a sua torcida ser ameaçada de morte e o juiz ter sido comprado, o time B venceu, e sendo assim, B é o legítimo campeão”. Por muito menos o povo de esquerda aqui fica gritando que é golpe.

Camargoer
Reply to  paddy mayne
2 anos atrás

Caro Paddy, metáforas futebolísticas são inapropriadas até quando se discute futebol. Sob o ponto de vista do Estado de Direito, a declaração de Guaido não tem amparo legal. Reconhece-lo como presidente torna a Venezuela um Estado de Exceção, e consequentemente, Guaido um ditador. Por outro lado, o voto na Venezuela é facultativo, portanto é irrelevante o fato de Maduro ter sido eleito em uma eleição com 54% de abstenção. Ele foi eleito com 67% dos votos válidos (esse argumento foi usado por Lacerda para tentar impedir a posse de JK. Por isso as eleições brasileiras possuem segundo turno). Agora, se… Read more »

mcremp
mcremp
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

“Sob o ponto de vista do estado de direito”? Que estado de direito? O seu? O do Maduro? O da Gleisi?
É da natureza humana enxergar os fatos de acordo com as próprias convicções, mas há que tomar cuidado para não passar dos limites e cair no ridículo e ficar repetindo “É gópi! É gópi!”.

Camargoerí
Camargoerí
Reply to  mcremp
2 anos atrás

Caro Mcremp. O Estado Democrático de Direito é a resposta contra o totalitarismo e autoritarismo (ver Hayek em “o caminho para servidão”). Sob o ponto de vista do estado de direito, as leis são obedecidas tanto pelas pessoas quanto pelo Estado. O contrário do estado de direito é o estado de exceção. São mutuamente excludentes. Ou as leis são obedecidas ou vive-se uma ditadura. Como não existe amparo legal para Guaido, sua autoproclamada presidência se baseia em um estado de exceção, qualquer que seja sua intenção ou justificativa.

mcremp
mcremp
Reply to  Camargoerí
2 anos atrás

Blá-blá-blá.
A primeira coisa que toda ditadura faz é criar leis que a justifiquem, e que, para os que acreditam, as tornam legítimas. Até Cuba e Coréia do Norte tem leis afirmando que seus governos são legítimos e democráticos.
O mundo real é outra coisa.
Só iludidos ou fanáticos acham que um ditador deve ser derrubado sem infringir as leis que o próprio ditador criou.
E por último, Guaidó não se auto-proclamou. Quem proclamou o estado de exceção foi o congresso venezuelano, em função das eleições ilegais que o Maduro realizou à força e contra a constituição venezuelana.

Camargoer
Reply to  mcremp
2 anos atrás

Caro Mcremp. Todo regime totalitário se apoia em leis (algumas ilegais, como foram os “Atos Institucionais”, outras imorais como eram as leis de segregação nos EUA ou o apartheid na África do Sul). Uma democracia é constituída sobre 3 bases: O Estado de Direito, eleições livres e periódicas e Direitos Humanos. Um estado totalitário criará sua base legal para justificar suas ações (como as Leis de Nuremberg) mas sem respeitar os direitos humanos, será apenas outra ditadura. A constituição da Venezuela (disponível em espanhol na internet) prevê que o presidente será escolhido por eleições. Portanto, a autoproclama presidência de Guaido… Read more »

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

Então você está certo, enquanto todas as nações (quase todas as democracias europeias) que não reconheceram a eleição de Maduro estão erradas.

Camargoer
Reply to  paddy mayne
2 anos atrás

Caro Paddy. Considerando que os países não tem amigos, mas sim interesses, cabe aos governo desses países justificar suas decisões aos seus eleitores. Não parece razoável que eu precise ter uma opinião baseada nos motivos de governos estrangeiros, muitos dos quais precisaram se desculpar anos depois de algumas de suas decisões. Apenas em regimes totalitários eu seria obrigado a apoiar incondicionalmente a decisão de um governo.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

82 bilhões de dólares ? Eiiiita…

Isto é de reais e dependendo do câmbio

Jornalista leigo é uma m…..

Camargoer
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

Caro Rodrigo. Você tem razão. O orçamento do MiDef é da ordem de R$ 80 billhões de reais, ou US$ 20 bilhões. (segundo o SIPRI, em 2017 o Brasil teve um orçamento de US$ 29 bilhões e a Venezuela US$ 465 milhões)

Davi
Davi
2 anos atrás

o brasil vencera esta guerra facilmete. temo os soficienti para aniqilar toda as forca da venenzuela. apena precisamos do caças f5 e astro 2020 nós nossos
navios deu guerra.más claro que aseitariamos uma ajudenha do eua,

Ivanmc
Ivanmc
2 anos atrás

Eu não tenho dúvidas que o Brasil tem uma força muito bem preparada e melhor em comparação com a Venezuela. Temos batalhões de infataria de selva na Amazônia soldados muito bem adestrados, temos Bigradas de Infantaria leve, Fuzileiros navais, aqui no Sul muitos Esquadrões de Cavalaria Mecanizada… Temos batalhões de infantaria bem treinados em vários Estados, Companhias de artilharia de guerra, etc. Eu li numa matéria que o jornalista da Exa.. disse: “que temos ‘balas’ para um dia de combate”. Não é bem assim mesmo, temos Arsenais de guerra no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro, munição… Read more »

Camargoer
Reply to  Ivanmc
2 anos atrás

Caro Ivan. Acho que as coisas são mais complicadas. O EB teve bastante dificuldade logística para organizar o batalhão que atuou como força de paz no Haiti, o que foi sendo corrigido com o tempo (afinal foram 13 anos de operação). Organizar uma operação expedicionária para combater em território estrangeiro demandaria muito planejamento e investimento, o que demandaria bastante tempo de preparação. As forças armadas brasileiras teriam grande vantagem tática na defesa do território nacional, mas pode não estar preparada para uma operação intensiva no exterior. Lembro que os Argentinos perderam a guerra por causa da falta de preparação logística… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

Prezado
Sobre o Batalhão q foi organizado emergencialmente pro Haiti (BRABATT II), é um pouco mais complexo.
Para ações sob a bandeira da ONU, o efetivo deve ser 100% voluntário para a missão e tem de ter treinamento específico, sob pena de pesados danos colaterais.
Esse foi o problema de formar às pressas um segundo batalhão.
Sds

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

É isso aí, Agnelo. Agora é hora de organizar, investir, talvez até profissionalizar as nossas forças armadas, num futuro próximo, por que não?! Dinheiro, Inss, impostos??? Não sei, mas com um(o)país em guerra fica impossível administrar, ou melhor sem um país para administrar. A situação está na mesa, a fratura está exposta, o melhor exemplo está aí, nas barbas. Temos meios. É aquele velho ditado: “Si vis pacem, para bellum”

Camargoer
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

Caro Agnelo. A invasão do Iraque envolveu cerca de 400 mil tropas (umas 15 divisões?) para combater uma força iraquiana similar. Uma intervenção miliar na Venezuela talvez necessite de um número parecido de infantaria que iria combater tropas regulares em um primeiro momento e provavelmente seria necessário manter uma tropa de ocupação que enfrentaria uma forte resistência de guerrilhas por anos. As dificuldades e o custo para o EB organizar 2 ou 3 divisões expedicionárias seriam imensos e demandariam meses de preparação. É no mínimo insensato.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

Prezado
Não vejo nenhuma possibilidade de intervenção militar brasileira na Venezuela.
No mais, nenhum Estado da AL tem capacidade de adentrar e manter uma força centenas de Km em território ocupado.
Aliás, no mundo, fora EUA, China, Russia, provavelmente India e Paquistao, acho muito dificil algum Estado conseguir.

Bom, minha intenção foi mostrar q a situação de prontidão do EB não tem por base a missão do Haiti.
Sds

Camargoer
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

Caro Agnelo. Concordo que uma intervenção militar brasileiro é inviável além de ser contraproducente. O problema foi o Itamaraty comprometer sua neutralidade para mediar a crise. Mas também acho que as forças políticas na Venezuela (representadas por Guaido e Maduro) inviabilizam um acordo para normalizar a situação venezuelana. Parece, ao menos por enquanto, que não haverá ganhadores.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

Boa tarde, Camargoer. Eu sei das dificuldades e o ostracismo por que passam as nossas Forças Armadas, mas numa contenda hipotética, creio que temos muito mais condições de vencer as forças do Maduro. Eu li num dos comentários aqui na trilogia e acho que vem acalhar, com esse fato novo acontecendo com o nosso país, talvez mude o investimento e seja melhor repensado(a) as nossas forças armadas e tenha maiores investimentos. A situação está aí, outrora as Malvinas foram aqui no nosso quintal praticamente, a água pode estar chegando e batendo nos nossos fundilhos, talvez. Eu sou extremista, quando se… Read more »

Camargoer
Reply to  Ivanmc
2 anos atrás

Caro Ivan. Também acho que o Brasil teria potencial de vencer uma guerra destas, mas o custo para o país seria desastroso. Primeiro que uma guerra de invasão teria enorme oposição política e civil dentro do Brasil (enquanto que ser fosse uma guerra de defesa, poderia ter apoio incondicional da população). Os custos seriam imensos e levaria a economia brasileira ao colapso (como ocorreu com a Argentina após as Malvinas). Eu geralmente separo o que seria investimento em defesa (como o Guarani, o Prosub e o KC360) de gastos com custeio militar (importações, logistica, compras de oportunidade). Investimentos geram ganhos… Read more »

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Camargoer
2 anos atrás

Lembra quando enviaram um contingente para a unifil 🤔⁉️
Se não me engano, ficaram mais de um mês em terra porque não tinha navio.

SPQR
SPQR
2 anos atrás

Bastou um minuto de pesquisa pra descobrir que a jornalista autora da matéria é da turma da lacração. Credibilidade zero.

WarStrike
WarStrike
2 anos atrás

Não vai ter guerra nenhuma. Só vai ocorrer algo, se Maduro atacar. A preocupação do Maduro é a Colômbia. Se foi instalado um S-300 mesmo e talvez tenha artilharia na nossa fronteira, é justamente para Venezuela evitar uma guerra em dois front. Só se preocupar com a fronteira colombiana.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  WarStrike
2 anos atrás

Colômbia é membro da OTAN e Brasil é um clássico “soft power” regional. Atacar qualquer um desses seria um grande erro de geopolítica.

Marcio Cosentino
Marcio Cosentino
Reply to  paddy mayne
2 anos atrás

Colômbia não é membro da OTAN. Ela é uma parceira global.
Colombia thus becomes NATO’s first global partner in Latin America. Those in other regions include Afghanistan, Iraq, Pakistan, New Zealand, Japan, Mongolia, and South Korea. But planning for Colombia’s association with NATO apparently preceded that for the seven other nations. As a global partner, Colombia isn’t bound by Article 5 of NATO’s founding treaty of 1949 which declares that an attack on one member state is an attack on all of them, something applying to the 29 fully-fledged members.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Marcio Cosentino
2 anos atrás

Obrigado, Marcio. Mas acho que para o Trump basta isso como argumento para uma eventual operação.

Marcio Cosentino
Marcio Cosentino
Reply to  paddy mayne
2 anos atrás

Na realidade acho que para o Trump nem isso precisava, basta ele querer .

WarStrike
WarStrike
2 anos atrás

Brasil precisa ficar calmo e não decidir suas ações baseado em ideologia política. Imagina os livros de história. “Brasil considerou um ataque a sua soberania, algumas latas de gás lacrimogênio da Venezuela”.

Camargoer
Reply to  WarStrike
2 anos atrás

Caro War. Acho que o melhor seria pensar em termos de realpolitik. O Brasil perde em todos os modos ao se envolver neste conflito (aliás, já perdeu). A Venezuela era um grande mercado consumidor brasileiro e tinha um papel mediador na América do Sul devido sua força geopolítica. Concordo que é preciso manter cabeça fria, mas não há ganho se for pautar pela ideologia política.

Marcio Cosentino
Marcio Cosentino
2 anos atrás

Eu sinceramente gostaria de ver estas pessoas que insuflam a guerra serem as primeiras a irem para a frente de combate. Como já falaram, muito bem, aqui, a primeira ação é evitar a guerra, conflito armado deve ser o último recurso. Devemos estar preparados sim, mas nunca devemos desejá-lo. Parem de colocar lenha na fogueira, e deixem as pessoas treinadas e preparadas para isso fazerem a sua parte. Guerra não é vídeo game, não é seriado no Netflix, guerra é perversa, é cruel e é indesejável sempre. O regime ditatorial de Maduro irá cair, basta que as ações necessárias a… Read more »

Eduardo Henrique
Eduardo Henrique
Reply to  Marcio Cosentino
2 anos atrás

Só deseja a guerra quem nunca a conheceu…

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Marcio Cosentino
2 anos atrás

Vejo muitos patriotas brasileiros clamando por invasão, em defesa da democracia, do povo venezuelano, que devemos oferecer bases para nossos irmãos norte americanos invadirem o país vizinho. Mas duvido muito que esses Brasileiros patrióticos se apresentariam para tal empreitada, alguns falam frases de efeito como : “selva”, “a cobra vai fumar” e o mais novo do momento, “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”… Gostaria de ver esses bravos guerreiros de Airsoft e paint ball mostrarem seu vigor, e que fossem os primeiros a botarem o rabo deles na reta com um sorriso no rosto e a bandeira do… Read more »

Renato
Renato
2 anos atrás

A verdade é que General brasileiro é teórico da guerra e nada mais. Gostaria muito de dizer o contrário mas na verdade não posso. Apesar de muitos aqui falarem “vamos invadir, vamos dar um pau” eu prefiro ser racional. Se na época que eu estava no Exército já era um vergonha imagina hoje. Na minha opinião não adianta só culpar a faltar de orçamento. É falta de visão dos nossos generais, os teóricos da guerra. Por exemplo… – de que adianta mover todos os regimentos de cavalaria e infantaria blindados para o sul? Só porque a região norte e selva?… Read more »

WarStrike
WarStrike
Reply to  Renato
2 anos atrás

Concordo. Brasil é visto como país neutro. Poderia comprar armas de qualquer lugar. Deveria usar essa vantagem, para ter o melhor armamento possível, podendo ter vários fornecedores.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Renato
2 anos atrás

Mas quem aqui esta falando “vamos invadir”? Só vejo cautela da grande maioria, felizmente.

Dodo
Dodo
Reply to  Renato
2 anos atrás

Meu Deus quanta besteira em um único comentário. Vamos lá filhão por partes. Porque a cavalaria está concentrada no sul é no centro oeste ? Vamos você consegue entender faz uma força( lá Esta