Home Blindados Tanque Argentino Mediano: Governo Macri investirá este ano quase US$ 9 milhões...

Tanque Argentino Mediano: Governo Macri investirá este ano quase US$ 9 milhões na modernização

8777
93
TAM - Tanque Argentino Mediano
TAM – Tanque Argentino Mediano

Por Roberto Lopes
Especial para o Forças Terrestres

A seção de notícias do portal oficial do governo argentino – www.argentina.gob.ar – confirmou, sexta-feira passada (01.03), o início dos trabalhos de modernização que, no Batalhão de Arsenais 602, da periferia de Buenos Aires, vão transformar os primeiros três carros de combate TAM (Tanque Argentino Mediano), de 31 toneladas e nível de modernidade do fim da década de 1970, no modelo TAM2C – um blindado no patamar de eficiência de um tanque médio dos dias atuais.

Curiosamente, a matéria intitulada Proyecto TAM2C – La modernización de nuestros “caballos de acero” (https://www.argentina.gob.ar/noticias/proyecto-tam2c-la-modernizacion-de-nuestros-caballos-de-acero), foi retirada do ar poucas horas depois de ter sido postada.

O twitter do Exército Argentino com um link para a reportagem também foi apagado, e a página da Força que tratava do assunto aparece agora como en mantenimiento.

Segundo o Forças Terrestres pôde apurar junto a uma fonte do Parlamento argentino, a publicação do texto pelo serviço de Imprensa da Casa Rosada (sede do Executivo Argentino) surpreendeu e desagradou a vários chefes do Exército local, que a consideraram demasiadamente indiscreta.

Isso apesar de os tanques de guerra não constituírem, nem de longe, prioridade para o ministro da Defesa argentino, Oscar Aguad, ou para o governo Macri como um todo.

Supérfluos – Aguad considera os carros de combate absolutamente supérfluos em um país que, além de não estar sob ameaça dos vizinhos (o Chile é, hoje, um importante parceiro operacional das Forças Armadas Argentinas), não tem a menor estrutura física ou financeira para se engajar em um conflito – mesmo um de pequenas proporções.

Mesmo assim, a Administração Federal argentina investirá, só este ano, quase 9 milhões de dólares nessa revitalização.

O programa de recuperação dos Tanques Médios foi mantido, única e exclusivamente, por ter sido negociado no âmbito de um acordo binacional firmado, ainda em 2010 (época do 1º governo Cristina Kirchner), entre o Ministério da Defesa argentino e o Estado de Israel – um documento relativo a la cooperación industrial y tecnológica en defensa, conforme definiu a notícia da Presidencia de la Nación que foi deletada.

Este compromisso serviu de base ao posterior convênio técnico cujo objetivo é a transformação do TAM na versão TAM2C.

Mas o upgrade dos carros de combate argentinos desfruta de prioridade tão baixa no governo de Buenos Aires, que dos 200 Tanques Médios (aproximadamente) disponíveis nas unidades blindadas argentinas, somente 74 foram pré-selecionados para serem atualizados.

Sobrevivência – Em termos objetivos, a remodelação tecnológica irá reconfigurar as viaturas para a versão obtida, cinco anos atrás, pelo protótipo que nasceu fruto da cooperação da Engenharia Militar argentina com o grupo IMI (Israel Military Industries).

O trabalho foi supervisionado pela Dirección General de Investigación y Desarrollo (DIGID) do Exército argentino, e cumpriu etapas.

Por exemplo: ele priorizou um sistema eletrônico de movimentação da torre, e um conjunto digital de controle e execução do tiro pelo armamento principal, um canhão de 105 mm.

O protótipo foi aprovado por meio de uma evaluación técnica operacional, que, segundo o comunicado oficial, exigiu pruebas estáticas, dinámicas, de tiro y de exigencias operacionales [que] demandaron hasta 24 horas sin detenciones.
O Tanque Argentino ganhará melhorias significativas em sua capacidade de sobrevivência (informação por sensores e blindagem) no campo de batalha, e na aptidão para combater dia e noite.

O nível de proteção dos tripulantes também será reforçado, bem como a qualificação do blindado para obter resultados mais satisfatórios tanto na precisão do tiro estático quanto na pontaria do disparo feito em movimento – o que deve ser conseguido por meio da digitalização dos sistemas de controle e de tiro, e da eliminação de procedimentos com os antiquados sistemas hidráulicos de movimentação da torre.

Assim, entre os sistemas que compõem o TAM2C estão:

  • Sistema eletrônico de movimento da torre;
  • Sistema digital de controle e execução do tiro;
  • Sistemas de visão térmica individuais para o jefe de tanque, o artilheiro e o motorista;
  • Sistema de alerta de ameaça laser;
  • Capacidade de acompanhamentoautomático dos alvos;
  • Sistema interno de supressão de incêndios;
  • Unidade de potência auxiliar; e
  • Sistema dedicado de comunicações.

93
Deixe um comentário

avatar
32 Comment threads
61 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
55 Comment authors
manoel gonzalesFabrício Barrosbb1HMS TIRELESSControl Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Han Sollo
Visitante
Han Sollo

Por esse valor eu não creio que seja possível fazer muita coisa. A modernização torna-se a grande salvação dos exércitos com baixo orçamento, haja vista o programa peruano dos T-55.

Fabrício Barros
Visitante

No fim do texto está o que será feito: Sistema eletrônico de movimento da torre; Sistema digital de controle e execução do tiro; Sistemas de visão térmica individuais para o jefe de tanque, o artilheiro e o motorista; Sistema de alerta de ameaça laser; Capacidade de acompanhamento automático dos alvos; Sistema interno de supressão de incêndios; Unidade de potência auxiliar; e Sistema dedicado de comunicações. Por nove milhões, é muita coisa. Note, só para comparar, que somente uma atualização de um M1 Abrams para o padrão M1A2C custará, cada um, 11,1 milhões de dólares (para o ano fiscal de 2019),… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Esse programa é vasto e contempla mais de 200 carros lembrando que o TAM na verdade é uma família que compreende IFV e Obuseiro autopropulsado.

colombelli
Visitante
colombelli

texto bem superficial, perdão, mas é. Quem acompanhou desde o começo sabe que maioria das melhorias é perfumaria que não vai impactar significativamente no desempenho. Basta ver ai acima na lista que nenhum item há que aumente o “nivel de proteção”. Continua sendo um carro leve demais e antigo. Dinheiro jogado fora.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Chega ao menos no patamar dos nossos Léo 1A5 Colombelli???

colombelli
Visitante
colombelli

negativo. Por causa do peso ele tem limitações de cadência de tiro e a blindagem é muito fraca. É uma gambiarra desde a origem. alerta de laser é uma bobagem, so um artilheiro muito imbecil irá fazem pontaria direta no carro antes do ultimo segundo antes do impacto. Sistema elétrico na torre pra reduzir calor do hidráulico parte da errada premissa que o carro movimenta a torre direto.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Que eu saiba não existe limitação de cadência em função do peso. A modificação do sistema inclusive aumenta a cadência em função da rapidez na aquisição de alvos.
O sistema elétrico na torre não tem por função diminuir “calor do Hidraulico”. Aumenta em 4 x a velocidade do giro….e, por consequência….pode aumentar prontidão para o dispara. Em combate milésimos de segundos fazem a diferença

Claudio
Visitante
Claudio

Oque importa é gerar empregos localmente, e também qualificar futuros engenheiros localmente, bem diferente de contratar uma empresa que faz as atualizações e encima engenheiros local , mas como o tanque é argentino bom pra eles , já nós temos que nos contentar com a sucata ambulante dos m113

Felipe Morais
Visitante
Felipe Morais

Do que você tá falando cara? Não nos contentamos com M113. Aliás, nada tem a ver uma coisa com a outra. Bastava uma pequena pesquisa pra você não escrever essa besteira.

Gonçalo Jr.
Visitante
Gonçalo Jr.

Você leu que SE a Argentina modernizar os seu 74 tanques (dos 200 TAM existentes), será em parceria com o o grupo IMI (Israel Military Industries) e que esses US$ 9 milhões são para apenas três?

Sabe que a Argentina possui também “sucatas” M113, em torno de 300 unidades?

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Com este valor os argies poderiam adquirir M60,ou até de graça,só resta saber se têm dinheiro para o frete! há há há

colombelli
Visitante
colombelli

exatamente, inclusive ja tentaram uma vez. Há um M-60 na argentina que foi avaliado a muitos anos

_RR_
Visitante
_RR_

De fato, colombelli… Do que tem listado aí no texto, só aproveitaria a visão termal individual, alerta laser e acompanhamento automático de alvo ( que incrementaria a capacidade de disparar em movimento )… O mais importante, que é poder de fogo, permanecerá o mesmo canhão de 90mm. E quanto a proteção, apenas a adoção do alerta laser não muda muita coisa se não houver ao menos um sistema soft kill de proteção. A blindagem desse carro, aliás, é muito pobre, sendo que mesmo o ‘Cascavel’ se configura em ameaça para ele… E a futura VBR-MR, se ficar o que promete,… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

O canhão é 105
E com o sistema de gerenciamento terão soluções de tiro mais rápido do que os nossos
Operam junto com IFV, que não possuímos
Capacidade de combate noturno superior ao nossos
Se fizerem upgrade de 70 vtr, será uma força de respeito.
A comparação com a nossa força é meramente ilustrativa. Como disse acertadamente o Ministro de Defesa Argentino, o cenário de utilização é importante na definição dos meios. Nos cenários atuais (principalmente econômicos) ter uma grande força com baixa disponibilidade e defasada tecnologicamente (nosso caso) é pedir para apanhar.

_RR_
Visitante
_RR_

Carvalho,

De fato, o canhão é o FMK.4 Mod.1L. Grato pela correção.

colombelli
Visitante
colombelli

o alerta laser pra mim é inutil, O artilheiro não focalizará o carro com ele, mas área próxima e tira distância. Ja se for missil com guiagem dá pra deixar fora até o ultimo segundo.
Justamente pela fraqueza dele o EB manteve durante tantos anos os M-41. O canhão é uma versão alemã do L7 em calibre 105.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Alguém achou que o M41 fazia frente ao TAM??? Pirou na batatinha…
O M41 é menos blindado que o TAM
E tem canhão 90 !!

colombelli
Visitante
colombelli

combate não é super trunfo amigo

rdx
Visitante
rdx

Infelizmente o M41C nunca foi páreo para o TAM. O M41 era inferior em praticamente tudo, em especial no armamento. A blindagem era igual ou pior. O EB tinha 03 opções de canhão 90mm para armar o M41: canhão EC90 do Cascavel, canhão do M41 recalibrado (opção mais barata) e canhão GIAT F4 (caro mas infinitamente superior aos outros). Prevaleceu o fator financeiro.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Rdx
Ainda tem a história de que o extrator de fumaça do tubo usinado não funcionava.
A cada tiro….fumaceira na torre.

colombelli
Visitante
colombelli

por isso tinhamos o numero maior, combate não é so comparar caracteristicas de armas, é uma série de fatores. Tinhamos 360 M41 e 400 Cascabeis eles 230 TAM e mais pouco mais de 100 carros mas leves ( SK e AMX), e eles não poderiam desguarnecer o oeste.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Exato !
Então não dá para chamar o TAM de gambiarra.
Gambiarra foi o M41C !!!

anderson
Visitante
anderson

no fim nada disso importa se não houver “superioridade aerea” mesmo o mais caro e poderoso tanque pode ser facilmente esmagado por um avião Cesna lançando uma bomba burra …..

Rafael
Visitante
Rafael

tudo depende da capacidade de investimento da armada argentina.. para o Uruguai, valeu apena receber a doação dos M-41 do exercito brasileiro.. sua modernização lá vai garantir sua operacionalidade e disponibilidade!
Mas concordo, em face da evolução das armas anti – carro e das blindagens e peças de artilharia dos blindados atuais, não é um investimento muito bom..

Cristiano
Visitante
Cristiano

9 milhões. Que fortuna vão conseguir modernizar 3 TAM. KKKKKKKKKKKKK

colombelli
Visitante
colombelli

pelo que recordo quando saiu este programa ia sair base de 750.000 dolares cada.

Sidy
Visitante
Sidy

Rapaz, que fase… atualizar 3 tanques médios? Para depois, se tudo der certo, ficar com 74?

FighterBR
Visitante
FighterBR

“Aguad considera os carros de combate absolutamente supérfluos em um país que, além de não estar sob ameaça dos vizinhos (o Chile é, hoje, um importante parceiro operacional das Forças Armadas Argentinas), não tem a menor estrutura física ou financeira para se engajar em um conflito – mesmo um de pequenas proporções.”

Chevalier
Visitante
Chevalier

Que fim de carreira para la Caballería Argentina…

colombelli
Visitante
colombelli

malvinas mais o kirchenismo deu nisso ai.

Ricardo
Visitante
Ricardo

Dinheiro jogado fora.

Jardel
Visitante
Jardel

Chega a dar dó dos argies…..só que não.

Será que existe algum ramo das FA argentinas que ainda contam para alguma coisa?

colombelli
Visitante
colombelli

os comandos. São bons profissionais

Jardel
Visitante
Jardel

Obrigado Colombelli

Recce
Visitante
Recce

As unidades de elite do seu exército são boas.

Paraquedistas, aeromóvel, operações especiais…

Até mesmo a infantaria mecanizada/blindada deles é boa para os padrões da AL.

Jardel
Visitante
Jardel

Obrigado Recce

Recce
Visitante
Recce

Exercício realizado entre pessoal do 5º BIL (AMV) e a unidade aeromóvel do Exército Argentino.

Vendo-os assim, operando lado a lado, para mim estão no mesmo nível. Mas os “hermanos” contam com melhor equipamento individual.

https://www.youtube.com/watch?v=P9sRN6Hh6-s

https://www.youtube.com/watch?v=Igo3gKGlE1I

Diogo de Araujo
Visitante

Nossa 9 milhões? Que tristeza hein! Sei que brincamos muito aqui, eu mesmo digito tudo que vem a minha cabeça mas que tristeza… Por isso que falei um dia que parece que nós evoluimos em PA e os EUA e Europa em PG… pergunta: pq não fechamos as forças armadas? Pra manter a trilogia? Como diria o Neymor: ” Somos todos aquela base aérea do México (leia-se Meqcico) na fronteira dos EUA”

Bravox
Visitante
Bravox

Forças Armadas em parte são cabide de emprego para os concurseiros , certo dia falei em reduzir o contingente para algumas pessoas mais velhas só faltaram chorar de raiva ….

rdx
Visitante
rdx

Até o canhão 30 mm do Guarani é capaz de penetrar a torre do TAM.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Penetram nos nossos Leo 1A5 também.
Somos o sujo falando do mal lavado. 🙂
Brasil e Argentina é a dupla sertaneja Itamar e Itapior.

rdx
Visitante
rdx

Negativo.

marcos
Visitante
marcos
Bardini
Visitante
Bardini

Recheio supeiror aos ultrapassados Leopard 1A5BR…

cesar silva
Visitante

acho o belo tanque um dos mais bonitos na minha opinião

Carvalho
Visitante
Carvalho

Visão termal para motorista, cmdte e atirador. Podem combater a noite.
Nosso Léo A5 é limitado à noite, já que o motorista dispõe apenas de visão Infravermelha.
Nos padrões atual, a modernização de poucos carros compensa. Ações localizadas e frentes estreitas, em estreita cooperação com infantaria blindada.
Bom investimento….botar a rodar com eletrônica embarcada moderna e no estado da arte.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Prefiro os M60 atualizados pela Turquia.
Infelizmente esse TAM argentino não dá conta do recado.
Em um cenário de guerra moderna, acho difícil até contra os carros T-55 peruanos.
Eles não conseguem nada do tio sam via FMS?

Blind Mans Bluff
Visitante
Blind Mans Bluff

Conseguem, mas depois vao depender dos EUA para manutencao, modernizacao e a muitas vezes ate restricoes contratuais operacionais. Muitas vezes o barato sai caro.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Bom investimento mesmo que poucos carros de combate sejam modernizados …

É uma pena que la como aqui haja idiotas que vem com esse discurso pronto de que

” carros de combate absolutamente supérfluos em um país que, além de não estar sob ameaça dos vizinhos e não tem a menor estrutura física ou financeira para se engajar em um conflito – mesmo um de pequenas proporções. ”

A culpa da condição da Argentina é dos políticos incompetentes ou desonestos

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

É triste. Mereciam mais respeito e atenção do governo.

Maus
Visitante
Maus

Isso não dá pra comprar nem um leopard 2a7.

Fellipe Barbieri
Visitante
Fellipe Barbieri

Comprar até que dá … Mas não sobra $$$ para o frete e para fazer a vistoria no DETRAN .

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

compra mas não vem nenhuma peça sobresselente, nem treinamento nem nda a mais.

julio
Visitante
julio

Da não um Leon 2a7 é muito mais q 9 milhões.

Luis Marcello
Visitante
Luis Marcello

Texto muito fraco , tipo o tanque , mediano apenas .. !

paulop
Visitante
paulop

A Argentina tá na pindaíba mesmo heim. Não sei o que está pior: se é o EA, a ARA ou a FAA.
Que Deus os proteja.
Abraço

Filipe Prestes
Visitante
Filipe Prestes

A FAA. O EA e a ARA por mais limitados que estejam podem cumprir sua “missão-finalidade”. A FAA hoje conta com cargueiros e treinadores, basicamente, e se considerarmos 3 Pampa III e um punhado de Pucará, com alguma sorte, eles fazem o patrulhamento da fronteira Norte com o Paraguai. Mas para por aí mesmo…

Eduardo
Visitante
Eduardo

Não tem mais Pucará eu acho…

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Pobre Argentina, décadas de peronismo e kirchnerismo transformaram um dos países mais ricos da América do Sul em um lixão à céu aberto. O pior é que o Macri simplesmente não consegue governar, e o país está completamente estagnado. Depois o liberalismo vai ser o culpado pelos hipócritas pelo caos que vive a Argentina.

nonato
Visitante
nonato

Estou estranhando.
O teor do post não bate com o autor, que sempre defende a turma do lado de lá.
Ou se converteu?

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Até que enfim estamos de acordo meu caro Defensor!

manoel gonzales
Visitante
manoel gonzales

a pobreza militar tem seu foco no temor de que as FFAA possam repetir a ditadura militar, onde estima-se que 10 mil pessoas foram assassinadas. esse é o motivo real para não investir nas mesmas. além do que, com os vizinhos que tem, não há necessidade de armamento pesado mesmo. o q s quer é “FFAA” para combater traficantes, como os EUA vivem falando.

Wagner
Visitante
Wagner

Deveriamos aproveitar a situação deles se apossar da província de Missiones.

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Sei…. E o patrão Trump vai aprovar???

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Isso, vamos invadir um país vizinho pacífico e de quem não temos problemas territoriais.
Os embargos políticos e econômicos do G7 e do resto do mundo , e a provável suspensão de vendas de armamentos e peças de reposição vem de brinde.
Vamos virar, politicamente falando, um Irã ou Coréia do Norte. Mas pelo menos temos a província de Missiones de volta.
Aproveita e invade a Cisplastina ( ops,Uruguai ) de novo ( ironic ).

Sidy
Visitante
Sidy

Se não cuidamos direito nem do que é nosso….

Eduardo
Visitante
Eduardo

Sim, e trazer mais problemas para a gente. Província pobre e que sofre das mesma mazelas sociais do que o Brasil!

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Visitante
FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Você tem a mínima idéia de quanto custa uma guerra, mesmo regional contra um vizinho em dificuldades? Guerra não é brincadeira…

Rene Dos Reis
Visitante
Rene Dos Reis

Ja não vivemos em paz nem com nos mesmo, e você ainda da uma dessas cara.

colombelli
Visitante
colombelli

pra quem quiser conhecer um pouco mais dos comandos argentinos que lutaram nas malvinas e entender um pouco do problema lá, e a visão estratégica de um militar argentino, segue entrevista com o coronel Aldo Rico. É interessante: https://www.youtube.com/watch?v=oS3xYT5OQs0

colombelli
Visitante
colombelli

seguindo, outra entrevista deste que foi comandante de uma cia comandos nas Falklands. Uma aula sobre forças especiais ( lato sensu) e suas operações e como atuaram nas Malvinas. Percebam o nivel técnico do elemento. Entre forças profissionais não há grande disparidades técnicas. https://www.youtube.com/watch?v=v8_D3Fnob0U

Fernando Pereira
Visitante
Fernando Pereira

Valeu por compartilhar Colombelli. Procurei por muito tempo essa reportagem sem sucesso.

Recce
Visitante
Recce

Os comandos argentinos atuaram muito bem nas Falklands. Deram trabalho para as patrulhas de reconhecimento dos Btl Inf e Op Esp.

Mas vale lembrar que os britânicos se sagraram vencedores na maior parte dessas escaramuças entre unidades de comandos e operações especiais.

colombelli
Visitante
colombelli

SAS: melhores do mundo, como de resto as tropas convencionais britânicas. Não creio que outros commandos de qualquer parte tivessem melhor sorte. Deem uma olhada em Top Malo House.

anderson
Visitante
anderson

voces sabem que isso aí é um chassi de transporte de tropas Marder de projeto alemão que eles botaram um canhão em cima e chamam de “tanque medio” né????

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

a Argentina assim como Brasil tem um passado de glória e riqueza, mas hj os 2 países estão na m. mas a Argentina tá na mais na m. que a gente, espero que os argentinos consigam modernizar seus MBT

Melky CAvalcante
Visitante
Melky CAvalcante

Eu primeiramente parabenizo a Argentina, eles conseguiram fabricar, com a ajuda dos alemães é bem verdade, o seu MBTzinho LeoMarder, a.k.a. TAM, e ainda fabricou com +/- 70% dos componentes produzidos na Argentina, inclusive o canhão FM K.4 Modelo 1L (versão do Rheinmetall Rh-105-30). O FM K.4 usando a munição M735A1 APFSDS pode penetrar até 280 mm a 2.000m a 0º. Agora tendo em vista as ameaças externas e a situação econômica em que a Argentina se encontra não é tão ruim assim, 37% da frota, é pouco mas é melhor que nada, acredito que isso ajudará a cavalaria deles… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

Que adianta ser “grande aliado extra-OTAN” sem “la plata” ?

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Está aí outro projeto Argentino que somado aos conhecimentos nacionais daria um excelente projeto moderno.
Uma variante híbrida entre TAM e Osório.
Mas continuamos sem cooperar com nossos vizinhos e comprando tudo e mais um pouco de Europeus e Norte Americanos.

Delfim
Visitante
Delfim

Qual o problema com o TAM ? Conseguimos produzir algo melhor ? Melhor um TAM na ordem de batalha que um Osório na prancheta.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Não vejo nenhum problema no TAM, tanto que proponho um co desenvolvimento dele com a Argentina.
Mas como a tecnologia evolui, o projeto precisa de evolução em áreas como blindagem, armamento, contra medidas, comunicações, optrônicos etc.
Concordo que melhor um TAM ou Osório na ordem de batalha do que um Abrams M1 com turbina beberrona e problemática e ou um Leo 1A5 com manual de uso e cheio de restrições e equipamentos de espionagem.
Cordial saudações!

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

A turbina do Abrams deve rodar até com urina meu caro, quer ser grande e ter equipamento bom não dá pra chorar diesel não e creio que deve aceitar biodiesel. Tem sobrando em estoque no USA, peça de reposição e kits de modernização, é o melhor que está tendo a disposição dentro de nossa realidade orçamentária.

colombelli
Visitante
colombelli

problema é que é antigo e leve demais. Foi bom pra os fins a que se destinava, mas pro manter por mais 20 anos… ai não

Sidy
Visitante
Sidy

Acho que é o que dá para fazer, na penúria que estão atualmente: tentar manter algum equipamento atualizado para treinar as tripulações e esperar por um momento melhor, economicamente falando, para procurar um novo MBT.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Muitos criticam o peso leve deste CC. Mas se considerarmos que na atualidade todas as potencias estão desenvolvendo CC na faixa de 30 ton. dá o que pensar em matéria de aproveitar este projeto básico.Com eletrônica atualizada no sistema de tiro e nas comunicações, canhão de 120 mm. de média pressão e carregador automático, motorização por turbina leve, somado a blindagem reativa teremos um CC atual. E não venham criticar a turbina do Abraams: a Chrysler ganhou a concorrência da GM, no quesito motor. A GM apresentou um Diesel V-12 de 1500 H.P., mas a Chrysler provou que sua turbina,… Read more »

paulo sergio
Visitante
paulo sergio

“os carros de combate absolutamente supérfluos em um país que, além de não estar sob ameaça dos vizinhos (o Chile é, hoje, um importante parceiro operacional das Forças Armadas Argentinas), não tem a menor estrutura física ou financeira para se engajar em um conflito” – esse é o grande dilema das FFAA’s do cone sul. justificar investimento em recursos militares que não tem aplicabilidade no cenário atual. vejamos outros exemplos: M198, novo tanque brasileiro, M109 etc, sendo que nossos vizinhos não apresentam a menor ameaça, nem tem condições de fazê-lo no curto e médio prazos. uma esperança ocorreu com os… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Troca do sistema hidráulico da movimentação da torre por um sistema elétrico. Isso impacta na precisão dos movimentos e na segurança da tripulação, pois quando o blindado for atingido, não haverá os fluídos atingindo a tripulação. . Também vão aplicar um maior nível de segurança, acrescentando um sistema de combate a incêndio. . Vão colocar uma manga térmica no canhão. Mais um fator que vai influenciar na precisão. . Vão instalar um sistema COAPS (Commander Open Architecture Panoramic Sight), que é semelhante ao empregado na UT-30Mk2 que a Ares/Elbit oferecem. Esse sistema vai proporcionar um monitoramento de 360 graus em… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Acrescento o seguinte:
As ações com blindados usualmente não duram mais do que poucas horas.
Durante o combate o comdt irá dispor de um display com o posicionamento de cada componente do pelotão, sobre a carta topográfica, permitindo que ele transmita pelo próprio sistema orientação para as próximas movimentações dos outros carros.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Bardini
Acertou no primeiro tiro, mais uma vez. Bull’s eye. Abço.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Resta saber das condições mecânicas

Control
Visitante

Srs Desde a criação dos “tanks”, existem duas vertentes quanto a sua aplicação: • Como uma ferramenta para romper as linhas defensivas adversárias (função para a qual foram construídos os primeiros Mk I britânicos); • Como um instrumento de manobra, para realizar as ações de envolvimento e perseguição. Até a IIGM isto resultou na evolução de duas linhas de carros de combate, a primeira, caracterizada, no período entre as duas GM, como tanques de infantaria, carros mais blindados e lentos; e a segunda como cruzadores, tanques mais leves e rápidos. Após a IIGM por conveniências econômicas e operacionais, os tanques… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante

Os modernos misseis de ação anti tanque estão revolucionando conceitos. Principalmente quanto a qualidade de blindagem. Os muitos tanques que a Turquia perdeu, Leos 2, foram atingidos por Kornets de fabricação russa. Esse tipo de arma destrói qualquer blindado, não significando que os Leos são mal equipados de blindagem. Dai o atual interesse no tanque médio da faixa de 30 ton. e com canhão da média pressão. A arma anti tanque destes CC é o míssil, tipo Kornet o seus genéricos ou equivalentes como o Javelin. Eles conseguem colocar fora de combate um MBT sem recorrer a pesados e grandes… Read more »

bb1
Visitante
bb1

Soh existe uma resposta logica ao investimento argentino. O desejo de desenvolver um novo CC em curto tempo. Abracar a tecnologia testada em combate e tirar licoes. Lembro-me que o variado terreno da Argentina, necessita de blindados leves. E, uma tendencia mundial em muitos paises.Ao fazer esse investimento, ficara mais perto dos blindados que estao sendo fabricados hoje e no futuro proximo. Ao inves de Turbina, estuda-se propulsao hibrida ou eletrica, e sistema de protecao ativa, que na atual conjuntura, a Argentina nao poderia suportar esse gasto. Acredito que se esta desenhando uma joint-venture no Futuro, com participacao ou nao… Read more »