Home Blindados Argélia poderá ter produção local do IFV Boxer em 2020

Argélia poderá ter produção local do IFV Boxer em 2020

2882
46
Rheinmetall Boxer
Rheinmetall Boxer

Em 2 de maio, um IFV Boxer (Infantry Fighting Vehicle) participou oficialmente de manobras e testes extensivos na área de testes de M’Doukel em Batna Wilaya, no leste do país. O IFV Boxer está prestes a ser industrializado na Argélia, de acordo com fontes confiáveis.

O início da montagem seria planejado para 2020 no mesmo local onde estão montados os veículos blindados Fuchs 2 em Ain Smara, perto de Constantine.

Os métodos de fabricação serão os mesmos que os dos Fuchs, ou seja, a importação de chapas de aço especiais e equipamentos e acessórios relacionados, com o corte e a construção total do veículo no local.

O Boxer foi visto durante um desfile organizado em homenagem ao Chefe da Casa Civil, Ahmed Gaid Salah, no final de janeiro de 2018, na Central Blida Logistics Base (BCL).

O Rheinmetall Boxer uma plataforma blindada 8×8 que suporta muitas variantes com muitas combinações de armamentos e é considerada a melhor da sua classe.

FONTE: MENA Defesa

Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antoniokings
Antoniokings
1 ano atrás

Interessante um carro com origem alemã ser fabricado na Argélia.
Acho que não é fato comum.

Alfa BR
Alfa BR
1 ano atrás

Quais são os problemas?

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 ano atrás

Só trocar o rádio?

Pedro Rocha
Pedro Rocha
1 ano atrás

Olá senhores! Projeto interessante mas no meu ponto de vista é muito pesado, mesmo na sua versão básica! Não se pode ter tudo, no Boxer há grande proteção mas com grande peso (acho que a versão básica é 35 ton). Sou um defensor da aerotransportabilidade. Continuo “fechado” com o Guarani

Recce
Recce
Reply to  Pedro Rocha
1 ano atrás

Depende das necessidades de cada país. Para um país mais ou menos pequeno como a Argélia o transporte por meios aéreos não se faz tão necessário.

Já para o Brasil, com toda essa extensão, pode ser necessário mover unidades rapidamente pelo ar para a região onde uma crise esteja ocorrendo.

pangloss
pangloss
Reply to  Recce
1 ano atrás

Recce, a Argélia é o décimo maior país em extensão territorial, e o maior país africano, nesse parâmetro, com mais de 2.300.000 km². Boa parte de seu território é desértico, sendo pouco recomendável atravessá-lo a bordo de um veículo como o Boxer.
OK, o Brasil é bem maior, mas isso não faz da Argélia um país pequeno.

rdx
rdx
Reply to  Recce
1 ano atrás

Infelizmente, o Brasil não se interessou (ou provavelmente faltou $$$) pelo C-17…. Mas seria empregado, essencialmente, para transporte de tropas e suprimentos. A capacidade aeromóvel de blindados no território brasileiro tem pouca importância, uma vez que a Amazônia não é um cenário adequado para forças blindadas e o deslocamento de carros para a região centro-oeste é ágil por conta da extensa malha rodoviária nacional. Isto explica porque blindados sobre rodas são importantes para o EB. Eles oferecem grande mobilidade estratégica. O EB está certo em investir pesado no projeto Guarani. Lembrando que tal projeto consiste no desenvolvimento de uma família… Read more »

Recce
Recce
Reply to  Recce
1 ano atrás

Pangloss, a Argélia é um tanto maior que a região Nordeste e menor do que a região Norte.

Com uma boa distribuição das OM não precisa de transporte aéreo.

Bardini
Bardini
Reply to  Pedro Rocha
1 ano atrás

Transportar blindado com aviões é uma completa ilusão para o Brasil… Só funciona dentro do contexto da OTAN, por conta da capacidade dos americanos.
.
Por isso Roda é importante. É algo que vai ter que cobrir grandes distâncias por conta própria até o TO.
.
Estude o caso dos franceses no Mali…

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Ou te ajudar a não ir atrás do que tu anda lendo nos press release fabricante.
O Fato da VTR ser sobre rodas nao p otimiza para fazer enormes deslocamentos para chegar ao TO, porque?
Porque seus sistemas de tração são permanentes r estão Full 6×6 ou 8×8 , portanto com um nível de arrasto enorme e um alto com consumo de combustível. Os desgaste de diferenciais, caixas de redução, cruzetas e cardans e enorme.

Bardini
Bardini
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Tá falando besteira. O Guarani que é um APC bem simples por exemplo, tem controle de tração. 6×6, 6×4, alongada, reduzida e ainda pode controlar o bloqueio de cada um dos eixos. . Como eu disse, estude o caso do Mali… É recente e mais importante: não combateram um inimigo com grande capacidade de combate. . Deflagaram a operação inicialmente por via aérea e usaram o que tinham operando lá nas suas bases na África. Empregaram o que tinham e ainda tiverem de pedir arrego pra quem tinha C-17, e até alugaram An-124. A coisa toda só tomou corpo e… Read more »

Señor batata
Señor batata
1 ano atrás

Boa tarde. Uma pergunta que sempre me surge em relação a fabricação de materiais militares é em relação a dificuldade de produção de diversos materiais no caso da matéria o aço por exemplo, mas se não me engano em um caso mais próximo temos o aço usado pelos nossos sub. Sem mais delongas alguém mais esclarecido sabe as principais deficiências no campo de matérias do Brasil e quais seriam as providências cabíveis e viáveis para se não aabat reduzir com esse problema?

Señor batata
Señor batata
Reply to  Señor batata
1 ano atrás

Nota de interesse: Outro componente crítico que o Brasil não produz é silício de alta pureza para processadores.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Señor batata
1 ano atrás

Não, exportamos sílica por alguns dólares por tonelada e importamos o tarugo processado em grau monocristalino a algumas dezenas de dólares por kilo. Vergonha…

Señor batata
Señor batata
Reply to  Adriano Luchiari
1 ano atrás

Boa noite Adriano. No caso eu citei justamente o que o senhor falou. O Brasil exporta silício em grau metalúrgico e que eu saiba exporta em grau solar e grau eletrônico. Com a unicamp se não me engano tendo desenvolvido método próprio para purificar em nível suficiente para painéis fotovoltaicos. No caso de silício para uso em processadores (grau eletrônico) infelizmente o Brasil já perdeu esse barco a muito tempo. De todo modo creio q pelo grande número das mais variadas formações que frequentam o portal, creio q podem haver áreas em matérias que podemos quem sabe correr atrás. De… Read more »

Señor batata
Señor batata
Reply to  Señor batata
1 ano atrás

No caso da técnica de purificação da unicamp não sei se foi adotada pela indústria ainda.

Neves João
Neves João
Reply to  Señor batata
1 ano atrás

“Com 1 Kg de aço o Japão fabrica 10 relógios, o Brasil faz 3 enxadas” Desconheço o autor. Não adianta produzir minérios, ser o maior do mundo, se não souber processar e transformá-lo em algo útil. Também não adianta possuir algo processado para ser usado em indústria de alta tecnologia, se não tiver indústria de alta tecnologia no país, somos meros montadores, não dominamos o ciclo completo de nada, por enquanto.

Jorge knoll
1 ano atrás

NÃO entendo porque ainda não lançaram o Guarani 8X8.
Será por causa do corte de verbas que sempre está a rondar o orçamento das FFAA?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Jorge knoll
1 ano atrás

“Será por causa do corte de verbas?”
Sim

Bardini
Bardini
Reply to  Jorge knoll
1 ano atrás

“NÃO entendo porque ainda não lançaram o Guarani 8X8.”
.
Cadê $$$$$$$$$$$$$?

Wagner Figueiredo
Wagner Figueiredo
1 ano atrás

Argélia tem Richa com o Marrocos que anexou o Saara Ocidental…depois a Espanha saiu da África.
Por isso se armam ,tanto o Marrocos como a Argélia..o Saara se tornando independente a Argélia poderia escoar seus bens por terra..não dependendo do mar mediterrâneo.

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

Qual é a diferença entre um veiculo blindado de transporte de tropas e um veiculo de combate de infantaria como este?

Renato
Renato
Reply to  Gabriel BR
1 ano atrás

Resumindo: a blindagem e seu poder de fogo

peter nine nine
peter nine nine
Reply to  Gabriel BR
1 ano atrás

Por norma, as plataformas são as mesmas e portanto semelhantes, as diferenças estariam no sistemas e sensores utilizados e consequentemente no eventual reforço estrutural da viatura.

Bardini
Bardini
1 ano atrás

Rapaz. Tu não acertou nem o blindado.
.
No mais, requentou um nada com nada do Sputinik pra provar nada com nada. Cara… Usa teus dois neurônios em coisa melhor.

Quatzy
Quatzy
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Tá esperando a notícia sair no CNN ou no jornal nacional para você acreditar?

Bardini
Bardini
Reply to  Quatzy
1 ano atrás

Nada com nada não sai nem na CNN nem no JN…

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Mas cadê o canhão e o lançador de mísseis antiaéreos e/ou antitanque?

Carvalho
Carvalho
1 ano atrás

A foto mostra o desenho de uma unidade de combate bem atual:
– IFV sobre rodas com torre de metralhadora automática remotamente controlada
– GC com capacidade combate noturno
– Foguete anti carro

O EB montou sua unidade similar

Bardini
Bardini
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

“– IFV sobre rodas com torre de metralhadora automática remotamente controlada”
.
Acho que esse aí nesse caso é um lança granadas de 40mm.
.
De resto, concordo. Só faltou citar as duas metralhadoras MG4.

rdx
rdx
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

GC alemão com a seguinte configuração:

2 metralhadoras MG4 5,56 mm
2 fuzis G36 5,56 mm com lança granadas 40 mm
1 Panzerfaust 3
5 fuzis G36 5,56 mm

Ivan
Ivan
Reply to  rdx
1 ano atrás

RDX, . Este GC (Grupo de Combate) que você descreveu é embarcado nas BOXER-APC, que seria a infantaria mecanizada e/ou motorizada alemã, onde seguem o padrão ‘Magic 9’ com uma Squad (GC) de 9 (nove) fuzileiros divididos em dois Fire Teams (esquadras) de 4 (quatro) fuzileiros mais o comandante. . No Exército Alemão atual a Squad (GC) embarcada nos BOXER-IFV, nos PUMA-IFV ou mesmo nos Marder-IFV são de apenas 6 (seis) fuzileiros. . Solução interessante. Os APC dever levar o Squad / Grupo de Combate para desembarcar e lutar pelo caminho, portanto uma infantaria mais próxima do tradicional, bem como… Read more »

Ivan
Ivan
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

Carvalho, . Acredito que a versão do blindado alemão Boxer apresentado nas fotos acima seria Armored Personnel Carrier – APC, que no Exército Brasileiro seria chamado de Veículo Blindado de Transporte de Tropa – VBTT. IFV, como o amigo escreveu, são Infantry Fighting Vehicle – IFV, que para as forças brasileiras (se adotassem algum blindado assim) seria algo como Veículo Blindado de Combate de Infantaria – VBCT. . A diferença conceitual e prática é significativa. . A plataforma Boxer é chamada de Multirole Armoured Fighting Vehicle por ser modular, podendo ser encomendada em várias versões – módulos – para atender… Read more »

Carvalho
Carvalho
Reply to  Ivan
1 ano atrás

Tem razão Ivan,
A matéria faz menção à versão IFV.
Mas o que quero chamar atenção é para o fato do EB ter adotado uma solução semelhante (guardadas as devidas proporções) para as unidades de infantaria mecanizada.
Quanto à infantaria blindada….creio que ainda estamos um(s) passo(s) atrás.

Bardini. Realmente me parece um lança granadas. Não me lembro de ter visto este armamento em alguma versão do Guarani.

Recce
Recce
Reply to  Ivan
1 ano atrás

O EB possui lançadores de granada automáticos? Sei que o CFN possui,mas nunca vi algo do tipo no Exército.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Recce
1 ano atrás

Parece que é por aí mesmo.
O CFN usa o LAG SB 40 montado nos Piranha. É fabricado na Espanha e adotado pelos fuzileiros de lá.
Os Clanf talvez usem os Mk19.

Cordova
Cordova
1 ano atrás

Se depender da Sputnik todos os equipamentos dos aliados da OTAN são inferiores a os Russos e apresentam sérios problemas resumindo nada presta.

schneider
schneider
Reply to  Cordova
1 ano atrás

Perfeito, Cordova. Os canais russos, Sputnik e RT, são completamente tendenciosos em suas matérias. SEMPRE alegam que os países ocidentais estão perdendo ou que possuem problemas seríssimos. Falam mal de todos, com exceção da própria Rússia.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

Carro de Patrão, acredito que o PUMA devia ser adotado pelo Brasil e de veículos sobre rodas ficamos com o Guarani mesmo

Bardini
Bardini
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

Puma?
No Brasil?
E o $$$$$, cadê?
E pq Puma?
Pq não Lynx KF 41?
.
🤔🤔🤔

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Bardini
1 ano atrás

eu gosto do PUMA e não coenheço bem o Lynx, mas parece ser bem melhor com o canhão de 50mm

Carlos Gallani
Carlos Gallani
1 ano atrás

Viu onde? hahahahahaha

pedro campos oliveira
pedro campos oliveira
1 ano atrás

eitcha. outra “transferência de tecnologia”?

Bavarian Lion
1 ano atrás

Quem está financiando a Argélia.

Ademais este é O blindado.

E antes que o defendam para o brasil, não. Estamos bem servidos de guarani e a rede econômica dele é estratégica.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Bavarian Lion
1 ano atrás

Blindado de oito rodas é o mais capacitado em poder de fogo e de transposição de terrenos difíceis. Só suplantado pela lagarta, porém com a vantagem da velocidade em estrada. O Achtrad da Whermach já provou o conceito ainda na segunda guerra. Veículo econômico é para vendedor de feira. Em combate tem que ser o melhor em tudo.