Home Blindados Diretriz estratégica para formulação conceitual dos meios blindados do Exército Brasileiro

Diretriz estratégica para formulação conceitual dos meios blindados do Exército Brasileiro

9120
246

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

  P  O  R  T A R I A    Nº 162 – E M E,   DE  12  DE  JUNHO   DE    2 0  1  9

Aprova a Diretriz Estratégica para a Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro e dá outras providências.

O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos III do art. 3º e os incisos II e XI do art. 4º do Regulamento do Estado-Maior do Exército (EB 10-R-01.007), aprovado pela Portaria do Comandante do Exército nº 1.053, de 11 de julho de 2018, resolve:

Art. 1º Aprovar a Diretriz Estratégica para Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro.

Art. 2º Determinar que o Órgão de Direção Geral, os Órgãos de Direção Setorial, o Órgão de Direção Operacional e o Comando Militar do Sul adotem, em suas áreas de competência, as providências decorrentes.

Art. 3º Estabelecer que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação.

DIRETRIZ ESTRATÉGICA PARA FORMULAÇÃO CONCEITUAL DOS MEIOS BLINDADOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO

  1. FINALIDADES
  2. Orientar, no mais alto nível o planejamento e a execução das atividades do Grupo de Trabalho (GT)destinado a elaborar a documentação referente à Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro, conforme o previsto nas Instruções Gerais para a Gestão do Ciclo de Vida de Sistemas e Materiais de Emprego Militar (EB 10-IG-01.018).
  3. Definir as estratégias para minimizar o hiato tecnológico atual dos componentes digitais e optrônicos embarcados nos blindados do Exército e demais sistemas das Viaturas Blindadas e Mecanizadas ou que tenham relação direta com o seu emprego.
  4. REFERÊNCIAS
  5. Diretriz do Comandante do Exército do ano de 2019.
  6. Diretriz de Iniciação do Subprograma Forças Blindadas – Nova Couraça, do ano de 2019.
  7. Portaria nº 112-EME, de 22 ABR 19, que aprova a Diretriz de Criação do Grupo de Trabalho para a Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro.
  8. Instruções Reguladoras para o Processo de Concepção das Condicionantes Doutrinárias e Operacionais – CONDOP (EB20-IR-10.005), 2ª Edição, 2015, Port nº 310-EME, de 23 NOV 15.
  9. Sistema de Planejamento do Exército (SIPLEx-4).
  10. Plano Estratégico do Exército 2016-2019.
  11. Bases para a Modernização da Doutrina de Emprego da Força Terrestre (IP 100-1, Port nº 121 EME, de 5 FEV 1997).
  12. Portaria nº 233-Comandante do Exército, de 18 MAR 16, que aprova as Instruções Gerais do Ciclo de Vida dos Sistemas e Materiais de Emprego Militar – (EB10-IG-01.018).
  1. Portaria nº 432-EME, de 10 OUT 17, que aprova a Diretriz de Implantação do Programa Estratégico do Exército Obtenção da Capacidade Operacional Plena (Prg EE OCOP) (EB20-D-08.006).
  1. CONDOP nº 020/18 – Viaturas Blindadas Sobre Rodas do Exército Brasileiro – COTER, Port nº 066COTER, de 18 JUN 18.
  2. COMOP nº 01/19 – Bda Inf Mec.
  3. COMOP nº 02/19 – Bda C Mec.
  4. COMOP nº 03/19 – Bda Bld.
  5. Relatório do Estudo Doutrinário do COTER sobre a situação dos Blindados no EB, de 2 MAIO 19.
  6. Relatório do CMS sobre Viaturas Blindadas, de 20 MAR 19.
  7. Relatório do CI Bld sobre a frota de Viaturas Blindadas do EB, de 11 JAN 19.
  8. INFORMAÇÕES RELEVANTES PARA A CONFECÇÃO DO ESTUDO DE VIABILIDADE
  9. Insuficiência de recursos para modernizar e completar a frota de blindados do Exército.
  10. Defasagem tecnológica de grande parte dos blindados do Exército, particularmente da proteção blindada, dos sistemas de armamento, aquisição de alvos, observação, direção tiro e Comando e Controle.
  11. Grande diversidade na Força Terrestre de tipos e famílias de blindados de diferentes origens, nacionais e estrangeiras.
  1. Necessidade de se buscar o equilíbrio entre a Estratégia da Dissuasão, representada pela prioridade aser reservada às Forças de Emprego Estratégico, e a Estratégia da Presença, complementada por meio das demais Grandes Unidades do Exército.
  2. Dificuldade de adestrar os quadros no estado da arte.
  3. CONCEPÇÃO GERAL
  4. A curto prazo, buscar atualizar os Materiais de Emprego Militar (MEM) blindados por meio de aquisição e/ou modernização dos blindados existentes, a fim de garantir um aumento da capacidade operativa das frações blindadas e mecanizadas, bem como permitir o adestramento do maior número possível dos quadros da Força Terrestre;
  5. Levantar estratégias, de médio e longo prazos, que estimulem a indústria brasileira a apresentar propostas de desenvolvimento de uma família de blindados, com base na efetiva participação do parque industrial nacional, tanto para o desenvolvimento de novos MEM blindados, quanto para a modernização e/ou revitalização dos blindados existentes; e
  6. Identificar o impacto financeiro no orçamento da Força Terrestre, particularmente no item custeio para a manutenção do MEM, ao longo dos anos, referente às soluções a serem apresentadas pelo GT.
  1. PREMISSAS

Os parâmetros desta Portaria balizarão os trabalhos do Grupo de Trabalho (GT) destinado a elaborar a documentação referente à Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro e terão como base.

  1. Indústria nacional

Sem a participação cada vez maior da indústria nacional, na modernização ou mesmo fabricação dos blindados e de seus componentes mais sofisticados, o Exército continuará dependente de empresas estrangeiras para manter a sua frota em um estado razoável, e com custos elevados. A maior parte dos problemas de manutenção deriva dessa dependência.

  1. Dosagem entre o adestramento e o pronto emprego

Os projetos de aquisição ou modernização dos blindados deverão considerar:

  • A manutenção de parcela de tropas blindadas para pronto emprego, pela constituição de ilhas demodernidade, cujos meios mais modernos poderão estar concentrados ou em condições de serem reunidos, em coerência com o previsto para as Forças de Prontidão (FORPRON), e de acordo com o planejamento de Preparo do Comando de Operações Terrestres.
  • A prioridade necessária para o adestramento constante do pessoal em equipamentos e componentes eletrônicos/digitais modernos. Como não será possível dotar os blindados de todos os dispositivos próximos ao estado da arte, deverão ser priorizados o sistema de controle de tiro computadorizado com seus optrônicos e um eficiente sistema de intercomunicação da guarnição, acoplado a um sistema de comunicações táticas, mesmo que seja em um carro ou em uma viatura ultrapassada.
  1. Adoção de plataforma única

Os projetos futuros de blindados deverão considerar a adoção de uma plataforma única para uma mesma família de blindados. Essa estratégia permitirá a simplificação do suporte logístico e terá um impacto positivo no preparo/adestramento. Os projetos em andamento deverão ser adaptados paulatinamente para essa estratégia.

  1. Blindados projetados para equipamentos adicionais

Enquanto perdurar a carência de recursos, os projetos de aquisição ou modernização dos blindados, em andamento ou futuros, serão planejados de forma a receber com facilidade itens adicionais que aumentem sua capacidade de combate. Em caso de necessidade serão acrescentados itens tais como blindagens modulares e armamentos que possam ser instalados, com rapidez e facilidade, se a plataforma for projetada ou adaptada para essa finalidade.

  1. Máximo aproveitamento

A exemplo do que ocorre com a maior parte dos países com exércitos efetivos, os blindados mais obsoletos serão mantidos como reserva estratégica e para o treinamento, considerando-se o custo para a sua manutenção. Serão envidados esforços para modernizar os blindados mais antigos pelo parque fabril nacional, particularmente no que se refere aos dispositivos dos sistemas de pontaria e de aquisição de alvos.

  1. Utilização de meios de simulação

A ampla utilização de meios de simulação, principalmente a virtual e a viva, gera economia dos meios blindados, menor gasto de combustível, de óleos lubrificantes e de munição. Essa ferramenta não deve substituir o contato com o material. Entretanto, a utilização da mesma em conjunto com o MEM blindado tende a ampliar a disponibilidade operacional das tropas blindadas e mecanizadas.

  1. PRIORIDADES

São prioritários (as):

  1. os projetos envolvendo:

– atualização do MEM Viatura Blindada de Combate de Cavalaria – VBC Cav (Viatura Blindada de Reconhecimento – VBR como é denominada atualmente); e – atualização do MEM VBC CC.

  1. as ações iniciais para um projeto de fabricação de um carro de combate (CC) com base no parque industrial nacional;
  1. aquisição do MEM Viatura Blindada de Combate de Fuzileiros (VBC Fuz) para mobiliar os BIB e os RCB;
  1. os demais subsistemas das Viaturas Blindadas de Combate Obus Autopropulsada (VBCOAP) daartilharia blindada, uma vez que a maioria das questões envolvendo os obuseiros blindados estão bem encaminhadas; e
  2. o levantamento dos gargalos e a elaboração ou concepção de um plano de ação para a dinamizaçãodos arsenais de guerra e dos parques de manutenção do Exército no apoio aos blindados, progressivo e coerente com os recursos existentes (humanos, materiais e financeiros).
  3. ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS
  4. Viaturas Blindadas de Combate
M60

1) Viatura Blindada de Combate Carro de Combate M60 A3TTS

Estudar a viabilidade da sua modernização parcial pela indústria nacional. A modernização parcial visualizada abrangeria, principalmente, o sistema de controle de tiro (SCT), a troca para um giro elétrico da torre e o sistema de intercomunicação, além da inclusão do Gerenciador de Campo de Batalha, dentre outros.

Caso fique comprovada a inviabilidade de sua modernização, as VBC CC M60 A3TTS serão manutenidas com os meios e recursos disponíveis, até serem descartadas, podendo ser substituídas pela VBC CC Leopard 1 A5.

Leopard 1A5

2) Viatura Blindada de Combate Carro de Combate Leopard 1 A5

Realizar estudo preliminar sobre a possibilidade de modernização pela indústria nacional e estudo sobre a nacionalização de parte de seus componentes principais, para minimizar a dependência logística de empresas estrangeiras. Os estudos deverão focar, principalmente, alguns de seus componentes optrônicos e o giro da torre. Paralelamente, iniciar o planejamento da obtenção de um carro de combate médio nacional, seja por projeto original, seja por fabricação sob licença de um modelo estrangeiro.

3) Viatura Blindada de Combate de Fuzileiros

Realizar estudo preliminar para a aquisição de uma VBC Fuz, visando à substituição da viatura blindada de transporte de pessoal VBTP M113 nos BIB e nos RCB.

M109 A5

4) Viatura Blindada de Combate Obuseiro Autopropulsado M109 (A3, A5 e A5+ BR)

Estudar as restrições existentes, propor prioridades e medidas para a adoção progressiva de um sistema computadorizado de direção de tiro de fabricação nacional, para as unidades de artilharia blindada, bem como prosseguir nos projetos em andamento.

Viaturas Blindadas de Combate do novo Sistema de Defesa Antiaérea do Exército Brasileiro, o Gepard 1A2, em 2013
Gepard 1A2

5) Viatura Blindada de Combate Antiaéreo Gepard

Prosseguir no projeto em andamento.

6) Viatura Blindada de Combate de Apoio de Fogo

Realizar estudo preliminar para a adoção de uma Viatura Blindada de Combate Apoio de Fogo para dotar os pelotões de apoio dos BI Mec, considerando o aproveitamento das plataformas existentes no Exército, ou a serem desenvolvidas em uma nova família de blindados.

7) Viatura Blindada de Combate Morteiro

Realizar estudo preliminar para padronizar em uma plataforma única os morteiros médios e pesados (com tiro embarcado). Propor a adoção de uma viatura especializada (não blindada) para cada morteiro, para a utilização no adestramento.

  1. Viatura Blindada de Reconhecimento (denominação atual da futura Viatura Blindada de Combate Cavalaria).
EE-9 Cascavel
EE-9 Cascavel

1) Viatura Blindada de Reconhecimento EE-9 Cascavel

Realizar estudo preliminar para a modernização do Cascavel de modo a ampliar sua capacidade operativa, bem como torná-la uma viatura eficaz para o adestramento e para o treinamento das guarnições. Considerar:

  • um sistema de controle de tiro computadorizado com seus optrônicos e um eficiente sistema de intercomunicação da guarnição, acoplado a um sistema de comunicações tática;
  • a manutenção do atual armamento (canhão de 90 mm) e melhoria da capacidade anticarro;
  • o emprego prioritário de recursos nos mecanismos e eletrônicos ligados ao tiro e à aquisição de alvos;e
  • a comparação (com custos estimados) entre investir em um novo sistema de motorização e suspensãoe a revitalização desses sistemas existentes.
  • Adotar nova nomenclatura para a atual Viatura Blindada de Reconhecimento (VBR) de modo aadequá-la à sua missão principal nas operações de segurança: Viatura Blindada de Combate de Cavalaria VBC Cav.
  • Realizar estudo preliminar para a aquisição de uma VBC Cav, para substituir parcialmente a VBR Cascavel, bem como propor linhas de ação para a sua distribuição inicial para as Bda C Mec e apresentar uma solução para os problemas logísticos decorrentes.
  • Iniciar o planejamento da obtenção de uma VBC Cav nacional, seja por projeto original seja por fabricação sob licença de um modelo estrangeiro, aproveitando todos os estudos já realizados pelo Exército de uma nova família de blindados.
  1. Viatura Blindada – Leve sobre Rodas

1) Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas

  1. Propor ou manter a padronização de uma viatura de transporte não especializada (VTNE) adaptada,para a utilização no adestramento e/ou emprego dos pelotões de exploradores e dos pelotões de cavalaria mecanizada.
  2. Prosseguir na obtenção de uma Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas nacional por

fabricação sob licença de um modelo estrangeiro, aproveitando todos os estudos já realizados pelo Exército e por empresas nacionais.

2) Viatura Blindada de Reconhecimento – Leve sobre Rodas

Estudar a possibilidade de integrar meios de inteligência, reconhecimento, vigilância e aquisição de alvos (IRVA) na Viatura Blindada de Reconhecimento – Leve sobre Rodas, transformando-a em uma Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas. Considerando o prazo de recebimento das mesmas, sugerir linhas de ação para a sua distribuição inicial para os Pel Expl e Pel C Mec, de modo que possam ser reunidas nas situações de emprego de curto prazo.

  1. Viatura Blindada de Transporte de Pessoal
M113

1) Viatura Blindada de Transporte de Pessoal M113

Prosseguir nos estudos para a modernização das Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal M113 (inserindo a modernização de C2, blindagem adicional e sistema de armas). Caso fique comprovada a inviabilidade da aquisição a curto prazo de uma VBC Fuz, incluir, no pacote de modernização das VBTP M113, equipamento de visão noturna passivo para o motorista e instalação de torreta automática em substituição à torreta manual, permitindo assim que os atiradores desse tipo de viatura se adestrem nas técnicas de tiro com um armamento estabilizado.

EE-11 Urutu

2) Viatura Blindada de Transporte de Pessoal EE-11 Urutu (EE-11 Urutu)

Estudar a revitalização, considerando uma distribuição futura para as OM de Eng Mec, Com Mec e logística, bem como a sua utilização como VBE PC e outras aplicações.

  1. Viaturas Blindadas Especiais

Estudar as necessidades de completamento das Viaturas Blindadas Especiais, a seguir listadas, ou de aquisição de similares, para operacionalizar as Bda Bld ou garantir um mínimo de MEM para o adestramento:

  • Viatura Blindada Especial Socorro Leopard (VBE Soc Leopard);
  • Viatura Blindada Especial Engenharia Leopard (VBE Eng Leopard);
  • Viatura Blindada Especial Lança Ponte Leopard (VBE L Pnt Leopard); e – Viatura Blindada Especial Posto de Comando M577 (VBE PC M577).
  1. PRESCRIÇÕES DIVERSAS

O VCh EME coordenará os trabalhos deste ODG para:

  • a implantação da Iniciativa Estratégica Forças Blindadas (Nova Couraça), conforme previsto nasNormas para Elaboração, Gerenciamento e Acompanhamento do Portfólio e dos Programas Estratégicos do Exército Brasileiro (EB10-N-01.004), 1ª Edição, 2017, objetivando a integração das ações de obtenção, modernização e/ou revitalização dos blindados, em consonância com o Planejamento Estratégico do Exército e alinhado com a Diretriz do Comandante do Exército; e
  • os eventos estabelecidos nas Instruções Gerais referentes ao Ciclo de Vida dos SMEM,particularmente no caso de aplicação, se necessário, do parágrafo único do seu art. 15, bem como um fluxo mais adequado, que inclua a participação efetiva dos usuários.
  1. Será adotado o sistema de comunicações (rádio, intercomunicador e Gerenciador de Campo de Batalha) padronizado no âmbito do Exército.
  2. Nos estudos, deverá ser considerado o suporte logístico integrado e os desdobramentos nas fases subsequentes dos respectivos ciclos de vida.
  1. O Órgão de Direção Operacional deverá disponibilizar as minutas das Condicionantes Operacionaisdos diversos sistemas de material de emprego militar para serem usadas como base dos trabalhos (Viatura Blindada Anti Carro – Média Sobre Rodas, Viatura Blindada Especial Ambulância – Média Sobre Rodas, Viatura Blindada Especial Engenharia – Média Sobre Rodas, Viatura Blindada Especial Escola – Média Sobre Rodas, da Viatura Blindada Especial Lança Pontes – Média Sobre Rodas, Viatura Blindada Especial Posto de Comando – Média Sobre Rodas, da Viatura Blindada Especial Socorro – Média Sobre Rodas, Viatura Blindada de Mísseis Anti Carro – Leve Sobre Rodas, da Viatura Blindada Morteiro – Média Sobre Rodas, Viatura Blindada Multitarefa – Leve Sobre Rodas, Viatura Blindada de Reconhecimento-Leve Sobre Rodas, Viatura Blindada de Reconhecimento – Média Sobre Rodas, da Viatura Blindada de Transporte de Pessoal – Média Sobre Rodas, Viatura Blindada de Combate – Carro de Combate, Viatura Blindada de Combate – Engenharia, Viatura Blindada de Combate – Fuzileiro, da Viatura Blindada Especial – Ambulância, da Viatura Blindada Especial – Escola, Viatura Blindada Especial – Lança Ponte, Viatura Blindada Especial – Posto de Comando, Viatura Blindada Especial Socorro, Viatura Blindada Morteiro – Média Sobre Lagartas e Viatura Blindada de Transporte de Pessoal Média Sobre Lagartas).

FONTE: Boletim do Exército nº26/2019

246
Deixe um comentário

avatar
58 Comment threads
188 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
72 Comment authors
GustavoAlvaristzioFlankerOExpecialistaMilitar_RR_ Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Chega deu uma dor de cabeça.

Bardini
Visitante
Bardini

Olha aí o que eu tanto falava…
.
O EB não vai se desfazer de duas centenas de Leopard 1A5. Vai modernizar, pq nada vai bater esse custo. E não vai ser uma extensa modernização. É coisa pontual.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Pelo jeito vc acertou na moskva hein muchacho!!!

Nunes
Visitante
Nunes

Bardini você tinha cantado a pedra hemm. Agora na sua opnião detalha mais uma pouco ae o que você entende como a modernização pontual. Você acha que vai mexer blindagem (modernizar), troca de motor, eletrônica, melhoria na torre (se sim quais), entre outros?? Fique a vontade em comentar. Ou seja, se você fosse o responsável por essa modernização o que implementaria no LEO1A5 até dar tempo de chegar os LEO2A6 da Alemanha?

Bardini
Visitante
Bardini

Se mexer na blindagem vai colocar mais peso encima, o que poderia demandar novo sistema de propulsão+transmissão. Não vai acontecer. Isso aí vai ficar como está.
.
Eletrônica o que pode acontecer é a AEL/Elbit entrar na jogada como parceiro nacional, oferecendo algo semelhante ao que foi feito no TAM 2C, o que seria muito interessante para o EB.

Nunes
Visitante
Nunes

Saquei está claro a condição. Neste ponto também é inviável a substituição do canhão de 105mm por um de 120mm, pois seria necessário grandes mudanças e com certeza uma torre toda nova. Se não me engano você ou algum outro colega aqui comentou que o Canadá fez alguns testes no LEO1A5 com canhão de 120mm. Só não sei se foi viável ou não. Outra pergunta. O fabricante com sua estrutura montada no sul do pais não teria interesse em fazer um projeto de kit de modernização tipo o que é disponível por Israel para os M60?

Bardini
Visitante
Bardini

Trocar canhão vai mexer com peso, sistemas da torre, capacidade interna de transporte e armazenamento da nova munição e mais grave $$$, que é comprar munição nova. Não vai acontecer.
.
A Rheinmetall está tentando comprar a KMW. Se sair negócio, pode ser uma boa para o Brasil, que teria Leopard sendo mantido pela Rheinmetall assim como Marder 1A3.

Nelson Lima
Visitante
Nelson Lima

O Leo1a5 pode receber um canhão de 120 mm facilmente!

Juarez
Visitante
Juarez

Eles tem dois grandes problemas: Manter determinados sistemas funcionando com o carro desligado e isto só se resolve com um pequeno APU, ou gerador diesel portátil e a instalação de um ar condicionado que vai implicar diretamente na arquitetura dos periféricos do motor, necessitando um condensador,um compressor e um mais um trocador de calor. Será necessário achar espaço para no cofre do power train. Tem um outro detalhe, com a instalação do A condicionado Seta necessário gerar mais potência elétrica e provavelmente terão de trocar os alternadores e usar baterias com maior amperagem. Coisa que se resolve com boa vontade,… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Pode ser a mesma APU usada no TAM 2C dos argentinos.
comment image

Os sensores e sistema de movimentação da torre também…

Rafael G. de Oliveira
Visitante
Rafael G. de Oliveira

“Olha aí o que eu tanto falava… O EB não vai se desfazer de duas centenas de Leopard 1A5. Vai modernizar, pq nada vai bater esse custo. E não vai ser uma extensa modernização. É coisa pontual.” Concordo…me lembro do amigo daqui do fórum dizendo que não tinha mais peças para o Leopard, que o Leopard estava com os dias contados segundo um contato interno dele lá….ok, mas por isso devemos jogar os leopards fora e pegar alguns abrams dos americanos? calma aí né?! são bens adquiridos com dinheiro publico que estamos falando…sempre que o governo faz esses convites para… Read more »

Pedro
Visitante
Pedro

Olha, era melhor usar até onde for possivel os atuais meios que já tem uma quilometragem consideravel de uso, e buscar meios mais novos e mais modernos para substitui-los mesmo que de segunda mão. Modernizar Urutu, Cascavel, Leopard 1, M-60 e (pqp) M-113 é forçar a amizade. Esses equipamentos já deram o que tinha que dar, e mesmo modernizados não tem muita razão de uso no atual cenario militar.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Tendo a discordar sobre não terem uso, principalmente pela localização brasileira. Nenhum vizinho nosso nos força a se preocupar tanto assim com blindados modernos. Qualquer outro blindado vai ter que chegar aqui por mar, o que nem é tão difícil visto que nossa marinha já quase não existe e o que flutua já deveria ter virado barreira de coral. Não que não tenhamos que investir em blindados novos, até temos, mas essa seria uma das últimas numa lista de prioridades. Devemos antes disso garantir que ameaças externas não consigam desembarcar blindados no nosso país através do ar e do mar… Read more »

Pedro
Visitante
Pedro

Problema que vc não pode ficar olhando apenas no vizinho. O Brasil pelo tamanho que tem, deveria ser a vanguarda da região. Não é pq os nossos vizinhos mais ao Sul e Oeste não tem muita coisa, que vamos deitar em berço esplendido e ficar com veiculos que hj são peças de museu. Olhe o caso da Venezuela. Hoje não podemos fazer nada contra a mesma, pois suas FAs estão anos luz a frente da nossa em artilharia, cavalaria, sem falar na sua Força Aerea. Ou seja, nem para acompanhar nossos vizinhos estamos conseguindo.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Primeiro, não olhei só para os vizinhos, creio até que fui bem claro quanto a necessidade de investir em algo moderno, a questão é que obviamente tem outras prioridades nas forças armadas. Vai trocar chumbo com MBT na floresta amazônica? Creio que não. Quanto a “não podermos fazer nada contra a Venezuela”… Isso está errado, afinal, se fosse questão de PRECISAR, nossa marinha na situação que está hoje já fecharia a Venezuela só com os submarinos. Cortar o comércio deles é matá-los por estrangulamento. Te refaço a pergunta com: o que a Venezuela pode fazer para atacar o Brasil? Seus… Read more »

Cabral
Visitante
Cabral

Acho que a Venezuela não estaria sozinha. (Rússia, China e Coreia do Norte.)

Gonçalo Jr.
Visitante
Gonçalo Jr.

Cabral. E eles vão atravessar metade do mundo para apoiar a Venezuela?
– “Ahhhh mas esses dias tinham aviões e militares de ambos os países lá”.
Sim tinha, em tempos de paz. Se vc considera que caso a Venezuela entre em conflito com o Brasil e Rússia e China os socorram, podemos considerar que os EUA poderia se antepor a eles num bloqueio naval e com apoio aéreo em apoio ao Brasil, concorda?

Mac
Visitante
Mac

Seu comentário mostra um grave desconhecimento sobre a fronteira com a Venezuela. Em Roraima existe o Lavrado, cobrindo certa de 68.145 km2, se considerar Guiana, Brasil e Venezuela. Se estende por mais de 387 km entre Mucajaí até os limites de Luepa, na Venezuela.

O terreno é bem plano e um campo aberto, similar a savanas africanas. Em tempos de seca, consegue ser um terreno extremamente favorável ao uso de carros de combate, mais do que o Sul do Brasil.

OExpecialistaMilitar
Visitante
OExpecialistaMilitar

não tem alcance para atravessar nossa selva? os Su30 tem alcance suficiente para atacar brasília desde a venezuelana voltar … vai estudar ou para de comentar sobre assuntos militares ok?

Flanker
Visitante
Flanker

Ah é?! Mas, se eles decolarem de Santa Elena de Uairén, na fronteira com o Brasil, e voarem em linha reta para Brasília, a distância é ao redor de 2600 km. O raio de combate dos SU-30, com 4 mísseis ar-ar é de 1500 km. Como eles poderiam atacar Brasília e ainda voltar para a Venezuela? Só com REVO….aí complica…..portanto, Super Trunfo, em situação real, não serve de nada.

João Girardi
Visitante
João Girardi

“Olhe o caso da Venezuela. Hoje não podemos fazer nada contra a mesma, pois suas FAs estão anos luz a frente da nossa em artilharia, cavalaria, sem falar na sua Força Aerea. Ou seja, nem para acompanhar nossos vizinhos estamos conseguindo.”

Alguém tá ouvindo muito Fernando Haddad pra propagar fake news por aqui.

Moreira
Visitante
Moreira

Sim, como em operação, os meios antigos devem ser concentrados oportunamente. Afinal, mal se aproveita a parte mecânica e estrutural. É um grande erro que fazer melhoria nesses velhos Opalas 80’s. E os novos meios dando excelência nas áreas adequadas por importação. A indústria nacional deveria especializar-se: foguetes, canhões, munição… Não devem querem fazer tudo…saber tudo…

Alvaristzio
Visitante
Alvaristzio

Temos é que modernizar os sistemas de Radar,e nossa tecnologia de Mísseis,com uma boa quantidade de Mísseis de Cruzeiro,nós podemos reduzir Sukhois a pó,ou qualquer alvo de Valor,essas plataformas estão velhas,mas se a muniçao usada,for mais potente,o Brasil devia se concentrar nisso,porque generais bons nós temos e até demais..

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Remax nos M-113 BR, modernização dos Cascavéis ,Leo 1A5 e ,talvez , M-60 e quem sabe não vejamos ainda o surgimento do Guarani 6×6 com canhão ??(possivelmente 90mm tbm ) a substituir o Cascavel(caminho mais que lógico a ser seguido).

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Penso que deveríamos criar uma versão de reconhecimento do guarani semelhante ao jaguar 6×6 francês:colocar uma torre com canhão 40 mm(Para esse tipo de missão é o ideal, mais que isso é exagero), uma metralhadora .50, 2 misseis spike anticarro , uma eletrônica embarcada top (Temos ELBIT no Brasil)…encomendamos umas 400 unidades para o EB e certamente vai vender igual pão quente mundo afora.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Seria um sonho de consumo algo deste tipo viu e te confesso que imaginei o Guarani 6×6 com aquela mesma torre do Grifon francês. Coisa magavilhosa aquele blindado e 6×6 pra tristeza da turma do 8×8(que tem seus méritos mas….).

Bardini
Visitante
Bardini

“Para esse tipo de missão é o ideal, mais que isso é exagero” . Não é… E o 40mm CTA dos franceses tem um defeito gravíssimo. Munição absurdamente cara e a quantidade de tiros que o cano da arma suporta é completamente pífio. . O EBR Jaguar dos Franceses custa entre 4 e 5 milhões de euros a unidade. É preço de MBT… . “2 misseis spike anticarro” . O que torrariam nesse míssil, compraria mais quantas centenas de LMV 4×4? . “encomendamos umas 400 unidades para o EB e certamente vai vender igual pão quente mundo afora.” . kkkkk…… Read more »

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

“O EBR Jaguar dos Franceses custa entre 4 e 5 milhões de euros a unidade. É preço de MBT…” Em 2017 ele estava cotado em 1 milhão de euros. “O que torrariam nesse míssil, compraria mais quantas centenas de LMV 4×4?” O quê uma coisa tem haver com a outra?! “kkkkk… Não se ilude cara.” Você tem ideia de quantos veiculos desta natureza devem ser substituidos por novos nas próximas décadas no mundo? “A brincadeira desses 400 blindados decola pra casa do U$ 1,5 bilhão de dólares, chutando baixo…” Não existe almoço grátis! “Pq o canhão de 90mm é top… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

“Em 2017 ele estava cotado em 1 milhão de euros.”
.
Tu viu errado, ou viu o preço do Griffon. Não tem absolutamente chance alguma daquilo custar só isso. Só a torra custa muito mais.
.
“O quê uma coisa tem haver com a outra?!”
.
Necessidade… Não temos sequer um blindado 4×4 para operações de menor complexidade.
.
“Você tem ideia de quantos veiculos desta natureza devem ser substituidos por novos nas próximas décadas no mundo?”
.
Nem Guarani 6×6 APC vai vender… Vão vender agora uma versão mais complexa dele?

paulop
Visitante
paulop

Quando li Veiculo Blindada de Combate de Cavalaria me veio na cabeça algo como isso:

comment image

Uma torre interessante em cima de um Guarani e capacidade de transportar esploradores desmontáveis.
Abraço

Bardini
Visitante
Bardini

Canhão de 35mm… Não fecha. E essa torre alemã é cara e grande pra kacete.
.
Essa seria a torre:comment image

UT30 Mk2, via ARES montada em um Guarani 6×6. Os mesmos sistemas poderiam ainda empregados na modernização do Leopard 1A5.

paulop
Visitante
paulop

Sempre buscando padronização e redução de custos, portanto… mas ainda assim, a UT30 Mk2 já dá um caldo legal…

Rafael G. de Oliveira
Visitante
Rafael G. de Oliveira

quem sabe não vejamos ainda o surgimento do Guarani 6×6 com canhão ??(possivelmente 90mm tbm ) a substituir o Cascavel(caminho mais que lógico a ser seguido).

Ainda acho que o Brasil deveria ter comprado aquele Centauro B1 naquela oportunidade de 2001

Bardini
Visitante
Bardini

90mm é retrocesso frente a um 105mm de alta pressão, que é muito mais multifunção e capaz de sobreviver a ação dos mais de 50 anos de serviço do modelo do blindado.
.
Mais vale empregar um 30x173mm com capacidade ABM.

rdx
Visitante
rdx

Surreal. Vai modernizar 28 M60? Vai modernizar os Leopard? Mais 10 ou 15 anos de CCs obsoletos e com problemas de suprimentos? moderniza e depois reza para não surgir nenhum inimigo com CCs armados com canhão 120 mm ou 125 mm nesse período.

O plano é bem claro: ganhar tempo até a Alemanha começar a dar baixas nos Leopard 2 mais antigos.

Salvo engano, o Bardini já tinha feito essa leitura.

Bardini
Visitante
Bardini

É bem isso. Estão se preparando pra tentar ganhar tempo até a baixa dos primeiros Leopard 2A6 e 2A6M da Alemanha, no começo da década de 30. . E o novo IFV é muito certo que será Marder 1A3 revitalizado com algumas modificações pontuais, isso via Rheinmetall. Fora o estoque, os alemães vão dar baixa nos seus com a entrega de mais PUMA. . Isso aí de blindado nacional é muito lindo. Eu queria muito que acontecesse, mas não tem como tocar o Programa Guarani e comprar todos os blindados que são necessários. . E Abrams é e sempre será… Read more »

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Leopard 1a5 italiano…
https://youtu.be/2OmwgrCuYkI

Mac
Visitante
Mac

Não haverá nenhum 2A6 dando baixa em 2030, todos estão sendo modernizados para o padrão 2A7V, inclusive existem 2A4 sendo modernizados para este padrão.

Existe outra previsão para utilizar o chassis dos mesmos para converte-los em E-MBT a partir de 2035.

Podem esquecer qualquer Leopard, a não ser que seja novo.

Bardini
Visitante
Bardini

Quem está passando pra 2A7V são alguns 2A4, os 2A5 e 2A7. O 2A6 e 2A6M ficam exatamente como estão.
.
E-MBT?
Tais falando do demonstrador de que chucrutes e brioches conseguem se entender, ao usar a base de um Leopard 2 e uma torre de Leclerc?
.
Leopard 3 vem aí e com ele, as baixas dos Leopard 2, que tem contrato de suporte com data de validade pra vencer.

Mac
Visitante
Mac

No dia 26 de março anunciaram a modernização de 101 2A6 e 2A6M para o padrão 2A7V, fora os 104 que constituem 2A5, 2A6 e 2A4. Toda modernização será concretizada em até 2026. Dizer que logo em 2030 essas mesmas viaturas darão baixa é contar demais com o Ovo que nem saiu da galinha, ainda mais quando nem se quer haverá contrato de manutenção para o 1A5. Nem se quer mencionei as peças – que, no contrato, a KMW se quer tem a obrigação de fornece-las -, se quiser pergunte ao Capitão Elígio. O conhecimento sobre isso é público e… Read more »

Alessandro
Visitante
Alessandro

Bardini, me esclarece uma dúvida, se o EB quer modernizar os leopard 1a5 para ganhar tempo até a alemanha dar baixa nos seus 2a6, se der certo o plano, como fica depois a questão PESO e RODOVIAS? Já que dizem por ae que nossas rodovias não estão preparadas para suportar o peso desse tipo de blindado.

Wilson
Visitante
Wilson

Você esta certo quanto a ganhar tempo, mas pelo que se lê no documento, o plano do Exercito é daqui uns 10 ou 15 anos abrir uma licitação para produzir localmente um carro de combate seja ele nacional ou não.
Eu estou entendendo que o Exercito está apostando que até lá a economia do País estará melhor e será possível uma empreitada deste tipo.
Essa minha visão é baseada neste trecho:”…Paralelamente, iniciar o planejamento da obtenção de um carro de combate médio nacional, seja por projeto original, seja por fabricação sob licença de um modelo estrangeiro.”

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

EB sendo o EB… só reusando o resto do resto.

Arthur
Visitante
Arthur

E os Leopard 1A1?

Tutu
Visitante

✝️

colombelli
Visitante
colombelli

fora de operação os 39 que sobraram e os outros ja desmanchados em museu.

colombelli
Visitante
colombelli

mais conversa fiada de sempre que não muda o fato: Não haverá outro meio blindado passivel de aquisição que não seja o M1A1 para ser o CC, infelizmente.Estarão so adiando o inevitável.

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Leopard 1a5 italiano…
https://youtu.be/2OmwgrCuYkI

Mac
Visitante
Mac

O que quer dizer com esse vídeo?

Ai só há uma lavagem e jateamento, nada mais do que isso. Se está dizendo que esse vídeo mostra Leopard 1A5 indo para condição de “zero km”, recomendo você a estudar mais sobre mecânica, usinagem e, principalmente, como se faz retrofit.

colombelli
Visitante
colombelli

Alexandre, o pessoal foi la ver e diz que estão bixados. Se estivessem bons seriam uma boa para ter completado os RCB.

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Bom,a história que eu sei é que os lêo 1a5 italianos foram descartados por conta do alto preço cobrado pela empresa que comprou os blindados do Gov italiano.

colombelli
Visitante
colombelli

Nada oficial foi publicado acerca da avaliação deles e dos suiços. Seja qual for o motivo do malogro, o fato da indisponibilidade deles não muda. E padecem da mesma condição dos nossos, ou seja, é um meio que rodou muito e que não terá mais de um década pela frente. Faremos o que depois?

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Muito provavelmente colombelli o EB terá duas escolhas: ou comprar o único MBT disponível no momento em grande quantidade(Abrams),ou partir para um Okm com produção sob licença custando os olhos da cara.
Sds

Mac
Visitante
Mac

Há um problema gravíssimo no 1A5 que são a falta de peças em boas condições. Não existem mais e existe um limite de usinagem para peças, algumas você nem pode re-usinar dependendo do desgaste, pois existe perda de material em cada processo. Um exemplo disso são válvulas e engrenagens, que dependem muito de seu formato original para um funcionamento seguro. Não acredite em devaneios do tipo: “dá pra manter, basta re-usinar!”. Quando você vai fazer o retrofit ou recondicionamento, peças novas de fábrica são adicionadas no motor e as demais são remanufaturadas em máquinas de usinagem. Não fabricam mais peças… Read more »

Glasquis7
Visitante

Mac
“Dá pra fazer? Claro que dá! Mas e o custo, vale a pena?”

Dá sim e vale a pena. O Chile fez isso com seus Leopard 1V que presisaram de remotorização para operar no altiplano.

Mac
Visitante
Mac

Você chegou a ler o que eu escrevi ou só viu parcialmente?

Chile modernizou seus Leopard 1V há anos atrás, inclusive na época em que haviam peças novas estocadas pela KMW. Não se faz retrofit sem peças novas, pois nem todos os componentes do motor podem ser remanufaturados.

Vamos comentar somente do que sabemos e com casos que são iguais aos nossos, não fazendo comparação com coisas que ocorreram há quase uma década, inclusive antes dos 2A4!

Mac
Visitante
Mac

Complementando o meu comentário: os Leopard 1V Chilenos foram modernizados nos anos 90.

Ou seja, sua comparação é muito mais do que descabida.

Rafael G. de Oliveira
Visitante
Rafael G. de Oliveira

Dá pra fazer? Claro que dá! Mas e o custo, vale a pena?

Não vale a pena, mas vai fazer o que? doar para argentina e uruguai? joga na mão dos políticos a compra de centenas de blindados novos para ver se eles aprovam….vamos ficar sem cavalaria blindada

Mac
Visitante
Mac

Se o Exército pensa em gastar mais de US$ 1 milhão modernizando Leopard 1A5 – isso pra dizer o MÍNIMO, já que só a compra de um motor novo será por volta dos US$ 300 mil -, então tem $1,8 milhão pra dar em M1A1. Fora que via EDA/FMS você pode fazer um plano de financiamento, dividindo o custo por anos e anos, talvez até uma década.

Mfs
Visitante
Mfs

Justamente por isso querem nacionalizar ao máximo o Leopard 1A5 como foi feito com os M41 e M113 no passado.

Colombelli
Visitante
Colombelli

Alexandre desenvolver um ou produzir sob licenca novo custaria acima de US$ 5.000.000.00 a unidade. Totalmente fora de realidade. Temos de aproveitar o cavalo encolhado passando agora do M1 ou depois ter o pesadelo de um meio sem.peças e muito antigo.

Mfs
Visitante
Mfs

Mas entendo que a intenção do EB é justamente ganhar mais 10 anos com os Leopard 1A5 para neste período desenvolver um CC médio nacional ou esperar a desativação de blindados mais novos para serem comprados. No caso do M1 Abrams não se pode ignorar toda a estrutura e mudanças que serão necessárias trazendo custos extras, e a KMW instalada em Santa Maria e com contrato de manutenção até 2028 facilita bastante manter os Leopard. Creio que ter um CC médio novo seja a meta final em vez de comprar um pesado usado. A KMW já informou que em 5… Read more »

Mac
Visitante
Mac

Não questionei isso, mas vai nacionalizar com o quê? O 1A5 precisará de um novo motor, suspensão e lagartas, qual empresa nacional produz esses componentes no Brasil? Ninguém! Quanto ao contrato de manutenção, é até 2027 e não obriga a KMW no fornecimento de peças, pois não existem mais peças em boas condições, então terá que trocar absolutamente tudo. A KMW informou que consegue desenvolver um CC médio em 5 anos? De onde você tirou isso? Tem dinheiro desenvolver? Já saiu RFI? Já tem ROB? Tem dinheiro para adquirir? Existe parque industrial? O Exército congelou o VBR Guarani por não… Read more »

Mac
Visitante
Mac

Tem gente que acha que dá pra fazer mágica. Ao invés de estarem discutindo eletrônica, deveriam se preocupar em discutir a substituição do motor, suspenção…

Pior é ler coisa como “isso é pra esperar 2A6 e 2A6M darem baixa em 2030”. É rir pra não chorar!

Maurício Veiga
Visitante

Nem M1 (motorização complicada) e nem Leo2 (indisponibilidade numérica), a solução será outra, vamos esticar as possibilidades do Leo1 ao máximo e depois teremos um CC médio de origem nacional e com acessória Alemã…

Colombelli
Visitante
Colombelli

E o.preço de um nacional? Faz ideia de quanto custaria?

Maurício Veiga
Visitante

Você faz ideia de quanto custou A29, Caracal, Gripen, Scorpene, Tamandaré, Guarani e etc…??? A necessidade justifica os custos, o EB precisa falar grosso e alto, ser protagonista do próprio Futuro se a MB e a FAB podem o EB também pode…

Mac
Visitante
Mac

Se o Exército não consegue desenvolver uma versão de reconhecimento do Guarani, ai você sugere que o melhor meio é desenvolver um carro de combate nacional?

Boa sorte!

colombelli
Visitante
colombelli

estes meios são a raiz da FAB e da MB. Sem eles nãop tem FAB e Marinha. Os MBT não são a essência do EB. Voce acha que o EB irá por 2 bilhões de dolares para desenvolver um MBT e mais um bilhão para adquirir CC a 5 milhões a unidade? O programa do guarani que ja está para 2040 não serve de paradigma? Pensa um pouco.

Mac
Visitante
Mac

Se fosse somente 2 bilhões de dólares para desenvolver…

Lembre-se que precisaremos construir uma fábrica, comprar maquinário industrial importado, treinar centenas de trabalhadores, contratar empresa estrangeira para o desenvolvimento e ainda há demanda de mais ou menos 1,072 viaturas, entre VBC CC, VBCI e entre outras versões. É um programa pra custar mais de 30 bilhões!

Mfs
Visitante
Mfs

Se for com a KMW não . As instalações deles em Santa Maria são de primeiro mundo e as modificações necessárias não seriam tão caras. E não , nunca que um programa de MBT para 350 carros custaria tudo isso. Provavelmente a KMW desenvolveria um blindado meio termo entre o Leopard 1 e 2, mas com recheio de ponta do 2 e com componentes nacionais, um Leopard novo mas com no máximo 48 toneladas. Um programa assim custaria uns 3 bilhões de dólares no máximo. Tanques estão longe de serem caros como escoltas e caças. Um caça moderno de geração… Read more »

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Compra novo, por que ficar reutilizando coisa velha? Imagino a dor de cabeça que é manutenção de coisa com 40 anos de uso. Fusca velho já dá dor de cabeça, imagine um tanque. Aqui na fazenda máquina com 10 anos de idade a gente já se desfaz. Aí o EB com meu dinheiro fica recauchutando coisa de 50 anos atrás, para dar boa vida a milico. Eita Brasil sem jeito.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Resumo, não haverá aquisição relevante de nenhum equipamento novo e moderno.
Somente inúmeras atualizações do que já temos.
Até certo ponto concordo.
Porém não adquirir um MBT como o Leopard 2, será um grande erro do EB.
Daqui a uns 10 anos nossos MBT serão totalmente incapazes de garantir a segurança do país.
O tal acordo como aliado extra OTAN não facilita a aquisição dos MBT europeus que lá estão estocados?

colombelli
Visitante
colombelli

Antunes, como exaustivamente já debatido aqui, o 2A4 não tem disponiveis pareados para venda e seria caro ( acima de 1,5 milhão de dolares). Os leopards mais modernos é ainda mais critica a situação. Era minha preferência e a do EB, mas o timing de aquisição deles se foi. Sobrou adquirir o M1, modernizar o Leopard 1A5 ou adquirir um versão modernizada do M60. Nada mais. Desenvolver um então, é a hipotese mais remota de todas e também passou da época. A modernização do 1A5 somente jogará pra frente o problema da sua substituição e ai quando ele voltar talvez… Read more »

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Qual sua opinião sobre modernização do Léo 1A5 e o que vc acha q precisa melhorar Colombelli e estendo a pergunta ao Sr Juarez???!!!

Colombelli
Visitante
Colombelli

Melhoria ele não.precisa nenhuma hoje em vista de seus adversarios. Ela, a modernização, ocorreria simplesmente pra ter componentes que tenham disponibilidsde de peças no mercado por preco razoável. Mas se tu for trocar aparelhagem de pontaria, motor e sistema de movimentação da torre não sai por menos de 750 mil a um milhão de dolares. E ao fim tu teras um meio rodado e no geral sem peças disponiveis por bom custo beneficio. Peças depende de ter operadores ou estoques grandes do meio, caso do M60 ou do M1. Um M60 também saira isso pra modernizar. Os kits que tem… Read more »

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Obrigado pela resposta Colombelli, a qual, bem lúcida e com a qual concordo plenamente!!!

Juarez
Visitante
Juarez

Tomcat, e o que a gente vem dizendo, não tem dinheiro, e este show de remendos que o EB quer fazer demonstra isto e mostra outra coisa: Que infelizmente não existe vida inteligente no forte Apache, porque: Porque estes iluminados ainda não entenderam que não tem condições operacionais, técnicas e orçamentárias para manter e operar 300 CCs. Ou EB reduz, racionaliza e padroniza ou acaba como força de combate ali na frente, seguindo os passos da MB. O Mac já deu a “corda” que o EB vai se enforcar, pois qual o problema maior de manter estes CCs em condições… Read more »

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Obrigado pela resposta Juarez, nada como a opinião de quem conhece do riscado mecânico e da realidade por trás das cortinas !!!

Maurício Veiga
Visitante

Colombelli, você está levando em consideração a motorização do M1 assim como o custo de manutenção e consumo do mesmo?!?! Isso sem falar na idade e desgaste ….

Colombelli
Visitante
Colombelli

Positivo. Consumo não e relevante para carros que rodam poucas dezenas de km por ano. Costuma ser menos de 100 km. Manutenção de turbinas é mais espaçada e ate mais simples. Hoje se tu quiser manutenir uma turbina tem gente que faz no Brasil. Um motor diesel como do leopard não. Idade não significa estado do meio, pois ficaram anos no deserto. Desgaste e de se avaliar carro a carto. Tem milhares pra isso. Os leopard são ate mais rodados e desgastados que os M1 pois aqueles foram sendo substituidos e estocados.

Maurício Veiga
Visitante

O consumo é extremamente relevante, principalmente em situação de combate, isso envolve logística e suprimentos o M1 foi um grande desafio de suprimentos nas Guerras do Golfo, colunas inteiras de blindados ficaram paradas no deserto aguardando combustível pois os mesmos além de velozes eram beberrões …

Juarez
Visitante
Juarez

Sim e verdade e se os Eurobambis entrarem combate e dependerem de diesel de boa qualidade S “O” sem tratamento vão ficar todos, todinhos parados porque aquela injeção eletrônica dos MTU que os equipa trava se tiver uma asa de.mosquito no diesel.
E ainda, um CC com motor diesel de 1500 cvs não é algo que se possa chamar de “econômico”.

colombelli
Visitante
colombelli

Maurício em combate quqlquer carro diesel ou turbina gastará mais mas não será muita coisa mais que em paz. Voce não fará operações de centenas de km. No golfo eram milhares de carros. Qualquer que fosse o combustivel teria acontecido isso. Contextualiza as coisas corretamente.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Maurício observar que os Leopard’s tem motor da década de 60/70 feito pra rodar com diesel pesado e o uso de diesel(biodiesel) mais leve e ecoológico está detonando ,pelo que li, os motores. O biodiesel é bem mais barato que o diesel comum e na turbina do Abram’s rodaria na boa pois aquilo deve aceitar até urina e como mencionado pelo sr Colombelli a manutenção das turbinas será bem mais arranjável que a dos motores anciãos do Leopard.

Maurício Veiga
Visitante

Nada se compara a simplicidade e robustez de um motor a Diesel a onde e a que preço você vai encontrar peças para uma turbina isso sem falar na especialização necessária para a manutenção das mesmas, nas guerras do Golfo o M1 demonstrou que a turbina era o seu ponto fraco, isso é fato e não Fake!!!

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Nenhum momento falei que motor a diesel seria o problema e sim o motor do Leopard por ser antigo e desenvolvido pra usar um tipo ,hoje, bem mais poluente de diesel e nem se encontra mais, ao que parece, peças pra manter o bicho.Você parou no tempo na guerra do Golfo?
O motor do Leo 1A5 é velho, antigo , colocar um novo vai sair caro e sua adaptação faz ser melhor ,e muito melhor, a compra de outro MBT(no caso o Abram quem tem sobrando etc.)

Mac
Visitante
Mac

Você está correto e errado kkkk. Correto em afirmar sobre os problemas das turbinas do M1A1 no deserto, mas o problema não era em si a turbina. Os M1A1 tinham que parar para limpar constantemente os filtros, pois caso contrário havia o risco de superaquecer. A primeira geração da AGT tinha outros problemas, mas isso foi corrigido ainda durante a guerra do golfo. Concordo quanto aos custos de manutenção e de gastos, por isso eu sou favorável até trocar a turbina do M1A1 pelo MTU 883, se caso o EB decidir por compra-lo no futuro. Já existe tudo desenvolvido pela… Read more »

Maurício Veiga
Visitante

Concordo plenamente com a conversão do M1 para o motor a Diesel, resolveria o problema e o custo/benefício seria gigantesco, melhor ainda se esse trabalho fosse desenvolvido no Brasil!!!

Mac
Visitante
Mac

Não precisamos desenvolver, basta fazer o pedido para a GDLS. De qualquer forma, gastaríamos para fazer a remoção da turbina para que seja feita a re-manufaturação e adição de peças novas para deixa-la em condição de zero km. O gasto processual não teria muito acréscimo, gastaríamos mais comprando o MTU 883. Prefiro que seja comprado o pacote que é fabricado no EUA, assim diminuiria os custos. Inclusive fabricam a lagarta da Ziehl, que faz parte do projeto. O ganho é geral, com economia de 50% no consumo e mais de 110% no aumento de alcance. A única perda é na… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Mac, adicione um MTU 883 eletrônico e vice seus problemas se multiplicarem por 100 em relação ao Motor do Léo 1.
Cara, com nosso diesel em seis meses metade da frota estaria fora com injeção quebrada.

Juarez
Visitante
Juarez

Isto e fake ou você não leu direito:
As turbinas fundiam abaixo do tempo esperado pela quantidade de poeira aspirada juntoncom com ar, a partir do momento em que instalaram filtro com micragem adequada o problema terminou.
O problema não era restrito a elas, mas todos os veículos com ciclomotor pois precisam de para queima do combustível.

Juarez
Visitante
Juarez

Tomcat, todo o nosso diesel, tanto o S 500 conhecido por diesel comum, quanto o S ,10 são adicionados com 10 % de bio diesel que pode ser de origem animal ou vegetal.
Para motores eletrônicos aquilo lá e uma bosta porque a materia viva presente no diesel produz bactérias que geram a borra e que destroem os bicos.
Já turbina do Abraams e policombustivel engole diesel, Qav, gasolina, álcool, urina de burro e cuspida de camelo.
Se voce misturar cachaça, óleo de peroba e mijo de bode ele funciona tambem.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Hauhauhauhauhau, curti o composto mistureba com mijo de bode!!!rs

Juarez
Visitante
Juarez

Maurício, a difetenca é que se você precisar de um anel “o ring” lá do meio da transmissao do M 1 e só ligar para o Tio Sam que tem no estoque a “c…” pelo mesmo preço que o US Army paga e voce coloca a VTR para rodar.
Experimenta pedir de Léo 1 para o alemão da KMW.
Vai te mandar a m…

Maurício Veiga
Visitante

Você já ouviu falar em manutenção preventiva e estoque estratégico de peças?!?! Será que o EB é tão incompetente assim?!?! Vão esperar quebrar para só depois de quebrado pedir as peças, isso se aplica a manutenção de 1,2 e 3 escalão?!?! Se for desta forma é melhor não comprar mais nada e acreditar no mundo perfeito e sem ameaças…

Juarez
Visitante
Juarez

Maurício, tu sabe o que e manter ou conseguir itens de alto desgaste de um Power train cuja linha fechou a 30 anos??????
Vou te dar um exemplo que eu vi na FAB
Pas de hélice de Buffalo custava o preço de um tubo de T 56 e demoravam um ano pois eram fabricadas artesanalmente devido a linha estar fechada.
Cara pata e pensa antes de mim escrever bobagem.

Gilson
Visitante
Gilson

Bardini, no item 3, fala em viabilizar estudos para os fuzileiros, uma nova viatura blindada. O exército pode escolher viaturas blindada para os fuzileiros? Será que foi assim que eu entendi ou não?

Recce
Visitante
Recce

Fuzileiro é todo homem que combate com fuzil, a infantaria que combate a pé mesmo.

Não tem nada a ver com o CFN.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Eu acho que o Exército brasileiro deveria se assemelhar ao Ejército mexicano visto que nossos desafios são quase que os mesmos e nosso orçamento é mixuruca.
1º Aposentar todos os MBTs .
2º Fabricar localmente blindados baratos sob rodas, como a SEDENA faz, que caibam no nosso bolso(Ex: Cimarron, Kitan e etc.) e que possam de fato serem adotados em grande quantidade.

Carvalho
Visitante
Carvalho

Gabriel ua proposição No início da portaria fala em equilibrar estratégia da presença, sobre a estratégia da dissuasão. Isto significa…respeitando as devidas proporções, aumentar presença em todo o território nacional, em detrimento de concentrações de blindados pesados. O FOCO, definitivamente, é na infantaria mecanizada. Não está muito longe da tua proposição, mas com maior efetividade de combate. Em linhas gerais gostei da portaria: – acionar indústria de defesa nacional em sistemas digitais e optronicos para um futuro CC médio; – dotar Inf Bld de um VCi – dotar os Btl Inf Mec de um veículo de apoio de fogo Os… Read more »

João Souza
Visitante
João Souza

O Brasil precisa dos MBTs. Nossa posição é menos confortável que a dos mexicanos.

Gilson
Visitante
Gilson

Eu, pra min esse estudo não moderniza nada o Exército brasileiro, a não ser o que diz no início da Diretriz, estudos dos meios atuais e de ( OUTRAS PROVIDÊNCIAS ) o que seria essas outras providências? modernizar os meios atuais ou equipar o Exército brasileiro, no estado da arte, esquecer as modernizações ou partir para os equipamentos atuais modernos que existe no mercado nacional e internacional? eis aí uma igognita do que vai ser essa modernização.

willhorv
Visitante
willhorv

Quanto estudo não!
Será que alguém vai ser avaliado por isso tudo, ou vai só encher linguiça!!
E depois ficamos de recuperação com mais do mesmo!
Não acredito em melhorias significativas ou louváveis para um país de nosso porte.
Vamos ver no que dá!!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Não teremos blindados de ponta de lança, mas temos um exército bem numeroso e jovem, já que se aposentam cedo.
Mais uma força armada totalmente desdentada a nível mundial, muito embora gaste a níveis mundiais.

Jef2019
Visitante
Jef2019

Infelizmente nossas forcas armadas caminham a largos passos para o colapso quanto a garantia da soberania e como força respeitavel de dissuasão. Exceção a FAB com o gripen e a marinha com o prosub…o exercito deveria ter algum projeto similar de material moderno e eficiente no quesito CC. O Astros 2020 é um bom projeto…ja o projeto Guarani não teve continuidade quanto a novas versões…o Leo 1a5 espinha dorsal do eb tem que ser substituido urgentemente, por meios mais modernos, portanto acho o mais rapido de 2 mão…agora dificil é achar meios dispobiveis no mercado…acho que o EB perdeu a… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

A diretriz permite vários níveis de discussão
1) a modernização dos Leos seria apenas em sistemas tecnologia com indústria nacional que poderia ser usada posteriormente no projeto do carro de combate médio;
2) querem aposentar o M113, com aquisição de CVI ( talvez usando mesma plataforma do CC médio)
3) querem um Veículo de combate de apoio de fogo para os BIMec !!! Qual seria? Guarani 6×6 Torc ? Guarani 8×8 105?

Os CCs pesados estão perdendo espaço

Carvalho
Visitante
Carvalho

Outro ponto de destaque:
Varias referencias a sistemas de gerenciamento de combate e de atualização de situação tática!!
Isso é fundamental !!

Davi
Visitante
Davi

O EB fazendo aquele velho mexidão com as sobras da geladeira.

Abraço

Tiradentes
Visitante
Tiradentes

Os britânicos possuem cerca de 200 challenger 2 estocados e os franceses cerca de 100 leclerc estocados
Nao poderiam ser uma alternativa para a próxima década ?

João Souza
Visitante
João Souza

Quando vi matéria me lembrei dos challenger que os ingleses estão se desfazendo também.

Recce
Visitante
Recce

Canhão de alma raiada. Munição de fabricação única e cara. E pretendem atualiza-los com o L55 de alma lisa.

MMerlin
Visitante
MMerlin

Depois que li que um único Challenger sobreviveu a impactos diretos de 70 rpg’s, para mim este é o cara.
Mas um MBT que pesa 70 toneladas oferece restrições de transporte e locomoção.
Independente do peso, acredito que depois dos últimos acontecimentos, adotemos alguns M1 Abrams que também é uma ótima plataforma.

Alessandro
Visitante
Alessandro

Sei lá viu, esse plano de modernizar os leo 1a5 pra ganhar tempo e ver se consegue lá na década de 30 comprar leo 2a6 de segunda mão é muito arriscado, não quero acreditar que o EB tenha baseado seu planejamento dando um tiro no escuro, é mesma coisa que jogar na loteria, vc não tem a menor ideia se vai ganhar, seria muito amadorismo! E se a Alemanha não se desfazer deles? Estão dizendo que eles vão modernizar para 2a7, isso sem contar que deve ser caríssimos para se manter, duvido que temos orçamento para uma cavalaria de 2a6.… Read more »

Mac
Visitante
Mac

Meu Deus, ESQUEÇAM Leopard 2A6. Mês retrasado anunciaram a modernização de todos os 2A6 e 2A6M, acabando até 2026. Acha mesmo que vão se desfazer em 2030?

Exército tá é gastando dinheiro de contribuinte à toa!

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Pois é baseado no que foi divulgado nessa portaria 162, ta ai minha visão do que poderia ser feito em cada caso : 1) Viatura Blindada de Combate Carro de Combate M60 A3TTS Fazer uma revisão geral e Transferir os carros de combate operacionais ou semi-operacionais para um RCC criado no Comando Militar da Amazônia; 2) Viatura Blindada de Combate Carro de Combate Leopard 1 A5 Fazer pequenas melhorias nos sistemas de tiro e aquisição de albos e distribuir os RCC em 03 comando militares diferentes, comando militar do sul, comando militar do leste, comando militar do oeste; 3) Viatura… Read more »

Colombelli
Visitante
Colombelli

Rcc não sairão do sul. Ja sairam do leste e sudeste justamente pela dificuldade de áreas de treinamento. No maxino sera criado um RCB em Roraims.

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Os M60 A3TTS seriam adequados para esse RCB?

Colombelli
Visitante
Colombelli

Hoje dos 4 so um tem dotação e é justamente o que opera o M60. Se for sair muito caro um MBT unico pra RCC e RCB pode se por um melhor no rcc (M1) e o M60 nos rcb. Eu pensaria ate no BMP3 (usados pois novo custas 3.5 milhões).em ao menos um dos dois esquadrões de carros dos rcb. No cenario da AL o M 60 a3 cumpre missão e tem largo estoque de peças.. E ainda sai barato. É melhor que agora onde os 39 leopard 1A1 dos 3 rcb do RS estão inoperantes.

Mac
Visitante
Mac

Não esquecer dos Bradley. Compras via EDA dele tendem a ser baratos e o Exército pretende revisar o número de Fuzileiros no seu GC blindado.

Caso mantiverem 9 homens, há também uma solução para isso, que é removendo a torre e adicionando outra remota. Existe solução para isso:comment image

Ainda há uma arte que mostra ser possível remover a cúpula da torre atual e adicionar 8 assentos, além de colocar 1 assento atrás do motorista para comandante e outro para atirador onde ficaria a cúpula.

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Sem contar collombeli,que parte das peças do M60 adquiridos em 97 foi nacionalizada.apesar de ser um tanque mais antigo ele é bem robusto,vi uma vez um vídeo que um M60 Saudita foi atingido à queima roupa por um RPG 32 vampir houthi e não explodiu e nem pegou fogo.

Maurício Veiga
Visitante

O RPG falhou!!! KKK ..

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Grato pela explicação amigo!

Samuka
Visitante
Samuka

M41 2.0
The gambiarra never ends..

Satyricon
Visitante
Satyricon

Ao que tudo indica… vamos de Abrams (qualquer versão) via fms. Pode até rolar um upgrade nos Leo, mas de pouca monta. M60 já tá na boca do sapo, e temos poucas unidades, então já era. Quanto ao restante, vejo pouca serventia ao urutu, visto que o guarani faz o mesmo, só que melhor. Cascavel pelo visto eles querem salvar, talvez mais pela arma, que por outra razão. Mas tá no risco. Existem IFV sobrando pelo mundo, então talvez algum chegue até nossas praias. M113, bom, esse vai queimar muito óleo ainda no EB. M109 pode mandar vir o que… Read more »

rdx
Visitante
rdx

Na minha opinião, o EB deveria adquirir no mínimo 120 M1A1 Abrams do US Army para equipar 02 RCC e o centro de instrução. 120 Leopard 1A5 seriam remanejados para os RCBs. O foco deveria ser a compra de uma VBC Fuz 0km (300 a 400 unidades). Gosto muito do CV90 e do Lynx. O BMP-3 também é uma boa opção, com excelente custo x benefício…desde que o escolhido seja fabricado sob licença. O M113 deveria ser destinado a tarefas de retaguarda. Os Engesa Cascavel e Urutu deveriam ser revitalizados e destinados a tarefas de retaguarda. A linha de frente… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Rdx
Acho que no futuro um dos dois desaparecerá:
RCC ou RCB
Quanto à artilharia, o M109 é lento, serve aos israelenses exatamente por poder ser utilizados sem grandes deslocamentos táticos.
Um canhão rebocado ou autopropulsado sobre rodas possui muito mais flexibilidade de utilização. Alguns generais do EB já manifestaram publicamente sua preferência sobre o modelo sobre rodas.

Mfs
Visitante
Mfs

Tendo em vista que 120 só daria para 2 RCC e temos 4, teriam de modernizar todos os 220 Leopard 1A5 para equipar 4 RCB e 2 RCC.

Chevalier
Visitante
Chevalier

O tanque subiu no telhado.

Kommander
Visitante
Kommander

Verdadeira piada. Era melhor eu nem ter lido.

PauloOsk
Visitante
PauloOsk

“Paralelamente, iniciar o planejamento da obtenção de um carro de combate médio nacional, seja por projeto original, seja por fabricação sob licença de um modelo estrangeiro.”

Sera que isso vai pra frente?

Colombelli
Visitante
Colombelli

Nao. $$$$ precisa e muito pra isso. Mais sonhos.

PauloOsk
Visitante
PauloOsk

Tambem acho, minha esperança é o EB acordar e agarrar os m1a1 de uma vez logo, rcc-rcb e quem sabe ate os fuz nav.

Satyricon
Visitante
Satyricon

A meu ver, só existe uma chance disso, chamada Sabra, que consiste num chassi M60 com uma torre adaptada do Merkava. Isso por algumas razões: 1- Existem milhares de chassis de M60 espalhados pelo mundo , que talvez conseguíssemos a preço de banana. 2 – Sua adaptação e remotorização é algo que a indústria nacional (talvez) consiga. 3 – Tio Jacob aceita parcerias e transfere tecnologias, que são reconhecidas como das melhores. 4 – O custo será BEM menor, para um carro praticamente novo e no estado da arte (talvez até com Trophi)

Mac
Visitante
Mac

O que te faz pensar que a indústria nacional consiga remotorizar um M60? Qual seria esse motor?

Satyricon
Visitante
Satyricon

Eu disse talvez
Já remotorizamos os M41 no passado
Quanto a motores, nos Sabra foram usados os MTUs. Desconheço um equivalente nacional.

Mac
Visitante
Mac

Mas esse é o problema, não produzimos nenhum motor pesado, apesar de ter a MTU do Brasil. Seria melhor importar e abrir uma linha com sobressalentes aqui. O problema é que a enorme maioria dos M60 estocados estão até o osso, fazendo ser muito caro sua modernização. A mais barata é a SLEP e custa pouco mais de US$ 1,2 milhão cada unidade, mas isso para unidades operacionais. Teríamos que gastar na recuperação das viaturas para depois moderniza-las. O custo vai acabar ficando muito parecido com os M1A1 modernizados (muito provavelmente padrão AIM-SA) que nos foram ofertados, por US$ 1,8… Read more »

Satyricon
Visitante
Satyricon

Ah, e última razão:
Tio Jacob é assim ó com tio Mito

Kommander
Visitante
Kommander

Tio mito?… Quando eu penso que já li de tudo.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Na verdade é tio palMito!!!rs 😉
E está calando bocas diuturnamente!!!;-)

RENAN
Visitante
RENAN

Se eu fosse focar em desenvolvimento de um blindado de combate a carro seria visando: Ser aerotransportado com um sistema que permita rapidamente retirar sua torre. Assim só o carro pesa 20 toneladas A torre e seus suprimentos 10 toneladas. O carro completo e carregado com combustível e munições não ultrapasse as 30 toneladas. Um carro operado por no máximo 3 soldados. Possuir sistema de defesa similar ao trophy. Um carro capaz de trocar a torre completa e se tornar vários tipos de veículos apenas trocando sua torre. Com toda os sistemas já instalado. Assim dependendo da missão ele se… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

As Novidades da Portaria são – usarão a modernização dos Léo e Cascavel para desenvolver indústria local na produção de sistemas embarcados (optronicos, comunicação, aquisição de alvos…) visando produção futura de um CC MÉDIO; – irão adquirir ou produzir VCI para a infantaria, talvez usando a mesma plataforma do CC médio; – irão desenvolver o carro de apoio de fogo dos BIMec, usando provavelmente o Guarani; Todo este esforço visa redefinir a estratégia de dissuasão, com concentrações de massas blindadas, a favor da estratégia da presença, fortalecendo o poder de de fogo de infantaria mecanizada em varios pontos do território… Read more »

Mac
Visitante
Mac

O Exército não consegue dinheiro para desenvolver uma versão de reconhecimento do Guarani e não comprar LMV’s, o que te faz pensar que vai desenvolver e produzir blindados sobre lagartas?

Carvalho
Visitante
Carvalho

Eu não pensei
Está escrito no texto

Mac
Visitante
Mac

Não perguntei se está não no texto, indago se é factível.

Interpretação de texto de nível básico.

Oséias
Visitante
Oséias

A MB e a FAB já desapegaram, jogando avioes e navios obsoletos no ferro velho. Agora falta o EB, troquem esse monte de blindado obsoleto por 50 ou 60 MBTs de prateleira no estado da arte. Teremos mais dissuasão real e a troca se paga em poucos anos com economia de pessoal e manutenção.

Colombelli
Visitante
Colombelli

Quantidade pouca não adianta nada. E um carissimo novo não faz muito mais que um usado barato.. Quantidade é importante quando se fala de blindados. Hoje precisamos 324 cc.

Mfs
Visitante
Mfs

Levando em conta 4 RCB com 28 em cada e 4 RCC com 54 em cada, e 8 para treinamento, a necessidade seria de 336 CC. Se comprarem 116 M1A1 Abrams ou Leopard 2A4 para 2 RCC e modernizarem os 220 Leopard 1A5 para as demais unidades, fecha certinho 336.

Colombelli
Visitante
Colombelli

O problema é que a modernização do 1A5 so adia o problema da sua substituição. Cedo ou tarde ele se tornará inviavel

Jef2019
Visitante
Jef2019

Noticia desanimadora…apesar dos excelentes comentarios que li dos colegas, com opções para solucionar a questão, infelizmente na minha opinião o problema continuará sendo empurrado com a barriga…e o EB seguira remendando lata…infelizmente não é falta de dinheiro, e sim como o dinheiro é usado em nosso país. Defesa não é prioridade e as Faas aceitam isso..basta ver os seguidos contingenciamentos que a defesa sempre sofreu…e o alto comando? Quem cala consente!!!

Sidy
Visitante
Sidy

Triste. Vão reformar até quando puderem, para minimamente manter rodando e justificar a quantidade de gente na folha de pagamento.
O certo seria diminuir o quadro e aplicar a verba gerada com isso na modernização da Força, mas como sabemos, não é assim que a banda toca.

Delfim
Visitante
Delfim

Eu pessoalmente acho MBT mais problema que solução para o BR. Quase 16.000 km² de fronteiras, 10 vizinhos, estradas precárias, ferrovias inexistentes. Qualquer blindado que, pelo peso e/ou tamanho, não caiba em um KC-390 deveria ser sumariamente excluído. MBT antigo é alvo para ATGM e ASM. E cada dia fica mais difícil de manter. Melhor o EB comprar Mi-35 ou AH-1 Cobra com bom estoque de ASM. E meter 30mm e ATGM nos Guaranis. Se faz questão de blindado para impressionar da Bolívia pra baixo, compra logo os M1A1. Vai ter tempo de uso, vai ter peça de manutenção, vai… Read more »

Welt
Visitante
Welt

Desativa tudo.
Compra ATGMs, fecha a conta e passa régua.

Colombelli
Visitante
Colombelli

Atgm supre a defesa contra carros. Acontece que mbt não são armas ac. São armas ofensivas. A ponta de lança de choque. Um não substitui o outro

Marcos
Visitante
Marcos

O EB deveria diminuir a produção dos Guarani para cerca de 1000 unidades e investir o dinheiro em IFV e tanques modernos

Marcos
Visitante
Marcos

Chega de tanta produção nacional que não vai pra frente

Bilhões gastos para desenvolver tecnologias que no fim são adquiridas em quantidades ínfimas

Mfs
Visitante
Mfs

O número de guarani previsto são 1500 , mas já somados outras versões que se pretende adquirir, até 2035. Atualmente uns 400 de transporte já foram fabricados. Como estão produzindo 60 unidades por ano, apenas 50% da capacidade da fábrica, a previsão foi de 2030 para 2035.

Elton
Visitante
Elton

Achei estranho o EB não mencionar projetos de remotorizaçao dos blindados CC ,porque se modernizar eletrônica sem modernizar a propulsão vai cair no mesmo erro da FAB com a modernização do AMX.

Control
Visitante

Srs Aparentemente o EB concluiu que: • Não haverá dinheiro para adquirir equipamentos novos e, portanto, terá que se virar com o que dispõe melhorando o que for possível; • O cenário mundial está ficando feio e há necessidade do Brasil ter algum potencial dissuasório e este potencial precisará ser obtido com os equipamentos disponíveis melhorados no que for possível devido as restrições financeiras e a aquisição de equipamentos de menor custo (provavelmente usados). Considerando estas premissas e tendo em vista o cenário atual, podemos esquecer a compra de MBTs novos seja de que origem for. Resta a modernização dos… Read more »

Cristiano Salles
Visitante
Cristiano Salles

Simplicidade, Velocidade e Rigor… Acho que o Exército Brasileiro tem que ter carros de combate para manter uma doutrina de treinamentos e para que se em caso de um conflito Sul Americano avancar e manter posições…, más acho que seria desperdício investir em tanques caríssimos, onde mísseis portáteis baratos poderiam destruir tais equipamentos… Acho que o Exército deve investir na compra de mais mísseis portáteis tipo esses da Saab, e ter uma quantidade respeitada desses sistemas, para que se em caso de uma invasão pelo mar, o agressor pensar duas vezes antes de entrar aqui, pois teríamos uma força leve,… Read more »

João Adaime
Visitante
João Adaime

Eu entendi que dotar os blindados “ultrapassados” de sistema de controle de tiro computadorizado com seus optrônicos e um eficiente sistema de intercomunicação da guarnição, acoplado a um sistema de comunicações táticas, seria apenas adquirir estes meios eletrônicos modernos para, no futuro, serem transferidos a blindados mais novos, se estes forem produzidos no Brasil.
Troco a carcaça e reutilizo o “recheio”. É uma forma criativa de unir o útil ao agradável. Antecipo a aquisição e uso de recursos mais sofisticados, mantenho a tropa familiarizada com os novos sistemas e barateio os futuros blindados.
Pode ser por aí.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Tô dizendo que falta visão de futuro e mercadológica às nossas FAs, enxuga o quadro de pessoal ao máximo, e investe em tecnologia e armas novas. Melhor uma força pequena e bem equipada, do que uma força grande e usando arma da década de 60. Não estamos em guerra, a única ao ameaça ao país é só a dengue mesmo, para quê tanta gente limpando quartel?

Jorge mata
Visitante
Jorge mata

A Hora é de nacionalizar e modernizar o MBT Osório, seu projeto encontram-se no EB, já é uma das melhores plataformas a serem atualizadas, com a ENGESA falou é importante contratar outra empresa nacional do mesmo ramo, existem projetos excelentes como o Charrua de transporte de tropas e o Tamoio 3, da exinta Bernardini s/a, não precisamos fabricar carros de combate sob licença de outros países e só chegar no IME e desarquivar e modernizar nossos projetos da década de 80, acho que o presidente Bolsonaro aprovaria essa iniciativa.

MMerlin
Visitante
MMerlin

Esqueçe o Osório, Jorge.
Ele foi uma colcha de retalhos praticamente montado com produtos de fora.
E seu intuito nunca foi atender o EB, e sim, países do Oriente Médio.
O MBT nacional, projetado para o EB, foi o Tamoyo, que era quase 100% nacionalizado.

alexandre
Visitante
alexandre

Resumo: comprar M1A1 DE 120 MM, uns 180 veiculos vai FMS, modernizar LEOPARD 1A5, ar condicionado, modernizar cascavéis com a ARES, comprar VCI muder ou mais guaranis..fazer blindado novo não há dinheiro,a não ser construir com os turcos, mas falta dinheiro 5 milhoes de dollares , cada blindado, quando vc compra a 1,8 milhoes M1A1 modernizado , precisamos de mais veiculos de engenharia para blindados maiores..

alexandre
Visitante
alexandre

O mais importante, não lembraram ?: cavalaria aérea e helicopteros de ataque, destroem blindados, hoje mal temos heli artilhados…

Carvalho
Visitante
Carvalho

Para quem comparou com o M-41:
No M41 se fez repotenciação da motorização e canhão.
No presente caso, haverá repotenciação dos sistemas eletrônicos e óticos embarcados.

Romão
Visitante
Romão

“1) Viatura Blindada de Reconhecimento EE-9 Cascavel
-Realizar estudo preliminar para a modernização do Cascavel
.
2) Viatura Blindada de Transporte de Pessoal EE-11 Urutu (EE-11 Urutu)
-Estudar a revitalização, considerando uma distribuição futura…”
….
Então é isso! Agora é oficial! Jogaram água no chope do Guarani !

Carvalho
Visitante
Carvalho

Não necessariamente
O Texto diz que o Urutu vai para funções de retaguarda
O Cascavel tanto pode permanecer nos RCMec, quanto ser alocado à função de Veículo de apoio de fogo dos BIMec

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Melhor comprar CC novo para durar 40 anos, do que recauchutar museu para usar por mais uma década. Desperdício de dinheiro, mas é claro, não é o dinheiro deles mesmo, podem torrar a vontade.

Romão
Visitante
Romão

Alguém já fez bem em comentar: “Resumo, não haverá aquisição relevante de nenhum equipamento novo e moderno.
Somente inúmeras atualizações do que já temos”…
.
Não precisava de uma “diretriz” desse tamanho só pra dizer isso, minha gente.

Carvalho
Visitante
Carvalho

A diretriz estabelece decisões muito importantes:
Adoção do VCI
Adoção do Veículo apoio de fogo da Inf Mec
Reequilíbrio da estratégia de dissuasão e de presença
E outras cositas mas

Luiz Floriano Alves
Visitante

No bojo das informações se conclui que o Centauro italiano já era. Não vai ser comprado. A menos que venha por preço de FMS. Mas a Itália é outro negociante vai querer ganhar muitos euros nesta possível venda.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Além da Alemanha e EU existem outros fornecedores de MBT: Coréia do Sul, Polônia, Turquia, Ucrânia, Japão, China, Russia (pq não?). Um MBT não é caminhão de carga que vai rodar dia e noite. O mestre Colombelli já deixou bem claro: CC atua por poucos quilômetros e é transportado em plataformas de carga até o local do combate., Importante é produzirmos as peças de desgaste como pinos e buchas das lagartas, amortecedores, barras de torção, munição, baterias, kit de reforma de motores (bronzinas, pistões, camisas, juntas e etc…

JS666
Visitante
JS666

Em termos de MBT, não entendo como ainda não tentaram choramingar com a França a aquisição dos 200 LeClerc excedentes. Podiam ser comprados ou vir por leasing, uma parte desse número ao menos, para substituir os M60.

Eles já tem canhão melhor que eventuais Leo 2A4, não necessitam de modernizações extensivas, e a Nexter se fundiu com a KMW, a manutenção poderia ser feita pela filial nacional dessa, como são os Leo 1 atualmente. E ainda é o MBT ocidental mais leve. Se eles toparem vai resolver vários problemas.

Sidy
Visitante
Sidy

Existem 200 LeClercs excedentes? Se o exército francês adquiriu cerca de 400 e hoje devem existir cerca de 350 operacionais… não acho que haja este excedente de 200 MBTs que você mencionou.

JS666
Visitante
JS666

Oi Sidy, o exército adquiriu 406 LeClerc + 20 armoured recovery. No relatório de 2018 do ministério da defesa, constam 200 LeClerc + 18 armoured recovery ativos.

Não sei se dá pra postar link, mas procura “chiffres-cles-de-la-defense-2018”, vai vir uma página do próprio ministério francês, só baixar o pdf em inglês e olhar na pagina 25.

Sidy
Visitante
Sidy

Olá. Obrigado pelo material. Lá diz que há 200 Leclercs contabilizados como ativos, o que entendo que significa prontos para o combate. Não diz que os outros existentes são excedentes, apenas informa que são duzentos “Excluding long-term storage”. Entendo que uma coisa é manter estocado para o caso de necessidade, outra coisa é considerar o excedente disponível para venda. Além disso, não há o número de Leclercs estocados, então provavelmente não chegam a 200. Como o colega comentou abaixo, não imagino que este excedente estocado esteja disponível, porque em caso de necessidade esta seria a reserva. Pessoalmente, acho que perdemos… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

estão em reserva e o preço seria uma facada

Recce
Visitante
Recce

Os franceses não vão vender a sua reserva. No caso de perdas, como irão repor?

alexandre
Visitante
alexandre

Comprar em euro e manutenção em euro ? quem lembra dos Mirages e M2000 ?

Elton
Visitante
Elton

Tem um monte de T72 e BMP2 na Rússia dando sopa ,se o problema é peso e peças de reposição tão ambos resolvidos e eles vendem barato,manda para israel modernizar e pronto .o que não da e brincar de IFV com M113 e não treinar no Leopard 1 por falta de peças .

alexandre
Visitante
alexandre

Quero ver manter blindado russo, aqui, os helicopteros, já tomamos uma surra pra manter voando, o pós venda é horrivel…é mlehor equipamento ocidental, o MADER…VCI

MMerlin
Visitante
MMerlin

Alexandre. Não é bem assim.
As últimas informações a respeito do AH-2 Sabre dizem que o grau de disponibilidade é relativamente bom.
O problema é a reposição de peças, quando necessário, que é demasiadamente grande.

Elton
Visitante
Elton

e so comprar 300 operacionais e comprar outros apenas para spare parts que sai mais barato que encomendar peças para o fabricante

RENAN
Visitante
RENAN

Concordo plenamente Elton

Mfs
Visitante
Mfs

O problema é dinheiro e tem gente que acha que é fácil e barato instalar toda uma cadeia de suprimentos e infraestrutura para um CC como o M1 Abrams, Leopard 2 , Leclerc etc. São todos blindados caros de operar e teremos de ter toda uma estrutura nova pra veículos deste porte. Custou grana saltar do M41C (23t) para o M60 (52t) e Leopard 1 (45t). Além disso tem o problema do peso. Blindados mais pesados demandarão no mínimo novas carretas para transporte e blindados lança ponte. Uma vez que a grana é curta modernizar e nacionalizar componentes dos Leopard… Read more »

alexandre
Visitante
alexandre

Tem que modernizar os LEOPARD 1A5 e comprar M1A1 120mm, o contrato de manutenção dos leo termina em 2027, os M1 virão modernizados, turbina de helicoptero é consertada aqui, é balela a historia do peso, tem BI trem com muito mais de 60 TON, não dá para ficar 50 anos com M 41 da guerra da Coreia, blindados são transportados em trem, não vão lutar no brejo ou no chaco….mas nas planicies de RR ou RS, não pode repetir o erros dos LEO1BE, a cavalaria é profissional deem equipamentos a altura da missão…fora a questão dos motores dos LEO que… Read more »

Mfs
Visitante
Mfs

O ideal seria mobiliar 2 RCC com M1 Abrams ou Leopard 2 usados e transferir os Leopard 1A5 deles para os RCB desativando os 1A1 e M60. Tudo vai depender de grana. Mas me parece certo que vão modernizar os Leopard 1A5 para ficarem em serviço por mais 10 anos. Quanto ao contrato de manutenção com a KMW ele pode ser ampliado. O interessante é que pretendem nacionalizar componentes do 1A5 , algo semelhante foi feito com o M41 e os M113 no passado, visando facilitar e baratear a manutenção, e talvez sirva para preparar empresas nacionais para participarem de… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Apenas um adendo no seu comentário
Foram os próprios cavalarianos que escolheram o Léo 1 BE.
Pegaram avião, escolheram e pagaram

alexandre
Visitante
alexandre

na época era M41 caxias, revitalizado para Leo 1Be era uma evolução, o problema é a falta de padronização, não é compativel com LEO1A5, tanto que os leo1be foram canibalizados e logo depois foram comprados os 91 M60, que não tiveram investimento, mesmo na familia leo tem diferenças de 1a1 até leo 1a5, os Leo belgas são diferentes, os sistemas …tudo é aprendizado: não adianta comprar se não há meios de mantuneir, por isso, os 1a5 foram comprados com contrato de manutenção e peças sobressalentes e munições, fizeram a chepa, parece que os LEO italianos, tão no osso…

Juarez
Visitante
Juarez

Vamos de novo pelo centésima vez, e vamos ver se vocês e tendem de uma vez por todas. Hoje dia 03 de Julho de 2929 o Exército Brasileiro nas brigada blindadas NAO TEM CONDICIES MINIMAS de manter e operar 350 blindados, não teve e não vai ter no futuro. Um capitao de cavalaria escreveu em um site defesa dizendo que o EB só consegue manter e operar 70% disto, ou seja uns 200a pau e corda e o resto e enfeite de garagem. Não adiante querer inventar com Chalenger, Leclerc, Léo 2, nada disto vai rodar. Seria necessário extinguir os… Read more »

Rafael G. de Oliveira
Visitante
Rafael G. de Oliveira

Ainda acho que deveríamos investir na parceria Iveco e trazer o Centauro para cá, já que não tem dinheiro para comprar MBT novo e não há peças para manter os nossos, devíamos focar nos meios mecanizados que são mais baratos…lógico que não suprirá todas necessidades, mas é um quebra galho temporário…pelo menos até preencher essa lacuna que ficará aberta…dessa forma podemos ganhar tempo até uma melhor oferta de MBT no mercado, talvez até um que melhor atenda nossas necessidades

colombelli
Visitante
colombelli

Rafael, rodas não suprem lagarta. Aqui no sul tem lugar que so a lagarta chega, e as vezes até ela fica atolada. Algum meio de lagarta é indispensável e tem que ser um número minimo senão não adianta. Ter poucos é ter nenhum

Bardini
Visitante
Bardini

M1A1 é muito complicado… “Ah, mas tem estoque”. Tem. Gigante… E isso fária alguma mágica depois de 2025, que é quando o US Army vai parar de dar suporte aos seus A1, pois quer ter uma frota padronizada com os A2? . M1A1 AIM SA já tem 20 anos nas costas… Tem prazo de validade. Os Australianos já tem um programa visando dar upgrade nos seus M1A1 por conta dessa data de validade do US Army. Land 907 Phase 2. . Os caras tem um frota merreca de Abrams e outros blindados como os Hercules. E saiu na nova edição… Read more »

MMerlin
Visitante
MMerlin

Bardini. Acredito que, em caso de compra via FMS, os os Abrams A1 viriam com o upgrade para o M1A2. É um blindado fantástico, de eficiência comprovada e que terá, pelo menos, mais 20 anos pela frente. Mas aí vem os questionamentos: – Qual o nível de garantia anexada ao contrato? Sabemos que o Cobra viria como uma garantia até 2031 para disponibilidade de uso. Isso é ótimo. Mas os Abrams ficará nas mesmas condições? – Aonde seria a feita a revisão e manutenção dos blindados? EUA, facilitando o uso já existente do parque logístico mas pagando para geração de… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Abrams e toda sua logística é um pacote de mais de 2 bilhões de dólares… O EB não tem essa nem em sonho essa grana. Com uma fração disso, se moderniza os Leopard 1A5 e ainda é possível trazer Marder.
.
Eu apoio Abrams, mas é uma total ilusão.

MMerlin
Visitante
MMerlin

Neste montante a aquisição define a intenção como inviável e transforma o sonho em ilusão.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Se queremos nosso lugar ao Sol como players globais então temos que dar um tapa no escorpião e gastar(o que já deveria ter sido feito e ou planejado pra fazer a tempos) pra termos equipamentos no estado da arte que atendam de forma eficaz a nossas forças armadas, mas, sabemos que ,agora, não acontecerá da noite pro dia !!!

MMerlin
Visitante
MMerlin

Tomcat.
Isto seria o ideal. Mas uma coisa é querer e outra é poder.
E na situação atual não temos condição de adquirir, na quantidade desejada, meios novos e de última geração.
O EB (não, todas as FA’s) precisam fazer uma reflexão e mudar seu modo de gestão (visão estratégica).
Hoje, vejo em mídias como orgulha o setor militar o aumento em 15% de jovens pela procura do serviço militar.
O que eles deveria ter era preocupação pela necessidade de maior controle de aumento de contingente.

alexandre
Visitante
alexandre

é questão de programar a obsolência, a questão de indisponibilidade e peças, a própria arma de 105 mm está obsoleta e custo da munição, é M1A1 sep modernizado, não há leo 2 para venda em condições, le clerc nem pensar em euros, perdemos o bonde da historia, blindado novo não há recursos nem, planejamento, o mais viável é via FMS, vai comprar blindado turco ? se for fabricar aqui vai começar e não vai terminar, pois vai faltar dinheiro e contingenciamento, lembrando tambem do VCI e defesa anti aerea, os leo 1a5 são bons, mas não são eternos….é segunda linha,… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

O Brasil não tem que ser um Player Global. Se for pra ser, tem que ter uma BID forte seguindo o exemplo da reestruturação dos Turcos pra cima, e não é o que vai acontecer.
.
O EB adota a política ultrapassada de fazer menos com mais, ao invés de ter menos para fazer mais.

Juarez
Visitante
Juarez

Com nosso nível de desgaste que baixo e com a quantidade spares no mercado e com uma frota dentro da nossa realidade operacional e financeira, ou seja algo como uns 200 CCs poderíamos ficar 20 anos que teriam apoio logístico de sobra.
A escala dele e gigantesca.

Bardini
Visitante
Bardini

Mas o que pega não são os componentes comuns que servem pra rodar, são componentes do recheio da torre, que muda muito. O A2 é “digital”, enquanto o A1 é “analógico”. . Teriam primeiro de revitalizar e levar a condição de “zero hora”, pra depois modernizar alguns componentes antes e criar um “padrão BR”, visando logística e comunalidade com o que temos. Trazer do jeito que está, é bucha. . Fora que teriam de trazer no contrato todo o pacote de ferramental e sensores de manutenção, treinamentos mil, simuladores, manutenção dos sistemas de guerra NBQR, munições, armas secundárias, sensores e… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

E isso que eu venho tentando explicar, não conseguiram e não conseguem manter 220 Leo 1A5 em condições operacionais, de que jeito vão fazer isto com uma blindado mais moderno, mais caro de operar e mais sofisticado?? Nem a pau nicolau, então no pau do goiaba com uma pequena reserva e os quatro RCC reduzindo a dotação para três esquadrões, estamos falando de 41 vtrs por RCC vezes quatro, seriam 164 vtrs mais uma meia dúzia para o centro instrução de blindados e AMAN e uma pequena reserva de uns 20 carros. Este é o tamanho do núcleo de blindados… Read more »

rdx
Visitante
rdx

Eu já cansei de defender a compra de até 220 M1A1 ex-US Army. Mas parece que o EB prefere quantidade e não qualidade…e continua sonhando com o Leopard 2.

colombelli
Visitante
colombelli

Rdx isso pode ser feito. Se não dá os 320 que precisamos pode se adquirir 220 M1 para os RCC e mobiliar os RCB com o M60 A3 TTS. Hoje os três Rcb do sul estão praticamente sem nada. Oficialmente teriam um esquadrão cada um de Leo 1A1 mas são inoperantes. O do MS tem 28 M-60. Neste caso seriam 220 M1, podendo ser na versão A2 conforme o preço e 104 ou 130 M60 para os RCB caso se instale um quinto em RR. É melhor tem o M60 nos RCB mesmo sem modernização do que não ter nada… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Colombelli, meu irmão, eu respeito mito a tua opinião que é respaldada pela tua experiência operacional, mas veja que não tem mais como manter 320 blindados na ativa, a metade vai operar e o resto vai apodrecer e enfeitar garagem, o orçamento não permite isto, a realidade mudou. Veja, que os Argentinos no alto de sua “petulãncia” já repensaram a modernização da TAM, aonde falavam inicialmente de 130 CCs e hoje falam em modernizar 80.
Não é a toa que o Eurobambis reduziram mastodonticamente seu número de CCs, era isto ou faliam.
O mundo mudou eu irmão.

colombelli
Visitante
colombelli

Tchê gaudério, eu acho que com 220 CC se teria a potência necessária, mas o fato é que o EB não irá abrir mão dos RCB. Desta forma eu trabalho com o que se coloca como uma situação aparentemente consolidada qual seja, precisa 220 CC nos RCC e 104 nos RCB. Se não dá pra ser um melhor em ambos os tipos de unidade, que ao menos uma os tenha. O que fica ridiculo é ter unidade sem dotação de meios como os RCB aqui do RS.

rdx
Visitante
rdx

Colombelli, eu acho que dá para resolver o problema dos RCBs com os Leopard 1A5. Seleciona os 120 melhores e canibaliza os demais.

Glasquis7
Visitante

Putz, o EB com uma frota de 120 Leopard 1 A5 ???
Isso sim que é potência regional.
E a gente pensa que já leu de tudo.

rdx
Visitante
rdx

O EB nunca teve 120 carros de combate disponíveis nos RCBs. Salvo engano, hoje existem 28 M60 e 45 Leopard 1 Be no inventário.

colombelli
Visitante
colombelli

na verdade são 39 1A1 e poucos funciionam

colombelli
Visitante
colombelli

ele disse 120 nos RCB, teriam mais 220 nos RCC de outro modelo. E sim ainda somos a potência regional a despeito de tudo

colombelli
Visitante
colombelli

RDX o problema nodal é que o Leo 1A5 não terá fonte de peças cedo ou tarde. Não terá mais operadores ou reservas de onde tirar. Ele supre função mas por um tempo so.

rdx
Visitante
rdx

Verdade. Mas penso que com essa medida seria possível postergar a escolha de um substituto por mais uns 10 anos.

colombelli
Visitante
colombelli

ai quando chegar a hora não teremos alternativa viável no mercado. O bonde está passando agora.
Gurizada, -2 graus,hora da patrulha. So pra lembrar, agora tem gente no segundo quarto da guarda. Lá em Uruguaiana e santana do livramento deve estar um luxo estar na guarda no relento. E tem um sargento fazendo ronda se trabalho noturno ou hora extra. Depois os civis choram privilégio na reforma

Elton
Visitante
Elton

Até parece que SGT tira guarda todo dia ou tem manobras toda semana…..

Gustavo
Visitante
Gustavo

todo dia tem um 3ºSGT cmdt da guarda .

Gustavo
Visitante
Gustavo

e os sgt’s de dia das oms fazem rodas .

pgusmao
Visitante
pgusmao

O que atrapalha esse país é a quantidade de resoluções e ordens normativas, tudo uma infinidade de tempo perdido, nos falta objetividade. O país carece de planejamento sério, chega de diretrizes longas e planos que nunca saem do papel, precisamos repensar o gasto de 85% do orçamento militar com folha de ativos e inativos, isto sim é prioridade. Mas temo que jamais ocorra, já vão mais de 35 anos que ouço a mesma conversa, mas continua tudo do mesmo jeito.

BrunoFN
Visitante
BrunoFN

Estudos e mais estudos …. Pra q a ctz de hj continuar sendo a ctz de amanhã … Continuar a ter uma exército fraco e obsoleto….
Se num passado recente perdemos a janela de aquisição dos leo 2A4…. Hj pelo visto seguimos o mesmo caminho e podemos perder a oportunidade de adquirir os M1a1 …bom, única ctz q tenho e tal qual qualquer estudo . Estratégia .. ENDs e afins … Daki a 2anos tudo muda novamente.. perdendo dinheiro,..Claro

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

E convenhamos que perder a janela dos M1A1 ,ainda mais agora como membros Extra Otan que nos facilita esta e quaisquer outras aquisições na quitanda do tio Trump seria/será? uma vergonha ,ainda mais podendo parcelar via FMS. Trágico.

BrunoFN
Visitante
BrunoFN

Nós resta torcer pra q tais “estudos” comprovem o q todos já sabem … principalmente em relação aos M-60 e Leo 1A…. Investimento nesse meios e jogar dinheiro fora … veremos

Luiz Floriano Alves
Visitante

Abrams é o carro a ser comprado. A escolha do US Army foi baseada na maior simplicidade da mecânica e no fato da manutenção básica ser possivel, no campo, pela tripulação. O carro da GM, de motor Diesel foi considerado de manutenção difícil e requerendo treinamento mais especializado. Se temos disponibilidade a compra deve abranger os 320 que o mestre Colombelli citou, mais uns 100 de reserva. Sempre temos que ter reservas para montar um esquema operacional. Prontos para uso. Nada de carros para canibalizar. Isso é coisa para quem não tem capacidade técnica na manutenção.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Nas nossas fronteiras com grandes rios e nas zonas de pantanos precisamos de carros adequados. Algo como o PT 19 russo. Atualizado e melhor armado. Nossos anfíbios são muito ,lentos na água. O M1’13, nem é bom comentar que não pode ser usado em águas agitadas.