Home Estratégia China promete contramedidas se EUA implantar mísseis na Ásia-Pacífico

China promete contramedidas se EUA implantar mísseis na Ásia-Pacífico

2990
73
Tomahawk lançado de terra, desenvolvido no final da Guerra Fria e desmantelado pelo INF

A China afirma que serão necessárias “contramedidas” se os Estados Unidos instalarem mísseis de alcance intermediário baseados em terra na região da Ásia-Pacífico.

Fu Cong, diretor da divisão de controle de armas do Ministério das Relações Exteriores da China, disse a repórteres que “não vai ficar de braços cruzados” se Washington cumprir a promessa feita no último final de semana pelo novo secretário de Defesa, Mark Esper, de implantar os mísseis na região o mais cedo possível”, de preferência dentro de meses.

Ele pediu que os vizinhos da China, especificamente o Japão, a Coreia do Sul e a Austrália, “exercitem a prudência”, recusando-se a implantar os mísseis norte-americanos, acrescentando que isso serviria aos interesses de segurança nacional desses países.

Fu não especificou quais contramedidas a China tomaria, mas disse que “tudo está na mesa”.

A meta declarada do secretário Esper de implantar mísseis terrestres na região veio depois que o governo Trump retirou formalmente os EUA do Tratado Intermediário de Forças Nucleares (INF) de 1987, na semana passada. O pacto, alcançado com a ex-União Soviética, proíbe mísseis balísticos convencionais e nucleares terrestres com um alcance entre 500-5.000 km. Washington disse que retirou-se do INF por causa das contínuas violações cometidas por Moscou.

Fu disse que a China não tem interesse em participar de conversações trilaterais com os Estados Unidos e a Rússia, devido à “enorme lacuna” no tamanho do arsenal nuclear da China, em comparação com os outros dois países.

FONTE: Voice of America

Subscribe
Notify of
guest
73 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
11 meses atrás

A diplomacia americana só mostra acrobacias. Apenas maravilhoso.

Bosco
Bosco
11 meses atrás

Só de curiosidade, o “Tomahawk” nuclear lançado de terra era chamado de “Gryphon”.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
11 meses atrás

Os vizinhos já são ameaçados pela China de qualquer jeito então não vão pensar duas vezes para permitir a instalação. Os chineses estão sempre falando para os outros não se armarem enquanto eles se armam.

João Moro
João Moro
Reply to  SmokingSnake 🐍
11 meses atrás

Concordo plenamente!

Helio Eduardo
Helio Eduardo
Reply to  SmokingSnake 🐍
11 meses atrás

SmokingSnake, não é simples assim, são muitas as variáveis, mas concordo plenamente! Sua síntese é perfeita!

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  SmokingSnake 🐍
11 meses atrás

Hipocrisia pura quando observamos aquelas ilhar artificiais armadas até os dentes em águas internacionais!

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  SmokingSnake 🐍
11 meses atrás

Como seria bom receber uma oferta destas por estas bandas pois teríamos um poder dissuasório bem maior na base do 0800 com estes mísseis. Quanto aos possíveis países a receber estes lançadores ,eu como min.def já falaria com o Bolton;
É pra ontem fiot ,pode mandar as baterias.rs

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
Reply to  Tomcat4.0
11 meses atrás

E ganha de brinde um belo alvo na testa. me desculpe mas não concordo.

Sequim
Sequim
Reply to  Rene Dos Reis
11 meses atrás

Concordo. E sabe o que é engraçado? Se alguém aqui cogitasse de o Brasil adquirir sistemas de defesa exoatmosférica tipo o S-500 russo, seria tachado de delirante.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  SmokingSnake 🐍
11 meses atrás

Só fazem o mesmo que os EUA. Tipo como eles ate hoje nós atrapalham nos programas nuclear e espacial com o discurso que não precisamos de submarino nuclear, não precisamos de bomba nuclear, não precisamos de misseis e etc.

Bosco
Bosco
11 meses atrás

Os chineses e russos convidaram os EUA pra dançar… agora, aguentem. https://www.youtube.com/watch?v=aKNS2bXFoHY

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Bosco
11 meses atrás

Na realidade o convite nunca foi feito. Sabe aquele cara que chega na sua casa e não quer mais sair, fica lá encarnado e mesmo quando acaba a festa eles ficam lá no seu pátio batendo papo e aborrecendo. Tomaram conta do pacífico, invadiram as filipinas, ocuparam onde possível e deixaram quando conseguirem governos e regimes favoráveis à eles. Chegaram lá antes da guerra dos boxers e não querem saber de sair. Na realidade a China de hoje , é o Japão Imperial são “criaturas” do Ocidente, tentam e tentaram reproduzir o mesmo modelo coma as mesmas ferramentas. É chato… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Thiago Aiani
11 meses atrás

Ah sim, o certo era deixar o Japão imperial se expandir pacificamente na cresça que eles eram uma força benevolente e que respeitariam as regras e não fariam a Ásia uma exclusividade japonesa. Conte outra.

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Augusto L
11 meses atrás

Eu desce que era o certo? Mas estaria fazendo nem mais nem menos o que fizeram as potências colôniais. O fato Augusto que o Japão antes que o Comodoro Perry chegasse lá ameaçando e forçando a abertura comercial o Japão era uma sociedade feudal, fachada, que evitava o contato com Ocidente. A imposição americana quebrou dois séculos de atitude isolacionista nipônica. Foram humilhados e estarrecidos perante o poder bélico americano. Mas logo aprenderam, você já sabe, asiáticos copiam bem , começaram a copiar o modelo ocidental, abraçaram a industrialização. Em pouco tempo foram capazes de uma transformação nunca vista antes… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Augusto L
11 meses atrás

Força benevolente? Desconheço. Força é força. O genocídio dos filipinos por parte dos americanos , baixos justificações absurdas, foi benevolência?

Augusto L
Augusto L
Reply to  Thiago Aiani
11 meses atrás

Força bélica ? Genocídio ? Do que você está falando ? Os EUA mal tinham uma marinha costeira em 1850s, seus comerciantes que eram “licenciados” a fazerem política comercial pelos EUA, e eles não imporão a ninguém comprar seus produtos, ja que os seus clientes japoneses já o compravam mesmo sendo proibido e coibido pelos Xogum. Se a consequência foi a perda de credibilidade e poder das elites feudais é problema delas. Não é por causa disso que foi criada uma ameaça nacional, a não ser que você fosse dessa elite. Quanto as colônias, elas foram tomadas da Espanha e… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Augusto L
11 meses atrás

Augusto que mentiva da poxa meu…hoje existe uma coisa chamada “,google” você pesquisa guerra filipino-americana e vai achar um monte de material ok ? Os fatos históricos não se mudam meu amigo, é o seu é um desrespeito com o povo filipino, como negar as atrocidades do nazistas. PROCURE genocídio filipino e vai achar fácil fácil. Os estadunidenses adotaram uma política de destruição de cidades e aldeias e aprisionamento da população em campos de concentração, para isolá-la dos guerrilheiros. O resultado, conhecido como “Genocídio Filipino” foi o assassinato de mais de 10% da população do arquipélago. Comp e que o… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Augusto L
11 meses atrás

“EUA mal tinham uma marinha costeira em 1850s, seus comerciantes que eram “licenciados” a fazerem política comercial pelos EUA, e eles não imporão a ninguém comprar seus produtos” Eita mentira…. .PROCURE e Pesquise : Comodoro Perry Tratado de Kanagawa Barcos negros (Mississippi, Plymouth, Saratoga e Susquehanna, que chegaram a 14 de julho de 1853 ao porto de sob o comando do comodoro americano Matthew Perry. A designação “barco Negro” como o fumo negro do carvão dos navios a vapor americanos.. Os caras mai tinham marinha costeira sério? É 1856 participaram a agressão da China na guerra do ópio , em… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Augusto L
11 meses atrás

“90% de aprovação da influência americana e nunca houve política de extermínio la, nem movimentos anti-colonialistas”

Rsrs Contam isso nas escolas americanas é ? Rsrsrs palhaçada cara.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Thiago Aiani
11 meses atrás

Thiago, eu não neguei nada, os filipinos lutaram junto aos americanos em grande parte da guerra, se a população sofreu na guerra, isso faz parte de uma guerra e não caracteriza política de extermínio, você que esta invertendo as coisas, na Alemanha nazista haviam uma política de extermínio. Quanto a guerrilha, ela só aconteceu na parte das Filipinas onde tem uma minoria muçulmana, inclusive hoje ainda há atos terroristas lá e a relação americana-filipina, as Filipinas são pais com maior aprovação dos EUA. https://en.m.wikipedia.org/wiki/Philippines–United_States_relations. Quanto ao Japão feudal, volto a repetir, a marinha americana não passava de uma marinha de… Read more »

Jacinto
Jacinto
Reply to  Thiago Aiani
11 meses atrás

A mentalidade expansionista chinesa antecede a chegada dos europeus à Ásia em, literalmente, milhares de anos. Durante a dinastia Han (Sec. 2 AC) a China tentou invadir e controlar partes do que hoje são a Coreia e o Vietnam sob a fundamentação de que o Imperador Chines tinha um “mandato celestial” e por isso deveria governar “tianxia” – tudo sobre o céu (ou seja, todo o planeta). E as tentativas chinesas de controlar o Vietnam e a Coreia repetiram-se inúmeras vezes nos 2 mil anos que nos separam da dinastia Han. Já a tentativa de o Japão controlar a Coreia… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Jacinto
11 meses atrás

Jacinto, o modelo da China atual é fruto da “ocidentalização” dela. A industrialização, seu regime politico , o comunismo- conceitos ocidentais, criados na filosofia política ocidental: notar como muitos dos líderes dos regimes comunistas asiáticos estudaram em universidades europeias E alguns desses como Pol PoT e seus Khmerr vemelhos pegaram conceitos como “eliminar a burguesia” ao pé da letra, entendendo que a eliminação não deveria ser só do sistema, mas até fisicamente das pessoas que faziam parte dessa) , ate a reforma econômica, abertura ao capitalismo e aos marcados ocidentais , foi incentivada pelo americanos ( lembram a famisa “Nixon… Read more »

Fernando Turatti
Fernando Turatti
11 meses atrás

O Dragão de Seda que se pensa como potência global mas não controla uma ilhazinha a 200km do seu território quer latir pros cachorros grandes de verdade…

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Fernando Turatti
11 meses atrás

Pois é, só os EUA que estão acostumados a entrar no país dos outros sem serem convidados, e sem sofrer consequências, tirando aquela crise em 2008.

Andrigo
Andrigo
11 meses atrás

A China não “exerceu a prudência” quando invadiu e militarizou as ilhas e recifes do Mar do sul da China….

João Moro
João Moro
Reply to  Andrigo
11 meses atrás

Se tivesse “exercido a prudência”, os EUA não estariam instalando bases de mísseis próximos a eles.

Antoniokings
Antoniokings
11 meses atrás

A China só tem de manter a sua trajetória.
A predominância mundial está vindo naturalmente.

Bosco
Bosco
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Aprendemos a comer cachorro quente e hambúrguer, com certeza vamos aprender a comer pastel de “cane de caçolo”. Vamos sobreviver.
O foda vai ser aguentar aquela enxurrada de filmes chineses que versam todos sobre o mesmo tema, ambientados todos na China imperial. Mas se sobrevivemos à Hollywood vamos passar por essa também.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Bosco
11 meses atrás

Se a sua vida se resume a comer cachorro quente e hambúrguer e assistir filmes de Hollywood, seja feliz.

José Carlos Araújo
José Carlos Araújo
Reply to  Bosco
11 meses atrás

“Aprendemos a comer…” Triste, não?

Se bem que os “donos do Brasil” vivem como as elites dos EUA (assim como todas as elites de países submissos).

O foda não vai ser ver os filmes (existem alguns bons, se bem que poucos) mas sim ter um presidente prestando continência para mais uma potência que nos coloniza de forma “branca”…

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Bosco
10 meses atrás

Bosco, o Brasil precisa desenvolver sua própria cultura, não precisamos de ninguém como modelo, só nós mesmo. Viva a feijoada, o chorinho, a MPB, o sertaneja e tudo que é oriundo da cultura nativa do Brasil. Menos hambúrguer e mais feijoada.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Curioso que literalmente tudo o que pode fazer a China uma potência, pode também fazer a Índia, sua vizinha. O problema é que é difícil chamar de potência quem tem uma população pobre como a brasileira(china) ou ainda pior que isso(índia)

Jacinto
Jacinto
Reply to  Fernando Turatti
11 meses atrás

A Índia poderia crescer muito mais do que já cresce se houvesse mais estabilidade no seu relacionamento com o Paquistão. Como o Paquistão e a Índia estão sempre à beira de uma guerra, os investimentos estrangeiros acabam prejudicados. Aliás, este é um dos objetivos da China em seu relacionamento com o Paquistão: aumentar a instabilidade na Índia, prejudicando seu desenvolvimento econômico.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Jacinto
11 meses atrás

Se vc soubesse a quantidade de investimento chinês na Índia vc não escreveria isso.
Principalmente na indústria de eletrônicos.
O problema é que a Índia ainda é muito atrasada e isso reflete diretamente na cadeia de suprimentos, infraestrutura e etc.
A China está muito mais avançada e segundo o C.E.O. da Apple, nem os EUA conseguem mais superá-la.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Bruno.
O capitalismo, tem como condição sine qua non a sua reprodução.
E é na Ásiia que isso está se dando de forma acelerado, de forma que o poder econômico está se deslocando para lá.
Por isso estamos assistindo essa agressividade americana que, todo sabemos, não dará em nada.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Kings… Você devia escrever os discursos da Dilma… chega a ser engraçado.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Ricardo Bigliazzi
11 meses atrás
sub urbano
sub urbano
Reply to  Fernando Turatti
11 meses atrás

O potencial indiano é enorme, beira o chinês. Porém os indianos não tem a organização dos chineses, a corrupção é grande e ainda tem o preço da democracia (que é cara de manter).

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
Reply to  Fernando Turatti
11 meses atrás

Mas o problema e a tendencia na direção do PIB olha o deles e olha o nosso.

Welt
Welt
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Não compactuo mas concordo.

É a história se escrevendo diante dos nosso olhos.

nonato
nonato
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Mais do que na hora de Trump mudar essa trajetória, jogando extintor na boca do dragão.
Quem não quer agir quando pode, quando quiser, pode não poder…

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  nonato
11 meses atrás

Kkkkkkkkk não fez isso com a CN que deve ter umas 5 biribas atômicas, imagine com a China que tem o diabo a 4. Trump é igual trator, só tem arranque.

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Kings seu cérebro esta Fu …

Chevalier
Chevalier
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Petralha safado, eu quero que tu seja o primeiro a virar escravo do governo chinês.

Diogo
Diogo
Reply to  Chevalier
11 meses atrás

Poxa, eu já escrevi coisas mais suaves contra os vermelhinhos e fui barrado…acho que estão mudando de conceito…

Diogo
Diogo
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Não dá para negar o crescimento da China e que ela é um dos players mundias, agora que ela será a nação predominante eu acho muito difícil….Tonho Rei, mesmo que os EUA parem e não evoluam mais tecnologicamente, levará muitos anos, aliás décadas para a China se equiparar com eles. E no ocidente, tirando algumas ditaduras e o PT (rs), ninguém compactua culturalmente com os chineses.

Jundiaí
Jundiaí
11 meses atrás

As tensões só pioram, melhor comecar a fazer abrigos nucleares!!!

Jacinto
Jacinto
11 meses atrás

Isso é tudo balão de ensaio. É impossível aos EUA implementarem misseis de alcance intermediário em meses, seja na Asia ou mesmo nos EUA – pelo simples fato de que os EUA não têm estes misseis.

ELTON R
ELTON R
Reply to  Jacinto
11 meses atrás

isso tudo enrrolação ,se os americanos quiserem eles posicionam um SSBN classe Ohio no mar da china e os chineses fazem o mesmo na costa leste americana e vão brincar de quem arrega primeiro.

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
Reply to  ELTON R
11 meses atrás

Pensei o mesmo , mas na Coreia Do sul já não tem armas posicionadas também?

Bosco
Bosco
Reply to  Jacinto
11 meses atrás

Jacinto,
Concordo. Comunista, os de lá e os daqui, são todos iguais. Vitimistas. Eles se apoiam no discurso vitimista. Não há nada que mude a relação de forças em os EUA já tendo pelo menos 1000 Tomahawks naquela região.

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Bosco
11 meses atrás

Militarmente, bem como economicamente, as coisas estão mudando há muito tempo devido à diminuição das capacidades dos EUA.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Jacinto
11 meses atrás

É so colocar um tomahawk em um tubo de lançamento terrestre nada fora do normal para eles.

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Jacinto
11 meses atrás

Jacinto
Isso é tudo balão de ensaio. É impossível aos EUA implementarem misseis de alcance intermediário em meses, seja na Asia ou mesmo nos EUA – pelo simples fato de que os EUA não têm estes misseis.

—–
Não existem tais mísseis agora. Mas, ao mesmo tempo, há mísseis alvo de imitação, o que sugere muito bem.

Antunes 1980
Antunes 1980
11 meses atrás

Colocar mísseis no quintal chinês não é uma boa ideia.
A dependência japonesa, sul coreana e australiana, torna os Estados Unidos o bad boy da região.
Quais mísseis intercontinentais ou balísticos a China possui? São cópias russas?

Bosco
Bosco
Reply to  Antunes 1980
11 meses atrás

A China tem quatro ICBMs: o DF-4, o DF-5, o DF-31 e provavelmente o DF-41.
Tem dois MRBM/IRBMs: DF-3 e DF-21/26
E dois SLBMs: JL-1 e JL-2

sub urbano
sub urbano
11 meses atrás

As ambições estadunidenses no Pacífico são inviáveis a longo prazo. Dentro de uma década terão de manter 5 porta aviões nucleares operando no Pacífico só para conter a China. Ninguém tem grana pra isso.

Greyjoy
Greyjoy
Reply to  sub urbano
11 meses atrás

Os EUA já tem 10 operando no momento. O que seria operar 5 no Pacífico senão uma mera reformulação no posicionamento das tropas? É só tirar do Atlântico e colocar lá.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
11 meses atrás

Se ninguém der uma freada na China, no seu crescimento bélico, pois produz de tudo que é tipo de armamento aos montes todos os anos( e, aos críticos, seus tanques/mbt’s atiram, seus aviões voam e seus inúmeros navios de guerra navegam e tudo isso no estado da arte ,aos montes e se atualizando tecnológicamente ano após ano), em poucos anos creio que ela poderá abocanhar quase tudo que é nação fronteiriça e expandir seu território e domínio Ásia afora. A China é enorme mas….. acreditar que tudo isso é pra sua defesa é inocência demais. O tio Sam tem que… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Tomcat4.0
11 meses atrás

Seria mesmo que acreditar que os EUA ” possuem tudo isso só por defesa”, muitos acreditam que so para proteger a ” democracia e a liberdade ” ou fingem acreditar. Então acreditem Na China rsrrsrs

Cidadão
Cidadão
11 meses atrás

Não é Trump , é Putin.

Chevalier
Chevalier
11 meses atrás

A Venefavela servirá para isso, abrigar bases e mísseis chineses e russos, caso a questão Maduro não se resolva logo.

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
Reply to  Chevalier
11 meses atrás

Ai já penso que e problema nosso , caberá ao Brasil agir ou então se acostumar a abaixar a cabeça pra ditador venezuelano, porque depois do maduro vira outro talvez pior ainda.

JPC3
JPC3
Reply to  Chevalier
11 meses atrás

Antes disso terá guerra com os EUA. Eles não vão permitir.

alexandre
alexandre
11 meses atrás

China promete colocar mais misseis, nas ilhas artificiais, que já estão armadas com misseis…

C. César
C. César
11 meses atrás

¨¨Fu não especificou quais contramedidas a China tomaria, mas disse que “tudo está na mesa”.¨¨
Eu sei quais são as ¨contramedidas¨!
¨Acionaram¨ os militantes virtuais lesa-pátria que escrevem de dentro dos próprios países ocidentais (contra o … próprio ocidente!) para defenderam o dragão chorão contra os malvados americanos como podemos ver aqui mesmo neste site.

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  C. César
11 meses atrás

Rsrsrs nos somos ocidente para os WASP quanto um negro participando de reunião do KKK . Participar, participe, o problema é que fica amarrado e apanhando e nos piores dos caso acaba enforcado. Ninguém defende a China mas só obtuso para não perceber que são uma ótima solução para deixar os EUA bem ocupados e preocupados, potencialmente deixando vácuo de poder em outras regiões, que as nações mais aptas e preparadas irão ocupar. Ou mesmo é um ótimo modo para barganhar mais nas relações com os EUA, pretendo e exigindo maior consideração se quiserem apoio. Os EUA não são malvados,… Read more »

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
11 meses atrás

Aqui está um meio americano de pressão. Sob ela, Washington planejava se retirar do tratado em mísseis intermediários e de alcance mais curto.comment image

_RR_
_RR_
11 meses atrás

Prezados… A divida chinesa já está em US$ 25 trilhões… e continua subindo… Ingenuidade acreditar que isso permanecerá sem consequências. O Dragão somente se mantém graças a exportações e valorização/desvalorização artificial de moeda. E isso não terá vida longa…. A medida em que o mercado interno americano reaquece e a concorrência proporcionada por indianos e outros emergentes aumenta, a retração dos chineses se torna inevitável, independente das medidas que adotem. A salvação para a China seria, em teoria, o aumento do consumo interno ( e é o que estão buscando ). Mas a renda média de um chinês simplesmente não… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  _RR_
11 meses atrás

“Interesse de empresas ocidentais de investir na China, causando um efeito debandada rumo a países cujas condições se mostram mais atrativas, como Vietnam e Índia. E curiosamente, isso ocorre com empresas chinesas també” Isso já ocorre à tempo mas são deslocadas aquelas produções que precisam de baixo custo como setor têxtil. A mão de obra a baixo custo chinesa já não é mais atrativas há muito tempo . Existem várias nações que oferecem esse tipo de serviço. A China permanece atrativa pela qualidade das infraestruturas, a ordem e o know-how que se pode encontrar lá a preços competitivos, alem da… Read more »

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
10 meses atrás

Conforme alguns comentários, os vizinhos chineses já são ameaçados constantemente. Isso esta correto. Mas não se enganem, pois as ameaças chinesas podem sim surtir efeitos. Ao permitir a instalação destes misseis em seu território, estas zonas passarão a serem alvos estratégicos, de máxima prioridade e deverão ser destruidos a qualquer custo. Ou seja, estes locais e toda a região a adjacente passam a ser consideradas zonas de risco. Dependendo de uma evolução dos combates, entrando no hipotético campo de uma guerra nuclear, estas areas serão atingidas prioritariamente. E esse simples e hipotético cenário, já irá causar dor de cabeça aos… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  Carlos Eduardo
10 meses atrás

Carlos,
O problema é que a China não tem tantas armas nucleares assim. Ela tem que guardar seu arsenal nuclear para um contra-ataque vingativo ou para neutralizar armas nucleares inimigas. Ela não tem cacife para poder ficar jogando armas nucleares em lançadores de mísseis convencionais.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Carlos Eduardo
10 meses atrás

O Tibet discorda desta linha de raciocínio!