Home Blindados Fuzileiros venezuelanos modernizam blindados EE-11 Urutu

Fuzileiros venezuelanos modernizam blindados EE-11 Urutu

5791
119

De acordo com o Ministério da Defesa, os veículos de transporte de pessoal serão entregues em lotes até 2021

Os fuzileiros navais da Venezuela, uma tropa de elite inspirada nos marines americanos, estão voltando a operar blindados EE-11 Urutu, brasileiros, modernizados. De acordo com o Ministério da Defesa, os veículos de transporte de pessoal serão entregues em lotes até 2021. São mantidos na base da Infantaria da Marinha de Puerto Cabello, no litoral caribenho.

Alguns esquadrões, provavelmente dois deles, devem ser deslocados para exercícios de pré-posicionamento na região próxima das fronteiras com Colômbia e Brasil, corredores de fuga por onde entram nos dois países centenas de refugiados todos os dias. O projeto de revitalização da frota de 37 unidades começou há cerca de quatro anos. Avançou lentamente por causa da irregularidade na liberação de recursos até ser incluído no plano de reequipamento das Forças Armadas, lançado pelo presidente Nicolás Maduro em julho de 2018.

O programa vai custar US$ 25 milhões, segundo o site Army Recognition. O EE-11 Urutu venezuelano, rebatizado VE, foi selecionado em 1983 e contratado um ano depois pelo então presidente Jaime Lusinchi. A encomenda original, de 60 blindados, foi reduzida para 40 e acabou em 38 exemplares. Um foi perdido durante exercício. O EE-11, desenvolvido e fabricado pela Engesa Engenheiros Especializados, foi exportado para 15 países. O grupo encerrou suas atividades em 1993.

A revitalização está sendo feita por um pequeno consórcio de empresas locais e fornecedores internacionais sob a supervisão de técnicos e engenheiros da Armada Nacional. Nenhuma organização do Brasil participa do contrato.

É um processo longo que implica a recuperação de motores e componentes mecânicos. Os conjuntos óticos analógicos estão sendo substituídos por sistemas digitais avançados, com capacidade de visão noturna. Foram incorporados acessórios eletrônicos de definição de rotas, localização por satélite e comunicações protegidas.

O Urutu é anfíbio. O armamento original padrão de bordo é uma metralhadora 12.7 mm acoplada a uma pequena escotilha superior. Na nova versão, ao menos dois esquadrões receberam um canhão Oerlikon de 20mm. Os fuzileiros bolivarianos são 5,5 mil. Bem treinados e equipados não tiveram os recursos orçamentários comprometidos pela crise econômica que atinge o país – em 2019 a inflação venezuelana chegou a 200.000%.

Para um oficial do Brasil, ex-integrante do Comando Militar da Amazônia, atualmente nos quadros da reserva, “a preocupação (da Venezuela) é com a manutenção da presença e da vigilância na faixa de selva das fronteiras; por lá não tem sentido o emprego de outros tipos de viatura que não sejam as blindadas sobre rodas, leves e rápidas”.

EE-11 Urutu

Veterano de guerra

O Exército brasileiro tem 223 EE-11 Urutu e mantém um protocolo de recuperação da frota. Gradualmente, os EE-11 estão sendo substituídos pelo Guarani, de 14 toneladas, mais moderno, fornecido pela divisão militar da Iveco Veículo de Defesa, de Sete Lagoas (MG). Criado em cooperação com o Exército, projeto contempla 17 diferentes configurações. A encomenda formalizada é de pouco mais de 2 mil blindados.

O anfíbio da Engesa é um veterano de guerra. Esteve com as forças do Iraque no conflito de oito anos contra o Irã, e mais uma vez com a tropa de Saddam Hussein na invasão do Kuwait. Na rebelião da Líbia, em 2011, e de novo em 2018, na repressão às manifestações armadas dos grupos radicais islâmicos contrários ao governo provisório de Trípoli. Passou por modificações – ganhou uma torre blindada e uma pá dianteira para remover barricadas – antes de ser levado pelo batalhão brasileiro para a missão de estabilização do Haiti.

No continente, é utilizado pelo Exército da Colômbia no combate às duas frentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que não aderiram ao acordo de paz de 2016 e ao Exército de Libertação Nacional (ELN) – o movimento que rejeita o pacto.

O caso colombiano é emblemático. Os assessores militares enviados ao país pelos Estados Unidos a partir do ano 2000 nos termos do Plano Colômbia, de combate ao tráfico e à guerrilha, indicaram a necessidade da criação de um efetivo conjunto de forças terrestres e da aeronáutica, com capacidade de atuação rápida.

A arquitetura final do grupo acabou usando três produtos brasileiros: o EE-11 Urutu, o EE-9 Cascavel – armado com canhão de 90mm -, e o Super Tucano, turboélice de ataque leve, da Embraer. Os veículos, ambos da Engesa, usam a mesma plataforma e a mesma suspensão. Os dois têm bom desempenho em terrenos irregulares. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

FONTE: Jornal de Brasília

Subscribe
Notify of
guest
119 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alexandre
Alexandre
4 meses atrás

Pneu murcho, não vai a lugar nenhum, porque não pagou pro Brasil reformar ? Reformamos os Paraguaios..

Camargoer
Reply to  Alexandre
4 meses atrás

Caro Alexandre. Talvez porque o Ministro das Relações Exteriores do Brasil disse que não reconhece o governo do Presidente Maduro. Então teria que combinar com o Guaido para assinar um convênio. Decisões têm consequências.

Alessandro
Alessandro
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Camargoer ” O projeto de revitalização da frota de 37 unidades começou há cerca de QUATRO ANOS. Avançou lentamente por causa da irregularidade na liberação de recursos até ser incluído no plano de reequipamento das Forças Armadas, lançado pelo presidente Nicolás Maduro em julho de 2018.” Eles quiseram revitalizar por conta própria (oq é direito deles) pq FELIZMENTE não tem mais BNDES para ajudá-los, senão seria outro CALOTE a vista, e tenho certeza que nós brasileiros iríamos pagar muito mais que esses 25 milhões de US$ segundo a matéria. A cada dia que passa eu fico mais feliz com o… Read more »

Alexandre
Alexandre
Reply to  Alessandro
4 meses atrás

Cara você ainda acredita na lenda “urbana” que BNDES , financiou ditaduras na América Central e do Sul ?? Sério mesmo ??

alessandro
alessandro
Reply to  Alexandre
4 meses atrás

Alexandre eu não sei aonde vc estava nos últimos 16 anos, mas tem uma ferramenta de pesquisa chamada “google” e dá uma pesquisada lá, coloque “BNDES + financiamentos para países” e boa leitura.

Camargoer
Reply to  Alessandro
4 meses atrás

Olá Alessandro. Em quem eu ou você votamos é irrelevante. É possível concordar uma linha de ação de um governo e discordar de outra. É possível discordar de todas as linhas de ação de um governo. É possível (mas menos provável) concordar com todas as linhas de ação de um governo (é possível até ser obrigado a concordar mesmo discordando, mas essa é uma outra história). É razoável avaliar o passado para encontrar acertos (que devem ser repetidos) e erros (que devem ser evitados) mas a ação é no presente. Criticar o passado não muda o passado. Criticar o passado… Read more »

alessandro
alessandro
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Sim Camargoer, estamos de acordo na questão “linhas de ação de um governo, mas eu só quis colocar meu ponto de vista no complemento do meu comentário, e lembrá-lo que a modernização começou antes da eleição do Bolsonaro, então a decisão do Maduro foi anterior a este governo atual tomar posse.

Camargoer
Reply to  alessandro
4 meses atrás

Olá Alessandro. Perfeito. Acho que outros colegas levantaram esse mesmo ponto (um excelente ponto por sinal). Eu tenho várias críticas à atual linha de ação do Itamaraty. Fico quase desesperado quando vejo perderem alguma oportunidades e prejudicar antigas iniciativas bem sucedidas. Eu insisto que é irrelevante em quem cada um votou no passado (ou pretende votar na próxima eleição. Isso algo pessoal e tem garantido o segredo). O risco da discussão degringolar é grande. Temos muitas coisas legais para debater e muitos pontos de vista diferentes para explorar. Um abraço.

Kommander
Kommander
Reply to  alessandro
4 meses atrás

Alessandro, então você se orgulha dos 48 milhões que o BNDES pagou em consultorias que não encontraram nada de ilícito? Digo e repito, não foi 48 reais e nem 48 mil, mas sim 48 MILHÕES $$$$

alessandro
alessandro
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Kommander, de forma alguma, mas devo lembrá-lo que essa auditoria começou no governo Temer e está em fase final, e exigiram para terminar mais 2 milhões de aditivo oq deixou o atual presidente indignado e até achar estranho essa auditoria, mas de qualquer forma é VÁLIDA a sua crítica sobre esse ABSURDO de valores mesmo que tivesse sido iniciada no governo atual, mas tenho que reafirmar NÃO FOI.

nonato
nonato
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Já você apoia o governo democrático e legítimo de Nicolas Maduro, não é?

Camargoer
Reply to  nonato
4 meses atrás

Ola Nonato. Reconheço a vida, a liberdade do indivíduo e a igualdade de todos perante a lei como direitos naturais da pessoa. Como consequência, sou um democrata teimoso e um humanista empedernido. Apenas a democracia é capaz de garantir os direitos naturais da pessoa, por meio do Estado de Direito, do respeito à soberania popular e da garantia dos direitos humanos. Desprezo qualquer regime que seja contrário á democracia. Desprezo os pequenos e grandes ditadores. Também desprezo os psicopatas que pensam como ditadores. Expliquei em vários momentos como o Itamaraty comprometeu a possibilidade do Brasil conduzir o processe de transição… Read more »

Alexandre
Alexandre
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Não perde seu tempo em explicar não meu nobre , tem muita gente aqui com pensamento “limitado” , eu entendi perfeitamente sua explicação e concordo plenamente com o que você disse , o Brasil deveria agira como um mediador na questão da Venezuela , e não ficar colocando mais “gasolina” no fogo , igual o nosso ministro da relações exteriores faz ..

Camargoer
Reply to  Alexandre
4 meses atrás

Olá Alexandre. Exato. A disputa partidária doméstica tem pouco a ver com o debate sobre política externa. O ponto nem é concordar comigo, mas ampliar o debate. Valeus.

Daglian
Daglian
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Realmente, perdemos uma gigantesca oportunidade de modernizar impressionantes 37 (trinta e sete) unidades. Para termos acesso a essa fortuna, bastaria apenas termos apoiado uma ditadura socialista sanguinária (pleonasmo) vizinha ao nosso país. Ainda bem que você lembrou ao Ministro das Relações Exteriores que decisões têm consequências, pois aposto que você sabe muito mais do que ele de relações exteriores, afinal o senhor é diplomata, correto Camargoer? O Brasil fez o certo em rechaçar esses psicopatas do Maduro, e não serão ridículos 37 Urutus eventualmente modernizados que pagarão pelos milhões de venezuelanos prejudicados por esses facínoras. No mais, o que “perdemos”… Read more »

Camargoer
Reply to  Daglian
4 meses atrás

Caro Daglian. Como já expliquei algumas vezes (inclusive hoje) sou professor de química (ainda não sei o que a carreira profissional de qualquer colega aqui na trilogia faça diferença. Sorte que gosto do que faço). As poucas dezenas de Urutus não faria nenhuma diferença. A Venezuela continuaria importando principalmente dos EUA, da China e da Índia (e apenas 5% do Brasil). A reforma desses carros de combate também não alteraria os 30% de capacidade ociosa da indústria brasileira nem os 12% de desocupação. Talvez, abastecer o mercado venezuelano de 30 milhões de pessoas com bens industrializados poderia elevar as exportações… Read more »

André
André
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Camargoer, não sei o quanto você conhece de química, mas de geografia parece conhecer pouco. Nas Filipinas, depois da constituição de 1987, houveram 5 eleições democráticas para presidente, com 5 partidos diferentes assumindo o cargo de presidente e 6 presidentes diferentes – um dos presidentes foi impichado por corrupção. Lá a reeleição não existe. A popularidade do Duterte é grande e seu partido atingiu a maioria do senado nas eleições do ano passado. Seu mandado de 6 anos vai até 2022 e depois disso, não tenha dúvidas, outra pessoa irá sucede-lo. Muito diferente de Venezuela, Russia, Síria, China, Coreia do… Read more »

Camargoer
Reply to  André
4 meses atrás

Caro Andre. De fato, ainda preciso estudar muito. Por isso eu me apoio muito em algumas fontes. Segundo a FreedonHouse, são considerados países Not free Venezuela (19 pontos), Russia (20 pontos), China (11 pontos), Coreia do Norte (3 pontos) e Turquia (31 pontos). A pontuação da Síria é zero onde o Estado colapsou (eu nem sei se o Brasil exporta algo para a Síria). As Filipinas é considerado um país Partly free (61 pontos), o que corrobora sua ideia que as não seria correto incluir as Filipinas na mesma classe dos outros países. Contudo, a mesma FreedonHouse menciona que o… Read more »

Jeff
Jeff
Reply to  Daglian
4 meses atrás

Daglian, perfeito valeu texto.

Mauricio Siqueira
Mauricio Siqueira
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Caro Camargoer, leia novamente a reportagem ” O projeto de revitalização da frota de 37 unidades começou há cerca de quatro anos.” isto é, inciou no governo alinhado com Maduro.

Camargoer
Reply to  Mauricio Siqueira
4 meses atrás

Ola Mauricio. Excelente argumento. Quatro anos atrás (2015/2016) houve a transição no Itamaraty do ministro Vieira (Dilma) para Serra (Temer) em maio/2016. Depois o ministério foi ocupado pelo Aloyso Nunes (com um interino na transição) e então pelo Ernesto (Bolsonaro). Há diversas reportagens com declarações do Serra criticando a Venezuela. A mudança de postura do Itamaraty em relação à Venezuela começa no governo Temer. Segundo o MDIC (ministério do desenvolvimento da indústria e comércio), o Brasil exportou para a Venezuela US$$ 4,8 bilhões (2013), US$ 4,6 bilhões (2014), US$ 2,9 bilhões (2015), US$ 1,2 bilhão (2016), US$ 0,47 bilhão (2017)… Read more »

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Camargoer, o governo brasileiro não reconhece o governo do Ditador Maduro, assim como fazem muitos outros governos.

Camargoer
Reply to  Wellington Rossi Kramer
4 meses atrás

Caro Wellington. Eu lembro que Geisel reconheceu o governo comunista de Angola pensando mais na geopolítica do que na ideologia. O fato do Itamaraty não reconhecer o resultado da eleição de 2018 é irrelevante para a solução do problema da Venezuela. Caro o governo reconhecesse a legitimidade de Maduro já estaria resolvido. O problema é o conflito entre a oposição e o governo na Venezuela que se tornou um problema para o Brasil por ocorrer em um país vizinho. O Itamaraty existe para evitar que surjam problemas, para evitar que pequenos problemas virem grandes problemas e encontrar soluções para os… Read more »

Johnny Carvalho
Johnny Carvalho
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Camargoer exatamente essa é a função do itamaraty e é exatamente o que está fazendo olha só á postura do brasil já fez o boliviano sair com o rabo entre as pernas o uruguai agora estão alinhados á nós,se ficarmos alinhados á Venezuela só perderíamos em nota de confiança estrangeira basta analisar somos mais confiáveis agora do que antes,nos somos muito maior do quê esse pais tal republica de bananas alinhados com bolivia,cuba,venezuela. somos China,EUA,Reino unido,Japão,israel e restante do mundo capitalista Alias não se esqueça dos Bilhões da Arabia saudita.

Camargoer
Reply to  Johnny Carvalho
4 meses atrás

Caro Jon. Acho que discordamos. Como não sou diplomata uso muito o Le Monde Diplomatique, o Foreing Affars e alguns artigos publicados no Scielo para tentar entender. Uma boa referência são os artigos do Jamil Chade que há anos cobre os organismos internacionais. A diplomacia brasileira está passando por uma crise. A ideia de colocar os vizinhos com o “rabo entre as pernas” nunca foi solução diplomática, mas um modo de realimentar o conflito (estou lendo “Maldita Guerra” sobre a Guerra do Paraguai. Recomendo). Hoje, mesmo os países socialistas estão integrado ao comércio internacional. O desafio do Sex XXi não… Read more »

ALISON L C SILVA
ALISON L C SILVA
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Mais um estupro… rsrsrs

Glasquis7
Reply to  Alexandre
4 meses atrás

Acredito que foi por que deram preferencia à participação de empresas locais.

Daniel
Daniel
Reply to  Glasquis7
4 meses atrás

Tal qual o Trump? Parece que ultraneoliberalismo só viceja por aqui…

Samuca cobre
Reply to  Alexandre
4 meses atrás

Tem um aparelho que controla a pressão dos pneus!!!

Elcimar Menassa
Elcimar Menassa
Reply to  Alexandre
4 meses atrás

não estão ” murchos” e sim esvaziados,eles possuem sistema que diminui a pressão de acordo com o terreno.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
4 meses atrás

PQP!!!!! Ainda usam Urutu??? Isso aí é colocar as vidas dos fuzileiros em risco desnecessário.
Uma curiosidade. Porquê os pneus muchos na foto? Seria medida de segurança??

Camargoer
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

Caro João. O EB e os FN da MB também usam o Urutu. Os Emirados Árabes também usam o Urutu, além de duas dezenas de outros países.

rdx
rdx
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

O CFN não usa mais o Urutu.

Camargoer
Reply to  rdx
4 meses atrás

Olá RDX. Obrigado. Eu acho que camuflagem do CFN da MB show. Eu vi as fotos do Piranha do CFN, mas não encontrei fotos de algum Urutu deles. Fiquei até na dúvida se eles já operaram o Urutu,

rdx
rdx
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

O CFN adquiriu 06 EE-11 no início da década de 70. Ele nunca teve boa reputação em operações de assalto anfíbio e foi rapidamente abandonado. O EE-9 teve mais sucesso e operou até a chegada do SK-105.

Camargoer
Reply to  rdx
4 meses atrás

Olá RDX. Obrigado. Sou um fã incondicional da banda dos FN.

Glasquis7
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

O EB também usa Urutu.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

É para não pegarem o veículo e fugirem do país

Camargoer
4 meses atrás

Olá Colegas. Acho que essa postagem ilustra minha crítica a politica externa do atual governo. O fato de nenhuma organização brasileira participar do contrato de revitalização de Urutus de um país que faz fronteira com o Brasil deveria ser tomado como alerta. O EB tem um programa de revitalização de seus Urutus que poderia ser a base desse programa venezuelano, o que teria garantido ao menos a exportação de componentes fabricados no Brasil. Além disso, essa colaboração poderia resultar até na venda de uma ou duas dezenas de Guaranis novos, que afinal foram projetados para substituir com vantagem o Urutu… Read more »

Henrique
Henrique
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Meu caro, que empresa irá querer fazer negócios com um governo moribundo como o do Maduro, com uma economia depauperada e inflação exorbitante? O risco de calote é gigante e certamente seria via BNDES ou outro tipo de garantia do estado. O Brasil se posicionou e ponto, é o que um estado sério deva fazer principalmente com ditaduras que reprimem seu próprio povo… acho que acabou a era de financiarmos ou incentivarmos esse tipo de regime.
Abraço,

André Macedo
André Macedo
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Concordo plenamente, o certo mesmo é ajudar os EUA a financiar esse tipo de regime! O presidente bate continência pro país que vende bilhões em armas pra tirania saudita que está causando a maior crise humanitária do mundo no Iêmen e oprimindo seu povo, mas como baixam a cabeça pros EUA a gente finge que não vê né?

Camargoer
Reply to  André Macedo
4 meses atrás

Caro André. Pois é. No começo do ano, durante a papagaida do Guaido, escrevi que era um erro o Itamaraty comprometer a posição de liderança regional do Brasil tomando partido. Praticamente um ano depois, o impasse político recrudesceu, o Brasil perdeu a oportunidade de conduzir o processo de normalização na Venezuela (em direção do melhor para o Brasil) e abriu para a China o papel de principal parceiro comercial. Hoje, a Venezuela importa 5% do Brasil (38% dos EUA, 18% da China e 12% do México) e exporta 1,3% para o Brasl (42% para os EUA, 23% para a China… Read more »

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Pois é, a Venezuela, fala, fala, reclama, protesta, mas continua tendo os EUA como principal parceiro comercial do país.
Estes, por sua vez, dizem que fazem e acontecem, mas continuam sendo o principal parceiro comercial do país.
Conclusão, países não tem amizades, tem interesses, e muitas vezes é interessante para um país manter comércio com um adversário.
Já o Arnesto vê tudo como ideologia. E o Brasil vai pagando o pato.

francisco Farias
francisco Farias
Reply to  EduardoSP
4 meses atrás

Pois é: os USA não reconhecem o Maduro, mas como não são otários, compram petróleo e vendem tudo o que podem a Venezuela. Enquanto os burricos do Brasil perdem oportunidades de negócios e defendem um corrupto que se intitula “presidente interino”. Como é que o cara é presidente de um pais sem ter sido eleito para tal? só ditadores conseguem este feito.

Daniel
Daniel
Reply to  André Macedo
4 meses atrás

André, esqueça. Eu já indiquei a bizarrice da ótica ideológica de alguns membros (na sua maioria esmagadora, desprovidos de qualquer cultura e que sequer dominam a língua portuguesa) e a visão deles é de que tudo que não for de acordo com a visão deles, é um alvo. Reproduzem, de forma acrítica, uma visão maniqueísta do século passado. Os EUA falaram em globalização, derrubar fronteiras, neoliberalismo, no século passado. Hoje, diante da concorrência internacional e fuga de vagas, as lideranças políticas dos EUA retornam ao discurso do protecionismo. Aqui, de forma retardada, defendem o discurso que nos EUA perdeu sentido.… Read more »

R_cordeiro
R_cordeiro
Reply to  André Macedo
4 meses atrás

O cara vem num blog militar e diz que o presidente “bate” continência para outro país. Aí aí viu…

Camargoer
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Caro Henrique. Acho que a questão mais importante é abrir mercado para as empresas brasileiras que estão operando com 30% de ociosidade. O problema do comércio externo da Venezuela são divisas devido a pressão dos EUA. Contudo, o país tem uma reserva imensa de petróleo que serve para como moeda negra. O posicionamento da diplomacia brasileira no atual governo é no mínimo ingênua. Vender bens de consumo de primeira necessidade para um mercado maior que 30 milhões de consumidores negligenciado por outros países exportadores é simplesmente um bom negócio. O Brasil exporta para a Coreia do Norte, para a Arábia… Read more »

Henrique
Henrique
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Caro Camargoer, ficamos aqui discutindo e rusgando por conta de Venezuela… o Brasil precisa pensar maior e mais longe, com parceiros confiáveis… se formos nessa mesma diretriz que tantos aqui defendem (e quando vc não concorda com a opinião destes vc é subserviente, pró EUA etc.. etc..) é porque não aprendemos com o exemplo do Iraque que quebrou ou quase quebrou várias empresas nacionais. Tomamos vários prejuízos com Cuba, Bolívia e a própria Venezuela quando deu pra trás nas refinarias…. mas o povo aqui acha que fazer negócio com Maduro é oportunidade… Não é questão de ideologia, é questão de… Read more »

Camargoer
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Olá Henrique. Eu também acho desnecessário tanto adjetivo. Outra coisa que me parece desnecessária é a fulanização. O problema é a crise da Venezuela na fronteira norte do Brasil (Maduro ou Guaido passam ou passarão). Concordo que os EUA são a maior potencia militar e (ainda) econômica, mas isso não significa que o que é bom para os EUA é bom para o Brasil, ou o que é bom para os EUA é ruim para o Brasil. Eu aprendi muito com a postura dos militares em torno de Geisel (Golbery, Delfim, Passarinho, Campos, etc. Quando lembro deles fico assustado como… Read more »

Henrique
Henrique
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Ernesto Geisel foi o melhor e mais correto dos presidentes militares.

Camargoer
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Olá Henrique. Eu admiro o Geisel mas é preciso lembrar que recentemente foi descoberto que ele autorizou execuções extrajudiciais de presos politicos. O Figueiredo era chefe do SNI e o Geisel disse que era preciso consulta-lo antes de executar um prisioneiro do regime. Isso não muda a competência, nacionalismo, e tudo mais. Geralmente, um personagem histórico como Geisel, Vargas, JK.. tem lados bons e ruins. Não é demérito nem ofensivo à biografia dele nem de ninguém lembrar das qualidades e defeitos.

Camargoer
Reply to  Henrique
4 meses atrás

O Figueiredo é outra pessoa interessante. Ele foi escolhido para conduzir o processo de abertura e de redemocratização. Ele conduziu bem o processo até o caso Rio Centro. A pressão da linha-dura para abafar o caso provocou uma crise dentro do governo, e o Golbery pediu demissão. Por outro lado, na crise da posse do Tancredo, ele se negou a passar a faixa ao Sarney mas foi visitar o Tancredo no hospital e cumprimenta-lo, chamando-o de “meu presidente”. Ele também evitou um golpe de estado da linha dura que iria colocar as tropas fechando Brasilia no dia da posse e… Read more »

ALISON L C SILVA
ALISON L C SILVA
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Devia fazer o mesmo com a Arabia Saudita… Mas foi la todo orgulhoso… hipocrita…

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Mas o problema é:

Como fazer negócio com um país que tem 200.000% de inflação e que não está exatamente “de bem” com a gente?
Tudo bem que negócios são negócios, mas…como fazer negócio com um país com uma economia falida? É pedir pra gente levar calote.

Camargoer
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

Caro Wilber. Na década de 80, quando o Brasil passava por uma crise de financiamento externo, o Iraque (quando o Saddan era amigo) trocou petróleo leve (do tipo usado pelas refinarias brasileiras) por carros (Bagdá tinha uma enorme frota de passat), alimentos, suco de laranja… a crédito, na base do escambo porque o Brasil não tinha dólares. Imagino que Saddan tinha podia ter dado com os ombros para o Brasil, isso ainda sob a presidência de Figueiredo. Solução técnica é trabalho da equipe de segundo escalão. Atrás dessa árvore tem uma floresta.

R_cordeiro
R_cordeiro
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Venezuela sofre embargo americano, como trocar petróleo por revitalização de aparato militar? Ou trocariamos o segundo maior parceiro comercial pela Venezuela. Ninguém troca nenhum vintém por esta ditadura.

Camargoer
Reply to  R_cordeiro
4 meses atrás

Caro Cordeiro. Você levantou um ponto importante. O embargo foi decretado pelo governo dos EUA. O Itamaraty é um órgão do governo brasileiro.

francisco Farias
francisco Farias
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

A hiperinflação no Brasil durou entre a década de 1980 e 1990, com seu ápice em março de 1990, quando o índice de inflação atingiu 80% (950% ao ano). Mas nem por isso outros países deixaram de fazer negócios com o Brasil.
A Argentina de Macri entregou o pais com reservas internacionais próximas de zero, inflação acima de 55%, dívida externa próxima de 100% do PIB. MAS nem por isso o Brasil deixou de negociar com a Argentina.

Daniel
Daniel
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

Wilber,
Depende. Sobre as dívidas incidem juros e alguns países, como o Brasil, pagam os juros sem nem contestar, mesmo que as dívidas tenham sido feitas sabe-se lá por quem, sobre o que, em quais condições, etc.

Lembrando que o governo brasileiro nunca se negou a pagar dívidas feitas por governos não democraticamente eleitos…

Diplomata92
Diplomata92
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

“O projeto de revitalização da frota de 37 unidades começou há cerca de quatro anos.”Tá escrito isso aí no texto

João Moro
João Moro
Reply to  Diplomata92
4 meses atrás

Iluminou a discussão, Diplomata92. Se fosse fechar com uma empresa brasileira, Dilma e Maduro teriam fechado acordo. Acredito que não houve acordo de empresa brasileira fazer a manutenção pois a empresa que fabricou não existia mais.

Daniel
Daniel
Reply to  Diplomata92
4 meses atrás

Elemento fulcral na narrativa.

Pau que bate em Chico… Logo, falha do governo anterior que provavelmente seria repetida pelo atual.

Difícil…

Camargoer
Reply to  Daniel
4 meses atrás

Olá Daniel. A critica que coloco ao atual governo (o que passou acabou, o que ainda vai ser não existe) foi a política de enfrentamento adotada no início do 2019 ao invés de atuar diplomaticamente para chegar a uma solução negociada. Hoje, está como estava ha um ano e pior porque agora as posições estão cristalizadas. Achei que tinha deixado claro isso. Errei se não deixei. Espero que agora tenha ficado mais claro.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Ja levamos calote antes poderíamos levar de novo. A Venezuela pela sua incompetência hj não vale muita coisa.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Para de viajar Camargoer. Você sabe muito bem que o governo brasileiro é totalmente crítico ao regime bolivariano e ao suporte/carta branca que as FAs de lá dão ao ditador. Você fala tanto em democracia e vem falar em cegueira ideológica? O cara simplesmente burlou o legislativo, possui um judiciário totalmente aparelhado e reprime violentamente a população. Fraudou as eleições e tudo mais e agora você quer que simplesmente finjam que não aconteceu por um contrato pra.favorecer as forças armadas venezuelanas? Vocês são uma graça. Enchem a boca pra falar de cegueira ideológica, mas não perdem a oportunidade de expor… Read more »

Camargoer
Reply to  Felipe Morais
4 meses atrás

Olá Felipe. De fato, sou um democrata intransigente. Contudo, acho que a política de enfrentamento escolhida pelo atual governo foi um erro. A crise na Venezuela tem um longo histórico que passa pelo Caracazo em 89, eleição de Chavez, tentativa de golpe apoiado pelos EUA, crise econômica e por fim um impasse político entre a oposição e o governo. No início de 2019, o governo que tomou posse no Brasil tinha a favor de si a liberdade de escolher qualquer direção na política externa. O impasse na Venezuela era anterior ao novo governo. Ele teve (não tem mais) a oportunidade… Read more »

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

“Acredito que Maduro teria aceitado uma solução na qual ele pudesse sair do governo de cabeça erguida”.

Certamente todos os fatos nos levam a crer que existe algum fundamento nisso que você escreveu.
Camargoer, para que está feio.

Camargoer
Reply to  Felipe Morais
4 meses atrás

Olá Felipe. Acho que nossas referências sobre o papel da diplomacia na condução da política externa são bem diferentes. Acho que foi Maquiavel que recomendou transformar inimigos em aliados e evitar transformar aliados em inimigos. Estou lendo “Maldita Guerra” sobre a Guerra do Paraguai (recomendo) e é interessante como a imagem do país tanto para o público interno quando externo é afetada pela imagem do governante. Existem mais casos de sucesso do que de fracasso de soluções negociadas em crises internacionais. Ao lembrarmos do contexto no início de 2019, o governo brasileiro recém-empossado tinha muita liberdade de escolha. Ao invés… Read more »

Mauricio Siqueira
Mauricio Siqueira
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Caro Camargoer, leia novamente a reportagem ” O projeto de revitalização da frota de 37 unidades começou há cerca de quatro anos.” isto é, inciou no governo alinhado com Maduro.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Mauricio Siqueira
4 meses atrás

Mauricio, tem uma turma pra qual o que importa é malhar pau no atual governo brasileiro e só.
Obs. assino embaixo de cada palavra do “Henrique”em seu comentário.

Camargoer
Reply to  Tomcat4.0
4 meses atrás

Caro TomCat. O fato de concordar ou discordar de uma linha de ação do governo é valido desde que seja feito sobre uma argumentação substantiva. O fato de um governo ser bom, mau ou feio (referência a Sergio Leoni) pouco tem a ver com seus acertos ou erros. Analisar o passado só tem importância se isso refletir em melhores decisões no presente. O passado continua o mesmo. Debater, criticar erros, propor alternativas para as decisões do presente é a única ação efetiva.

sagaz
sagaz
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Saudações, não sou especialista em política, mas sendo prático, um país que não honra os seus pagamentos conosco vale de que? O nossos mercado com a Venezuela não está fechado, mas está sob o julgo do escambo ou do pagamento “a vista”. Aquele país está quebrado Sr. Camargoer, a nossa melhor forma de negócio com nossos irmãos venezuelanos é doar alimentos, acolher os seus refugiados e apoiar o que venha a ser a melhora das condições de liberdade daquele país, o que obviamente não tem nada a ver com modernizar ou reaparelhar nenhum meio militar, deixemos isso para os países… Read more »

Karl Bonfim
Karl Bonfim
4 meses atrás

E esse canhão? É russo? Chinês?

Jorene
Jorene
Reply to  Karl Bonfim
4 meses atrás

Não leu o texto não ?

Rafael
Rafael
Reply to  Karl Bonfim
4 meses atrás

Caro Karl nenhum nem outro, o canhão Oerlikon 20mm tem origem Suíça,sendo originário de canhões anti – aéreo
https://www.youtube.com/watch?v=A-xpumOfzhY

Vovozao
Vovozao
4 meses atrás

26/01/2020 – domingo, btarde , as vezes isso acontece, quando vendemos esses Urutu’s tínhamos boas relações com a Venezuela. Só espero que os mesmos não venham a ser usados contra nos; vários países vendem armamentos e sistemas para outros, é, infelizmente mais tarde estes armamentos/sistemas são usados contra quem vendeu, vide situação atual USA/IRÃ, eles ainda possuem muitos equipamentos comprados pelo XA.

Camargoer
Reply to  Vovozao
4 meses atrás

Caro Vovozão. Eu gostaria de entender qual o fundamento geopolítico para imaginar um conflito entre Brasil e Venezuela (principalmente provocado pela Venezuela). A crise econômica e social da Venezuela, o conflito entre o Executivo e o Legislativo, a população com carência de bens de primeira necessidade, com problemas de embargo internacional, sob uma pressão de golpe com apoio de vários países, tudo junto, sugere que o maior interesse da Venezuela seria ter o apoio do Brasil. Um diplomata sensato faria iria sugerir ao governo brasileiro para apoiar o governo da Venezuela pressionando por novas eleições gerais, e paralelamente pediria preferência… Read more »

sergio ribamar ferreira
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Boa noite Sr. Camargoer. A neutralidade seria até melhor . O fato do governo atual se posicionar criou conflito. Na ajuda humanitária o nosso país está certo em acolher refugiados, porém faz-se necessário uma maior pressão econômica ou até negociações para que se façam eleições sem a presença do Maduro(lógico). Décadas de viver as custas do petróleo fizeram da Venezuela o que é hoje: um país miserável com um governo tirânico por deveras incompetente( e não é de hoje essa falta de visão econômica). A diversidade industrial e do agronegócio que de certa forma salvaram nosso país da bancarrota total(… Read more »

Camargoer
Reply to  sergio ribamar ferreira
4 meses atrás

Caro Sergio. Os EUA são o principal parceiro de exportação da Venezuela (42%) essencialmente petróleo, importando arroz, máquinas, produtos refinados, alimento processado, material de limpeza principalmente dos EUA (38%) e China (18%). Ligue das palavras “fanfarrão” e “estadista” aos respectivos países.

João Moro
João Moro
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

“… Um diplomata sensato faria iria sugerir ao governo brasileiro para apoiar o governo da Venezuela pressionando por novas eleições gerais,…” Camargoer, o Brasil NÃO RECONHECEU o pleito por fraudes na eleição, tanto é que a própria OEA apontou este problema. Devido a isso, tanto o Brasil como os demais países do GRUPO DE LIMA trabalham para que haja eleições livres e justas. Porém enquanto o Maduro estiver no poder executivo, controlar as FAs venezuelanas e continuar a corromper os demais poderes, toda e qualquer eleição será fraudulenta ou manipulada para ele ganhar. Ele chegou ao ponto mais baixo de… Read more »

Camargoer
Reply to  João Moro
4 meses atrás

Caro João. O problema é maior que a eleição de 2018. Maduro foi eleito anteriormente em uma eleição reconhecida internacionalmente. A oposição e o governo da Venezuela estavam negociando a antecipação da eleição presidencial mas ocorreu um impasse político. Maduro antecipou a eleição e elegeu uma assembleia constituinte que em tese, teria poder superior ao parlamento venezuelano. A tentativa de golpe com a autoproclamação de Guaido (cuja legitimidade também é questionável) criou um novo impasse. Se Maduro reconhecer que a eleição foi ilegal terá que ser preso e julgado. Se Guaido reconhecer a eleição, ele terá que ser preso e… Read more »

RENATO VARGAS
RENATO VARGAS
4 meses atrás

Essa Urutu já trocou de pele umas 30 vezes. kkkk

Camargoer
Reply to  RENATO VARGAS
4 meses atrás

Olá Renato. Boa. Daqui a pouco cria asas.

RENATO VARGAS
RENATO VARGAS
4 meses atrás

A título de curiosidade: Onde foram parar aqueles Urutus Haitianos doados ao Bope pelo E.B.? Será que estão indisponíveis. Nunca mais teve operação com estes…

rdx
rdx
Reply to  RENATO VARGAS
4 meses atrás

Dizem que foram tomados pelo EB (tudo não passou de propaganda). Pelo mesmo exército que recebeu mais de R$ 1 bi para investir nas polícias do RJ e não comprou nenhum blindado… mas desviou R$ 16 milhões para comprar 16 LMV de segunda mão para sua cavalaria. Tinha dinheiro para comprar os melhores fuzis do mundo, mas decidiu doar para a PMERJ algumas centenas de FAL velhos e IA-2 e vender 1000 Para-FAL usados por R$ 2.9 milhões…e vetar a aquisição de fuzis pela polícia civil.

RENATO VARGAS
RENATO VARGAS
Reply to  rdx
4 meses atrás

Faz todo sentido. Não os vejo tem muito tempo. Desde quando a operação de GLO terminou. Nada da certo nessa terra…

rdx
rdx
Reply to  RENATO VARGAS
4 meses atrás

Terminou em 01 de janeiro de 2019

Camargoer
Reply to  rdx
4 meses atrás

Olá RDX. Vou evitar julgar se o EB fez certo ou foi pouco ético, mas vou acho importante pensar sobre o modelo de polícia ostensiva que seria mais eficiente. Imagino que esse modelo “Swat” empregando blindados e fuzis (ou seja, uma polícia preparada para o confronto) parece que fracassou. O objetivo da polícia ostensiva é evitar o crime. A ideia de uma polícia de repressão e uma política de encarceramento precisa ser questionada porque parece ser um modelo muito caro e ineficiente.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Camargoer
4 meses atrás

Caro Camargoer, Em 2018 com Temer e 2019 com Bolsonaro a taxa de homicídios no Brasil despencou, respectivamente, 10 e 20% (prévia). Aliás, em 2018 a letalidade policial subiu 20% e a taxa de homicídios caiu 10%. Talvez haja relação. Notar que tanto em 2018 quanto em 2019 houve aumento na compra de armas lícitas pela população civil. Parece que a política criminal do PT, inspirada pelo Sou da Paz, IPEA, NEV-USP e pelos “especialistas” em segurança formados em ciências sociais não vinha funcionando e com algumas mudanças feitas pelos sucessores, em sentido oposto (aumento da letalidade policial, aumento do… Read more »

Camargoer
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Olá Rafael. O taxa de homicídios no Brasil é de 28 por 100 mil (sendo a OMS, a taxa tolerada máxima seria de 10 por mim). Portanto, o problema é grave. Dados do IPEA mostram que o número de homicídios cresce linearmente desde 1979. Ao longo desses 40 anos, a política de segurança pública no Brasil foi caracterizadas pelo enfrentamento direto, pela militarização da polícia ostensiva e pela ampliação do encarceramento. A conclusão é que a atual política de segurança pública em vigor falhou no mais visível que são os homicídios. Essa redução no número de homicídios em 2019 ainda… Read more »

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Caiu 22% em 2019.

Camargoer
Reply to  Space Jockey
4 meses atrás

Caro Space. Acho que diversos governos estaduais e federais tem se dedicado ao problema dos homicídios, inclusive com mais verbas que nos anos recentes. Eu já vi esses dados e acredito que devem estar certos. Eu só acho que agora seria preciso compreender o que aconteceu que fez o número de homicídios diminuir em 2019 em relação a 2018. Terá sido 2018 um ano atípico? Quais políticas de segurança aplicadas em 2019 deram certo? Ou os dados de 2019 são consequências das políticas implementadas em 2018? Acho que esse seria um excelente tema de discussão. E muito importante também.

Agra
Agra
Reply to  rdx
4 meses atrás

O EB doou e pintou os blindados para o BOPE. Mas parece que o BOPE não curtiu muito os Urutus, pq eles já estão acostumados com o Maverick.
O Urutu é muito grande para usar nas favelas do RJ, além de ser pesado.
Intervenção não tem que investir em combate. Intervenção tem que investir em prevenção. Tenho policial na familia e o que o EB mais fez foi comprar coisas. Comprou várias glocks, equipamentos novos para os bombeiros, investiu muito nos IMLs e etc

RENATO VARGAS
RENATO VARGAS
Reply to  Agra
4 meses atrás

Fico imaginando entrar naquelas favelas cheias de gatos e fios por tudo quanto é lado com aquela torre improvisada e esquisita que deve passar os 2 metros de altura. Devem ter devolvido pro E.B.

Agnelo
Agnelo
Reply to  rdx
4 meses atrás

INVERDADE!!!!!
Os Bld estão com as Polícias e manutenidos pelo EB.
Não foi desviado $$ nenhum. O $$ era pro EB.
Inclusive ainda há uma equipe do TCU acompanhando TODAS as aquisições.
Vá se informar e larga de ser MAV

rdx
rdx
Reply to  Agnelo
4 meses atrás

O Dinheiro era para investir nas polícias do RJ e não no EB. FATO!
O EB desviou 16 milhões para comprar 16 LMV. FATO!
O EB doou fuzis FAL e IA-2. FATO!
O EB VENDEU 1000 para-FAL usados por R$ 2.9 milhões. FATO!
O EB não comprou blindados para as polícias. FATO!
O EB não comprou/doou fuzis para a polícia civil. FATO!

Fiz questão de ligar para um amigo para sanar a dúvida sobre os URUTUS. Eles foram recolhidos pelo EB para manutenção.

Léo Neves
Léo Neves
4 meses atrás

O BTR-82A deles é melhor que o nosso guarani?

Kommander
Kommander
Reply to  Léo Neves
4 meses atrás

O BTR deles eu não sei, mas o dá Rússia é. Todo dia jogo cim ele no BF4!!

Carlos
Carlos
4 meses atrás

A Colômbia, EUA e Brasil deveriam fazer um grande exercícios militar próximo a fronteira com a Venezuela para pressionar a saída do Ditador Maduro através da dissuasão conjunta dos países, com poucos recursos para a defesa ele não teria muitas opções a não ser entrega o cargo para novas eleições livres…

Glasquis7
Reply to  Carlos
4 meses atrás

E o que o Brasil e a Colômbia tem que se meter em assuntos internos da Venezuela? Deixa pra lá, eles que se virem com seu ditador.
Ema,ema…
O Brasil tem coisa mais importante com que se preocupar.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Glasquis7
4 meses atrás

agora eu concordo

DaGuerra
DaGuerra
4 meses atrás

Faltaram os componentes drones para o reconhecimento e helicópteros para a intervenção rápida não permitindo reagrupamento dos bandidos. Aviação já teria martelado. Só faltaria avançar a tropa sobre proteção blindada para o rescaldo e controle do terreno.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
4 meses atrás

Esse canhão de 20 mm é o mesmo GamBo que equipa navios da MB. Bom, cada um dando seu jeitinho. Se rolar treta na fronteira e pegar na porrada com Guarani e sua UT-30 vai ser tisti pro Urutu, mas dará uma briga boa.

Tutu
Reply to  Tomcat4.0
4 meses atrás

Sendo um Urutu, acredito que até uma REMAX .50 causa um estrago.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Tutu
4 meses atrás

Ambos veículo são blindados até o nível 2 (7,62mm) porém acredita-se que o Guarani aguente até um .50 no arco frontal. A maior diferença entre os dois é que o Guarani pode receber um kit para melhorar a blindagem até o nivel 4 (14,5mm).

Claudio Moreno
Claudio Moreno
4 meses atrás

Bom dia Senhores!

Vida longa e produtiva desta velha cobra. Espero que o Guarani tenha o mesmo êxito em nossas FFAA.

CM

Rafael
Rafael
4 meses atrás

Legal!! mais um país atualizando nossos velhos ENGESAS!! Fica ai a dica para nossos governantes,para não ficarmos dependendo de outras nações de peças e munições para nossos meios militares!! A utilidade deste velho guerreiro ainda hoje é demonstrada em varias operações ao redor do mundo, só nos brasileiros não valorizamos os nossos produtos e nossa industria de defesa.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
4 meses atrás

O Urutu e o Cascavel podem ser velhos, mas ainda são bons veículos, foram bem projetados e mostraram o seu valor em combate, até hoje ainda é possível vê-los em ação na Líbia e na Síria, alguns altamente modificados. Espero que o Guarani tenha o mesmo sucesso do Urutu e que venhamos a ter um 8×8 armado com um canhão de 105 ou de 120 que venha a ser o sucessor do Cascavel.

Jhon
Jhon
4 meses atrás

Qual a vantagem de participar de um negócio de pouco + de 30 unidades, pior levar um calote? Não tem garantia nenhuma de receber os valores contratados! Que bom que eles mesmos façam atualização dos urubus, vida longa a esse veterano.

Antunes 1980
Antunes 1980
4 meses atrás

Veículo obsoleto. Um sniper bem treinado com um fuzil Barret modelo M82 A1 em calibre 12,7x99mm OTAN, já incapacita este Urutu.

comment image

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Antunes 1980
4 meses atrás

Que ferramenta hein!!!

Glasquis7
Reply to  Antunes 1980
4 meses atrás

è um transporte não um combatente. Este veiculo (Urutu) apenas realiza o transporte de tropas até o TO. Não foi projetado para combater nele.

Cada ferramenta tem sua capacidade e sua função.

Glasquis7
Reply to  Glasquis7
4 meses atrás

Pessoal precisa entender que sobre blindados, cada um tem uma função e fica identificado por uma sigla. O Urutu é um APC (da sigla em inglês Armoured Personnel Carrier) que seria Transporte Blindado de pessoal. Existem outro tipo de blindados com maior resistência aos embates de munição antimaterial (munição contra blindagem) que seriam os VCI (Veiculo Blindado de Infantaria) que é um combatente que normalmente acompanha os tanques no TO e que (segundo o que eu conheço), e que tem como função, acompanhar os blindados pra brindar proteção da infantaria no campo de batalha. Como é o caso dos MARDER.… Read more »

Jeff
Jeff
4 meses atrás

Engenheiros brasileiros não deviam nada pros demais, muito criativos pra projetar soluções simples, robustas e baratas de manter e modificar.
Quem sabe dia voltaremos a incentivar a indústria bélica nacional.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
4 meses atrás

Nada demais …

Uma pinturinha, uma retifica no motor e a instalação do Waze nao me parece uma grande modernização ..

Mas é um grande avanço ao que maduro chamou no vídeo. De armamento secreto

https://youtu.be/fapdTF1EsV0

Eduardo dos Anjos
Eduardo dos Anjos
4 meses atrás

Guarani a anos luz a frente, vide vídeo de sistema a ser instalado no Guarani notem o Guarani no inicio do vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=XOi__MmtN1M&feature=emb_logo

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Eduardo dos Anjos
4 meses atrás

O Guarani que aparece umas três vezes no vídeo está com a torre UT-30 BR. O sistema em questão é o óculos Iron Vision da Elbit System.

juscelino
juscelino
4 meses atrás

Eles estão testando o sistema de calibragem automático de pneus que o urutu possui.

Hugo
Hugo
4 meses atrás

Olhando a segunda foto da matéria, acho que descobri de onde a Tesla tirou inspiração para sua pick up. comment image