Home Carros de Combate Exército Português vai desmantelar seus tanques M60A3 TTS

Exército Português vai desmantelar seus tanques M60A3 TTS

5619
69

O jornalista Victor Barreira (@Defence360 no Twitter) informou que o Exército Português fez uma licitação para desfazer-se de 90 tanques principais de batalha M60A3 TTS. Eles foram formalmente desativados em 2018.

Um total de 93 tanques M60A3 TTS foi recebido do excedente dos EUA para a Brigada Mecanizada, compreendendo 80 em 1993, doze em 1995 e um em 1996.

Subscribe
Notify of
guest
69 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Precisamos de uma compra de pelo menos 250 unidades de blindados pesados para ficarem no lugar dos nossos m-60 e leopard 1a1! Assim deixaremos os 1a5 em segunda linha e um mais novo na primeira linha para ficarmos com o mínimo necessário, tanto em volume como na atualização.

Marujo
Marujo
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

O Canadá tem a venda um pouco mais de cem equivalentes ao Leo 1 A5 em bom estado. Parece que o plano do EB e construir uma versão local do Léo 2 A 4.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Marujo
2 meses atrás

Desconheço esta informação.
A última vez que o EB falou sobre a evolução dos carros MBT foi, a curto prazo, adiquirir mais alguns 1A5, a médio prazo iniciar na familia 2 com alguns A4 e a longo prazo comprar lotes de 2A6 e 2A7.
Mas, sinceramente, estamos longe de uma definição.

ALEX TIAGO
Reply to  Marujo
2 meses atrás

bom dia pessoal li em algum lugar não me lembro reportagem ou comentario que a ideia dependendo do custo a fabricação no Brasil de uma versão do leo2a5BR ou leo2a6BR BR seria porque produzido no Brasil com as necessidades que o exército Brasileiro precisasse com requisitos do EB

Bardini
Bardini
Reply to  ALEX TIAGO
2 meses atrás

Aham, o EB vai comprar Leopard feito aqui! Foi o Bolsonaro que disse. E agora que ele é presidente, vai vir um mundo de material dos EUA também. Tudo o que tu for capaz de imaginar, até Abrams vai vir! Se prepara, vai ser até cansativo comentar em tantas matérias que vão trazer notícias de equipamentos doados pelo Trump. . Acorda pra realidade que ainda é tempo. A única coisa que vai acontecer, se acontecer, é uma modernização gambiarra nesses Leopard 1A5 que temos. Coisa na linha do que os argentinos fizeram com o TAM, em parceria com os israeli.

ALEX TIAGO
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Rapaz Bardini, fiz apenas um comentario não defendi uma causa e nem emiti uma opinião, então não disse que iria fabricar algo e acredito que eu não tenho que acordar para nada, acredito em coisas diferentes mas foi um comentario encima do que foi comentado pelo amigo acima, provavelmente lemos coisas parecidas e em nenhum momento dissemos que queriamos ou que acreditavamos e se caso quizer procurar um pouco ira ver que foi ventilado pela KMW a produção de tais produtos no Brasil, a alguns anos atras. Em relação ao TAM eu vi apenas o projeto mas que não vingou… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Jogava tudo fora, ou revendia, quem gosta de resto é cachorro. Já que vamos ter acesso a um fundo de 100 bilhões, chama mais alguns parceiros e desenvolve um MBT novo.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Defensor da liberdade
2 meses atrás

Você realmente acha que darão acesso ao fundo de US$ 100 bilhões para que projetemos um MBT, tendo uma empresa nacional como coordenadora do projeto? Acho bem improvável. Mas fácil (o que já é bem difícil) é convencermos o governo americano a começar um novo projeto de MBT para substituir os Abrams e nos incluirmos como parceiros. Lembrando que, na atual conjuntura, seria uma projeto a longo prazo até a chegada do primeiro veículo. E, sinceramente, avançar para além do estudo em novo projeto é inconsequência. Os governos no momento estão redirecionando todos os recursos para saúde e, de forma… Read more »

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Marujo
2 meses atrás

Construir MBT aqui, para virar um Osório 2.0, e como o Osório 1.0? Foi construído mas ficou sem encomendas. NÃO IMPORTA O PORQUÊ DE TER FICADO SEM ENCOMENDAS, o que importa a essa altura é que ficou sem encomendas do EB, não seguiu adiante. Se essa informação for verídica, tomara que agora façam direito e façam encomendas dessa versão local.

Caio
Caio
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Deus nos livre.

Carvalho
Carvalho
2 meses atrás

“O número de tanques ao serviço do Exército foi de 100 M-60A3 para os 37 Leopard 2A6 comprados na Holanda. Tal confirma a aposta do Governo nos carros blindados de rodas em detrimento dos de lagartas – mais rápidos e adequados para as missões actualmente realizadas pelo Exército. O Grupo de Carros de Combate (GCC) deverá ficar organizado em três esquadrões de 12 Leopard 2A6 cada – a instrução prática deverá passar a ser feita no próprio GCC, ficando a Escola Prática de Cavalaria com a teórica. ” Boa diretriz de trabalho para o EB nos próximos 20 anos

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
2 meses atrás

Nao sou especialista em blindados, mas Se por acaso o nosso EB não for também desativar nossos M60A3 no próximo ano, talvez fosse o momento certo de conseguir peças de reposição baratas … So pra constar, alem do Brasil, alguns exércitos no mundo ainda usam esse carro de combate antigo, mas é claro que pra isso, eles ja sofreram grande modernizações por parte de seus usuarios. vejam essa modernização https://www.youtube.com/watch?v=yJRybOGzhVM Mas é claro que as vezes o maior problema nao é a reposição de peças,(ja que existe uma rede de informações entre usuários) e sim os recursos para comprar essas… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Entusiasta Militar
2 meses atrás

Canhão 120mm novo. Motorização nova. Recheio eletrônico e sensores novos. FCS novo. Estação de arma secundária nova. Kit de proteção. Desmontar a torre e trocar a porcaria do sistema hidráulico de giro por um elétrico. Desmontar, montar, trazer sistemas que permanecem para condições aceitáveis de operação. Fazer um rearranjo da porcaria que é a compartimentação interna desse blindado, para abrigar novos sistemas, cabeamentos e claro, as munições, que não tem um compartimento próprio para elas… . Talvez seja por isso que vende igual pão quente pela manhã.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Não duvido que os Emirados Árabes comprem tudo e mandem para a LNA! Mas falando sério esses tanques para o Uruguai e para o Paraguai seriam um bom upgrade na força de blindados deles!

Carvalho
Carvalho
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Fábio
O problema é que esses carros possuem uma eletrônica de mais de 30 anos de fabricacao, que provavelmente não está mais funcionando.
Isso significa que talvez sejam mais ineficientes de operar do que um M41 recauchutado, como os que o Brasil enviou aoParaguai.
Ou seja, todos os sistemas de estabilização e mira simplesmente não funcionam, além dos motores que provavelmente não giram mais.
Quanto mais complexo um meio, mais difícil de passar adiante.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Se fica complicado para vender por conta das condições e custo para colocar em uso uma opção é usar de alvo nos treinamento da OTAN!

Eduardo
Eduardo
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Foram doados 25 unidades e para o Exército uruguaio.

Luís Henrique
Luís Henrique
2 meses atrás

Se eu não me engano, assinamos um contrato em 2012 para 1.580 Guarani no valor de R$ 5,9 bi o que na época dava aproximadamente U$ 3,3 bi
Cerca de U$ 2 mi cada Guarani.
Sem falar que a dotação máxima pretendida poderá ser de 2.044 unidades.

Entendo a necessidade do Blindado.
Mas por cerca de metade desse valor o EB poderia ter adquirido 400 MBT T-90 NOVOS de fábrica.
E adquirido Metade da encomenda do Guarani.

Mais para frente com mais dinheiro poderia adquirir mais unidades.

Bardini
Bardini
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Pq diabos precisamos de 400 T-90? E o resto dos blindados e equipamentos necessários? . Aliás, NUNCA é só comprar! Tem que trocar toda a logística. Toda. TODA! Desde a munição de duas partes, até a rebimboca da parafuseta do motor. Do curso de manutenção, até o óleo do motor. Até doutrina tem de mudar por completo, para operar um MBT mais performante com tripulação de 3 integrantes e carregador automático. . O mais racional, é passar o facão na estrutura atual e reduzir o tamanho da força sobre Lagarta, para poder ter condições de manter equipamento mais moderno.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Apenas considerando que o EB teve bilhões para 1 programa e 0 para o outro.
Poderiam ter reduzido o pedido do Guarani e alocado metade da verba para o outro programa que é o do MBT.

Eu considero o MBT importante, mas existem países abrindo mão desses meios.

O número de 400 é na verdade uns 450 que seria o necessário para preencher todos os VCC e VCB.

Bardini
Bardini
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

“Apenas considerando que o EB teve bilhões para 1 programa e 0 para o outro.”
.
O EB não teve bilhões pra nada. Se tivesse, o programa Guarani não estaria na situação desgraçada que está. Até hoje a tropa não conta com um 4×4 blindado.

ALEX TIAGO
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Caro Luis Henrique. Como ja explicado anteriormente por oficial do EB temos uma Demanda atual de 320 Carros de Combate sem levar em conta um estudo de viabilidade que ja ocorreu e o EB não colocou em pratica ter uma unidade no norte do pais. Temos 281 carros operacionais hoje 216 leo1a5br, 39 leo1a1 e 26 M60 a3tts, nota se necessidade minima de 40 veiculos e se caso aprovado uma unidade no norte acredito que mais 56 carros teriamos um Defict de 96 carros e substitur outros 65 fora os 216 leo 1a5br, Saiu uma materia que fala que o… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  ALEX TIAGO
2 meses atrás

Sim. Creio que são 4 RCC com 54 MBT cada + 4 RCB com 28 MBT cada.
O 20o RCB esta dotado com 28 M60A3TTS.
Porém os outros 3 RCB estão dotados somente com 12 Leo1be cada.
Já os 4 RCC estão dotados com 54 Leo1A5 cada.

Total da 328.

Caso seja aprovado mais um RCC no Norte, o número aumentaria em 54 MBT, totalizando 382.
Caso 2 novos RCC sejam aprovados, o número aumentaria em 108, em vez de 54.
Nesse caso o total atingiria 436 unidades.
Que em minha modesta opinião, seria o mínimo ideal para o nosso país continental.

Flanker
Flanker
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Alex e Luís Henrique, o 9⁰ RCB, de São Gabriel/RS, recebeu em janeiro de 2020, o primeiro Pelotão de CC Leopard 1A5, que foram transferidos do 1⁰ RCC, aqui de SM. Um pelotão é formado por 4 Carros de Combate. 3 pelotões formam 1 esquadrão e, nos RCC, 4 esquadrões formam 1 Regimento (quaternário como os RCC do EB). Muito provavelmente, o EB irá substituir seus Leo 1BE, nos RCB, por Leo 1A5, mantendo 1 esquadrão, com 13 carros em cada RCB. Com isso, os RCC deixariam de ter 4 esquadrões cada um e passariam a ter 3 esquadrões cada.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Bardini
2 meses atrás

O T 90 vende bem, o seu peso é a a vantagem, cerca de 15 toneladas a menos que seus concorrentes entregando a mesma performance, essa é a principal vantagem, o EB quer um tanque abaixo das 50 Ton.

A Índia comprou 400 T 90 recentemente, isso mesmo tendo outras opções .

Carvalho
Carvalho
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

“Mas por cerca de metade desse valor o EB poderia ter adquirido 400 MBT T-90 NOVOS de fábrica. E adquirido Metade da encomenda do Guarani” Isso vai na contramão da linha de ação dos Portugueses, com a qual concordo. Seria praticamente igualar o numero de CCs pesados com os VBCI. “O número de tanques ao serviço do Exército foi de 100 M-60A3 para os 37 Leopard 2A6 comprados na Holanda. Tal confirma a aposta do Governo nos carros blindados de rodas em detrimento dos de lagartas – mais rápidos e adequados para as missões actualmente realizadas pelo Exército”

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Besteira. Que comprem mais Carl Gustav’s e AT4’s, invistam em meios modernos sobre rodas, drones de vigilância do campo de batalha e finalizem mais Guaranis.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Leandro Costa
2 meses atrás

Prezado Leandro
Não se compara
Uma formação de CC vc tenta barrar com Art, preferencialmente, 155.
Bld com Inf, BC barra com Mrt.
O CC tem um poder de Choque muito maior.
Junto com Inf eles se complementam, mas um não substitui o outro de forma alguma.
Sds

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Agnelo
2 meses atrás

Agnelo, compreendo isso, mas em relação ao post original, não compreendo a necessidade de se adquirir grande quantidade de T-90’s como foi proposto, por N motivos. Não sei como andam os planos de reaparelhamento do EB em relação à frota de CC’s, mas recentemente houve muita atividade relativa aos M109BR’s, o que já é algo positivo. Em tempos de vacas magras, que infelizmente parece que vai se perdurar um pouco, vamos com o que podemos e nos adequamos à partir daí, como já foi feito no passado até um momento em que se possa investir no ideal.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Leandro Costa
2 meses atrás

Sem duvida Leandro.
Atualmente, sem contar a crise do Coronavírus, também acho q não se deve adquirir CC, principalmente de uma linha q nunca trabalhamos.
Sds

Gabriel BR
Gabriel BR
2 meses atrás

O EB ao que parece optou pelos leopards , logo não sei se faria sentido a aquisição dos mesmos por nós. A aquisição de um MBT novo de fabricação ocidental nos custaria por volta de 8 ou 9 milhões de dólares a unidade , os offsets industriais colocariam nossa indústria em outro patamar tecnológico…penso que em um cenário onde dinheiro não fosse problema o ideal seria optarmos por um projeto que nos permitisse maior autonomia em relação as grandes potências. Antes que resolvam brigar , saibam que esse comentário foi apenas um exercício imaginativo.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Eu já estou escaldado com esse discurso de independência e ToT, fazem 50 anos que se usam dessa bela prosa para queimar nosso dinheiro, se ha dúvida basta olhar a penúria de nossos meios, este é um dos dois grandes pilares que sustentam a desgraça de nossas forças junto com a folha de pagamento!

Eduardo
Eduardo
2 meses atrás

Veículo em desuso no TO, ainda mais com a automatização de meios, drones e etc.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Eduardo
2 meses atrás

Depois que inventaram o RPG, a viatura sobre lagartas se tornou algo pesado, caro e obsoleta.

Bardini
Bardini
Reply to  Eduardo
2 meses atrás

“Depois que inventaram o RPG, a viatura sobre lagartas se tornou algo pesado, caro e obsoleta.”
.
Tá serto…
.
Na invasão do Iraque, em 2003, um Challenger II sobreviveu a mais de 70 disparos de RPG. Pesado, caro e obsoleto, não?
http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/2905817.stm

Agnelo
Agnelo
Reply to  Eduardo
2 meses atrás

Boa noite Eduardo As armas AC são parte de um sistema defensivo. Não substituem um CC. Por mais danos q causem, é incomparável uma formação de MBT lançando fogo sobre um objetivo. Os mísseis AC são mais volumosos, expõe mais a tropa q o emprega e tem menor flexibilidade quanto ao alvo q pode ser selecionado. Cabe salientar, q junto aos Carros disparando, há fogo de Art e Mrt sobre quem usa o sistema AC, o q dificulta sobremaneira seu uso. O sistema AC é o final da defesa AC. Lembrando q enquanto um CC leva dezenas e dezenas de… Read more »

rdx
rdx
2 meses atrás

Aposto que o tal futuro MBT de 40 ton do EB é o Leopard 1 revitalizado. Um pacote de atualização composto por canhão 120 mm, Motor/transmissão do catálogo KMW, recheio eletrônico israelense e blindagem modular.

Wilson
Wilson
Reply to  rdx
2 meses atrás

Pelo que eu li nos requisitos de um novo carro de combate para o EB que foram divulgados este ano consta canhão 105mm obrigatório, peso máximo de 50 toneladas pressão sobre o solo não maior que 1 quilo por centímetro quadrado e blindagem frontal capaz de resistir a um tiro de munição flecha de 120mm a 1000 metros de distância. Com todos os outros itens obrigatórios é quase como se o EB estive-se tentando revitalizar o Osório p1 de 105mm pois ele atingia quase todos os requisitos obrigatórios que o EB lançou, essa é a impressão que eu tive pois… Read more »

paulop
paulop
Reply to  Wilson
2 meses atrás
Wilson
Wilson
Reply to  paulop
2 meses atrás

Este é o meu favorito para vir para o EB, se fosse oferecido.
Provavelmente teria que passar por algumas modificações pela diferença das alturas médias entre um brasileiro e um japonês(que é bem pequena mas ainda considerável, variando entre 0,02 e 0,01 metros) e outros requisitos do EB mas no geral é um CC bem adequado e moderno para as condições de terreno do Brasil.

ALEX TIAGO
Reply to  rdx
2 meses atrás

RDX. Infelimente acredito em algo parecido 105mm talvez com nova moderniação mas ao menos torço por um 120mm menos o L44 rsrs

tomcat4.0
tomcat4.0
Reply to  rdx
2 meses atrás

Ouvi que o EB pretende montar na plataforma de um VBCI o seu MBT leve assim como o foi o TAM modernizado.

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  rdx
2 meses atrás

A modernização destes Le1a5 vai ser bem meia boca, nada de troca de canhão, motor ou recheio eletrônico , vão tentar empurrar ele do jeitão que está para os próximos 15 anos no mínimo.

tomcat4.0
tomcat4.0
Reply to  Plinio Jr
2 meses atrás

Com a adição de um APU .

Satyricon
Satyricon
Reply to  rdx
2 meses atrás

RDX,
Interessante que, tirando o peso, vc acaba de descrever um Merkava

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
2 meses atrás

Sinceramente, depois de ler os comentários aqui, até de pessoas que conhecem e são ou foram de nossa Cavalaria, acho que de todas as necessidades do EB, o CC é a menos urgente. Não que não precisemos pensar no assunto mas, em nosso TO e com nossos vizinhos estamos bem demais. Acho que a Artilharia Antiaérea de média e longa distância, o Projeto Guarani e o Míssil de Cruzeiro/Astros2020 são mais urgentes!!

Cbamaral
Cbamaral
2 meses atrás

Sinceramente, o EB poderia comprar alguns para usar como peças de reposição dos nossos, ouvi dizer que o M60 ainda é ótimo na função de “veículo escola”

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Cbamaral
2 meses atrás

O M60 modernizado, com canhão de 120 mm., motorização nova e novos eletrônicos é uma realidade do mercado. Como não temos conflito potencial contra massas de blindados modernos poderíamos trazer alguns (50) para upgrade e servir na segunda linha. Há claros a preencher.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

Mas se tivéssemos 50 modernizados, eles seriam 1a linha.
Os Leo estão na capa da gaita.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

O Kit da Raytheon prevê canhão de 120 mm. em motor novo de 950 HP. Se mantivermos o velho e bom 105 mm. e reformarmos o motor teremos verba para aditar os novos controles de tiro e comunicações, bem com o mecanismo de giro. Fica de bom tamanho.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
2 meses atrás

Por mim o Brasil deveria pegar a bufunfa lá do Tio Sam para pesquisa e desenvolvimento e fazer um MBT próprio, chama Portugal, África do Sul, Itália ou qualquer outro parceiro e é GG.

Põe um canhão de 120 mm, eletrônica top de linha, metralhadoras, proteção ativa e já era. Deixa o design uma mistura de PL-1 com aquele APC novo dos turcos que esqueci o nome. Já pensei até no nome: MBT 2k30 Samson (Sansão).

_RR_
_RR_
Reply to  Defensor da liberdade
2 meses atrás

Se for com grana americana… mais fácil fornecerem para auxiliar um desenvolvimento do próprio Abrams… Uma alternativa para um desenvolvimento próprio, seria justamente uma plataforma modular, como a CV-90 ( da qual, aliás, deriva o PL-01 polaco ). Só assim, com números gritantes e cobrindo modalidades diversas, é que se poderia pleitear um carro de combate novo por esses tempos. Mas isso é praticamente um devaneio por agora… Um programa que contemple a melhoria dos sensores ( termal/optico ) e controle de tiro do Leo 01 é o que se pode esperar no curto prazo… O mais, vão empurrar até… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Defensor da liberdade
2 meses atrás

isso! pega grana dos EUA, PARA PROJETAR E DESENVOLVER um novo MBT…..Ótimo!! Daí, depois de desenvolvido e testado, pronto para produzir, tira GRANA PARA COMPRAR 200, 300 unidades de ONDE?????

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Dá uma enxugada no quadro e te garanto que sobra money para 300 unidades. Acaba também com o alistamento obrigatório, fica só os bons e realmente interessados em servir.

Tá com medo de perder a mamata é Flanker?

Flanker
Flanker
Reply to  Defensor da liberdade
2 meses atrás

Eu?? Por que?? Nào sou nem nunca fui militar!!! Nem tenho coisa alguma a ver com projeto nilitar nenhum…….só uso meus neurônios….algo que vc parece não fazer, pois não sabe que esse dinheiro dos EUA é para P&D!!!!! E tu quer enxugar quadro de uma hora pra outra? Mandando embora simplesmente? Que “inteligente “! Mas, esperar o que de um sonegador confesso?? VTNC…..usa argumentos….se agredir vai tomar de volta!

Carlos Gallani
Carlos Gallani
2 meses atrás

Já que a discussão descambou para as necessidades do nosso exército já vou cantar, ou vem Abrams ou não vem nada, ficaremos na modernização pois não há grana ainda mais com a ressaca que vira do corona vírus!

Wilson
Wilson
Reply to  Carlos Gallani
2 meses atrás

O M1 Abrams tem uma pressão sobre o solo muito elevada, sendo maior até que a de um Challenger 2. Isso por si só inviabiliza a operação do M1 no Brasil.

Só para ficar claro o M1 tem uma pressão sobre o solo que chega a 1,09 Kg/cm² e a do Challenger 2 é de 1 Kg/cm², o leopard 2 tem uma de 0,83 Kg/cm² sendo inferior a do atual leopard 1a5 do EB. Não adianta querer algo que está disponível mas que não poderia operar adequadamente no Brasil.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Wilson
2 meses atrás

As vezes quem desdenha quer comprar! 😉

Wilson
Wilson
Reply to  Carlos Gallani
2 meses atrás

Não estou desdenhando, estou mostrando dados que precisão ser levados em conta para que um MBT possa operar no Brasil, sendo que a pressão sobre o solo é um dado muito importante pois determina os locais onde o MBT poderá operar. Mesmo o m1 Abrams sendo um dos melhores carros de combate da atualidade é preciso ver se suas características são adequadas para o terreno do Brasil e é nisso que vem o problema, pois dentre os MBTs ocidentais pelo que conheço é o que tem a maior pressão sobre o solo e também o peso acima de 65 toneladas(chegando… Read more »

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Eu não me referi a vc amigo Wilson, me referi ao exército!

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
2 meses atrás

Se eles vão “desmantelar” é pq o equipamento não tem mais condicoes de venda/doacao…só vejo potencial para derreter esse peso morto

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Rafael Oliveira
2 meses atrás

Vão desmantelar porque não atende os padrões da OTAN. Dezenas de países operam M-60, como Turquia, Egito, Grécia e Taiwan. Aqui no Brasil temos especialistas em M-60, e algumas dezenas em dotação. A munição de 105mm. não é de custo elevado.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Rafael Oliveira
2 meses atrás

Rafael, é sabido pelas restantes forças armadas do mundo que, em Portugal, se encontram armazenados quase 100 tanques M60.
Sendo assim, não se trata tanto do estado dos mesmos, que não será assim tão mau, visto terem estado armazenados em condições para eventual reactivação. Serão desmantelado, antes de mais, porque claramente não existe interesse de nenhuma entidade na compra dos mesmos.

_RR_
_RR_
2 meses atrás

Prezados… O M-60, em sua melhor época, poderia ser considerado um carro de características regulares, se muito… Este carro já não é mais adequado as necessidades de qualquer exército moderno. Quem ainda os tem, é por conta de uma necessidade premente de se fazer números em caso de crise. Daí que o País precisa é de um novo MBT, mais atual, para complementar essa massa de Leo 01 que já possuí; para ser a nova ponta de lança de nossa força blindada, assim como foi o próprio M-60 em sua chegada ao País, lá nos anos 90…

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  _RR_
2 meses atrás

RR, não concordo, no seu tempo pleno o m60 contava com inovações que o colocavam como um dos melhores do seu tipo. Segue-se um trecho de um artigo, que resume um pouco a coisa: M60A3 é a evolução do anterior A2, e o A3TTS é por sua vez a modernização do A3. O carro de combate M-60 foi desenvolvido para render os M-48 do Exército Americano, tendo também revelado bastante sucesso no estrangeiro (no total foram entregues mais de 5000). A sigla “TTS” significa “Tank Termal Sight” – Sistema de Visão Térmica, e trata-se de um reforço da versão A3,… Read more »

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Peter nine nine
2 meses atrás

Abrams não pode operar no Brasil? 1,0 Kg/cm2. então não podemos utilizar os tratores de esteira, no Brasil, tb.

gari
gari
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

Não se trata de distribuição do peso no solo, e sim de toda a estrutura logistica, pontes e pranchas.

Wilson
Wilson
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

Isso é um requisito do EB e eles tem suas razões.

Como a pressão sobre o solo do Abrams é semelhante a do Tiger 1, é possível uma pequena comparação nas soluções usadas pelos alemães, sendo uma delas de um tripulante carregar outro nas costas e pular com um pé sobre o terreno para ver se afundava muito, se fosse positivo então o Tiger 1 não podia passar ali.

Esse é só um ponto ostros são peso, dimensões, autonomia, etc.

Gustavo
Gustavo
1 mês atrás

Uma chance do exército brasileiro adquirir mais sucata, se não fosse à situacao gerada pelo coronavírus. Já que nunca vai ter grana mesmo para comprar Leo 2A6.