Home Blindados O novo tanque T-14 Armata é posto à prova na Síria

O novo tanque T-14 Armata é posto à prova na Síria

6286
99
T-14 Armata

O novo T-14 Armata da Rússia foi testado na Síria, de acordo com Denís Mánturov, ministro da Indústria e Comércio, durante uma entrevista com a cadeia russa Rossiya.

Sim, eles estavam na Síria. Os tanques foram enviados para este país para levar em consideração todas as peculiaridades de seu uso em condições de combate”, explicou Mánturov.

No entanto, ele não detalhou em quais atividades os novos tanques blindados participaram, mas explicou que os testes realizados na Síria ajudarão a formar uma “imagem final” dos tanques.

Ele também explicou que o alto custo do T-14 Armata se deve ao seu design avançado e aos testes contínuos que estão sendo realizados nele. Além disso, a partir das informações coletadas, o tanque passou por modificações que aumentaram o custo do tanque. Mas, segundo o ministro, à medida que a produção aumenta, o preço por unidade diminuirá.

A introdução dos T-14 no Exército Russo deve ocorrer em 2021 e logo depois disso começará a exportação do T-14 Armata para compradores interessados.

O tanque T-14 Armata é o primeiro tanque de terceira geração do mundo, e uma de suas principais características é que a tripulação está em uma cápsula blindada que fornece proteção máxima. Outra novidade é que ninguém fica na torre e é operado remotamente.

FONTE: zona-militar.com

Subscribe
Notify of
guest
99 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Filipe
Victor Filipe
2 meses atrás

Mesmo que ele não tenha visto combate. (eu não acho que teria… se tivesse visto acho que já estaria rolando imagens por lá todo mundo tem uma câmera igual como aconteceu com os Su-57) o envio dos blindados para síria serviu ao menos para averiguar o desempenho do veiculo em um ambiente desértico, seco e cheio de poeira como aquele pais.

é um bom local para averiguar isso.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

No caso da Síria, as maiores perdas de blindados se deram dentro das cidades.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Marcos10
2 meses atrás

O que de certa forma caracteriza perda por mau uso. Você enfia um CC em um lugar de combate de curta distancia, a elevação do cano restringe sua efetividade, expõe o topo do carro ao ataque, brota RPG de qualquer janela, etc.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  paddy mayne
2 meses atrás

Nem é um problema em si se colocar blindados em cidades se você souber como fazer isso. Um blindado dentro de uma cidade seja Leopard 2A7+, Challenger 2, Abrams M1A2 Sepv3, T-90M ou mesmo o Armata fica extremamente dependente de suporte de infantaria. eles precisam avançar em conjunto com a infantaria limpando possíveis locais de emboscada. ou passando a localização deles para o CC que afinal, pode atira através de umas 4 casas e acertar o local numa boa… Agora coloca qualquer um desses em uma cidade sozinhos e todos eles vão ser destruídos, mesmo CCs com sistema Hark Kill… Read more »

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Você falou tudo: apoio de infantaria. Os videos de combates urbanos da Síria mostram os CC entrando solitários (ou com outro CC, o que não ajuda muito) e sendo alvos relativamente fáceis de emboscadas.

Pedro
Pedro
Reply to  paddy mayne
2 meses atrás

Mas foi o local de 70% a 80% dos combates nessa guerra. Os terroristas evitaram o conflito todo combater em locais pouco habitados ou abertos, fazendo da populaçao civil sua refem e escudo. Agora um fato importante, é que um % elevado de atrito e perda de hardware (carros de combate e outros blindados) se deu por problemas logisticos e mecanicos, onde o veiculo ia ao combate e no meio do caminho um problema mecanico o fazia ficar ali. Houve casos de veiculos mudarem de maos 4 a 5 vezes por nao terem a devida manutençao. Nessas horas que ter… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Marcos10
2 meses atrás

Isso não é novidade. Blindados sempre se deram mal em combate urbano.

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Veículos blindados na cidade agirão de maneira bastante adequada se aplicados corretamente.

Wilson
Wilson
Reply to  Evgeniy (RF).
2 meses atrás

Um exemplo disso foi o uso dos ee-9 cascavel contra o ISIS, acho que foi na Líbia, onde eles operavam como apoio de fogo para a infantaria, não avançavam sem infantaria e usavam sua mobilidade para flanquear posições bem defendidas.

nonato
nonato
Reply to  Wilson
2 meses atrás

E como a infantaria ia se proteger?
Se a infantaria protege blindados, então qual a utilidade deles?
Tanques de guerra são justamente para realizar o trabalho que a infantaria não pode fazer.
Um armata desses ai seria facilmente destruído na Síria.

Wilson
Wilson
Reply to  nonato
2 meses atrás

Já ouviu falar em armas combinadas?

Um apoia o outro e assim ambos saem vencendo.

Agnelo
Agnelo
Reply to  nonato
2 meses atrás

nonato. Em ambiente urbano, a infantaria progride até mesmo por dentro das casas, por entre as ruínas etc. Em alguns casos, podem progredir atrás dos CC,mas posicionam-se de forma a ter setores de tiro pros lados, atrás, cima e frente, também protegendo os CC. Cabe salientar, q as frações de Infantaria tem armas de tiro curvo em todos os níveis, podendo “bater” locais onde atiradores de Armas AC podem se posicionar. Também podem lançar granadas fumígenas q impedem as Armas AC de mirar e controlar seus tiros. Os CC dão apoio de fogo e, por vezes, proteção blindada, utilizam seus… Read more »

Hermes
Hermes
Reply to  nonato
2 meses atrás

Procure vídeos no YouTube sobre o duelo de tanques ocorrido perto da Catedral de Colônia ao final da II GM onde um Pershing americano destrói um Pantera alemão. Dá para ver claramente o tempo todo a infantaria americana operando junto e se comunicando com os tripulantes dos blindados.

Marcos Alexandre Queiroz
Reply to  nonato
2 meses atrás

CC SEM A DEVIDA PROTEÇÃO DA INFANTARIA É CAIXÃO E VELA PRETA.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
2 meses atrás

O Armata é a concretização de quase tudo q se almeja para um futuro mbt q resista ao ambiente de um TO da atualidade frente aos mbts e aos meios atgm da atualidade conservando ao máximo a vida de sua tripulação.

Victor Filipe
Victor Filipe
2 meses atrás

Outro fator que contribui para o envio dele para teste no ambiente a síria e não teste em combate é que não existem adversários a altura dele na síria. Se não me engano os MBTs mais avançados que os rebeldes conseguiram por a mão foi em Abrams M1A1 antigos e T-90A dos primeiros modelos… salvo engano também todos os que foram pegos já foram destruídos ou recuperados… “Ah mas da pra testar contra RPGs e ATMGs…” ele não precisa ir pra síria pra isso. os testes poderiam muito bem serem feitos na Russia. tenho quase certeza que o envio foi… Read more »

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Certamente. É mais um teste de endurance do que de combate simétrico.

Drews
Drews
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Recado à Turquia, contra os Leo2A4 e M60.

Brunow
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Rebeldes pró Turcos chegaram a operar Leopard e atualmente operam um número de M60T Sabra, T-72, T-55/62..
Mas dificilmente o T-14 apareceu na frente de Idlib, provavelmente atuou em uma área mais “morna” e a noite, por isso ninguém viu, mas agora que admitiram vão surgir fotos…
Testar em regiões deserticas nem tanto, pois a Rússia possui estas regiões, ou podiam levar para seus vizinhos da Ásia central…

Pedro
Pedro
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Um dos principais interessados no mercado internacional, é o Egito, o Qatar e a Arabia Saudita. Certamente esse veiculo deve ter testes nesse tipo de terreno e clima, para evitar os problemas que os Sirios e Egipcios tiveram a 50 anos atras com os primeiros tanques sovieticos, que nao tinham ar condicionado, o cooler do motor sobre aquecia com a areia e por ai vai.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Mas mandando para à Síria os russos podem atrair a atenção de seus clientes na região, Egito, Qatar, alguns da África, a India, etc.

nonato
nonato
Reply to  Defensor da liberdade
2 meses atrás

De preferência, longe dos grupos antigoverno.
Vai que destroem o protótipo, quem iria querer comprar?

Hermes
Hermes
Reply to  nonato
2 meses atrás

Depende, se for destruído, mas resistir a muitos impactos antes a propaganda não é tão ruim.

Caio
Caio
2 meses atrás

Quero ver o trem em locais tensos, nos mesmos onde.dizem o leopard2 não teria conseguido boa reputação.
É o momento da velha prova dos nove.

Bardini
Bardini
Reply to  Caio
2 meses atrás

Esse blindado, operando nas mesmas condições burras que os turcos impuseram aos seus ultrapassados Leopard 2A4, proporcionaria melhores resultados.
É um blindado muito melhor equipado para lidar contra ATGMs, seja de forma passiva, seja de forma ativa.
.
Qual a proteção que esse 2A4 tem, para barrar ATGMs?
.
https://pbs.twimg.com/media/C4opAmDWEAAfP7V?format=jpg&name=medium

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Esse 2a4 não tem proteção nenhuma (pelo menos os turcos) contra ATGMs mais modernos. Os poloneses já estão modernizandos os seus, face a introdução dos novos tanques russos, estão colocando mais uma camada modular de blindagem.
https://tecnodefesa.com.br/exercito-polones-modernizara-todos-os-seus-leopard-2a4/

Bardini
Bardini
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

Existem diferentes versões de proteção para os Leopard… . Os Strv 122 por exemplo (Leopard 2E, 2HEL também empregam), empregam kit de proteção no casco e também no teto da torre. . O Leopard 2SG vai além em termos de proteção passiva. É um monstro. . A blindagem na parte frontal do casco, visa mitigar justamente a ação de ATGMs e alguns outros tipos de munições, pois dentro do casco do Leopard 2 são armazenados muitas munições. Os Turcos tiveram um Leopard que estava moscando atingido no casco e o blindado explodiu, pois o compartimento interno de munições foi atingido.… Read more »

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Essa versão do Leopard, o Strv 122 creio eu que seja a mais blindada de todas as versões, eles colocaram blindagem até no casco, a versão de modernização polonesa que citei só vai aumentar a blindagem na torre, para não aumentar tanto o peso. Seria um sonho o EB adquirir essa versão sueca. Mas dentro de nossas possibilidades eu estudaria fazer com os Leos 1a5, o que os canadenses fizeram com os deles, adicionaram blindagens, ficou bem parrudo o Leopard C1, faria isso em alguns e os mais antigos eu daria baixa e compraria novos Leopards, para seguir a doutrina… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

Ficaria muito caro…

nunes
nunes
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Caro Bardini o que vc faria para modernizar o Léo 1A5 ? E que tanque realmente poderia substituir os atuais considerando as restrições de grana hoje. Valeu

Cristiano de Aquino Camposkv
Cristiano de Aquino Camposkv
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

Acho eu que qualquer investimento em melhoria da proteção dos blindados deve ser em sistemas ativos. Ainda mais no caso de vaiculos mais antigos, pois aumenta a proteção sem muito ganho de peso.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Bardini
2 meses atrás

é possível dizer que qualquer blindado sendo colocado na mão dos turcos para operar dessa maneira teria uma vida ingrata.

Eles chegavam ao cumulo da burrice de manter um CC parado no alto de um morro em campo aberto até ele tomar um míssil…

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Tá na página 2-7 do nosso Caderno de Instrução do Pelotão de Exploradores (CI 17-11).
comment image

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Victor Filipe
2 meses atrás

Que leva a isso:

Camadas da capacidade de sobrevivência.
comment image?w=768

Wilson
Wilson
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Não tão melhores, no máximo durariam um pouco mais. O que duvido já que a lateral de qualquer mbt não suporta o impacto de um atgm, sem falar que naquelas condições não há mbt que sobreviva.

Se o atgm tivesse acertado o leo 2 na blindagem frontal, não teria acontecido nada com o leopard 2a4.

Matheus
Matheus
2 meses atrás

Se tivesse entrado em combate, já teríamos dezenas de vídeos de ambos os lados.
É a mesma coisa quando testaram o “Terminator” teve até fotos dele perto do front, mas nenhum vídeo do mesmo em combate.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
2 meses atrás

Eita🤔🤔😮😮‼️ Ou pode ser o momento de glória do MBT ou é a possibilidade de ter a imagem arranhada…

BATISMO DE FOGO🤔‼️

Adriano Madureira
Adriano Madureira
2 meses atrás

Será que enviaram com ele o BMPT T-15 ARMATA para sua protecao🤔❓

Heinz Guderian
Heinz Guderian
2 meses atrás

Esse Blindado na teoria é uma verdadeira obra de arte, os russos são dignos de estarem no topo no quesito MBTs, seguido pelos alemães, mas não acredito que eles tenham entrado em combate,se não já teria fotos pela WEB, ou será que o bicho é tão brabo que ele entrou em combate e não sobrou ninguém para contar história? Acho difícil.

Tadeu Mendes
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

General Guderian,

Os russos estão no tôpo do quesito MBTs.?

Durante a Guerra dos Seis Dias, e depois na Guerra do Yom Kippur, os MBTs. dos egípcios, dos jordanianos, dos iraquianos e dos sírios eram tôdos de origem russa

Israel fêz um estrago considerável has Divisões blindadas dos árabes. Se não me engano, o tanque mais avançado que a IDF usou foram os M-40 americanos.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Tadeu Mendes
2 meses atrás

Olá caro Tadeu, na minha humilde opinião eles estão sim no tôpo nesse quesito, dado como eles conseguem colocar tudo que um MBT moderno precisa e ainda serem relativamente leves em decorrência dos seus adversários, fora as inovações tecnológicas que eles têm em seus tanques, bem como o número de exportações que superam qualquer nação do mundo. Sobre Israel ter feito estrago considerável é verdade, mas isso vai muito além do “MBT” a doutrina e treinamento conta muito nesses combates, é a mesma coisa que eu falar que os blindados americanos são ruins porque estão sendo trucidados no Yemên por… Read more »

Tadeu Mendes
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

Caro Guderian,

Obrigado pêla explicação.

Tadeu Mendes
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

Caro Heinz Guderian,

Será que o Armata sobreviveria ao disparo de um Hellfire.?

Matheus Augusto
Matheus Augusto
Reply to  Tadeu Mendes
2 meses atrás

As derrotas árabes nas mãos dos Israelenses se deram principalmente pelo treinamento e doutrina superiores dos Judeus, bem como uma estrutura de comando e controle muito menos centralizada e menos dependente dos escalões mais altos, bem como a péssima prática árabe de colocar incompetentes em posições de comando por questões de comando. Nada disso foi pelo equipamento usado ser russo, tanto que os Jordanianos usavam equipamento ocidental e tomaram um pau de Israel do mesmo jeito, na verdade muitas especialistas, mesmo ocidentais, afirmam que em certas áreas, como na defesa antiaérea e armas antitanque, as armas soviéticas árabes eram melhores… Read more »

Matheus Augusto
Matheus Augusto
Reply to  Tadeu Mendes
2 meses atrás

Na guerra do Yom Kippur, Israel usava os chieftan britânicos, e recebeu muitos M-48 e M-60 dos EUA, não ficaram assim tão desamparados.

Wilson
Wilson
Reply to  Matheus Augusto
2 meses atrás

Israel nunca operou o chieftan, eles usavam o centurion além dos m48 e m60 e m50 supershermans.

Matheus Augusto
Matheus Augusto
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Verdade, confundi Centurion com Chieftan, obrigado pela correção.

Wilson
Wilson
Reply to  Matheus Augusto
2 meses atrás

Disponha.
Um detalhe curioso é que Israel tentou comprar o chieftan, mas não conseguiu por causa da pressão dos árabes e então para contornar a situação criaram o merkava.

Tadeu Mendes
Reply to  Matheus Augusto
2 meses atrás

Matheus,

Me parece que Israel lutou com menos de quinhentos tanques, contra quase três mil MBTs. árabes na guerra do You Kippur.

Matheus Augusto
Matheus Augusto
Reply to  Tadeu Mendes
2 meses atrás

Meu caro Tadeu, pelo que eu pesquisei foram cerca de aproximadamente 1700 tanques israelis contra cerca de 3700 tanques árabes, de fato uma vantagem grande por parte dos árabes, mas não na proporção que você sugere.

Tadeu Mendes
Reply to  Matheus Augusto
2 meses atrás

Caro Matheus,

Obrigado pêlo esclarecimento.. Seria correto concluir que a razão foi 4 po1 ?

Sub não sabia que Israel possuia 1700 MBTs. Durante a guerra do Yon Kippur.

Tiger777
Tiger777
Reply to  Tadeu Mendes
2 meses atrás

Tadeu e Matheus, demais amigos.
Tem este interessante documentário, sobre o combate de tanques, na Guerra do YK.
https://youtu.be/14CKpnyQieg

Foxtrot
Foxtrot
2 meses atrás

Interessantíssimo como os Russos estão automatizando as torres de seus tanques.
Uma torre automática tem boas vantagens sobre as habitadas.
Outro fator interessante é o casulo blindado para os operadores.
Sem falar no fato que até banheiro interno esse veículo possui, segundo periódicos especializados.
Enquanto isso o EB está estudando a produção local do “alvo móvel” denominado Leo2, que se mostrou ineficiente perante aos T-90 e 92 Russos.
Cada coisa viu !

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Olha os requisitos do EB e compara com o leo2 para ver se ele cumpre todos eles? Mas já vou dizer que não, ele não cumpre, na verdade acho que nenhum mbt cumpre eles.

Sobre essa história de alvo móvel, mesmo se fosse o t-14 teria ocorrido o mesmo pois nenhum mbt é feito para operar sem apoio e sem conhecimento do terreno.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Quando e onde houve enfrentamento entre Leopard 2 e T-90 ou T-72?

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Sim, uma torre automática tem grandes vantagens, porém não sendo tripulada, qualquer incidente de tiro pode resultar na incapacitação do armamento até que possa passar por manutenção. Novo, limpo e ajustado ok, resta saber como se comporta em campo, cheio de carbonização por disparos e desgaste pelo uso.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Marcos R.
2 meses atrás

Como tudo no mundo nada é 100% perfeito caro Marcos.
O mesmo pode acontecer com uma torre tripulada, pois se atingida e o operador morto, o tempo para novo operador, conserto, limpeza etc seria igual ou até maior.
O bom da torre não tripulada d reabastecimento automático se traduz na melhora da cadência de tiro , precisão, menos desgaste do operador, maior tempo de operação etc.

Pedro
Pedro
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Esse é o popular trade off que temos em logistica. Sempre um bonus traz um onus. O que fico matutando se é ou não possivel nessas torres automatizadas é hackear elas com um virus. Nao somente elas, mas tudo hj esta muito automatizado e estamos tendo conhecimento que alguns carros estao sendo hackeados. Esse é o grande ponto de duvida, em minha visao, sobre o atual nivel automatizado em equipamentos militares.

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

O que você apontou como vantagens das torres não tripuladas, não são realmente corretas. Carregamento automático não melhora realmente a cadência de tiro(esse é um tema controverso, e bem controverso), o que ele faz é diminuir o numero de tripulantes e aumentar os gastos de manutenção, Precisão é determinada pelos sistemas de tiro embarcados e pelo treinamento do atirador que é quem opera a torre do mesmo jeito se fosse tripulada e o maior tempo de operação depende muito da manutenção recebida e condições de operação. Isso varia de equipamento para equipamento e dependendo da situação pode ser uma vantagem… Read more »

Pedro
Pedro
2 meses atrás

Estao testando ele para evitar que seja necessario varios “recalls” ao melhor exemplo da industria automobilistica, a qual é alem de diminuir o uso e satisfaçao de quem compra, um custo a mais para quem tem que corrigir um erro de projeto. Um veiculo desse porte e custo certamente tem que, alem de capacidade de defesa e ataque, deve ter um bom desempenho de locomoçao. Ninguem quer ver seu caro ativo na mesma situaçao que os Chieftain na batalha de Dezful em 1981 na guerra ira-iraque, rastejando literalmente e levando tiro de todos os lados, incapaz de se defender.

ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
2 meses atrás

Uma pergunta aos conhecedores do assunto: como sairia o MBT do EB hoje disponível em um cenário de guerra convencional e de guerra assimétrica (considerando o uso de RPGs pelos insurgentes). Pergunto considerando o cenário da AL, claro.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
2 meses atrás

A Ferrari dos tanques, a gente pode ficar com ele? 🤤

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Defensor da liberdade
2 meses atrás

Acredito q mesmo sendo está Ferrari ainda vai custar mais barato q o Leo2A7 . A manutenção já não se pode dizer muita coisa mas, o pós venda russo q foi ruim no caso de nossos Sabres (mi-35) não creio q tenha sido ruim pra outros cliente q adiquiriram muitos produtos e tals.

Carlos Campos
Carlos Campos
2 meses atrás

Bom no papel é perfeito, os russos sabem fazer MBT, bora ver se ele vai continuar dando prestígio a industria de MBT da rússia.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Fiquemos de olho nesses testes senhores, o futuro CC brasileiro pode se beneficiar dessa experiência.

Cristiano de Aquino Camposkv
Cristiano de Aquino Camposkv
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

O nosso futuro MBT esta mais para CV-90 do que para o T-14.

Wilson
Wilson
Reply to  Cristiano de Aquino Camposkv
2 meses atrás

Ele virá apenas nos anos 2030 e o mais provável é que seja criado um mbt aqui mesmo, possivelmente pela KMW. O que teremos por hora será uma modernização do leopard 1a5 (possivelmente só a eletrônica).

Não adianta bater o martelo agora que tem muito chão pela frente.

ted
ted
Reply to  Wilson
2 meses atrás

nada de comprar mbt. e sim 4000 sistemas anti tanque.

Wilson
Wilson
Reply to  ted
2 meses atrás

Eles não anulam a necessidade de um mbt moderno.
Uma arma anti tanque é uma arma defensiva e de uso limitado, já um mbt pode ser tanto defensivo como ofensivo, além de prover apoio de fogo eficaz para a infantaria.

Abandonar os mbt é voltar a guerra de trincheiras de 1915-1918.(sem falar que 4000 sistemas é caro demais para o orçamento do EB).

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

toca procurar no youtube as emboscadas. Se é que o meninão irá andar nas zonas quentes do conflito.

João Gabriel
João Gabriel
2 meses atrás

Vai trombar com o Merkava e virar lata retorcida.

Cristiano de Aquino Camposkv
Cristiano de Aquino Camposkv
Reply to  João Gabriel
2 meses atrás

O merkava e um projeto de geração anterior, e o mesmo que dizer que num confronto entre um F-16 e um F-35 o F-35 perderia.

Wilson
Wilson
Reply to  Cristiano de Aquino Camposkv
2 meses atrás

Se migs-17 derrotaram f-4 no Vietnam, não duvido de nada. Com doutrina e treinamento o impossível pode acontecer.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Os russos estão aproveitando bem a guerra na Síria para testar e aperfeiçoar as suas armas mais novas.

Cristiano de Aquino Camposkv
Cristiano de Aquino Camposkv
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Todas as potências fazem isso.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás
Pedro
Pedro
2 meses atrás

off topic. Sei que a fonte é uma das piores (junto com a CNN da vida), mas nao deixa de ser intrigante e interessante isso.

https://br.sputniknews.com/defesa/2020041915474349-eua-usam-sistema-russo-pantsir-para-proteger-base-militar-iraque-midia-foto/

carcara_br
carcara_br
Reply to  Pedro
2 meses atrás

Deve ter funcionado mesmo contra o tomahawk rsrsrs.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Pedro
2 meses atrás

Isso porque o sistema é “ruim” né ?! 😉

José Luiz
José Luiz
2 meses atrás

Existe um limite em termos de custos, creio que se esta gastando em demasia e criando verdadeiros monstros em busca de uma invulnerabilidade que nunca é alcançada. Estes carros estão custando mais de dez milhões de dólares a unidade e talvez até mais de 20 milhões cada um. E qualquer um deles pode atolar em um córrego e aí são 70 toneladas para guinchar, podem ficar parados por causa de uma esteira partida em meio ao fogo inimigo, podem despencar de um pontilhão, são inúmeros os acidentes que podem ocorrer, são verdadeiros dinossauros para levar para a linha de frente.… Read more »

Wilson
Wilson
Reply to  José Luiz
2 meses atrás

Recentemente eu conheci duas correntes de pensamento que ditam o desenvolvimento dos MBTs atualmente, ambas são dos anos 80. A primeira é o que você disse de criar monstros invulneráveis, só que eles são assim pois visam uma guerra convencional de grandes proporções e para isso carregam as maiores armas e as blindagens mais espessa possível. A segunda visa algo bem mais diferente, um MBT de até umas 50 toneladas com o maior armamento possível e blindagem frontal suficiente para deter qualquer arma antitanque existente, é esse o conceito que o EB adotou. A principal diferença entre eles é que… Read more »

Tadeu Mendes
2 meses atrás

Durante as duas guerras no Iraque, os blindados de Saddam Hussein, foram danificados oh destruidos pêlos A-10 e pêlos Hellfire missiles disparado dos Apaches.

Será que o Armata sobreviveria a um ataque de misseís Hellfire?

natan
natan
Reply to  Tadeu Mendes
2 meses atrás

Se vier dos lados, talvez a proteção ativa dê conta. Se vier de cima, não sei.

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
Reply to  Tadeu Mendes
2 meses atrás

Pergunta, algum MBT sobreviveria?

Wellington
Wellington
2 meses atrás

“Mas, segundo o ministro, à medida que a produção aumenta, o preço por unidade diminuirá.”

Marx se revirando no túmulo. Kkkk.

Antunes 1980
Antunes 1980
2 meses atrás

Só vou acreditar quando aparecer uma imagem, igual a dos SU-57 (fake stealth).

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Antunes 1980
2 meses atrás

O que acontece com os MBT é muito semelhante com a historia dos encouraçados. Chegamos a um ponto do desenvolvimento de ATGM que os CC tornaram-se imensos e inviáveis de operar. Teremos que retroceder mara os CC médios e aero transportáveis. No moderno TO, mobilidade e velocidade são os mais importantes atributos dos blindados.

Alexandre Esteves
Alexandre Esteves
2 meses atrás

Os russos mudaram a nomenclatura dos seus blindados? T-72, T-90, agora … T-14? Com a palavra os peritos.

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Alexandre Esteves
2 meses atrás

O século XXI chegou.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Evgeniy (RF).
2 meses atrás

Os russos designam seus tanques pelo ano de aceitação pelo exercito. Assim o T-90 foi aceito no ano de 1990, etc…Podem colocar letras como o C ou K para indicar modelo comercial, para exportação. Ou M de modernizado. Exemplo: T-90 MC. Tanque aceito em 1990, modernizado, modelo de exportação. Abço.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

Valeu pela explicação Luiz!!!

Nilson
Nilson
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

Muito obrigado, Luiz. Mas fiquei com uma dúvida, será que desde 1934 já existia o T-34 e os alemães não se preparam para enfrentá-lo. Ou o subestimaram??

ScudB
ScudB
Reply to  Nilson
2 meses atrás

Amigo Nilson! T-34 na sua forma final foi “aceito” (com bastante pessimismo) somente em 1941 com encomenda de poucas unidades (como alternativa de T-50 que estava seriamente atrasado). No momento de inicio de guerra os soviéticos estavam com 824 unidades de T-34 na região fronteiriça (junto com 463 KV). E sim , os alemães “não se preparam para enfrentá-los” pois principal armamento AT de Wehrmacht – 37mm Pak35/36 – foi inútil contra blindagem de T-34 e KV. OBS: nomenclatura dos equipamentos soviéticos “ligada” com ano de aceitação é mais um mito ou confusão de desinformação do que a regra. Vide… Read more »

Nilson
Nilson
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Obrigado, Scud. Aliás, fazendo comparação com o que foi comentado acima (Yom Kippur), parece-me que na operação Barbarossa os alemães foram os israelenses e os russos os árabes, esses com mais gente e alguns equipamentos mais poderosos, mas com táticas muito inferiores.

ScudB
ScudB
Reply to  Nilson
2 meses atrás

Diria que esta tese tem sua parte da razão. As doutrinas soviéticas eram meio que no estilo “ataque de cavalaria” sem olhar pra tras. Faltava meios de comunicação e interação com infantaria. A outra causa das perdas nos primeiros meses foi a logística : muitos dos CC estavam desabastecidos e sem munição. Como resultado nos primeiros 6 meses USSR perdeu 2300 (mais de 75%!) tanques médios. E uma boa parte ainda estava nos galpões ou parques quando alemães chegaram. Muitos deles foram perdidos nos “ataques suicidas” (como tampões táticos) para dar o tempo para recuada das divisões de infantaria ,… Read more »

Alexandre Esteves
Alexandre Esteves
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

Obrigado pela explicação, Luiz Floriano!!!:)

paulo
paulo
2 meses atrás

vão-se os anéis, ficam os dedos… para novos anéis! não importa o século, não importa as motivações, sempre precisamos de uma nova Guernica.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
2 meses atrás

Sobre o Armata T-14 ainda é cedo para saber das suas virtudes, quanto a ser exportado os candidatos deve se preparar para botar a mão no orçamento, e ai a lista de compradores vai ficar muito seleto,
A RF tem o T-15 que é mais apropriado para combate urbano, junto com apoio da infantaria ( a rainha da armas )faria mais sentido o emprego deste CC ao invés do T-14.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Nilton L Junior
2 meses atrás

Amigos debatedores. Copio publicação de nomenclaturas russas para as suas conclusões. Regardless of the design bureau and the plant where the machine was designed and produced, there is a universal symbol “T,” which means “tank”. Then comes the year when the machine was ready to be handed over to the troops. The T-72 tank entered service in 1973, the T-64 and T-62 in the early 1960s. Before entering military service, the armoured vehicles are called “objects”, with an added factory index. So the latest Russian tank “Armata” still carries the name “object 148.” However, after being assigned to the armed… Read more »