Home Blindados O veículo blindado Engesa EE-9 Cascavel no Iraque

O veículo blindado Engesa EE-9 Cascavel no Iraque

5489
87
Um blindado iraquiano EE-9 Cascavel, danificado em batalha, enterrado na areia ao norte da Arábia Saudita durante a Operação Tempestade no Deserto, em 1991

Durante a Guerra Irã-Iraque, os EE-9 Cascavel foram operados por guarnições iraquianas perto do Golfo Pérsico. Os carros blindados eram capazes de superar os tanques iranianos mais pesados e veículos de combate sobre lagartas em um terreno relativamente plano e arenoso perto da região costeira.

Os ataques aéreos da coalizão destruíram vários EE-9 no norte da Cidade do Kuwait na Operação Tempestade no Deserto.

Após a invasão do Iraque em 2003, a frota de EE-9 sobrevivente virou sucata; no entanto, o pessoal técnico americano restabeleceu 35 unidades em funcionamento em 2008 e apresentou-os ao Novo Exército Iraquiano.

Os EE-9 modificados localmente foram reformados pelas milícias iraquianas das Forças de Mobilização Popular, com alguns tendo seus canhões de 90 mm substituídos ou suplementados por metralhadoras DShk ou ZPU, foguetes tipo 107 de 107 mm ou um canhão 2A28 Grom. Eles foram usados contra as forças do Estado Islâmico.

O Iraque recebeu um total de 232 veículos EE-9.

EE-9 Cascavel da 4ª Brigada da 9ª Divisão do Exército Iraquiano, em 2008
Subscribe
Notify of
guest
87 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
27 dias atrás

Esse trabalho nos EE-9 poderia ter sido feito por empresas brasileiras, mas para variar perdemos a oportunidade.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Diego Tarses Cardoso
27 dias atrás

Não tem lógica amigo, quem fez foi os EUA e se eles podem fazer por conta própria, porque iriamos nos chamar?

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  DOUGLAS TARGINO
27 dias atrás

Um dos “espólios” que o ganhador da guerra moderna explora né ? Uma certa exclusividade no fornecimento de produtos e serviços para a reconstrução do país perdedor… rs

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Alfredo Araujo
27 dias atrás

Isso mesmo, “Ai dos vencidos”.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  DOUGLAS TARGINO
27 dias atrás

Concordo Douglas, só expressei uma ideia de que esses trabalhos de restauração, manutenção e modernização o Brasil (as empresas brasileiras) poderia ter acesso se ele se empenha-se mais.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Diego Tarses Cardoso
27 dias atrás

Fale mais sobre isso ! kkkkkkkk
Diga QUANDO que os americanos fizeram a “licitação” para a reforma dessas viaturas… e diga o porque os brasileiros não participaram da mesma… rsrs

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Diego Tarses Cardoso
27 dias atrás

Eles não foram até la ganhar uma guerra para depois repassar contratos pros outros. E convenhamos que o trabalho de engenharia mecânica de consertar / aprimorar um cascavel é bem primário. Quem já serviu nos CMecs sabe que o Cascavel, apesar de suas qualidades, é pouco mais que um trator blindado com um canhão…

IBIZ
IBIZ
27 dias atrás

Lembrei agora do MBT Osorio. A venda pra pros Sauditas (ao qual a sobrevivência do projeto dependia na época) foi um fracasso, mas pq não foi possível vender o MBT brasileiro pra outras países da região como o Iraque na época?

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  IBIZ
27 dias atrás

O mercado de CCB, principalmente o árabe, era largamente suprido pelos soviéticos… Os conflitos contra israel, entre outros fatores, fez com que esses países orbitassem sob a esfera soviética.
.
Particularmente sobre o Iraque… Um dos motivos da derrocada da Engesa, entre outros, foi um calote de +- 200 milhões de USD, dado pelo governo iraquiano.

Marcos10
Marcos10
Reply to  IBIZ
26 dias atrás

Porque nem mesmo o Brasil comprou. Simples assim.

Elcimar Menassa
Elcimar Menassa
Reply to  Marcos10
26 dias atrás

não comprou porque foi um carro elaborado pro contrato com a arabia,tinha tudo em equipamentos estrangeiros,salvo o chassi nacional. isso pesou na avaliação do EB

Mgtow
Mgtow
Reply to  IBIZ
24 dias atrás

O Osorio foi sabotado pelo pais que mais prejudicou o Brasil em seus projetos. Sabe qual pais é né?
Mas ainda sim ha um monte de vendilhões da patria que morre de amores pela ave de Rapina do norte.

João Gabriel
João Gabriel
Reply to  Mgtow
22 dias atrás

Que patriotada! Quem sabotou o Osório foi a própria Engesa, que era mal administrada, tinha greves toda hora e tava com o caixa no vermelho. Deram um salto maior que as pernas entrando num mercado que não conheciam e dançaram. Se tivessem se concentrado em fazer aquilo que sabiam fazer de melhor, ou seja, caminhões, utilitários leves e blindados sobre rodas, talvez não teriam falido.

João Gabriel
João Gabriel
Reply to  IBIZ
22 dias atrás

Como os sauditas comprariam um MBT de um país com a economia ferrada, a Engesa quase falindo, greves toda hora? Isso são fatores observados por um possível cliente. Como você vai fazer um contrato com uma empresa que você sabe que está a beira da falência e cujo os funcionários volta e meia fazem greve? O suposto interesse pelo Osório foi apenas uma forma de pressão para os EUA venderem o Abrams que não era liberado pra venda nem para os aliados mais fiéis como Israel.

Antunes 1980
Antunes 1980
27 dias atrás

Um tanque EE-09 Cascavel em frente ao edifício da Suprema Corte da Colômbia durante combates contra a guerrilha do M-19 em 1985
comment image

Fabio Araujo
Fabio Araujo
27 dias atrás

É um bom blindado leve e que ainda mostra sua qualidade nos conflitos no Oriente Médio!

Heinz Guderian
Heinz Guderian
27 dias atrás

Blindado muito rápido, com um bom poder de fogo, ideal para suporte de infantaria e reconhecimento, imagina com um kit de proteção ativa uns dois mísseis anti-carro, ficaria brabo ein.

Bardini
Bardini
Reply to  Heinz Guderian
27 dias atrás

O Cascavel sempre foi e continua sendo um blindado de reconhecimento CEGO. Kit de proteção ativa pra que? Um kit desses é mais caro que a porcaria do blindado inteiro! . O que mais importa nesse blindado para missão de reconhecimento, são os sensores, que e ele NÃO TEM. Isso aí não tem sequer capacidade de operar direito a noite em um conflito! O Canhão é totalmente ultrapassado. Além do desempenho, é tudo feito no olho, no braço e no achismo. Hoje só serve pra apoio de fogo a infantaria, pq qualquer coisa que faça pow-pow, serve de apoio. .… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
26 dias atrás

Mestre Bardini,

Qualquer equipamento de 40 anos atras sem atualização é obsoleto pelas inovações, mas “porcaria” esta longe disto. Se roda e bem, se é empregado e bem, se pode ser atualizado e bem, é porque sua concepção foi em muito acertada.

Então, seria tão justo alguem definir diante de tantos produtos novos e disponiveis, que tambem sao porcaria, pois se fossem bons, todo mundo ja teria comprado.

Nem ao Sol nem a Terra…

Bardini
Bardini
Reply to  Carvalho2008
26 dias atrás

“Qualquer equipamento de 40 anos atras sem atualização é obsoleto pelas inovações” . Mas não mesmo… O Cascavel já nasceu obsoleto e sem capacidade alguma de sobreviver tecnologicamente a ação do tempo. É puramente uma porcaria de M8 com roupagem nacional. São o mesmo bagaço. . “Se roda e bem, se é empregado e bem, se pode ser atualizado e bem, é porque sua concepção foi em muito acertada.” . Qualquer porcaria pode rodar bem. Isso não é mérito pra nada, ainda mais se isso for um caminhão blindado. . Ser bem empregado? Olha pra essa foto que você postou:… Read more »

RicardoDunstan
RicardoDunstan
Reply to  Bardini
26 dias atrás

Mas eles são bonitinhos…
uma verdade muito bem dita, servem para atirar em apoio a infantaria, só e nada mais.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
25 dias atrás

Venceu MBTs na Libia e foi obsoleto?

Venceu MBTs na guerra Irã e Iraqui e era obsoleto?

Não compartilho mesmo com esta opinião

Nao posso cobrar que um veiculo de reconhecimento e apoio de infantaria seja melhor que um MBT

A solução de tiro estava atualizada e muito bem nos anos 70 e 80. Nao fosse isto, nao teria colecionado tantas vitorias. Se era obsoleto logo de nascença, olha… deve ser um verdadeiro pé de coelho, pois vá trazer tanta sorte assim nos exércitos espalhados no mundo que o operam…trevo de quatro folhas

Bardini
Bardini
Reply to  Carvalho2008
25 dias atrás

Uma arma de baixa pressão, que sequer tinha munição flecha no seu arsenal comercializado saiu por aí vencendo MBTs???
.
Que tipo e modelo de “MBTs” são esses?
Em que circunstâncias de engajamento?
.
Por favor, me repasse as fontes que citam esses feitos…

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
25 dias atrás

Olhe o material do Expedito.

Tambem houve o desenvolvimento do tipo flecha para 90 mm

Bardini
Bardini
Reply to  Carvalho2008
25 dias atrás

Expedito: . “UMA EXPERIÊNCIA REAL: EE-9 Cascavel em combate Líbia e Iraque 2015 – 2017” . “visto que as Forças Armadas Brasileiras não terem compreendido e assimilado as potencialidades deste projeto, sonhando em substituí-lo por outro de concepção e produção estrangeira, a custos estratosféricos, com inúmeros itens modernos que nos tornam a cada dia, mais dependentes de quem os produz, gerando empregos e serviços além-mar, além de não atender em sua plenitude as demandas estratégicas e operacionais, principalmente da Força Terrestre” . Esse cara é um piadista de primeira categoria… . “Outra modificação importante foi realizada no freio de boca… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
25 dias atrás

Mestre Bardini, O amigo ja é um cara escolado. O amigo disse que o Cascavel nem tinha munição flecha. Se vc avançar no texto, Vera que este pedacinho do texto refere-se ao projeto de munição e adiante a peca de canhão. Por um lado, a Engesa por meio de sua subsidiaria Engequimica, ensaiou a produção nacional da munição flecha. Esta é a introdução lembrando que munição é munição que pode ser comprada em outro país do mesmo calibre. Por ultimo, esta claro no texto que o EC-90 dispara tambem a tipo flecha e o amigo não acha que os clientes… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
25 dias atrás

O canhão Brasileiro EC 90 pelo que saiba pode disparar munição tipo flecha e mais de dois mil deles foram produzidos

Carvalho
Carvalho
Reply to  Heinz Guderian
25 dias atrás

Não lhes parece que o Cascavel apostou em um bom nicho de mercado?
Quais os produtos similares?
Panhard 90, VBC-90..

jusé
jusé
27 dias atrás

EE-9 Cascavel na luta contra os eua na guerra do golfo. Algumas informações dão conta de que as perdas foram causadas por terem sido fixados em posições estáticas. Os iraquianos os enterravam na areia e aguardavam….foram presas fáceis. O blindado foi PLANEJADO para ter como arma principal a característica de ser muito, muito rápido….atirar e “virá ninja”! Os iraquianos não entenderam isso, assim como não entenderam muitas outras coisas! OSÓRIO! A arábia saudita abriu concorrência para aquisição de 500 carros de batalha. O ganhador venderia e também abriria fábrica na arábia saudita. Vários concorrentes participaram; só DOIS chegaram no final… Read more »

Tomcat4,2
Reply to  jusé
27 dias atrás

Lobby político e capacidade de produção(linha de montagem) do titio SAM foi que levou o segundo lugar a conseguir o contrato muchacho. 😉

jusé
jusé
Reply to  Tomcat4,2
27 dias atrás

Sim….exatamente isso!

Bardini
Bardini
Reply to  jusé
27 dias atrás

Nunca existiu ganhador de concorrência. Eles fizeram uma extensa avaliação e divulgaram um short list, contendo dois blindados: Abrams e Osório. . O Osório foi o melhor blindado do mundo… para o Diretor Técnico da Engesa. Se bem que seria muito estranho ele falar mal do seu produto, mas sabe como é… vamos dar 100% de credibilidade ao papo dele, pq né, é brasileiro, é dos nossos. . O Osório só estaria pronto para ser fabricado em série aqui em 1990 e era um projeto imaturo. O Abrams já estava com a versão A1 entrando em produção na época da… Read more »

sub urbano
sub urbano
Reply to  Bardini
27 dias atrás

A maioria dos executivos da Engesa eram ex oficiais engenheiros do EB. Havia um certo ciumes pq os caras da ativa recebiam um salario de fome enquanto os da Engesa colhiam os frutos do empreendedorismo e estavam ganhando dinheiro. Na epoca da falência a Engesa não teve nenhum apoio do EB, nem uma notinha oficial sequer kkkk Não que a Engesa nao tenha conetido erros, é claro, quiseram dar um salto maior q as pernas com o Osório, um projeto q secou o caixa da empresa e nao teve retorno.

Datenao
Datenao
Reply to  sub urbano
26 dias atrás

José Luiz (fundador Engesa) formou-se em engenharia mecânica na turma de 1951 da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e, posteriormente, partiu para os Estados Unidos da América, onde realizaria seu Mestrado na Universidade de Howack e trabalharia na empresa Allis Chalmers.
De volta ao Brasil, em 1958, e em companhia de alguns outros colegas
engenheiros da USP, fundou uma empresa pequena, a Engesa Engenheiros Especializados S.A. Eram ao todo oito funcionários, incluindo os sócios, que prestavam serviços de manutenção e forneciam peças para equipamentos em refinarias de petróleo.

jusé
jusé
Reply to  Bardini
27 dias atrás

É..pode ser que essas “variaveis” tenham desempenhado influências também…..pode ser que sejam possibilidades! O tomcat4.2 pode ter dito quase tudo lá em cima!

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Bardini
27 dias atrás

Sim. O Osorio era uma promessa de produto a entrar em produção e havia o receio de algumas falahas de operação comuns a produtos ainda na infancia.

Mas cabe destacar, que na “exibição” junto aos melhores do mundo, o Osorio teve de longe, muito longe, a melhor taxa de acerto, quer seja parado e em movimento. o 2o. colocado parece so acertou 8 de 12 tiros…e o Osorio teria sido quase 100%…e ainda por cima, rebocou um dos concorrentes que havia quebrado…

Bardini
Bardini
Reply to  carvalho2008
27 dias atrás

Cabe lembrar que a única coisa que a Engesa fez, foi comprar uma torre para colocar no blindado. Se alguém merece algum crédito por essa taxa de acerto propagada, esse alguém é a Vickers, que forneceu a torre completa e integrou no blindado, pois a Engesa não tinha capacidade de projetar uma torre desse nível, com todos os sistemas de ponta embarcados. . Cabe também destacar que o Osório não “perdeu” uma concorrência apenas para o Abrams, na Arábia Saudita. Também perdeu uma concorrência nos EAU, para o Leclerc… . Não é fácil vender equipamento militar de ponta, sendo um… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Bardini
27 dias atrás

e era o unico cliente da Vickers?

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Bardini
27 dias atrás

Exatamente Bardini. Os EUA deslocaram centenas de milhares de soldados para garantir a segurança da Arábia Saudita após o Iraque invadir o Kwait. Para a Arábia Saudita comprar o M1 foi um ótimo negócio.
Eu sempre penso que o Osório foi melhor classificado apenas para permitir ao governo saudita colocar pressão na negociação dos termos de compra do M1.

Datenao
Datenao
Reply to  Bardini
26 dias atrás

Jovem Bardini inocente… “ Cabe lembrar que a única coisa que a Engesa fez, foi comprar uma torre para colocar no blindado. ” Quase todas as empresas fazem isso, é até mais fácil de vender um produto novo com uma torre já existente e mundialmente reconhecida. A embraer não fábrica os motores dos aviões e a Avibras não fábrica seu chassi e motores mas são líderes nos mercados que atuam.. “ pois a Engesa não tinha capacidade de projetar uma torre desse nível, com todos os sistemas de ponta embarcados.” Jovem tudo é questão de investimento, um engenheiro custa em… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
26 dias atrás

Mestre Bardini,

Pois saiba que segundo o Glorioso Mestre Bacchi, a Vickers foi contratada pela Engesa para desenvolver a torre, ja que havia pressa e assim precisavam ganhar tempo. A Vickers gostou tanto dos parametros e conceitos, que entusiasmada afirmou que faria o projeto tecnico mas não para a Engesa, mas sim como um produto a se integrar em seu portfolio

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
26 dias atrás

Ou seja, a visão das solucoes de funcionamento da torre eram brasileiras, e a Vickers deu corpo a visão. A Engesa não tinha grana nem tempo para projetar. Este é o o relato dele concedida a entrevista ao Poggio e Nunão a época e perfeitamente coerente com o quebfoi o Osorio. Um projeto de prototipo aguardando clientes para financiar a produção. Grande parte ou até todo o ferramental de produção ainda nao existia

Mauricio R.
Reply to  carvalho2008
27 dias atrás

Parabéns a Vickers do Reino Unido e a GIAT da França, pelo estupendos designs de torre, armamento e eletrônica embarcada!!!!

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  jusé
27 dias atrás

Eles faziam essa cretinice desde a guerra Irã-Iraque. Isso é particularmente estupido em um veículo com rodas, que se destaca pela mobilidade. Agora fico imaginando o cavalariano, em um veículo apertado como o Cascavel, enterrado na areia. Não morria em combate, morria cozido, de desidratação e hipertermia.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  paddy mayne
26 dias atrás

Realmente não dá para entender. Afinal, se vc enterra, voce reduziu todo o blindado a mera artilharia de campanha. Somente a torre é que passa a estar em julgamento. Fosse assim e mesmo a persistencia neste tipobde erro, porque entao nao mistura-los com antigos obuseiros ao menos afim de alongar o alcance? Ou misturar com grupos de morteiros?

JULIO CALAZANS
JULIO CALAZANS
Reply to  Carvalho2008
26 dias atrás

“Enterrar” o carro é doutrinário, chama-se Desenfiamento de Couraça, isso serve para diminuir a silhueta do carro em terrenos muitos planos ou quando o carro esta se destacando muito numa crista topográfica, é pratica normal em qualquer exército do mundo, inclusive no nosso. O alcance útil do Cascavel é de pouco mais de dois mil metros, qualquer morteiro de infantaria já atira mais do que isso.O emprego do Carro é diferente, tiro visado e não de apoio.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  JULIO CALAZANS
25 dias atrás

Eles não seguiam uma doutrina, e sim enterravam por qualquer motivo, independente do cenário e do terreno. Se voce precisa enterrar o CC a toda hora, das duas, uma: ou está empregando mal o CC ou está empregando mal a doutrina.

kornet
kornet
Reply to  paddy mayne
26 dias atrás

Depois não entendem pq Israel ganha dos árabes.
Os árabes no campo de batalha parece que foram treinados pelo exército de Brancaleone.

JULIO CALAZANS
JULIO CALAZANS
Reply to  paddy mayne
26 dias atrás

Os Cascavéis Iraquianos tinha sistema de refrigeração para a tripulação, não era o mesmo carro Brasileiro.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
27 dias atrás

Um blindado leve com uma arma potente ele é ideal para os confrontos urbanos, em alguns casos as armas de 30mm se mostraram ineficazes contra barreiras improvisadas, já pensam no 57mm para esses casos, e a arma 90mm do Cascavel tem poder de fogo para esses casos! Como andam os testes com o Cascavel com um míssil antitanque que foi feito?

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Fabio Araujo
26 dias atrás

Correto. De forma generica, existe uma critica muito grande sobre metraladoras pesadas ou canhoes 20 a 30 mm. Especialmente no Afeganistão as paredes grossas e de barro eram varadas mas não caiam Atrasando à progressão da tropa. Dai os CSR e canhoes pesados acabavam sendo necessarios

carvalho2008
carvalho2008
27 dias atrás

Seria muito interessante uma materia sobre os combates em que o Cascavél conquistou notoriedade na Libia contra MBTs….

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
27 dias atrás

Acredito que o programa nova couraça vai sugerir uma modernização “meia-boca” do cascavel por falta de recursos para comprar/desenvolver um novo carro de combate anti-tank nesse momento.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Entusiasta Militar
27 dias atrás

Foi isso que fizeram mesmo, a ideia é adquirir viaturas sobre rodas com canhão 105 ou 120 mm e modernizar até um certo ponto o Cascavel, já que não haverá dinheiro suficiente para retirá-lo de vez de serviço.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Diego Tarses Cardoso
26 dias atrás

Eu gosto muito do Cascavel, por isso eu fico chateado em saber que por falta de recursos não tem como desenvolver/modernizar/potencializar tanto esse blindado que tem muito potencial ainda,

carvalho2008
carvalho2008
27 dias atrás

Existem algumas opções de modernização bens interessantes:

TORC 30

https://www.ares.ind.br/new/img/produtos/torc30.png

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
27 dias atrás
carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
27 dias atrás

comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  carvalho2008
26 dias atrás

Aqui com a TORC 30 estabilizada

Datenao
Datenao
Reply to  carvalho2008
26 dias atrás

Essa versão foi feita pela equitrom! Ouvi falar que o dono é apaixonado por produtos militares, dai ele do bolso dele fez uma réplica da carroceria do cascavel…sabe o que nossos milicos fizeram? …

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  carvalho2008
27 dias atrás

Eu ainda acho o canhão de 90 mm válido para a função da viatura, porém o que peca é a falta do canhão ser estabilizado, não haver um sistema de controle de tiro moderno com visão noturna passiva, térmica, torre com giro elétrico e demais componentes comuns em qualquer blindado atual desse tipo.

carvalho2008
carvalho2008
27 dias atrás

comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  carvalho2008
26 dias atrás

Esta proposta ai salvo engano, o 90mm é estabilizado e com novissimo sistema de controle de tiro. Inclusive, a proposta previa dois ATGMs acoplados a torre principal

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Carvalho2008
26 dias atrás

Eu vi essa notícia à época, muito bacana, acho que é algo assim que o Brasil precisava no Cascavel. Porém acho que em termos de velocidade de câmera estava aquém do ideal, visto que as imagens ficavam lentas, era como ver um filme que fica “pulando pedaços” das cenas. A ideia do míssil é interessante e muito bem vinda, visto que o Cascavel poderia engajar alvos há uma distância maior que seu canhão, porém pelo fato dele ser guiado a laser tiraria a possibilidade do carro desengajar o alvo após o disparo, tornando-o alvo fácil até que o míssil atinja… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Carvalho2008
25 dias atrás

Mas para que colocar essa eletrônica toda em um canhãozinho de 90mm? Hoje em dia simplesmente não vale à pena.

carvalho2008
carvalho2008
27 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
27 dias atrás
Pablo
Pablo
27 dias atrás
carvalho2008
carvalho2008
27 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
27 dias atrás
Mauricio R.
27 dias atrás

E a versão do Cascavel, com canhão de 25mm????

Alexandre
Alexandre
26 dias atrás

O Iraque é tão sujo, que deve bilhões ao Brasil.

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás

comment image?fit=1280%2C720&ssl=1

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
26 dias atrás

” Os carros blindados eram capazes de superar os tanques iranianos”….alguem sabe informar quais eram os blindados iranianos da época que o cascavel enfrentou?

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
25 dias atrás

Difícil dizer sem detalhamento por parte da notícia, mas os mais poderosos eram o M60A1 e Chieftain, ambos MBTs muito mais poderosos que o Cascavel.

Acredito que o texto possa ter se referido à velocidade e agilidade da viatura sobre rodas, onde ela poderia “flanquear” os MBTs e destruí-los, caso não fosse destruída primeiro.

Paulotd
Paulotd
Reply to  Diego Tarses Cardoso
25 dias atrás

Cascavel acelera rápido até uns 80 m/h, e pode atingir uns 90 km/h. Agilidade e o perfil baixo são suas melhores qualidades. É um veículo ágil, barato, blindagem suficiente para armas 7.62 mm. frontalmente aguentar até .50 devido ao ângulo das chapas, manutenção pode ser feita em qualquer biboca, mecânica robusta, com peças comerciais disseminadas e fáceis de encontrar. Tudo isso são grandes qualidades apreciadas, ainda mais por forças armadas de terceiro mundo. O canhão tem uma precisão ruim? Sim, mas ele mas apoio de fogo e faz bem, com bom alcance. Ainda carrega duas Mags 7.62mm. Para “dirt wars”… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Paulotd
25 dias atrás

Vamos lá… . O Cascavel é um blindado que NO EXÉRCITO BRASILEIRO atua dentro de uma estrutura de origem muito, muito antiga, com raízes fixadas na WWII. Sendo ele um blindado projetado para ser uma solução nacional e substituir os M8 Greyhound, tecnologicamente é tão defasado quanto o M8 seria hoje na função que desempenha sendo VBR do Pel C Mec. Ambos são CEGOS e sequer podem fazer guerra a noite. Os americanos mudaram essa estrutura que é semelhante a que temos, na GUERRA DA KOREA e passaram a utilizar outros meios de reconhecimento, equipados com sensores e afins. O… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
24 dias atrás

Mestre, Em absoluto, ninguém afirma que o Cascavel seja melhor que um MBT ou aversao do Guarani. Obvio são os melhores caminhos Mas também não é apropriado afirmar que não funciona. Quem tiver condições de seguir a lista de prioridades que o faça. MBts, Carros de combate, Guaranis, reformar inventario Cascavel….basta saber em que condicoes estamos aptos a incorrer desde a melhor opção a ate a opção possível Estar apto a opção “a” ou “b” ou “c” ou ainda alguma coisa conjunta delas. Talvez possamos ter duas ou mais opções a implementar unidas, o Oriente Medio não Mas mesmo lá,… Read more »

João Gabriel
João Gabriel
Reply to  Paulotd
22 dias atrás

Para entender o contexto ao qual foi desenvolvido o Cascavel, é preciso entender o contexto da época. Era a ditadura e as FAs estavam envolvidas no combate a guerrilha de grupos revolucionários de esquerda. O Cascavel ao meu ver foi desenvolvido para esse tipo de luta, por isso uma blindagem que suporta até .50, estilhaços, coquetel molotov. Era pra ser um veículo simples pra enfrentar guerrilheiros.