Home Artigo Carecemos de um projeto nacional

Carecemos de um projeto nacional

3995
131
General Eduardo Dias da Costa Villas Boas, quando era Comandante do Exército Brasileiro (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A elaboração de um projeto de nação nos traz uma oportunidade para buscarmos sinergia entre todos que integram a sociedade

Eduardo Villas Bôas*, O Estado de S.Paulo

Somos um país com mais de 200 milhões de habitantes, cuja população contém em si própria riquezas geradas desde 1500, decorrentes da miscigenação em que as três raças se mesclaram, cada uma delas aportando características ímpares. A criatividade, a alegria de viver, a tolerância, a adaptabilidade, a resiliência, a religiosidade, o sentido de família, o patriotismo, enfim, esses e outros atributos são como uma vasta produção de frutos, à espera de serem colhidos e colocados na grande cesta da nacionalidade brasileira.

Esse enorme cartel de singularidades vive sobre uma base física que metaforicamente constitui uma arca plena de riquezas, sobre as quais estamos sentados, desconhecendo o conteúdo e tampouco sabendo como abri-la.

O que nos falta para que se produza uma mobilização da vontade e das capacidades no sentido de soberanamente os utilizemos atendendo prioritariamente às necessidades do nosso povo?

Infelizmente, nossa sociedade se deixou impregnar por esquemas mentais que nos são estranhos, depois de 50 anos em que, a despeito das precariedades, trazíamos conosco um senso de grandeza, aliado a uma ideologia de desenvolvimento e a um sentido de progresso.

Infelizmente, a partir de então – anos oitenta – não atentamos a que nós estávamos deixando fracionar, inicialmente por interesses alheios travestidos de ideologias e, quando elas fracassaram, permitimos que esquemas mentais alheios a nossa natureza viessem a nos dividir ainda mais, a ponto de o ser humano não mais fosse valorizado como tal, passando a que sua essência, para ser reconhecida, dependesse da militância em prol de um desses grupos onde se abrigam.

Caímos num fosso, em cujo interior andamos em círculo, progressivamente nos afundando sem dispor de ferramentas que nos tornem possível dele sair, de maneira a que recuperemos a capacidade de vislumbrar o horizonte e nele identificar indicações dos rumos a seguir com vistas no futuro. Em outras palavras, carecemos de um projeto nacional que nos possibilite ter um olhar em direção ao interesse comum, capaz de nos livrar da prevalência do individualismo, do imediatismo e dos interesses grupais ou corporativos.

A elaboração de um projeto de nação nos traz uma oportunidade para buscarmos sinergia entre todos que integram a sociedade brasileira e, colocando o interesse coletivo como referência, encontrarmos os caminhos que conduzam à paz e à prosperidade.

É o que esperam de nós as gerações futuras, os países que nos são vizinhos e os que desejam compartilhar um futuro comum. Somos, talvez, o único país com capacidade de inaugurar um novo caminho de desenvolvimento, a partir das qualidades de nossa gente, assinaladas no início dessas palavras. É hora de arregaçarmos as mangas e, cada um, considerando as capacidades e disponibilidades, participar desse grande mutirão.

*GENERAL DA RESERVA E EX-COMANDANTE DO EXÉRCITO

Subscribe
Notify of
guest
131 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Plinio Carvalho
Plinio Carvalho
3 meses atrás

Interessante o exercito dizer isso, justamente uma das instituições mais responsáveis pelo caos brasileiros, olhemos o histórico, em 1889 o exercito da um golpe e põe fim a monarquia dando um fim real as nossas chances de grandeza e dando inicio a republica velha e entregando poder as oligarquias que até então eram barradas pelo poder moderador, em 1930 o exercito da fim a sua criação, a republica velha, e coloca Getulho no poder, em 1937 o exercito da total apoio ao nascimento do “Estado Novo”, em 1945 o exercito se levanta para retirar Getulho, o mesmo Getulho que foi… Read more »

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Plinio Carvalho
3 meses atrás

Acho que o Exército, assim como qualquer uma das forças, deve sim opinar sobre o rumo do país, negar-lhe esse direito ou ao menos o ouvido é não ouvir quem mais abdica em prol do país.

Mas eu também não gosto da ideia de um novo governo militar, nenhum país que seguiu esse rumo conseguiu bom êxito.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Diego Tarses Cardoso
3 meses atrás

Não há uma fórmula pronta. O Gen. Eisenhower foi presidente e deixou seu legado ao país.

Mas o amigo está certo quando diz que sim, os militares devem com certeza opinar sobre diversas questões às quais eles podem contribuir com certo grau de conhecimento, inclusive no Geopolítico. Após a redemocratização, eu entendo que eles ficaram muito à sombra do debate nacional. 
Eles devem sim ser atores do debate incluídas junto com outras categorias civis. O que não devem é ser “o” debate.

Abraços.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  GFC_RJ
3 meses atrás

Caro GFC. O ex-militar tem direito à participação política, direito de ser candidato e vencendo, exercer cargo eletivo. Eisenhower (e outros ex-militares) fizeram isso. De Gaule fez isso. Contudo, um militar na ativa esta proibido de manifestação política. Aliás, os soldados quem cumprem serviço militar obrigatório são proibidos de votar, mas os policiais militares e os militares da ativa podem votar. As instituições publicas não podem ter opinião politica. O MPF não pode ter vínculo político. Juízes não podem ter vínculos políticos. Para serem candidatos, precisam deixar a sua função pública. O mesmo para um militar, caso contrário ele have… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Caro Camargoer, Separa as coisas. Quando cito Eisenhower, ou você acrescenta De Gaulle, quero dizer que não há fórmula pronta de que não é porque é (ex) militar ou civil que vai ser ou não bom líder ou chefe de executivo/Estado. Não falei em participação política direta, muito menos partidária. Militares da ativa possuem tais limitações nos direitos políticos previstos em nossa constituição. Ponto. Falei em participar do debate público. Militares trabalham em assessorias parlamentares diversas, militares trabalham como adidos em embaixadas, militares poderiam (não sei a que ponto a legislação permite) participar dos diversos conselhos temáticos, militares podem ser… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  GFC_RJ
3 meses atrás

Olá GFC. Concordo com você em quase tudo. Militares devem fazer parte da discussão democrática, mas é preciso algum cuidado para deixar claro que são opiniões pessoais, nunca opiniões institucionais. Um partido político tem uma opinião institucional. Um jornal ou empresa de comunicações pode ter uma opinião institucional. Um sindicato também pode. As forças armadas não podem ter opinião política institucional, mas são fundamentais para o debate.Eu sempre defendo a importância estratégica dos programas militares social, econômica e militarmente. A condição de ser militar não pode ser tomada como uma condição política. Um civil ou um militar pode ter preferências… Read more »

EVERTON SBRISSE
EVERTON SBRISSE
Reply to  GFC_RJ
3 meses atrás

GFC_RJ, mesmo com a redemocratização, os militares conseguiram manter, uma certa participação nacional, um pouco menor claro, mas ainda sim, podemos comparar com a bancada jurídica, ruralista, evangélica, ate mesmo com a do sindicato.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Diego Tarses Cardoso
3 meses atrás

Caro Diego. As forças armadas são instituições do Estado. Estão sujeitas ao poder da sociedade que se expressa pelas eleições. As forças armadas não disputam eleições, portanto não cabe exercício de poder político. Aliás, o militar da ativa não pode se manifestar sobre assuntos políticos. Um ex-militar tem todo o direito de dar a sua opinião particular ou participar do processo político sendo candidato e até exercendo cargo eletivo. Contudo, isso não pode ser visto como opinião da instituição militar.

EVERTON SBRISSE
EVERTON SBRISSE
Reply to  Diego Tarses Cardoso
3 meses atrás

Diego, os militares participam dos debates nacionais, mas como cidadão igual a qualquer outro, e nunca como instituição, até mesmo para não comprometer, a função estatal que nossas forças armadas desempenham.

Carlos
Carlos
Reply to  Plinio Carvalho
3 meses atrás

Exatamente, aqueles que pedem mais uma intervenção militar parecem que não aprenderam com as anteriores. O Exército possui o seu valor que é inestimável, mas quando se mete nos rumos políticos ja vimos que é barro. Isso desde 1889…
Obs.: Tenho o maior orgulho de ser R2 do EB.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Carlos
3 meses atrás

Caro Carlos. De fato. As forças armadas servem ao país e á sociedade. Elas não podem atuar politicamente. O militar que tem essa aspiração deve deixar a carreira militar e ingressar na vida política. O poder político é exercido pela legitimidade do voto. O lado político certo é aquele que venceu uma eleição não-fraudada.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Plinio Carvalho
3 meses atrás

Perfeito.
O Exército interfere ativamente na vida política nacional desde a Proclamação da República.
Esse é o resultado.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Antoniokings
3 meses atrás

Olá AntonioK. Esse é o problema. As forças armadas não exercem um poder político. A escolha do projeto politico ocorre durante as eleições. O projeto político certo é aquele que vence as eleições. Cabe ás forças armadas reconhecer a soberania popular.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Plinio Carvalho
3 meses atrás

Caro Plínio. Você tem razão em sua crítica á sistemática interferência do EB no processo político. O país jamais consegue consolidar um modelo político porque o processo é interrompido. A proclamação da república foi um golpe preventivo para manter a estrutura de poder nas mãos da elite agrária e (ex)escravocrata. Por outro lado, a revolução de 30 teve caráter burguês. O golpe de 64 foi uma interferência no processo político que teria sido resolvido por meio de uma eleição. A crise dos partidos ao longo das décadas de 80 e 90 é resultado da extinção dos partidos que estavam organizados… Read more »

EVERTON SBRISSE
EVERTON SBRISSE
Reply to  Plinio Carvalho
3 meses atrás

Plinio, concordo com seu comentário.Mas esse não é problema exclusivo das forças armadas, existem varias pessoas, que usam das instituições estatais, ou ate mesmo civis, como trampolim politico. Eu como advogado, percebo muito isso no judiciário, OAB e Ministério Publico.

pangloss
pangloss
3 meses atrás

“O Brasil é feito por nós. Resta desatá-los.” Apparício Torelly, autoproclamado Barão de Itararé.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  pangloss
3 meses atrás

Olá Pangloss. “De onde menos se espera, é de lá que nada sai” (B.Itararé)

Vincenzzo Almeida
Vincenzzo Almeida
3 meses atrás

Sabe quem propôs um Plano Nacional de Desenvolvimento como um dos pilares o setor da Defesa? Ciro Gomes! É só procurar o Plano Nacional de Desenvolvimento, nem USA e nem a China! BRASIL 🇧🇷

Eliton
Eliton
Reply to  Vincenzzo Almeida
3 meses atrás

Ciro Gomes não passa de um Bolsonaro com sotaque.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Eliton
3 meses atrás

Para sorte do primeiro, ele não vem acompanho com os três filhos do segundo.
O relacionamento do Planalto com o STF ruiu porque o presidente tenta, a todo custo, proteger sua prole.

Vincenzzo Almeida
Vincenzzo Almeida
Reply to  Eliton
3 meses atrás

Rpz eu vou discordar disso um pouco e sei que claramente o Ciro não é Tancredo Neves… Mas em campo de projeto e planos a longo prazo para o País a foi o único até agora.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Eliton
3 meses atrás

Na verdade, Ciro Gomes é um Lula com diploma.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Heinz Guderian
3 meses atrás

Olá Heinz. Se contar os títulos de doutor Honoris Causa, o Lula tem mais diplomas que o Ciro (são 36. Dá para encher uma parede).

WVJ
WVJ
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Um dos problemas do Lula é que ele parece querer que a orquestra toque afinada sem partitura. Confiou demais em si (nos enfiar guela abaixo a Dilma? Pelo amor de Deus) e no brasileiro. O Ciro me parece um maestro treinado e exigente que conhece cada parafuso da máquina pública, que vai saber nos fazer trabalhar melhor, iniciativa pública e privada, e vai trazer os bancos pra ajudar (à força se preciso for). Sempre teve meu 1°voto.

Lucas
Lucas
Reply to  Vincenzzo Almeida
3 meses atrás

Esses dias parei pra ver uns vídeos dele. O cara falou dos Gripens, KC-390 e sobre como a industria aeroespacial/de defesa americana financiada pelas compras governamentais ajudou a desenvolver tecnologicamente aquele país. Definitivamente uma explanação muito complexa para o nível intelectual do Bolsonaro, com quem o amigo Eliton tenta comparar.

Vincenzzo Almeida
Vincenzzo Almeida
Reply to  Lucas
3 meses atrás

Ciro não sabe muito de coisa militar tanto fala cada coisa mas em termo de papel do Estado na defesa aí ele sabe bem!

Lucas
Lucas
Reply to  Vincenzzo Almeida
3 meses atrás

Concordo. Comentei apenas para ressaltar o interesse, mesmo sem um conhecimento mais profundo, que ele pareceu ter sobre o tema. Acho que se fosse perguntado a todos os candidatos à presidência de 2018 o que é um KC-390, muito provavelmente só ele saberia responder.

Diego
Diego
Reply to  Vincenzzo Almeida
3 meses atrás

O problema do Ciro é que ele é desenvolvimentista, vai gastar pra dar a mesma falsa impressão de crescimento que tivemos no PT. Vai querer gerar campeões nacionais como fez a Dilma só que aqui não é a China onde dá certo, aqui roubam, vide Odebrecht, JBS e outras mais. Precisamos de um liberal com responsabilidade fiscal, que facilite para as empresas e ajude a educação básica, o Guedes até tenta mas o Bolsonaro ca-ga nele. Moro pode ser um bom nome, já que demonstrou admiração pelo liberalismo, precisamos ver as propostas dele.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Diego
3 meses atrás

Olá Diego. Acho que todos defendem que o país se desenvolva, que a economia prospere, que todos tenham emprego e oportunidades. O problema hoje é outro. O setor industrial deve estar com uma capacidade ociosa próxima a 50% e o desemprego em 12% no primeiro trimestre de 2020, praticamente 13 milhões de pessoas da força de trabalho sem emprego, sem renda, sem capacidade de consumo. Neste momento, a prioridade é reduzir o desemprego, distribuir renda e fomentar a atividade econômica.

Bjj
Bjj
Reply to  Diego
3 meses atrás

” Precisamos de um liberal com responsabilidade fiscal” É isso que tivemos nos últimos 5 anos, caro Diego. Desde que a Dilma colocou Joaquim Levy com min. da fazenda, a economia brasileira vem sendo pautada por políticas e propostas liberais. Reforma trabalhista, previdenciária, pec do teto, terceirizaçôes, pec da liberdade econômica, privatizações e outras menores, todas propostas e/ou defendidas pelos liberais brasileiros sempre com a promessa de que a economia “decolaria” após suas aprovações, e qual o resultado? Desde então o PIB mal passa de 1%. E nessa altura do campeonato, depois de tantos anos, nem pode se falar mais… Read more »

Mensageiro
Mensageiro
Reply to  Bjj
3 meses atrás

Só sei que gastar tanto e deixar a conta pro futuro com juros não estava nos levando a lugar algum, só ilusões. O Levy ficou só 11 meses e foi demitido , ele foi convidado pelo governo Dilma 2 em 2015 para ajudar a sanar a crise econômica de 2014, mas o buraco era grande os movimentos sociais e o PT não deixou ele avançar na agenda de controle dos gastos públicos, reforma administrativa até agora não foi pautada de medo, imagina naquela época. No governo Temer, Meireles fez reformas importantes como teto do gasto, previdência, trabalhista para preparar o… Read more »

Last edited 3 meses atrás by Mensageiro
Vincenzzo Almeida
Vincenzzo Almeida
Reply to  Diego
3 meses atrás

Ele é um desenvolvimentista RAIZ sim e so por isso está anos luzes a frente dos outros! Ele elencou perfeitamente onde estamos em DÉFICIT e propôs varias vezes o Imposto sobre lucros e dividendos que o Governo agora está cogitando. Ciro com todos seus defeitos que tem consegue ter uma visão a longo prazo. PS Até agora não vi nenhum processo contra ele

O Chato
O Chato
Reply to  Vincenzzo Almeida
3 meses atrás

Sejamos sinceros: processos ele tem aos montes. Mas todos por calúnia ou difamação, após xingar ou chamar de ladrão políticos e outras figuras públicas. Não há nada relacionado à corrupção, mas há processos. Isso é, por um lado, positivo e, por outro, é negativo, pois também demonstra que, em termos de comportamento, deixa bastante a desejar (apesar de ser, infinitamente, “menos pior” que o atual chefe do Executivo). A propósito, fui eleitor dele nas últimas eleições exatamente por causa do Plano Nacional de Desenvolvimento, e não exatamente por afinidade política, pois acredito que o país realmente necessita de um rumo.… Read more »

Last edited 3 meses atrás by O Chato
GFC_RJ
GFC_RJ
3 meses atrás

O General está certo de que o país não possui uma Grande Estratégia de unidade nacional, a qual o país, independente do governo, de forma REPUBLICANA, busque ao longo de seu mandato. As famosas “Política de Estado”. A avaliação dos governos, em seus mandatos, teria mais parâmetros sobre o quanto que se avançou nas metas e nos objetivos marcados dessa estratégia. Ok. Mas, aí ele me vem… “Infelizmente, a partir de então – anos oitenta – não atentamos a que nós estávamos deixando fracionar (…)” e “A elaboração de um projeto de nação nos traz uma oportunidade para buscarmos sinergia… Read more »

Last edited 3 meses atrás by GFC_RJ
Régis
Régis
Reply to  GFC_RJ
3 meses atrás

Concordo com você e a maioria dos comentários anteriores: os militares devem permanecer nas funções que lhe foram dadas. Se tiverem de agir, terá que ser para proteger o país e os direitos do povo,conforme determinado pela constituição e não para tomarem o poder para si. No entanto o general está certo quando afirma que não temos um projeto nacional. Os EUA são o que são porque sempre almejaram tornar-se fortes o suficiente para se proteger de possível dominação estrangeira, principalmente britânica. A China está seguindo o mesmo objetivo, pois sofreu bastante no passado. É só comparar a China e… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Régis
3 meses atrás

Caro Regis. Algumas ditaduras tem um projeto nacional claro e definido, que infelizmente serve para reprimir a oposição e enriquecer grupos no poder. Outras democracias não têm um projeto nacional definido com clareza mas garantem o bem estar da sua população. O projeto nacional é algo que está em permanente construção e desconstrução. Não existe um plano. Ele é debatido e realinhado a cada eleição.

Maicon
Maicon
Reply to  Régis
3 meses atrás

O Brasil é um país castigado pelo individualismo e a falta de educação, mas a China consegue praticar escravagismo legalizado, lá o ser humano é tratado como um recurso econômico utilizável, descaradamente. Então não serve como parâmetro para comparação com o Brasil.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  GFC_RJ
3 meses atrás

Caro GFC. O “projeto” político certo é o que vence a eleição após amplo debate. Nenhuma instituição é capaz de propor um “projeto” de país que seja melhor que qualquer outro ou livre de equívocos. Eu separo o debate em três momentos. 1) ideológico (debate de ideias), 2. partidário (ou eleitoral, debate de propostas) 3) político (debate sobre decisões de governo). Uma proposta que vence uma eleição precisa sem seguida enfrentar o debate político pois mesmo um plano que vence uma eleição pode conter erros. O debate e a luta política é dura mas tem o papel de revisor da… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

É aí que eu discordo MUITO de você. E é aí que temos dificuldade de nos unir como nação e vivemos nesse momento político fragmentado. Uma coisa é o projeto de Governo e esse vai ser submetido às eleições periódicas, outra coisa é o projeto de Estado. Dessa forma, a Estratégia, nosso projeto de Estado está MUITO ACIMA de programas de governo.   A Estratégia é quase como se fosse a Constituição – essa última que passou por um processo Constituinte paralelo ao governo do momento. Não interessa o governo que for eleito, ele TEM que se submeter à Estratégia, que… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  GFC_RJ
3 meses atrás

Olá GFC. Acho que você tocou em um importante aspecto. A CF88 foi elaborada a partir de uma ampla discussão nacional. Constituintes foram eleitos e durante anos, o país debateu os artigos, grupos se organizaram para defender pontos de vista divergentes. Foram firmados acordos. A CF88 é também um projeto de país democrático e solidário. Governos se sucedem mas dentro do amplo escopo democrático da CF88 (aliás, sou um defensor teimoso da CF88 porque é isso que se espera de um democrata). Esse projeto de nação é uma construção coletiva. Os consensos são obtidos pelo debate sincero. Nossa divergência é… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

PERFEITO. Mas é isso mesmo que se trata. Não é uma questão de impôr uma Estratégia de Nação, mas de debatê-la e definir. Volta lá no post sobre a participação dos militares no DEBATE, que trato justamente disso. E os consensos, de forma republicana, existem. Não é consenso republicano, independente de ideologia (ao menos as não radicais) que educação pública deveria ser prioridade? E que em alguns anos, temos de ter uma meta “X” no PISA para educação básica, ou Y para a média? Seguir modelo de sucesso “A”, com pitadas de outro de sucesso “G”, tropicalizando aqui e ali.… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  GFC_RJ
3 meses atrás

Olá GFC. Novamente concordamos (mesmo discordando em outras coisas). Até a promulgação da CF88, o analfabetismo para as pessoas acima de 15 anos era de 20% no Brasil. Em 2004 era de 11% e em 2012 caiu para 8,7%. O país ainda tem um enorme desafio. Do outro lado, tem a questão da qualidade do ensino fundamental (público) e a necessidade de ampliar o ensino infantil. Por outro lado, já discutimos aqui que os índices de desigualdade social são um obstáculo (além de ser um imperativo ético reduzir as condições de desigualdade social). Estes são debates ideloógicos (ideias). O debate… Read more »

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Camargoer; pois é! 32 anos de Constituição Federal e debates, amplos, defesas de pontos de vista recorrentes, acordos completos e irrestritos e o que obtivemos dessa falação toda? Educação em queda livre; saneamento básico, baixíssimo; carga tributária, enorme; desemprego, alarmante; atenção social precária para 20 milhões, com 38 milhões (ou mais) esquecidos – e a atenção social ainda não é um instituto; polo industrial, sucateado e em “queda livre”; segurança; solapada; saúde, amém! Meu, já não chega de debater, discutir e ficar com acordos? Já passou da hora de ficar falando, falando… e começar-se a FAZER! 32 é 50% a… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Edson Parro
3 meses atrás

Caro Edson. Existem outros números. A expectativa de vida de 65 anos (1988) para 75 anos (2017). Em 1990 a taxa de analfabetismo (acima de 15 anos) era 19,7% e caiu para 6,8% (2019). Em todos os níveis de educação (infantil, fundamental, médio e superior) houve aumento no número de matrículas. Hoje há vagas no ensino fundamental e médio para todos (em 1988 faltava escola). Já apresentei aqui dados comparativos da carga tributária brasileira (33~35%) é a mesma da média dos países da OCDE (34%). Uma cosa são os números atuais (ruins) outra coisa eram os números em 1988 (péssimos).… Read more »

João Bosco
João Bosco
3 meses atrás

Apenas concordo com a fala do General sobre a falta de uma estratégia para o desenvolvimento do país. Mas foi sendo criado ao longo de um curto período de tempo, no país, um sentimento contrário a tudo o que ele disse , em todos o setores e camadas da sociedade, por pessoas inescrpulosas e com interesses diversos contrários de uma nação que quer crescer em todos os sentidos. Nisto fez aflorar sentimentos não condizentes com o povo brasileiro: racismo, intolerância de variados tipos, homofobia generalizada, pessoas apoiando facistas, gente inescrupulosa, impunidade generalizada, dentre outros – coisas que não se viam… Read more »

Reginaldo
Reginaldo
3 meses atrás

Discurso mais antiquado impossível, não quero crer que seja este o pensamento majoritário dentro das forças armadas porque se for estamos perdidos… Ele acha que o Brasil é como aquelas nações pré-industriais que ainda tinham a mentalidade de exploração cega dos seus recursos não renováveis como forma de crescimento, só se esquece que recursos naturais se esvaem e nos dias de hoje onde o capitalismo/globalismo ditam as regras, já não é possível transformar terra em ouro sem antes se sujeitar a rígidas leis internacionais ou então a embargos. Hoje o que se deve buscar em termos de crescimento é a… Read more »

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
3 meses atrás

Endividamento não é necessariamente ruim, tudo depende se vai dar retorno. Se for ver no que os militares gastaram, são coisas que são muito relevantes para a economia até hoje e acabam se pagando e dando lucro no final. Construíram usina nuclear, Itaipu e outras hidrelétricas que eram as maiores do mundo, ponte rio-niterói que movimenta a economia do rio, siderúrgicas e várias outras obras de infraestrutura. O fato é que o Brasil passou de 45º PIB do mundo para 10°, cresceu por vários anos em um ritmo como a China cresce hoje, só acho que vacilaram em insistir tanto… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  SmokingSnake 🐍
3 meses atrás

Olá Smoking. O Brasil sempre esteve entre as 15 maiores economias do mundo, até mesmo no período colonial a riqueza de Portugal era gerada pela produção de açúcar e pelo tráfico de escravos. Eu concordo com você que a dívida em si é um valor neutro. Durante o período militar, o país precisou de recursos externos tanto para a construção de uma infraestrutura de dimensão continental quanto para garantir o abastecimento de petróleo. O problema da dívida brasileira estaria mais relacionada aos níveis de juros colocados pelo Bacen por décadas que mantiveram o país em altos níveis de desigualdade social.… Read more »

Jacinto
Jacinto
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

O Brasil tem o mesmo problema econômico desde sempre: é a incapacidade de o Estado ser fiscalmente responsável. O que fez a década de 80 ser conhecida como “década perdida” foi a irresponsabilidade fiscal do governo militar que deixou uma dívida literalmente impagável (tanto que não pagamos: declaramos a moratória na década de 80); e o que fez a década de 2010 ter crescimento ainda pior do que a década de 80 foi, igualmente, a irresponsabilidade fiscal do Lula e da Dilma. E como a pandemia explodiu qualquer esperança de o governo conseguir controlar a dívida pública, a tendência do… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Jacinto
3 meses atrás

Caro Jacinto. Discordo. A crise da dívida na década de 80 ocorreu em quase todos os países periféricos, independente se o pais vinha de um regime político mais autoritário ou menos autoritário. O Brasil era totalmente dependente da importação de petróleo na década de 70. Com as crises do petróleo, o país precisava financiar suas compras de petróleo quando o preço do barril e os juros internacionais estavam em alta. Era a dívida ou o país parava pela falta de petróleo (lembrando que houve intenso racionamento de combustível). Há um fato interessante que o Iraque (Saddan) forneceu muito petróleo ao… Read more »

Jacinto
Jacinto
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Camargoer, A FGV já faz um tempo, não é mais o que costumava ser. Lá tem professor que diz ter pos-doutorado, mas que se for ver direito, não tem o pos-doutorado, sequer concluiu o doutorado e o mestrado tem trechos plagiados. E não foi só o Decotelli quem agiu de forma lamentável neste episódio. A FGV também agiu muito mal ao negar que ele seja professor lá quando ele é. O que acontece é que a FGV descobriu uma mina de ouro: os alunos formados em faculdades de segunda linha e que querem “consertar” o currículo com uma pós-graduação ali… Read more »

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Camargoer;
qual seria o fracasso nas políticas sociais, para a redução da desigualdade social a que você se refere?

A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) foi fundada em 1968 e foi a primeira instituição federal de Ensino Superior instalada no interior do Estado de São Paulo. A Universidade se destaca pelo alto nível de qualificação de seu corpo docente: 99,8% são doutores ou mestres e 95,8% dos professores desenvolvem atividades de ensino, pesquisa e extensão em regime de dedicação exclusiva.”

Dr. Mundico
Dr. Mundico
Reply to  SmokingSnake 🐍
3 meses atrás

Concordo com sua análise sobre o acêrto dos governos militares ao investir em infra-estrutura (usinas, siderúrgicas, estradas, portos, aeroportos, etc), mas faltou a sensibilidade de criar um cenário de investimento privado e estrangeiro no país, devido ao “vício” do nacionalismo doentio dos nossos militares.
Vício esse que infelizmente ainda perdura e é tema central do discurso desse Ciro Gomes, um cretino que se acha a reencarnação de Vargas e seu nacionalismo de patriotada.
Infelizmente, acho nossa prática política bastante limitada, o que sempre nos fará repetir ciclos e êrros antigos com novos nomes.

PACRF
PACRF
Reply to  SmokingSnake 🐍
3 meses atrás

Discordo. Os militares deixaram um legado de estatização na economia que nos persegue até hoje. As “tais obras dos militares” resultaram numa dívida externa quase inadministrável, que estrangulou nossa economia por décadas, além do atraso tecnológico com as tais “reservas de mercado”. Com certeza não foram “bons empréstimos”. Durante a ditadura militar havia corrupção, má utilização do dinheiro público e nepotismo, o problema é que não sabíamos, por causa da censura. Os militares brasileiros sempre conspiraram e sempre foram golpistas ou estiveram ao lado destes. A Proclamação da República foi o primeiro golpe militar no Brasil. No atual governo, que… Read more »

Maicon
Maicon
Reply to  SmokingSnake 🐍
3 meses atrás

Em matéria de infraestrutura, os governos militares do BR sempre foram muito bem, inclusive no atual governo o ministro que melhor se destaca junto do da Economia é o Ministro da Infraestrutura, que se não me engano é Capitão no EB.

Gabriel Oliveira Batista
Gabriel Oliveira Batista
Reply to  Maicon
3 meses atrás

O problema é que esse não deveria ser o foco do EB e sim da iniciativa privada,o foco do EB deveria ser ter um projeto sólido de defesa do território nacional. Até é louvavel o ótimo trabalho do ministro da infraestrutura,mas esse não deveria ser o foco de uma força tão deficitária.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  SmokingSnake 🐍
3 meses atrás

O problema é que governo não cria dinheiro, logo o endividamento do governo é sim prejudicial. Mais dinheiro emprestado para o governo é menos dinheiro na mão do empreendedor. Na época que você citou só se ouvia falar de grandes obras do governo mesmo, por que todo o crédito era direcionado para ele.

Wellington Góes
Wellington Góes
3 meses atrás

Concordo, Gel., mas não será dando apoio a líderes irresponsáveis e lenientes, quando não submissos às vontades de potências estrangeiras, que construimos um projeto nacional.

Wellington Góes
Wellington Góes
3 meses atrás

Bingo!!!

Antoniokings
Antoniokings
3 meses atrás

Como diz o ditado: ‘Nada é tão ruim que não possa piorar.’

MMerlin
MMerlin
Reply to  Antoniokings
3 meses atrás

Sem dúvida.
Este último acontecimento, referente a um assessor presidencial gerenciando várias contas fake dentro do próprio Palácio do Planalto em horário de trabalho, nos mostra que nossa classe política não tem limites.
Um governo que poderia trazer melhoras devido a bons técnicos integrados a setores chaves da máquina pública, está mostrando que o ponto fraco está na própria liderança.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MMerlin
3 meses atrás

E o pior, acham-se no direito de poder fazer isso em nome de uma ‘liberdade de expressão’.
Como estão dizendo por aí, eleger-se com base em fake news é fácil, mas governar é impossível.
Está aí a situação em que o País se encontra.

Glasquis 7
3 meses atrás

E pensar que tinha um tal de alexandre Silva que garantia que o livro branco das FFAA eram a solução de tudo e que por isso eram superiores a todas as outras forças da região… Será que ele vai ler está matéria?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Daí um bom nome para 2022

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Em 2022 caro Rodrigo Ferreira, esse senhor já estará morto ou mais incapacitado ainda…

Eleger um candidato com pé na cova para quê?!

Jacinto
Jacinto
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

O General Villas Bôas está literalmente esclerosado. Ele sofre de uma forma particularmente triste de esclerose que causa a morte de certos tipos de neurônios.

Maicon
Maicon
Reply to  Jacinto
3 meses atrás

Discurso é bonito: “carecemos de um projeto nacional que nos possibilite ter um olhar em direção ao interesse comum, capaz de nos livrar da prevalência do individualismo, do imediatismo e dos interesses grupais ou corporativos.”

E se olharmos a tragédia que o atual governo é na área da educação, que é o caminho fundamental para atingir esse fim do discurso acima, até que o discurso cola, mas como já disseram antes, sempre que as pessoas se metem onde não é sua área acontecem situações desagradáveis, manifestações equivocadas, cada macaco no seu galho diz o velho ditado.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Quem, eu? Obrigado pelo apoio, aí você vai ver isso aqui andar de verdade 😘

Camaergoer
Camaergoer
3 meses atrás

Caro Observador. Cada coisa em seu lugar. A crise da dívida nos anos 80 foi bem mais ampla é decorreu da crise do petróleo na década de 70 e da alta dos juros. O país precisava de recursos tanto para a construção de uma ampla infraestrutura (Itaipu, Ilha Solteira, linhas de transmissão, telefonia por microondas, etc) quando para adquirir petróleo (cuja produção nacional nas décadas de 70 e 80 eram baixas). Além do Brasil, muitos países passaram pela crise da dívida, que culminou com o Consenso de Washington como política econômica recomendada pelas instituições internacionais (BID, Banco Mundial, FMI, etc).… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Olá Observador. Talvez o país nunca tenha essa “nova geração” porque cada nova pessoa que nasce irá crescer em um ambiente, dentro de um cotexto. Por outro lado, a história é aberta. Corruptos existem em todos os locais (no governo, no comércio, alguns cunhados..). Nenhum regime será capaz de purificar uma geração. Contudo, o sistema de justiça de uma sociedade deve servir para aplicar a justiça. Tenho a impressão que não existe choque suficiente para purificar uma nação. Países perderem guerras, passaram por catástrofes, revoluções. Há uma tradição cultural que percola as sucessivas gerações. Nem é verdade que um país… Read more »

OSEIAS
OSEIAS
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Caro observador e Camaergoer, compartilho do ponto de vista dos senhores. Já fomos governados por imperadores, militares, esquerdistas, direitistas e até mesmo um centro a direita. Mas ainda estamos patinando. Nossa atual constituição tem lá seus 30anos, e a impressão que tenho é que a mesma foi escrita dando muitos privilégios aos nossos 4 poderes (legislativo, judiciário, executivo e forças armadas), tudo isso para ninguém ficar enciumado com o outro ainda mais o que estava saindo que no caso eram os militares. A coisa mais difícil é processar um politico devido a seu foro privilegiado, e se um juiz for… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  OSEIAS
3 meses atrás

Olá Oseias. A idade de uma constituição não importa. Neste momento, é mais importante garantir o cumprimento da CF88 do que pensar em convocar uma assembleia constituinte. O país está passando por uma profunda crise (política, econômica e agora sanitária). A questão do foro para políticos é parte fundamental de um arranjo democrático porque um juiz de primeira instância não pode processar um presidente em exercício. É uma segurança institucional. O fato de um senador, deputado, presidente ou ministro só poder ser processado no Supremo não é garantia de impunidade (um juíz de comarca não tem mais isenção do que… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Em anotação, sou contra o foro privilegiado, mas é óbvio que o instrumento existe pois não há confiança na Divindade da instituição jurídica. Ela cabe aos comuns mas não cabe aos políticos…

De um lado a instituição Não quer perder sua onipotência, de outro, os politicos não querem ser julgados, então comungam aspirações que se relacionam

Caio
Caio
3 meses atrás

Mesmo com erros os militares que tinham um projeto de país, sumiram junto com o regime dos anos 60/70. O que temos hoje, Neste ponto nevrálgico é muito difícil de comparar.

Last edited 3 meses atrás by Caio
ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
3 meses atrás

Eduardo Villas Bôas chegou a essa conclusão sozinho ou pediu ajuda aos recrutas para entender o obvio?



Last edited 3 meses atrás by ADRIANO MADUREIRA
Hcosta
Hcosta
3 meses atrás

Não querendo ofender mas o que é um projecto nacional do ponto de vista de um general ou até mesmo de um cidadão brasileiro?

Os EUA são grandes porque são uma democracia liberal e o seu poderio económico e militar provém da sua sociedade, a China terá o seu crescimento derivado de outros motivos como a exploração dos trabalhadores e etc.., a Rússia não é exemplo para ninguém.. O que sobra?

Ter um directório em Brasília que define o que é um projecto nacional?
Deixem a democracia liberal e o que a define funcionar (justiça, política, social, educação..).

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Hcosta
3 meses atrás

Ola Hcosta. Você está certo. O projeto nacional é uma construção coletiva, validado a cada nova eleição, corrigido pelo debate político dentro do congresso. A democracia é um processo, no qual as ideias são discutidas, debatidas, propostas são colocadas e reformuladas.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Hcosta
3 meses atrás

Como se explora um trabalhador sem leis trabalhistas? Achei que negociar com o patrão era liberdade, atualizaram o conceito de escravidão foi?

Dr. Mundico
Dr. Mundico
3 meses atrás

Historicamente, o Exército sempre foi o indutor e tutor das maiores mudanças políticas na nossa história. Do positivismo de Constant até o salvacionismo de Castelo Branco, passando pelo tenentismo de Siqueira Campos e Eduardo Gomes, o nosso teatro político sempre foi interpretado e dirigido pelo estamento militar. Até o nosso maior dissenso político veio pela mão de Prestes, um militar amotinado que adotou o bolchevismo nos anos 20 como bandeira de luta. Outro ponto histórico é que desde Colônia e Império, a sociedade brasileira sempre seguiu a reboque do Estado, sempre adulada por benesses a elites atrasadas e muito nacionalismo… Read more »

João Adaime
João Adaime
3 meses atrás

O que o general quis dizer é que o Brasil é uma canoa onde cada um rema para um lado. Nas últimas décadas os melhores remadores foram os petistas, que destruíram economicamente a Nação, formaram uma geração de estudantes idiotizados e emburrecidos, que serão um eterno peso para a sociedade, sociedade esta dividida onde cada lado quer o extermínio total do outro. E para complicar mais ainda, o atual mandatário, ao invés de assumir um papel de pacificação e de união, é o primeiro a querer aumentar ainda mais o fosso que separa os cidadãos. Caminhamos a passos largos para… Read more »

Pedro
Pedro
Reply to  João Adaime
3 meses atrás

Qdo vc esta gripado, seu organismo mata o virus ou pacifica e vive de bem com ele? Responda isso e ja vera o tipo de bobagem que vc falou.

João Adaime
João Adaime
Reply to  Pedro
3 meses atrás

Desculpe Pedro, mas não entendi o questionamento. Seria sobre qual item do que eu escrevi?

Diego
Diego
Reply to  Pedro
3 meses atrás

Nao sei Pedro. Mas se eu tiver corona, tomar cloroquina com os estudos dizendo que aumenta a chance de morte, eu não vou rsrs. Muito menos eu seria um presidente que vetaria máscaras pra geral pegar mais rápido, entupir os leitos e morrer mais. Mortes são menos pagadores de impostos, o atual presidente não pensa nem na economia. No futuro quando a população estiver mais lúcida toda a família dele vai pagar, serão taxados de genocidas.

Pedro
Pedro
3 meses atrás

Estranho que enquanto a esquerda roubava, pilhava e destruia por 35 anos o Brasil, os militares nao deram um pio! Bastou o povo dizer nao a esquerda, arranca-la pelo menos do executivo e começarmos a fazer o país ir para frente, agora eles voltam com a mesma bobagem dos anos 60: Positivismo, Plano de Naçao e outras bobagens que vieram da cabeça de gente miuda do Seculo XIX e ainda eles acreditam piamente. Trazudindo o que ele quer, é estatal e mais estatal, gasto publico em cima de gasto publico para que oligarca tenha dinheiro fácil assim como general da… Read more »

Pedro
Pedro
3 meses atrás

Pura Verdade. Devemos inclusive fazer constar em tal projeto que o torne lei claro, a vedação da promoção de novos oficiais para evitar um exército de 5 estrelas, bem como, a farra de pensões e aumentos em plena pandemia do COVID-19. O Problema não é só o judiciário…

Fred
Fred
3 meses atrás

Ponto 1: “Em outras palavras, carecemos de um projeto nacional que nos possibilite ter um olhar em direção ao interesse comum, capaz de nos livrar da prevalência do individualismo, do imediatismo e dos interesses grupais ou corporativos.” Concordo com esse trecho, falta um projeto nacional mesmo, falta um projeto de Estado, falta planejamento de longo prazo. Ponto 2, mais extenso: A visão do exército sobre a miscigenação racial é tosca demais. É uma manipulação tão tosca, tenta empurrar goela abaixo a ideia de “democracia racial” pra encaixar naquela bizarrice da nacionalidade brasileira começar em Guararapes… . Eu respeito a memória… Read more »

OSEIAS
OSEIAS
3 meses atrás

Prezados, esse espaço é um micro universo de nossa própria população, mas com uma pequena vantagem, nosso pessoal tem um pouco mais de instrução do que a maioria de nossa população. Aqui tem os que defende um sistema mais liberal direitistas e uns o sistema comunistas, mas o que todos tem em comum é o sentimento de mudança. Como aqui é um fórum militar nada mais justo que mencionar “dividir para conquistar”. Vocês já se perguntaram como é ótimo para as outras nações essa fragmentação em nosso país? Pois se estivermos desunidos não iremos ultrapassa-los. É ótimo que tenhamos uma… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  OSEIAS
3 meses atrás

Caro Oseias. Concordo com algumas coisas e discordo de outras. Por exemplo, além do embate entre capitalistas e socialistas (acho que não temos nenhum comunista na platéia mas vários socialistas) há um debate mais sombrio entre democratas e não-democratas. Em todas as democracias existe um embate de ideias, de propostas e de ações. Pode ser cansativo e aparentemente ineficiente, mas geralmente são os regimes não-democráticos que prometem soluções eficientes na economia, mas que geralmente são apenas subterfúgios para beneficiar uma classe dominante. Democracia é diversidade e discussão. Acho que precisamos voltar a discutir os erros e abusos cometidos nos últimos… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
3 meses atrás

Como eu disse, que saudades dos militares da década de 80!
Esses sim tinham um projeto de nação.
Os de hoje tem projeto de Pensão e importação.
Mas me malharam quando escrevi isso aqui, vamos ver agora!

Vitor
Vitor
3 meses atrás

O Brasil vive esse descompasso pois tem uma casta que vive em um arcabolso de privilégio assegurado por foro privilegiado e um judiciário aliado a oligarquia .

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
3 meses atrás

“Daí um bom nome para 2022”.
[ Rodrigo Martins Ferreira ].

Em 2022 caro Rodrigo Ferreira, esse senhor já estará morto ou mais incapacitado ainda…
Eleger um candidato com pé na cova para quê?!

RENAN
RENAN
3 meses atrás

Ao povo Somos educados em escolas públicas que não nos dá condições de nós tornamos cidadãos em plenitude da palavra. Não temos civismo, não entendemos de de legislação, não entendemos nossa sociedade, não entendemos nosso cotidiano politico, e não temos o sentimento de amor a pátria. Então como uma sabotagem nossa formação foi continuamente reformada nos tornamos cidadãos manipulados pela falta de uma educação de qualidade. Nossos professores em sua maioria não merecem este título pois não conhecem as matérias que lecionam, não seguem o cronograma pedagógico, não seguem nem o livro texto da matéria, não tem a capacidade de… Read more »

Last edited 3 meses atrás by RENAN
Camaergoer
Camaergoer
Reply to  RENAN
3 meses atrás

Caro Renan. Coisas para se pensar. A chance de um jovem filho de pais com nível fundamental incompleto concluir o nível superior é menor que 5%. Essa mesma chance para o filho de pais com nível superior completo é de 75%. Há um conceito chamado “aprendizado afetivo” que ocorre com a criança durante sua primeira infância. Por exemplo, uma criança que vê os pais comendo alface irá adquirir o hábito de comer alface. Uma criança que vê os pais lendo um livro, irá adquirir o hábito de ler. Uma criança que vê os pais falando sobre a importância da ciência,… Read more »

RENAN
RENAN
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Concordo plenamente caro Camaergoer Mas acredito que 70% dos lares do Brasil não tem este nível de educação dos pais na parte de ler livros, bom dia, com licença, comer um alface, apenas poucos tem nível superior no Brasil, então cabe a escola formar uma geração diferente, mas para isso será necessário uma formação efetiva de professores, voltar a grade com sociologia, filosofia, civismo incentivar o intendimento da pátria e da comunidade local, educação religioso ( não lecionar uma religião e sim explicar religiões diferentes para incentivar a tolerância e diminuir os preconceito, tem que ter matéria de direito, explicando… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  RENAN
3 meses atrás

Olá Renan. Uma das discussões recentes é sobre o conteúdo. A escola brasileira sempre teve currículos enormes. Muito conteúdo. Com a facilidade de acesso á informação, o foco parece ser nas habilidades. Desenvolver a habilidade, porque o conteúdo o aluno vai encontrar. O problema da maioria da população adulta ainda ter apenas ensino fundamental, muitas vezes incompleto, afeta diretamente as chances de seus filhos ultrapassarem a escolaridade dos pais. Esse problema acontece também nos EUA. A maior taxa de abandono na universidade (acho que no College também) são dos estudantes cujos pais não tem nível superior. Eu lembro aqui de… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

O que nos falta para que se produza uma mobilização da vontade e das capacidades no sentido de soberanamente os utilizemos atendendo prioritariamente às necessidades do nosso povo?”

Se vocês pararem de enfrentar o Presidente da República e de criar problemas no COLOG, já estarão fazendo um grande serviço a nação.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
3 meses atrás

Sério General?!? Não me diga… Só o senhor enxergou isso agora?!?

Matheus Santiago
Matheus Santiago
3 meses atrás

Incrível. Esse pensamento sempre esteve em mente dos grandes planejadores, quando falha um grande plano de “Projeto Nacional”, a culpa sempre é de outrem, eu já vi e vivi as grandes maravilhas desses grandes planos nacionais passando pelo Brasil até a URSS e todos eles falharam. Eu acredito que um país forte fornece a estrutura, mas o ingrediente mais importante são as pessoas empreendedoras que criam a riqueza e não uma grande empresa ou uma empresa estatal. Alguns países certamente são abençoados com pessoas que trabalham duro e isso fez deles uma grande nação, cada cidadão trabalha para proveito próprio,… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Matheus Santiago
3 meses atrás

Olá Matheus. Eu concordo com você que as experiência á direita e á esquerda de unificar o pais em torno de um projeto de país sempre vai ter o inconveniente do que fazer com os dissidentes (ame-o ou deixe-o não é a solução, nem campos de reeducação ou seja lá o que for). Contudo, discordo da solução liberal clássica ou da versão anos 80 que “a ambição é boa

Matheus S.
Matheus S.
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Imagina. Afinal, o que seria de nós sem o Estado? Estaríamos todos sendo escravizados pelos inescrupulosos capitalistas egoístas. Deixa eu lhe contar algumas histórias que irá lhe responder o seu comentário logo abaixo do Cidadão: Sabe quem achou petróleo no Brasil? Adivinha: Não foi o Estado. Foi o empreendedor Guilherme Guinle na Bahia. O mesmo usou capital próprio para prospectar poços de petróleo na Bahia em Lobato, o primeiro poço descoberto no país, 20 anos antes da Petrobrás ser criada. Sabe o que o seu pai Vargas fez assim que Guinle descobriu o poço? Nacionalizou. Vários poços com capital privado… Read more »

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Matheus S.
3 meses atrás

Matheus S. deixa elucidar o que o Camaergoer quis dizer… A visão liberal dos anos 80 não se aplica hoje ao mundo globalizado. Apesar de pessoalmente não concordar com o liberalismo tenho de admitir que a visão moderna de liberalismo já do século XXI levando em conta inúmeros aspectos da globalização inclusive várias vezes comentado no programa “É da Coisa” da Rádio Band News pelo comentarista Reinaldo Azevedo é muito mais prático. Por exemplo nós temos uma visão distorcida do liberalismo como o liberalismo justamente dos anos 80 ou mais antiga ainda defendida pelo atual Ministro da Economia Paulo Guedes…… Read more »

Matheus S.
Matheus S.
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Olha a foto concedida pela ANP da Destilaria Rio-Grandense de Petróleo S.A, dos empreendedores gaúchos Eustáqui Ormazabal e João Francisco Tellechea, com os comerciantes argentinos Raul Aguiar e Manuel Morales.

Já disse e repito: Eu acredito que um país forte fornece a estrutura, mas o ingrediente mais importante são as pessoas empreendedoras que criam a riqueza e não uma grande empresa ou uma empresa estatal.

0.jpg
Cidadão
Cidadão
3 meses atrás

Isso…mais estatais, mais coitadismo para depois entregar o país destroçado nas mãos dos vermelhos. Esses generais se metem em tudo mas querem nem ouvir falar em ser o “braço forte”.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Cidadão
3 meses atrás

Caro Cidadão. A existência de estatais em si não diz coisa alguma sobre o país. Existem setores nos quais o setor privado não tem interesse ou força o suficiente para atuar (ia escrever empreender, mas tucanaram o motoboy), por exemplo na construção de Itaipu. O Estado foi o único agente econômico que podia dar as garantias de longo prazo para levantar os fundos para o empreendimento e que poderia representar o país em um acordo binacional. Aliás, caso o financiamento com bancos europeus fracassasse, havia avançadas negociações para a URSS financiar Itaipu (em plena guerra fria). Na década de 40,… Read more »

Cidadão
Cidadão
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Sei…e que todo esse seu palavrorio tem com 2020??

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Cidadão
3 meses atrás

Olá Cidadão (engenheiro não, cidadão). Segundo Keynes, o que importa é a capacidade do Estado de alocar recursos para investimentos e para remunerar a produção, e não a posse dos meios de produção. A crise de 2020 está relacionada com a redução do consumo e aumento do desemprego. O setor industrial tem capacidade de produção ociosa. Primeiro é preciso entender o problema para implementar soluções eficazes. 1. distribuição de renda, 2. obras de infraestrutura capazes de aumentar a oferta de empregos. 3. compras públicas para sustentar a atividade econômica.

Cidadão
Cidadão
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Quem? Kkk…baixa a bola , amigo! Trocando em miúdos isso é “dilmismo”. O projeto tem que ser Liberdade Individual, garantia da Propriedade, Iniciativa Privada e, aí sim, forte condução governamental: Revolução Cultural/Educacional para extirpar do pensamento Nacional e Individual o estatismo, clientelismo, socialismo e outras pragas que nos assolam há 500 anos.

Last edited 3 meses atrás by Cidadão
Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Cidadão
3 meses atrás

Caro Cidadão. A brincadeira sobre “engenheiro não” e sobre o caso ocorrido no Rio de Janeiro, quando o fiscal da vigilância sanitária (com doutorado) foi advertir uma pessoa em um bar e o chamou de “cidadão” e ouviu o comentário “cidadão não, engenheiro”. Não existe “dilmismo”. Keynes disse que “homens práticos que acreditam em ismos são escravos de um economista defunto”. A atual crise econômica é resultado da queda da demanda. Infelizmente, essa queda não é apenas devido ao isolamento social, mas também ao aumento do desemprego e e da queda na renda. Será muito difícil um banco aprovar crédito… Read more »

sub urbano
sub urbano
3 meses atrás

Os militares deixaram de herança uma estrutura burocrática soviética. Tem batedor de carimbo aposentado com R$18.000,00, conheço neta de funcionario da Policia Ferroviária que recebe pensão do avô até hoje! Nem a União Soviética produziu esse tipo de coisa e depois reclamam por que nosso país não vai pra frente.

Alexandre
Alexandre
3 meses atrás

Projeto de um novo tanque de combate, um Guarani 8×8…

Carvalho2008
Carvalho2008
3 meses atrás

A reconstrução somente ocorre quando a casa ruiu. E a casa não ruiu ainda. Os extremos de ambos os lados tem de se autofagir. Ainda tem muito a cair a direita e esquerda, nas grandes mídias e no judiciário que ainda não se purificou. Esta coisa toda levará ainda mais uns 2 anos no mínimo no mínimo. Esta crise da pandemia será reescrita pelo tempo e verdades irão surgir expondo o quanto cada um destes agentes do governo e da oposição dentro e fora atuaram por interesses próprios e a população será muito sensibilizada a isto. O Governo Bolsonaro deveria… Read more »

GeneralDeSofá
3 meses atrás

Uma das poucas coisas lúcidas que Olavo de Carvalho diz é sobre o positivismo nas forças armadas, a ideia que o Brasil será salvo por um Messias que trara um plano nacional desenvolvimentista estatal

Alois
Alois
3 meses atrás

No caso do Brasil, os militares se tornaram uma casta, que a décadas vem tendo diversos benefícios financeiros, principalmente previdenciarios, para si e seus dependentes, regras absurdas, promoções mesmo na inatividade, empresas criadas para colocar militares da reserva, entre outras situações, acaba tendo um impacto muito grande no orçamento do MD, enquanto isso não mudar, não teremos como melhorar as condições de equipamentos. Infelizmente o corporativismo dos setores públicos apenas aumentam a ineficiência do Estado, que cada vez mais faz com que a sociedade tenha que trabalhar para manter este monstro chamado Estado Brasileiro, e sem dúvidas os militares fazem… Read more »

Alexandre
Alexandre
Reply to  Alois
3 meses atrás

Justamente, é só cortar as regalias dos oficiais das forças armadas, e cortar as pensões vitalícias das filhas deles, aí a coisa vai fluir bem.

armando martiny
armando martiny
3 meses atrás

É muita cara de pau desse sujeito!

Alexandre
Alexandre
3 meses atrás

É vergonhoso isso aí, o Brasil tem muito dinheiro, o problema é que ele é muito mal administrado, sem contar as regalias desses generais e demais oficiais das forças terrestres.

O Exército perdeu o meu respeito, e só voltará a tê-lo, quando devolver o país à monarquia para a família dos Orleans e Bragança, pelo qual o Exército tomou através de um golpe, em 1889.

Eu só admiro a Marinha que infelizmente está jogada às traças, e a nossa Força Aérea que tem muito a melhorar também.

Mgtow
Mgtow
3 meses atrás

“Carecemos de um projeto nacional”….sim carecemos, isso é tudo que nacionalistas como eu gritamos. Ponto. O fato é que esses generais que ai estão são todos anti patriotico e visam seus interesses particulares e de classe. Villas Boas fala isso mas, apoia essa aberração que é a lava jato que destruiu a nossa industria pesada. General Vilas Boas fala isso mas não tece uma só palavra para conter o entreguismos deslavado desse grupo de bandidos do bolsoGuedismo. Estamos presenciando a transformação do Brasil num Porto Rico gigante e o senhor Vilas Boas e seu grupo de colegas generais não falam… Read more »

Brasileiro
Brasileiro
3 meses atrás

Um senhor comentário.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
3 meses atrás

O lema dos militares de alta patente tipo esse aí… Benesses!!! Benesses!!! Benesses!!! Meu pirão primeiro!!! Enquanto isso, os quadros das FFAAS continuam sucateados e muito mal equipados, se tornando mais bem em forças melhor qualificadas para contra insurgência interna do que qualquer outra coisa. Ele menciona “ ideologia de desenvolvimento e a um sentido de progresso” que alguma vez houve no país. Quando foi isso??? Se me lembro bem, a última vez que no Brasil existiu isso foi no governo do Império, o qual como já sabemos foi destruído por um golpe militar, do qual até hoje o Brasil… Read more »

Jefferson
Jefferson
3 meses atrás

6 mil generais APOSENTADOS, militares se aposentando com 48 anos concursos militares nos Estados cheio de fraudes e reclamações de toda ordem, sou de SC e já vi absurdos aqui aposentadoria integral estrutura gigantesca e desalinhada justiça militar total falta de alinhamento da instituição e a sociedade recrutas que não aprendem nada em 1 ano de carreira e que não ganham nada servindo o país como recrutas 120 bilhões de orçamento com 93% indo para folha de pagamento nada de reformas para esse pessoa, enquanto o país está quebrado, endividado, doente, pessoas morrendo e CLT tendo que se submeter a… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
3 meses atrás

O plano nacional tem de ser: A) Terminar de limpar os extremismos de esquerda e direita e investigar agora o judiciario; B) Aproveitar o dolar baixo e exportar de tudo e alavancar industria C) Aproveitar a crise internacional chinesa e apresentar o Brasil como alternativa de investimentos, Real baixo, dolar alto, mão de obra barata e trazer as empresas para o Brasil, bem como as oportunidades enormes de infra estrutura D) Alavancar pesado a educação pois se o pais crescer 5% ao ano, não haverá mão de obra qualificada , trazendo o risco de imigrantes estrangeiros pegarem as melhores vagas… Read more »

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
Reply to  Carvalho2008
3 meses atrás

Dolar baixo tipo: “Dilma, devolva meu dolar a R$1,99” ?

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
3 meses atrás

Errei, era para escrever dolar alto

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Carvalho2008
3 meses atrás

Olá Carvalho. Fiquei pensando desde ontem sobre seu comentário. Fiquei preocupado com a ideia de “limpar” os extremismos. Quem irá definir o que é extremismo e sobre qual base? Até porque você colocou o judiciário sobre suspeita. Creio que você queria dizer “real desvalorizado” ao invés de “dolar baixo”, mas as exportações dependem da intenção de comprar. Nos dois últimos governos, o Itamaraty vem desmontando a política de relações externas, atacando a China, atacando a Argentina, se distanciando da África e sabotando o Mercosul, sem falar nos problemas com os países do oriente médio. As ações de exportação precisam coordenar… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Ah sim! Escrevi errado, queria dizer aproveitar o dólar alto (real baixo). Sobre limpar os extremismos de ambos os lados, significa controlar por critica social, legal e eleitoral os 20 a 25 % somados da população de direita e esquerda. Eles existem e é preciso vigiar sempre. Ganhar o jogo na regra do jogo e não alterar a regra do jogo no meio do jogo. Judiciário e congresso fizeram isto e alguns do governo também enamoram coisas assim. Extremistas adoram mudar a regra do jogo no meio do jogo. Já o Judiciário brasileiro sofre carcomido de três chagas extremas: a)… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Carvalho2008
3 meses atrás

Olá Carvalho. Acredito que não exista “centro” em política. Isso daria uma falsa impressão de uma posição neutra. Em política sempre há um posicionamento, sempre há ideias sendo defendidas ou criticadas. Passei a usar as expressões direita-democrática (ou centro-direita) e esquerda-democrática (ou centro-esquerda) para distinguir dos movimentos de extrema-direita (ou direita não-democrática) e extrema-esquerda (ou direita não-democrática). Talvez esses grupos não-democráticos sejam até menores que os 20~25% que você mencionou. O Brasil possui uma elite (que detém o poder econômico e controla o poder político) de tradição excludente, o que explica a histórica desigualdade social. Ela nunca foi democrática porque… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

E sobre a relação China e Argentina, veja… chegamos a um impasse com argentinos. Eles teimam em seguir por um caminho em que a 30 anos tentamos abrir seus olhos de que não leva a nada por ali seguir. Cronicamente em default por esta insistência e mais uma vez ainda persistiram em sua última eleição afundando ainda mais o país que com poder de veto em vários ítens no Mercosul, arrasta suas decisões para o acordo amarrando o Brasil. Então, uma parceria que tinha de tudo para ser saudável foi pouco a pouco perdendo musculatura. Não foi ruim para nós,… Read more »

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
3 meses atrás

Quando o míssil de cruzeiro brasileiro entrará em serviço? Porque tudo aqui é a passos de tartaruga? Oremos!

Rafa_Positronn
Rafa_Positronn
3 meses atrás

Temos um excelente projeto nacional levado a cabo por este GOVERNO MILITAR: subserviência e destruição do país

e vamos parar com essa lorota de que esse governo é do Bozo

Esse governo é do Exercito

o Bozo é só o palhaço que faz a chacrinha pra esses militares implantarem este projeto ultraliberal de desfazimento da identidade nacional

Traidores

El Lion
El Lion
3 meses atrás

Bom…. naõ vai ser integrando o Comando Sul dos EUA, recebendo ordens diretamente deles, nem pagando general para trabalhar para Mark Esper (e quiçá enfiando o país numa guerra com nosso vizinho) que nós vamos ter projeto nacional. Definitivamente, se subordinar aos EUA é o OPOSTO DE PROJETO NACIONAL. Tomem vergonha!!! https://www.brasil247.com/midia/brasil-paga-para-general-trabalhar-para-mim-diz-secretario-dos-eua

Rafa_Positronn
Rafa_Positronn
Reply to  El Lion
3 meses atrás

Que vergonha, meu Deus

que vergonha

olha no que se transformou esse pais

The Federative Republic of Puerto Ricco del BRAZIL

Tudo por causa de uma maldita facada fake e dos traidores de CUritiba