quinta-feira, agosto 5, 2021

Saab RBS 70NG

Defesa Antiaérea: Definidos os requisitos operacionais conjuntos para o sistema de médio alcance para as Forças Armadas

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O Ministério da Defesa publicou no Diário Oficial da União a portaria nº 4.181 que aprova os Requisitos Operacionais Conjuntos (ROC) para o Sistema de Artilharia Antiaérea de Média Altura/Médio Alcance das Forças Armadas.

O sistema de defesa antiaérea deverá ser adquirido e operado pelas três forças: FAB, EB e MB.

PORTARIA N° 4.181/GM-MD, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2020

Aprova os Requisitos Operacionais Conjuntos (ROC) para o Sistema de Artilharia Antiaérea de Média Altura /Médio Alcance das Forças Armadas – ROC Nº 54/2020.

O MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

único, inciso I, da Constituição, tendo em vista o disposto no art. 1º, inciso XVII, do Anexo I do Decreto nº 9.570, de 20 de novembro de 2018, e considerando o que consta do Processo Administrativo nº 60310.000363/2019-91, resolve:

Art. 1º Ficam aprovados os Requisitos Operacionais Conjuntos (ROC) para o Sistema de Artilharia Antiaérea de Média Altura/Médio Alcance das Forças Armadas – ROC Nº 54/2020, considerando a necessidade requerida pela estrutura de apoio logístico dos meios navais, aéreos e terrestres, na forma do Anexo à esta Portaria.

Art. 2º Fica revogada a Portaria Normativa nº 1.984/MD, de 3 de julho de 2013.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor em 4 de janeiro de 2021.

FERNANDO AZEVEDO E SILVA


Acesse o texto da Portaria clicando aqui.

- Advertisement -

237 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
237 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Allan Lemos
Allan Lemos
7 meses atrás

Daqui a uns 20 anos a gente assina o contrato e em 10 começamos a receber as primeiras unidades.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Allan Lemos
7 meses atrás

Mais ou menos isso viu!
Vão aprovar alguma abominação importada via T.O.T.

vlademir baltazar
vlademir baltazar
Reply to  Foxtrot
7 meses atrás

vamos receber os projetos já obsoletos de décadas passadas e achar que são o “estado da arte”

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  Allan Lemos
7 meses atrás

Confio mais num produto nacional que, mesmo que demore, ao mesmo tempo traga desenvolvimento tecnológico e soberania, do que em produto estrangeiro, que por mais que seja amplamente testado e comprovado, será sempre um equipamento estrangeiro e a manutenção/suporte depende do relacionamento com o país fornecedor e ainda, a interferência e captação e transmissão de informações, sejam um risco constante.
Mas penso que não demora tanto tempo não e que até lá temos, sim, que ter um equipamento estrangeiro.

Last edited 7 meses atrás by Cristiano GR
Gabriel BR
Gabriel BR
7 meses atrás

Boa noticia

Claudio Moreno
Claudio Moreno
7 meses atrás

Olá bom dia a todos os Senhores camaradas do Forte! Excelente notícia para o fim de ano. Isso faz 2021 ser mais esperançoso. Espero que não demore a aquisição e implementação, pois me recordo que a dois anos atrás esse estudo tinha previsão de seis meses. Me lembro também, que eu critiquei a iniciativa (por causa de minha experiência de vida e expectativas não concluídas com respeito à programas das FFAA) agora quero publicamente dizer que estava errado. Obrigado Bosco, Tutu e outros camaradas por manter o espirito otimista. Eu aprendi com os Senhores que não devemos desistir, mas sim… Read more »

Gabriel
Gabriel
Reply to  Claudio Moreno
7 meses atrás

Excelente comentário.
Não é tão simples como parece a definição dos requisitos operacionais, principalmente em uma área “nova” para as Forças Armadas brasileiras.
Lembrando que o objetivo não é “comprar”, mas sim comprar e saber operar na sua plenitude, dentro das necessidades brasileira.
Vou repetir a frase de um amigo que participou do processo: comprar é barbada, o problema será operar e manter se comprar errado.
E estamos falando de milhões de recursos envolvidos.
Por isso talvez a demora maior que a desejável.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Gabriel
7 meses atrás

Olá Gabriel,

O que o camarada disse é uma verdade absoluta. Saber operar, tirando o máximo do equipamento é tão fundamental quando a sua aquisição. Vemos na Síria recentemente, justamente isto! Baterias de S300, Pechora e outros que por não serem operados na sua plenitude, não foram capazes de neutralizar a ameaça ou pelo menos responder.

Gabriel, acho que o camarada também foi um dos colegas que me advertiram de meu erro lá atrás, obrigado.

CM

Paulo
Paulo
Reply to  Claudio Moreno
7 meses atrás

Amigo pelo
Que eu saiba nenhum momento os S300 foram mobilizados na syria

Last edited 7 meses atrás by Paulo
Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Paulo
7 meses atrás

Bom dia camarada Paulo e demais senhores camaradas do Forte! Amigo abaixo segue apenas um fragmento de um texto do site “velhogeneral”, que aponta a operação do S300 em ações de tentativa de frear a Força Aérea Israelense. Pode ser que uma pesquisa no desenrolar do conflito, ajude o camarada e a nós também, para estarmos juntos seguirmos atualizandos. Um forte abraço CM …”Os sistemas foram entregues em outubro de 2018 e declarados operacionais em março de 2019. Muitos imaginavam que o S-300 seria capaz de acabar com os incessantes ataques israelenses sobre posições do Irã e do Hizballah (também… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Gabriel
7 meses atrás

“ principalmente em uma área “nova” para as Forças Armadas brasileiras”
Agora sim, caí da cadeira…

Gabriel
Gabriel
Reply to  Joao Moita Jr
7 meses atrás

Já que você é especialista em DAAe de média altura, deveria ter participado das definições dos requisitos.

Olha que oportunidade nós perdemos.

Salim
Salim
Reply to  Joao Moita Jr
7 meses atrás

Se e área nova, fecha ITA, ESG e todos os organismos de defesa e coloca gente nova. Morosidade e marca de nossas forças, ate pra vacina passaram esta morosidade, vai espera morrer quantos pra tirar rabo cadeira. Forças defesa sem cobertura aérea e antiaérea e uma burrice, espero que saiam desta letargia e comecem trabalhar.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Salim
7 meses atrás

ta com medinho ta do virus mau … kkkkk

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Salim
7 meses atrás

Salim, quem aprova o orçamento é o Congresso!! Quem contingencia é o Ministério da Economia, pesquise um pouco, faz bem pra cuca!

Salim
Salim
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

Verba e gasto anual forcas defesa USD 25 bi entre os dez maiores mundo. FAB &5 mil homens , forca aérea Israel 30 mil. Marinha 80 mil , marinha inglesa e francesa 35 mil, australiana 15 mil homens. Quem colocou cabidao ??? Quem manda projeto gasto??? Congresso sempre aprovou gasto militar, o que ocorre e péssima administração. Agora vão modernizar leo1 e cascavel, tem cabimento no século 21???!!! Vão começar estudar defesa aérea, agora , tem que correr. Qual e nosso planejamento para drones defesa e ataque!!!??? E mais fácil cobrar os outros para encobrir incompetência. Fizeram fabrica de submarinos… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Gabriel
7 meses atrás

que o objetivo não é “comprar”, mas sim comprar e saber operar na sua plenitude, dentro das necessidades brasileira. Isso é conversa para boi dormir. Vejo um monte de países adquirindo recursos de ponta e se fortalecendo militarmente, já aqui ficam com essa ladainha de “ain demora porque é uma compra complicada”, “ain porque a gente quer com transferência de tecnologia”, “ain porque primeiro tem que fazer um estudo disso e um estudo daquilo”. Conta outra, meu chapa. Em menos de 2 anos a Turquia adquiriu o S-400. Há quanto tempo se fala em adquirir uma defesa antiaérea de médio… Read more »

Vinicius
Vinicius
Reply to  Allan Lemos
7 meses atrás

Pois é a turquia com S400, agora pesquisa, saiu aki tb a reclamação deles quanto a operação do mesmo, então os comentários acima não são pra boi dormir

Santiago
Santiago
Reply to  Allan Lemos
7 meses atrás

Eu estava pensando exatamente isso esses dias. Saiu uma matéria no aéreo um tempo atrás que a Fab demorou 2 anos estudando para realizar um exercício de um míssil de ombro (Manpad Igla). Como vc falou, a Turquia foi lá comprou S-400 e já está operando, treinou até com seus F-16 Viper. A Venezuela comprou S-300VM/VMK Antey-2500 armados com 40 mísseis 9M82M, 150 mísseis 9M83M , S-125 Pechora 2M armados com 550 mísseis retrofitados V-601, Buk M2 armados com 250 mísseis 9M317, 4000 mísseis 9K388 Igla-S, 40 unidades do Sistema Barak 1 com 3 lançadores recebidos entre 2005/06, e mais… Read more »

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Santiago
7 meses atrás

Eu sabia que a Venezuela tinha alguma defesa aérea mas os dados que vc expõe me deixam perplexo, que fartura!
Isso somado aos su-30 realmente colocam os céus venezuelanos em posição de destaque!

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Allan Lemos
7 meses atrás

O S-400 e o Pantsir SM seriam excelentes para uso na FAB e no EB respectivamente por serem equipamentos russos da melhor qualidade.
Mas em defesa das Forças Armadas do meu Brasil, eles nao fazem “tudo a conta gotas” porque querem, e sim porque nao tem dinheiro para torrar comprando tudo de uma vez e faz as coisas no tempo e na quantidade que pode ter ou fazer.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Allan Lemos
7 meses atrás

“Vejo um monte de países adquirindo recursos de ponta e se fortalecendo”… e isso é garantia de alguma coisa? Será que na hora que precisarem serão efetivos? Saberão usar com eficiência? Olha o exemplo da Síria, que equipamento de ponta russo, dos melhores do mundo e tomaram uma surra de Israel como se não tivessem nada. Da Arábia Saudita eu nem preciso falar, né? Operam de tudo o melhor, equipamento caro, americano, mas vez ou outra tão tomando uma surra de rebeldes apoiados pelo o Irã, Iêmem e afins… Você realmente acha que uma arma que precisa engajar e abater… Read more »

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Claudio Moreno
7 meses atrás

Tomara que seja aberto com ampla concorrência e a decisão final seja baseada em detalhes técnicos e não diplomáticos.

R_Cordeiro
R_Cordeiro
Reply to  Vinicius Momesso
7 meses atrás

Os tramites diplomaticos/geopoliticos são tao ou mais importantes que os requisitos tecnicos/operacionais. Vale sempre a maxima, ter um meia boca e poder operar é sempre melhor que ter um otimo e não poder operar quando precisa. A história esta cheia de aprendizado neste sentido. O balanço custo x beneficio x autonomia x manutenção ao x suporte é tão complexo, trabalhoso e custoso que nao fazemos ideia quando é anunciado um RFP ou por fim a aquisicao.

Caio
Caio
7 meses atrás

Vamos torcer que seja rápido, pois é uma fraqueza que nem eles escondem.

Last edited 7 meses atrás by Caio
Welington S.
Welington S.
Reply to  Caio
7 meses atrás

eu acredito que possa ser rápido sim tendo em vista as ameaças a nossa soberania no que tange nossa amazonia

nonato
nonato
Reply to  Welington S.
7 meses atrás

A maior ameaça à nossa soberania são os derrotados em 2018, que querem levar no tapetão inclusive espalhando mundo a fora que estão colocando fogo na Amazônia.
Além do que sempre ocorreu.
Até em Brasília todo ano tem incêndio em setembro.
Na Califórnia há incêndios enormes.

Salim
Salim
Reply to  nonato
7 meses atrás

O que demostra a grande incapacidade deste governo na politica externa, gerenciamento ambiental e também na administração do pais. So vemos indicadores piorando ate agora, tanto sociais como econômicos. Vão acabar elegendo governo de esquerda com toda esta incompetência.

Augusto Motta
Augusto Motta
7 meses atrás

O que é médio alcance? Quais sistemas coadunam? Quem serão os candidatos? A plataforma será móvel ou fixa? Cadê o resto da matéria?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Augusto Motta
7 meses atrás

Clique no link para acessar a portaria. Aqui vai um resumo… Itens Obrigatórios: 1) + 40 km de alcance horozontal 2) + 15 km de alcance vertical (altitude) 3) ser instalado em veículo tracionado (móvel) 4) transportável em balsas, barcaças do EB, carregavel por rampas em navios anfíbios e também embarcações de desembarque da MB e em aeronaves KC-390 e C-130 da FAB (Da a entender que será para uso dos fuzileiros e não tem a ver com os misseis das fragatas) 5) engajar 16 alvos simultaneamente 6) radar com minimo de 200 km alcance e 20 km de altitude.… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Por esse requisitos esquece, pantsir, Tor, RBS-23 BANSER. Sobra o BUK-M2 ou M3, o SPYDER-MR e com alcance maior que 80km o SAMP-T e o Patriot.
Todo mundo já sabe para qual sistema ele foi direcionado nê?

Teropode
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Eu não sei não , não tenho o sexto sentido , se tivesse usaria na Mega da virada .

ted
ted
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Junior
Junior
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Olhando bem esses requisitos, seria melhor as forças pularem a etapa de concorrência e abrirem logo negociações com a Rafael para comprar o Spyder MR, se antes eu achava que ele seria o escolhido, agora eu tenho quase que certeza

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Junior
7 meses atrás

Pois é.

Mateus Germano
Mateus Germano
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Vc passou algumas informações sem os detalhes da portaria, e será usando pelas forças de defesa aéroespaciais

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Augusto Motta
7 meses atrás

Tem um link pra você clicar.
Sobre as definições de médio alcance, tem dezenas de matérias já publicadas sobre esse tema nas Forcas Armadas do Brasil.

Satyricon
Satyricon
7 meses atrás

Rapaz, esse ano tá de matar (literalmente), mas pelo menos temos alentos como esse, à tanto tempo esperado. Que o cara lá em cima ilumine os tomadores de decisão dessa nação, e que essa brecha gigantesca em nossa defesa comece a ser fechada num futuro breve.

JonasN
JonasN
7 meses atrás

Que tenha conhecimento o único míssil que se encaixa no requisito de 40 km sem o booster é o vl mica ng. Será que ele foi o míssil selecionado tbm para as tamandaré?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Eu acredito que esse projeto não interferirá nos misseis antiaéreas das Fragatas da MB.

Pelo menos nos requisitos não falam nas fragatas ou lançadores em navios. Falam em veículos que possam ser transportados por balsas, barcaças e navios anfíbios da MB.

Da a entender que na MB será para uso dos Fuzileiros Navais, que será um sistema instalado em um veículo tracionado que será utilizado pela FAB, pelo EB e na MB pelos fuzileiros.
Os navios de combate da MB não foram citados. Seria muito bom que fosse padronizado também, mas nao é o que parece.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Camarada Luis,

Entendo tal como o colega, no caso da MB será para apoio aos CFN em seus deslocamentos.

CM

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Luis Henrique a MB pode fazer uso destes SAM´s para proteção de suas instalações estratégicas, bem como cobertura de operações dos Fuzileiros Navais… quanto aos navios até pouco tempo atrás a opção era o CAMM…. diga-se de passagem, este mesmo sistema pode participar deste processo de aquisição ….

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Plinio Jr
7 meses atrás

O CAMM possui 25 km de alcance. Requisitos absolutos pedem + de 40 km e desejável + de 80 km.
O CAMM-ER pode cumprir o requisito absoluto, o CAMM não.
Mas como o desejável é alcance superior a 80 km, o CAMM-ER pode participar, mas existem sistemas com mais alcance, que pelos requisitos seriam mais Desejáveis.
Eu creio que o Barak 8 seja mais indicado para os requisitos.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Um míssil diferente nas embarcações para mim é burrice, deveria ser padronizado para tudo, e ganhar com escala.

Nossas forças como sempre na contramão da administração eficiente.

Teropode
Reply to  Defensor da liberdade
7 meses atrás

Vc bem disse : Pra vc isso é burrice …., isso não tem relevância alguma , acredite .

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Olá Camarada Jonas,

Não estou afirmando absolutamente nada, mas teu comentário me fez recordar de um acordo (não sei se ainda está em vigor) entre Avibrás e MBDA. Será que eles já saem na frente?

CM

JonasN
JonasN
Reply to  Claudio Moreno
7 meses atrás

Pelas noticias que li o mica ng ainda está em desenvolvimento, algumas citando a produção em série em 2022 e outra cita apenas em 2026. Seria perfeito para o Brasil. A Avibras entra com motor foguete e integração, opto com o sensor IIR e a Omnisys com o radar já que subsidiária do grupo Thales.
Sonhar é de graça kkkkk

sj1
sj1
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Esquece a França nesse programa, as FFAAs não vão querer

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  sj1
7 meses atrás

Devemos rejeitar a França , França Fora………..!!!!

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  jose luiz esposito
7 meses atrás

Boa noite Esposito, estou contigo nesta bandeira!
Cada centavo que damos aos franceses, estes filho da mãe, se aparelham mais e melhor, para depois vir e arrotar abobrinhas sobre a soberania de nossa Amazônia.

CM

Carlos Alberto Soares
Reply to  Claudio Moreno
7 meses atrás

Spyder a caminho, quem viver verá.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  sj1
7 meses atrás

Dificil, já que operamos muita coisa dela, de submarinos á helicopteros. Sem falar que eles são socios majoritários na maior empresa de misseis da europa.

sj1
sj1
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Tudo tem um começo, isso é daqui pra frente.

Astolfo Junior
Astolfo Junior
Reply to  JonasN
7 meses atrás

”b) Máximo alcance horizontal de engajamento não inferior a 40.000 metros;”. Ou seja, os sistemas podem ter mais de 40 km, então tem varias opções disponíveis.

Astolfo
Astolfo
Reply to  Astolfo Junior
7 meses atrás

Que isso, eu tenho um filho e não sabia?

Alex Tiago Do Prado
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Boa tarde Jonas nao sei em relação ao booster mas tem varios que se encaixam desde sistemas americanos russos até inglês frances israilenses entre outros ouvi até uma historia de possivel reavaliação do programa no Pantsir a ultima versão pra ver o quanto material tem para avaliar sitei o Pantsir apenas por exemplo mas tem varios sistemas que se encaixa nos requisitos e lembre se do desejavem +80km.

Bosco
Bosco
Reply to  JonasN
7 meses atrás

O que tem a ver ter ou não o booster?

JonasN
JonasN
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Página 8
“3.5) É desejável que o Subsistema de Armas incorpore mísseis capazes de transportar todo o combustível necessário ao engajamento supracitado, sem recorrer ao emprego de motores foguetes auxiliares descartáveis durante o voo.”

JonasN
JonasN
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Pelo texto não é um item obrigatório. Mas por algum motivo, que desconheço, o MD prefere um míssil sem booster.

Bosco
Bosco
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Jonas,
Valeu! Não tinha visto esse requisito.
*Será que tão com medo do booster cair na cabeça de alguém. rsrss

Last edited 7 meses atrás by Bosco
Art
Art
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Exatamente isso.

Art
Art
Reply to  Bosco
7 meses atrás

O Booster vai cair na cabeça de alguém, como somos latinos e nos preocupamos com o povo é um dano colateral a ser recusado. Russos e Chineses não se importam se um tarugo de 80kg cair na cabeça de seu povo ou em cima da casa de alguém.

Last edited 7 meses atrás by Art
Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Art
7 meses atrás

Andei pesquisando, e o SPYDER-mr tem booster. Na verdade a maioria dos sistemas lançados na vertical tem. Acho estranho esse critério já que ate o nosso missil de cruzeiro tem um.

Bosco
Bosco
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Cristiano, Há várias maneiras de incrementar o alcance de um míssil pré-existente. Um deles e colocar um booster. Os outros são: 1- aumentar a quantidade de propelente, seja aumentado o tamanho do motor (altera a dimensão e a massa do míssil), seja reduzindo os outros subsistemas internos (não altera as dimensões e massa do míssil); 2- alterando a composição do propelente, por um mais energético ; 3- alterando a disposição do propelente na câmara de modo a permitir mais de um pulso (dual pulse, multi pulse) ou de modo a aumentar o tempo de queima; 4- alterando o tipo de… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Caro Bosco, a limitação de uso booster diminuirá as opções, visto que maioria destes sistemas utilizarem misseis com booster, pois e opção mais rápida , tecnicamente eficiente e mais barata.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
7 meses atrás

Com certeza Putin oferecerá uma suíte de defesa com preço acessível ao EB. Com elogios mútuos entre Bolsonaro e ele e Biden no “cangote”, a chance é boa.

Last edited 7 meses atrás by Vinicius Momesso
Tutu
Reply to  Vinicius Momesso
7 meses atrás

O problema são os requisitos, acho que os russos não tem nenhum sistema com as prestações que estamos pedindo que possa ser transportado por um KC-390 ou C-130H.

Lembrando que tal capacidade de rápido transporte vai ser primordial.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Tutu
7 meses atrás

O sistema spyder-mr cabe tranquilamente tanto no kc-390 quanto no C-130….é um sistema consolidado no mercado e ao meu ver um forte candidato

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
7 meses atrás

O Pantsir C1 cabe.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Vinicius Momesso
7 meses atrás

Más tem alcance inferior á 40km.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Mas caberia e serviria muito bem ao EB.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Obrigado Cristiano, complementando o Pantsir embora seja um excelente sistema, está na faixa dos 20km de alcance, muito abaixo do requisitos. Acredito que o brasil dará prioridade para equipamentos ocidentais tentando absorver o máximo de tecnologia possível, inclusive conciliando com a indústria bélica nacional, ou seja, adeus sistemas russos e chineses… Moro em Campinas interior de SP onde se encontra a empresa BRADAR da embraer, no meu percurso diário tenho o privilégio de ver um radar Saber no teto da empresa e me sinto orgulhoso e me faz acreditar no potencial brasileiro em desenvolver um sistema excelente. link do saber… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
7 meses atrás

Sim, más para constar, não vejo nada demais em adotar sistemas orientais. Em especial os Russos que são o país com mais experiência no assunto e portanto, possuem os melhores sistemas, seguidos por Israel, EUA, Europa. Nessa ordem.

Bosco
Bosco
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Cristiano, Esse mito que os sistemas de mísseis sup-ar russos são superiores não passa de mito mesmo. Tal afirmação não se sustenta no mundo rela. Esse mito existe porque os sistemas soviéticos foram os mais adotados em operações de guerra real, contra os americanos no Vietnã e no Iraque e Iuguslávia e contra israelenses. Nesses conflitos houve muita visibilidade dos sistemas AA russos, mas eles tiveram desempenho medíocre. Os soviéticos custaram a entrar na era da eletrônica de estado sólido e ficaram por muito tempo na era das válvulas. Só como exemplo, o sistema TVM adotado pelo Patriot na década… Read more »

Carlos Alberto Soares
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Spyder a caminho.

bjj
bjj
Reply to  Tutu
7 meses atrás

Tutu O transporte por KC-390 e C-130 pra mim é uma polêmica desnecessária. Inclusive acho que é um dos requisitos que vai passar de obrigatório para desejável, assim como já aconteceu lá atrás quando queriam o Pantsir. Primeiro porque os requisitos não deixam claro se o transporte deve ser feito com os sistemas montados ou desmontados. Talvez algum dos concorrentes não possa ser transportado montado mas possa ser transportado se for divido em várias partes. Neste caso, atenderia o requisito ou não? Ficou subjetivo. Segundo porque cada bateria de qualquer um dos candidatos é formada por veículo radar, posto de… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  bjj
7 meses atrás

A FAB vai ter 28 kc-390, o dobro do que temos de C-130. Um sistema desses tem ao todo, 12 ou 16 veiculos. Lembrando que o KC-390 e capaz de transportar os astros 2. Devem claro que fazer o transporte em mais de uma viagem, más como tal sistema não e para ser mobilizado ás pressas, o calculo deles deve ser, temos que posicionar o sistema no meio da amazônia, esquece estrada e navio.

Carlos Alceu Gonzaga
Carlos Alceu Gonzaga
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Uma unidade Spyder é formada uma CCU e quatro lançadores. A CCUBja inclue o radar de controle de tiro e controle de espaço aéreo

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  bjj
7 meses atrás

Lembrando que duvido termos muitas baterias. Acho que se chegarmos a ter 12 já vai ser muito, 6 no exército, um para cada comando militar, 3/4 para FAB e 2/3 para os fuzileiros.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Tutu
7 meses atrás

Tem sim, o S-350 Vityaz, equivalente ao SAMP-T.

Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  Vinicius Momesso
7 meses atrás

O EB e a FAB usam o Igla há um bom tempo, ou seja, já existe alguma experiência e doutrina com sistemas russos. Talvez as chances da Rússia não sejam desprezíveis no certame.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Pedro Bó
7 meses atrás

Leia os requisitos, os Russos não tem nada com alcance superior a 40 km que caiba num C-130. São dois requisitos obrigatórios.

Bosco
Bosco
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Cristiano,
Será que o S-350 não cabe?

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Fica a dúvida mas eu acho que só bem picadinho no Machado!

RENAN
RENAN
Reply to  Vinicius Momesso
7 meses atrás

A maior dificuldade é integrar sistema russo com a rede de radares nacional, e integrar ao iff nacional, integrar ao sistema de comunicação nacional. Os Russo não irá deixar a arquitetura aberta para o Brasil nunca.
Por melhor que seja seus sistemas estás limitações irá tirar eles da concorrência

Bardini
Bardini
7 meses atrás

MD: Alô, é da MBDA? MBDA: Sim, em que posso ajudar? MD: Você poderia nos fornecer uma ficha técnica completa do seu sistema EMADS em conjunto com o a ficha técnica do míssil CAMM-ER? É que estamos precisando “pra uns negócios aqui”. MBDA: Claro que sim. Envio pro seu email? MD: Isso, por favor! MBDA: Certo então. Já lhe envio. MD: Ok, muito obrigado! MBDA: Nada… . MD: O Estagiário!!! Estagiário: Fala, chefe… precisa de mais café? MD: Sim. E depois disso, pega os pdfs que te encaminhei e monta aí um ROB pra um sistema de defesa aérea com… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Gabriel
Gabriel
Reply to  Bardini
7 meses atrás

A criatividade do ignorante, para querer se apresentar como sábio, é digna de reconhecimento.

A desinformação provocada, pelas palavras do ignorante, merece no mínimo reprovação.

O ignorante, no esforço de parecer sábio, se mostra ainda mais desprovido de conhecimento.

É um daqueles momentos que você sente vergonha, da vergonha alheia.

#paz

Last edited 7 meses atrás by Gabriel
Bardini
Bardini
Reply to  Gabriel
7 meses atrás

Feliz Natal e Boas Festas 🎄🎅🏻👍🏻

MFB
MFB
Reply to  Gabriel
7 meses atrás

Escreveu olhando no espelho ou o que?

Cinturão de Orion
Reply to  Gabriel
7 meses atrás

Quando o “nem Aluno” debocha do “Professor Pós-Doutor”. Mais respeito com o (nosso) decano Bardini.

Gabriel
Gabriel
Reply to  Cinturão de Orion
7 meses atrás

Eu não sabia que o Bardini (deve estar usando um pseudônimo como eu) também é especialista em DAAe.

Quem sabe foi meu professor e eu nem sabia.

Se bem que meus instrutores jamais fariam deboche ou falariam tanta besteira, mesmo por brincadeira, em relação a assuntos sérios, “em público”.

Agora, se for Doutor/Phd por notório saber, através de vídeo no YouTube, o valor do teu Decano é pouco significativo.

Greyjoy
Greyjoy
Reply to  Gabriel
7 meses atrás

Ah pronto. Mais um milico surtando por conta das piadas com as Forças Armadas.

Bosco
Bosco
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Bardini,
Tenho que concordar contigo.

Carlos Alberto Soares
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Sobre o feliz natal etc ….

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Alô MBDA, o CAMM tem 10.000 Mtd.de alcance vertical???
Ahh, então tá, vocês estão fora, nos precisos de no mínimo 15.000.
Vamos até Jerusalém para olhar o que eles tem.

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  Juarez
7 meses atrás

Dez mil metros é muito aquem de Médio Alcance, é curto alcance

Juarez
Juarez
Reply to  jose luiz esposito
7 meses atrás

Justamente José, por isto o alcance vertical mínimo de 15.000 Mts.
Eu aproveitei a brincadeira do Bardinii que foi muito inteligente e toquei o baile

Junior
Junior
Reply to  Juarez
7 meses atrás

Também acho que vai dar algum sistema israelense, muito provavelmente o barak 8 ou Spyder, apostaria no segundo que é um dos poucos que cabe no bolso das forças e mesmo assim fazendo muito esforço e contando muita moedinha

Juarez
Juarez
Reply to  Junior
7 meses atrás

Júnior, acho que o que se enquadra no caso do Spyder e o MR.

Carlos Alberto Soares
Reply to  Juarez
7 meses atrás
Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Agora sai do papel a parceira da MBDA com a Avibrás que foi assinada anos atrás!

Bulldog
Bulldog
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Não precisou ligar…tem aqui:
https://www.mbda-systems.com/product/emads/

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Bulldog
7 meses atrás

Os senhores esqueceram que é desejável o missil ter alcance Superior a 80 km ?

Muitos estão batendo na tecla do CAMM.
Primeiro que tem que ser o CAMM-ER pois o CAMM tem apenas 25 km de alcance e é obrigatório que o missil tenha + de 40 km de alcance, de acordo com os requisitos.

Segundo que o CAMM-ER cumpre o requisito absoluto, mas nao possui + de 80 km de alcance, que é um requisito Desejável.

Pode vencer? Claro.
Mas longe de ser o favorito de acordo com os requisitos.

Eu apostaria no Barak 8 (MRSAM).

Thom
Thom
7 meses atrás

Brasil deveria comprar um sistema já pronto. Sei que é ótimo desenvolver um sistema como esse(iria demorar, além do risco de ser cancelado ou postergado), mas firmar uma parceria com a SAAB (por exemplo) em longo prazo, tendo por opção fabricação dos mísseis e manutenção seria o ideal.
Israel ou SAAB poderiam ser esses parceiros.
Sou fã do Iron Dome.

Satyricon
Satyricon
Reply to  Thom
7 meses atrás

Tio Jacob é bom de parceria.

Flight_Falcon
Flight_Falcon
Reply to  Satyricon
7 meses atrás

Bom para quem?
Integração dos Derby, vieram aqui entregaram e não ensinaram a utilizar o artefato da melhor forma, gostando ou não, quem ensinou o Brasil a utilizar misseis BVR foram os franceses quando chegou o Mirage 2000.
Tenho minhas dúvidas nesse caso se a parceria israelense seria a melhor para aquisição de um novo sistema de defesa, considerando o histórico anterior.

Salim
Salim
Reply to  Flight_Falcon
7 meses atrás

Os franceses deram treinamento em bvr quando vieram Miragens, os derby vieram bem depois para f5m. O derby e um bvr porem tem alcance 60km e nez 25km . O ideal seria derby er com 100 km, porem náo compramos o mesmo. O gripen terá meteor que e bem superior.

Bosco
Bosco
7 meses atrás

Os requisitos são completamente incompatíveis com um sistema único de mísseis. Querem que um mesmo sistema seja competente para várias atividades: antiaérea convencional, C-UAS, C-PGM, etc.
Os sistemas que mais se adequam são:
Spyder MR
SLAMRAAM-ER (NASAMS)
CAMM-ER
MEADS
S-350
MRSAM
KM-SAM
*Com a ressalva que ainda não foi mostrado uma versão do SLAMRAAM-ER de lançamento vertical, que parece ser exigido.

Last edited 7 meses atrás by Bosco
Cinturão de Orion
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Caro Bosco.

Perguntei adiante (ou antes) sobre “quais Produtos atenderiam” o ROB e, de repente, vc já tinha postado uma resposta. Grato por tabela.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Caro Bosco, sou meio leigo quando a temática é defesa AA, com bases nesses requisitos, na teoria será um bom sistema?

Bosco
Bosco
Reply to  Heinz Guderian
7 meses atrás

Heinz,
Sem dúvida! Os requisito do EB são muito interessantes e há vários no mercado, como eu citei acima. Todos muito bons.

Carlos Alberto Soares
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Quem vai bater o martelo é o 01.

Shalon

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Bom, eu iria de CAMM-ER pela possibilidade de usar nas fragatas, ganha economia de escala se comprar para equipar as três forças, quem sabe até produção local do míssil.

Nostra
Nostra
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Day before yesterday DRDO test fired MRSAM for the Indian army.

1.jpg
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

It is the Indian army version of MRSAM , there also exists a version for IAF

4.jpg
Last edited 7 meses atrás by Nostra
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

IA placed orders for 5 regiments for 2.4 billion dollars

Ep7h7QOVEAANf7m.jpeg
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

IAF version of MRSAM , 2 billion dollars order placed and being inducted.

50625336_1360768560731491_4248959666454790144_n.jpg
Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Nostra
7 meses atrás

A C-130 can deal with it?

Nostra
Nostra
Reply to  Carlos Gallani
7 meses atrás

This is the brochure of IA version of MRSAM
comment image

Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

2nd portion of brochure.
comment image

It’s say transportable by road, rail, air and ship .

India operates C-130 so it should be capable , but I don’t cannot say for sure because information regarding C-130 specifically is not available .

Last edited 7 meses atrás by Nostra
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Maybe India can compete, what India has in SAM?

Nostra
Nostra
Reply to  Carlos Campos
7 meses atrás

The Brazilian requirements are very extensive and tight eg it requires to be operated by all 3 services , range 40+ km , altitude 15+ km , both land and sea based , radar range 400+ km etc DRDO has 14+ different SAMs systems either in service or development testing but thing is the system’s don’t meet all the requirements. The system which meets the requirements are under development. Only system currently in service which meets the brazilian requirements is the LRSAM and MRSAM combo which is a JV between DRDO and IAI. Even here the radar falls short of… Read more »

Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Barak-MX might fit the Brazilian requirements , they will only have to include a 400+ km range radar , which will be easy to do.

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Nostra
7 meses atrás

“…both land and sea based..” i just think they mean being transported by sea for the Br Marines.

Nostra
Nostra
Reply to  PauloOsk
7 meses atrás

” Transported by sea ” what it means ?

Only transportation from one place to another through sea ? or also firing from platforms on sea ?

Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Example like this

images (1).jpeg
PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Nostra
7 meses atrás

“Only transportation from one place to another through sea”
This is exactly what i understand from the doc.. i might be wrong tho.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Nostra
7 meses atrás

The requirements calls for a 200 km radar, not 400.

Nostra
Nostra
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Oh sorry , by mistake I wrong interpreted the range .

Junior
Junior
Reply to  Nostra
7 meses atrás
kornet
kornet
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Mestre Bosco, na sua opinião qual seria o melhor para o Brasil?
Na sua opinião a distância e altura seriam fatores preponderantes, sem esquecer o preço, na escolha?
Abs.

Bosco
Bosco
Reply to  kornet
7 meses atrás

Kornet, É complicado porque é uma classe de mísseis onde todos são muito parecidos. Todos têm: 1- seeker radar ativo 2- lançamento vertical (com exceção do NASAMS) 3- radar de vigilância 360º 4- data link com o míssil Eu acho que o que vai ser preponderante será a capacidade de serem levados pelo KC390. Se houver conflito entre desempenho cinético (alcance) e capacidade de transporte estratégico, o segundo requisito é mais relevante. *Os sistemas que não citei foram o IRIAS-T SL e o VL MICA-NG. Até onde eu sei eles não preenchem os requisitos mínimos de alcance horizontal e vertical… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Bosco
JonasN
JonasN
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Bosco, a versão NG do vl mica tem alcance horizontal de 40km, e o Iris-t slm tbm tem no site dos fabricantes(link no final). Eu acho que tem vários mísseis dentro dos requisitos, o que é bom pois aumenta a concorrência e baixa o preço. Acho que leva quem oferecer maior participação da indústria nacional Aposto nesses(em ordem): VL mica NG Spyder MR Camm ER Barak 8 Iris-t slm. Acho que a briga fica entre VL Mica ng e Spyder MR. O sistema Israelense por terem uma forte parceria com o Brasil na área de defesa e o francês pq… Read more »

Last edited 7 meses atrás by JonasN
Kornet
Kornet
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Muito obrigado pelas explicações.
Tomara que o escolhido, que caiba no 390 ,tenha um alcance maior do que os 40km e 15km de altura .

RENAN
RENAN
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Os sistemas de Israel tem até preço apresentado ao exército em março deste ano.
Acredito que após a publicação do ROC será revisto os valores

Espero que seja adquirido alguma coisa que o Brasil tenha condições financeiras de manter operacional por todo seu ciclo de vida.

Fighter_BR
Fighter_BR
7 meses atrás

A Rafael está investindo pesado com propagandas no YouTube direcionado para o Brasil. Aparece muita propaganda do Iron Dome e David Sling. Segundo o Caiafa, dois candidatos israelenses são Spyder e Barak 8.

JonasN
JonasN
Reply to  Fighter_BR
7 meses atrás

O requisitos exige capacidade de atingir alvos com velocidade superior a 800m/s(mach 2.3) o Barack 8 tem velocidade divulgada de mach 2

Bosco
Bosco
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Jonas,
O alvo é que pode estar a Mach 2.3 e não o míssil interceptador.

JonasN
JonasN
Reply to  Bosco
7 meses atrás

No documento diz que o alvo pode está em qualquer perfil do vôo. Se o alvo está indo em direção ao míssil, ele não precisa ter mach 2.3 para alcançar o alvo. Mas se o alvo estiver no sentindo contrário o míssil tem que ser mais rápido que o alvo para poder alcançar.
Entendi assim, como diz especificamente em qualquer perfil de vôo. Logo o míssil tem que ter velocidade superior a mach 2.3

Bosco
Bosco
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Talvez Jonas, mas duvido que a velocidade máxima do Barak 8 seja somente de Mach 2. Essa velocidade deve fazer referência à velocidade sustentada já que ele possui um sistema de propulsão por foguete sólido de multipulsos, o que permite sustentar velocidade por mais tempo, aumentando o alcance e a capacidade de manobra.
Mísseis antiaéreos com motores foguetes convencionais mantém seu motor funcionando por um curto período com altos indices de aceleração e levam o míssil a um pico de velocidade muito alta mas que devido ao arrasto cai rapidamente.

JonasN
JonasN
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Entendi Bosco, não sabia desse detalhe.

Bosco
Bosco
Reply to  JonasN
7 meses atrás

Jonas, Não há nenhum míssil de médio e grande alcance com velocidade abaixo de Mach 3. Mach 2 até Mach 3 em geral é observada em manpads e mísseis de curto alcance. E um dos motivo é exatamente esse que você citou, que é a interceptação de uma aeronave que está se afastando do lançador. O alvo rapidamente sai do envelope do voo se o míssil tiver só Mach 2 de pico. Já se chegar a Mach 3 ou 4 e sustentar Mach 2 por um período maior ele teria uma enorme capacidade de interceptação. Mísseis de médio alcance atingem… Read more »

Nostra
Nostra
Reply to  Bosco
7 meses atrás

LRSAM/MRSAM ( barak 8 ) terminal speed is 4.5 mach when the 2nd pulse is fired.

Last edited 7 meses atrás by Nostra
Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Thanks for this.

Do you know if MRSAM can be airlifted by c-130 and kc-390?

Nostra
Nostra
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Information on the weight / dimension specifications of the various MRSAM systems is not known to me.

But all the systems of MRSAM are containerised , so it should be air transportable by c-130 ( by weight ) in my opinion.

u9.53.27.jpg
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Above C2 system without the semi trailer vehicle

07e7.jpeg
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Power supply system for C2 post and radar

70.jpeg
Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Thanks.
I tried to find information about dimensions and weight and I didn’t find too.
I think it might fit, but a confirmation would be nice.

Nostra
Nostra
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

The Israeli barak-MX will fit into c-130 imo . But part by part ie launcher , radar , C2 , power supply systems will have to be transported by c-130 seperately.

And when the names of OEMs who participate in tender becomes known , then one will have the confirmation.

Last edited 7 meses atrás by Nostra
Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Nostra
7 meses atrás

Tks, had no more doubt!

Matheus S
Matheus S
Reply to  JonasN
7 meses atrás

O alvo que pode chegar até mach 2.3 são aeronaves de asa fixa e mísseis de cruzeiro em qualquer perfil de voo. Agora me diga, como uma aeronave de asa fixa entrará em posição no sentido contrário do míssil? Em meu amplo desconhecimento, acredito que existe duas possibilidades. Primeira – O alvo(aeronave de asa fixa) voará no raio do alcance do radar mais afastado para em seguida evadir em grande velocidade, dessa forma para evitar serem alvejados. Segunda – O alvo entrar no raio de ação do míssil e em seguida manobra para fugir do míssil. Você pode pensar em… Read more »

nonato
nonato
Reply to  Matheus S
7 meses atrás

Outra possibilidade é o míssil ou caça passar pela área da defesa antiaérea, mas o alvo ser outro mais adiante.
Tipo a defesa está no Rio mas o alvo do caça ou míssil é são Paulo.

Bosco
Bosco
Reply to  nonato
7 meses atrás

Isso pode acontecer sim! Aliás, é comum. Não há defesa que cubra todo um país de grandes extensões. Nesse caso o atacante teria que passar pelas defesas (supondo que ele tenha consciência que existam) e para isso teria que implementar o chamado SEADS , usando ataque eletrônico, mísseis antirradiação, mísseis despistadores, etc. Outra possibilidade é de atacar diretamente a IADS primeiro , usando o DEADS, nesse caso além dos meios citadas acima haveriam bombas, mísseis táticos, cruise, etc. já que o objetivo não é só deixar passar o pacote de ataque mas sim o de destruir permanentemente o sistema defensivo.… Read more »

Carlos Alberto Soares
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Inimigos ocultos:

Igla’s e RBS’s

Welington S.
Welington S.
Reply to  Fighter_BR
7 meses atrás

POderia mandar um link do vídeo deles?

Astolfo
Astolfo
7 meses atrás

SÓ AGORA os requisitos foram definidos?? Estão de sacanagem?

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Astolfo
7 meses atrás

Montar requisitos que atendam as 3 forças não é simples assim….na verdade é uma dor de cabeça enorme….tentar atender a todos as vezes acaba em não atendendo ninguem (se é que vc me entende)

Claudio
Claudio
7 meses atrás

Um sistema que provavelmente se encaixa nos requisitos é o IRIS-T SLM,me corrijam-me se eu estiver errado

Juarez
Juarez
Reply to  Claudio
7 meses atrás

Também, junto com o Barak.

sj1
sj1
Reply to  Claudio
7 meses atrás

Segundo o Caiafa é disparado o mais caro de todos, mas tbm um equipamento no estado da arte.

Bosco
Bosco
Reply to  Claudio
7 meses atrás

Claudio,
O site do fabricante é uma desinformação geral. Até onde eu sei ele não preenche os requisitos de desempenho cinético.

RENAN
RENAN
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Se não sabem fazer um site vão saber fazer um sistema anti aéreo?

Gabriel BR
Gabriel BR
7 meses atrás

Eu proporia um sistema que combinasse radares e sistemas nacionais e o Mica NG francês que no caso seria nacionalizado .

Juarez
Juarez
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Só na tua mente embriagada pelo ausência neuro motora.
Esquece míssil francês e nacionalizar este troco caro e que ninguém mais vai adotar.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Juarez
7 meses atrás

Gauchão , todo mundo aqui sabe que você não é …

Juarez
Juarez
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Não é o que o bobalhão???

Carlos Alberto Soares
Reply to  Juarez
7 meses atrás

TMJ

Wilson
Wilson