domingo, dezembro 5, 2021

Saab RBS 70NG

ENTREVISTA: Giovanni Luisi, SVP Commercial do Consórcio Iveco-Oto Melara

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O Forças Terrestres entrevistou com exclusividade o SVP Commercial do Consórcio Iveco-Oto Melara, Giovanni Luisi, que traz novas informações sobre o Centauro II e a oferta para o Exército Brasileiro.

ForTeComo e quando surgiu o Centauro? Quais foram os requisitos que levaram ao surgimento do blindado?

Giovanni Luisi – Na década de 80, o Exército Italiano decidiu renovar toda a sua frota de veículos blindados e confiou esta tarefa ao Consórcio Iveco – Oto Melara (CIO) – pertencente em igual participação às empresas Iveco Defence Vehicles e Oto Melara (que agora é Leonardo) – para conceber uma nova família de veículos com rodas e lagartas. Sendo assim, foram desenvolvidos o Centauro 8×8, Puma 4×4 e 6×6, Ariete MTB e Dardo AIFV.

Em 1985, o Exército Italiano emitiu os primeiros Requisitos Operacionais para um novo conceito de sistema de armas 8×8. O Centauro, o primeiro Mobile Gun System (MGS) do mundo, nasceu para a defesa do território nacional e para atuar em operações de preservação da paz ao redor do mundo.

A situação geopolítica da Itália nos anos 80 levou à emissão dos Requisitos Operacionais para um MSG. Questões como a ameaça da Guerra Fria, o fato da Itália fazer fronteira com países signatários do Pacto de Varsóvia, além os 1.300 km de costa italiana voltados à antiga Iuguslávia, foram importantes para esta decisão.

ForTeComo “caça-tanques”, como se compara o desempenho do Centauro B1 com o MBT Leopard 1?
Giovanni Luisi – O poder de fogo do Centauro foi, desde o princípio, o mesmo de um Tanque de Batalha Principal, sendo que a torre é equipada com um canhão de 105mm. Obviamente, a proteção era diferente devido à maior leveza. Nossa filosofia era: “Dispare e fuja”, graças às rodas e à excelente velocidade alcançada pelo Centauro.

ForTeQual é a proteção blindada do Centauro B1?
Giovanni Luisi – Não podemos abrir esses dados.

Centauro B1
Centauro B1

 

ForTeQuais as versões da família Centauro?
Giovanni Luisi – O Centauro contou com duas versões: com canhão de 105 mm destinado aos Exércitos da Itália e da Espanha e 120 mm para a Guarda Real de Oman.
Além disso, a Famiília VBM Freccia e suas versões Combat, AIFV, Mortar Carrier, Antitank, Command Post e Recovery derivam do famoso Centauro com esquema de transmissão H-type.

ForTeComo foi a performance do Centauro em operações no exterior?
Giovanni Luisi – O Exército Italiano tem utilizado o Centauro de maneira bem-sucedida em várias Operações Militares Internacionais. A primeira em 1993, na Somália, depois disso, ele também foi utilizado no Líbano, no Kosovo e nas Operações de Paz no Iraque e Afeganistão.

ForTeQuais são as tecnologias e melhoramentos presentes no Centauro II?
Giovanni Luisi – O Centauro II é um veículo completamente novo, sendo que as principais diferenças em relação ao Centauro são:

Alta Mobilidade: Um novíssimo motor V8 Iveco com potência de saída de 720CV e uma nova caixa de engrenagens e linha de transmissão capazes de gerenciar o aumento de potência e torque;

Peso Bruto: no Veículo do Centauro II foi aumentado em mais de 5 toneladas para melhorar a sua proteção e a carga útil para missões e sistema de armas mais sofisticados.

Alta proteção: contra minas, IED e proteção cinética com um novo casco em forma de V, projetado especificamente para esse modelo e totalmente diferente do anterior, acoplado a sofisticadas camadas para proteção balística em diferentes configurações.

Alto Poder de Fogo: Canhão 120/45mm de nova geração com carregamento semiautomático, capaz de disparar munições programáveis, nova artilharia e mira panorâmica estabilizada, computador balístico digital com rastreamento automático;

Torre modular: capaz de integrar um canhão de 105/52 mm de acordo com os requisitos do usuário final. A Plataforma Veicular Centauro II possui uma arquitetura totalmente digitalizada baseada no barramento CAN J1939 capaz de integrar verticalmente todos os componentes do veículo, trocar dados com o BMS do veículo, armazenar e elaborar os dados logísticos da plataforma.

Alta Conectividade: tecnologias de ponta Leonardo no campo das comunicações centradas na rede (com os 4 canais inovadores de Rádio Definido por Software) e de Comando e Controle.

Centauro II
Centauro II

ForTeExistem componentes em comum entre o Centauro e o VBTP Guarani da Iveco?

Giovanni Luisi – Em termos de componentes, o VBTP-MR 6×6 e o Centauro II 8×8 compartilham diferentes subsistemas e componentes, sendo os mais relevantes as reduções finais do cubo, o Sistema CTIS (Central Tires Inflation System), as rodas 14.00R20 completas, com aros e run-flats, o sistema de suspensão totalmente hidropneumática (esquema Mac-Pherson) e a Logistic Box que é o coração digital da Arquitetura Eletrônica de ambos os veículos. O motor e a caixa de câmbio são diferentes, mas ter os mesmos fornecedores para componentes tão importantes representa uma grande simplificação da cadeia de suprimentos. Por último, mas não menos importante, a estrutura do casco de ambos os veículos é baseada no mesmo material e tecnologia de soldagem, simplificando assim a industrialização do Centauro II na planta IVECO DV no Brasil onde o VBTP-MR está atualmente em produção.

ForTeNo início de 2019 foi noticiada a oferta de veículos Centauro B1 ao Exército Brasileiro. Se esta oferta existe realmente, vocês poderiam detalhá-la?
Giovanni Luisi – No início de março de 2020, uma RFI para o novo 8×8 VBC Cav foi emitida pelo Comando de Logística do Exército Brasileiro e o CIO enviou uma Declaração de Interesse.

ForTeQual seria o custo de aquisição do Centauro B1 e do Centauro II?
Giovanni Luisi – Esses dados não podem ser disponibilizados.

ForTe – O Centauro pode receber sistemas de proteção ativa como o Trophy ou similar?
Giovanni Luisi – Com certeza sim!

Centauro firing.jpg

- Advertisement -

81 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
81 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MMerlin
MMerlin
8 meses atrás

Indispensável observar o seguinte trecho do artigo: “…simplificando assim a industrialização do Centauro II na planta IVECO DV no Brasil onde o VBTP-MR está atualmente em produção…“.

Se o Diretor Comercial da IVECO deu a entender a possibilidade, não vejo como outra empresa possa competir com a proposta, case se confirme. Fomentar a fábrica já pré-instalada (com possibilidade de ampliação) deve ser prioridade. Que o EB não repita os mesmos erros do passado.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  MMerlin
8 meses atrás

Melhor alternativa que essa não existe, meu caro. Estamos com tudo na mão, só não a caneta para assinar o contrato.

Doug385
Doug385
Reply to  MMerlin
8 meses atrás

Acho a melhor proposta. Tanto pela instalação da Iveco como pela comunalidade em alguns componentes com o Guarani. Acredito que seria um veículo interessante até pra substituir os Sk105 dos Fuzileiros Navais, o qual também cumpre a função de caça tanque.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  MMerlin
8 meses atrás

exatamente MMerlin, há também uma mensagem implícita aí,

“vamos manter a linha de produção brasileira ativa…senão vamos ter que mandar trabalhador embora… e a transferência de tecnologia será perdida com o tempo”

Matheus
Matheus
8 meses atrás

Tem que ser muita burrice do EB ou um lobby muito forte das concorrentes pra tirar o Centauro II do páreo.

Gabriel BR
Gabriel BR
8 meses atrás

Se o Centauro II vier com uma boa oferta de financiamento ele poderá ser de longe a melhor opção para nós. A Fabrica já está pronta , a mão de obra já está treinada e operando , provavelmente os fornecedores de componentes nacionalizados que já trabalham no Guarani poderão ser aproveitados , o tempo de entrega das viaturas será agilizado.

A desvantagem dos italianos certamente estará no preço da viatura , visto que o EB precisa de 221 unidades.

Centauro B1 ? Nem consideraria a possibilidade.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Gabriel BR
8 meses atrás

É possível baratear o custo final reutilizando a linha de produção já estabelecida do Guarani. Como foi apontado na entrevista, o aço e método de soldagem utilizados são os mesmos do Guarani. Somado ao uso de outros componentes já nacionalizados, outros que pode ser substituídos por um equivalente da indústria nacional e a diferença de valor na moeda, a redução de custo pode ser bem significativa. Apenas como efeito de comparação, a diferença do custo unitário entre o Guarani e o projeto em qual foi baseado (Iveco SuperAV 8×8), mesmo com a redução de um eixo, já dá para ter… Read more »

rdx
rdx
8 meses atrás

Tudo sobre o Centauro
https://tanks-encyclopedia.com/modern/italy/b1_centauro.php

Consciência situacional:
“Este sistema pode encontrar alvos com um tamanho de cerca de 2,3 × 2,3 m a uma distância de cerca de 3 km. Ele pode fazer telêmetros precisos até uma distância de 1.800 metros e pode identificar e mirar com uma probabilidade de primeiro acerto de 100% a 1.500 metros.”

Blindagem:
“O B1 Centauro é feito de aço soldado, a espessura é secreta, mas seus valores garantem proteção contra projéteis perfurantes de 14,5 mm em toda sua volta e projéteis de 25 mm no arco frontal em distâncias não declaradas.”


Last edited 8 meses atrás by rdx
rdx
rdx
Reply to  rdx
8 meses atrás

Esta é a principal missão do Centauro. Destruir carros de combate é uma missão secundária.

“Em 6 de abril de 2004, durante a Batalha das Pontes Nassiriya no Iraque, oito Centauros foram usados ​​para apoiar quatro companhias de soldados italianos.”

“O único alvo dos canhões Centauros 105 mm era um prédio ocupado por franco-atiradores da milícia, mas só depois que eles se certificaram de não atingir nenhum alvo civil. Cinco veículos abriram fogo para um total de seis tiros disparados, que destruíram completamente o prédio, eliminando a ameaça.”

Wellington Góes
Wellington Góes
8 meses atrás

Apesar de sabermos quê o Centauro 2 é mais moderno, na minha opinião, o Centauro 1 parece ser ágil… Acredito que com uma devida atualização dos seus sistemas embarcados, seja mais atraente ao EB do quê o Centauro 2.

Doug385
Doug385
Reply to  Wellington Góes
8 meses atrás

Caro no velho, caro no novo, então melhor comprar o novo, né?

joão Fernando
joão Fernando
8 meses atrás

Mas e o Guarani 8×8? Gastamos uma naba para parar ai?

rdx
rdx
Reply to  joão Fernando
8 meses atrás

O tal Guarani 8×8 é o Centauro.

Art
Art
Reply to  rdx
8 meses atrás

Guarani ¨6×6 tem grande limitação de espaço, exemplo porta morteiro 120mm, Artilharia antiaérea, etc. Para isso o ideal é 8×8. Guarani deveria ter sido 8×8 desde o início, mas a ines é morta. Deveria usar um carro 8×8. Parar com os 6×6 (já temos bastante) e passar para o 8×8.

rdx
rdx
Reply to  Art
8 meses atrás

Concordo plenamente.

Bardini
Bardini
Reply to  Art
8 meses atrás

“Guarani ¨6×6 tem grande limitação de espaço, exemplo porta morteiro 120mm, Artilharia antiaérea, etc.” . Nem a pau… Tem espaço pra isso aí dentro do 6×6. Se um sistema existe e cabe dentro de um LAV, este sistema cabe dentro do Guarani, que tem dimensões semelhantes. . “Guarani deveria ter sido 8×8 desde o início, mas a ines é morta.” . Baseado no que tu escreve, parece que ela não morreu não… . “Parar com os 6×6 (já temos bastante) e passar para o 8×8.” . Não temos o bastante e muito menos a quantidade necessária para mobiliar toda a… Read more »

rdx
rdx
Reply to  rdx
8 meses atrás

A propósito: a VBTP Guarani 8×8 é o SuperAV…e o Guarani 4×4 é o LMV.

Last edited 8 meses atrás by rdx
Matheus
Matheus
Reply to  joão Fernando
8 meses atrás

O Centauro É o Guarani 8×8.

MMerlin
MMerlin
Reply to  joão Fernando
8 meses atrás

Gastamos uma naba para a construção e instalação de um fábrica que irá municiar o EB com veículos 4×4, 6×6 e 8×8, previstos no programa Guarani.

Se cumprir o objetivo da substituição de todos os veículos equivalentes antigos, se cobrir as lacunas hoje existentes e ainda adicionar doutrina com uso de novas tecnologias e equipamentos, vai ter mais do que valido a pena.

Last edited 8 meses atrás by MMerlin
Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  joão Fernando
8 meses atrás

O que vale mais a pena? Reinventar a roda em um Guarani 8×8 ou optar por uma solução já pronta e testada e que pode ser montada no Brasil?

joão Fernando
joão Fernando
Reply to  Pedro Bó
8 meses atrás

Mas pq reinventamos o Guarani???

Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  joão Fernando
8 meses atrás

Um Guarani 8×8 vai demandar redesenho do chassi e da carcaça, talvez nova motorização, protótipos para testes, etc, etc.

Vai demandar mais tempo e $$$ do que adquirir um veículo já pronto.

Art
Art
Reply to  Pedro Bó
8 meses atrás

Não precisa redesenhar só fabricar sob licença e nem precisa ser iveco 8×8 existe PANDUR, PATRIA, PIRANHA etc. Não se põe todos os ovos no mesmo cesto.

Last edited 8 meses atrás by Art
Welington S.
Welington S.
Reply to  joão Fernando
8 meses atrás

Meu amigo, já faz muito e muito e mais muito tempo que o Guarani 8×8 não está mais na boca do EB. Esquece Guarani 8×8. Na verdade, esqueça não. O Guarani 8×8 como muito bem dito pelo rdx, é o Centauro II. Não existe mais a possibilidade do EB deixar de fazer uma aquisição já pronta, com fabrica pronta, com mão de obra pronta, pra começar do zero o desenvolvimento do Guarani 8×8. Isso se levaria muitos anos e, convenhamos, não dá. A melhor coisa que o EB fez foi abrir essa chamada internacional e não tenho dúvidas de que… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  Welington S.
8 meses atrás

Prezado
Guarani é uma família de Bld SR.
Sendo a VBTP Guarani o Guarani 6×6.
O LMV é o Guarani 4×4.
O Guarani 8×8 está sendo estudado. Ja ha muito tempo não se pensou em criar um carro Guarani 8×8. Pra ser sincero, acredito q nem entrou no papel isso. O q se tem feito ha um tempo é definir qual carro será o Guarani 8×8. Os Centauros estão dentre os estudados para tal.
Sds

Welington S.
Welington S.
Reply to  Agnelo
8 meses atrás

Obrigado.

Nilo
Nilo
8 meses atrás

A Oferta ta de pé.
Se vier (bem distante) o Centauro II, o canhão será de 105mm, rsrsrs

Last edited 8 meses atrás by Nilo
Maurízio Souza e Souza
Maurízio Souza e Souza
Reply to  Nilo
8 meses atrás

Na verdade, acredito que o calibre do 8×8, irá determinar o calibre futuro do novo MBT

Pedro Bó
Pedro Bó
8 meses atrás

Interessante essa modularidade da torre do Centauro II, entre canhões de 105mm e 120mm. Resta saber se a escolha por um calibre menor diminuiria o preço do veículo.

Nilo
Nilo
8 meses atrás

Oferta: 200 Centauro B-1 105mm, 100 milhões de euros. Na cotação de hoje do euro R$6,62.

Last edited 8 meses atrás by Nilo
Gelson
Gelson
8 meses atrás

Bom dia, claro que esta entrevista mostra o desejo de um interessado em ver um bom negócio sendo concretizado. Mas, podemos depreender disso que existe uma possibilidade de acontecer e com os componentes ideais para atender uma utilização no campo de batalha atual. Porém, se isso vier a se tornar realidade (e serão alguns bons anos ainda – e na velocidade de uma lesma, como é costume) não duvido que o EB não vá dar um jeito de “melar” alguma coisa…serão os B1 ou, se houver um santo milagre, serão os B2 mas com um canhão de 105mm ou algo… Read more »

Last edited 8 meses atrás by Gelson
Nilo
Nilo
8 meses atrás

Um Centauro II com canhão 120mm trocado para um canhão de 105mm é que nem trocar Injeção eletrônica multiponto sequencial de uma Ferrari por um sistema de carburador.

Chevalier
Chevalier
Reply to  Nilo
8 meses atrás

?? O que o calibre do canhão tem a ver com a geração tecnológica dele? Tá mais pra trocar um V12 por V8

Last edited 8 meses atrás by Chevalier
Tallguiese
Tallguiese
8 meses atrás

E esse aí carro. Não tem pra outro não!

EParro
EParro
8 meses atrás

No aguardo dos comentários de: Agnelo, Ivan – old infantry man; Juarez, Bardini…
Quem sabe, uma psicografia do saudoso Bacchi!

Welington S.
Welington S.
8 meses atrás

O EB não vai perder a oportunidade de fomentar a fábrica pré-instalada no Brasil, ou seja, Centauro II, vem com tudo.

Barak MX para o Brasil
Barak MX para o Brasil
8 meses atrás

Centauro II cabe no KC-390 sem a torre. Acho que não deve ter maiores problemas.

Bardini
Bardini
8 meses atrás

No Exército Italiano, o Centauro II é utilizado mais como um “MBT Sobre Rodas”. . O Centauro nasceu da necessidade de chegar rápido a frente de combate ao longo do território italiano, para atuar contar uma invasão vinda do ar e mar. Leia-se: dar combate a uma força aeromóvel e/ou anfíbia vinda da URSS/Rússia. O Exército italiano renovou suas estrutura e o Centauro II faz parte do conceito de se ter uma “Brigada Média”. O Exército italiano visava ter Brigadas Pesadas, Médias e Leves/Especializadas. . Para reconhecimento, hoje eles empregam o Freccia, dentro da estrutura que contém o Centauro. .… Read more »

Last edited 8 meses atrás by Bardini
MMerlin
MMerlin
Reply to  Bardini
8 meses atrás

Realmente a visão do EB é continuar seguindo da linha de um equipamento para missões de perseguição e reconhecimento. Mas, caso consigam utilizar todo o potencial do blindado (não só em treinamento) é possível um ajuste de doutrina com gradual migração direcionada para um “MBT Sobre Rodas”.

Bardini
Bardini
Reply to  MMerlin
8 meses atrás

Como?

Bueno
Bueno
8 meses atrás
Bardini
Bardini
Reply to  Bueno
8 meses atrás

IVECO Defence Vehicles

Bueno
Bueno
Reply to  Bardini
8 meses atrás

Desculpa a minha ignorância, partes do Guarani é feito na Argentina , um dos motivos de interesse de compra por parte deles?

Bardini
Bardini
Reply to  Bueno
8 meses atrás

O Guarani emprega componentes derivados do mercado civil. O motor vem da Argentina e é derivado de um produto da linha civil do grupo IVECO.
.
No mapa você só tem a unidades da IVECO “Defence” Vehicles.
.
Se a Argentina comprar Guarani, a IVECO pode abrir ali mais uma unidade “Defence”.

Marcos
Marcos
Reply to  Bardini
8 meses atrás

Vai abrir para servir como um escritório? Ou aquele papo de escala de produção não funciona para os hermanos? Abrir uma linha de produção para fabricar 27 unidades? Piada!

Bardini
Bardini
Reply to  Marcos
8 meses atrás

O dinheiro é deles. Se eles quiserem pagar para montar 27 unidades lá, via CKD ou afins, que seja…

Juarez
Juarez
Reply to  Marcos
8 meses atrás

Não vão abrir linha alguma. Se e tão somente eles comprarem o Guarani será fabricado no Brasil e com o financiamento do BNDES que o que eles querem. Digo” se “comprarem o Guarani porque na verdade eles querem.um 8×8.

Bueno
Bueno
Reply to  Bardini
8 meses atrás

Obrigado Bardini…

Juarez
Juarez
Reply to  Bueno
8 meses atrás

O motor e fabricado na Argentina.

Tomcat4,2
8 meses atrás

Ao que parece vamos de Centauro II mesmo, mas o B1 atualizado já sobraria por estas bandas, mas…quanto melhor e mais moderno melhor, ainda mais se olharmos o quanto se demora a comprar coisa boa e nova por aqui.

Leandro Malheiros
Leandro Malheiros
8 meses atrás

O que é melhor que um tanque moderno e dentro da nossa realidade? Um caça tanques mais moderno ainda!
Se já tem a planta, existe a necessidade, existe condições financeiras favoráveis…é só não fazer besteiras.

Lala Croft
Lala Croft
8 meses atrás

Vale a pena já emendar uns pedidos do Ariete ?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Lala Croft
8 meses atrás

O EB quer um tanque mais leve.

willhorv
willhorv
8 meses atrás

Desculpem….mas o óbvio é correto, seria implantar o Centauro 2 (2222222)….pois vamos ficar décadas com eles….e se tratando de um veículo de ponta, suporta esta longevidade.
Não dá para ficar de mi-mi-mi. Se temos uma frota de Ivecos, vamos simplificar e ir de Iveco…
É bom….durável….racional e o Exército quer.
Ponto!!! Passa a régua Bolsão!

Luís Henrique
8 meses atrás

O preço é o maior impeditivo. Acredito que o Centauro II seja uma ótima opção do ponto de vista de capacidade militar e facilidade de produção aqui.. Porém em termos de custos de aquisição, creio que existam concorrentes mais atrativos, como o Rabdan turco ou um blindado baseado nele, em parceria com os turcos. Apesar de politicamente eu preferir uma aproximação com a Itália do que com a Turquia que esta se metendo em muita confusão. Outro que pode vir a existir é o k808 KW2 Júpiter, conhecido como Roten Júpiter, é uma versão com canhão de 120 mm do… Read more »

João Ricardo
João Ricardo
8 meses atrás

O Brasil deveria comprar com canhão de 120 mm caso se concretize uma negociação independente da empresa fornecedora.

Melky Cavalcante
Melky Cavalcante
8 meses atrás

Não sou nem nunca fui do EB, nem sou “especialista” de defesa, mas me parece que o EB tem mais uma tara em viaturas VBCC sobre rodas do que real necessidade.  Todos os países que fazem fronteira com o Brasil (Salvo a Venezuela com os seus T-72, e com muita ressalva, os Hermanos com seus TAM) possuem uma força blindada patética, incapaz de fazer frente aos nossos Leopard e M60, e se somarmos a essa equação a FAB a balança pende drasticamente para o nosso lado, na teoria.  Eu particularmente gosto da abordagem francesa ao substituir todas suas VBCC sobre… Read more »

Matheus
Matheus
Reply to  Melky Cavalcante
8 meses atrás

Desde a segunda guerra que o EB vem usando veículos sobre rodas. M8 primeiro, depois cascavel/Urutu e agora Guarani e muito provavelmente Centauro II.

Acredito que deva ser pelo fato de MBTs não serem veículos tão bons para a geografia Brasileira, alguém pode me corrigir ou explicar melhor.

Maurízio Souza e Souza
Maurízio Souza e Souza
Reply to  Matheus
8 meses atrás

Na verdade, era pra ser o Sucuri 2. O EB está corrigindo uma injustiça poética adotando o Centauro 2. A filosofia de emprego é a mesma para ambos os veículos.

Bardini
Bardini
Reply to  Melky Cavalcante
8 meses atrás

Armée de Terre é outro nível. O planejamento dos caras humilha…
.
Não seria um veículo tipo JAGUAR (é só um exemplo) mais útil ao EB?”.
.
A munição desse canhão 40mm é cara e a vida útil desse canhão é baixa. O míssil é caro e não combina com o EB.
Teria de ser um blindado equipado com canhão 30x173mm com capacidade ABM, realmente, empregando a TORC30 ou a UT30Mk2 (mais barata):
https://www.ares.ind.br/new/img/produtos/torc30.png

Caerthal
Caerthal
Reply to  Melky Cavalcante
8 meses atrás

A França tem boas estradas por todo o seu território. Mobilidade muito pouco exigente.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Melky Cavalcante
8 meses atrás
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
8 meses atrás

Bom dia a todos

Segue abaixo o vídeo promo do Centauro 2, aos 1:20 de vídeo dá para ver ele atirando de lado aos 90º (notem a absorção do recuo), parabéns a engenharia da Iveco, vocês fizeram um excelente veículo.

https://www.youtube.com/watch?v=h8yUavzXs6s

Parabéns pela matéria Galante

Onde assina o cheque? vamos as compras

Last edited 8 meses atrás by Rafaelvbv
Vagner Luiz
Vagner Luiz
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
8 meses atrás

Sem dúvida, se aprovado será uma ótima aquisição!

Oráculo
Oráculo
8 meses atrás

Sabem o que eu acho?

A IVECO vai oferecer uma “versão exportação” do Centauro 2.
Tipo os americanos fazem com quase todos seus armamentos.
Um modelo menos sofisticado do mesmo veículo.

O exército Italiano tem o tal “padrão OTAN” pra acompanhar.
Coisa que o EB não precisa e nem conseguiria.

Eles vão nos oferecer uma versão mais enxuta, mais barata e com produção local, o que por si só já diminui um pouco o custo final.

Não vai ser um Centauro 2 no “estado da arte”.
Mas vai atender os requisitos do EB.

Matheus
Matheus
Reply to  Oráculo
8 meses atrás

Acredito que não, se fosse assim então o EB pega o 8×8 Chinês que vira com tanta tecnologia embarcada quanto o Centauro “OTAN” e já com um preço bem camarada.

Stan
Reply to  Oráculo
8 meses atrás

É que também acho, vem um Centauro 1.5 (ou 2.0 light), com canhão 105, casco fabricado aqui, mas que vai ser muito top ainda, e que nãi impacta em disputa de mercado, sendo mais uma opção do Centauro…

Tomcat4,2
Reply to  Stan
8 meses atrás

É bem o que penso que virá a acontecer se der Iveco na parada pois a Norinco está investindo pesado pra levar esta concorrência.

Flanker
Flanker
8 meses atrás

Eu acho que o mais correto seria decidir, de uma vez por todas, o que o EB quer de seus RCC’s! Vai continuar com a doutrina de Carros de Combate sobre lagartas? Se sim, então que resolva a questão desses veículos primeiro e depois, as Viaturas sobre rodas, como a possível adoção do Centauro. É um contrassenso adotar um veículo sobre rodas com um canhão 120 mm e ter um MBT com canhão 105 mm. Mas, é apenas minha opinião.

Matheus
Matheus
Reply to  Flanker
8 meses atrás

Não faria mais sentido aposentar os Leo 1A5 e pegar mais Centauro 120mm?

Flanker
Flanker
Reply to  Matheus
8 meses atrás

Centauro 1 ou 2 não é um Carro de Combate….não é um MBT….sua blindagem resiste, no máximo, e em alguns pontos, à munições 25 mm. São viaturas diferentes, com especificações diferentes, funções diferentes….

Segatto
Segatto
8 meses atrás

Para quem duvida da capacidade do Centauro, o Centauro B1 acabou de demonstrar toda a capacidade de fogo no polígono de Pozzuolo com um projétil atingindo um galinheiro perto da área, matando mais de 50 galinhas e derrubando um muro, isso que era a versão inerte de treinamento sem explosivos. Isso demonstra a capacidade estratégica do equipamento que pode ser usado para a destruição da estrutura agropecuária inimiga e levar o inimigo à submissão devido a fome (https://www.repubblica.it/cronaca/2021/03/18/news/pordenone_carro_armato_sbaglia_mira_e_centra_allevamento_di_galline-292808553/)

Flanker
Flanker
Reply to  Segatto
8 meses atrás

Kkkkkkkkk…muito Boa!

Gelson
Gelson
Reply to  Segatto
8 meses atrás

Pobres animais, não fosse isso seria muito engraçado. “Sbaglia mira” – erro de pontaria, essa frase ainda é usada aqui na região, que foi colonizada por italianos.

Ted
Ted
Reply to  Gelson
8 meses atrás

Eita memoria curta! Quem viu os combates na Armênia sabe que sem defesa aérea os blindados sifu. Primeiro defesa aérea de média altura, depois pensa nos blindados.

Gelson
Gelson
Reply to  Ted
8 meses atrás

Concordo contigo inteiramente, Ted! Para o EB falta quase tudo que já, a muito tempo, deveria ter em boa quantidade. Na verdade o equipamento do EB ainda não entrou nesse século! Só não entendi a tua colocação aqui, porque eu tenho memória curta!? Tu poderias me explicar?

Maurízio Souza e Souza
Maurízio Souza e Souza
Reply to  Gelson
8 meses atrás

Nem os equipamentos, nem a doutrina de emprego.

Gelson
Gelson
Reply to  Maurízio Souza e Souza
8 meses atrás

Bom dia, Maurizio! Muito menos doutrina! Já li algumas pérolas por aqui de alguém dizendo que a doutrina já existia, apenas faltavam os equipamentos!?
Como é que se conquista o domínio da doutrina de emprego senão pelo treinamento, uso e aprimoramento contínuo? Vídeo Game!?
Vai entender, né?

Fernandes
8 meses atrás

Ao que se sabe existem dois projetos: Modernização dos Cascavél e aquisição de um novo 8X8 caça tanques. Haja dinheiro, mas por mim o EB cancelava a modernização dos Casvavél, utiliza esse dinheiro para aquisição de 8×8 Centauro B1 e mantém o projeto para aquisição do novo 8X8 que muito provavelmente será o Centauro 2.

Na conta, seriam 200 B1 de segunda mão e 200 Centauro 2 ao logo de anos! Seria mais realista e revolucionário para nossa doutrina.

É vergonhoso ver a intenção do generalato querer manter os Cascavél.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Fernandes
8 meses atrás

Depende. Vamos analisar a cronologia do veículo 6×6: 1999 – EB emite pedido para uma nova família de veículos; 2007 – Apresentação do desenho conceitual na Inovatec; 2007 – Assinatura de acordo entre o EB e Iveco; 2009 – Assinatura de contrato de produção; 2011 – Apresentação do protótipo; 2014 – Entrega das primeira unidades. Quanto tempo esperaremos para ver o EB equipado com as primeiras viaturas 8×8? Talvez a contratação da atualização dos Cascavel seja um indício de que o processo pode demorar… Claro que o processo vai ser diferente. Na versão 6×6 foi necessário efetuar as modificações, com… Read more »

Last edited 8 meses atrás by MMerlin

Últimas Notícias

23° Esquadrão de Cavalaria de Selva recebe instrução sobre simulador da Viatura Blindada Guarani

Tucuruí (PA) – Entre os dias 23 e 24 de novembro, o 23° Esquadrão de Cavalaria de Selva (23...
- Advertisement -
- Advertisement -