quarta-feira, outubro 27, 2021

Saab RBS 70NG

Biden precisa de mais de US$ 52 bilhões para conter a China em chips

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O projeto do presidente dos EUA Joe Biden para a indústria de semicondutores dos EUA marca um esforço ambicioso para definir uma política industrial para um setor crítico da economia, mas a estratégia precisará de mais dinheiro e apoio global para retomar a supremacia do chip e impedir um esforço rival da China.

A Casa Branca delineou na terça-feira (8/6) um plano abrangente para garantir os canais para produtos essenciais, de remédios a chips, respondendo em parte ao crescente domínio econômico e político de seu rival asiático. Semicondutores – os componentes básicos, mas incrivelmente sofisticados em quase todos os dispositivos modernos – ocuparam o centro do palco em um relatório de 250 páginas da Casa Branca, que destacou o “objetivo final de Pequim de soberania cibernética e estabelecimento de vantagem de pioneiro”.

O Senado dos EUA expressou apoio bipartidário ao aprovar um projeto de lei que oferece US$ 52 bilhões para reforçar a fabricação doméstica de chips no mesmo dia. O objetivo é tranquilizar líderes da indústria, como Intel Corp., Samsung Electronics Co. e Taiwan Semiconductor Manufacturing Co., enquanto consideram a expansão dos investimentos em capacidade de produção no país. É uma promessa pesada, mas o dinheiro irá rápido em uma era em que uma única fábrica de wafer avançada custa mais de US$ 10 bilhões.

A China fez dos avanços tecnológicos uma importante plataforma de seu 14º plano de cinco anos, com o presidente Xi Jinping prometendo US$ 1,4 trilhão em seis anos para garantir a liderança em setores como chips, inteligência artificial e direção autônoma. Empresas sul-coreanas como Samsung e SK Hynix Inc. estão comprometendo US$ 450 bilhões ao longo de uma década em pesquisa e expansão de chips, enquanto a TSMC sozinha destinou US$ 100 bilhões nos próximos três anos.

“US$ 50 bilhões é um grande começo, mas esta é uma indústria cara com altos níveis de subsídios sendo propostos em várias geografias”, disse Anne Hoecker, uma sócia da Bain & Co. investimentos de um ano.”

Biden está demonstrando vontade de romper com as tradições do laissez-faire dos EUA, calculando que a indústria de semicondutores merece uma abordagem diferente, dado o profundo envolvimento do governo em outros países. Ele tem aliados poderosos ao seu lado, em nações que comandam lideranças em diferentes setores do gigantesco aparelho global de fabricação de chips.

Processo de fabricação dos chips

Entre as metas delineadas no relatório de terça-feira está um esforço para atrair mais investimentos privados do exterior e alavancar a força diplomática dos EUA. A TSMC e a Samsung estão atualmente em negociações para garantir incentivos vitais para construir fábricas de chips avançados nos EUA, o que elevaria instantaneamente o conhecimento e a capacidade de semicondutores dos EUA.

A Casa Branca também pediu controles multilaterais de exportação eficazes que “protegessem os interesses de segurança nacional dos EUA, limitando as capacidades de semicondutores avançados em países de interesse”.

A Holanda é o lar da ASML Holding NV, que desfruta de um monopólio virtual sobre o mercado de equipamentos avançados de litografia ultravioleta extrema – essencial para fazer os mais avançados chips de 5 nanômetros e além. Não foi possível enviar nenhum sistema EUV para a China, pois o governo holandês não renovou suas licenças de exportação para clientes chineses. Enquanto isso, a japonesa Tokyo Electron Ltd. e a Nikon Corp. fornecem equipamentos sofisticados para fabricantes de chips de primeira linha, como a Intel e também empresas chinesas.

Pequim reagiu contra o projeto de Biden e o projeto de lei do Senado, dizendo que os EUA estavam criando um “inimigo imaginário”. Enquanto a China está comprometida em “desenvolver uma relação ganha-ganha” com os EUA, a legislação “distorce os fatos e calunia o caminho de desenvolvimento da China e as políticas interna e externa”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, na quarta-feira, durante uma coletiva de imprensa regular em Pequim.

Evolução dos chips

O plano de Biden é em parte um reflexo de uma preocupação crescente em todo o mundo. A forte dependência mundial de um punhado de fornecedores de chips asiáticos cruciais, como a TSMC, foi exposta este ano depois que uma crise de abastecimento global paralisou fábricas em várias montadoras dos EUA, ameaçando cortar US$ 110 bilhões em vendas. A Comissão Europeia estabeleceu planos em maio para diversificar as cadeias de abastecimento e realizar análises regulares do setor para enfrentar a sua falta de independência industrial em áreas estratégicas, incluindo semicondutores.

A ameaça crescente da China é o outro perigo de longo prazo. O país permanece pelo menos várias gerações atrás de Taiwan e dos EUA em sofisticação de design de chips. Mas o histórico da China de ser o chão de fábrica do mundo e uma vasta quantidade de dados podem lhe dar uma vantagem em certos segmentos essenciais, como o trabalho intensivo, mas vital, de montagem e empacotamento de semicondutores, ou o campo mais jovem de chips habilitados para IA.

Em um sinal da urgência desse esforço, os principais executivos de semicondutores e formuladores de políticas seniores do país convergiram para Nanjing nesta semana para a Conferência Mundial de Semicondutores de três dias para debater abordagens futuras e consolidar alianças.

O pacote avançado de chips oferece à China uma chance de aumentar o desempenho combinando vários chips em um pacote, mas, em última análise, não é um substituto para o desenvolvimento de semicondutores fundamentais, disse Hoecker da Bain.

“A China tem perseguido o resto do mundo na última década. Mas como o aumento do desempenho dos chips é significativamente mais lento hoje do que nos anos anteriores, é certo que a China será capaz de fechar a lacuna com os líderes ”, disse Wu Hanming, membro da Academia Chinesa de Engenharia, uma pesquisa apoiada pelo estado instituto que abriga cientistas de elite.

No curto prazo, o projeto de Biden promete um tiro no braço. Um programa federal de US$ 50 bilhões para incentivar a fabricação doméstica de semicondutores acrescentaria US$ 24,6 bilhões anualmente à economia dos EUA, estimam a Semiconductor Industry Association e a Oxford Economics. Isso geraria 280.000 empregos permanentes, dos quais 42.000 seriam empregados diretamente na indústria de semicondutores.

“O objetivo de produzir semicondutores nos EUA é mais simples do que o da China. Ele só precisa refazer a fabricação de chips e já está no caminho certo para isso ”, disse Dan Wang, analista de tecnologia da Gavekal Dragonomics. “O desafio da China é dominar não apenas a fabricação de chips, mas também inventar o equipamento – que são alguns dos instrumentos mais complexos do mundo – para produzi-los.”

FONTE: Bloomberg

- Advertisement -

17 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antoniokings
Antoniokings
4 meses atrás

É muito pouco!
O desenvolvimento chinês nessa (e em outras áreas) é muito grande.
Esse ano, vão lançar seus primeiros chips de 7nm com tecnologia própria.
Já lançaram seus primeiros chips GPU e os de memória DRAM.
Devem inundar o mercado.
Além disso, estão desenvolvendo métodos de impressão de chips a laser, bem como a arquitetura de chips do futuro, baseada em RISC-V.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

Sou obrigado a concordar contigo.
Vejamos, por exemplo…a Apple.
A anos a Apple já tem toda uma cadeia consolidada de fornecedores na China que fabricam qualquer componente de seus Iphones, de qualquer modelo, rapidamente e a um custo baixo.
Porquê a Apple iria abandonar essa cadeia de fornecedores consolidadas a anos, pra voltar a fabrica-los nos EUA?

Marcello Magnelli
Marcello Magnelli
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

Sim e as razões podem ser vistas aqui:

https://sitedalogistica.webnode.com.br/products/por-que-a-apple-fabrica-o-iphone-na-china-/

Lembrando que a Apple foi a última grande fabricante a migrar suas atividades para a China e só o fez por absoluta incapacidade em manter custos mais baixos do que seus concorrentes.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

E pelo o que eu li, ante-ontem, a Apple vai se associar à CATL e BYD para construir carros NEV.
Muito interessante.

Antoniokings
Antoniokings
4 meses atrás

Como curiosidade, segue link com as maiores fundições chips do Mundo, com amplo domínio de China, Taiwan e Coreia do Sul.

https://t.cj.sina.com.cn/articles/view/1874424022/6fb970d60010132k4?cre=tianyi&mod=wftop&loc=10&r=0&rfunc=92&tj=cxvertical_wap_wftop&tr=182

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
4 meses atrás

Ah, esse liberalismo…
Não, pera…

Salim
Salim
4 meses atrás

Noix vai diztrui floresta e cria boi e pranta soja, tem tumbem US garimpero robando os oró.
Visão de futuro .

Mgtow
Mgtow
4 meses atrás

Só sei de uma coisa,o eixo economico mundial não é mais o atlântico e sim o extremo oriente. Naõ adianta estribuchar.
Apenas se adeque a nova realidade

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Mgtow
4 meses atrás

Perfeita observação.

Mgtow
Mgtow
4 meses atrás

Cadê a turma do livre mercado para debater sobre esse subsidio deslavado do país da “livre competição”?
Os leitores de MiMImises piram com esse subsidio kkkkkkk

Last edited 4 meses atrás by Mgtow
Maurício.
Maurício.
Reply to  Mgtow
4 meses atrás

Mgtow, nessas horas esse pessoal toma chá de sumiço…rsrsrs.

carcara_br
carcara_br
4 meses atrás

Vejamos o esforço americano não é apenas pra garantir o deles, mas prejudicar concorrentes embargando tecnologia. O perigo? Daqui 20 anos a China possuir os melhores chips, e ai, vai convencer eles a “compartilharem a tecnologia” depois do tratamento VIP dispensado.

fewoz
4 meses atrás

E aí está o quê eu comentei noutra matéria do mesmo tema. Agora que perderam o barco, não adianta mais. No máximo vão conseguir diminuir o atraso, mas não tomar a dianteira. Culpa das próprias empresas americanas e também da política de boa vizinhança com a China iniciada há décadas atrás, que acabou criando esse monstro. Os EUA são uma nação estranha. Não têm orçamento para saúde pública gratuita (coisa de “comunista” pra eles) ou para trens de alta velocidade e uma infraestrutura capenga, mas têm 700 bilhões para as Forças Armadas. Mas para o americano médio, nada disso importa.… Read more »

Last edited 4 meses atrás by fewoz
Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
4 meses atrás

Não sabia mas cerca de 80% dos Drones usados nos EUA e Canadá, são produzidos por uma empresa chinesa de nome Da Jiang Innovations. Inclusive o próprio Pentágono permitiu que as forcas armadas americanas adquiram drones dessa empresa.

Last edited 4 meses atrás by Vinicius Momesso
Pablo Maroka
Pablo Maroka
4 meses atrás

Tenho muito medo desse futuro

IBIZ
IBIZ
4 meses atrás

Enquanto isso Brasil desperdiça quase R$ 700 bilhões em pensões e regalias de militares! Vocês tem noção do que são R$ 700 bilhões?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  IBIZ
4 meses atrás

Shhhh…a milicada não gosta que toquem nesse assunto…

Últimas Notícias

Turquia e Coreia do Sul assinam declaração para fornecimento de motores para o MBT Altay

Foi assinada uma declaração de intenções entre a Coreia do Sul e a Turquia para o fornecimento de motores...
- Advertisement -
- Advertisement -