quinta-feira, julho 29, 2021

Saab RBS 70NG

Exército dos EUA concede contrato de US$ 600 milhões à BAE Systems para manutenção e suporte do Veículo Blindado Multiuso (AMPV)

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O Exército dos EUA concedeu à BAE Systems um contrato no valor de até US$ 600 milhões para a manutenção e suporte do Veículo Blindado Multiuso (AMPV – Armored Multi-Purpose Vehicle) que foi desenvolvido como um substituto para a frota de transportadores M113 da era da Guerra do Vietnã.

A BAE Systems recebeu um contrato para manter o transportador de pessoal blindado AMPV nos próximos cinco anos.

O novo veículo AMPV apresenta uma suspensão reforçada e um motor mais potente e vem em cinco variantes projetadas para executar um amplo conjunto de missões durante a operação nas linhas de frente.

A BAE Systems está atualmente em produção de baixo cadência para o programa AMPV e entregou pelo menos uma de cada uma das cinco variantes projetadas para a família de veículos. Este contrato de sustentação permite adicionar novos recursos e tecnologias em AMPVs durante todo o tempo de serviço.

“A família de veículos AMPV trará capacidade incomparável para o campo de batalha e demonstrou excelente capacidade de sobrevivência e proteção da força, bem como flexibilidade e crescimento para o futuro”, disse Bill Sheehy, diretor do programa AMPV da BAE Systems. “Esta concessão de contrato não apenas apoiará a produção, mas também permitirá futuras atualizações por meio do desenvolvimento e integração de novos conjuntos de recursos em variantes existentes.”

O contrato de suporte técnico do sistema estabelece a BAE Systems como o único fornecedor de sistema de sustentação e suporte técnico, bem como sustentação de pós-produção e suporte para o programa AMPV.

O novo AMPV é o primeiro veículo de combate sobre esteiras construído desde o início para o Exército dos EUA em mais de duas décadas. A família de veículos com alta capacidade de sobrevivência e móvel atende à necessidade crítica de substituir os M113 da era da Guerra do Vietnã e fornece melhorias significativas em potência, mobilidade, interoperabilidade e capacidade de sobrevivência para a Armored Brigade Combat Team em relação à família de veículos legada.

O Exército dos EUA recebeu o primeiro AMPV de Tratamento Médico em dezembro, marcando a entrega de pelo menos um de cada variante ao Exército. O primeiro AMPV de produção foi uma variante do Comando da Missão entregue no ano passado. As outras variantes da família AMPV incluem:

  • O veículo de uso geral, que opera em todo o espaço de batalha para realizar reabastecimento, manutenção e evacuação alternada de vítimas com ferimentos;
  • O Mortar Carrier, que fornece suporte de morteiro pesado imediato e ágil para a ABCT na condução de operações ofensivas em ritmo acelerado; e,
  • O veículo de Evacuação Médica, que permite o tratamento imediato ou evacuação do local da lesão para vítimas ambulatoriais ou de maca.

O AMPV está pronto para executar a missão de hoje enquanto adapta tecnologias à medida que elas evoluem para o campo de batalha futuro por meio de seu design de espaço de crescimento integrado. Isso inclui a capacidade de aprimorar a capacidade de geração de energia para permitir futuras atualizações de conectividade eletrônica e de rede.

O trabalho no programa AMPV ocorre em toda a rede industrial da BAE Systems, que inclui instalações em Aiken, S.C., Anniston, Ala., Phoenix, Arizona, Sterling Heights, Mich., E York, Penn.

FONTE: BAE Systems

- Advertisement -

15 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tomcat4,2
16 dias atrás

Eis o futuro, a modularidade. Que o EB esteja de olho nisso ao desenvolver sua família de blindados sobre lagarta onde o carro chefe será o futuro MMBT do EB.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Tomcat4,2
16 dias atrás

Espero que o futuro MMBT do EB tenha um canhão de 120mm. Pelo pouco que sei até o momento, existe a família IFV, da Rheinmetall, onde pode ser desenvolvido um MMBT 120mm através do chassi, família ASCOD 2 e CV90.

Caio
Caio
Reply to  Welington S.
16 dias atrás

Já fui fã do CV90, ainda mais pela proximidade com a Saab, mas hoje o ascod enche os olhos, que máquina !!!.
Até no design ele é o máximo.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Tomcat4,2
16 dias atrás

CV90.

the-combat-vehicle-cv-90-family-n.jpg
Welington S.
Welington S.
Reply to  Tomcat4,2
16 dias atrás

ASCOD

ASCOD-Family.jpg
Tomcat4,2
Reply to  Welington S.
15 dias atrás

Welington S. creio que a briga ficará mais entre o Ascod e o CV-90 sendo que o Ascod tem uma família mais completa, mas como a ideia, até onde se sabe, é partir de um destes projetos ai para o desenvolvimento de um nacional, qualquer um destes vai agregar demais. Em pensar que poderíamos estar longe em veículos como estes se o Charrua não tivesse morrido na praia.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Tomcat4,2
16 dias atrás

Lynx IFV

EjtladSXcAE-3xN.jpg
Pedro
Pedro
Reply to  Tomcat4,2
16 dias atrás

Pergunta de quem gosta do debate. Uma questão aqui, sei que numa manobra de impor presença diária é extremamente necessário a ocupação física e presença de equipamentos e tropas. Mas, em relação aos Drones, Vant´s e sua gigantesca atualização tecnológica, os blindados correm o risco de se tornarem obsoletos ou rainhas de angar? Falo no quesito demonstração de força como na era soviética que a Europa, morria de meda dos milhares de blindados soviéticos que poderiam vim como enxames ao Oeste.

Abraços.

Tomcat4,2
Reply to  Pedro
15 dias atrás

Com o advento dos sistemas eletrônicos que barram os sinais dos drones ,fora os sistemas de defesa antiaérea em si que compõem uma força blindada, os blindados não correm risco não, estão sendo mais capacitados com o incremento de novas tecnologias e capacidades embarcadas.

Welder
Welder
Reply to  Pedro
15 dias atrás

Eu acho que os blindados já são rainhas do angar.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Welder
15 dias atrás

Ainda bem que sua opinião não reflete a realidade.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Pedro
15 dias atrás

É um tema recorrente. Desde o seu início que sempre que surge alguma nova tecnologia se volta ao mesmo. No início eram os obstáculos anti tanque, canhões anti tanque, aviões, helicópteros com misseis, misseis anti tanque, misseis guiados por laser, por infravermelhos, etc e agora os drones. Enquanto os blindados tiverem a sua utilidade, adaptam-se às ameaças. Quer seja através de novas doutrinas, individuais e coletivas com outros ramos, e com novas tecnologias. Tal como a defesa anti aérea não impede a utilização de caças. Provoca uma maior rapidez de evolução. A questão não são as ameaças mas aparecer outra… Read more »

Gelson
Gelson
15 dias atrás

Boa tarde, dá para perceber que nessa nova abordagem de conceito de VBTP (e outras funções), houve uma grande preocupação com a melhoria da blindagem. Aqueles sanduíches de chapas e placas reativas (1ª e 3ª fotos), dão uma boa ideia disso.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Gelson
15 dias atrás

Era o grande problema do 113, a fraca blindagem.
O conflito no Iraque, com os IED’s, evidenciou essa necessidade de maior blindagem.

Tomcat4,2
Reply to  Gelson
15 dias atrás

Creio que tiro de .50 não faça nem cócegas nisso viu !!!

Últimas Notícias

Armamento multifuncional que entende o campo de batalha moderno

Hoje em dia as tropas enfrentam uma gama mais ampla de desafios e, para obter sucesso, é preciso contar...
- Advertisement -
- Advertisement -