sábado, setembro 18, 2021

Saab RBS 70NG

1ª Brigada de Infantaria de Selva é certificada como Força de Prontidão

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

BOA VISTA (RR) – No dia 23 de julho de 2021, a 1ª Brigada de Infantaria de Selva – Brigada Lobo D’Almada – finalizou os exercícios da fase de certificação da Força de Prontidão (FORPRON), passando a ser uma tropa certificada pelo Comando de Operações Terrestres (COTER).

Após cerca de 7 meses de preparação, e ter sido avaliada por meio das simulações construtiva e virtual, a FORPRON Lobo D’Almada concluiu a fase de certificação por meio do exercício no terreno (simulação viva) ocorrido no município do Cantá (RR). Durante a atividade, os dispositivos de simulação de engajamento tático foram amplamente empregados, trazendo mais realismo aos problemas militares simulados. A partir dessa certificação, a FORPRON Lobo D’Almada entra na fase da prontidão.

O Comandante Militar da Amazônia, General de Exército Estevam Cals Theophilo Gaspar de Oliveira acompanhou a simulação viva. “A certificação tem um nível de realismo muito grande, que nos permite tirar lições aprendidas de todo este exercício realizado e aprimorar os processos de planejamento e de execução nas ações ofensivas e também defensivas e nas missões de combate que são previstas para a 1ª Brigada de Infantaria de Selva realizar”, ressaltou.

As principais atividades realizadas pelas tropas da FORPRON foram: a defesa em posição, o assalto aeromóvel, o ataque à localidade, a defesa antiaérea, o planejamento e coordenação do apoio de fogo, além de tiro com o obuseiro L118 Light Gun, com o morteiro 81mm RO e com o canhão 90mm da VBR Cascavel.

A certificação trouxe, como resultado, o aumento da capacidade dissuasória e de pronta resposta da 1ª Brigada de Infantaria de Selva, que, em curto espaço de tempo, tem condições de ser empregada no cumprimento de missões, valendo-se de seus próprios recursos orgânicos e meios disponibilizados.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

- Advertisement -

45 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
1 mês atrás

Parabéns. ET na selva aonde o infante brasileiro brilha.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

É…

Tomcat4,2
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

Caatinga tbm e montanha tem tropas especificas.😎🇧🇷

Inimigo do Estado
Inimigo do Estado
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Na caatinga só dá nós. Podem colocar o que quiserem.

Last edited 1 mês atrás by Inimigo do Estado
Nonato
Nonato
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

Estranho esse seu comentário pois está sempre falando mal do Brasil e das forças armadas.

Alfa BR
Alfa BR
1 mês atrás

Que foto!
comment image

Torço para que o EB adquira mais Carlos Gustavos. Completar a dotação material deve ser prioridade.

Tomcat4,2
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Show, só esperando passar o alvo😎🇧🇷

Pedro
Pedro
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Lembrei daquela cena do filme: “O Resgate do Soldado Ryan”, quando eles realmente se conhecem. Só na espreite do blindado ou tanque passar….

naval762
naval762
1 mês atrás

Uma coisa que sempre passou pela minha cabeça e que acho deve estar começando a surgir na mente dos planejadores das forças armadas é que “guerra na selva” não é sempre 100% na selva.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  naval762
1 mês atrás

Essa visão de que “guerra na selva” é só no meio da mata fechada é na cabeça do público geral, graças a mídia (filmes/séries, documentários, reportagens…) e até mesmo material informacional das forças armadas (que mostram o clássico “guerreiro de selva” embrenhado na mata). Na prática operações militares em ambiente predominante de selva (como a Região Norte) tem como objetivo controlar os chamados Acidentes Capitais. Acidente Capital é qualquer acidente de terreno ou área cuja conquista, manutenção ou c contexto as cidades estarão supervalorizadas como objetivos estratégicos e táticos, pois, normalmente, estão localizadas às margens dos rios navegáveis e são… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  naval762
1 mês atrás

Sem contar que mesmo numa região típica de selva pode existir amplas faixas de terreno que não seja de selva. Um exemplo e a zona do Lavrado em Roraima, do tipo savana.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Imagem por satélite de Altamira, Pará, abrangendo um raio de aproximadamente 50 km ao redor da cidade. Percebe a predominância de amplos campos de tiro?
comment image

Last edited 1 mês atrás by Alfa BR
Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Essa imagem é de uma das vias de acesso a mesma cidade, mais precisamente pela BR 230 (Transamazônica).
comment image

737-800RJ
737-800RJ
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Ótimos comentários! Não conhecia esse conceito. Valeu!

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

E com o desmatamento aumentando, abrem-se mais áreas sem cobertura de selva. A foto do colega abaixo mostra bem o padrão de ocupação do terreno e a redução da selva.

Jean Jardino
Jean Jardino
1 mês atrás

O EB ainda ta na era do cantil de agua, meuuuuu Deussssssss, que atraso.

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Jean Jardino
1 mês atrás

Usam soh pra ralar no campo mesmo. No haiti por exemplo, usavam camelback ja.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Jean Jardino
1 mês atrás

Depende da situação o cantil deixa a água mais fresca que o Camelback.

Já usei camelback em lugar muito quente e parecia que eu estava tomando chá.

bille
bille
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

O cantil é mais pratico. Mais fácil de recarregar, se colocar um filtro tipo sawyer ainda pode tratar a agua por muito tempo, e é mais fácil pra trocar ou manutenir e limpar.

O Camelback é mais fácil pra usar andando, mas da mais trabalho pra abastecer e esquenta muito a agua.

Mas um colete balístico com bolsos pra munição, mochilas mais equilibradas e leves (pra carregar peso com carga, não com a mochila), e kits mais pratico que potes San remo, tá na hora de melhorar isso aí.

Nonato
Nonato
Reply to  bille
1 mês atrás

Críticas construtivas e sugestões são sempre bem-vindas, especialmente em tempos de haters antipatriotas

Tomcat4,2
1 mês atrás

Prontidão, treino a exaustão e mais prontidão 👏👏👏. Fotos fantásticas e em breve novos meios para as tropas e fuzis novos e melhores.🇧🇷

Caio
Caio
1 mês atrás

Com a quantidade e qualidade adequada de equipamentos, os guerreiros da selva iriam virar monstros.

Inimigo do Estado
Inimigo do Estado
Reply to  Caio
1 mês atrás

Né, já estão no habitat natural dos monstros.

Alfa BR
Alfa BR
1 mês atrás

Organização da 1ª Brigada de Infantaria de Selva (1ª Bda Inf Sl).
comment image

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Tudo isso liderado pela Companhia de Comando da 1ª Brigada de Infantaria de Selva. Também integra a brigada o 32º Pelotão de Polícia do Exército.

Last edited 1 mês atrás by Alfa BR
Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Nota-se a falta de elementos de Engenharia de Combate e Defesa Antiaérea.

rdx
rdx
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

É justamente a brigada que vigia as fronteiras com a Venezuela e a Guiana. Na minha opinião é a região mais sensível do país. Nela estão localizadas as principais terras indígenas e a única estrada que liga o Brasil à Venezuela.

28% da vegetação de Roraima é formada por campos e cerrados. Boa vista e tal estrada ficam nessa região. Aparentemente é uma área tão boa para blindados quanto o centro-oeste e os pampas.

Na minha opinião, o EB deveria transferir logo de cara aquele esdrúxulo GAAer de MG e pelo menos 1 GAC com peças 155mm do RJ.

rdx
rdx
Reply to  rdx
1 mês atrás

…para Roraima.

Tomcat4,2
Reply to  rdx
1 mês atrás

POis é rapaz, o GAAer aqui em MG faz nenhum sentido pois nem base da FAB se tem direito(só o Pama LS que apenas da manutenção em aeronaves e não sedia esquadrão algum).

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Alfa….nenhuma das brigadas de selva do CMA tem isso, tanto a 1º, 2º, 16º e a 17º, no caso de artilharia antiaérea, em tese essas brigadas seriam apoiadas pelo 12º Grupo de artilharia antiaérea (manaus), mas na prática… Na engenharia tem o 2º grupamento de engenharia, mas pelo visto o e.b está mais interessado em engenharia de construção do que de combate…mas sinceramente isso é só figurinha para preencher álbum Quer realmente uma força de prontidão que dê resultado? investe em forças de apoio para que a brigada possa ampliar sua área de operações…talvez mais um batalhão de aviação do… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Rafaelvbv
Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
1 mês atrás

O 12° GAAAe Sl ainda está incompleto, atualmente conta com apenas uma Bateria de Mísseis constituída por duas Seções de Míssil IGLA (4 unidades de tiro IGLA-S cada, 8 no total) e uma Seção de Míssil RBS-70 (4 unidades de tiro RBS-70). A previsão é que quando for completada tenha a seguinte dotação: Pessoalmente sou a favor dos IGLA-S serem distribuídos para as CCAP dos BIS, constituindo os Grupos de Autodefesa Antiaérea, como previsto na doutrina. Engenharia de Combate é extremamente necessária para o TO amazônico, notadamente para prover mobilidade e contramobilidade. A única Brigada de Infantaria de Selva a… Read more »

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Extamente…um batalhao de lancha de assalto seria algo a ser estudado, penso em algo como se fosse uma copia de FT da cavalaria….embarcacao de choque (funçao parecida com CC), embarcacao de combate fuzileiro (transporte de tropa) e até embarcação de apoio de fogo (morteiro)… Essas embarcações precisaria desenvolver grande velocidade e autonomia suficiente para operar por dias com o mínimo de conforto para tripulação (cama, cozinha, banheiro) Os bis e os bat op ribeirinhas merecem embarcações de qualidade voltados para combate, investimos demais no sul do país e esquecemos do mais importante. Um bis utilizar aquelas voadeiras com motor de… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
1 mês atrás

Articulação da 1ª Brigada de Infantaria de Selva:
comment image

Essa Grande Unidade é responsável pela defesa e controle das fronteiras na região do Estado de Roraima.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Vigia a faixa de fronteira com Venezuela e Guiana.

Defende uma das principais vias de aceso ao interior da Amazônia: a rodovia BR-174, que liga Boa Vista à Manaus, o lavrado roraimense ao coração da selva amazônica.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 mês atrás

Poder vir Venezuela, estamos preparados para parar seus T-72 e BMP2!

Glasquis 7
Reply to  Antunes 1980
1 mês atrás

E o Psiquiatra pode vir junto?

Flávio
Flávio
Reply to  Antunes 1980
1 mês atrás

Venezuela? Qual disputa territorial temos com eles para justificar a espera de um conflito com eles?

Lucas
Reply to  Antunes 1980
1 mês atrás

Eles não operam o BMP2, mas sim o BMP3.

Andre
Andre
1 mês atrás

Esses capacetes são somente para treinamento? Parecem tão….

bille
bille
Reply to  Andre
1 mês atrás

Mais um item que precisa de uma revisão.

Cinto/suspensório por coletes, capacetes da 2GM por modelos mais leves, menos volumosos, com blindagem, e suporte pra NVG e rádios (tem, mas tem que comprar ou gastar dinheiro pra desenvolver… e comprar!)

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  bille
1 mês atrás

Voces estao confundindo equipamento de ralo com o que seria usado em missao real. O que foi usado na Operacao Culminating por exemplo, eh o que seria usado em missao real. Por mais que nem todas as unidades estejam naquele padrao, numa eventual necessidade, seria pago pra tropa.

Bille
Bille
Reply to  PauloOsk
1 mês atrás

A tropa não usa porque não tem. Nao adianta treinar com um e usar outro Qd der real. Vai atrapalhar mais do que ajudar (a tropa não tá acostumada com o material novo).
Você luta como treina.

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Andre
1 mês atrás

Andre, esse capacete eh “top”, a galera implica pela falta da coifa. Haha

Pablo
Pablo
1 mês atrás

Uma curiosidade. Na ultima foto, do urutu, os tripulantes nao deveriam estar de capacete com rádio?

Last edited 1 mês atrás by Pablo
francisco
francisco
1 mês atrás

Além das forças armadas, há também os civis que, desde o início do Brasil, sempre defenderam o território nacional contra invasores, dentre eles ingleses, franceses, holandeses, espanhóis e até contra os portugueses.
Então invadir o Brasil é difícil até mesmo para os USA. O Exercito sabe que pode contar com a população e talvez por isso nunca procurou desarmar o cidadão brasileiro.

Há lista de conflito no Brasil é enorme. Ver em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_conflitos_envolvendo_o_Brasil.

Últimas Notícias

Saab recebe pedidos de Carl-Gustaf M4 e munições

A Saab recebeu pedidos para o rifle sem recuo Carl-Gustaf® M4 com munição incluída. O valor do pedido combinado...
- Advertisement -
- Advertisement -