segunda-feira, outubro 25, 2021

Saab RBS 70NG

Blindado Guarani afunda durante treinamento do Exército no Lago de Itaipu

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Um veículo blindando Guarani afundou no Lago de Itaipu, em Foz do Iguaçu, na quarta-feira (29), durante um treinamento do Exército Brasileiro. Os militares que estavam no veículo realizaram uma saída de emergência. Ninguém ficou ferido.

Equipes do Corpo de Bombeiros acompanhava a instrução quando o blindado submergiu na região do Iate Clube Lago de Itaipu (ICLI).

“Num determinado momento, com o veículo já submerso, houve uma pane no motor e começou a entrar água no Guarani, desse modo os tripulantes tiveram que realizar saída de emergência e o nosso pessoal teve que atuar efetuando o resgate dos mesmos”, informou nota dos Bombeiros.

O blindado afundou cerca de 50 metros da margem e a 5 metros de profundidade.

Uma empresa especializada em transporte de areia foi solicitada para retirar o veículo da água. O guarani foi “resgatado” por volta das 19h.

Segundo Exército Brasileiro, será instaurado um inquérito para apurar o que realmente aconteceu veja o que diz a nota da Sessão de Comunicação Social do 34º Batalhão de Infantaria Mecanizada:

“Vai ser instaurado um procedimento administrativo para apurar o que realmente aconteceu. Aconteceu próximo da margem, carro resgatado no mesmo dia. Era um treinamento militar de motoristas de carro guarani e aconteceu alguma coisa que começou a afundar o anfíbio. Todos estavam de colete, quatro militares saíram sem nenhum dano pessoal. A viatura está passando por uma análise para verificar o que houve.”

FONTE: Portal Nova Santa Rosa / R7

- Advertisement -

85 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
85 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
737-800RJ
737-800RJ
23 dias atrás

Eu sei que os tripulantes são bem treinados pra esse tipo de situação, mas com a grande quantidade de água entrando rapidamente, a adrenalina deve ir lá em cima!
Que bom que todos estão bem e segue o jogo!

Rommel Santos
Reply to  737-800RJ
8 dias atrás

Caro 737:me lembro de um naufrágio de um Urutu na baia da Guanabara. Neste dia estava sendo relizada uma demonstração de uma das versões concebida para a marinha. O Urutu navegava normalmente, com as escotilhas abertas e o mar calmo. Em um determinado ponto o veiculo atingiu um banco de areia e as rodas passaram a ter contato com a areia; como o banco era relativamente estreito, após poucos metros percorridos por inercia (navegando a propulsão é apenas por helices, sendo que a tração pelas rodas logicamente esta desengatada) embicou novamente na água. Nesta condição a tripulação foi tomada de… Read more »

Welington S.
Welington S.
23 dias atrás

O que vai ter de arge falando mal sobre isso, não tá anotado no Gibi… (lembrando que tem muito arge que odeia o Guarani. Não querem por lá nem de graça).

Last edited 23 dias atrás by Welington S.
Jadson S. Cabral
Jadson S. Cabral
Reply to  Welington S.
23 dias atrás

Gente idiota dando palpite sobre o que não sabe e encarando guerra como se fosse super-trunfo tem em todos os lugares, inclusive aqui.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Welington S.
22 dias atrás

teve uma vez que um me chamou de macaquito, joguei na cara dele a situação da Argentina hj e ele nem respondeu mais. povo chato do crlh

Rod Franklin
Reply to  Carlos Campos
22 dias atrás

Fala pra eles que o HMS Conqueror manda um abração! Eles ficam super felizes!!!

DanielJr
DanielJr
Reply to  Rod Franklin
22 dias atrás

Deixei um link na mãozinha e outro aqui, bem criativo. kkkkk

Fernando Vidal
Fernando Vidal
Reply to  DanielJr
13 dias atrás

Só lembro que quem quer vender somos nós… E que nossos vizinhos latino americanos são nossos principais clientes. Sempre que possível vale a pena tentar explicar nossa posição e tentar entender por que dá antipatia com o Brasil, que acaba sendo o líder da região. No fim das contas tudo que vendemos de roupas, tecidos, creme-dental, geleia até veículos, máquinas, serviços e tecnologia têm nós latinos americanos nossos clientes preferenciais, isso gera riqueza por aqui, empregos, renda e divisas…

Flávio
Flávio
Reply to  Rod Franklin
20 dias atrás

As almas de centenas de marujos mortos tb mandam um abração p vc

Camargoer.
Reply to  Carlos Campos
22 dias atrás

Olá Carlos. Em várias vezes, brasileiros aqui no blog ofenderam sem que isso me levasse a dizer que os brasileiros são ignorantes, mal-educados e desinformados.

Elias
Elias
Reply to  Carlos Campos
21 dias atrás

Viva as falklands!!!!

Sergio Cintra
Sergio Cintra
Reply to  Carlos Campos
20 dias atrás

A opção de ocupar a Argentina e expulsar Rosas, sem tropas apropriadas, obrigou o Império Brasileiro a ofertar aos escravos negros a alforria em seu retorno – os senhores de escravos os incentivaram pois não teriam que pagar indenizações, se a libertação que se vislumbrava assim exigisse. Como Rosas “picou a mula” para a Inglaterra, as nossas tropas foram desfilar em Buenos Aires e como o contingente de escravos era grande, os “argis” assim nos chamaram: “los macachitos”. Isso é um registro histórico e não por tudo imitarmos os americanos como mais tarde foi ventilado. Então se é para ”… Read more »

Gerson
Gerson
Reply to  Welington S.
21 dias atrás

Salvo engano, um blindado americano também afundou recentemente…

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
Reply to  Gerson
21 dias atrás

Salvo engano, os blindados americanos são de qualidade e conceituados, dentre os milhares, se apenas um afundar, é normal!

ricardo taer
ricardo taer
Reply to  Welington S.
21 dias atrás

No site argentino Zona-militar já estão a comentar, os argentinos não gostam nem um pouco dos produtos de defesa ‘made in Brazil’

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  ricardo taer
20 dias atrás

Os argentinos na verdade têm é muita inveja do Brasil. Por tudo.
Pelo clima, pela diversidade de vegetação e animais, pelas praias, pela riqueza natural, pelas lindas mulheres, pelo futebol, pela gastronomia, pela agricultura e pela economia. Até do carnaval têm inveja.
Mas não é uma inveja negativa, desejando o mal, na verdade eles queriam ser brasileiros.

Last edited 20 dias atrás by Cristiano GR
ricardo taer
ricardo taer
Reply to  Cristiano GR
20 dias atrás

Penso o mesmo Cristiano GR, não tem essa conotação maldosa, eles mesmo se referem como ‘envidia blanca’ rsrrs

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Cristiano GR
20 dias atrás

Não confundir a rivalidade esportiva com os argentinos, com o povo argentino.

Tem gente que fala mal lá do Brasil ? Tem! Como tem gente daqui que fala mal de lá.

Welington S.
Welington S.
23 dias atrás

O modelo que naufragou é equipado com a UT-30BR.

antonio
antonio
Reply to  Welington S.
23 dias atrás

Isso contribuiu com o incidente. A UT-30 é muito pesada e deixa o centro de gravidade alto para a viatura. O prejuízo será grande considerando esse armamento. O motor apagar do nada é incomum.

Welington S.
Welington S.
Reply to  antonio
23 dias atrás

Como pode a UT-30BR ser mais pesada? Será que por isso ela foi totalmente remodelada para essa versão?

0910201703.jpg
Flanker
Flanker
Reply to  Welington S.
23 dias atrás

Essa versão remodelada o Brasil não opera.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Flanker
23 dias atrás

Essa que é a usada?comment image

Flanker
Flanker
Reply to  Welington S.
23 dias atrás

Sim, e nessa imagem ela está na posição recolhida. Quando em operação, ela fica em posição mais elevada.

Flanker
Flanker
Reply to  Flanker
23 dias atrás

Aqui, podemos ver melhor:

images (59).jpeg
Flanker
Flanker
Reply to  Flanker
23 dias atrás

E aqui:

images (58).jpeg
Teropode
Reply to  antonio
23 dias atrás

O apagar do motor pode ter sido causado pelo fator psicológico do motorista , os caras estavam treinando , não era pessoal experiente , isto eh normal , treinos existem eh pa isto .

EParro
EParro
Reply to  antonio
23 dias atrás

antonio, mas você viu esta tal UT-30 nessa foto aí?

Flanker
Flanker
Reply to  Welington S.
23 dias atrás

Tem alguma imagem do resgate ou da operação, onde apareça o veículo equipado com essa torre?

Welington S.
Welington S.
Reply to  Flanker
23 dias atrás

Onde eu vi parece que é este blindado aqui.comment image

EParro
EParro
Reply to  Welington S.
22 dias atrás

Você consegue identificar esta estrutura de torre na imagem da reportagem?

737-800RJ
737-800RJ
Reply to  Flanker
22 dias atrás

Flanker, achei essa aqui:

52841_resize_620_380_true_false_null.jpg
Flanker
Flanker
Reply to  737-800RJ
22 dias atrás

Sim, essa eu tb vi, mas não sei se é o blindado que foi usado ou se usaram apenas uma foto para ilustrar a reportagem.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Flanker
21 dias atrás

Duvido Flanker. Está sem o kit flutuação. E o Guarani com UT-30 precisa deles para manter a navegabilidade.
Ou o Comandante da viatura esqueceu desse detalhe.

Flanker
Flanker
Reply to  MMerlin
19 dias atrás

Sim, concordo. Quem falou que ele estava equipado com a UT30, não fui eu.

Jodreski
Jodreski
Reply to  Welington S.
21 dias atrás

Que sorte a nossa hein… justo esse que é equipado com a UT, é igual aquele caso dos A-4 que colidiram nos fazendo perder um modernizado. Já não tem muito quando ocorre um acidente ainda perdemos a melhor versão aí fica difícil.

Samuca cobre
23 dias atrás

Todo tipo de máquina dá problema, carro, avião, navio etc.etc…
Acidentes também acontecem…
Vão fazer uma investigação e ver o que ocorreu, falha da máquina ou falha humana , é simples…
E corrigir !!!!

Last edited 23 dias atrás by Samuca cobre
J.Neto
J.Neto
Reply to  Samuca cobre
20 dias atrás

Comentário mais lúcido…

Helio
Helio
23 dias atrás

Convém lembrar que até navio afunda eventualmente.

AK-130
AK-130
23 dias atrás

Acidente por acidente, até F-22 já caiu. Segue o jogo, investiga o que tem que ser investigado e soluciona o problema detectado.

Thiago
Thiago
Reply to  AK-130
23 dias atrás

Pior foi a perda de um B2, $2bi em valores atuais. Foi o acidente aéreo mais caro da história.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
23 dias atrás

Ainda bem que a tripulação escapou!

Paulo Costa
Paulo Costa
23 dias atrás

Deveria existir um kit de flutuação.Sem o kit,o Guarani com 30mm,
não vai poder acompanhar a tropa.
Quanto pesa um 30mm,1ton?Devera ser um kit de flutuação e outro
de estabilização,ou ambos.Talvez seja inviavel.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Paulo Costa
23 dias atrás

amigo Paulo costa, existe um kit de flutuação conforme material abaixo. (1) CIBld realiza teste de navegação fluvial da VBTP-MR Guarani UT30BR – YouTube Guarani 6×6 com UT30BR e equipado com kit de flutuação chega ao CIBld – Tecnodefesa “No caso da UT30BR, a solução encontrada é um pouco diferente. O aumento da massa e a mudança de centro de gravidade demandou a instalação de um Kit de Flutuação quick change (coloca e remove rapidamente), desenvolvido pelo Centro Tecnológico do Exército (CTEx), e destinado a navegação fluvial com segurança dos VBTP-MR dotados com a UT30 BR.” créditos: Bastos e Caiafa… Read more »

Last edited 23 dias atrás by Rafaelvbv
Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
22 dias atrás

Obrigado Rafael
Bom video este indicado,o kit de flutuação esta muito bem feito.
No chassi do guarani devem ter varias janelas de passagem de fiação,
de amortecedores,das baterias,com o tempo podem ressecar,e vazar.
Na reportagem tem uma foto do Guarani de topo,em que aparece um mangote
branco,provavelmente algum teste contra vazamentos.

Iveco-entrega-o-Guarani-nº-500-ao-Exército-Brasileiro-5.jpg
Paulo GSB Mod
Paulo GSB Mod
Reply to  Paulo Costa
20 dias atrás

Ta explicado porque afundou… Com. Tantos eletrônicos parece mais um submarino kkk

Flanker
Flanker
23 dias atrás

Talvez os danos pela água não tenham sido tão grandes e o veículo possa ser recuperado. Nesse caso, muito provavelmente, os danos tenham ocorrido “apenas” na parte eletrônica, sensível à água.

Peter Nine Nine
Peter Nine Nine
Reply to  Flanker
23 dias atrás

Não duvido que seja recuperável.

O incidente ocorreu em água doce, sendo que a pintura, por si só, já deverá fornecer um mínimo de proteção contra corrosão.
A eletrónica, com certeza, estará frita, mas o veículo em si, nem que só a carcaça, estará possivelmente em boas condições, assim como alguns componentes da arma principal.

Já o motor, não sei.

Jadson S. Cabral
Jadson S. Cabral
Reply to  Peter Nine Nine
23 dias atrás

Com certeza poderá ser recuperado. A única coisa que não são os equipamentos eletrônicos que não tiveram proteção contra agua. Quanto ao motor, muito prevalente tbm. Só deve passar por uma manutenção geral para retirar a água e tá novo. A mesma coisa com a arma. O canhão em sí não terá nenhum problema. É só passar uma flanela rsrs. O que vai pro saco é a eletrônica, os equipamentos ópticos… ou seja, o mais caro. Quanto a pintura da carcaça… nem precisa se preocupar. Primeiro pq foi feita pra ser anfíbio, segundo pq ficou pouco tempo submerso e água… Read more »

Rommel Santos
Reply to  Peter Nine Nine
8 dias atrás

Prezado Pedro 99: fornecemos para as tropas lusitanas – nossas prezadas amigas -diversas viaturas da ENGESA para combater em Angola e Moçambique. Naquela época seguiamos normas técnicas militares portuguesas que estabeleciam a obrigatoriedade de cumprir com a necessidade de repor em operação um caminhão inteiro seis horas após ter ficado totalmente submerso. Veja que tais requisitos foram muito importantes para que os projetistas brasileiros pudessem desenvolver produtos compatíveis com o mercado à época. Claramente alguns componentes tinham que ser trocados. No caso dos motores, há que se considerar vários aspectos. Um, por exemplo, é relativo à condição na qual o… Read more »

Rommel Santos
Reply to  Flanker
8 dias atrás

Sim caro Flanker, praticamente todo o veículo é recuperável sem problemas. Há normas técnicas militares que até definem um período máximo (se bem me lembro eram 6 horas) para recolocar em operação um veículo que tenha ficado totalmente submerso em água doce. Por exemplo, o ENGESA EE-25 teve que cumprir estes requisitos lá nos anos 70 e passou plenamente neste teste. Claro que alguns componentes precisam ser substituídos, mas não esquecer que a maioria dos componentes digitais obedecem normas quanto a serem também à prova dágua.

sj1
sj1
23 dias atrás

Acontece… dias atrás morreram uns sete marines num teste com um AAV-7 na costa da Califórnia.

Peter Nine Nine
Peter Nine Nine
Reply to  sj1
23 dias atrás

Sim, um lago e mar não tem nada de comparável no entanto.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Peter Nine Nine
22 dias atrás

Creio que não se trata do ambiente em si, mas do peso do veículo e alteração do centro de gravidade, como afirmaram em comentários anteriores. Pode ser ainda o caso de erro de operação.

Pedro Fullback
Pedro Fullback
23 dias atrás

A equipe foi muito bem treinada para evacuar rapidamente do Guarani! Dou parabéns aos profissionais que dão a orientação e o treinamento para a evacuação em caso de acidentes.

Matheus
Matheus
23 dias atrás

Poisé, usar a UT-30 no Guarani não é uma boa ideia, como eles mesmos já anunciaram.
Agora é esperar sair o resultado do programa 8×8 e dai usar a UT-30 naquela plataforma.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
23 dias atrás

“Os militares que estavam no veículo realizaram uma saída de emergência. Ninguém ficou ferido.”

Ótimo. Essa é a única coisa que realmente importa nisso.

Jadson S. Cabral
Jadson S. Cabral
23 dias atrás

Alguém mais notou em como essa nota do EB tá esquisita? Parece que foi alguém semi-letrado que escreveu

Camargoer.
Reply to  Jadson S. Cabral
23 dias atrás

Olá Jadson. Pelo que entendi, a fonte é um jornal local.

Luiz
Luiz
Reply to  Jadson S. Cabral
23 dias atrás

Sim, me parece que foi feita as pressas, uma nota, um resumo dos acontecimentos.

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Jadson S. Cabral
23 dias atrás

O que têm de esquisito na nota do exército? Nota do Exército: “Vai ser instaurado um procedimento administrativo para apurar o que realmente aconteceu. Aconteceu próximo da margem, carro resgatado no mesmo dia. Era um treinamento militar de motoristas de carro guarani e aconteceu alguma coisa que começou a afundar o anfíbio. Todos estavam de colete, quatro militares saíram sem nenhum dano pessoal. A viatura está passando por uma análise para verificar o que houve.” Nota dos Bombeiros: “Num determinado momento, com o veículo já submerso, houve uma pane no motor e começou a entrar água no Guarani, desse modo… Read more »

Salim
Salim
23 dias atrás

Este tipo de operação tem um nível de risco bem alto, uma válvula emperrada por sujeira, já era. Como sugestão, quando treinamento específico nesta operação, seria interessante kit extra de flutuação acionado em caso emergência. O teste equipamento e pleno pois os flutuadores estão inativos e pouparia equipamento em caso de qualquer falha.

Camargoer.
23 dias atrás

Olá Colegas. Felizmente, os soldados estão bem. Então cabe a piada. “O EB está fazendo água“.

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Camargoer.
23 dias atrás

jkjk

Mauro Cambuquira
Reply to  Camargoer.
22 dias atrás

Você não é santo…

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Camargoer.
22 dias atrás

Soçobrou! Hahahahahaha

Henrique
Henrique
23 dias atrás

O Guarani anda na terra e na água, quando está na terra capota e, agora sabemos, quando está na água afunda.

Camargoer.
Reply to  Henrique
22 dias atrás

Olá Henrique. Eu imagino que se ele for lançado de um KC390 ele também cai. Não serve para nada. Que desastre.

Segatto
Segatto
Reply to  Henrique
20 dias atrás

Quando capotou também foi aqui no Paraná, o guarani não está se adaptando bem ao estado

Jhonn
Jhonn
22 dias atrás

Seria pt de todos sistemas elétricos, eletrônicos e motor?

Antonio Palhares
Antonio Palhares
22 dias atrás

Acontece com as melhores familias.
Vamos esperar as investigações.

Paulo Costa
Paulo Costa
22 dias atrás

COMPARAÇÃO DO GUARANI COM AS DEMAIS VBTP DOS PAÍSES INTEGRANTES DO MERCOSUL (eb.mil.br)

Artigo sobre o Guarani,inclusive dizendo que tem bomba de porão
no compartimento da tropa.

Gabriel BR
Gabriel BR
22 dias atrás

Felizmente ninguém se machucou , acidentes acontecem em todo lugar e a toda hora.

Foxtrot
Foxtrot
21 dias atrás

Como o EB está acostumado a operar embarcações na Amazônia e Pantanal, deve ter confundido o Guarani com uma embarcação rsrs.

Gerson
Gerson
21 dias atrás

Não sei se eh para rir ou chorar?

Soldado
Soldado
21 dias atrás

Neste caso com a entrada de água no veículo, a parte elétrica foi toda danificada? É possível recuperar esse veículo?

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
21 dias atrás

Ué, não eram os produtos chineses que “soltavam pecinha”? Continue no seu mundinho da Terra Plana, muchacho…

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
21 dias atrás

Alô, Bosco! Solta pecinha? kkkkk

Nilo
Nilo
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
21 dias atrás

congratulações,
Vai cata chines

Last edited 21 dias atrás by Nilo
Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
21 dias atrás

Gostam de rir da China e ignoram a própria realidade… Essa é a realidade do Brasil!

groosp
groosp
20 dias atrás

Prosub

EParro
EParro
19 dias atrás

O VBTP-MR Guarani tem, na parte superior dianteira uma “aba” que se levanta e fica praticamente em ângulo reto com aquela parte da “carroceira” – “scafo” (ligeiramente inclinada à frente, devido a dianteira também inclinada); quando é usado na travessia de “corpos d’água”. Na foto da reportagem, parece-me que essa tal “aba”, não está totalmente levantada. Será que há relevância na flutuação? Alguém sabe dizer?

Rommel Santos
Reply to  EParro
8 dias atrás

Caro Eparro: essa “aba” é um defletor utilizado justamente para servir como “quebra ondas” na condição em que o carro de combate está navegando. Os Urutus da ENGESA possuiam muitas variantes-protótipos, mas as versões destinadas ao exercito não necessariamente possuiam tais defletores por que tais veículos do exercito destinavam-se a transpor pequenos cursos fluviais. É um componente hidrodinâmicamente ativo mas não contribui significativamente para a flutuabilidade (seja positivamente ou não). Nas versões para a marinha preparadas pela ENGESA, em que os carros tinham que se apresentar aptos a desembarcar de navios e atracar em praias, tais veículos possuiam tubos tipo… Read more »

Roberto Eduardo Henrique Pesserl
10 dias atrás

A falta de motor na travessia obviamente criou o problema, pela falta de impulso e bombeamento da água do porão. Mas falhas técnicas precisam ser prevenidas na manutenção, não podem acontecer no uso, ou teremos desastres e propaganda negativa para nossa indústria bélica de defesa… Mesmo sendo negativo, o evento vai provocar um melhor plano de manejo e trabalhos mais acurados na manutenção.

Rommel Santos
Reply to  Roberto Eduardo Henrique Pesserl
8 dias atrás

Caro Roberto: o sistema de esgotamento do Guarani até onde pude depreender é bem eficiente mas a sua ação, como em qualquer outro veículo similar, também é limitada. Se houver uma abertura muito grande admitindo água externa o sistema de esgotamento certamente não é suficiente. A simples falha do motor não causaria o afundamento. Veja que inclusive estavam muito próximos da margem (50m) e a operação de resgate seria até bem simples. Acredito que, eventualmente, uma escotilha não estivesse totalmente fechada e que, talvez, o kit para garantir uma flutuabilidade adicinal tenha se despreendido do casco. Felizmente ninguem se feriu.… Read more »

Últimas Notícias

Recife (PE) sediará a nova Escola de Formação de Sargentos do Exército

O CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO INFORMA: Na 339ª Reunião do Alto Comando do Exército, realizada de 18 a...
- Advertisement -
- Advertisement -