sexta-feira, outubro 7, 2022

Saab RBS 70NG

SIPRI: Indústria global de armas floresce apesar da COVID

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Um negócio de US $ 531 bilhões: O novo relatório do SIPRI mostra que os 100 maiores produtores de armas do mundo continuaram a aumentar as vendas – mesmo no ano pandêmico de 2020 e apesar da contração da economia global.

Lockdowns, cadeias de suprimentos em ruínas, consumidores nervosos: a pandemia de COVID-19 causou crises econômicas maciças em todo o mundo. Um setor, porém, se mostrou imune ao vírus: a indústria de armamentos. Isso é confirmado pelo último relatório sobre os 100 maiores fabricantes de armas do mundo, do Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI).

Alexandra Marksteiner, pesquisadora do SIPRI, disse à DW que ficou especialmente surpresa com os dados de 2020, o primeiro ano da pandemia: “Mesmo que o FMI tenha colocado a contração econômica global em 3,1%, vimos que as vendas de armas dessas 100 maiores empresas aumentaram. – vimos um aumento geral de 1,3%. ”

As vendas dos 100 maiores fabricantes de armas totalizaram US$ 531 bilhões (€ 469 bilhões) em 2020, mais do que a produção econômica da Bélgica. Cerca de 54% disso foi contabilizado pelas 41 empresas americanas no top 100 do SIPRI. As principais empresas do setor são baseadas nos EUA: a Lockheed Martin sozinha vendeu mais de US$ 58 bilhões em sistemas de armas no ano passado – uma soma maior do que o PIB da Lituânia.

Lobby eficaz

Empresas tão grandes também exercem poder político. Markus Bayer, um cientista político do Centro Internacional de Estudos de Conflitos de Bonn (BICC), diz que as empresas de armas estão deliberadamente exercendo influência. Ele cita um relatório da ONG americana Open Secrets: “Empresas de defesa gastam milhões todos os anos fazendo lobby com políticos e doando para suas campanhas. Nas últimas duas décadas, sua extensa rede de lobistas e doadores direcionou US$ 285 milhões em contribuições de campanha e US$ 2,5 bilhões em gastos de lobby para influenciar a política de defesa.”

E para os gigantes da fabricação de armas, os gastos parecem compensar. Alexandra Marksteiner explica que o Departamento de Defesa dos EUA forneceu apoio direcionado à indústria de armas durante a pandemia. “Por exemplo, eles garantiram que os funcionários das empresas de defesa ficassem em grande parte isentos de pedidos de permanência em casa. Por outro lado, houve alguns pedidos que foram montados para que os fundos pudessem ser repassados ​​às empresas um pouco mais cedo, antes do cronograma, para que eles tivessem um pouco de proteção.”

Clique no gráfico para ampliar

Grandes jogadores asiáticos

Simone Wisotzki também examinou os novos números do SIPRI. Uma especialista em controle de armas no Peace Research Institute Frankfurt (PRIF), ela ficou especialmente impressionada com “o fato de que as empresas de armas do Sul Global estão se tornando cada vez mais importantes”. Wisotzki menciona a Índia em particular: Tem três empresas entre as 100 maiores, cujas vendas combinadas totalizam 1,2% – no mesmo nível que a Coreia do Sul.

No entanto, há muito mais armas saindo das fábricas do vizinho do norte da Índia, a China. O SIPRI vem incluindo empresas chinesas em seus estudos desde 2015, apesar dos muitos problemas de transparência. As cinco empresas chinesas na lista estão se beneficiando do programa de modernização das forças armadas chinesas e suas vendas representam agora 13% das 100 maiores vendas.

Olhando para as entradas chinesas, Marksteiner observa que “essas empresas estão capitalizando o que é chamado de fusão civil-militar”, citando o maior conglomerado de armas chinês como exemplo: “Havia um sistema de satélite que a NORINCO co-desenvolveu, e tem bastante receita com isso, e é usado tanto para fins militares como civis.”

Tecnologia da informação militarizada

Simone Wisotzki também observa que a fronteira entre as tecnologias civis e militares está se tornando cada vez mais tênue. “A tecnologia da informação não pode mais ser separada da tecnologia de armas”, diz ela. Em seu novo relatório, o SIPRI examina especificamente o papel crescente que as empresas de tecnologia desempenham no negócio de armas.

Marksteiner enfatiza que, se você deseja uma imagem clara da indústria de armas, “você não pode apenas falar sobre jogadores tradicionais como a Lockheed Martin”. O SIPRI diz que, nos últimos anos, alguns gigantes do Vale do Silício como Google, Microsoft e Oracle buscaram aprofundar seu envolvimento no negócio de armas e foram recompensados ​​com contratos lucrativos.

O SIPRI dá o exemplo de um acordo entre a Microsoft e o Departamento de Defesa dos Estados Unidos no valor de US$ 22 bilhões. A empresa foi contratada para fornecer ao Exército dos Estados Unidos uma espécie de super-óculos, denominado Integrated Visual Augmentation System, que fornecerá aos soldados informações estratégicas em tempo real sobre o campo de batalha.

O interesse dos militares dos EUA no Vale do Silício é fácil de explicar. “Eles percebem que, nessas novas tecnologias de capacitação, seja inteligência artificial ou aprendizado de máquina ou computação em nuvem, a experiência dessas empresas do Vale do Silício está muito além do que você veria dos participantes da indústria de armas tradicionais”, diz Marksteiner. “Há uma chance de que algumas dessas empresas acabem realmente entrando no top 100 [do SIPRI].”

A Rússia está ficando para trás

Junto com a França, a maior queda nas vendas de armas foi registrada pela Rússia. As nove empresas russas na lista venderam 6,5% menos armas no ano passado do que em 2019. Markus Bayer, do BICC, acredita que essa queda, para apenas 5% das 100 maiores vendas totais, está diretamente relacionada ao fato de Índia e China terem desenvolvido suas próprias fábricas de armas . Ambos os países eram anteriormente grandes compradores de armamentos russos.

Bayer cita o exemplo dos porta-aviões. O primeiro porta-aviões chinês era baseado em um navio de construção soviética comprado por Pequim em 1998. O porta-aviões chinês, chamado Liaoning, entrou em serviço em 2012.

Muita coisa aconteceu desde então, diz Bayer. “Nos últimos 20 anos, a China não apenas alcançou a Rússia em termos de capacidade de produção de porta-aviões, ela a ultrapassou. A Rússia não colocou um único porta-aviões em serviço nesse tempo. E agora a Índia desenvolveu seu próprio porta-aviões também, com base no que era originalmente tecnologia soviética.”

Onde está a Europa?

A indústria europeia de armamentos soma 21% das 100 maiores vendas em seus registros. Em 2020, as 26 empresas europeias listadas venderam US$ 109 bilhões em armas. As quatro empresas de armas totalmente alemãs responderam por pouco menos de US$ 9 bilhões desse total.

Há também empresas transeuropeias como a Airbus, que administrou negócios de armas no valor de quase € 12 bilhões – 5% a mais do que em 2019. A Europa depende cada vez mais de joint ventures como essas. Markus Bayer explica: “A Europa está agora tentando, por meios políticos, acelerar tais empreendimentos cooperativos para o desenvolvimento de um ‘Sistema de Arma de Próxima Geração’, o ‘Sistema Aéreo de Combate Futuro’ ou o ‘Sistema Principal de Combate Terrestre’ para pode arcar com os altos custos de desenvolvimento de novos sistemas como esses.”

Essas produções conjuntas certamente fazem sentido do ponto de vista de custos. Mas, no que diz respeito ao controle de exportação de armas, muitas vezes podem ser problemáticos, diz Simone Wisotzki. Referindo-se ao Eurofighter Typhoon, um caça a jato desenvolvido pela Alemanha, Grã-Bretanha, Itália e Espanha, o analista do PRIF comenta que “ele também é fornecido especificamente para terceiros países problemáticos, como a Arábia Saudita, que ainda está em guerra no Iêmen”. As regulamentações nacionais de exportação muitas vezes não são aplicadas às produções conjuntas – e parece que a Europa ainda está muito longe de implementar controles conjuntos eficazes sobre as exportações de armas.

FONTE: Deutsche Welle

- Advertisement -

18 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel BR
Gabriel BR
10 meses atrás

O Chinês vai pegar um mercado bilionário do hemisfério sul , e nem tanto pelo custo unitário mas pelo financiamento. O que mais tem no mundo hoje é Exército de país subdesenvolvido com arsenal em pandarecos equipados com velharia usada até o osso que se verão obrigados a substituir tudo. América Latina é o maior exemplo!

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

Exército de país latino-americano em regra tem arsenais bizarros e projetos industriais militares anedóticos.

jonas123
jonas123
Reply to  Gabriel BR
9 meses atrás

Em África a situação é igual ou pior. A maioria dos países ainda usam T-34 ou T-54s e artilharia com a mesma idade… duráveis sim… mas até quando?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  jonas123
9 meses atrás

a fadiga desses materiais está no limite

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

O Que os chineses podem fazer é aproveitar a abundância de recursos naturais na América do sul é trocar armas por petróleo,gás,commodities agrícolas etc,como exemplo Israel / países africanos.Seria interessante ver alguns de nossos vizinhos melhor equipados ,poderia tirar um pouco da acomodação das nossas “excremencias politicas”…

Last edited 10 meses atrás by Alexandre ziviani
Adriano Madureira
Adriano Madureira
10 meses atrás

O Brasil está inserido nesses 15,3%…

carcara_br
carcara_br
Reply to  Adriano Madureira
10 meses atrás

Nem na notinha de rodapé nós entramos…

Nostra
Nostra
10 meses atrás

In the the last 5 years Indian military exports grew by 334%

Hopefully if private sector chips in than growth will be even higher in the coming years , major Indian conglomerates have started maturing their portfolios , including start-ups and unicorns

Also not to forget the large no of missiles and weapons systems currently under development & trials with DRDO which will mature in near future

Let’s see.

Off topic

Name of a new DRDO hypersonic cruise missile was leaked – codenamed program Vishnu

Last edited 10 meses atrás by Nostra
Matheus S
Matheus S
Reply to  Nostra
10 meses atrás

Could you give us an overview of indian hypersonic programs. As far as I know, they are:

BrahMos-II – HCM
Shaurya – HCM
HSTDV Hypersonic Technology Demonstrator Vehicle – HCM
HGV-202F – HGV

Now, including: Vishnu Program – HCM

https://en.wikipedia.org/wiki/BrahMos-II
https://en.wikipedia.org/wiki/Shaurya_(missile)
https://en.wikipedia.org/wiki/Hypersonic_Technology_Demonstrator_Vehicle
https://en.wikipedia.org/wiki/HGV-202F

Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
9 meses atrás

Very little info on Indian hypersonic weapons development Shaurya/K15 is a hypersonic ballistic cum cruise missile ( basically a ballistic missile which can fly in a cruise missile trajectory within atmosphere ) HSTDV ( hypersonic tech demonstrator ) Land launched long range HCM Air launched long range HCM (DMRJ) Project Vishnu could either be related to the land launched long range HCM mentioned above or related to a reusable HCM concept which was mentioned by DRDO scientists many years ago they described its functionality same as a Sudharshan Chakra which is conincidentally also the weapon of Lord Vishnu HGV-202F is… Read more »

Teropode
10 meses atrás

A Rússia e seu recalque perde clientes para chineses e Americanos , eu já disse isto meses atrás ,a Rússia e seu recalque faz jogo duplo vendendo armas para o inimigo do cliente e vice versa , isto desagrada muito , citei a crescente sub serviencia a China , a Rússia se coloca de quatro para a China se tornando seu capacho mor , isto gera desconfiança em parceiros históricos como Vietnam , Indonésia e Índia , além da barrigada contra a Ucrânia que também ajuda angariar desconfianças , irão se tornar um exportador de Commodores e só ……

Lyw
Lyw
10 meses atrás

Off Topic: Negociações para a primeira exportação do míssil MTC-300 da Avibrás, com financiamento do Banco do Brasil, para o Qatar. No documento a sigla está em inglês como TCM-300.

http://www.camex.gov.br/images/PDF/ComunicadosCofig/Comunicado_de_Decises_PBLICO_173RO_Cofig.pdf

Last edited 10 meses atrás by Lyw
Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Lyw
10 meses atrás

Espero que tal venda ocorra e corra bem…

Red Pill - 红色药丸
Red Pill - 红色药丸
Reply to  Lyw
9 meses atrás

Eu já ví esse filme antes com o Paquistão, hj prefiro esperar pra comemorar.

Thiago A.
Thiago A.
10 meses atrás

Vale a pena destacar o formidável 2% da indústria bélica israelense, pontualmente surge o debate sobre qual é o complexo industrial militar mais desenvolvido do Oriente Médio. E quase sempre tem quem aponta para a Turquia( 0,.
Outra nota interessante, os Emirados (0,9). Estão literalmente passando o rodo com joint-venture e aquisições, um verdadeiro aspirador de pó de know-how e empresas, nessa trajetória África do Sul e Ucrânia viraram um outlet perfeito.

Ressalto os 21,% da “falida e superada” indústria bélica européia.
Isto leva a conclusão que mais de 75% é da OTAN .

carcara_br
carcara_br
10 meses atrás

A china cresceu em média 9,8‰ ao ano(2015-2020), absolutamente estabilizado. Aparentemente o matéria não achou necessária a comparação com demais países. Ta bom…

mendonça
mendonça
9 meses atrás

putz… procurei o brasil nos gráficos , nem um sinal …

Red Pill - 红色药丸
Red Pill - 红色药丸
Reply to  mendonça
9 meses atrás

Até o Japão nos passou pra trás.

Últimas Notícias

Ucrânia: escassez de munição de artilharia foi resolvida graças aos russos

A Ucrânia não está mais com pouca munição de artilharia porque a Rússia abandonou muita coisa nos últimos recuos,...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -