segunda-feira, novembro 28, 2022

Saab RBS 70NG

Coreia do Sul assina acordo de exportação com os EAU para sistema de mísseis antiaéreos Cheongung II

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Acordo de exportação de sistema de mísseis abre caminho para empresas de defesa locais ganharem posição global

DUBAI ― A Coreia do Sul exportará seu sistema de mísseis terra-ar de médio alcance Cheongung II para os Emirados Árabes Unidos (EAU) em um acordo no valor de 4 trilhões de won (US$ 3,36 bilhões), marcando a primeira venda do sistema antimísseis em camadas para um país estrangeiro.

De acordo com a Administração do Programa de Aquisição de Defesa (DAPA), em 16 de janeiro, LIG ​​Nex1, Hanwha Systems e Hanwha Defense assinaram contratos do Cheongung II com o Tawazun Economic Council, que é a autoridade de aquisições de defesa e segurança dos Emirados Árabes Unidos.

Os contratos foram assinados na presença do presidente Moon Jae-in e do primeiro-ministro e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum. Moon conheceu o primeiro-ministro como parte de sua viagem de oito dias aos Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Egito.

O acordo veio dois meses depois que o Ministério da Defesa dos Emirados Árabes Unidos twittou em novembro que planeja adquirir o sistema de mísseis.

O ministro da Aquisição da Defesa e chefe da DAPA, Kang Eun-ho, disse a repórteres que o acordo marca o contrato de exportação de armas mais lucrativo da história da indústria de defesa da Coreia do Sul. Até agora, o maior acordo de exportação da indústria de defesa, avaliado em cerca de 1 trilhão de wons, era para submarinos vendidos para a Indonésia.

A bateria Cheongung II, desenvolvida pela Agência para o Desenvolvimento da Defesa e fabricada em contrato pelas três empresas, é uma versão atualizada do Cheongung projetada para interceptar mísseis balísticos de nível inferior em voo em altitudes abaixo de 40 quilômetros e possui uma taxa de precisão inigualável em termos de capacidade de destruição.

“Enquanto o Cheongung foi desenvolvido para interceptar aeronaves, o Cheongung II é capaz de interceptar aeronaves e mísseis balísticos”, disse Kang. “Posso assegurar com orgulho a capacidade do sistema.”

Após o acordo, a expectativa está crescendo em relação a acordos adicionais entre empresas de defesa coreanas e autoridades de defesa de outros países.

Quando perguntado sobre eventos adicionais relacionados à defesa durante o restante da viagem de Moon, Kang disse: “Estamos fazendo esforços conjuntos”. Ele também afirmou que a Coreia está negociando com outros países as exportações de Cheongung II.

FONTE: The Korea Times

- Advertisement -

41 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

41 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Léo Neves
Léo Neves
10 meses atrás

Bem parecido com S-350 russo . Até o lançamento do míssil é igual .

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Léo Neves
10 meses atrás

É porque o desenvolvimento dele contou com apoio técnico da Almaz-antey que fabrica o S-350.
É um sistema bem interessante, espero que o EB coloque-o na lista de possíveis aquisições, seria interessante avaliar, ao menos.

BR Paraná
BR Paraná
Reply to  Léo Neves
10 meses atrás

Brasil com suas ideologias banais…..
A Coreia do Sul e um grande parceiro dos EUA, mesmo assim desenvolveu um sistema de defesa antiaéreo com parceria com os Russos…

Bosco
Bosco
Reply to  BR Paraná
10 meses atrás

Cara, pelo amor de Deus! Nos temos o Igla, o Mi-35, boas relações com os russos. Não começa a estragar o post com essa lenga lenga.

Last edited 10 meses atrás by Bosco Jr
Agnelo
Agnelo
Reply to  Bosco
10 meses atrás

hahahahahhahahahahahaha

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Bosco
10 meses atrás

Tudo comprado meio que na marra pelo PT e ainda hoje se depender do EB, preferem voar com esquilos armados com foguetes e 0.50 do quê ter Helicóptero de ataque Russo. Porquê você acha que ate agora não temos anti-área de médio alcance mesmo o sistema Russo ser um dos melhores e mais baratos.

Bosco
Bosco
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
10 meses atrás

Mas aí é questão de gosto da “Força” e de “la plata” e não sei se tem a ver com a questão “ideológica”. Em relação ao sistema AA é uma pena , mas não creio novamente que seja questão ideológica. Quando foi ventilada a compra do Pantsir no passado eu me manifestei aqui na Trilogia de forma desfavorável não por ser russo e sim porque ele seria adquirido visando preencher o nicho de “médio”, da qual eu considero que ele não representa. Admiro o Pantsir e acho que o Brasil deveria adquiri-lo formando a SHORAD já que até agora só… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Bosco
10 meses atrás

Concordo que o Pantser não e um sistema de médio alcance assim como o S-350 também não é. O sistema russo de médio alcance é o BUK-M2 e o mais atual o BUK-M3.

Nascimento
Nascimento
Reply to  Bosco
10 meses atrás

Vou além Bosco: O Pantsir não funciona sem suporte de outros sistemas russos. Esse sistema funciona bem, mas foi projetado para trabalhar em camadas juntos com outros sistemas que trabalham com alcance e capacidades diferentes e complementares e que compartilham as informações em rede para melhor detectar, identificar e atacar um alvo, mas quando trabalhando fora desse modelo em camadas ele perde eficiência! O Patriot também foi criticado por ter deixado passar drones e mísseis de cruzeiro em muito baixa altitude. O Pantsir é muito bom. Dentro de um sistema de camadas ele é excelente para compor a camada mais… Read more »

rdx
rdx
Reply to  Nascimento
10 meses atrás

A ameaça representada pelo Pantsir é tão grande, que os EUA decidiram armar seus AH-64 com Spike NLOS.

rdx
rdx
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
10 meses atrás

Negativo. O IGLA foi comprado na década de 90 (e tirou o EB das trevas)…e o T-72 concorreu na licitação do MBT em 1995, cujo vencedor foi a sucata belga Leopard 1. Pena que nessa época, o EB não lembrou do ATGM Konkurs (preferiu comprar um punhado de Milan e Eryx, e apostar no MSS 1.2AC). Mais tarde ela recusou o Mi-35…e continua sem ter um helicóptero de ataque.

BR Paraná
BR Paraná
Reply to  Bosco
10 meses atrás

Bosco bom dia.
Lenga lenga ???? Quando o senhor escreve o que quer e muitas vezes já chegou a ofender outros leitores aí tudo bem né…
Pode ser lenga lenga para você, porém aqui mesmo neste site o senhor e contra todos estes equipamento por você mesmo.
Então tenha um bom dia…

BR Paraná
BR Paraná
Reply to  BR Paraná
10 meses atrás

Pode ser lenga lenga para você, porém aqui mesmo neste site o senhor e contra todos estes equipamento por você mesmo citado.
Então tenha um bom dia…

Bosco
Bosco
Reply to  BR Paraná
10 meses atrás

Não quis ofender! Não sou contra nenhum armamento russo, muito menos AA. Eles têm produtos de excelente qualidade. Já me manifestei contra o fato de haver helicóptero de ataque na FAB e não no Exército e não diretamente a respeito da origem do helicóptero . Eu particularmente não sei de nada que desabone o Mi-35 , a não ser o fato dele utilizar “calibres” e foguetes que não são padronizados na FAB e não são fabricados aqui . E apesar de achar que os Mi-35 estariam melhor no Exército eu preferiria um helicóptero de ataque “puro” e não o Mi-35.… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
10 meses atrás

E mesmo porque, mesmo que o senhor não tivesse tocado no assunto “Brasil e ideologia” num post sobre a compra de um sistema AA da CS pelos EAU, pelo que vemos a baixo o assunto ia descambar pra isso mesmo.
Novamente peço desculpas.

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
10 meses atrás

a baixo = abaixo.

BR Paraná
BR Paraná
Reply to  Bosco
10 meses atrás

Bosco no caso da citação, no meu ponto de vista a sim uma ideologia referente as forças armadas principalmente em relação ao exército… Olhe claramente a compra (equiparação da balança comercial) dos Mi-35 onde o mesmo não quis, e a FAB acertadamente os adquiriu. Em relação as Forças Armadas já deixou claro que não tem a mínima capacidade de trabalhar com um orçamento limitado, sembre sonhando com algo que não podem comprar…
Infelizmente é meu ponto de vista.

Bosco
Bosco
Reply to  BR Paraná
10 meses atrás

Só complementando, eu nunca ofendi gratuitamente ninguém na Trilogia. Sempre foi de modo reativo a uma ofensa prévia.
Muitas vezes fica parecendo que eu ofendi primeiro por conta da página correndo no celular ou mesmo quando visto na tela do computador, mas nos casos em que ocorreu ofensa de minha parte, se for observada a linha temporal correta, e não a linearidade da página sendo corrida, verificar-se-á que esse tipo de manifestação jamais se originou de minha pessoa.

Nonato
Nonato
Reply to  BR Paraná
10 meses atrás

Ui…

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  BR Paraná
10 meses atrás

Quem tem e valoriza sua independência ao ponto de sempre buscar o melhor para o seu país, os EUA nem insistem muito. Já os países capacho eles nem precisam falar, só em insinuar a possibilidade dê que esses países se rebaixam.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Léo Neves
10 meses atrás

pq tem DNA russo, os Russos não confiam no Japão, resolveram ajudar a Coréia do Sul para ter ela ao seu lado contra um novo expansionismo japonês.

Last edited 10 meses atrás by Carlos Campos
Scarface 1
Scarface 1
Reply to  Carlos Campos
10 meses atrás

É sério que você acredita nisso amigo?

Que problema o Japão causa a Rússia?
Até onde eu sei os dois tem algumas rusgas por conta de umas ilhas mas nada que façam os dois entrarem em combate, nem consigo imaginar sequer esse cenário.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Scarface 1
10 meses atrás

O Problema de uma hora o Japão se livrar dos EUA, pq atualmente eles tem capacidade para isso, são uma potência econômica e em certo nível uma potência militar, de nível regional, mas são, além de deterem toda a tecnologia de enriquecimento d urânio, tendo 40 toneladas de Plutônio prontas, dos países que não potências nucleares o Japão é o mais perto de ser, e se quiser em menos de um anos se torna, quanto aos problemas, o Japão não admite a soberania sobre certas ilhas que estão em poder dos russos, ou seja o Japão poderia vir a ser… Read more »

Adriano madureira
Adriano madureira
Reply to  Carlos Campos
10 meses atrás

Certamente a razão não é só essa,os Sul-coreanos estão investindo um bom dinheiro no extremo oriente russo,ajudá-los a melhorar sua defesa por meio de cooperação técnico-militar, não seria algo errôneo.

Nonato
Nonato
Reply to  Carlos Campos
10 meses atrás

A Rússia e a China são um perigo para o mundo.

Last edited 10 meses atrás by Nonato
Nemo
Nemo
10 meses atrás

Eles se parecem porque esse sistema foi desenvolvido em parceria Coreia e a Almaz-Antey russa que sesenvolveu o S-350 (parceria estranha, não?). Em tempo, alguém sabe quantos sistemas foram adquiridos?

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Nemo
10 meses atrás

Pelo preço do contrato, foi uma boa quantidade de sistemas. Ainda mais considerando o tamanho dos EAU.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Felipe Morais
10 meses atrás

Não encontrei o preço de uma bateria do S350 pra ter uma base.
Mas pegando como base alguns preços ditos como o preço de uma bateria completa do S400, que creio ser mais caro que o sistema sul coreano, dá pra estimar que, no mínimo, são 03 ou 04 baterias completas somadas de um bom pacote de mísseis e suporte. Mas vai saber. Sendo 04 baterias, é uma baita defesa para um território do tamanho dos EAU.

Last edited 10 meses atrás by Felipe Morais
Nemo
Nemo
Reply to  Felipe Morais
10 meses atrás

https://www.google.com/amp/s/www.armyrecognition.com/analysis_focus_army_defence_military_industry_army/analysis_russian_army_s-350_air_defense_missile_system_enjoys_broad_export_prospects.html
Encontrei este link que estima o preço de U$ 1 bilhão por sistema tem uma boa análise e citaco desenvolvimento conjunto Rússia/Coreia.
SDS

Adriano madureira
Adriano madureira
Reply to  Nemo
10 meses atrás

RUB1BI ou USD1BI Nemo?❓

Nemo
Nemo
Reply to  Adriano madureira
10 meses atrás

1 bilhão de dólares. Dinheiro que não acaba mais!

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Nemo
10 meses atrás

É, depende muito das peculiaridades de cada contrato. Se diz que o preço da bateria do S300 é U$ 150 mi. Já o S400, foi vendido para a Índia por cerca de U$ 1,2 bi a bateria. Enquanto que, para a Turquia, o valor da bateria do S400 foi de U$ 625 mi. Não acredito que, bateria por bateria, o S350 seja mais caro que o S400. Logo, depende do que fizer parte do contrato. Por isso, pelo valor dito, acredito que a compra dos EAU seja por aí msm. 03 ou 04 baterias. Uma coisa é certa. Um voo… Read more »

Nemo
Nemo
Reply to  Felipe Morais
10 meses atrás

Realmente contratos militares são extremamente complexos para estimar o real valor da transação. Alguns países não divulgam nada. Como o Felipe bem colocou, cada contrato pode apresentar aspectos específicos de equipamentos suplementares, período de manutenção, índice de nacionalização, armamentos etc. O que acho interessante é que nós podemos, trocando informações, obter um preço estimado dentro de uma variação razoável.
SDS

Leonardo
Leonardo
Reply to  Nemo
10 meses atrás

O sistema russo tem maior alcance 120km . E utiliza de mais radares.

Tomcat4,2
10 meses atrás

Muito bacana, manda algumas baterias pra cá via mercado entregas???

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
10 meses atrás

Incrível ver como um país do tamanho da Coreia do Sul sempre dá de 10 X 0 no Brasil. E não mencionemos nem a indústria naval deles…

Augusto L
Augusto L
Reply to  Joao Moita Jr
10 meses atrás

Subsidiando pesadamente a sua indústria e com amplo acesso ao mercado americano é fácil né.

Quero ve quando pararem de tolera-los e não protege-los mais, há primeira coisa que acontecera será o apagar das luzes, eles compram energia do OM.

RPiletti
RPiletti
Reply to  Augusto L
10 meses atrás

O que importa é que esta funcionando.
Aqui ficamos justificando o nosso fracasso…

Agressor's
Agressor's
Reply to  Augusto L
10 meses atrás

Toyota, Samsung, LG, Hyundai, Rolls Royce, Huawei, Xiaomi, Ford, GM, Sony, Apple, Pfizer, Jhonson, GE, Maersk, Barsf, Novartis, Honda, Nintendo, Mitsubishi, Nissan, Alphabet inc, entre outras. São só algumas das empresas que não existiriam sem as ajudas dos governos.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Agressor's
10 meses atrás

Pois é. A sociedade brasileira é uma mistura de crença no liberalismo extremo e no progressismo e isso, as vezes, se mistura em um mesmo indivíduo, na forma da popularmente chamada hipocrisia. Enquanto se aceita, de forma conveniente e passiva, que o Estado tenha que custear campanha eleitoral e partido político, que agentes políticos tenham à disposição pomposas verbas para manutenção de seus cargos, que se tenham instrumentos nefastos de negociação política (emendas parlamentares), que se pague à agentes estatais por suas moradias e suas locomoções, que se isente de tributos igrejas, partidos e setores da economia já consolidados, além… Read more »

Gabriel BR
Gabriel BR
10 meses atrás

Gostei!

Últimas Notícias

Imagens de uma guerra: míssil anticarro erra o alvo por pouco

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um ATGM russo passando sobre um carro de combate ucraniano. A...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -