sábado, outubro 1, 2022

Saab RBS 70NG

Revelado discurso secreto da rainha sobre a guerra nuclear de 1983

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Texto desclassificado invoca família, Deus e patriotismo contra ‘loucura da guerra’

Autoridades britânicas elaboraram um grito de guerra emocional para a rainha Elizabeth como parte de um exercício que simulava a eclosão de uma guerra nuclear, mostram os registros divulgados na quinta-feira – embora o monarca nunca tenha pronunciado as palavras e provavelmente nunca as tenha visto.

‘Nosso bravo país deve se preparar novamente para sobreviver contra todas as probabilidades.’ — Discurso preparado para a rainha Elizabeth

O texto de um discurso fictício – preparado como parte de um exercício de jogo de guerra na primavera de 1983 para explicar possíveis cenários da Guerra Fria – foi divulgado pelos Arquivos Nacionais da Grã-Bretanha em uma tranche de documentos desclassificados.

Invocando família, Deus e patriotismo em tons comoventes, mostra a rainha tentando reunir o país em meio à ameaça de aniquilação de uma União Soviética com armas nucleares.

“Todos sabemos que os perigos que enfrentamos hoje são muito maiores do que em qualquer outro momento de nossa longa história”, diz o texto. “Mas quaisquer que sejam os terrores que nos espreitam, todas as qualidades que ajudaram a manter nossa liberdade intacta duas vezes já durante este triste século serão mais uma vez nossa força.”

Mísseis na Europa e no Reino Unido

Os documentos, que mostram o endereço imaginário da rainha datado de 4 de março de 1983, ressaltam a seriedade com que as autoridades do Reino Unido contemplaram a ameaça nuclear.

Nesse mesmo ano, o presidente dos EUA, Ronald Reagan, denunciou a União Soviética como um “império do mal” e os EUA enviaram mísseis de cruzeiro para a Europa, inclusive na Grã-Bretanha. O texto também relembra a força e as lutas das duas primeiras guerras mundiais.

“Agora esta loucura da guerra está mais uma vez se espalhando pelo mundo e nosso bravo país deve novamente se preparar para sobreviver contra grandes probabilidades”, diz o discurso.

Tem a rainha – que no ano passado marcou 60 anos no trono – dizendo que “nunca esqueceu a tristeza e o orgulho” que sentiu enquanto ela e sua irmã se amontoavam ao redor do rádio ouvindo seu pai, George VI, se dirigir à nação quando a Segunda Guerra Mundial estourou.

“Nem por um único momento imaginei que esse dever solene e terrível um dia cairia sobre mim”, diz o texto.

Alinhando-se com as famílias britânicas em todo o país, ela se refere ao seu “amado filho” Andrew, um piloto de helicóptero, lutando com sua unidade da Marinha Real e enfatiza que “se as famílias permanecerem unidas e resolutas …”

No exercício do jogo de guerra, as forças do bloco Orange – representando a União Soviética e seus aliados do Pacto de Varsóvia – lançam um ataque devastador contra a Grã-Bretanha com armas químicas. As forças azuis, representando a OTAN, retaliam com um ataque nuclear de “rendimento limitado”, forçando o bloco laranja a pedir a paz.

Texto completo do discurso da rainha

“Quando falei com vocês há menos de três meses, estávamos todos desfrutando do calor e do companheirismo de um Natal em família.

“Nossos pensamentos estavam concentrados nos fortes vínculos que unem cada geração às que vieram antes e às que virão.

“Os horrores da guerra não poderiam ter parecido mais remotos, pois minha família e eu compartilhamos nossa alegria de Natal com a crescente família da Commonwealth.

“Agora esta loucura da guerra está mais uma vez se espalhando pelo mundo e nosso bravo país deve novamente se preparar para sobreviver contra todas as probabilidades.

“Nunca esqueci a tristeza e o orgulho que senti quando minha irmã e eu nos amontoamos ao redor do aparelho de rádio da creche ouvindo as palavras inspiradoras de meu pai naquele dia fatídico de 1939.

“Nem por um único momento eu imaginei que esse dever solene e terrível um dia cairia sobre mim.

“Todos sabemos que os perigos que enfrentamos hoje são muito maiores do que em qualquer outro momento de nossa longa história.

“O inimigo não é o soldado com seu fuzil nem mesmo o aviador rondando os céus acima de nossas cidades e vilas, mas o poder mortal da tecnologia mal usada.

“Mas quaisquer que sejam os terrores que nos espreitam, todas as qualidades que ajudaram a manter nossa liberdade intacta duas vezes já durante este triste século serão mais uma vez nossa força.

“Meu marido e eu compartilhamos com as famílias de todo o país o medo que sentimos por filhos e filhas, maridos e irmãos que deixaram nosso lado para servir seu país.

“Meu amado filho Andrew está neste momento em ação com sua unidade e oramos continuamente por sua segurança e pela segurança de todos os militares em casa e no exterior.

“É esse vínculo estreito da vida familiar que deve ser nossa maior defesa contra o desconhecido.

“Se as famílias permanecerem unidas e resolutas, dando abrigo aos que vivem sozinhos e desprotegidos, a vontade de sobrevivência do nosso país não pode ser quebrada.

“Minha mensagem para você, portanto, é simples. Ajude aqueles que não podem se ajudar, dê conforto aos solitários e aos sem-teto e deixe sua família se tornar o foco de esperança e vida para aqueles que precisam.

“Enquanto lutamos juntos para combater o novo mal, vamos orar por nosso país e homens de boa vontade onde quer que estejam.

“Deus abençoe todos vocês.”

FONTE: CBC News – Canadá / Via Sérgio Santana

SAIBA MAIS:

Um exercício da OTAN em 1983 quase iniciou uma guerra nuclear com os soviéticos

- Advertisement -

48 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

48 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos Campos
Carlos Campos
22 dias atrás

ainda bem que nunca aconteceu.

Gerson Carvalho
Gerson Carvalho
Reply to  Carlos Campos
22 dias atrás

Super atual, haja visto o confronto Rússia x Ucrânia

Burgos
Burgos
22 dias atrás

“ O inimigo não é o soldado com seu fuzil nem mesmo o aviador rondando os céus acima de nossas cidades e vilas, mas o poder mortal da tecnologia mal usada.”

Tem o meu respeito 👏

Patrício
Patrício
22 dias atrás

Deveria substituir por: ‘Meu Reino por um cavalo!’
Isso para fugir para bem longe, porque a destruição seria total em Londres.

sub urbano
sub urbano
Reply to  Patrício
22 dias atrás

Esse ditado não combina com essa vovó. Ela ficou lá durante a Batalha da Inglaterra logo depois da wermarcht varrer a França em 6 semanas. Britanicos esperavam uma invasão iminente. Acho mesmo que a postura atrevida do ministro Churchill e a então princesa Elizabeth ter ficado ajudaram a elevar o moral dos britanicos. Hoje sabemos que a Luftwaffe não tinha forças para dobrar a Inglaterra e conquistar uma superioridade aerea para um grande desembarque, mas à época, a “fog of war” favorecia os horríveis nazistas.

Velho Alfredo
Velho Alfredo
Reply to  sub urbano
22 dias atrás

A Batalha da Inglaterra chegou no ponto culminante da RAF…
Segundo o próprio Churchill, “eles (os alemães) perderam, porque não sabiam que tinham ganhado e nós (os ingleses) ganhamos, porque não sabíamos que tínhamos perdido”.
Sds

Âncora
Âncora
Reply to  sub urbano
22 dias atrás

Dizem que uma questão central para a derrota alemã na Batalha da Inglaterra foi o momento em que os alemães bombardearam uma cidade, durante a noite, por engano. Os ingleses então fizeram um pequeno bombardeio em Berlim, que deixou Hitler furioso, ordenando o início do bombardeio de Londres. A mudança no foco aliviou a infraestrutura crítica, os aeródromos e fábricas.

Patrício
Patrício
Reply to  Âncora
22 dias atrás

Também li sobre isso.
Li também que os alemães já estavam olhando para a campanha na Rússia e estavam se preparando para tal.

_RR_
_RR_
Reply to  Âncora
22 dias atrás

O tal bombardeio deu-se justamente sobre Londres, em 24/08/1940… Após a liderança alemã entender que a RAF não tinha intenção de um confronto direto (a tática britânica era tão e somente acionar o mínimo de forças o possível, apenas para desviar os bombardeiros agressores de seus alvos e conservando-se assim como força efetiva de combate, evitando confronto com os caças alemães), esta ordenou a Luftwaffe o ataque a infraestrutura aérea setor por setor. E isso estava dando certo… Ao início de setembro de 1940, a RAF estava por um fio, acumulando mais perdas que a capacidade de repor. Ocorre que… Read more »

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  Âncora
22 dias atrás

O que derrotou os alemães foi a burra decisão de querer fazer guerra com Reino Unido e França, sabendo do amplo apoio que os americanos dariam a seus aliados, e, literalmente, por outro lado, com a URSS. Era impossível ganharem e quando hitler decidiu atacar os soviéticos era o momento de algum sensato general, coronel ou até um líder civil comandar a execução de hitler, pelo bem de todos afetados dos dois lados.

Patrício
Patrício
Reply to  Cristiano GR
22 dias atrás

A França foi esmagada facilmente em poucas semanas e o que salvou a Inglaterra foi o Canal da Mancha e a decisão alemã de desviar recursos para preparar a Operação Barbarossa.
Se os alemães continuassem concentrados no Ocidente, teriam derrotado a Inglaterra.
A Alemanha torrou milhões de soldados e quase todo seus equipamentos nas estepes e cidades russas.

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  Patrício
21 dias atrás

Fico imaginando se o apoio que a URSS (15 nações) teve ,mais os 70 países aliados do mundo no esforço de guerra contra a Alemanha fosse direcionado contra tua amada Rússia ….seria um tratado de Brest-Litoviski de Berlin a Vladivostok

Patrício
Patrício
Reply to  sub urbano
22 dias atrás

Poderia até concordar contigo, mas em uma guerra nuclear de nada adiantaria ela ficar e muito menos palavras de incentivo.
Seriam todos (e tudo) incinerados.
Saudações!

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Patrício
22 dias atrás

Assim como da URSS, ela viveu o suficiente para ver os soviéticos desaparecerem …irônico não ??

Patrício
Patrício
Reply to  Plinio Jr
22 dias atrás

E viveu o suficiente para ver a Rússia reaparecer.
Ela que andou ‘flertando’ com o inominável Gorbatchev.
Muito mais irônico, não?

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Patrício
22 dias atrás

A Rússia de hoje não é nem sombra daquilo que já foi a URSS..

Patrício
Patrício
Reply to  Plinio Jr
22 dias atrás

Quem dirá a Inglaterra.
A começar pela escolha da bizarra Liz Truss e terminando com as notícias de que o Reino deverá pedir ajuda ao FMI.
É desnecessária a menção à decadência em todos os outros setores.

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Patrício
22 dias atrás

A Inglaterra existe, a URSS não, a Rússia ressurgindo com quê ?? Só nos seus devaneios ….

Não conseguem sair do atoleiro ucraniano, vai para onde ??

Patrício
Patrício
Reply to  Plinio Jr
22 dias atrás

A URSS era a Rússia com alguns agregados.
Basicamente isso.
Sendo que alguns países voltarão a ser agregados.
Por bem, ou por mal.

Magaren
Magaren
Reply to  Patrício
22 dias atrás

Desaparecer não?

Chevalier
Chevalier
Reply to  Patrício
22 dias atrás

Comunista dos diabos só pensa em destruição

rui mendes
rui mendes
Reply to  Patrício
21 dias atrás

E em Moscovo não??!!!!!?

Rodrigo
Rodrigo
22 dias atrás

Reino Unido seria (é) alvo primário em uma guerra que não seria (é) “apenas” nuclear, mas biológica e química.

Ivanmc
Ivanmc
22 dias atrás

Ainda bem que as Malvinas eram bem longe. Se não fosse a ajuda dos Eua, França e Brasil a história teria sido outra.

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  Ivanmc
22 dias atrás

Que ajuda o Brasil deu ao RU?

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Bruno Vinícius
22 dias atrás

Coloca Chile no lugar do Brasil.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Bruno Vinícius
22 dias atrás

Pesquise, prezado Bruno Vinícios. Teve muitas matérias nos jornais na época, contrariando a fisiologia preponderante é claro.

Last edited 22 dias atrás by Ivanmc
Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Bruno Vinícius
21 dias atrás

Dois desses:

06bandeirantepatrulla26.jpg
tsung
tsung
Reply to  Leandro Costa
21 dias atrás

????
como assim

Last edited 21 dias atrás by tsung
Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  tsung
21 dias atrás

Quando os Neptune Argentinos apresentaram fadiga de material nas estruturas das asas devido não apenas à idade, mas às ações evasivas que tinham que fazer para tentarem sobreviver, tiveram que ser groundeados. Emprestamos aos Argentinos dois novíssimos P-95 Bandeirulha para realizarem a mesma tarefa. Há quem diga (nunca consegui confirmar) que foi um dos Bandeirulha que captou a frota inglesa, repassou os dados ao Super Étendard que afundou o Atlantic Conveyor. As aeronaves foram devolvidas após o conflito e aparentemente tiveram bastante estresse nas asas também devido às manobras evasivas. Também já ouvi muito falar de que a FAB teria… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  tsung
21 dias atrás

Aliás, agora que percebi meu erro hehehehe

O Brasil NÃO deu qualquer ajuda ao Reino Unido.

_RR_
_RR_
Reply to  Ivanmc
22 dias atrás

Não fosse a ajuda dos EUA e a guerra teria durado um pouco mais… e só…

A Argentina perdeu a guerra no momento em que a ARA foi confinada em seus portos…

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  _RR_
22 dias atrás

“Não fosse a ajuda dos EUA e a guerra teria durado um pouco mais… e só…”

Perfeito, continue assim. Faz sentido. Às vezes não…

_RR_
_RR_
Reply to  Ivanmc
22 dias atrás

Evidente que o Reino Unido correu riscos. E sim. Os britânicos possuíam falhas estruturais graves em suas forças, além de conceitos novos que geravam consideráveis incertezas, tais como o desempenho das então novas máquinas aéreas britânicas (o Harrier e sua forma de operar era novidade). Contudo, a superioridade aérea no espaço de batalha foi conseguida rápido e a marinha argentina jamais conseguir disputar o mar com os britânicos. A grande esperança para os argentinos seria a negação do mar, o que poderia ter se materializado caso houvesse submarinos operando a contento ou uma força aérea mais bem treinada e equipada.… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  _RR_
21 dias atrás

Eu diria que, no momento da ocupação, caso a Argentina tivesse aumentado e duplicado a pista de Port Stanley para operação contínua de aeronaves de alta performance (Mirages, Daggers e Skyhawks), a coisa poderia ter tido outro desfecho. Sem controle do ar ou do mar, o fim era inevitável.

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  _RR_
22 dias atrás

A Argentina perdeu a guerra no momento que decidiu invadir as ilhas.

A Argentina só encolheu após a derrota e hoje sua população e suas cidades são muito mais fracas economicamente.
Mas é preciso frisar que a péssima gestão do presidente atual foi muito pior para eles que a derrota na guerra. Ficaram meses e meses fechados, praticamente sem atividade econômica alguma, para combater uma pandemia que, apesar desse esforço, fez, proporcionalmente, o mesmo número de vítimas que os demais países.

Last edited 22 dias atrás by Cristiano GR
Ivanmc
Ivanmc
22 dias atrás

Ainda bem que as Malvinas eram bem longe. Se não fosse a ajuda dos Eua, França e Brasil a história teria sido outra.

Last edited 22 dias atrás by Ivanmc
Mgtow
Mgtow
22 dias atrás

Vai acontecer
Continue a provocar a Rússia

Heinz
Heinz
Reply to  Mgtow
22 dias atrás

😂😂

_RR_
_RR_
Reply to  Mgtow
22 dias atrás

Mais “provocação” do que já está tendo…? Caro, os russos não podem fazer nada que não seja ver as pinças da OTAN se fecharem sobre seu território. Eles podem esbravejar à vontade… essa situação não vai mudar, mesmo que decidissem encerrar a guerra da Ucrânia imediatamente e buscar reconciliação com a Europa. O fato é que a Rússia se colocou em uma armadilha; foi presa em um conflito do qual não há perspectiva de saída no curto prazo e deu a razão que a OTAN estava procurando para expandir-se ainda mais… A realidade é que a Rússia já não é… Read more »

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  Mgtow
20 dias atrás

Se a Ucrânia que não tem nem uma arma nuclear tá dando um baile na falida Rússia , imagina a OTAN que tem mais de 7 mil …. é cada sonhador que aparece viu

Cesar
Cesar
22 dias atrás

“Os documentos, que mostram o endereço imaginário da rainha datado de 4 de março de 1983, ressaltam a seriedade com que as autoridades do Reino Unido contemplaram a ameaça nuclear.”

Fala sério.

Colocaram armas nucleares na porta da Argentina.
O que sempre importou foram seus próprios interesses e tenho certeza que não se importariam de usar se achassem que perderiam mesmo em uma nação bem mais fraca assim como fizeram covardemente os amigos do Tio.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Cesar
21 dias atrás

Qualquer nação com o armamento que for, nuclear ou não, vai usar essa vantagem quando achar que vai conseguir sair melhor do que quando entrou. Qualquer uma. O problema do armamento nuclear é que o buraco é mais embaixo. As possibilidades de qualquer um sair tão bem quanto entrou são bem baixas e isso é ótimo e espero que continue assim.

André Luís
André Luís
21 dias atrás

#SlaviaKatervina! rs!

Morre a RAINHA DA INGLATERRA, mas não morre o Putin!!!

Pátria Rússia, uhaaa, uhaaa.

#SlaviaKatervina.

rs!

Rodes
Rodes
21 dias atrás

Able Archer ??

109F-4
109F-4
21 dias atrás

Em relação à Batalha da Inglaterra, os Bf-109E (escoltas dos bombardeiros alemães à época)não dispunham de tanques de combustível alijáveis, de modo que tinham cerca de 20 minutos de combate sobre os alvos para, então, deixar o cenário e retomar às bases, do contrário sofreriam pane seca. (Boa) Sorte dos ingleses… Já não me lembro da fonte onde li isso…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  109F-4
20 dias atrás

109F-4 (que de acordo com Galland foi o melhor modelo do Bf-109), na verdade eles tinham coisa de cinco minutos de combustível sobre Londres, em regime de combate, claro. Sem combate o combustível durava mais.

A sorte dos Ingleses foi mais ou menos calculada e o azar dos alemães também. Fruto de decisões doutrinárias do período entre-guerras.

109F-4
109F-4
Reply to  Leandro Costa
20 dias atrás

👍👍👍

Últimas Notícias

O conflito fronteiriço entre a Quirguistão e Tadjiquistão

Rodolfo Queiroz Laterza Ricardo Cabral INTRODUÇÃO Quirguistão e Tadjiquistão são duas repúblicas oriundas da desintegração da União Soviética em 1991, com sociedades...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -