sábado, dezembro 3, 2022

Saab RBS 70NG

China está a caminho de escapar das proibições de equipamentos de fabricação de chips dos EUA

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Não será fácil ou economicamente eficiente, mas é possível – e custará caro às empresas de semicondutores dos EUA

Por Scott Foster

A tentativa da gigante de tecnologia chinesa Huawei de fabricar semicondutores sem equipamentos americanos gerou manchetes globais à medida que a guerra tecnológica EUA-China toma mais um rumo.

É mais um forte indício – se necessário – de que o governo dos EUA está em processo de criação de um concorrente que não poderá controlar, ao mesmo tempo em que força as empresas americanas a abandonar um mercado massivo que até agora apoiou suas vendas, lucros, economias de escala e preços das ações.

A geopolítica substituiu a antiga devoção dos Estados Unidos aos mercados abertos e a situação não deve mudar tão cedo, enquanto as atuais estruturas e mentalidades políticas prevalecerem.

Os EUA pretendem reconstruir sua própria indústria de semicondutores e negar a tecnologia à China que tenham aplicações militares avançadas ou outras relacionadas à segurança nacional – o primeiro e principal exemplo é o equipamento de telecomunicações da Huawei. Então, o que a China pode fazer sobre as sanções e proibições da América?

Tem sido amplamente divulgado que a China não pode fabricar dispositivos semicondutores de ponta sem equipamentos de litografia EUV da ASML da Holanda e ferramentas de automação de design eletrônico (EDA) da Synopsis e Cadence of America ou Siemens (Mentor Graphics) da Alemanha.

Mesmo sem uma máquina EUV de US$ 150 milhões, como a desta foto, a SMIC chinesa foi capaz de trabalhar no nó de processo de 7 nm

Também foi relatado que a China não poderia fabricar semicondutores sem equipamentos de produção da Applied Materials and Lam Research dos EUA ou equipamentos de inspeção da KLA, com sede na Califórnia.

Por um lado, isso é verdade – mas apenas até certo ponto. Por outro lado, a China está potencialmente em uma posição ainda mais fraca do que a divulgada, pelo menos no curto prazo.

Há apenas um país que, se forçado, poderia fabricar semicondutores de forma independente: o Japão. Os outros, incluindo os EUA, estão perdendo grandes partes da cadeia de suprimentos de semicondutores.

Por que a Coreia do Sul e Taiwan, que construíram as empresas de fundição de circuitos integrados (IC) e de memória IC mais competitivas do mundo, quase não fabricam equipamentos de fabricação de semicondutores de forma nativa?

Não é porque seus cientistas, engenheiros e tecnólogos não têm talento ou os dois países não têm capacidade de fabricação. A principal razão, sim, é que não seria economicamente eficiente, pois as barreiras de entrada ainda são muito altas.

Por que os japoneses confiam na Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) e nas ferramentas EDA fabricadas nos Estados Unidos e usam muitos equipamentos da Applied Material, Lam Research e KLA?

Resposta: Porque é mais eficiente e econômico, e eles têm relacionamentos confiáveis ​​de longa data com essas e outras empresas na América, Europa, Taiwan e Coreia do Sul que se mostraram lucrativas ao longo dos anos.

É assim, é claro, que a teoria da vantagem comparativa deve funcionar em uma economia global orientada para o livre mercado.

A China aproveitou esse sistema de mercado global ao implementar uma mistura agressiva de mercantilismo e roubo de propriedade intelectual (PI). Agora, está sendo gradual e sistematicamente excluída de setores-chave do sistema.

Não é totalmente correto dizer que o Japão e a Coreia do Sul fizeram a mesma coisa em seu caminho para o topo tecnológico. Ambos eram e são aliados americanos das forças americanas estacionadas em seus territórios. A China é uma rival e tem sido desde que os EUA ficaram do lado dos nacionalistas na guerra civil da China.

É interessante, mas irrelevante, lembrar que Alexander Hamilton e outros primeiros líderes americanos recomendaram e recompensaram o roubo de propriedade intelectual da Grã-Bretanha e da Europa. Se alguma coisa, a lição da história é: preste atenção no número 1.

Para a China, isso significa dobrar as políticas industriais para desenvolver tecnologias avançadas. Os semicondutores são a fraqueza tecnológica da China e é aí que o foco de Pequim permanecerá até que possa resolver o problema da interferência e sanções americanas. Assim como nos Estados Unidos, a eficiência econômica ficará em segundo plano nas questões militares e de segurança nacional.

Conforme observado por Rakesh Kumar, professor do departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da Universidade de Illinois, disse recentemente à revista Fortune:

“Custos mais altos ameaçariam a competitividade dos chips para dispositivos de consumo, como visto pela forma como as sanções dos EUA quase levaram a ZTE à falência e prejudicaram a Huawei. Mas o custo não impedirá o uso desses chips mais caros para fins militares e outros fins estratégicos. O uso crescente de inteligência artificial – onde a China já possui pontos fortes de classe mundial – na fabricação de chips e experiência acumulada também podem reduzir o custo de alternativas, tornando as medidas de controle de exportação menos eficazes ao longo do tempo.”

Soluções tecnológicas já estão preenchendo a lacuna entre as capacidades atuais da China e a vanguarda do setor. Isso inclui embalagem inteligente e uso máximo de litografia de imersão DUV ArF.

A fabricante chinesa de chips SMIC, que recentemente chocou os EUA ao anunciar que havia produzido chips de 7 nm apesar de ter o acesso negado a equipamentos EUV, agora está avançando para 5 nm mais avançados. A SMIC também iniciou a construção de uma nova fábrica de wafer de 300 mm.

Nos campos de inteligência artificial e computação de alto desempenho, a Xiangdixian Computing Technology e a Moffett AI anunciaram novos dispositivos que podem substituir as GPUs que a Nvidia e a AMD não podem mais vender para a China. As regras de design não são tão avançadas (12 nm versus 4 nm para Nvidia), mas funcionam.

A fabricante chinesa de equipamentos semicondutores de maior sucesso até hoje parece ser a AMEC, que supostamente vendeu ferramentas de gravação para a TSMC e enviou ferramentas para Samsung, Intel e Micron para testes. De acordo com a CS Insight e outras fontes, a AMEC demonstrou capacidade de gravação dielétrica em 5 nm.

Enquanto isso, a fabricante chinesa de equipamentos de litografia SMEE está trabalhando em uma nova ferramenta de litografia de imersão ArF que poderia, com vários padrões, ser usada para fazer chips de 7 nm.

O scanner de imersão NSR-S635E ArF da Nikon “Fornece padrões e produtividade de dispositivos de classe mundial para aplicativos de nó de 5 nm e além”, disse a empresa, revelando novos horizontes de fabricação de chips sem EUV.

Se bem-sucedidos, os esforços dos EUA para impedir a ASML de enviar ferramentas de litografia DUV para a China podem ser a melhor coisa que já aconteceu à SMEE.

A associação da indústria SEMI lista cerca de 80 empresas chinesas envolvidas na pesquisa e fabricação de equipamentos semicondutores – e todas elas podem receber apoio do governo.

Seguindo os passos do Japão, mas impulsionada pelo medo de sanções crescentes, a China agora pretende desenvolver uma cadeia de suprimentos de semicondutores completa e autônoma.

De acordo com a IC Insights, a China consumiu US$ 186,5 bilhões em semicondutores em 2021, representando 36,5% do mercado mundial. Apenas 17% da demanda chinesa de semicondutores foi atendida pela produção na China e apenas 7% por empresas chinesas.

Esses números mostram a oportunidade de mercado para as empresas chinesas de projeto, fabricação e equipamentos de produção de semicondutores, e o custo de oportunidade correspondente para empresas estrangeiras prejudicadas pelas restrições de exportação do governo dos EUA. A substituição de importações por si só pode dar às empresas chinesas economias de escala.

Várias empresas chinesas fabricam ferramentas de EDA, mas nenhuma delas ainda é capaz de substituir os produtos importados mais avançados que o governo dos EUA colocou recentemente sob sanção, como informou o Asia Times. Mas fontes da indústria observam que a China importou um “barco cheio” de ferramentas de EDA que podem ser usadas nos próximos três a cinco anos.

Essa parece ser a janela de oportunidade da China. Em algum momento da segunda metade da década, saberemos se a tentativa do governo dos EUA de sufocar a indústria de semicondutores da China teve sucesso ou fracassou.

O fracasso parece provável, exceto na vanguarda, e o custo para os Estados Unidos e suas empresas de semicondutores provavelmente será muito alto.

FONTE: Asia Times

SAIBA MAIS:

Maior fundição da China causa alarme com produção de chipsets básicos de 7 nm

- Advertisement -

36 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Patrício
Patrício
1 mês atrás

Excepcional notícia.
A China está na liderança deste setor de eletrônicos e correlatos.
Li que a China assumiu também a liderança absoluta no mercado de veículos elétricos (NEV).
Ninguém segura o Dragão.

Underground
Underground
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Na tua pressa de capar o Dragão, você não se informou direito.

Patrício
Patrício
Reply to  Underground
1 mês atrás

Cara!
Taí uma coisa que eu acompanho.
Mercado de eletrônicos e veículos de alta tecnologia.
Acompanho porque considero que é aí que a China vai nocautear a economia ocidental.
Não vai ser com os EUA vendendo três aviões para a Polônia e meia dúzia de tanques para a Bulgária.
Olho vivo.

Regis
Regis
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Leia a notícia novamente, estão apenas assumindo a vice-liderança agora!

Patrício
Patrício
Reply to  Regis
1 mês atrás

Refiro-me à indústria de eletro-eletrônicos, não a de Chips.
A China é, disparada, a maior fabricante de smartphones, televisores, geladeiras, ar condicionado e tudo que vc possa imaginar.
Dominando a fabricação dos Chips mais avançados, já era.
Fim de jogo para a concorrência.

Mauricio
Mauricio
1 mês atrás

A decadencia dos americanos é inevitável

Machado
Machado
Reply to  Mauricio
1 mês atrás

É ótimo para nós

WSilva
WSilva
1 mês atrás

O passo que a China tenta dar é o passo que a União Sovietica e Japão fracassaram, os EUA jogam pesado.

Desses aí, a chance maior de sucesso é da China mesmo pois tem uma economia forte e global coisa que a União Sovietica não tinha, e tem autonomia e independência coisa que o Japão perdeu pós segunda guerra mundial.

Dois países com enorme potencial, Brasil e Índia, poderiam tentar mas não acho que possam fazer frente aos EUA nessa área sem vender a alma pro diabo.

Patrício
Patrício
Reply to  WSilva
1 mês atrás

O fato é que a China conseguiu reunir as maiores potencialidades ao mesmo tempo, coisa que nenhum dos dos países jamais teve.
A seguir: base industrial, pesquisa científica, ensino universal de excelente qualidade e base comercial.
Aliado a isso, a maior população, maiores Forças Armadas e maior PIB, dependendo do sistema de cálculo.
Situação bastante interessante.

WSilva
WSilva
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Eu não duvido que engenheiros e cientistas da TSMC e ASML possam dar uma mãozinha para a China também em troca de maletas de dinheiro…

A não ser que os EUA apliquem pena de morte para quem ajudar a China por fora. rs

Patrício
Patrício
Reply to  WSilva
1 mês atrás

É cediço que muitos engenheiros taiwaneses estão trabalhando na China.
A troco, simplesmente, de salários mais altos.

Guilherme Leite
Guilherme Leite
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Patrício, eu me impressiono como você consegue ser realista quando o assunto é China.

Já quando é Rússia, você levanta voo e sem medo de tirar o pé do chão, defeca no teclado.

No mais, saudades daqueles informes diários, não vejo notícias a algum tempo, alguma novidade sobre Brahmut ? De Metro em metro em, não se esqueça 🙂

Patrício
Patrício
Reply to  Guilherme Leite
1 mês atrás

Prezado.
A função da Rússia, no momento, é parar a sanha ocidental de querer avançar no campo contrário.
Ou seja, dar um basta.
O que ela vem fazendo.
Quer notícias do front?
Os ucranianos, como fizeram em Kharkov, atacaram a região de Backmuth em várias frentes.
Indo de Seversk a Zaitsevo.
O problema é que ali há russos e os ucranianos foram derrotados.
Relatos (não confirmados) que os ucranianos se retiraram para o centro da cidade.
O que eu vi foi um vídeo de ucranianos se retirando e reclamando que ali estava um inferno.

Patrício
Patrício
Reply to  Guilherme Leite
1 mês atrás

Com relação à Cidade de Donetsk, os ucranianos tentaram atacar Peski e foram derrotados.
Os russos aproveitaram e avançaram tomando Pervomaisk.
Podem finalmente começar a cercar Adviika que vem a ser a maior fortaleza da Ucrânia na região.

Patrício
Patrício
Reply to  Guilherme Leite
1 mês atrás

Em Kremennaya, ataque russo fez com que os ucranianos recuassem seis quilômetros.
Essa guerra está assim mesmo.
Os grandes ataques avançam 10, 15 quilômetros.
‘Saudades’ das grandes ofensivas soviéticas com 1,5 milhão de soldados e que avançavam centenas de quilômetros nas linhas alemãs.

Patrício
Patrício
Reply to  Guilherme Leite
1 mês atrás

A situação continua ruim em Kherson, onde os ucranianos, apesar das grandes perdas, continuam concentrando mais soldados.
E lá, os russos não são muitos.
Devo lembrar que com a mobilização (ainda parcial), os russos certamente vão reforçar suas posições e partir para o ataque.
Aguardemos, pois.

Patrício
Patrício
Reply to  Guilherme Leite
1 mês atrás

E, finalmente, com relação ao teclado, lembre-se que de 2016 para cá, isso serviu de adubo para muitas mentes deturpadas
Mas, elevemos o nível e vamos voltar para o debate.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  WSilva
1 mês atrás

URSS não conseguiu por burrice, não tiveram um Deng para mostrar que o sistema econômico deles era furado, já o Japão jogou a toalha mesmo, incrivelmente, o BoJ podia ter feito mais na década de 90

Regis
Regis
Reply to  WSilva
1 mês atrás

No caso da Índia creio que ainda falta capacitação técnica de ponta, já aqui falta de tudo, principalmente vontade política de fazer as coisas.

Slow 🇧🇷
Slow 🇧🇷
1 mês atrás

Mais um acerto do Gagáiden …

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Slow 🇧🇷
1 mês atrás

Já soltou a mão do Putin ?

Carlos Campos
Carlos Campos
1 mês atrás

NSR-S635E ArF da Nikon, eu entrei no Site da Nikon e da Canon uns dias atrás e não vi nada sobre uma máquina de 5nm, mas vi que eles fizeram um dos supercomputadores mais rápidos do mundo com design RISC V, pela Fujitsu, se tu isso continuar assim, essa briga de Chips vai terminar com a China independente da ASML e qualquer empresa ocidental, as empresas dos EUA com rombos por não vender para China, o Japão alcançando a ASML mesmo que sem a mesma produtividade ou até quem sabe superando por outros meios, Coréia do Sul diminuindo de importância… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

Este caminho ainda será muito longo…

Cassini
Cassini
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

Não é o que aparenta.

H.Saito
H.Saito
1 mês atrás

Os Estado Unidos sabem que é uma questão de tempo até os chineses se tornarem auto-suficientes, por isso estão investindo em fábricas no território americano.
A questão é se os EUA e Europa conseguirão se tornar independentes da China para sobreviver.

Andreo Tomaz
Andreo Tomaz
1 mês atrás

Dinheiro, engenheiros, resiliência e mercado eles têm.

Patrício
Patrício
Reply to  Andreo Tomaz
1 mês atrás

E por falar em dinheiro, parece que os chineses estão com muito.
Hoje, O Globo publicou que a State Grid, a maior empresa de energia elétrica do Mundo, comprou um prédio inteiro de 54 apartamentos, ainda na planta, no Leblon que vem a ser o m2 mais caro do Brasil.
Quem pode, pode.

Patrício
Patrício
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Em tempo.
Será um prédio residencial para alocar seus executivos.
Coisa muito ‘chique’.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

Alegria de putinete hoje é comemorar os possíveis futuros avanços da China..

Pq o que depende do Mago do Xadrez 100D é só desgosto

Cassini
Cassini
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

Chora mais, mickeyboy.

Regis
Regis
1 mês atrás

Mesmo não sendo um fã-nático do regime chinês torço pelo sucesso industrial deles, principalmente pelo avião comercial da COMAC. É preciso acabar com esse domínio AIRBUS-BOEING, pois todos os monopólios e cartéis fazem mal para o próprio Capitalismo.

Joanderson
Joanderson
Reply to  Regis
1 mês atrás

E o MC 21 quanto mais melhor.

Heinz
Heinz
1 mês atrás

O Brasil bem que poderia fazer alguns acordos com a China, quem sabe um intercâmbio de estudantes da área de tecnologia do Brasil indo para algumas universidades chinesas e até mesmo empresas, em troca de algum benefício aos chineses, seria uma troca muito boa e traria muitos frutos ao Brasil. Precisamos ser pragmáticos.

Machado
Machado
Reply to  Heinz
1 mês atrás

Com esse governo atual esquece. Se o Lula entrar nossas relações internacionais vão ser mais pragmáticas e vão melhorar muito. Ele se relaciona bem com todos e não é xenófobo.

Last edited 1 mês atrás by Machado
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Machado
1 mês atrás

vai ser super pragmática, acordo nuclear com o Irã, planta de refino em Cuba, P..T adora uma refinaria e cuba tá precisando muito, o gasoduta da Argentina que eles não estão conseguindo fazer por falta de dinheiro vai ser finaciado por nós, Nicarágua vai receber ajuda também, super pragmático, muito bem calculado para vir um calote depois e encher os bolsos de certas pessoas.

WSilva
WSilva
Reply to  Carlos Campos
1 mês atrás

Tô longe de Lula e Bolsonaro, mas se eu fosse o Lula e vencesse essa eleição, eu tentaria fazer o melhor governo da história, primeiro para tentar apagar o péssimo histórico recente de Lula e PT, segundo para facilitar a reeleição em 2026 e acabar de vez com o bolsonarismo.

Se Lula for eleito e não fizer isso que acabei de descrever, então é ainda mais burro que Bolsonaro, que teve sua chance em 2018 e também fracassou.

Últimas Notícias

Rússia rejeita condições de Biden para conversa com Putin sobre a Ucrânia

O presidente dos EUA disse que conversaria com Putin se ele estivesse disposto a encerrar a invasão em solo...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -