domingo, dezembro 4, 2022

Saab RBS 70NG

Rússia lança barragem de mísseis em áreas civis ucranianas

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Os ataques mataram pelo menos 14 pessoas na Ucrânia e interromperam a eletricidade em algumas regiões. A Rússia disse que estava em retaliação por uma explosão em uma ponte importante para a Crimeia. A Assembleia Geral das Nações Unidas convocou uma sessão de emergência

KYIV, Ucrânia – O presidente Vladimir V. Putin desencadeou uma série de ataques de mísseis de longo alcance contra cidades em toda a Ucrânia nesta segunda-feira, atingindo o coração de Kiev e outras áreas distantes da linha de frente, no mais amplo ataque contra civis desde os primeiros dias da invasão da Rússia.

Putin disse que os ataques em quase uma dúzia de cidades foram uma retaliação por uma explosão que destruiu seções de uma ponte que liga a Rússia à península da Crimeia, embora também pareçam ter a intenção de apaziguar os linha-dura na Rússia que foram abertamente críticos sobre o andamento da guerra.

Denunciando o bombardeio da ponte construída pelo Kremlin, um golpe embaraçoso, como um “ataque terrorista”, o Putin ameaçou mais ataques se a Ucrânia atingir alvos russos novamente.

“Ninguém deve ter qualquer dúvida sobre isso”, disse ele.

A Rússia insistiu repetidamente que limitou seus ataques a alvos militares, mas não havia evidências disso na segunda-feira, pois mais de 80 mísseis de cruzeiro e 24 drones autodestrutivos causaram estragos ao explodirem em cidades em quase todos os cantos do país.

Na tarde de segunda-feira, quatro regiões – Lviv, Poltava, Sumy e Kharkiv – estavam sem eletricidade, disseram autoridades. Em Kharkiv, bondes, ônibus e bondes elétricos pararam. Os trens elétricos vindos de Kyiv para o oeste nunca conseguiram sair da estação. Ao todo, 11 locais de infraestrutura foram atingidos.

FONTE: The New York Times / Financial Times

NOTA DA REDAÇÃO: Segundo informações divulgadas no Telegram, navios da Marinha Russa esta manhã lançaram novamente mísseis Kalibr das águas do Mar Cáspio e do Mar Negro contra a infraestrutura crítica da Ucrânia.
Além disso, de acordo com várias fontes, a aviação estratégica de Tu-95 esteve novamente envolvida no lançamento de mísseis Kh-101 e Kh-555. alvos em Zaporozhye, Vinnitsa, Odessa, Ochakov, Nikolaev foram atingidos.

- Advertisement -

40 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo
Rodrigo
1 mês atrás

Russo são covardes…sem noção isso.

Claudio
Claudio
Reply to  Rodrigo
1 mês atrás

Quer dizer que os ucranianos podem atacar civis em donbass usando armas da otan não é covardia?

PACRF
PACRF
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Guerra é guerra, e a Rússia não pode chamar a explosão de ponte de terrorismo. Terrorismo foi a anexação da Crimeia e a utilização de armas químicas na Síria.

Claudio
Claudio
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Então a OTAN é mais terrorista que a Rússia, Atacou a Sérvia pra separa o Kosovo , atacou Iugoslávia, os Estados Unidos roubando petróleo da Síria, ataque com agente laranja no Vietnã que ainda causa efeito na população, se parar pra ver a Rússia é a menos suja desse bonde aí

PACRF
PACRF
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Muito infantil seu argumento. Afinal, um erro não pode justificar outro erro. Seguindo seu “raciocínio”, o Egito pode atacar a Itália quando desejar para se vingar da ocupação de seu território durante quase 400 anos pelo Império Romano.

Claudio
Claudio
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Bom essa guerra não começou em fevereiro de 2022 , começou em 2014 com golpe financiado pelos Estados Unidos, e os ucranianos que eram contra o euromaidan eram mortos , oque gerou uma onda separatista no leste , a Rússia foi socorrer esse pessoal ucraniano que fala russo

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Foi a mesma desculpa de Hitler… Só para avisar.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Claudio
1 mês atrás

O que esses sujeitos estão usando nas federais? Isso vai virar um adulto algum dia!?

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Claudio
1 mês atrás

blz Claudio, mas e as provas? você tem? Isso dito, infelizmente isso é uma guerra, civis vão inevitavelmente morrer, quando isso ocorre por uma barragem de artilharia seja Russa ou Ucraniana om uma cidade ou vila onde existem forças opostas eu consigo entender a situação que levou as baixas civis (não quer dizer que eu goste) mas veja bem a diferença: Estamos falando de artilharia aqui, geralmente não é uma arma precisa. e mesmo assim você vê duas maneiras distintas de usar artilharia nessa guerra A Ucrânia usa mais a precisão quando pode e por necessidade opera mais em contra-bataria.… Read more »

Claudio
Claudio
Reply to  Victor Filipe
1 mês atrás

Provas? Da um Google aí que tem muita coisa , a Ucrânia usa sim sistema de precisão doadas pelos Estados Unidos, usam o HIMARS pra atacar alvos civis em donbass e donetsk , as peças de artilharia ucraniana como M777 , CAESAR … viraram metal retorcido , e a Rússia não estava atacando alvos civis na Ucrânia até ontem , foi em resposta ao ataque terrorista na ponte da Crimeia que matou cinco pessoas, e em resposta aos ataques frequentes em donbass que a mídia ocidental não mostra

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Claudio
1 mês atrás

O ônus da prova é de quem acusa…

Rogerio
Rogerio
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Cláudio. Não discutir com um povo mente pequeno, tds americanos falam é certo, apena ver o passado eles fizeram

PACRF
PACRF
Reply to  Claudio
1 mês atrás

A região do Donbass e a península da Crimeia fazem parte do território da Ucrânia, cujas fronteiras foram reconhecidas pela ONU e pela própria Rússia, após o colapso da URSS. Questões de natureza étnica e política nas referidas regiões são problemas internos da Ucrânia. O que a Rússia não aceitou, foi a Ucrânia retirar do poder um governo que era apenas um fantoche de Moscou. Como qualquer país livre e autônomo, a Ucrânia desejou assumir as rédeas de seu próprio destino nas relações internacionais, na política e na economia. O que a Rússia desejava era uma relação de vassalagem com… Read more »

Last edited 1 mês atrás by PACRF
Claudio
Claudio
Reply to  PACRF
1 mês atrás

“A região do Donbass e a península da Crimeia fazem parte do território da Ucrânia…” faziam , optaram por se integrar a federação russa , essa região foi contra o Euromaidan e por isso era atacada por Kiev

PACRF
PACRF
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Não houve “opção”, houve um “plebiscito” de meia-tigela organizado à força, onde os “eleitores” foram conduzidos de forma coercitiva para “votar” com cédulas previamente preenchidas. Pior, sem a presença de nenhum observador internacional, o que retira qualquer legitimidade desse evento. A anexação da Crimeia e a invasão da região do Donbass ocorreram única e exclusivamente, por que o povo ucraniano não deseja servir de vassalos dos desejos do Putin.

Claudio
Claudio
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Tem que olhar os dois lados da moeda, a vontade do povo deve prevalecer, se é ou não válido não é a otan que decide , muitas pessoas comemoraram a integração a Rússia

Maurício Oliveira
Maurício Oliveira
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Cládio, infelizmente a Trilogia virou torcida….

Leandro Costa
Leandro Costa
1 mês atrás

Aposto que muitos desses foram mesmo direcionados à alvos válidos, porém também é uma prova cabal da péssima precisão desses armamentos, bem como o fato de que os Russos provavelmente poderiam ter utilizado bem melhor esse poder de fogo. De novo, os Russos focam esse poder de fogo em instalações fixas e relativamente grandes. Achei estranho terem utilizado embarcações no Mar Cáspio para o ataque. Não faz muito sentido para mim mesmo que faltem embarcações para executarem esse tipo de ataque no Mar Negro. Acharia mais negócio remover os mísseis desses navios e recarregarem os do Mar Negro. Resta saber… Read more »

Claudio
Claudio
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Os alvos foram atingidos, oque não te contam é que os mísseis antiaéreos da Ucrânia não conseguiram interceptar e um dos mísseis caiu em uma praça

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Se os alvos foram atingidos ou não, eu não tenho como saber. Eu sempre vou esperar que pelo menos alguns, senão a maioria dos alvos será atingida, ao mesmo tempo que alguns serão interceptados e que a mairia deles vá provocar danos colaterais na população civil. São coisas da guerra. O fato é que os Ucranianos são muito, muito bons em usar esse tipo de coisa para angariar apoio para seu lado e causar indignação internacional. E eles estão certos. Já o Putin só consegue aparecer como um palhaço irritado que está extravazando sua raiva na população civil. E após… Read more »

Claudio
Claudio
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Não é bem assim , os russos com efetivo muito menor estabilizaram o front , em kherson os ucranianos tentam todo dia romper as linhas russas , não conseguem e ainda tem perdas de pessoal e material, no começo da operação russa , usaram apenas 150 mil homens contra os 300 mil da Ucrânia, os russos não perderam a guerra , pois libertaram Donetsk , luhansk , kherson , em relação as armas “doadas” os estoques da Europa estão baixos e os americanos não vão fornecer sistemas muito avançado, pra Ucrânia não atacar território russo ou civis nas regiões separadas

Alessandro Almeida
Alessandro Almeida
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Existe a necessidade da Ucrânia de mostrar ganhos por menores que sejam e às custas de milhares de baixas.
Esses pequenos ganhos são a ‘deixa’ para a OTAN justificar os gastos com assistência em face da grave crise econômica nos países.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Claudio
1 mês atrás

É bem assim sim, Claudio. No início da guerra era bem mais fácil para os Russos avançarem, mesmo com menos pessoal. Eles literalmente estavam bem mais preparados, até porque eles tinham o elemento da surpresa nos diferentes eixos de avanço, bem como ainda havia aquela áurea de invencibilidade do exército vermelho. Eles conseguiam ter um poder de fogo maior e obrigavam os Ucranianos à espalharem as suas forças para tentar conter os diferentes avanços. Saíram de uma linha estática de atrito no leste, para uma guerra de movimentos que a Rússia simplesmente não soube aproveitar já que contavam com a… Read more »

Henrique
Henrique
Reply to  Claudio
1 mês atrás

“ em kherson os ucranianos tentam todo dia romper as linhas russas , não conseguem e ainda tem perdas de pessoal e material, no começo da operação russa , usaram apenas 150 mil homens contra os 300 mil da Ucrânia, os russos não perderam a guerra ,” russos perderam a a guerra quando perderam a batalha de Kyiv… . e mais de 40 dias na ofensiva de kherson e você ainda não conseguiu entender que aquela ofensiva é pra prender as melhores tropas da RFA num lugar e não pegar território? . >Ucrânia falou onde iria fazer a ofensiva >espera o melhor… Read more »

Lucena
Lucena
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Cara, os EUA gastam por ano com defesa o que os Russos gastam em 32 anos. Inglaterra, França e Alemanha tem gastos anuais semelhantes aos da Rússia – isso desprezando a corrupção.

Por qual motivo você acha que o estoque russo sobreviverá ao da OTAN? É uma pergunta genuína.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Claudio, Você continua caindo no “conto russo”. Os russos utilizaram 75% dos BTGs disponíveis, segundo analistas especializados no aspecto militar russo. A força de 150 mil, em tese, é utilizada somente na operação especial. Outros milhares participam da logística da operação em território russo. E não há muito mais disponível dentro do efetivo contratado das forças armadas russas, tanto é verdade que tiveram que mobilizar. Não haveria lógica em mobilizar se houvesse efetivo regular disponível. Já a Ucrânia tem que utilizar o efetivo em todo o seu território, pois poderia ter que se defender em mais de uma frente (o… Read more »

Guilherme Leite
Guilherme Leite
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Dizer que os estoques europeus estão baixos e esquecer que a Rússia está utilizando T-62 na linha de frente.

Dizer que os americanos não vão enviar armas mais modernas sendo que a 7 meses atrás enviavam somente Javelins e hoje estão reforçando a Ucrânia com mais Himars.

Dizer tudo isso sem embasamento em fatos ou informações privilegiadas é no mínimo achismo.

Quanta groselha!

Last edited 1 mês atrás by Guilherme Leite
Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Claudio
1 mês atrás

tão verídico como os + de 70 misseis de cruzeiros americanos abatidos na síria.

Aquela foi até engraçado. a unica prova do abate era a carcaça de um alvo aéreo destruído.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Victor Filipe
1 mês atrás

e os 40 HIMARS…

Henrique A
Henrique A
1 mês atrás

Atacar o sistema elétrico e os transportes é comum nas guerras, os russos não estão agindo diferente da NATO contra a Sérvia.

Henrique
Henrique
1 mês atrás

Rússia fez um ataque com zero impacto nas operações do militares da Ucrânia… GINIAU
.
imagine vc ser tão ser superior raça absoluta além da consciência a ponto de queimar vários misseis de milhões em alvos que não impactam as tropas e ainda motiva elas a continuar lutando kkkkk

ponte vidro.jpg
Alessandro Almeida
Alessandro Almeida
Reply to  Henrique
1 mês atrás

A estação ferroviária de Pavlograd, entre outras, foi destruída.
Essa junção ferroviária permitia trazer reforços ucranianos direto para a frente de batalha
Não me pergunte porque Putin não ordenou há alguns meses sua destruição e só fizeram isso agora.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Alessandro Almeida
1 mês atrás

É uma junção ferroviária. Se não houver follow-up no ataque, em menos de uma semana já estará operando à todo vapor novamente pois não há falta de mão de obra para consertar algo assim. A questão é saber se a Rússia consegue manter a pressão com a continuidade nesse tipo de ataque para que o fluxo de suprimentos seja efetivamente cortado. No momento, eu duvido que eles consigam.

Henrique
Henrique
Reply to  Alessandro Almeida
1 mês atrás

pelo menos isso foi um alvo militar… porem é fácil de resolver ele

Lucena
Lucena
Reply to  Alessandro Almeida
1 mês atrás

“Não me pergunte porque Putin não ordenou há alguns meses sua destruição e só fizeram isso agora.” Não preciso te perguntar, a resposta é bem clara. Esse é o tipo de infraestrutura que não adiantar atacar de maneira pontual – o reparo é relativamente simples e depende, unicamente, de mão de obra. Existem dois motivos para atacar um alvo como que você deu de exemplo: 1. Em um cenário onde você consegue manter pressão e ataques constantes, impedindo o reparo e, aí sim, atrapalhando a logística inimiga; 2. Para preparar um ataque tradicional, que deve vir logo em sequência, e… Read more »

Guilherme Leite
Guilherme Leite
Reply to  Alessandro Almeida
1 mês atrás

Não vamos perguntar pois você não tem a resposta.

Mas vou te dar uma dica:

Incompetência das forças armadas russas, parece um show de horrores.

Essa guerra será contada nos livros de história com os dizeres:

O que não fazer !

Carvalho
Carvalho
Reply to  Henrique
1 mês atrás

A Blitz de Londres que o diga !!

Henrique
Henrique
Reply to  Carvalho
1 mês atrás

quem ta com razão é Blitz do krimling… ja 230 dias e nada de vencer a Ucrânia… operação de 3 dias ta rendendo

Bueno
Bueno
1 mês atrás

Podemos dizer que a Russia esta atirando para todos os lados

Heinz
Heinz
1 mês atrás

É míssil pra caramba, uma coisa que não podemos negar a artilharia russa é muito poderosa.
Entretanto está sendo usada de maneira criminosa, contra prédios residenciais e etc.
Agora, eu vi um vídeo de um ucraniano derrubando um Kalibr com um Igla, baita feito.

Últimas Notícias

Empresa alemã produzirá munição do Gepard na Espanha

A Rheinmetall, depois de adquirir o mundialmente famoso fabricante espanhol de munições Expal Systems SA, planeja estabelecer a produção...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -