domingo, dezembro 4, 2022

Saab RBS 70NG

Sem Putin a Guerra na Ucrânia teria continuidade?

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

A guerra da Rússia na Ucrânia continuará se o presidente russo Vladimir Putin deixar o cargo? Desde a invasão em fevereiro, tem havido uma deliberação contínua sobre quanto tempo Putin permanecerá no poder, sua morte hipotética como resultado de problemas de saúde ou expulsão política doméstica. Subjacente a esta deliberação está a especulação, ou talvez a esperança, de que sem Putin, a Rússia poderia estar mais apta a abandonar sua guerra na Ucrânia e buscar uma paz negociada. Embora apoiada por visões convencionais de término de guerra, qualquer suposição desse tipo é problemática. A história demonstra que o líder que inicia uma guerra cara e prolongada raramente está disposto a terminar a guerra sem a vitória – mas a história também mostra que a mudança de liderança nem sempre facilita a paz.

Para os líderes políticos, o desejo de evitar a culpa e a punição doméstica por uma guerra fracassada pode ter um efeito poderoso na tomada de decisões sobre o término da guerra. De acordo com a sabedoria convencional, os líderes responsáveis ​​por iniciar uma guerra são particularmente suscetíveis a culpa e punição pelo modo como a guerra termina e, portanto, são propensos a continuar lutando mesmo com pouca esperança de vitória. Assim, a mudança de liderança é muitas vezes um precursor necessário para o término da guerra. Essa visão pode ser bem fundamentada, mas não significa necessariamente que novos líderes – aqueles que meramente herdam uma guerra em andamento – estejam livres de pressões e riscos domésticos associados ao fim da guerra em termos menos favoráveis.

Dentro da população de guerras mais relevantes – aquelas caracterizadas como intervenções militares estrangeiras demoradas e caras – avaliei a tomada de decisão e os comportamentos de 85 líderes de guerra individuais, para incluir uma mistura de líderes ligados ao início de suas respectivas guerras e novos líderes que assumiram com a guerra em curso. Por meio da revisão de documentos de fontes primárias de mais de uma dúzia de países e da interação pessoal com ex-funcionários do governo e jornalistas com conhecimento relevante em primeira mão, descobri que os novos líderes permanecem suscetíveis às pressões e riscos domésticos associados ao término da guerra, ou pelo menos percebem que estão em risco e se comportam de acordo. Particularmente, muitos novos líderes se comportam como seus antecessores e se mostram igualmente incapazes ou relutantes em reduzir as perdas do estado e buscar a paz. Isso ocorre porque a política de culpa associada ao término da guerra é complexa e variada, com múltiplas narrativas de culpa potencial que se estendem além do líder que inicia uma guerra fracassada.

Uma transferência de liderança em tempo de guerra na Rússia poderia ir em muitas direções diferentes. Especialistas identificaram uma série de sucessores em potencial, que vão desde o franco falcão Dmitry Medvedev a Sergei Sobyanin, que sempre procurou se distanciar da guerra de Putin na Ucrânia. Alguns até levantaram a possibilidade, mesmo que pequena, de o líder da oposição preso Alexey Navalny substituir Putin. Embora as diferenças individuais certamente importem, a política de culpa associada ao término da guerra não discrimina: qualquer novo líder que tente livrar a Rússia da guerra de Putin provavelmente enfrentará dificuldades domésticas. O atual ambiente político doméstico da Rússia, caracterizado por um intenso jogo de culpa entre liderança política e militar, seria especialmente perigoso para o sucessor de Putin e desencorajaria qualquer movimento para abandonar os objetivos de guerra da Rússia na Ucrânia e buscar a paz, pelo menos no curto prazo. Isso vale até para um sucessor que se opôs ou não apoiou abertamente a guerra de Putin antes de assumir o cargo. Assim, a guerra de Putin pode muito bem continuar sem Putin.

A visão convencional da mudança de liderança e término da guerra

Voltando mais de 70 anos na história, os estudiosos argumentaram que a mudança de liderança política serve como uma condição importante, até mesmo necessária, para o término de um conflito armado prolongado, uma vez que os líderes que iniciam uma guerra geralmente se mostram incapazes ou relutantes em terminar a guerra sem a vitória. A explicação predominante para esse comportamento de liderança centra-se na lógica da sobrevivência política, ou na ideia de que a tomada de decisão política é influenciada pelo desejo de evitar culpa e punição política doméstica por maus resultados políticos. Particularmente, os líderes que estão intimamente ligados ao início de uma guerra são mais propensos a serem responsabilizados pela população e outras elites governantes – e posteriormente punidos – se a guerra terminar mal. Assim, esses líderes tendem a continuar lutando apesar dos custos crescentes e da pouca esperança de vencer.

Como explica a cientista política Sarah Croco, “O principal fator para determinar a escolha de um líder entre a continuação e o término do conflito é a probabilidade de punição se ele aceitar qualquer resultado menor que uma vitória”. E especificamente, para um líder intimamente ligado ao início de uma guerra fracassada, a probabilidade de punição “será quase sempre muito próxima de um”, enquanto para líderes subsequentes que apenas herdam uma guerra fracassada, esse risco “provavelmente será zero.” Protegidos da culpa, esses novos líderes “não enfrentarão essa difícil escolha” de desistir da guerra ou continuar lutando. Aplicado ao caso da guerra da Rússia na Ucrânia, a implicação é que a deposição de Putin removeria um grande obstáculo ao término da guerra, com o sucessor de Putin muito mais apto a buscar a paz, mesmo que isso signifique abandonar os objetivos de guerra do Estado e aceitar a derrota militar.

Existe uma diferença entre líderes que iniciam uma guerra e aqueles que herdam uma guerra?

A teoria da mudança de liderança no término da guerra, reiterada de várias formas ao longo dos anos, é amplamente aceita e representa efetivamente a sabedoria convencional. Mas a teoria é falha ou pelo menos incompleta. Pode-se facilmente encontrar casos em que a mudança de liderança política ajudou a facilitar o fim de uma guerra demorada e cara. No entanto, mesmo que a mudança de liderança seja frequentemente uma condição necessária para o término da guerra, raramente é uma condição suficiente. Em outras palavras, o término da guerra é frequentemente precedido por uma mudança de liderança, mas a maioria das mudanças de liderança em tempo de guerra não resulta no término da guerra.

Por exemplo, estudiosos apontam para a adesão de Mikhail Gorbachev como chave para a saída da União Soviética do Afeganistão e da mesma forma observam a formação do governo Mendès-France em 1954 como facilitando o fim da guerra pós-colonial da França na Indochina. Mas Gorbachev foi o quarto primeiro-ministro soviético a presidir o conflito afegão de 10 anos, e a França experimentou nada menos que nove mudanças de governo em tempo de guerra antes de Pierre Mendès-France aceitar a derrota militar e libertar o exército francês da Indochina. Com os 85 casos de líderes políticos envolvidos em guerras caracterizadas como intervenções militares estrangeiras demoradas e caras, os dados mostram que 86% dos líderes iniciais responsáveis ​​por iniciar uma guerra continuam lutando até deixar o cargo ou alcançar o que pode ser razoavelmente interpretado como uma vitória. Entre os novos líderes que simplesmente herdam uma guerra em andamento, 66% também se mostram incapazes ou não querem terminar antes da vitória.

Claro, o status da guerra importa quando um novo líder assume. Se a guerra está indo conforme o planejado e a vitória está prontamente ao alcance a um custo aceitável, há pouco incentivo para qualquer líder desistir. De maior interesse é como os líderes respondem quando uma guerra se mostra mais cara e mais difícil do que o esperado no início, ou quando a probabilidade de sucesso diminui. Embora seja difícil generalizar essas últimas condições entre os casos, uma análise mais aprofundada de casos individuais mostra que os novos líderes optam por continuar lutando em guerras que degeneraram em atoleiros caros com pouca esperança de vencer. Em alguns casos, novos líderes até escalam uma guerra em curso enquanto em privado expressando uma crença na inutilidade de mais combates e um desejo de reduzir as perdas do estado e buscar a paz. No geral, a distinção entre os tipos de liderança pode ser estatisticamente significativa, mas qualitativamente não são tão diferentes, com mais da metade dos novos líderes se comportando como seus predecessores responsáveis ​​por iniciar a guerra.

Por que novos líderes se comportam como seus predecessores

Com base em minha pesquisa, argumento que novos líderes se comportam como se estivessem em risco de punição por uma guerra fracassada porque estão em risco, muitas vezes enfrentando a mesma escolha difícil que seus antecessores. Na ausência de uma vitória ou derrota militar clara, a política interna de término da guerra equivale à política da culpa. A teoria da mudança de liderança para o término da guerra explica essa dinâmica, mas incorpora uma concepção estreita de culpa que simplifica demais como o público doméstico traça a linha de responsabilidade entre o resultado da política e a liderança política. Particularmente, a teoria convencional assume que, em um contexto de guerra, as linhas remontam reflexivamente à liderança associada ao início da guerra. Uma pesquisa mais profunda sobre a política de culpa, no entanto, revela que a forma como um público doméstico atribui a responsabilidade pelo fracasso da política é muito mais complexa e variada.

Proponho que existam pelo menos quatro narrativas distintas de culpa associadas à liderança política e ao término da guerra. A narrativa do pretendente visa a falta de julgamento e competência da liderança política em instigar uma guerra fracassada. A decisão de ir à guerra foi equivocada e baseada em avaliações errôneas ou interesses estreitos, e qualquer garantia de vitória feita no início provou ser uma fachada. Em contraste, a narrativa desastrada calunia a liderança política por um processo ineficaz da guerra, independentemente de quem começou a guerra. As críticas associadas referem-se a recursos inadequados para os militares, amarrar as mãos dos militares ou adotar uma abordagem “ sem vitória ”.  A narrativa cita a liderança política por encerrar prematura e desnecessariamente uma guerra que ainda era vencível e ainda valia a pena lutar. O sucesso permaneceu ao seu alcance, mas a liderança política desligou antes que os militares pudessem terminar o trabalho e, assim, arrebatou a derrota das garras da vitória. Finalmente, a narrativa da venda se concentra no fracasso da liderança política em obter o melhor resultado possível, apesar da derrota militar, destacando o papel da liderança em um acordo de paz injusto que trai o sacrifício da nação.

Cada uma dessas narrativas é distinta, responsabilizando a liderança política por uma guerra fracassada de maneiras diferentes. A chave é que apenas uma, a narrativa do pretendente, é restrita ao líder que inicia uma guerra, com novos líderes ainda suscetíveis a culpa e repercussões domésticas vinculadas a múltiplas narrativas alternativas. Esse risco remanescente pode ter um efeito poderoso na tomada de decisões sobre o fim da guerra e ajuda a explicar por que tantos novos líderes se comportam como seus predecessores.

O que significa para a Rússia a Guerra na Ucrânia?

Para Putin, a guerra na Ucrânia poderia ser, efetivamente, uma questão de sobrevivência política porque a derrota poderia muito bem levar à sua destituição. Mas o risco de punição não diz respeito apenas à permanência de Putin no cargo. A derrota na Ucrânia mancharia significativamente a imagem de Putin e seu legado de longo prazo. Putin se vê como um Pedro, o Grande dos dias de hoje e quer ser lembrado como tal. Ele vê como sua missão e destino devolver a Rússia ao seu legítimo status de potência mundial, apagando a indignidade de uma perda na Guerra Fria e a subsequente dissolução da União Soviética. A situação na Ucrânia coloca em risco esse legado pessoal, e o Ocidente não deve subestimar até que ponto Putin irá evitar a derrota.

Mas e se Putin for deposto com a guerra em andamento, seja devido ao declínio da saúde ou à oposição doméstica? Para qualquer sucessor, o estado atual da política interna russa seria um campo minado proverbial e desincentivaria qualquer movimento para libertar a Rússia do conflito, pelo menos a curto prazo. De acordo com um jornalista russo, um jogo vicioso de culpa eclodiu na Rússia sobre a operação militar especial. Particularmente, as autoridades do Kremlin estão trabalhando para transferir a culpa de Putin para os líderes militares seniores, efetivamente “fabricando uma crise com seu Ministério da Defesa na tentativa de distanciar o presidente Vladimir Putin das impressionantes retiradas e outras falhas embaraçosas no campo de batalha”. A liderança militar, já no limite devido a uma onda dedemissões de comandantes seniores, está reagindo, desviando a culpa para outras partes do estado por fornecer inteligência defeituosa e por inadequadamente fornecer recursos aos militares, ou de outra forma amarrar as mãos dos militares.

O papel central dos militares na política da culpa é especialmente problemático. Para a nova liderança política que busca acabar com uma guerra prolongada que não alcance os objetivos do Estado, o apoio da liderança militar é fundamental, dado o que o acadêmico de relações cívico-militares Peter Feaver chama de competência moral especial das forças armadas no contexto do término da guerra. Sem esse apoio, a nova liderança política é mais vulnerável a ataques de elementos agressivos da oposição política e mais suscetível a acusações de traição. Mas obter o apoio da liderança militar para a retirada militar em tal cenário não é tarefa fácil. Mesmo que a liderança militar seja a favor do abandono da guerra, é improvável que a liderança militar apoie tal movimento, a menos que haja uma forte relação cívico militar, ou barganha cívico militar, caracterizada pela confiança mútua para que a liderança militar não tema ser bode expiatório pela liderança política em um esforço para desviar a culpa. Essa condição não existe atualmente em meio ao jogo vicioso de culpa da Rússia, e provavelmente levaria tempo para ser construída após uma mudança na liderança política, já que a história sugere que a sensibilidade dos militares russos ao bode expiatório é mais profunda do que o conflito atual. No curso da Primeira Guerra Chechena da Rússia (1994-1996), por exemplo, o general russo Alexander Lebed declarou à mídia, “Toda vez, as ordens eram explícitas e vinham do mais alto nível… E toda vez, quando nós [os militares] tínhamos feito o trabalho sujo para eles [os políticos], eles fugiam e nos deixavam de levar toda a culpa… Acredite em mim, o exército nunca permitirá que isso aconteça novamente.”

A guerra de Putin continuará sem Putin?

Se Putin deixar o cargo (voluntariamente ou não) com a guerra na Ucrânia em andamento, seu sucessor pode optar por parar de lutar, mas a decisão não será fácil ou isenta de riscos, e isso vale independentemente de quem substitui Putin, seja Medvedev, Sobyanin, ou mesmo Navalny. Dada sua responsabilidade por iniciar a guerra, Putin é altamente suscetível a culpa e punição como a guerra termina e está apto a continuar lutando apesar dos custos crescentes e pouca esperança de vencer. Mas qualquer novo líder que herde a guerra de Putin não estaria imune a pressões domésticas semelhantes. Em qualquer caso de guerra demorada e dispendiosa, a política da culpa pode ter um impacto poderoso na tomada de decisões sobre o término da guerra e potencialmente levar novos líderes a continuar lutando, mesmo que não tenham apoiado a guerra antes de assumir o cargo. Mas o atual ambiente político doméstico da Rússia, com seu jogo vicioso de culpa entre liderança política e militar, seria especialmente problemático para um novo líder político que buscasse livrar a Rússia da guerra. Olhando para o registro histórico, muitos novos líderes em circunstâncias comparáveis ​​decidiram continuar lutando em uma guerra em andamento ou então pressionar pela paz apenas para que o processo de desencarceramento se arrastasse por anos. É difícil e provavelmente inútil prever o resultado de qualquer mudança de liderança em tempo de guerra no caso da guerra da Rússia na Ucrânia. No mínimo, no entanto, o Ocidente não deve assumir que uma mudança de liderança resultaria no fim da guerra, pelo menos a curto prazo, pois a guerra de Putin poderia muito bem continuar sem Putin. Seria especialmente problemático para um novo líder político que buscasse livrar a Rússia da guerra. Olhando para o registro histórico, muitos novos líderes em circunstâncias comparáveis ​​decidiram continuar lutando em uma guerra em andamento ou então pressionar pela paz apenas para que o processo de desencarceramento se arrastasse por anos. É difícil e provavelmente inútil prever o resultado de qualquer mudança de liderança em tempo de guerra no caso da guerra da Rússia na Ucrânia. No mínimo, no entanto, o Ocidente não deve assumir que uma mudança de liderança resultaria no fim da guerra, pelo menos a curto prazo, pois a guerra de Putin poderia muito bem continuar sem Putin. Seria especialmente problemático para um novo líder político que buscasse livrar a Rússia da guerra. Olhando para o registro histórico, muitos novos líderes em circunstâncias comparáveis ​​decidiram continuar lutando em uma guerra em andamento ou então pressionar pela paz apenas para que o processo de desencarceramento se arrastasse por anos. É difícil e provavelmente inútil prever o resultado de qualquer mudança de liderança em tempo de guerra no caso da guerra da Rússia na Ucrânia. No mínimo, no entanto, o Ocidente não deve assumir que uma mudança de liderança resultaria no fim da guerra, pelo menos a curto prazo, pois a guerra de Putin poderia muito bem continuar sem Putin.

FONTE: War on the Rocks

- Advertisement -

14 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Teropode
1 mês atrás

Fanfarrões !

João Adaime
João Adaime
1 mês atrás

Quem assumisse a presidência e não soubesse o que fazer, convocaria um plebiscito. Daí poderia dizer que estava seguindo a vontade do povo e não poderia ser criticado por isso.
Na atual conjuntura, acredito que a população escolheria o fim do conflito.
Mas a Rússia que se prepare, porque vai chover pedidos de reparação por toda a destruição causada na Ucrânia.
E enquanto não houver a reparação, as sanções continuarão.
No plebiscito a população terá de medir entre sofrer na guerra ou sofrer no pós-guerra. Pelo menos na segunda hipótese não haveria mais mortes.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

O gênio 36d jogou a economia e estabilidade da Rússia no fundo do poço se para a guerra agora o mínimo 15 anos para voltar ao mesmo patamar.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Rodrigo
1 mês atrás

Nem sei se 15 anos serão suficientes. Talvez siga o exemplo do Irão…

leonidas
leonidas
1 mês atrás

A guerra da Ucrânia é consequência direta da expansão deliberada da Otan. Os EUA encomendaram esta guerra por erro geoestratégico grasso. Logo a única chance de ela acabar com a queda de Putin seria a entrada de um líder fraco e acho isso muito improvável é mais fácil entrar um líder LOUCO mas fraco não…rs A ação da Rússia dentro da geopolítica é absolutamente esperada e razoável pois toda potencia faria o mesmo no lugar dela, os EUA por exemplo fariam isso com Cuba ou mesmo México e Canada se estes países tentassem fazer parte de uma aliança militar hostil… Read more »

George
George
Reply to  leonidas
1 mês atrás

Rapaz. Eu juro que eu tento me esforçar para entender o que você escreve. Leio até duas vezes. Mas no fundo não entendo nada. É uma zona o texto. Mistura México com Ucrânia , com superpotência, com política do Twitter. É o verdadeiro samba do crioulo doido.

leonidas
leonidas
Reply to  George
1 mês atrás

Acredito em vc George rs.

Grifon
Grifon
1 mês atrás

Putin deixar o cargo? Essa eu quero ver!!!

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
Reply to  Grifon
1 mês atrás

Pois é concordo, só sai de lá morto, ou “matado”…

Grifon
Grifon
Reply to  Rodrigo Maçolla
1 mês atrás

kkkkkk realmente. Em 2019 o parlamento russo aprovou o projeto de lei que permite que o Putin governe a Rússia até 2036, logo, a Rússia permanecerá de pé!!

Lucena
Lucena
Reply to  Grifon
1 mês atrás

Vc acha legal um presidente passar 40 anos no poder?

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
1 mês atrás

É uma situação muito complicada, sinceramente como a russia é um regime fechado não tem como prever como seria o perfil do sucessor do putin… tudo vai depender de como essa guerra ira terminar com ou sem armas nucleares, a única coisa certa é a derrota da russia que já tá mais que desenhada.

Grifon
Grifon
Reply to  Jefferson Ferreira
1 mês atrás

Derrota da Rússia? Mais fácil a Ucrânia ser derrotada!!!

Cicero
Cicero
1 mês atrás

Poggio, Muito boa reportagem, na realidade, excelente. Vem muito ao que já disse aqui no site: o pior cenário é que o Putin seja o lado moderado da Rússia e que a eventual substitição dele possa levar a uma situação mais complicada ainda. Depois dos discursos dos líderes separatistas apoiando o uso de armas nucleares, a possibilidae de um maluco assumir ou mesmo terem um general apoiando eles, a queda de Putin pode ser o pior cenário. Imagina uma pessoa com a mesma linha de pensamento como o Kadyrov (Chechenia) ou o Medvedev assumindo o poder. Ficando no aguardo de… Read more »

Últimas Notícias

Empresa alemã produzirá munição do Gepard na Espanha

A Rheinmetall, depois de adquirir o mundialmente famoso fabricante espanhol de munições Expal Systems SA, planeja estabelecer a produção...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -