domingo, dezembro 4, 2022

Saab RBS 70NG

Operações Especiais na Ucrânia (PARTE 1)

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

A invasão em grande escala da Federação Russa forçou os ucranianos a usar todas as forças e meios disponíveis para se defender. Entre eles estavam unidades das Forças de Operações Especiais da Ucrânia (SOF). Treinados por especialistas da OTAN, eles rapidamente se tornaram uma pedra no sapato dos soldados e comandantes russos. Neste artigo, são discutidos vários exemplos de atividades de unidades especiais ucranianas. A análise deve ser tratada como uma coleção de exemplos e uma introdução à discussão, e não como uma apresentação abrangente deste tópico. Provavelmente haverá estudos muito mais extensos no futuro.

As Forças de Operações Especiais foram criadas em 2016, como parte de uma reforma abrangente das Forças Armadas da Ucrânia, como resultado direto dos fracassos durante a Guerra no Donbas. Elas foram formadas na fusão de várias unidades especiais subordinadas ao exército. Como resultado da reforma, todas essas unidades foram separadas como um tipo autônomo das Forças Armadas da Ucrânia e possuem um comando próprio.

Nos últimos anos as forças especiais ucranianas passaram por uma modernização significativa e treinamento sob a supervisão dos melhores especialistas do Canadá, Dinamarca e Reino Unido. Em 2019, o 140º Centro de Forças de Operações Especiais obteve um certificado que permite a participação na NATO Response Force (NRF). Pela primeira vez na história, esse direito foi concedido a um não membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Mais informações sobre a organização, treinamento e equipamentos da SOF podem ser encontradas aqui.

Este artigo está dividido em três partes.

  • A primeira abrange o início da invasão até a retirada das forças russas do centro da Ucrânia.
  • A segunda descreve a ofensiva em Donbas. Devido à mudança na natureza das atividades resultante da transferência do fardo da guerra para o leste, unidades especiais tiveram que se adaptar à situação.
  • A terceira refere-se ao momento em que a Ucrânia assumiu a iniciativa operacional, inicialmente no sul, e depois na parte norte da frente. Mais uma vez, os operadores de SOF tiveram que enfrentar novos desafios, desta vez durante ações estritamente ofensivas.

A fase inicial da invasão

A primeira fase da invasão é o rápido progresso das forças russas ao longo das principais vias de comunicação. Depois de alguns dias, no entanto, as operações ofensivas foram interrompidas como resultado da forte resistência dos ucranianos. As forças de invasão, em particular as das regiões de Kharkiv e Kyiv, repeliram as posições defensivas em torno das principais cidades. O comando russo não previu tal situação e a primeira onda de unidades ofensivas não foi seguida por outra, cujo objetivo seria garantir o território. Como resultado, as linhas de abastecimento e flancos dos agressores permaneceram expostos, tornando-se um alvo ideal para unidades especiais e tropas operando de forma irregular.

Na primeira etapa da invasão, o exército russo tentou cercarva capital da Ucrânia, atacando em diversos locais. Devido a isso, no entanto, suas linhas ficaram significativamente esticadas. As florestas ao norte de Kyiv tornaram-se o local de inúmeras emboscadas preparadas pelas forças especiais ucranianas.

Nas imagens abaixo podemos ver militares das SOF com equipamentos russos que foram neutralizados ou tomados. Ataques precisos a comboios e posições russas foram extremamente importantes para retardar o ataque na direção de Kyiv. As fotografias são da virada de fevereiro e março de 2022. As imagens mostram, entre outras, uma variante do VTTB BTR-80 , o tanque T-80BVM e o caminhão Ural-4320 . Provavelmente foram tiradas nas proximidades de Kyiv, o que seria indicado pelo sinal “V”.

Uma coisa que merece atenção especial é o armamento dos operadores das Forças Especiais. Um deles usa a metralhadora PKM, outro tem um rifle AK-12 interceptado. No entanto, o fato mais interessante é o uso relativamente comum do fuzil de assalto Malyuk produzido na Ucrânia. É um rifle tipo bullpup baseado em rifles Kalashnikov.

Emboscada em Hostomel

Desde o início da invasão, as forças especiais ucranianas realizaram ataques precisos contra equipamentos pesados ​​russos. Um excelente exemplo de tal operação é a destruição do comboio WDW (tropas aerotransportadas russas) em Hostomel. A emboscada das Forças Armadas da Federação Russa, consideradas unidades de elite, causou pesadas perdas e a destruição de 3 veículos BDM-2 e um BTR-D. O vídeo com o resultadospode ser visto no link abaixo.

Atiradores

Obviamente, atiradores também desempenham um papel importante entre os operadores de SOF. Muitos deles usam armas incomuns, como, entre outras, o rifle sniper Zbroyar Z-10 fabricado na Ucrânia. Ele usa cartuchos OTAN de 7,62 × 51 mm. Na foto à esquerda, podemos ver um franco-atirador em posição segura que usa este rifle equipado com um silenciador. À direita, podemos ver um operador com o rifle sniper SIG 716 com silenciador. Vale a pena prestar atenção à sua camuflagem pouco usual.

Um exemplo das ações dos franco-atiradores ucranianos é o vídeo abaixo (Cuidado: cenas gráficas!) Ele mostra o uso de uma mira de imagem térmica para eliminar o inimigo. É um equipamento extremamente avançado, especialmente útil durante as atividades noturnas, embora sua eficácia durante o dia também seja muito elogiada. Os tiros são disparados a uma distância de 706 metros, de acordo com os dados exibidos. Muito provavelmente, os dois soldados russos (figuras vermelhas) foram eliminados.

continua…

FONTE: FakeNews.pl

- Advertisement -

12 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Soares
Marcelo Soares
1 mês atrás

Fonte? Fake News RS. Parabéns pela matéria. Força e honra!

Last edited 1 mês atrás by Marcelo Soares
Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Texto é muito interessante. As forças especiais ucranianas vem causando um grande estrago nas forças russas. O texto também fala dos snipers ucranianos e das armas usadas por eles. Creio que muitos snipers estarão presentes nos dois lados durante a batalha de Kherson. Combates urbanos favorecem a ação de snipers. Só a fonte é um pouco curiosa … FakeNews.pl …

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

“Quando comecei minha carreira militar em 2015, vi todos os tipos de oficiais no exército. Havia oficiais do período soviético, e havia oficiais que se formaram em West Point. Se olharmos para o nosso exército agora, fica claro que estamos caminhando para os padrões da Otan, não apenas no papel, mas na realidade. A OTAN é o nosso amanhã. O exército é um corte transversal da sociedade, e ambos estão se movendo em direção ao Ocidente juntos.”
Oficial Nazar da 63ª Brigada Mecanizada da Ucrânia
https://intellinews.com/ukraine-s-63rd-brigade-gears-up-for-kherson-push-261060/#

SteelWing
SteelWing
1 mês atrás

Fonte: fake News

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

As forças ucranianas começaram o conflito militar com muitos equipamentos da era soviética e, com o decorrer do tempo, vem se tornando uma força cada vez mais armada e treinada pelo Ocidente. Por outro lado, muitos dos melhores equipamentos da Rússia – e suas tropas mais profissionais – foram destruídos ou mortos, levando Moscou a recorrer a estoques mais antigos à medida que suas forças regridem. A 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia, estacionada no oblast de Kherson no início da guerra, foi submetida à força total de um dos grupos de ataque mais bem preparados da Rússia. Os membros da… Read more »

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Os soldados da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia estão otimistas com suas perspectivas de derrotar os russos na cidade de Kherson. Seus combatentes desdenham da eficácia no campo de batalha dos drones iranianos – armas adequadas para assediar a infraestrutura civil, mas menos eficazes contra unidades militares preparadas. Eles relatam que a degradação da logística russa e das linhas de suprimentos prejudicou a capacidade das forças russas no campo de batalha. Os movimentos desesperados dos líderes russos para equipar sua linha de frente com recrutas relutantes, o foco dos invasores em saquear Kherson e até mesmo o uso de sistemas… Read more »

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

“Os drones iranianos estão atacando Mykolaiv constantemente. Os Shaheds estão ativos em toda a região, mas a maioria é derrubada. Eles só são realmente úteis contra alvos civis, quando podem passar pela defesa aérea.”
Vadyn, tenente sênior da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia
https://www.militarytimes.com/news/2022/11/02/hardened-ukrainian-brigade-sees-russian-vulnerability-in-kherson-city/

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

“É difícil acertar um Shahed com qualquer sistema que funcione por trava de calor, como um Stinger, a menos que você tenha tempo extra para rastreá-lo. Mas nossos parceiros estrangeiros nos forneceram alguns sistemas muito eficazes. Os Gepards alemães são muito bons contra eles. Eles veem o drone e podem derrubá-lo facilmente. Até metralhadoras podem derrubar Shaheds com bastante facilidade se não estiverem voando muito alto – eles são bastante grandes e lentos.”
Vadyn, tenente sênior da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia
https://www.militarytimes.com/news/2022/11/02/hardened-ukrainian-brigade-sees-russian-vulnerability-in-kherson-city/

Last edited 1 mês atrás by Marcelo
Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

“Esses drones Shaheds não são um problema. Se você tem armas de alerta e antiaéreas, pode abatê-los com bastante facilidade. É por isso que a Rússia os usa contra as cidades – eles não são úteis no campo de batalha.”
Zhenya, sargento-mor da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia
https://www.militarytimes.com/news/2022/11/02/hardened-ukrainian-brigade-sees-russian-vulnerability-in-kherson-city/

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

“Os HIMARs americanos têm sido incrivelmente úteis para nós. Uma vez que começamos a atingir as pontes, a intensidade do bombardeio russo diminuiu muito. Destruímos muitos de seus armazéns de artilharia e munição também. Antes, os russos costumavam bombardear tudo, apenas atirando o quanto quisessem em qualquer alvo. Agora, eles são forçados a economizar.”
Vadyn, tenente sênior da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia
https://www.militarytimes.com/news/2022/11/02/hardened-ukrainian-brigade-sees-russian-vulnerability-in-kherson-city/

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

“Já enfrentamos seus homens mobilizados aqui. Eles são quase inúteis. Muitos deles mal conseguem segurar uma arma, muito menos uma posição. Matamos seus soldados profissionais e agora a Rússia espera nos atrasar com corpos.”
Mikhail, tenente sênior da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia
https://www.militarytimes.com/news/2022/11/02/hardened-ukrainian-brigade-sees-russian-vulnerability-in-kherson-city/

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

“Temos quase tudo o que precisamos. Só precisamos de um pouco mais de artilharia, para lutar contra seus canhões e especialmente tanques – talvez o elemento mais importante em um ataque. Haverá desenvolvimentos positivos aqui em Kherson muito em breve.”
Vadyn, tenente sênior da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia
https://www.militarytimes.com/news/2022/11/02/hardened-ukrainian-brigade-sees-russian-vulnerability-in-kherson-city/

Últimas Notícias

Empresa alemã produzirá munição do Gepard na Espanha

A Rheinmetall, depois de adquirir o mundialmente famoso fabricante espanhol de munições Expal Systems SA, planeja estabelecer a produção...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -