domingo, dezembro 4, 2022

Saab RBS 70NG

Os principais drones russos empregados na Guerra da Ucrânia

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Rodolfo Queiroz Laterza[1]

Ricardo Cabral[2]

1 – INTRODUÇÃO

A guerra entrou em seu nono mês e não mostra sinais de diminuir de intensidade. Na atual conjuntura, as esperanças estão depositadas em um possível encontro entre o presidente russo Vladimir Putin, o presidente americano Joe Biden e o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy na cúpula do G20 na Indonésia.

A Rússia está atualmente empenhando seus recursos humanos e militares para fortalecer sua posição no Leste e no sul da Ucrânia, lutando para neutralizar novos contra-ataques ucranianos para retomar seu território perdido

No atual estágio da guerra, existem inúmeras evidências de ataques russos com drones kamikaze e loitering ammunitions, revelando uma maior ênfase no emprego de tais sistemas por parte das Forças Armadas da federação russa. Essa mudança de abordagem pode gerar mudanças nas operações ucranianas no Teatro de Operações.

No início do conflito os russos não fizeram um largo emprego dos drones. As FAFR concentraram-se em ações de reconhecimento, vigilância e controle de fogo.

Ao longo das hostilidades, os russos ampliaram o escopo das missões dos drones para ataques a infraestrutura militar e civil ucraniana (como nos recentes ataques a usinas termelétricas, transformadores e estações), com destruição de alvos mediante emprego de loitering ammunitions.

https://www.joint-forces.com/defence-equipment-news/33546-orlan-10-uav-systems-for-kyrgyzstan
https://www.shephardmedia.com/news/uv-online/syria-functions-as-combat-lab-for-redesigned-lance/

Drones Kamikaze como o KYB/KUB, o Lancet-3 e o iraniano Shahed-136 passaram a ser amplamente usados ​​pela Rússia e quase se tornaram o esteio dos ataques russos no campo de batalha.

https://www.19fortyfive.com/2022/04/kub-bla-russia-has-its-own-switchblade-suicide-drone-of-its-own/

Nos últimos anos, um grande número de UAVs (unmanned aerial vehicle) leves projetados para reconhecimento foram construídos nas forças terrestres e outras estruturas das Forças Armadas da Federação Russa. Um dos mais conhecidos são os sistemas não tripulados Orlan-10 e Eleron. Existem também outros tipos de equipamentos, embora menos numerosos no inventário das forças russas. Desde a sua criação, eles têm sido empregados em exercícios militares e na Síria. Devido a sua eficácia em combate esses UAVs desempenham tarefas fundamentais no céu ucraniano.

A característica mais importante de tais UAVs é o fato de terem uma grande autonomia e alcance de voo na velocidade de cruzeiro. Esse drones carregam estações óptico-eletrônicas multicanal, transmitindo as imagens em tempo real para o centro de comando. Os sistemas não tripulados são integrados em um único centro de controle de nível tático, facilitando a tarefa do Estado-Maior no controle de apoio de fogo em um determinado TO.

De acordo com dados conhecidos, o desdobramento de unidades de Orlans e Elerons assegura o monitoramento, em tempo real, de seções importantes da linha de contato, áreas de retaguarda inimigas, etc. Na ausência de uma defesa aérea robusta, os drones podem executar um vasto escopo de missões fornecendo informações atualizadas às tropas.

Os UAVs de reconhecimento e ataque russos existentes se distinguem pela grande autonomia e alcance de voo enquanto realizam operações de vigilância. Eles podem carregar bombas de pequeno calibre e mísseis guiados, com a ajuda dos quais são capazes de atingir independentemente o alvo encontrado. Loitering ammunitions dispensam armas coaxiais e são direcionadas ao alvo à medida que o alvo é adquirido.

Deve-se notar que os UAVs de ataque do modelo kamikaze entraram em serviço nas Forças Armadas da Federação Russa (FAFR) recentemente. Nesse sentido, as FAFR ainda estão ganhando experiência em seu emprego e potencialidades operacionais, no qual o processo de melhoria contínua dos designs está inserido. Isso parece ser um problema, pois houve relatos de falha das loitering ammunitions Kub-BLA. Os fabricantes russos devem levar isso em consideração, pois os sistemas de novas séries serão avaliados apenas com os resultados obtidos.

Este ensaio buscará analisar os principais e mais usados veículos aéreos não tripulados (VANTs) por parte da Rússia no teatro de operações da Guerra da Ucrânia.

1 – DRONES RUSSOS MAIS USADOS NO TEATRO DE OPERAÇÕES

2.1. O SISTEMA UAV ORLAN-10

O complexo de aeronaves não tripuladas Orlan-10 foi desenvolvido pela empresa Special Technology Center. Desde 2010, é produzido e fornecido às tropas russas. De acordo com várias fontes, até o momento foram produzidos vários milhares de UAVs desse tipo, que são os modelos em maior número no exército russo.

https://www.airforce-technology.com/projects/orlan-10-unmanned-aerial-vehicle-uav/

A principal tarefa do Orlan-10 é realizar voos de reconhecimento em profundidade no interesse das forças terrestres russas.  Desde o início, foi previsto que este UAV se tornasse parte do “Unified Tactical Level Control System” (ESU TK), um complexo de software e hardware extremamente projetado para coordenar e harmonizar as ações de vários tipos de equipamentos militares em um determinada área da área.

O UAV Orlan-10 realiza a vigilância em uma determinada área e executa a designação de alvos para instalações de artilharia autopropulsada, tanques, sistemas de mísseis antiaéreos móveis e outros equipamentos militares equipados com armas capazes de destruir um inimigo detectado. Para procurar alvos e reconhecê-los, este UAV é equipado com vários dispositivos ópticos e um termovisor.

Além disso, equipamentos de inteligência eletrônica também podem ser instalados a bordo do drone, capazes de determinar com precisão as coordenadas de qualquer fonte de ondas eletromagnéticas. Na prática, isso significa, por exemplo, que um inimigo que tenta usar comunicações de rádio ou telefone celular pode ser imediatamente aberto por fogo de artilharia.

O principal elemento do complexo é a aeronave do tipo Orlan-10, construída de acordo com o esquema aerodinâmico normal. Um produto com uma envergadura superior a 3 m e uma massa de 14 kg, este sistema é capaz de transportar até 5 kg de carga útil. Para facilidade de uso, o dispositivo é dobrável e cabe em um recipiente de dimensões limitadas. Este UAV está equipado com um motor a gasolina, com o qual pode atingir velocidades de até 130-150 km/h, com duração do voo de 15 a 16 horas.

O lançamento do drone é realizado a partir de uma catapulta. O voo ocorre automaticamente de acordo com uma trajetória pré-determinada ou sob o controle de um operador.

https://www.airforce-technology.com/projects/orlan-10-unmanned-aerial-vehicle-uav/

Este drone não possui trem de pouso, pois utiliza um paraquedas para pouso. O peso do drone, mesmo com carga total, é relativamente pequeno. A abertura do paraquedas é assegurada a partir da altura mínima de 30 m. Ao mesmo tempo, para suavizar ainda mais o impacto no solo, o Orlan-10 é equipado com um amortecedor de pouso inflável. Ele é preenchido com ar comprimido automaticamente, imediatamente após a liberação do paraquedas. O pouso é realizado usando um paraquedas e um balão sob o fundo. Existe um modelo especialmente adaptado para o uso em navios, neste caso, o UAV que retorna é capturado com uma rede especial.

Caso a velocidade vertical não possa ser reduzida ou desligada por meios regulares, a segurança do equipamento eletrônico será garantida pela destruição de emergência da célula – ela será dividida em elementos separados, de modo que a probabilidade de danos acidentais à carga útil é mínima.

A principal carga útil do Orlan é uma estação optoeletrônica com canais diurnos, noturnos e telêmetro. Além disso, o referido UAV pode ser equipado com um sistema guerra eletrônica Leer-3 e está sendo desenvolvido de uma estação de inteligência rádio.

Graças à fuselagem dobrável e à presença de espaço livre adicional dentro dos consoles das asas, o Orlan-10 pode ser equipado com diferentes tipos de equipamentos eletrônicos. O peso total da carga útil atinge cinco quilos, o que permite colocar os seguintes tipos de equipamentos de destino a bordo:

  1. Câmeras para fotografia aérea (o eixo da lente é direcionado para baixo, estritamente perpendicular à superfície da terra). Na configuração básica, as câmeras Canon EOS nas modificações 5D, 50D e 500D são usadas para isso;
  2. Câmeras de vídeo para fotografia aérea;
  3. Câmeras de vídeo na frente do drone;
  4. Câmeras PTZ (câmera que que une três funcionalidades:PAN, TILT e ZOOM);
  5. Câmeras de vídeo giro-estabilizadas Controp (modelos D-STAMP e U-STAMP);
  6. Termovisores, instalados em vez de câmeras de vídeo;
  7. Módulos transceptores. Usado para suprimir terminais de comunicação celular e interferências. O equipamento permite em tese congestionar os sinais de todos os formatos utilizados atualmente.
https://cybershafarat.com/2020/11/05/orlan-10-uavs-from-russia-to-armenia/

O console do operador está equipado com um monitor e um painel de controle do tipo gamepad. Existem também instalações de processamento de dados e um sistema de comunicação. A estação suporta comunicação bidirecional com o VANT por meio de um canal seguro, que possibilita a transmissão de comandos, imagens da câmera e telemetria. Alcance – 120 km.

O operador, com o aparelho ainda no solo, define as coordenadas dos pontos, ao atingir e quais os equipamentos de bordo são ligados.

A reação à ocorrências de avarias são programadas separadamente, por exemplo: se a comunicação com a estação terrestre for perdida, o sinal do satélite desaparecer ou o gerador falhar, o drone está programado para as seguintes alternativas: tentará chegar de forma independente ao ponto final da rota, retornar ao local de lançamento, fazer um pouso de emergência ou ir para a auto destruição.

A estação de operação pode controlar até quatro UAVs simultaneamente. As estações podem ser conectadas em rede e gerenciar dezenas de dispositivos. Além disso, a estação é integrada ao Sistema de Comando Tático Unificado, que simplifica e agiliza a emissão de dados de inteligência para um posto de comando ou poder de fogo.

https://www.forbes.com/sites/davidhambling/2021/01/25/russia-enters-military-drone-export-market-with-sale-to-burma/amp/

Uma vantagem importante é a capacidade de transportar diferentes cargas úteis. Em primeiro lugar, são estações óptico-eletrônicas. Na maioria das vezes, os Orlans são equipados com esses dispositivos que os permitem detectar alvos terrestres / de superfície e determinar suas coordenadas. Os dados da carga útil são transmitidos em tempo real para o operador. O canal de comunicação é protegido contra interceptação e supressão, o que aumenta a eficiência geral.

A estação de controle remoto terrestre está equipada com postos de trabalho de operadores, estação de rádio receptora e transmissora, equipamentos projetados para reparo e manutenção de drones, além de uma catapulta de lançamento. Para garantir a autonomia do equipamento, o complexo inclui um gerador elétrico acionado por um motor de combustão interna à gasolina.

Desde 2010, o Exército russo usa os VANTs multifuncionais de classe leve Orlan-10. Equipamentos deste tipo podem transportar várias cargas úteis e realizar as tarefas de reconhecimento aéreo, detecção de alvos, ajuste de fogo, vigilância e lançamento de loitering ammunition.

Durante a guerra da Ucrânia, as tripulações do Orlan-10 trabalham 24 horas por dia e ajudam outras unidades no cumprimento das suas missões. A principal função desse VANT é realizar reconhecimento em profundidade no interesse de diferentes ramos das FAFR.  De acordo com esse reconhecimento, os ataques são planejados e as ações das tropas coordenadas.

O funcionamento do Orlan-10 é portanto integrado a um centro de comando e opera com simplicidade. O operador determina as coordenadas das armas de artilharia e MLRS, transmite os dados para um posto de comando superior, que determina a correção do fogo de artilharia direcionado aos alvos designados pelo UAV.

O “Orlan-10” é capaz de decolar de pequenas áreas, com vento lateral forte e nas condições climáticas mais desfavoráveis ​​- de -30 a +40 graus Celsius. Principais características operacionais:

  • Comprimento do UAV:1,8
  • Envergadura: 3,1 m
  • Peso do UAV vazio: 12,5kg
  • Peso máximo de decolagem:18kg
  • Velocidade de cruzeiro: 100-150 km/h
  • Velocidade máxima: 170 km/h (estimado)
  • Velocidade de estol: 75 km/h
  • Alcance máximo de voo: 1.000 quilômetros
  • Duração máxima do voo: 10 horas
  • Teto operacional: 5 000 m

2.2. DRONES KAMIKAZE ZALA LANCET

O ZALA Lancet é um drone kamikaze desenvolvido pela empresa russa ZALA Aero Group (parte da Kalashnikov Concern) para as Forças Armadas Russas.

Foi revelado pela primeira vez em junho de 2019 durante a exposição militar ARMY-2019 realizada em Moscou. É um desenvolvimento adicional do ZALA KYB-UAV, também conhecido como KUB-BLA, modalidade de loitering ammunition.

https://mil.in.ua/en/news/russians-now-use-lancet-kamikaze-drones-in-ukraine/

O ZALA Lancet pode ser usado tanto para missões de reconhecimento quanto de ataque, possui alcance máximo de 40 km e peso máximo de decolagem (MTOW) de até 12 kg.

No modo de combate, pode ser armado com ogivas de alto explosivo (HE) ou de fragmentação. Possui orientação óptico-eletrônica e unidade de orientação por TV, que permite o controle da munição no estágio terminal do voo. Além disso, é equipado com módulos de inteligência (dispositivo de escuta, de verificação de origem e tráfego de comunicações etc), navegação e comunicação.

Neste conflito, a imagem mais notória de um ataque com o drone Lancet foi alvejando uma canhoneira ucraniana ‘ da classe Gyurza-M (Projeto 58155) navegando no rio Dnieper.

https://www.thedrive.com/the-war-zone/ukrainian-gunboat-struck-by-russian-lancet-loitering-munition

Por sua vez, o Lancet possui duas versões: Lancet-1[1] e Lancet-3[2], que diferem na autonomia de voo, tamanho e massa da ogiva. Apesar de mais conhecido pelo nome “Lancet”, o fabricante nomina comercialmente com outros termos.  A versão básica do dispositivo com uma ogiva de 3 quilos e duas asas em forma de “X” chama-se Izdeliye-52, ao passo que o mesmo drone atualizado com uma ogiva reforçada em 5 quilos chamava-se Izdeliye-51.

https://mil.in.ua/en/news/russians-now-use-lancet-kamikaze-drones-in-ukraine/

A título de comparação com seu congênere ocidental, o Switchblade 300 tem metade do peso de decolagem e metade da autonomia voo (e, portanto, o alcance máximo) do que o Lancet-1, embora tenha uma velocidade máxima maior por causa de seu tamanho menor.

https://tadviser.com/index.php/Product:Lancet_%28kamikaze_drone%29

Comparando com o Lancet-3, o Switchblade 600 tem mais em comum, pois ambos tem a mesma autonomia e aproximadamente o mesmo alcance, entretanto o Switchblade 600 tem o dobro do tamanho do Lancet-3.

2.3. OS GERANIUM-2 DE ORIGEM IRANIANA

Desde setembro, ataques sistemáticos à infraestrutura militar e energética da Ucrânia tem sido noticiado através do emprego de um novo drone kamikaze, intitulado Geranium-2[1] ou M214, que é uma versão do drone kamikaze iraniano Shahed-136.

https://www.rferl.org/amp/ukraine-war-russia-kamikaze-drones-iran/32089623.html

Sabe-se por fontes várias que em agosto, o Irã entregou um número desconhecido de drones à Rússia, e os primeiros ataques contra alvos ucranianos usando-os começaram em setembro.

Supõe-se que, com um alcance de voo de até 2.500 quilômetros, o drone Geranium-2 seja capaz de atingir velocidades de até 185 quilômetros por hora. Ao mesmo tempo, pode se mover a uma altitude de até 7.500 metros e tem um peso de cerca de 200 quilos, juntamente com uma carga útil de até 50 quilos. O comprimento deste UAV kamikaze é de 3,5 metros e a envergadura chega a 2,5 metros. A ogiva está localizada na proa e o próprio drone é descartável, servindo também para direcionamento direto de certos alvos inimigos.

https://www.rferl.org/amp/ukraine-war-russia-kamikaze-drones-iran/32089623.html

O controle de voo se dá pelo uso de sistemas de navegação e lançamentos são realizados a partir de uma plataforma terrestre especial, que pode ser adaptada a qualquer caminhão.  Após o lançamento, o M214 é acelerado por um motor de foguete e, em seguida, usa uma hélice alimentada por um motor a gasolina ou diesel. A ogiva está localizada na proa, e o próprio drone é descartável e serve para direcionamento direto de certos alvos inimigos.

https://smartencyclopedia.org/content/hesa-shahed-136/

Acredita-se que o Geranium-2 possa cobrir uma distância de até 2.500 quilômetros (mais provavelmente seu alcance efetivo seja até 1.500), e, devido à baixa visibilidade e assinatura de radar,  é extremamente difícil detectar UAVs desse tipo antes de se aproximar do alvo como loitering ammunitions, que paira sobre o alvo por um longo tempo e ataca somente após o comando apropriado.

Os contêineres com esses drones são facilmente colocados em caminhões, plataformas ferroviárias e navios.

Devido ao seu pequeno tamanho, o Geranium-2 é de difícil detecção por sistemas de radar moderno, principalmente se o drone se aproximar do alvo a uma altitude abaixo de 60 metros. E o mais importante, por causa do motor de fraca potência de 50 cavalos, esse drone tem uma baixa assinatura térmica, dificultando ainda mais sua detecção por sistemas de defesa aérea da OTAN.

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

De acordo com muitos especialistas, a operação militar na Ucrânia provou que o confronto contemporâneo é diferente daqueles que vimos até o século XX. Obviamente, a infantaria é importante, para atacar, ocupar e manter o terreno. No entanto, atualmente, os sistemas que fornecem C4ISR e a consciência situacional do campo de batalha têm prioridade. São os diversos tipos de drones que transmitem informações em tempo real para o Estado-Maior, permitindo-lhes tomar decisões rápidas em relação as operações em curso.

Tanto para as forças russas, quanto para as forças ucranianas, o comando e controle das operações no Teatro de Operações mudou. Grupos de assalto não são acompanhados por apenas um, mas por vários drones. As forças russas empregam usualmente três UAVs ​​em batalhas urbanas: um monitora as possíveis posições da artilharia inimiga e outros equipamentos, o segundo reconhece ruas em busca de emboscadas e fortificações, ao passo que o terceiro exerce a vigilância, acompanhando a operação e fornecendo dados ao Comando & Controle para coordenar a ação. O comandante da unidade em combate, recebe as informações disponíveis em tempo real, possibilitando que o processo de tomada de decisões seja mais rápido.

O uso de drones para múltiplas funções no Teatro de Operações da Guerra da Ucrânia por ambas forças beligerantes consolida a mudança de paradigma na interoperabilidade de sistemas de armas, os quais dependem cada vez mais de uma eficiente e ampla rede de vigilância, reconhecimento, designação de alvos e apoio de fogo por veículos aéreos não tripulados, cujo custo mais baixo e alta eficácia operacional permite um uso sistemático em campo de batalha e tolerância com perdas em combate, diferentemente de ativos mais complexos e caros para as mesmas finalidades, como blindados, unidade mecanizadas, aviões e helicópteros.

A doutrina e estrutura organizacional estão sendo influenciadas a partir da análise das operações desenvolvidas nesses mais de 9 meses de conflito militar na Ucrânia.

Fontes consultadas:


[1] Características principais – UAV Lancet-1:

  • Faixa de velocidade 80-110 km/h
  • Duração do voo 30 min
  • Peso da carga 1 kg
  • Peso máximo de decolagem 5 kg

[2] Características principais – UAV Lancet-3

  • Faixa de velocidade 80-110 km/h
  • Duração do voo 40 min
  • Peso da carga 3 kg
  • Peso máximo de decolagem 12 kg

[3] Características principais do UAV Geranium-2:

  • Comprimento: 3,5m
  • Envergadura: 2,5 m
  • Alcance de voo: 1.800-2.500 km
  • Altitude de voo: de 60 a 4.000 m
  • Peso: 200kg
  • Peso da munição: – 50 kg
  • Velocidade: 150-180 km/h
  • Duração: 10-12 horas

[1] Delegado de Polícia, historiador, pesquisador de temas ligados a conflitos armados e geopolítica, Mestre em Segurança Pública

[2] Mestre e Doutor em História Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em História Comparada (PPGHC) da UFRJ, professor-colaborador e do Programa de Pós-Graduação em História Militar Brasileira (PPGHMB – lato sensu), da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO e Editor-chefe do site História Militar em Debate e da Revista Brasileira de História Militar. Website: https://historiamilitaremdebate.com.br

- Advertisement -

40 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Matusa
Matusa
23 dias atrás

A grande estrela desse conflito, disparado, é o Lancet.
Preciso e mortal.
Acabou de ser publicado vídeo de um acertando um M777 sendo rebocado em alta velocidade por um caminhão.
Show de bola!

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Matusa
23 dias atrás

A Bielorrússia recentemente apresentou seus portfólio de armamentos desenvolvidos pela indústria nacional com uma parte de suas capacidades voltadas para os drones e recentemente e recentemente se juntou a competição de drones com Rússia e Iran.
Ou seja o emprego de drones no campo de batalha deverá fazer parte das doutrinas das forças armadas.

Matusa
Matusa
Reply to  Nilton L Junior
23 dias atrás
Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Matusa
23 dias atrás

Aquele motor tem um som de matar kkkkkkk

Romão
Romão
23 dias atrás

Só passando pra lembrar que a Venezuela está produzindo sob licença e importando drones de projeto iraniano desde o ano passado. Um conflito de baixa/média intensidade com um vizinho qualquer seria bem amargo.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Romão
23 dias atrás

Uma decisão correta, quem sabe eles consigam a partir desse acordo desenvolver e produzir seu próprio modelo.

Hcosta
Hcosta
23 dias atrás

Como é que os Geranium fazem a aquisição do alvo?

suTERMINATOR
suTERMINATOR
23 dias atrás

Caramba, quantos obuseiros gringos tem na Ucrania, a Russia deve derrubar uns 10 por dia. kkkkk

Marcelo
Marcelo
Reply to  suTERMINATOR
22 dias atrás

Essa sua estatística carece de fonte.

Marcelo
Marcelo
23 dias atrás

Dia 04/11/2022 – As defesas aéreas ucranianas derrubaram 2 helicópteros russos, 11 munições de vadiagem, 3 UAVs e 2 mísseis de cruzeiro. O Comando da Força Aérea da Ucrânia informou – “As defesas aéreas ucranianas derrubaram dois mísseis de cruzeiro russos Kalibr na direção sul”.“À noite, dois helicópteros de ataque russos Ka-52 foram abatidos no oblast de Kherson.” As unidades das forças de mísseis antiaéreos e grupos de fogo móveis destruíram 11 drones kamikaze Shahed-136 e três UAVs operacionais-táticos.” Os ucranianos estão melhorando a pontaria …
https://euromaidanpress.com/2022/11/05/ukrainian-air-defenses-downed-2-russian-helicopters-11-loitering-munitions-3-uavs-2-missiles-air-force-command/

Matusa
Matusa
Reply to  Marcelo
22 dias atrás

Verdade.
E acharam o sujeito que está fazendo a contagem desses alvos derrubados.

download.jpeg
Marcelo
Marcelo
Reply to  Matusa
22 dias atrás

Quando falta argumento … tecla qualquer bobagem que está bom … boa estratégia … mas não cola, não.

Last edited 22 dias atrás by Marcelo
Marcelo
Marcelo
Reply to  Matusa
22 dias atrás

Quem está acostumado a lidar com o Shahed-36 discorda: “É difícil acertar um Shahed com qualquer sistema que funcione por trava de calor, como um Stinger, a menos que você tenha tempo extra para rastreá-lo. Mas nossos parceiros estrangeiros nos forneceram alguns sistemas muito eficazes. Os Gepards alemães são muito bons contra eles. Eles veem o drone e podem derrubá-lo facilmente. Até metralhadoras podem derrubar Shaheds com bastante facilidade se não estiverem voando muito alto – eles são bastante grandes e lentos.”
Vadyn, tenente sênior da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia
https://www.militarytimes.com/news/2022/11/02/hardened-ukrainian-brigade-sees-russian-vulnerability-in-kherson-city/

Kommander
Kommander
Reply to  Marcelo
22 dias atrás

Marcelo, pra mim sua opinião não vale nada, pois você claramente já escolheu um lado nessa guerra e só compactua com aquilo que lhe convém. Portanto, muitas vezes falta imparcialidade e aceitação nos seus comentários.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Kommander
21 dias atrás

Bem … 1) se você teclou significa que leu meu comentário; 2) sua opinião não significa nada para mim; 3) eu nunca disse que sou imparcial … eu sempre estive do lado da Ucrânia, da OTAN e dos EUA; 4) o invasor não passa de um Chiuaua com dentes atômicos, que rosna mas não morde; 5) os Ucranianos, apesar da inferioridade de meios militares, são um osso duro de roer, estão resistindo bravamente e, com a ajuda dos aliados, vão dando um coro nos russos. Pode deixar que eu vou te atualizando sobre as noticias no front ucraniano …

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Marcelo
21 dias atrás

Você sabe que os mísseis de cruzeiros são lançados de 4 á 8 por vez nê? Se a Ucrânia derrubou 2, significa que 2 ou 6 passaram.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
21 dias atrás

O ponto central é que dois mísseis, que são caríssimos e que estão ficando escassos para a Rússia, não chegaram ao objetivo. E a tendência é que, com o reforço das defesas antiaéreas ucranianas, cada vez menos mísseis de cruzeiro e munições de vadiage vão chegar ao alvo. A Rússia pode tentar a sorte …

Last edited 21 dias atrás by Marcelo
Jubert
Jubert
Reply to  Marcelo
21 dias atrás

Qual.sua fonte, fora seu achismo e as matérias propaganda?

Para fundamentar tua análise sobre os problemas estruturais das forças russas pesquisa com melhor embasamento, vir com esse argumento de torcedor sempre simplesmente cai na mesmice e no senso comum.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Jubert
20 dias atrás

Você quer mais provas do colapso militar das forças russas. Tem dúzias de links. Não vai caber postar todos … então vou postar só um. O título é “Putin pode sobreviver à guerra na Ucrânia? É a opinião de um membro ativo do Exército dos EUA de 1986 a 1989 e membro da Reserva do Exército dos EUA de 1989 a 1994. Ele também é formado em Ciência Política pela Pennsylvania State University. Acho que ele entende alguma coisa do assunto.
https://www.19fortyfive.com/2022/11/can-putin-survive-the-war-in-ukraine/

Marcelo
Marcelo
23 dias atrás

Dia 03/11/2022 – Forças ucranianas capturaram um UAV russo de reconhecimento Eleron-3 recentemente com um jammer anti-drone EDM4S. A Russia já perdeu 16 drines Eleron-3, sendo que 2 desses drones foram destruídos e os demais foram capturados. A Rússia continua fornecendo equipamentos militares e tecnologia para a Ucrânia.
https://eurasiantimes.com/ukrainian-forces-shoot-down-kyiv-studying-moscows-uav/

Eleron-3-drone-Russia-1-745x420.jpg
Last edited 22 dias atrás by Marcelo
Neural
Neural
Reply to  Marcelo
22 dias atrás

Melhor drone é o Shahed 136, pq carrega um ogiva brutal de 40 kg. O Lancet tem uma ogiva fraca de 5kg, mas que só é eficiente contra peças de artilharia e veículos levemente blindados. Um T-72 acredito que sobreviva ao impacto de Lancet com alguns danos talvez.

Mas alem desses daí, ambos lados estão usando drones comerciais da Mavic, alguns adaptados para lançar granadas de mão. Os Russos mesmo usam muito o DJ 3 pra corrigir fogo de artilharia

Matusa
Matusa
Reply to  Neural
22 dias atrás

Já assisti vídeos de ataques a T-64, auto-propulsados poloneses, americanos e alemães.
Todos destruídos.

Neural
Neural
Reply to  Matusa
22 dias atrás

Auto-propulsados tem blindagem fraca, igual dos APCs , é mais pra resistir a estilhaços mesmo, não aguenta impacto de um drone desses. O Shahed 136 é o melhor drone dessa guerra, os Ucranianos comemorando porque derrubaram alguns, mas o conceito dele é um drone barato que ataca sempre de 4 a 6 unidades por cada onda. Ou seja, é esperado que se percam alguns mesmo, mas se um único acertar um alvo de grande importância estratégica já valeu o investimento. Esse drone custa cerca de 10 mil dólares cada um. E foi o que aconteceu, um drone desses destivou toda… Read more »

Last edited 22 dias atrás by Neural
Marcelo
Marcelo
Reply to  Neural
22 dias atrás

Acho que esse combatente ucraniano tem uma opinião diferente – “Os drones iranianos estão atacando Mykolaiv constantemente. Os Shaheds estão ativos em toda a região, mas a maioria é derrubada. Eles só são realmente úteis contra alvos civis, quando podem passar pela defesa aérea.”
Vadyn, tenente sênior da 59ª Brigada Motorizada da Ucrânia

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Neural
21 dias atrás

E isso aí, a relação custo/benefício e muito boa, imagina o uso de sistemas de defesa como o Iron dome, o míssil mais barato do sistema e 4 vezes mais caro que um Shared-136. Um sistema completo Iron dome lança até 80 mísseis dos mais baratos, se o atacante lançar 100 shared de uma vez saturar a defesa, destroe a refinaria de petróleo, a termoelétrica, a base aérea sai muito mais barato. Israel sabe disso e por isso tem atacado fábricas iraniana na Síria para impedir o acúmulo deles tão perto deles. Um ataque em massa tão perto diminui muito… Read more »

Marcelo
Marcelo
Reply to  Matusa
22 dias atrás

Duvido. Posta a fonte.

Jubert
Jubert
Reply to  Marcelo
21 dias atrás

Amigo, sou crítico da Rússia e corroboro inúmeras posições críticas à eficiência das FFAAs russas.

Porém tuas fontes são propagandas e de baixo nível factual. Sites como euromaidanpress , unian e outros são totalmente sem embasamento , nenhum analista leva a sério. Melhora suas referências, são piores que os contos de fadas do próprio Ministério da Defesa da Russia..

Marcelo
Marcelo
Reply to  Jubert
21 dias atrás

Uso uma larga gama de fontes disponíveis … e você sabe disso se leu meus comentários … mas é bom saber que você concorda que o ministério da defesa da rússia é um conto de fadas.

Last edited 21 dias atrás by Marcelo
Jubert
Jubert
Reply to  Marcelo
21 dias atrás

Mas suas fontes são tão ruins ou piores. Como um amador entusiasta no tema, com lado de torcedor, deveria ter menos arrogância e mais humildade.

O Ministério da Defesa da Russia é tão corrupto quanto da Ucrânia, desenvolveram uma estratégia absurda de pouco efetivo nessa operação militar e péssimo planejamento operacional, perdendo a consciência situacional qualitativa perante as FAU constantemente.

Portanto analisar sob o prisma técnico as mazelas da Rússia e da Ucrânia não é com esse teu viés, até infantil.

Jubert
Jubert
Reply to  Marcelo
21 dias atrás

Mas suas fontes são tão ruins ou piores. Como um amador entusiasta no tema, com lado de torcedor, deveria ter menos arrogância e mais humildade.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Jubert
20 dias atrás

Concordo com o amador e entusiasta no tema. Discordo do torcedor e arrogante. Tenho aprendido muito aqui no Forte Jor. Peço desculpas se tenho um estilo incisivo ao escrever, mas é a forma com eu me expresso.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Neural
22 dias atrás

Precisamos falar sobre o drone kamikaze Shahed-136. Essa aeronave iraniana, fabricada com papel endurecido por imersão em resina sintética, tem como vantagens o custo de até US$ 50.000, tamanho pequeno, peso de apenas 200 Kg, baixa assinatura no radar, capacidade de voar a baixa altitude, alcance de mais de 1600 Km, uma ogiva que pesa até 40 Kg e possibilidade de ser lançado às dezenas formando um enxame. Por outro lado, as desvantagens são a velocidade de apenas 185 Km/hora, produção de ruido elevado, sistema de controle de trajetória pouco sofisticado e grande vulnerabilidade a todos os tipos de armas… Read more »

Neural
Neural
Reply to  Marcelo
22 dias atrás

Sim nesse ponto de ser preciso uma arma antiaéreo cara pra derrubar um drone Shahed você está certo. Shahed custa bem menos que 50 mil dólares, ele usa um motor de motocicleta Chinesa e eletrônica comercial. Custo estimado em 10 mil dólares cada. Vi um vídeo de Ucranianos comemorando a derrubada de um shahed com dois mísseis stinger, o primeiro falhou e outro acertou. Gastaram 200 mil dólares (2 stinger) para derrubar uma drone de 10 mil dólares. Mesmo o Gepard tem munição cara e de difícil acesso, dependendo da quantidade de tiro necessária não vale a pena derrubar o… Read more »

Last edited 22 dias atrás by Neural
Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Marcelo
21 dias atrás

Correções:
Custa R$10.000 e não R$50.000.
O barulho e alto quando já está em cima de você, 40kg de bomba explodindo em cima de você ou caindo perto de você doe. Interessante que se o Iran quiser pode colocar bomba de fragmentação, assim dependendo do alvo o drone não precisa chegar tão perto do alvo e nem ter uma precisão tão boa.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Neural
21 dias atrás

Acho que o diferencial dos lances em relação aos shared 136, são os sistemas óticos dele o que o qualificam para ataque a alvos móveis, o Shared-136 e mais para alvos fixos, só ataca quando recebe o comando por rádio, ou temporizador, a exceção e a versão anti-radar que detecta o sinal do radar e ataca.

cipinha
cipinha
22 dias atrás

Eu lembro que no inicio da primeira década do século XXI quando os drones já eram apostas certeiras, a Rússia parecia está meio atrasada nesse campo, talvez não vissem muitas vantagens

Marcelo
Marcelo
21 dias atrás

A Guarda Nacional da Ucrânia criou cerca de 130 forças-tarefa móveis e mais de 250 grupos de tiro como parte de medidas para combater os ataques de drones russos. Esses grupos são projetados principalmente para combater as munições iranianas Shahed-136 e russas Lancet e Kub. Os grupos geralmente consistem de 4 a 5 militares com duas unidades de MANPADS, equipamentos de comunicação e um veículo. Tais grupos estão dispersos pelo país e recebem informações sobre o tipo de drone e sua direção. E como o problema é o pai da inovação, a Guarda Nacional de Mykolaiv criou um equipamento antidrone… Read more »

Jubert
Jubert
Reply to  Marcelo
21 dias atrás

Amigo, esse site é de pouca confiança e você insiste em postar aqui como referência factual. É cheio de erros de analise, muito propagandista. Tenho curso de open source research e te falo que tem muita mentira sobre essa guerra em portais de fontes ucranianas, russas, e ocidentais, até pelo contexto de guerra aberta de IPSO. As FAU estão no processo de preparo de 200.000 novos soldados a serem formados até março do ano que vem pela OTAN, compensando perdas e para estabilizar o front. A fonte: ISW, RUSI, Defence post, breaking defence. Você acaba induzindo a erros de avaliação… Read more »

Last edited 21 dias atrás by Jubert
Marcelo
Marcelo
Reply to  Jubert
20 dias atrás

Torcida é coisa de estádio de futebol. Campo de batalha é lugar de sangue, suor e lágrimas. A glória está destinada a quem luta no front. Os heróis vivem e morrem em batalha. Quem fica atras de uma mesa é burocrata. Em tempos de internet, a informação está em todos os lugares. Os usuários das informações devem estar preparados para separar o joio do trigo. Aguardando ansiosamente o primeiro vôo de um RQ-9 Reaper nos céus da Ucrânia …

Marcelo
Marcelo
20 dias atrás

Mais um drone russo derrubado pelos Ucranianos. Parece com o Bayraktar fabricado na Turquia, mas é um drone russo raro chamado ‘Corsair’ ou ‘Korsar’, favor não confundir com o míssil guiado antitanque Korsar ucraniano (ATGMs).
https://eurasiantimes.com/russias-duplicate-bayraktar-drone-shot-down-by-kyiv-forces-moscow/?amp

FhKxyNfXoAA_bHg.jpeg
Last edited 20 dias atrás by Marcelo

Últimas Notícias

Empresa alemã produzirá munição do Gepard na Espanha

A Rheinmetall, depois de adquirir o mundialmente famoso fabricante espanhol de munições Expal Systems SA, planeja estabelecer a produção...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -