domingo, dezembro 4, 2022

Saab RBS 70NG

Míssil de cruzeiro russo Kh-101 usa módulos de fabricação norte-americana

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Autoridades ucranianas disseram que um componente modular de origem americana foi encontrado nos restos do míssil Kh-101 ontem.

Este anúncio foi feito pelo Chefe do Departamento da Polícia Nacional na região de Kyiv, Andriy Nebitov, no Telegram. A análise preliminar mostra que este módulo específico consiste em componentes não cobertos pelas sanções econômicas existentes impostas à Rússia devido à invasão da Ucrânia.

O míssil foi abatido pelas Forças Armadas da Ucrânia. As imagens publicadas na internet mostram componentes produzidos pela norte-americana Vicor. Aparentemente, essas partes específicas são usadas no sistema de energia do míssil – o conversor de energia Vicor DC-DC pode ser visto claramente nas imagens de abertura. A foto completa dos restos do foguete é mostrada abaixo:

A Vicor é uma empresa americana que também é conhecida no mercado internacional, inclusive no setor aeroespacial. Também está incluído na lista de fornecedores de peças para o Pentágono.

Parece também que muitos dos componentes da Vicor não estão cobertos pelas sanções econômicas existentes e podem ser adquiridos em diferentes plataformas de comércio eletrônico. Isso também indica que a indústria militar russa está ainda mais relacionada a peças de fabricação estrangeira do que se supunha anteriormente, e ainda há mais espaço para fazer essas sanções funcionarem de maneira mais eficaz.

FONTE: Technology.org

- Advertisement -

50 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
10 dias atrás

Mísseis russos com componentes norte-americanos…
F-35 norte-americanos com componentes Made in China…

Me lembrou a música “Titãs – Disneylandia”

R1c4zd0
R1c4zd0
Reply to  Willber Rodrigues
9 dias atrás

Comparar o componente eletrônico fundamental para este míssil funcionar com o caso do F-35 onde a empresa fornecedora terceirizou uma peça não-crítica por um fornecedor mais barato, é no mínimo um descuido ou desonestidade, dependendo do nível de conhecimento do comentarista sobre a distinção da importância de ambos os casos

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  R1c4zd0
9 dias atrás

“Peças não críticas”
Até os chips sensíveis estavam cheias de componentes “made in China”, então não me venha com seu sermão de moral de quinta categoria pro meu lado.

Fábio CDC
Fábio CDC
Reply to  R1c4zd0
9 dias atrás

Nada a ver, Cavalheiro. O Senhor Wilber fez uma observação correta e verdadeira. Ambas as nações cometem o equívoco de empregar em suas armas componentes estrangeiros dessa natureza, quando deveriam produzir 100% localmente a fim de evitar embargos.
.
Só no que caso do F-35, o problema é muito mais sério. E o Senhor sabe disso, já que, dependendo das circunstâncias, toda 1 frota pode ficar aterrada.

WSilva
WSilva
Reply to  R1c4zd0
9 dias atrás

Deve haver diversas peças ”não-críticas” em um F-35, se os envolvidos começarem a pensar da forma que você pensa, então uma boa porcentagem do F-35 será made in China, certo? rs

AMX
AMX
Reply to  R1c4zd0
6 dias atrás

Trazer o “nível de conhecimento” do coleguinha pro debate, também não é honesto.
Todo mundo aqui é entusiasta, obviamente, uns conhecem mais, outros menos, mas não passamos de entusiastas. Não é demérito, mas não custa lembrar: não passamos de entusiastas, salvo um caso ou outro.
Especialistas, na real acepção da palavra, com certeza não perdem seu tempo aqui.

Gerson Carvalho
Gerson Carvalho
Reply to  R1c4zd0
5 dias atrás

Quem disse que é o componente fundamental do míssil? Qualquer aluno de engenharia elétrica faz uma fonte dessas

Teófilo
Teófilo
9 dias atrás

É a globalização.

Antunes 1980
Antunes 1980
9 dias atrás

Sinceramente, quando todos descobrirem que russos, americanos, europeus e chineses simplesmente são um sistema único, que se ajudam mutuamente em prol da exploração da população através de ideologias antagônicas, fomentando guerras, conflitos e nutrindo a indústria bélica.
Esse fla flu acaba de uma vez.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Antunes 1980
9 dias atrás

Concordo, por isso que eu costumo dizer que são todos farinha do mesmo saco no quesito política externa, na Síria, tropas russas e americanas convivem numa boa, tiram até fotos juntos, se bobear, frequentam o mesmo bar no fim da tarde, o máximo de atrito entre russos e americanos na Síria foi um “pega” entre blindados, nada além disso.

Underground
Underground
Reply to  Antunes 1980
9 dias atrás

Isso, isso, isso….
O único que está fora do esquema é o Brasil.

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  Underground
8 dias atrás

Alguém escreveu na trilogia a seguinte frase “o Brasil não perde a oportunidade de perder uma oportunidade” …essa frase ficou marcada . Mais claro que as estrelas do céu.

gordo
gordo
Reply to  Antunes 1980
9 dias atrás

Não são um sistema único, os EUA, UE, Austrália e Nova Zelândia fazem parte do ocidente que ascende lá em 1492 com a descoberta da América. A China comeu o pão que o diabo assou não mão dessa turma aí, já a Rússia teve força para não se subjulgar, mas também nunca foi aceita. A China está integrada a essa engrenagem, mas trabalha forte para criar uma estrutura para chamar de sua.

WSilva
WSilva
Reply to  gordo
9 dias atrás

Os russos foram dominados pelos mongóis.

.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Antunes 1980
9 dias atrás

Exato, por isso temos que ser independentes….

WSilva
WSilva
Reply to  Antunes 1980
9 dias atrás

”Sinceramente, quando todos descobrirem que russos, americanos, europeus e chineses simplesmente são um sistema único”

Improvável, a não ser que nem mesmo eles saibam que são controlados por uma única entidade.

O problema agora é definir ”entidade”. rs

Alberto
Alberto
Reply to  Antunes 1980
8 dias atrás

Acredito que realmente americanos e europeus não estão do mesmo lado de russos e chineses, muitas vezes tem interesses pontuais comuns e acabam sendo pragmáticos, mas são dois blocos antagônicos que lutam um contra o outro. Sim, em outubro de 1492 com a chegada dos primeiros europeus as Américas, meses depois de janeiro de 1492 quando finalmente a Espanha se libertou completamente do domínio mulçumano, os europeus iriam começar a ascender devido um continente inteiro pra saquear, mas iria demorar, o Oriente ainda tinha muita força, tanto que em 1683 o Império Otomano sitiava Viena, e a China só foi… Read more »

Ramon
Ramon
9 dias atrás

Isso me lembra um trecho desses novos materiais de star wars, não vou me lembra se vi isso em algum filme ou serie mais recente, onde em uma parte onde estão debatendo sobre o financiamento e os interesses por de trás da guerra e fica explicito que um mesmo grupo vendia equipamentos para a construção dos xwing da aliança rebelde/republica e para a construção dos tie fighter império/primeira ordem.

tsung
tsung
Reply to  Ramon
9 dias atrás

desse jeito

NEMO revoltado
NEMO revoltado
Reply to  Ramon
9 dias atrás

Olha só, vendo armas para os bandidos e ….

E para os mocinhos tambêm!

😐😐😐

ChDegelo
ChDegelo
Reply to  Ramon
9 dias atrás

Você está se referindo a um trecho do Filme “Rogue One” da saga Star Wars. Os protagonistas fogem de um planeta com a ajuda de um contrabandista de armas e descobrem que ele vende para seus inimigos. Para se justificar ele mostra os projetos do X-Fighters que também forneceu aos rebeldes.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
9 dias atrás

Aqui pouco vão encontrar os chips de geladeira.

Arthur
Arthur
9 dias atrás

Ué??? Os caras não são favoráveis à globalização??? Nunca estão satisfeitos??? Pior se fosse com chips de geladeira ucraniana!!

Henrique
Henrique
Reply to  Arthur
9 dias atrás

quem é contra a globalização é a Rússia… pra quem aprova a globalização isso é presente kkkkkk

Jorge P
Jorge P
9 dias atrás

Mesmo assim do parafuso ao foguete. Uma coisa é não ter como fazer, outra é o melhor preço…

Last edited 9 dias atrás by Jorge P
Mazzeo
Mazzeo
9 dias atrás

O interessante nessa notícia é o tipo da peça.
Um conversor DC-DC não é “tecnologia da nasa”, mesmo sendo um componente que necessita de precisão, não é nada demais.
Será o custo de aquisição ou disponibilidade que levou ao seu uso ?

IvanF
IvanF
Reply to  Mazzeo
9 dias atrás

Provavelmente Mazzeo!
Digo mais, talvez até uma certa “provocação” russa, mas o mais provável é que fosse simplesmente mais barato pro requerido.
Como vc falou, conversor DC-DC não é nada de mais, tanto que não tem venda restrita. A china fabrica isso aos montes por sinal.

Zezão
Zezão
Reply to  Mazzeo
9 dias atrás

Não é nada de mais, será? A faixa de temperatura padrão pra circuitos integrados de uso militar é de -55 a +125 graus Celsius, enquanto pra uso civil varia de 0 a +70 graus Celsius, a diferença é bem grande! Saiba que um bombardeiro russo Tupolev Tu-95, que pode lançar um míssil Kh-101, ultrapassa 13 mil metros em relação ao solo, nesta altitude a temperatura externa chega a -55 graus Celsius. Fabricar um conversor DC-DC que aguenta operar na faixa de -55C a +125C não é nada fácil, vc pode tentar usar componentes de uso industrial que opera numa faixa… Read more »

Last edited 9 dias atrás by Zezão
Mazzeo
Mazzeo
Reply to  Zezão
9 dias atrás

Caro colega
Concordo em partes com você, não é um item “vendido no AliExpress” por conta das variáveis ambientais e da precisão requerida, MAS (maldito mas) um país que fabrica um TU-95 não deve ter dificuldade nenhuma de fabricar um módulo DC-DC que funcione nessas especificações.
Por qual motivo usar um item americano em um dos seus principais mísseis ?
Preço ? Disponibilidade ? Dificuldades na aquisição de matéria prima para fabricar ?

São perguntas interessantes

Zezão
Zezão
Reply to  Mazzeo
9 dias atrás

Amigo,
Os russos não possuem nenhuma grande empresa de origem nacional que fabrica módulos DC-DC pra uso civil, imagina se for pra uso militar?

Mazzeo
Mazzeo
Reply to  Zezão
8 dias atrás

Zezão, Sua resposta acaba só reforçando o meu questionamento. Afinal por qual motivo eles não tem, já que é uma tecnologia que eles certamente possuem afinal, no auge do seu programa espacial mandaram naves para a lua, vários satélites, mesmo sondas lunares que precisam de módulos DC-DC que trabalham com variáveis ambientais até mais extremas. E não havia a época a menor possibilidade de conseguir esse material dos EUA ou da Europa. Quem sabe com os Alemães Orientais ? Ou mesmo os Ucranianos ? Importação por prepostos ? Possível, mas por quais motivos ??? Esqueceram como fazer ? Acho difícil… Read more »

Maurício Oliveira
Maurício Oliveira
9 dias atrás

É proibido?

Henrique
Henrique
Reply to  Maurício Oliveira
9 dias atrás

não, mas é engraçado kkkkk

glasquis 7
9 dias atrás

Não vejo onde está o motivo de tanta “surpresa”. Por quanto tempo a NASA usou motores russos?

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
Reply to  glasquis 7
9 dias atrás

era isso ou não ir ao espaço hehehehehe

Henrique
Henrique
Reply to  glasquis 7
9 dias atrás

sim, normal do jogo

Last edited 9 dias atrás by Henrique
Cassini
Cassini
Reply to  Henrique
8 dias atrás

Mas que é engraçado a super blaster NASA depender de motores russos em seus foguetes, isso é. Kkkkkk

Henrique
Henrique
Reply to  Cassini
6 dias atrás

é.. kkkk

agora ela não depende mais.. outra vitória do putin né

IvanF
IvanF
Reply to  glasquis 7
9 dias atrás

Acho que a diferença, nesse caso, é que os motores só a Rússia tinham disponível, conversor DC-DC tem em toda esquina rsrsrsrs
Mas não vejo como uma surpresa, acho que vale mais pela “ironia” da coisa mesmo.

AMX
AMX
9 dias atrás

Artigo pequeno que diz muito.
Interessante mesmo.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
9 dias atrás

hehehehehehe.e ficou bem embalado até.

Henrique
Henrique
9 dias atrás

esse tipo de matéria é aquele prego no caixão do sujeito que acha que países tem que autossuficientes…. se até a Rússia está pegando componente estrangeiro no meia da guerra pra fazer sua armas funcionar pq então o Brasil tem que ir na contra mão e ter fabricas de tudo aqui… e ainda mais nacionais, com capital nacional (e com dedinho do estado ainda) kkkk

WSilva
WSilva
Reply to  Henrique
8 dias atrás

”esse tipo de matéria é aquele prego no caixão do sujeito que acha que países tem que autossuficientes”

Países comuns não precisam ser autossuficientes em tudo, superpotências precisam, pelo menos em quase tudo.

O Brasil não é um país comum, logo precisa ser autossuficiente em quase tudo.

Henrique
Henrique
Reply to  WSilva
7 dias atrás

nenhuma superpotências é autossuficientes… por isso são superpotências. elas não perdem tempo construindo um bagulho que custa 10x dentro de casa só pra ter…

e o Brasil nunca será potencia enquanto continuar com uma administração pré-histórica que acha que Desenvolvimentismo é o caminho

Marcelo
Marcelo
9 dias atrás

O Centauro || venceu a concorrência do exercito para fechar em 2022 com chave de ouro !!

Marcos
Marcos
9 dias atrás

OFF

E vamos de Centauro! Foi o blindado escolhido pelo Exército Brasileiro.

RPiletti
RPiletti
Reply to  Marcos
9 dias atrás

Pegou a informação de que fonte?

suterminator
suterminator
9 dias atrás

Então os mísseis que caem na Siria, Líbia etc, são de componentes made in usa? vão sancionar?

Leo Barreiro
Leo Barreiro
9 dias atrás

Aquela PCB amarela, me lembra as PCB’s que fazíamos no curso técnico!

Parece até que foi feita de forma manual e as soldas dos componentes idem!

Marcelo
Marcelo
8 dias atrás

Agora não vai adiantar sancionar esse converso pq os russos deve ter um reserva grande estocados para poder continuar a fabricação de míssil no tempo de guerra !!!

Últimas Notícias

Empresa alemã produzirá munição do Gepard na Espanha

A Rheinmetall, depois de adquirir o mundialmente famoso fabricante espanhol de munições Expal Systems SA, planeja estabelecer a produção...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -