por Rachel Nostrant

Pete Reed vestia uma camisa havaiana, uma de suas favoritas, quando ele e sua esposa finalmente se reencontraram no início de fevereiro. Voluntários fizeram o possível para limpar o veterano da Marinha, 33, que prestava assistência médica na região leste de Donetsk, na Ucrânia, quando sua ambulância foi atingida por munições russas.

A cabeça de Reed foi cuidadosamente enrolada em toalhas. Ele estava envolto em cobertores térmicos, do tipo geralmente distribuído após desastres ou no final de maratonas para manter as pessoas aquecidas.

Ao lado de seu marido em um necrotério na Ucrânia, Alex Kay Potter sabia que tinha tido sorte. Dois voluntários – um deles um colega fuzileiro naval – foram resgatar o corpo de Reed depois que a área do ataque da ambulância foi limpa, uma gentileza que a ajudaria a trazer seus restos mortais para casa mais rapidamente.

Potter já havia estado em zonas de conflito antes, tendo conhecido e se apaixonado por Reed no norte do Iraque anos antes, onde ele cuidava de vítimas das forças iraquianas e curdas enquanto ela fazia reportagens sobre a guerra contra o Estado Islâmico. Mas desta vez, seu propósito era diferente quando ela começou o árduo processo de tentar tirar o corpo de Reed da Ucrânia devastada pela guerra.

Reed é o mais recente dos sete americanos conhecidos por terem sido mortos lutando na Ucrânia desde a invasão da Rússia em 24 de fevereiro de 2022. Embora os EUA não estejam oficialmente envolvidos na luta no conflito, o aniversário da guerra marca uma devastação sentida por entes queridos da mesma forma que aqueles perdidos na Guerra ao Terror quando centenas de americanos correram para o país, alguns para lutar , alguns para fornecer outras ajudas.

O processo de enterrar os mortos no conflito, no entanto, não foi marcado por caixões cobertos com bandeiras no C-130 Hercules ou retornos escoltados pela Base Aérea de Dover , Delaware. Em vez disso, traz à tona a incerteza de lutar em uma guerra estrangeira que não promete deixar ninguém para trás. As famílias podem passar meses esperando para saber o destino de seus entes queridos, antes de serem forçadas a se arrastar por montanhas de papelada e atrasos intermináveis ​​antes que possam descansar os mortos.

Potter estava trabalhando no turno da noite como enfermeira registrada em 2 de fevereiro, quando, por volta das 4 da manhã, ela recebeu um telefonema do fundador da Global Outreach Doctors, a organização com a qual Reed estava trabalhando para fornecer ajuda médica aos presos na guerra na Ucrânia, contando a ela sobre a morte de seu marido.

Imediatamente, Potter tentou obter confirmação de todos que pôde, ligando para dezenas de pessoas e contatos com várias organizações da área, o Departamento de Estado e amigos ou colegas. Alguns disseram a ela que ele estava em uma ambulância a caminho do Dnipro, vivo e bem. Outros disseram a ela que ele havia sido morto imediatamente.

“O momento em que estávamos questionando onde ele estava foi uma tortura para mim”, disse Potter em uma entrevista recente.

Após cerca de 18 horas, seus piores temores se confirmaram quando uma amiga lhe enviou um vídeo do ataque que estava circulando nas redes sociais. Mostrava o marido sendo agredido. Ela foi capaz de identificar sua forma deitada mesmo na filmagem borrada.

“Eu sei como é o corpo do meu marido”, disse ela.

Um telefonema do Federal Bureau of Investigation adicionou outra camada de confirmação de que Reed havia sumido. O FBI se envolveu porque um ataque a pessoal médico civil é considerado um crime de guerra, e o ataque direcionado à ambulância de Reed parecia se encaixar no projeto.

Foi só depois que Potter confirmou a identidade de seu marido por meio de fotos de sua tatuagem do Corpo de Fuzileiros Navais e outros voluntários no local que ela foi contatada pelo Departamento de Estado sobre sua morte e como trazê-lo para casa.

Quem ajuda a trazer um lar americano

Quando um americano é morto no exterior – seja em um conflito estrangeiro ou simplesmente durante uma viagem turística – o Bureau de Assuntos Consulares do Departamento de Estado é a agência governamental de plantão. Com o melhor de suas habilidades, o BCA deve confirmar a morte e, em seguida, informar e ajudar as famílias e amigos a obter os documentos necessários para trazer seu ente querido de volta e resolver seus assuntos.

Um ano após o início da guerra, a parte mais difícil de resgatar um americano caído é levá-lo a um local seguro o suficiente para ser exfiltrado. Voluntários ou soldados que lutam na Ucrânia têm sido amplamente responsáveis ​​pela recuperação dos restos mortais americanos.

De acordo com Potter, os entes queridos normalmente não recuperam os corpos sozinhos, mas ela queria estar lá para ele uma última vez.

“O processo oficial é que você deve trabalhar com uma funerária que facilita a papelada e a transferência”, disse ela. “É um pesadelo logístico.”

A papelada necessária inclui um relatório de autópsia, um atestado de óbito, um certificado de permissão de cremação, se for preferível ao enterro, e – entre outros documentos menores – um Relatório Consular de Óbito no Exterior. O documento é emitido por um consulado ou embaixada dos EUA, confirma o relatório da autópsia e ajuda as seguradoras e agências de benefícios a lidar com o patrimônio do falecido quando ele volta aos Estados Unidos.

Como parte de seu papel, o Departamento de Estado deve ajudar a facilitar o árduo processo, explicando e assinando os documentos necessários e fornecendo uma lista confiável de necrotérios, funerárias e crematórios que podem ser usados. Quando Potter foi buscar o marido, ela foi informada de que todo o processo poderia levar semanas, se não mais.

“Eu estava tipo, ‘Absolutamente não'”, disse Potter sobre a ideia. “Então, fiz mais do jeito do jornalista, que é trabalhar com um local, um intermediário, que basicamente eliminou o intermediário e conseguiu para nós toda essa papelada necessária.”

Se Potter não tivesse ido pessoalmente trazer Reed de volta, ela acrescentou, levaria pelo menos mais de um mês para trazê-lo para casa.

“Quando você está no exterior, você está sob a jurisdição dessa entidade legal, daquele país”, disse em entrevista um funcionário do governo dos EUA com conhecimento do processo de “morte no exterior” do Bureau of Consular Affairs. “Uma morte em combate, especialmente, é uma morte única”, acrescentaram. “Seja em um conflito na América do Sul ou em outro lugar, complica a situação.”

No caso de Joshua Jones, de 24 anos, morto em agosto do ano passado, seus restos mortais finalmente chegaram em casa em 7 de fevereiro. políticas aduaneiras e logísticas; Os restos mortais de Jones primeiro tiveram que ser devolvidos aos aliados ucranianos como parte de uma troca de reféns em outubro e, em seguida, uma investigação sobre crimes de guerra e problemas com testes de DNA para confirmar sua identidade paralisou ainda mais o processo.

Misty Gossett, a mãe de Jones, disse à CNN que, depois de expressar sua frustração com a demora para trazer seu filho para casa, ela recebeu uma mensagem de texto concisa de um oficial da Legião Estrangeira Internacional de Defesa Territorial da Ucrânia.

“Preste atenção ao fato de que um número [sic] de soldados ucranianos falecidos é enorme, seus pais e esposas querem identificar seus corpos tanto quanto você”, dizia o texto. “No entanto, temos apenas uma instituição de Office of Chief Medical Examiner e as pessoas esperam meio ano para obter resultados.”

Jones foi enterrado perto de sua família em Memphis, Tennessee.

Assuntos dos Veteranos e Custos Funerários

Além da papelada e da dor de esperar para deixar um ente querido descansar, o processo também pode levar a milhares de dólares em contas. A responsabilidade pelo custo de repatriar os restos mortais de um americano caído é dos parentes mais próximos. Estimativas oficiais recentes de 2017 mostram uma média de cerca de US$ 3.000 para repatriar restos mortais da vizinha Polônia, já que o espaço aéreo ucraniano ainda está fechado.

Esse número não inclui o custo de retirada dos restos mortais da Ucrânia devastada pela guerra e, de acordo com a Embaixada dos Estados Unidos na Polônia , também não inclui o custo de preparação dos restos mortais. A preparação para envio de cinzas e restos varia de US$ 790 a US$ 2.900. As taxas de cremação, que é como Reed desejava ser enterrado, podem custar cerca de US$ 155.

Potter disse que estava grata por vários grupos terem trabalhado para ajudar a homenagear Reed. “Recebi apoio [financeiro] da Go Docs e da [Global Response Medicine]”, disse ela. “Tive que pagar muito, muito pouco. Ele tinha uma rede enorme de pessoas.” A Global Response Medicine é a organização de ajuda humanitária que o casal ajudou a fundar depois de se conhecer no Iraque.

Para veteranos ligados ao serviço, o Departamento de Assuntos de Veteranos pode oferecer algum apoio financeiro. Um subsídio de enterro está disponível para o parente mais próximo de um veterano qualificado: aquele que foi dispensado em todas as condições exceto desonrosas e que se qualificou para benefícios de veteranos no momento de sua morte, entre outros requisitos. A partir de 2014, isso pode chegar a $ 300 para mortes não relacionadas ao serviço – o que incluiria combates na Ucrânia – e mais de $ 700 para taxas de enterro se não forem enterradas em um cemitério nacional.

De acordo com um porta-voz do VA, os veteranos que lutam na Ucrânia provavelmente não perderão nenhum de seus benefícios, pois isso não conta como retorno ao serviço ativo, a menos que seja para os militares dos EUA. Em última análise, se um veterano acabar fazendo o sacrifício final, os benefícios que ganhou em vida não serão perdidos com a morte.

“Geralmente, um veterano segurado servindo em uma unidade militar na Ucrânia não perderia a cobertura do seguro de vida”, disse o porta-voz. “No entanto, uma ressalva a isso diz respeito a um veterano que tem cobertura de seguro de vida e seus prêmios são dispensados ​​devido à invalidez total.”

Como um veterano com a classificação de deficiência “completa e total” não deve ser fisicamente capaz de lutar, aquele que o fizer pode perder os benefícios normalmente concedidos a uma pessoa com essa classificação. Se um veterano viajar para a Ucrânia e se envolver como consultor pago – o que o VA pode determinar como “emprego remunerado” – a isenção do prêmio também será descontinuada.

Para os americanos que foram para a Ucrânia para repelir a invasão ou fornecer ajuda, a possibilidade de morte e o fardo que isso representaria para seus entes queridos não costumam ser pensados.

“Ninguém espera morrer, mas você precisa lembrar que eles podem”, disse Potter.

Quando Reed partiu para a Ucrânia, Potter estava preocupada com o marido, mas apenas minimamente por causa do tempo que passaram juntos em outras zonas de guerra. “Fomos a todos os lugares juntos, fizemos tratamentos juntos, avaliações juntos e em cenários bastante incompletos”, disse ela. “E nunca houve um momento em que estive com ele em que senti que estava em perigo, porque ele era incrivelmente inteligente.”

A dupla não havia conversado sobre a logística de uma possível perda de vida antes da morte de Reed, porque mesmo que ele estivesse indo para uma zona de guerra, não parecia uma necessidade.

“Lembrem-se de que vocês se amam”, disse ela, e depois, no humor irreverente compartilhado por todas as famílias de militares, “e lembrem-se de compartilhar suas senhas e documentos.”

— Rachel Nostrant é veterana do Corpo de Fuzileiros Navais e jornalista freelancer, com trabalhos publicados na New York Magazine, Insider e Military Times.

FONTE: Military.com

Subscribe
Notify of
guest

14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Humilde Observador
Humilde Observador
1 ano atrás

Deve ser complicado mesmo, principalmente porque não foram para lá como representantes oficiais do Estado (militares regulares, mesmo que exista apoio estatal por trás), mas, mesmo assim, e sabendo que regulamentos são rasgados extraoficialmente em certas condições (principalmente por alguns países), eles não poderiam ser amparados pela Convenção de Genebra, ao menos os que não se caracterizassem como mercenários?

Maurício.
Maurício.
Reply to  Humilde Observador
1 ano atrás

Essas convenções e tribunais internacionais vão do gosto do freguês, os próprios americanos não reconhecem o Tribunal Penal Internacional, ou, Tribunal de Haia, inclusive, ameaçaram funcionários do tribunal que investigam supostos crimes de guerra dos EUA no Afeganistão, como eles vão pedir um amparo para mercenários americanos, sendo que nem eles respeitam o TPI?

Humilde Observador
Humilde Observador
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Obrigado por evidenciar esse ponto.

Miragaia
Miragaia
1 ano atrás

Americanos enfrentando russo que mata checheno a facadas.
É ruim, hein!
Já deve ter morrido um monte.

Bacchi
Bacchi
Reply to  Miragaia
1 ano atrás

Uau sao os power ranger soviéticos

Maurício.
Maurício.
1 ano atrás

O texto é cheio de romantismo, mas a realidade é dura e cruel, os americanos mortos nessa guerra eram mercenários, simples assim, foram combater por dinheiro, o dinheiro, muitas vezes cobra o seu preço.

Maurício Oliveira
Maurício Oliveira
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Mercenário não é só da Rússia? E ainda presidiário?

Heinz
Heinz
Reply to  Maurício Oliveira
1 ano atrás

não, existem mercenários dos dois lados, deixa de piadinha ideológica.

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
1 ano atrás

os ganhos podem ser altos mas o risco também…

Danilo Gentili 2026
Danilo Gentili 2026
1 ano atrás

“ataque a pessoal médico civil é considerado um crime de guerra.” Rússia merece todas as derrotas e dores. O fim da guerra será em Moscou, com o Kremlin pegando fogo. Slava Ukraine!

Last edited 1 ano atrás by Danilo Gentili 2026
Claudio Moreno
1 ano atrás

Boa noite de sexta-feira a todos os Senhores camaradas do Forte! Como sempre gosto de frisar antes de iniciar meus comentários (poucos por sinal), eu não estou nem aí para que ganhe ou perca essa guerra estúpida de procuração, me preocupo com o meu País, com o meu Brasil e meu Co-patriotas, entretanto eu penso que as palavras abaixo não devem ser enviadas a uma mãe enlutada que perdeu seu estúpido filho em uma guerra que não era de seu país: “Preste atenção ao fato de que um número [sic] de soldados ucranianos falecidos é enorme, seus pais e esposas… Read more »

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Americanos, ingleses, canadenses e franceses têm sido importantes no campo de batalha.
Os estrangeiros tem elevado o nível das forças ucranianas.
Vide o lamaçal que a Rússia não consegue sair. A mais de 180 dias nenhum avanço maior que 100km.
Bravos voluntários!

Machado
Machado
1 ano atrás

Que sirva de aviso aos futuros mercenários que a Ucrânia não é Iraque, Afeganistão, Líbia ou Síria. Na Ucrânia é guerra total. É assim que vcs voltarão para casa caso enfrentem a poderosa e invencível Rússia. Seus parentes aguardam vcs de volta em sacos plásticos

Last edited 1 ano atrás by Machado
Márcio Teodoro da Silva
Márcio Teodoro da Silva
11 meses atrás

Matéria pro-americana rs…atacadas por forças iraquianas no Iraque. Claro, invadiram um país sem motivo e mataram quase 1 milhão de iraquianos. Genocidas…

Last edited 11 meses atrás by Márcio Teodoro da Silva