O Governo da Ucrânia enviou um pedido ao Ministério da Defesa do Brasil para a exportação de veículos blindados Guarani para o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia. O pedido refere-se a 450 unidades de veículos blindados de evacuação médica.

A informação foi publicada pelo site TecnoDefesa.

O documento endereçado ao Ministério da Defesa do Brasil informa que os equipamentos serão pintados nas cores vermelho e amarelo. Será usado para evacuar a população civil e transportar os feridos da zona de guerra.

Ressalta-se que tal acordo seria importante para o Brasil, pois garantiria o desenvolvimento de uma versão médica do Guarani APC. Além disso, ajudaria a expandir a linha de produção dos Veículos de Defesa Iveco na cidade de Sete Lagoas.

É também uma oportunidade de retomar o desenvolvimento de outras versões do Guarani. Sabe-se que a partir de 2021 foi concluída apenas a versão VBTP, que é uma versão de transporte militar Guarani. Todas as outras opções estão em desenvolvimento.

Além disso, destaca-se que a Ucrânia está disposta a adquirir um veículo com sistema de controle brasileiro C2.

É um sistema que atualiza o comandante do veículo com informações sobre o estado do veículo e dados externos, como geolocalização e imagens de câmeras de monitoramento. Além disso, pode coletar informações de plataformas externas. Em viaturas de combate, o C2 também coleta informações sobre quantidade de munição, direção do tiro e alvos, etc.

Os veículos solicitados pela Ucrânia devem ser pagos pelos aliados e garantidos para realizar missões humanitárias. Fontes informam que o ministro da Defesa brasileiro ainda não recebeu a carta, embora ela tenha sido enviada no final de abril.

Ressalte-se que, anteriormente, a Ucrânia já havia enviado ao Brasil um pedido de compra entre 100 e 1.500 unidades de veículos Guarani na versão transporte militar. A IDV também apelou ao governo para obter permissão para iniciar o processo de negociação. Esses pedidos foram rejeitados.

Se desta vez houver rejeição, o Brasil pode comprometer sua imagem perante a comunidade internacional, já que não é uma venda de equipamento militar que está em questão.

O Guarani é uma família de veículos anfíbios blindados 6×6 de 20 toneladas desenvolvidos em conjunto pela Iveco Veículos de Defesa e o Exército Brasileiro sob um contrato de 2009.

Com 6,9 metros de comprimento, 2,7 metros de largura e 2,3 metros de altura, pode ser transportado por aeronaves C-130 Hercules e KC-390.

Esta família de veículos blindados pode ser equipada com torres tripuladas e não tripuladas com armas que variam entre 5,56 e 30 mm. O design do equipamento é modular, o que permite escolher a configuração desejada pelo cliente sem trabalhos desnecessários de engenharia.

O Guarani pode ser concebido como veículo de combate, veículo de reconhecimento, posto de comando móvel, veículo de evacuação ou ambulância.

FONTE: mil.in.ua

Subscribe
Notify of
guest

80 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
SGT MAX WOLF FILHO
SGT MAX WOLF FILHO
11 meses atrás

Brasil deveria fazer como a Turquia fez com os Bayraktar, a Turquia vendeu para a Ucrânia, porem alegou que foi a empresa que vendeu diretamente e não o governo, afinal daria certo porque a Iveco não é estatal! Assim não arrumou problemas com a Rússia!

Last edited 11 meses atrás by SGT MAX WOLF FILHO
C G
C G
Reply to  SGT MAX WOLF FILHO
11 meses atrás

Quando o assunto é indústria de defesa o Brasil é uma lesma lerda, venho falando faz tempo que essa neutralidade não é boa, estamos perdendo muitas oportunidades!

SGT MAX WOLF FILHO
SGT MAX WOLF FILHO
Reply to  C G
11 meses atrás

A Turquia esta jogando dos dois lados, assim como a Índia e estão ganhando, nossa diplomacia mesmo é boa só pra fazer festas com gringos e usar tóxicos.

Sagaz
Sagaz
Reply to  C G
11 meses atrás

Se houvesse o interesse o eventual parceiro da Ucrânia compraria e repassaria para a Ucrânia. Melhor seria vender aqueles helicópteros sucata russos logo para algum governo europeu, serviria para os ucranianos ao menos canibalizar.

SGT MAX WOLF FILHO
SGT MAX WOLF FILHO
Reply to  SGT MAX WOLF FILHO
11 meses atrás

A propriedade intelectual é a área do Direito que, por meio de leis, garante a inventores ou responsáveis por qualquer produção do intelecto – seja nos domínios industrial, científico, literário ou artístico – o direito de obter, por um determinado período de tempo, recompensa pela própria criação.

Reinaldo.
Reinaldo.
Reply to  SGT MAX WOLF FILHO
11 meses atrás

Acho o mundo tá se corruendo como o câncer corroem seus membros não é o poder de fogo que vai ganhar porque quando não tiver mais oque mostrar
AE sim vai vim o fracasso porque o mundo vai se revolta e dará o droco a
Altura.

eliton
11 meses atrás

Se fosse 450 Urutus e Marruas ambulancia ate que dava para acreditar, agora 450 unidades de um veiculo que so existe em PDF é meio complicado, sem falar no tempo do processo de criar um prototipo, fazer os testes e mandar para a linha de produção. quando o Brasil terminar de montar os 450 a Ucrania ja vai estar sendo reconstruida. “Os veículos solicitados pela Ucrânia devem ser pagos pelos aliados ” porque os americanos iriam pagar pelo Guarani sendo que eles devem ter o dobro disso em Styker parado no deserto? Essa historia esta bem esquisita, esta parecendo o Antonov… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  eliton
11 meses atrás

A principal ideia dos EUA e outros países europeus com essa compra era trazer o Brasil pro lado da Ucrânia.
Até 450 veículos não significa que comprará todos.

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  eliton
11 meses atrás

Não é Norte Americanos, é aliados, eu sei que aqui só informam da ajuda Norte-Americana, mas basta ver as ajudas dadas pela UE e pelos países da UE, bem como os Britânicos, pode ser que comecem a informar da ajuda dos aliados como um todo, vão ver ajuda militar, ajuda monetária e ajuda humanitária.

Oráculo
Oráculo
Reply to  eliton
11 meses atrás

É óbvio que eles não querem ambulância coisa nenhuma. Querem que mandam os Guaranis “pelados” pra lá. Chegando na Europa eles colocam uma torre, uma metralhadora e mandam pro front. Mas porque os EUA e a OTAN estão tentando comprar o Guarani? Porque todas as industrias miltares dos auto-intitulados “aliados” estão fabricando, a todo vapor, todo tipo de material bélico para atender suas próprias necessidades. Mandaram muito armamentos pra Ucrânia e ficaram sem reservas nenhuma. Alguns países inclusive ficaram quase “pelados”, com muito menos armamento do que o mínimo necessário parar garantir a própria defesa. Agora a indústria militar euro-americana… Read more »

Geraldo Lessa
Geraldo Lessa
11 meses atrás

Acho difícil.
Primeiro que o Governo brasileiro não tem a mínima afinidade política com a Ucrânia.
Diria até que estão em pólos opostos.
Segundo que a tônica do Brasil é pela paz.
Terceiro que o Brasil tem laços muito mais vantajosos com Rússia.
Sem contar que a Ucrânia está perdendo toda sua estrutura econômica com esse conflito.
Parece ser uma jogada de marketing para tentar atrair o Brasil para a causa ucraniana/ocidental.

Carlos
Carlos
Reply to  Geraldo Lessa
11 meses atrás

Terceiro que o Brasil tem laços muito mais vantajosos com Rússia”, fica a pergunta, em quê? Fertilizantes? Só 22% dos fertilizantes importados pelo Brasil, são importados a partir da Rússia e a Unigel está preparando um aumento na produção de amónio e aumentará a produção de fertilizantes nitrogenados, https://www.youtube.com/watch?v=MB7D_BLFyhM&t=106s, agora se queres ver a parada a passar, é contigo

C G
C G
Reply to  Carlos
11 meses atrás

Essa história do fertilizante foi marketing do falsário para com o agro, a europa reconstruir parte substancial de sua matriz energética e eles vendem a ideia que não existe solução para fertilizante, um problema de ordens de grandeza menor!

Lewandowski
Lewandowski
Reply to  Carlos
11 meses atrás

Só 22%… ahduahduhadu! Só 22! Kkkkkkkkkkkk

Carlos
Carlos
Reply to  Lewandowski
11 meses atrás

“A Rússia é o principal fornecedor destes insumos ao Brasil, respondendo por 22% do total importado anualmente pelo País, de aproximadamente 9 milhões de toneladas.” Resposta à pergunta qual a percentagem de fertilizantes importados vem da Rússia, 9 milhões de toneladas é a quantidade anual importada pelo Brasil e 22% é mais ou menos 1800000 toneladas. A Globo e a UOL falam em 23% importados em 2021. Se pesquisares tens a resposta e sem piada

Foxtrot
Foxtrot
11 meses atrás

Os italianos devem estar “O” com o Brasil KKK.
A diplomacia brasileira está corretíssima nesta situação.
Isso é uma treta dos europeus com apoio direito de seu aliado, o reino ao norte do trópico de Equador.
Eles que cutucaram o “Urso” com vara curta, que resolvam.

Geraldo Lessa
Geraldo Lessa
Reply to  Foxtrot
11 meses atrás

Vamos colocar os pingos nos ‘ is ‘.
A Ucrânia só tem apoio dia países europeus, EUA, Austrália e alguma outra coisa.
O resto do Mundo está, ou neutro ou a favor da Rússia.
Leia-se resto do Mundo como países com mais de 7 bilhões de habitantes.
Ou seja, a população da Terra menos os citados acima.

Lewandowski
Lewandowski
Reply to  Geraldo Lessa
11 meses atrás

Só apoio dos europeus, EUA, Austrália e mais alguns… kkkkkkk!!! 75% do PIB MUNDIAL! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

George
George
11 meses atrás

Está no texto. Só ler.

Charles
Charles
Reply to  George
11 meses atrás

“Os veículos solicitados pela Ucrânia devem ser pagos pelos aliados” LOL Resta saber se os aliados sabem disso e se depois das próximas eleições esse cheque vai ter fundo…. FURADA!

Flavius Belissarius
Flavius Belissarius
11 meses atrás

Acredito que o Brasil devia vender tanto os guaranis na versão ambulância quanto as demais variantes a Ucrânia. Quem sabe poderia-se até colocar os Astros no pacote, é só pagarem bem por isso. O mesmo vale para os Russos. infelizmente se há o caos, então que possamos pelo menos lucrar um pouco dele, mantendo nossos laços diplomáticos com todos os países, mas não nos comprometendo com nenhum, apenas com os nossos próprios interesses.

Wilson França
Wilson França
Reply to  Flavius Belissarius
11 meses atrás

“infelizmente se há o caos, então que possamos pelo menos lucrar um pouco dele, mantendo nossos laços diplomáticos com todos os países, mas não nos comprometendo com nenhum, apenas com os nossos próprios interesses”.
Cara, tu deveria trabalhar no Itamaraty!

Humilde Observador
Humilde Observador
11 meses atrás

Vai ficar entre a cruz e a espada para manter neutralidade diplomática.

Jadson S. Cabral
Jadson S. Cabral
Reply to  Humilde Observador
11 meses atrás

Fazendo papel de otario, deixando de ganhar dinheiro e alavancar sua indústria como todo mundo. Isso que você quis dizer

Wellington jr
Wellington jr
Reply to  Jadson S. Cabral
11 meses atrás

Concordo com suas palavras…

M4l4v|t4
M4l4v|t4
11 meses atrás

Esse pedido, na minha opinião, é um teste. É uma chance que estão dando ao Brasil para não entrar para a próxima fase do joguinho.

Espero que a retaliação europeia e norte-americano a uma eventual rejeição de venda dos Guaranis seja na altura certa. Começando pelo cancelamento de compras de Super Tucano, KC-390 e demais produtos da Embraer e iniciando um processo de transferência do suporte aos clientes de jatos regionais e executivos da Embraer na Europa e EUA para outras empresas menores e, de quebra, revigorar a indústria aeronáutica.

C G
C G
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

Quando se é neutro sempre o agressor é favorecido, é quase um chancelamento, a europa vai lembrar dessa posição do Brasil durante muito tempo e é absolutamente esperada a retaliação com luva de pelica!

Maurício.
Maurício.
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

“Começando pelo cancelamento de compras de Super Tucano, KC-390 e demais produtos da Embraer.”

Credo, tu deve estar até hoje inconformado com o cancelamento da parceria caracu entre Boeing e Embraer, me lembrou um outro comentarista, o Mauricio R, ele também, só desejava coisas “boas” para a Embraer…rsrsrs.

Talisson
Talisson
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

Desejando retaliação ao Brasil?

M4l4v|t4
M4l4v|t4
Reply to  Talisson
11 meses atrás

Sim, muito.

Felipe M.
Felipe M.
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

Desejando o pior ao próprio país.
Temos aqui o Antônio K com o sinal trocado.

Cara, troquem contato no whatsapp e fiquem conversando essa ladainha lá, entre vocês dois.

Não deu pra perceber que ninguém aqui quer ficar vendo toda essa ladainha sua e do lunático multiperfis?

Oráculo
Oráculo
Reply to  Felipe M.
11 meses atrás

Mas esse também é um lunático multiperfis. Só que joga pro lado Ucraniano.

Já é o 4° ou 5° Nick diferente que usa.
Só que o discurso não muda.

A diferença é que o Tônico inventa uns nomes mais pomposos rsrsrsrs

Nilo
Nilo
11 meses atrás

Quem paga a Ucrânia? Me lembra o calote que o Brasill levou no caso do foguete Cyclone e prometem cobrar uma multa que pode chegar a R$ 2 bilhões rsrsrsrsr
Envio mais ……rsrsrsrs….ministro da Defesa brasileiro ainda não recebeu a carta, embora ela tenha sido enviada no final de abril, rsrsrs.

Last edited 11 meses atrás by Nilo
Fighter_BR
Reply to  Nilo
11 meses atrás

É o que eu penso também. Muita falácia por parte da Ucrânia. E nos devem bilhões no Cyclone. Mais fácil os Ucranianos nos darem calote (de novo) do que a Argentina.

Nilo
Nilo
Reply to  Fighter_BR
11 meses atrás

Não esqueça dos representantes ucranianos que prometiam US$ 50 bilhões para erguer uma fábrica de aviões “””comerciais””” em São Paulo rsrsrsrs
A companhia Antonov dizia trazer para cá a fábrica de aviões do modelo AN 38-100, de 27 lugares.Investimento previsto “””era””” de US$ 1 bilhão na Bahia. rsrsrsrs

Last edited 11 meses atrás by Nilo
Geraldo Lessa
Geraldo Lessa
Reply to  Fighter_BR
11 meses atrás

Isso aí é para angariar apoio fora do círculo restrito dela.
A América Latina NÃO apoia a Ucrânia.
Simples assim.

Emerson
Emerson
Reply to  Nilo
11 meses atrás

Deve estar parada em Curitiba, aguardando a conferência kkkkkkk

Nilo
Nilo
Reply to  Emerson
11 meses atrás

Quem quer vender custe o que custar considerando apenas a venda em si?, o Exército? A empresa italiana? o governo?
A pressão pra a venda já começou em condições apenas de uma carta de intensões que ainda não chegou ao destino. Os culpados pelo fracasso já são apontados pela negócios das arabias rsrsrsr

João Augusto
João Augusto
11 meses atrás

Vende e _________. Se o Brasil não vender, outro vai.

EDITADO

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Welington S.
Welington S.
11 meses atrás

Destaque: ”…Guarani para o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia.”

O que nos garantirá, caso essa compra realmente for efetivada, os ucranianos, assim que tiverem em suas mãos o Guarani, não o converterão algumas ou todas as unidades de alguma forma para o combate direto contra os Russos?

bjj
bjj
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

Eles não estão comprando apenas os blindados, mas também um maior apoio do Brasil. Se fosse só pelos blindados, os atuais aliados da Ucrânia poderiam fornecê-los. Dito isto, e considerando que nesse contrato certamente haveria cláusulas proibindo a conversão e uso desses veículos em missões de combate, qualquer tentativa no convertê-los, no mínimo, justificaria uma rescisão e deixaria a frota sem sobressalentes, além é claro de afastar ainda mais o Brasil. Certamente não valeria a pena para eles.

João Augusto
João Augusto
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

Isso não é problema nosso.

Faver
Faver
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

450 ambulâncias? Até parece… Vai ser convertido e usado para outros fins. Além de não se saber o teor da carta e o número exato, que antes eram 100 a 1000, e agora são 450. Tá estranho.

Se vender pode não receber; se vender pode se indispor com um lado; se não vender está perdendo dinheiro; se não vender pode se indispor com o outro lado; Não vender pode ser acertado porque a notícia é uma barrigada. Tá complicado.

Last edited 11 meses atrás by Faver
Allan Lemos
Allan Lemos
11 meses atrás

A posição do Brasil é complicada, mas o cálculo é simples: o lucro dessa possível venda é maior do que a possível perda que o agro terá se os russos resolverem parar de nos vender fertilizantes? Por outro lado, a Rússia também não está em posição de simplesmente retaliar qualquer cliente dos poucos que ainda tem. Com um bom papo, talvez fosse possível continuar de bem com os russos e alegar que vendemos apenas equipamentos que servirão para fins humanitários. Se não quiserem vender, é melhor chegar nos russos e falar “o que vocês nos darão em troca da gente… Read more »

Heinz
Heinz
11 meses atrás

Vende logo, coloca no pacote a versão armada, vende os astros também, tô pouco me lixando se os russos vão gostar ou não, o que importa é lucrar, até parece que se tivesse um conflito entre Brasil e Venezuela os russos não os auxiliariam de alguma maneira. Se o Brasil não vender, isso só demonstra o quão besta somos

Faver
Faver
Reply to  Heinz
11 meses atrás

Quem arca com o prejuízo de não receber pelos veículos enviados? Nós contribuintes? O EB? Quem é o avalista desta transação? Só depois disto tudo em contrato e com garantias bancárias se pensa em iniciar a produção. Sem isto é só fake news para iludir a torcida.

Zorann
Zorann
11 meses atrás

Tem de vender.

É uma oportunidade muito boa para o Brasil, já que o EB pretende diminuir a quantidade de blindados encomendados

bjj
bjj
11 meses atrás

A Ucrânia não é apenas um cliente em potencial para o atual momento, mas também à longo prazo. Essa guerra deixará graves cicatrizes no povo ucraniano, e mesmo que acabe amanhã, é de se esperar que o clima de medo e desconfiança em relação à Rússia faça da Ucrânia uma das nações mais bem armadas da Europa pelas próximas décadas. Eles vão continuar se armando mesmo após o final do conflito para reconstruir, aumentar e ocidentalizar suas forças ao máximo, então essa venda do Guarani, mesmo que inicialmente só na versão ambulância, pode ser a ponta de lança para acordos… Read more »

Humilde Observador
Humilde Observador
11 meses atrás

Eu acho que esse “pedido” é antes de tudo um teste da OTAN para aferir os limites do Brasil e para que o país exerça algum posicionamento mais claro, já que passou muitas mensagens ambíguas ao longo do conflito. Porque se pararem para pensar dias atrás a Ucrânia estava supostamente encerrando tratativas para instalar uma fábrica da Antonov no Brasil. Agora, o mesmo governo que tem parte da propriedade da empresa, com tantos países no mundo para adquirir os tais blindados ambulâncias, procura fazer negócio justamente com o Brasil (não é como se eles não tivessem outras opções). Me parece… Read more »

Humilde Observador
Humilde Observador
Reply to  Humilde Observador
11 meses atrás

Está na cara que é um ultimato e por trás da oferta os EUA estão capitaneando tudo e é uma via de mão dupla, se aceitar é um afago para o Brasil, se recusar o Brasil vai sofrer as consequências.
OS EUA tem aos montes esse tipo de veículo estocado em suas reservas no deserto, sairiam a custo zero. Fora que se fosse para adquiri-los novos, os próprios EUA e várias indústrias de países da OTAN poderiam fornecer veículos, incluindo a própria Iveco Defense que têm outros modelos em seu portfólio fabricados direto na Itália.

Emmanuel
Emmanuel
11 meses atrás

Uma coisa é a Turquia vender. Fazer esse tipo de venda sem temer sofrer uma retaliação porque também é uma potência militar.
Outra coisa é o Brasil vender. País que mal dá conta de patrulhar a sua costa.
Em briga de cachorro grande, caramelo olha de longe.

Bueno
Bueno
Reply to  Emmanuel
11 meses atrás

Tem que lembrar que a Turquia faz parte da OTAN , e a OTAN esta apoiando a Ucrania.

Turquia não esta enviando só drones , segue video de carregamento de Veiculos Blindados Turcos pra Ucrania.

https://www.youtube.com/watch?v=U2KCZ_azoJQ

Humilde Observador
Humilde Observador
11 meses atrás

Esse “pedido” não poderia ter vindo em pior hora. Pressiona o país contra a parede, e o coloca em uma situação delicada de uma forma ou de outra. A diplomacia brasileira vai ter que ser muito habilidosa para sair desse “dilema” sem um grande embaraço.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
11 meses atrás

Estão querendo colocar o Brasil na jogada de qualquer jeito.Melhor sair disso.

BraZil
BraZil
11 meses atrás

Quando a esmola é demais o cego desconfia…uma vez entregues, que destino terão estes blindados. Pensando somente em termos de venda é bacana, mas há outras circunstâncias. Vai que…

Groosp
Groosp
11 meses atrás

O Brasil deixou de vender os Guaranis pra o Iraque por medo do Estado Islâmico e vai deixar de vender para a Ucrânia por afinidade ideológica com a Rússia.

wwolf22
wwolf22
11 meses atrás

a ucrania não deu calote no Brasil no VLS ???

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
11 meses atrás

acho uma excelente oportunidade para todos, e que não pode ser perdida, Afinal uma versão de evacuação e ambulância não tem potencial de criar atrito com a Rússia, pois não é um veiculo de linha de frente de combate. Vamos aguardar se é oficial ?,

Geraldo Lessa
Geraldo Lessa
11 meses atrás

O Prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, enviou carta ao Prefeito de Berlim dizendo que até 500 soldados ucranianos precisam de tratamento especializado para membros perdidos.
Isto todos os meses.
Pede ainda que Berlim pague esse tratamento.
Então, pode confiar que a Ucrânia vai pagar.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Geraldo Lessa
11 meses atrás

E o indivíduo faz piada com algo assim. Ao menos a Ucrânia recorre a algum tratamento, e o lado russo?

Manock
Manock
11 meses atrás

“Se desta vez houver rejeição, o Brasil pode comprometer sua imagem perante a comunidade internacional, já que não é uma venda de equipamento militar que está em questão.”

Gostei desse argumento. Penso que a prefeitura aqui do município deveria comprar uns Guaranis Ambulância pra reforçar o SUS aqui, já que é um equipamento civil.

Dod
Dod
11 meses atrás

E depois a industria de armas brasileira ñ presta

Carlos
Carlos
11 meses atrás

Essa notícia está muito mais para uma jogada de marketing do que algo sério. E o artigo acima está bem confuso e avulso.

Carlos Campos
Carlos Campos
11 meses atrás

sendo ambulância pode vender, a questão é quem paga?

Werner
Werner
11 meses atrás

A coletiva dele ao lado do 1 ministro da Holanda só mostra o tamanho da tragédia que é esse (des)governo.
Disse que o 390 é uma versão melhorada do Hércules,um repórter perguntou sobre a venda de 450 Guaranis para a Ucrânia e o descondenado disse que era fake news,a Saab scania fabrica o Gripen e ficou brigando com um assessor.
Trágico extremamente trágico esse (des)governo,que esse pesadelo acabe logo.
Quanto a venda se os ucranianos pagarem,pois dinheiro dos patrocinadores há e muito,comprem 1000 e ajudem o Brasil.

ORIVALDO
11 meses atrás

Se pagar em cachaça é capaz do Presidente aceitar

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  ORIVALDO
11 meses atrás

Se pagarem em cachaça sairá mais barato.
Porquê o último só aceitava jóias kkkkkkk.

Francisco
Francisco
Reply to  Foxtrot
11 meses atrás

Você tem razão amigo, joia é joia, tem ateu que até crucifixo leva pra casa (na mão grande).

Last edited 11 meses atrás by Francisco
Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
11 meses atrás

Mas esse pedido foi feito mesmo? O Lula falou que é “fake news”.

Torvam
Torvam
11 meses atrás

O posicionamento do assessor de Zelenski, está confundindo o posicionamento da guerra na Ucrânia. No caso do Brasil, uma invasão simplesmente por invadir evidente que haveria a represália por parte do Brasil. Porém na situação da Ucrânia a situação é diferente.
Acho que ninguém gostaria e não se sentiria confortável se um inimigo mortal seu, viesse morar em frente da porta de sua casa, no mínimo você ficaria armado e fazendo de tudo para tirá-lo dali.

Francisco
Francisco
11 meses atrás

É só para deixar de saia justa aqueles que propõe a solução para o conflito “com uma conversa no boteco da esquina e claro tomando uma”, é melhor nem comentar.

Gerson Carvalho
Gerson Carvalho
11 meses atrás

A Ucrânia não tem dinheiro, tudo está sendo financiado pelos países da OTAN e EUA que estão comprando a Ucrânia, já que a divida será impagável. Mas creio que a Russia vai acabar toando tudo.

ODST
ODST
11 meses atrás

Só se for com pagamento adiantado

Tiago
Tiago
11 meses atrás

Bom vendemos sim, pq não? Mas para manter a boa vontade e unir com algo interessante para o país vendemos viaturas Guará 4WS  da Avibrás pintadas como ambulâncias, teria o mesmo efeito. Ela precisa bem mais que a Iveco.

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
11 meses atrás

Pra que eles querem mais veículos se já foram enviados milhares pela Otan? O que aconteceu com eles? Estão em algum hiper, mega, ultra, super estacionamento de veículos militares? kkkkkkk

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
11 meses atrás

A Ucrânia tá parecendo o Sampaoli…

Carlos Crispim
Carlos Crispim
11 meses atrás

Não interessa quem vai pagar, importa é que bancos vão financiar, eles pagam e o dinheiro entra …mas desconfio que o negócio não vai vingar, aqui tudo é difícil, a mentalidade estatal predomina, os funcionários públicos odeiam lucro.

Last edited 11 meses atrás by Carlos Crispim
Mateus Demarchi
Mateus Demarchi
11 meses atrás

“Se desta vez houver rejeição, o Brasil pode comprometer sua imagem perante a comunidade internacional, já que não é uma venda de equipamento militar que está em questão.”

A Ucrânia usou de estratégia, se aceitarmos eles ganham muito, se negarmos, nós queimamos nossa imagem e eles saem como santos. Difícil viu!

RENAN
RENAN
11 meses atrás

https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/parceria-espacial-brasil-ucrania-custou-r-1-bilhao-e-acabou-sem-lancar-foguete/

Este é o motivo que o Brasil não deve vender ou ajudar a Ucrânia.
Se não transferiu tecnologia para o Br no passado pq vamos ajudar agora?

Chau Ucrânia

Humilde Observador
Humilde Observador
11 meses atrás

Seria uma saída possível.