A Rússia disparou 30 mísseis de cruzeiro contra diferentes partes da Ucrânia no início da quinta-feira no último teste noturno das defesas aéreas ucranianas, que derrubaram 29 deles, disseram autoridades.

Uma pessoa foi morta e duas ficaram feridas por um míssil russo que atingiu um prédio industrial na região sul de Odessa, segundo Serhiy Bratchuk, porta-voz da administração militar da região.

Em meio aos ataques aéreos russos recentemente intensificados, a China disse que seu enviado especial se reuniu com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, durante conversas em Kiev no início desta semana com o principal diplomata da Ucrânia.

A proposta de paz de Pequim até agora não rendeu nenhum avanço aparente na guerra. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse na quinta-feira que as partes em conflito precisam “acumular confiança mútua” para que o progresso seja feito.

As autoridades ucranianas procuraram durante as negociações recrutar o apoio da China para o plano de paz de Kiev, de acordo com o gabinete presidencial da Ucrânia. A proposta de Zelenskyy inclui a restauração da integridade territorial de seu país, a retirada das forças russas e a responsabilização legal do presidente russo, Vladimir Putin, pela invasão em fevereiro de 2022.

Espera-se que os líderes do Grupo das Sete principais nações industrializadas reunidos no Japão na quinta-feira denunciem a guerra da Rússia e prometam continuar ajudando a Ucrânia a lutar contra Moscou. Eles deveriam realizar “discussões sobre o campo de batalha” na Ucrânia, de acordo com Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca.

Uma autoridade ocidental disse que a Rússia construiu linhas defensivas “potencialmente formidáveis” em território ucraniano, incluindo extensos campos minados, e tinha mais de 200.000 soldados ao longo da linha de frente de 1.000 quilômetros (600 milhas), embora seja improvável que possua reservas confiáveis.

Enquanto a Ucrânia recebe sofisticados sistemas de armas de seus aliados ocidentais, o Kremlin começou a perder aviões de guerra em áreas anteriormente consideradas seguras, disse o oficial, enquanto Kiev provou ser capaz de abater os mísseis balísticos hipersônicos da Rússia – as armas mais avançadas do arsenal de Moscou. O oficial falou sob condição de anonimato para discutir a inteligência militar.

Enquanto isso, autoridades instaladas pelo Kremlin na Crimeia ocupada relataram o descarrilamento de oito vagões de trem na quinta-feira por causa de uma explosão, provocando novas suspeitas sobre a possível atividade sabotadora ucraniana atrás das linhas russas. A mídia estatal russa informou que o trem transportava grãos.

A agência de notícias estatal RIA Novosti, citando uma fonte dos serviços de emergência, disse que o incidente ocorreu não muito longe da cidade de Simferopol. A empresa Ferroviária da Crimeia disse que o descarrilamento foi causado pela “interferência de pessoas não autorizadas” e que não houve vítimas.

As autoridades ucranianas se recusam a comentar possíveis atos de sabotagem. O porta-voz da inteligência militar da Ucrânia, Andriy Yusov, observou na televisão ucraniana que as linhas de trem russas “também são usadas para transportar armas, munições e veículos blindados”.

Durante a noite, fortes explosões foram ouvidas em Kiev quando as forças do Kremlin atacaram a capital pela nona vez neste mês. Foi uma escalada clara após semanas de calmaria e antes de uma contra-ofensiva ucraniana muito esperada usando armas ocidentais avançadas recém-fornecidas.

Destroços caíram em dois distritos de Kiev, iniciando um incêndio em um complexo de garagem. Não houve notícias imediatas sobre as vítimas, disse Serhii Popko, chefe da administração militar de Kiev, em um post no Telegram.

A Ucrânia também abateu dois drones explosivos russos e dois drones de reconhecimento, segundo as autoridades.

Os mísseis foram lançados de bases marítimas, aéreas e terrestres russas, escreveu o general Valerii Zaluzhnyi, comandante-em-chefe ucraniano, no Telegram.

Várias ondas de mísseis foram apontadas para áreas da Ucrânia entre as 21h de quarta-feira e as 5h30 de quinta-feira, disse ele.

As forças russas usaram bombardeiros estratégicos da região do Cáspio e aparentemente dispararam mísseis do tipo X-101 e X-55 desenvolvidos durante a era soviética, disseram autoridades de Kiev. A Rússia então implantou drones de reconhecimento sobre a capital.

No último grande ataque aéreo a Kiev, na terça-feira, as defesas aéreas ucranianas reforçadas por sofisticados sistemas fornecidos pelo Ocidente derrubaram todos os mísseis, disseram autoridades.

Esse ataque usou mísseis hipersônicos, que repetidamente foram elogiados por Putin como fornecendo uma vantagem estratégica importante. Os mísseis, que estão entre as armas mais avançadas do arsenal da Rússia, são difíceis de detectar e interceptar por causa de sua velocidade hipersônica e capacidade de manobra.

Mas sofisticados sistemas de defesa aérea ocidentais, incluindo mísseis Patriot de fabricação americana, ajudaram a poupar Kiev do tipo de destruição testemunhada ao longo da principal linha de frente no leste e no sul do país.

Embora a luta terrestre esteja em grande parte em um impasse ao longo dessa linha de frente, ambos os lados estão mirando no território um do outro com armas de longo alcance.

A luta mais intensa se concentrou na batalha pela cidade de Bakhmut e arredores, na província de Donetsk, no leste da Ucrânia, com um oficial militar ucraniano afirmando na quinta-feira que o exército avançou até 1,7 quilômetros (mais de uma milha) ali em relação à última dia.

Ao mesmo tempo, Yevgeny Prigozhin, o milionário proprietário do empreiteiro militar privado da Rússia, Wagner, cujas tropas lideraram a batalha, afirmou que as unidades do exército russo haviam recuado de suas posições ao norte da cidade. Prigozhin é um crítico frequente dos militares russos.

Pelo menos sete civis ucranianos foram mortos, incluindo um menino de 5 anos, e 18 pessoas ficaram feridas nas últimas 24 horas, informou o gabinete presidencial.

Além disso, duas pessoas ficaram feridas em um ataque de drone na região de Kursk, no sul da Rússia, que faz fronteira com a Ucrânia, informou o governador regional na quinta-feira.

Em uma postagem no Telegram, Roman Starovoit afirmou que as forças ucranianas lançaram um dispositivo explosivo de um drone em um complexo esportivo e recreativo.

Na região russa de Belgorod, duas pessoas foram mortas em um bombardeio ucraniano na vila de Nizhnee Berezovo, a cerca de 10 quilômetros (seis milhas) da fronteira, segundo o governador Vyacheslav Gladkov.

FONTE: AP, via MilitaryTimes

Subscribe
Notify of
guest

23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sergio Machado
Sergio Machado
1 ano atrás

Hummm… foram ouvidas “várias explosões,”mas apenas 1 míssil teria “passado”.
Segue o jogo.

deadeye
deadeye
Reply to  Sergio Machado
1 ano atrás

É, talvez porque existe algo chamado de efeito cascada.

Bosco
Reply to  Sergio Machado
1 ano atrás

????
Não entendi.
Mas independente disso, por que os russos não mostram as imagens de satélites que corroborem suas afirmações?

Sergio Machado
Sergio Machado
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Ora, não existe prova negativa. O atípico é que precisa ser provado, não a regra.
Mísseis planam e caem. Atípico é serem interceptados em pleno ar.
Aliás, esse “índice de aproveitamento” ucraniano perto dos 100% entrará para os anais da história.

Bosco
Reply to  Sergio Machado
1 ano atrás

Serjão,
É só os russos postarem as imagens de antes do ataque, no sítio de mísseis Patriot, captadas pelos satélites e logo depois do ataque.
Até satélites particulares fazem isso.
Tem uma empresa de satélite aí que ela repassa por sobre qualquer ponto da Terra a cada 53 minutos , salvo engano, com algum de seus 200 satélites.
Será que os russos não têm acesso a nada igual. Pedem (e pagam) pra ela. Talvez ela ajude.

Sergio Machado
Sergio Machado
Reply to  Sergio Machado
1 ano atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Last edited 1 ano atrás by Guilherme Poggio
leonidas
leonidas
1 ano atrás

Pelo visto a Ucrânia esta derrubando 15 de cada 10 misseis lançados por Moscou…

Geraldo Lessa
Geraldo Lessa
Reply to  leonidas
1 ano atrás

Não é?
E, como ‘represália militar’, ataca uma pequena aldeia irrelevante na fronteira e descarrila um trem de grãos.

Bosco
1 ano atrás

Foram utilizados os PAC-3. Uma batetia pode ter até 128.

Geraldo Lessa
Geraldo Lessa
1 ano atrás

Isto mostra o quanto se tornou uma peneira o sistema de defesa anti-aérea de Kiev e toda a Ucrânia.
Os russos atacam onde e como querem.
E pelo jeito, com precisão incrível, pois apenas uma vítima civil em 30 lançamentos.

Geraldo Lessa
Geraldo Lessa
1 ano atrás

Esse texto é uma maravilha.
Consegue tecer loas aos sistemas de armas ocidentais em meio ao caos das falhas.
E sim.
Foi confirmada a perda de cinco lançadores Patriot no ataque do Kinzhal.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Geraldo Lessa
1 ano atrás

O cara comenta o próprio posto. Mano, pode usar um só. Vc esquece as vezes de trocar de Nick. Não passa vergonha não. Todo mundo sabe que é só você .

Mayuan
Mayuan
Reply to  Nuno Taboca
1 ano atrás

Depois que instalaram WiFi no Pinel começou esse inferno….

Maurício.
Maurício.
1 ano atrás

Ué, a Rússia ainda tem mísseis?🤔

Bosco
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Baseado no fato de que está utilizando velhos mísseis AA do sistema S-300 e velhos mísseis antinavios de combustível líquido (Kh-22) absolutamente inapropriados para atacar alvos em terra, ela ainda tem sim.
Não creio que a motivação do putin seja somente covardia pura e desprezo pelos ucranianos mas também necessidade.
O que vc acha?

Last edited 1 ano atrás by Bosco Jr
Vinícius Momesso
Vinícius Momesso
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Os países países que fazem parte da OTAN também estão se desfazendo de seu estoque mais antigo e repondo por novos. Qual é o problema da Rússia também o fazer? Dois pesos duas medidas?

Bosco
Reply to  Vinícius Momesso
1 ano atrás

Vinícius,
Nenhum problema em gastarem os estoques vencidos utilizando-os para os propósitos que foram desenvolvidos, mas os mísseis citados por mim não são adequados para atacar alvos em áreas urbanas salvo se o objetivo de quem os utiliza for matar civis inocentes.
Em sendo esse o objetivo do Putin aí vc está absolutamente certo.

Bosco
Reply to  Vinícius Momesso
1 ano atrás

Os S-300 são mísseis teleguiados contra alvos aéreos rastreados por um radar de solo e não têm precisão contra alvos no solo. Os Kh-22 são mísseis antinavios convencionais e utilizam para tanto um seeker radar ativo inútil contra alvos em terra. Alguém poderia dizer: mas usamericanusmalvadus utilizam também mísseis antiaéreos contra alvos no solo, como por exemplo o SM-6. Sim, é verdade, mas nesse caso o míssil foi pensafo desde o início tendo em vista a função dupla e é dotado de um sistema de navegação inercial e GPS avançado que o possibilita ter precisão métrica , não sendo um… Read more »

Kommander
Kommander
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Estão emprestando da China e Irã. Kkkkk

Bosco
1 ano atrás

Em tempo , só um Kinzhal, de acordo com o ministério da verdade russo, fez esse estrago todo.
E ainda há informação sólida que no processo ainda destruiu uma carrocinha de cachorro quente do seu Ruslam que estava estacionado próximo pra tentar ganhar uma grana dos operadores da bateria.
Ainda não acharam o seu Ruslan. Dizem que ele está correndo até agora…

Last edited 1 ano atrás by Bosco Jr
Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
1 ano atrás

Provavelmente estão explorando as brejas do sistema patriot avariado/destruído…

Mayuan
Mayuan
Reply to  Jefferson Ferreira
1 ano atrás

Vão ficar bem bêbados hein?

Mauricio
Mauricio
1 ano atrás

Ucrania será dividida entre russia e otan como feito com a Coreia na década de 50. Confronto nuclear os meios de entrega russos são superiores o first stryke reduziria muito capacidade de resposta