John J. Mearsheimer [*]

Este artigo examina a trajetória provável do avanço da guerra na Ucrânia[1]. Abordarei duas questões principais.

Primeiro, um acordo de paz significativo é possível? A minha resposta é não. Estamos agora numa guerra em que ambos os lados – Ucrânia e Ocidente de um lado e Rússia do outro – se vêem como uma ameaça existencial que deve ser derrotada. Dados os objetivos maximalistas ao redor, é quase impossível chegar a um tratado de paz viável. Além disso, os dois lados têm diferenças irreconciliáveis em relação ao território e à relação da Ucrânia com o Ocidente. O melhor resultado possível é um conflito congelado que pode facilmente transformar-se numa guerra quente. O pior resultado possível é uma guerra nuclear, o que é improvável, mas não pode ser descartado.

Em segundo lugar, qual lado vencerá provavelmente a guerra? A Rússia acabará vencendo a guerra, embora não derrote decisivamente a Ucrânia. Por outras palavras, não vai conquistar toda a Ucrânia, o que é necessário para alcançar três dos objetivos de Moscovo: derrubar o regime, desmilitarizar o país e cortar os laços de segurança de Kiev com o Ocidente. Mas acabará anexando uma grande faixa de território ucraniano, enquanto transforma a Ucrânia num estado disfuncional. Por outras palavras, a Rússia terá uma vitória feia.

Antes de abordar diretamente essas questões, três pontos preliminares são necessários. Para começar, estou tentando prever o futuro, o que não é fácil de fazer, visto que vivemos num mundo incerto. Assim, não estou argumentando que tenho a verdade; na verdade, algumas das minhas afirmações podem estar erradas. Além disso, não estou dizendo o que gostaria que acontecesse. Não estou torcendo por um lado ou por outro. Estou simplesmente dizendo o que acho que acontecerá à medida que a guerra avança. Finalmente, não estou justificando o comportamento russo ou as ações de nenhum dos estados envolvidos no conflito. Estou apenas explicando as suas ações.

Agora, deixem-me voltar à substância.

Onde estamos hoje

Para entender para onde a guerra da Ucrânia está indo, é necessário primeiro avaliar a situação atual. É importante saber como os três principais atores – Rússia, Ucrânia e Ocidente – pensam sobre seu ambiente de ameaças e concebem os seus objetivos. Quando falamos do Ocidente, no entanto, estamos falando principalmente dos Estados Unidos, já que seus aliados europeus recebem ordens de Washington quando se trata da Ucrânia.

Também é essencial entender a situação atual no campo de batalha. Deixem-me começar com o ambiente de ameaças da Rússia e seus objetivos.

Ambiente de ameaças da Rússia

Está claro desde Abril de 2008 que os líderes russos em geral vêem os esforços do Ocidente para trazer a Ucrânia para a NATO e torná-la um baluarte ocidental nas fronteiras da Rússia como uma ameaça existencial. De fato, o presidente Putin e seus assessores enfatizaram repetidamente esse ponto nos meses anteriores à invasão russa, quando ficou claro para eles que a Ucrânia era quase um membro de fato da NATO. [2]

Desde que a guerra começou em 24 de Fevereiro de 2022, o Ocidente acrescentou outra camada a essa ameaça existencial ao adotar um novo conjunto de objetivos que os líderes russos não podem deixar de ver como extremamente ameaçadores. Direi mais sobre os objetivos ocidentais abaixo, mas basta dizer aqui que o Ocidente está determinado a derrotar a Rússia e eliminá-la das fileiras das grandes potências, se não causar uma mudança de regime ou mesmo levar a Rússia a se fragmentar como a União Soviética fez em 1991.

Num importante discurso que Putin fez em Fevereiro passado (2023), ele enfatizou que o Ocidente é uma ameaça mortal para a Rússia. “Durante os anos que se seguiram ao colapso da União Soviética”, disse ele, “o Ocidente nunca parou de tentar incendiar os estados pós-soviéticos e, mais importante, acabar com a Rússia como a maior porção sobrevivente dos alcances históricos do nosso estado. Eles encorajaram terroristas internacionais a nos atacar, provocaram conflitos regionais ao longo do perímetro das nossas fronteiras, ignoraram os nossos interesses e tentaram conter e reprimir a nossa economia”. Ele enfatizou ainda que, “A elite ocidental não faz segredo do seu objetivo, que é, cito, ‘a derrota estratégica da Rússia’. O que isso significa para nós? Isso significa que eles planejam acabar conosco de uma vez por todas”. Putin continuou dizendo: “isso representa uma ameaça existencial ao nosso país”. [3]

Os líderes russos também vêem o regime de Kiev como uma ameaça para a Rússia, não apenas porque é um aliado próximo do Ocidente, mas também porque o vêem como fruto das forças fascistas ucranianas que lutaram ao lado da Alemanha nazi contra a União Soviética na Segunda Guerra Mundial.[4]

Objetivos da Rússia

A Rússia deve vencer esta guerra, pois acredita estar enfrentando uma ameaça à sua sobrevivência. Mas como é a vitória? O resultado ideal antes do início da guerra em Fevereiro de 2022 era transformar a Ucrânia num estado neutro e resolver a guerra civil no Donbass que colocou o governo ucraniano contra russos étnicos e falantes de russo que queriam maior autonomia, senão independência para a sua região. Parece que esses objetivos ainda eram realistas durante o primeiro mês da guerra e foram de fato a base das negociações em Istambul entre Kiev e Moscovo em Março de 2022.[5] Se os russos tivessem alcançado esses objetivos naquela época, a guerra atual teria sido evitada ou terminada rapidamente.

Mas um acordo que satisfaça os objetivos da Rússia não está mais nas cartas. A Ucrânia e a NATO estão unidas no futuro previsível, e nenhuma delas está disposta a aceitar a neutralidade ucraniana. Além disso, o regime em Kiev é um anátema para os líderes russos, que querem que ele desapareça. Eles não falam apenas em “desnazificar” a Ucrânia, mas também em “desmilitarizá-la”, dois objetivos que presumivelmente exigiriam a conquista de toda a Ucrânia, obrigando as suas forças militares a se renderem e a instalar um regime amigo em Kiev.[6]

Uma vitória decisiva desse tipo provavelmente não acontecerá por vários motivos. O exército russo não é grande o suficiente para tal tarefa, que provavelmente exigiria pelo menos dois milhões de homens.[7] De facto, o exército russo existente está tendo dificuldade em conquistar todo o Donbass. Além disso, o Ocidente faria tudo para impedir que a Rússia invadisse toda a Ucrânia. Finalmente, os russos acabariam ocupando grandes quantidades de território densamente povoado por ucranianos étnicos que detestam os russos e resistiriam ferozmente à ocupação. Tentar conquistar toda a Ucrânia e dobrá-la à vontade de Moscovo certamente terminaria em desastre.

Deixando de lado a retórica sobre desnazificar e desmilitarizar a Ucrânia, os objetivos concretos da Rússia envolvem conquistar e anexar uma grande parte do território ucraniano, ao mesmo tempo em que transforma a Ucrânia num estado disfuncional. Como tal, a capacidade da Ucrânia de guerrear contra a Rússia seria bastante reduzida e seria improvável que se qualificasse como membro da UE ou da NATO. Além disso, uma Ucrânia quebrada seria especialmente vulnerável à interferência russa na sua política doméstica. Em suma, a Ucrânia não seria um bastião ocidental na fronteira da Rússia.

Como seria esse estado residual e disfuncional? Moscou anexou oficialmente a Crimeia e quatro outros oblasts ucranianos – Donetsk, Kherson, Luhansk e Zaporozhe – que juntos representam cerca de 23% do território total da Ucrânia antes do início da crise em Fevereiro de 2014. Os líderes russos enfatizaram que não têm intenção de render esse território, alguns dos quais a Rússia ainda não controla. De fato, há razões para pensar que a Rússia anexará território ucraniano adicional se tiver capacidade militar para fazê-lo a um custo razoável. É difícil, no entanto, dizer quanto território ucraniano adicional Moscou tentará anexar, como o próprio Putin deixa claro.[8]

O pensamento russo provavelmente será influenciado por três cálculos. Moscou tem um poderoso incentivo para conquistar e anexar permanentemente o território ucraniano que é densamente povoado por russos étnicos e falantes de russo. Ele vai querer protegê-los do governo ucraniano – que se tornou hostil a tudo o que é russo – e garantir que não haja guerra civil em nenhum lugar da Ucrânia como a que ocorreu no Donbass entre Fevereiro de 2014 e Fevereiro de 2022. Ao mesmo tempo, a Rússia vai querer evitar o controle de território amplamente povoado por ucranianos étnicos hostis, o que impõe limites significativos à expansão russa. Finalmente, transformar a Ucrânia num estado disfuncional exigirá que Moscou tome quantidades substanciais de território ucraniano, de modo que esteja bem posicionado para causar danos significativos à sua economia. Controlar toda a costa da Ucrânia ao longo do Mar Negro, por exemplo, daria a Moscou uma vantagem econômica significativa sobre Kiev.

Esses três cálculos sugerem que a Rússia provavelmente tentará anexar os quatro oblasts – Dnipropetrovsk, Kharkiv, Mykolaiv e Odessa – que estão imediatamente a oeste dos quatro oblasts que já anexou – Donetsk, Kherson, Luhansk e Zaporozhe. Se isso acontecesse, a Rússia controlaria aproximadamente 43% do território da Ucrânia antes de 2014.[9]

Dmitri Trenin, um importante estrategista russo, estima que os líderes russos tentariam tomar ainda mais território ucraniano – avançando para o oeste no norte da Ucrânia até ao rio Dnieper e tomando a parte de Kiev que fica na margem leste desse rio. Ele escreve que “Um próximo passo lógico” depois de tomar toda a Ucrânia de Kharkiv a Odessa “seria expandir o controle russo para toda a Ucrânia a leste do rio Dnieper, incluindo a parte de Kiev que fica na margem oriental desse rio. Se isso acontecesse, o estado ucraniano encolheria para incluir apenas as regiões central e ocidental do país”. [10]

O ambiente de ameaças do ocidente

Pode parecer difícil de acreditar agora, mas antes do início da crise na Ucrânia em Fevereiro de 2014, os líderes ocidentais não viam a Rússia como uma ameaça à segurança. Os líderes da NATO, por exemplo, conversaram com o presidente da Rússia sobre “uma nova etapa de cooperação rumo a uma verdadeira parceria estratégica” na Cimeira de 2010 da aliança em Lisboa.[11]

Sem surpresa, a expansão da NATO antes de 2014 não foi justificada em termos de conter uma perigosa Rússia. Na verdade, foi a fraqueza russa que permitiu ao Ocidente enfiar as duas primeiras parcelas da expansão da NATO em 1999 e 2004 goela abaixo de Moscou e depois permitiu que o governo de George W. Bush pensasse em 2008 que a Rússia poderia ser forçada a aceitar a Geórgia e a Ucrânia a aderir à aliança. Mas essa suposição mostrou-se errada e quando a crise na Ucrânia estourou em 2014, o Ocidente de repente começou a retratar a Rússia como um inimigo perigoso que precisava ser contido, se não enfraquecido.[12]

Desde que a guerra começou em Fevereiro de 2022, a percepção do Ocidente sobre a Rússia aumentou constantemente a ponto de Moscou agora parecer uma ameaça existencial. Os Estados Unidos e seus aliados da NATO estão profundamente envolvidos na guerra da Ucrânia contra a Rússia. Na verdade, eles estão fazendo tudo menos apertar os gatilhos e apertar os botões.[13]

Além disso, eles deixaram claro o seu compromisso inequívoco de vencer a guerra e manter a soberania da Ucrânia. Assim, perder a guerra teria consequências extremamente negativas para Washington e para a NATO. A reputação de competência e confiabilidade dos Estados Unidos seria seriamente prejudicada, o que afetaria a maneira como os seus aliados e adversários – especialmente a China – lidam com os Estados Unidos. Além disso, praticamente todos os países europeus da NATO acreditam que a aliança é um guarda-chuva de segurança insubstituível. Assim, a possibilidade de que a NATO possa ser seriamente prejudicada – talvez até destruída – se a Rússia vencer na Ucrânia é motivo de profunda preocupação entre os seus membros.

Além disso, os líderes ocidentais frequentemente retratam a guerra na Ucrânia como parte integrante de uma luta global mais ampla entre autocracia e democracia que é maniqueísta na sua essência. Por cima disso, diz-se que o futuro da sacrossanta ordem internacional baseada em regras depende de prevalecer contra a Rússia. Como o rei Carlos disse em Março passado (2023), “a segurança da Europa e os nossos valores democráticos estão ameaçados”.[14]

Da mesma forma, uma resolução apresentada no Congresso dos Estados Unidos em Abril declara: “Os interesses dos Estados Unidos, a segurança europeia e a causa da paz internacional dependem … da vitória ucraniana.”[15]

Um artigo recente em The Washington Post captura como o Ocidente trata a Rússia como uma ameaça existencial: “Líderes de mais de 50 outros países que apoiam a Ucrânia expressaram o seu apoio como parte de uma batalha apocalíptica pelo futuro da democracia e do domínio internacional da lei contra a autocracia e a agressão que o Ocidente não pode perder.”[16]

Os objetivos do ocidente

Como deve ficar claro, o Ocidente está firmemente comprometido em derrotar a Rússia. O presidente Biden disse repetidamente que os Estados Unidos estão nesta guerra para vencer. “A Ucrânia nunca será uma vitória para a Rússia.” Deve terminar em “fracasso estratégico”. Washington, ele enfatiza, permanecerá na luta “pelo tempo que for necessário”.[17]

Especificamente, o objetivo é derrotar o exército da Rússia na Ucrânia – apagando os seus ganhos territoriais – e paralisar a sua economia com sanções letais. Se bem-sucedida, a Rússia seria eliminada das fileiras das grandes potências, enfraquecendo-a a ponto de não poder ameaçar invadir a Ucrânia novamente.[18]

Os líderes ocidentais têm objetivos adicionais, que incluem a mudança de regime em Moscou, levar Putin a julgamento como criminoso de guerra e possivelmente dividir a Rússia em estados menores. [19]

Ao mesmo tempo, o Ocidente continua comprometido em trazer a Ucrânia dentro da NATO, embora haja discordância dentro da aliança sobre quando e como isso acontecerá. [20]

Jens Stoltenberg, secretário-geral da aliança, disse em entrevista coletiva em Kiev em Abril (2023) que “a posição da NATO permanece inalterada e que a Ucrânia se tornará membro da aliança”. Ao mesmo tempo, ele enfatizou que “o primeiro passo para qualquer adesão da Ucrânia à NATO é garantir que a Ucrânia prevaleça, e é por isso que os EUA e os seus parceiros forneceram apoio sem precedentes à Ucrânia.”[21]

Dados estes objetivos, fica claro por que é que a Rússia vê o Ocidente como uma ameaça existencial.

Ambiente de ameaças e objetivos da Ucrânia

Não há dúvida de que a Ucrânia enfrenta uma ameaça existencial, dado que a Rússia está empenhada em desmembrá-la e garantir que o estado remanescente não seja apenas economicamente fraco, mas também não seja um membro de fato nem de direito da NATO. Também não há dúvida de que Kiev compartilha o objetivo do Ocidente de derrotar e enfraquecer seriamente a Rússia, para que ela possa recuperar o seu território perdido e mantê-lo sob o controle ucraniano para sempre. Como o presidente Zelensky disse recentemente ao presidente Xi Jinping: “Não pode haver paz baseada em compromissos territoriais.”[22]

Os líderes ucranianos naturalmente permanecem firmemente comprometidos em ingressar na UE e na NATO e em tornar a Ucrânia parte integrante do Ocidente.[23]

Em suma, os três principais atores na guerra da Ucrânia acreditam que enfrentam uma ameaça existencial, o que significa que cada um deles pensa que deve vencer a guerra ou sofrerá consequências terríveis.

O campo de batalha hoje

Voltando aos eventos no campo de batalha, a guerra evoluiu para uma guerra de desgaste, onde cada lado está preocupado principalmente em sangrar o outro lado, levando-o a render-se. Claro, ambos os lados também estão preocupados em capturar território, mas esse objetivo é de importância secundária para desgastar o outro lado.

Os militares ucranianos tiveram vantagem na segunda metade de 2022, o que lhes permitiu retomar o território da Rússia nas regiões de Kharkiv e Kherson. Mas a Rússia respondeu a essas derrotas mobilizando 300.000 soldados adicionais, reorganizando seu exército, encurtando as suas linhas da frente e aprendendo com os seus erros.[24]

O local dos combates em 2023 foi no leste da Ucrânia, principalmente nas regiões de Donetsk e Zaporozhe. Os russos levaram vantagem este ano, principalmente porque têm uma vantagem substancial na artilharia, que é a arma mais importante na guerra de atrito.

A vantagem de Moscovo ficou evidente na batalha por Bakhmut, que terminou quando os russos capturaram aquela cidade no final de Maio (2023). Embora as forças russas tenham levado dez meses para assumir o controle de Bakhmut, elas infligiram enormes baixas às forças ucranianas com sua artilharia.[25]

Pouco depois, em 4 de Junho, a Ucrânia lançou a sua tão esperada contra-ofensiva em diferentes locais nas regiões de Donetsk e Zaporozhe. O objetivo é penetrar nas linhas da frente de defesa da Rússia, desferir um golpe impressionante nas forças russas e recuperar uma quantidade substancial de território ucraniano que agora está sob controle russo. Em essência, o objetivo é duplicar os sucessos da Ucrânia em Kharkiv e Kherson em 2022.

O exército da Ucrânia fez pouco progresso até agora para atingir esses objetivos e, em vez disso, está atolado em batalhas mortais de atrito com as forças russas. Em 2022, a Ucrânia teve sucesso nas campanhas de Kharkiv e Kherson porque o seu exército estava lutando contra forças russas em menor número e sobrecarregadas. Esse não é o caso hoje: a Ucrânia está atacando contra linhas bem preparadas da defesa russa. Mas mesmo que as forças ucranianas rompam essas linhas defensivas, as tropas russas estabilizarão rapidamente a frente e as batalhas de desgaste continuarão.[26]

Os ucranianos estão em desvantagem nesses confrontos porque os russos têm uma vantagem significativa no poder de fogo.

Para onde estamos indo

Deixe-me mudar de assunto e me afastar do presente e falar sobre o futuro, começando com como os eventos no campo de batalha provavelmente se desenrolarão no futuro. Conforme observado, acredito que a Rússia vencerá a guerra, o que significa que acabará conquistando e anexando um território ucraniano substancial, deixando a Ucrânia como um estado disfuncional. Se eu estiver correto, esta será uma derrota dolorosa para a Ucrânia e o Ocidente.

Há uma fresta de esperança neste resultado, no entanto: uma vitória russa reduz acentuadamente a ameaça de guerra nuclear, já que a escalada nuclear é mais provável que ocorra se as forças ucranianas estiverem obtendo vitórias no campo de batalha e ameacem retomar todos ou a maioria dos territórios que Kiev perdeu para Moscou. Os líderes russos certamente pensariam seriamente em usar armas nucleares para salvar a situação. Claro, se eu estiver errado sobre para onde a guerra está indo e os militares ucranianos ganharem vantagem e começarem a empurrar as forças russas para o leste, a probabilidade de uso nuclear aumentaria significativamente, o que não quer dizer que seria uma certeza.

Qual é a base da minha afirmação de que os russos provavelmente vencerão a guerra?

A guerra da Ucrânia, como enfatizado, é uma guerra de atrito em que a captura e a manutenção do território são de importância secundária. O objetivo da guerra de atrito é desgastar as forças do outro lado até o ponto em que ele desista da luta ou fique tão enfraquecido que não possa mais defender o território contestado.[27]

Quem ganha uma guerra de atrição é em grande parte uma função de três fatores: o equilíbrio de determinação entre os dois lados; o equilíbrio populacional entre eles; e a taxa de troca de vítimas. Os russos têm uma vantagem decisiva no tamanho da população e uma vantagem marcante na taxa de troca de baixas; os dois lados estão equilibrados em termos de determinação.

Considere-se o equilíbrio da determinação. Conforme observado, tanto a Rússia quanto a Ucrânia acreditam estar enfrentando uma ameaça existencial e, naturalmente, ambos os lados estão totalmente comprometidos em vencer a guerra. Assim, é difícil ver qualquer diferença significativa na sua determinação. Em relação ao tamanho da população, a Rússia tinha uma vantagem de aproximadamente 3,5: 1 antes do início da guerra em Fevereiro de 2022. Desde então, a proporção mudou visivelmente a favor da Rússia. Cerca de oito milhões de ucranianos fugiram do país, subtraindo a população da Ucrânia. Cerca de três milhões desses emigrantes foram para a Rússia, aumentando a sua população. Além disso, há provavelmente cerca de quatro milhões de outros cidadãos ucranianos vivendo nos territórios que a Rússia agora controla, mudando ainda mais o desequilíbrio populacional a favor da Rússia. Juntar esses números dá à Rússia uma vantagem de aproximadamente 5:1 no tamanho da população.[28]

Finalmente, há a taxa de troca de baixas, que tem sido uma questão controversa desde o início da guerra em Fevereiro de 2022. A sabedoria convencional na Ucrânia e no Ocidente é que os níveis de baixas em ambos os lados são aproximadamente iguais ou que os russos sofreram maiores baixas do que os ucranianos. O chefe do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, Oleksiy Danilov, chega a argumentar que os russos perderam 7,5 soldados para cada soldado ucraniano na batalha por Bakhmut.[29]

Essas afirmações estão erradas. As forças ucranianas certamente sofreram baixas muito maiores do que os seus oponentes russos por uma razão: a Rússia tem muito mais artilharia do que a Ucrânia. Na guerra de atrição, a artilharia é a arma mais importante no campo de batalha. No Exército dos EUA, a artilharia é amplamente conhecida como o “rei da batalha”, porque é a principal responsável por matar e ferir os soldados que lutam.[30]

Assim, o equilíbrio da artilharia importa enormemente numa guerra de desgaste. Segundo quase todos os relatos, os russos têm uma vantagem entre 5:1 e 10:1 na artilharia, o que coloca o exército ucraniano em desvantagem significativa no campo de batalha.[31]

Ceteris paribus,

seria de se esperar que a taxa de troca de baixas se aproximasse do equilíbrio da artilharia. Portanto, uma taxa de troca de baixas na ordem de 2:1 a favor da Rússia é uma estimativa conservadora.[32]

Um possível desafio à minha análise é argumentar que a Rússia é o agressor nesta guerra, e o ofensor invariavelmente sofre níveis de baixas muito mais altos do que o defensor, especialmente se as forças atacantes estiverem engajadas em amplos ataques frontais, que muitas vezes é considerado o modus operandi militar russo. [33]

Afinal, o ofensor está ao ar livre e em movimento, enquanto o defensor luta principalmente em posições fixas que fornecem cobertura substancial. Essa lógica sustenta a famosa regra prática de 3:1, que diz que uma força atacante precisa de pelo menos três vezes mais soldados do que a defensora para vencer uma batalha.[34]

Mas há problemas com essa linha de argumentação quando aplicada à guerra na Ucrânia.

Primeiro, não foram apenas os russos que iniciaram campanhas ofensivas ao longo da guerra.[35]

De fato, os ucranianos lançaram duas grandes ofensivas no ano passado que levaram a vitórias amplamente anunciadas: a ofensiva de Kharkiv em Setembro de 2022 e a ofensiva de Kherson entre Agosto e Novembro de 2022. Embora os ucranianos tenham obtido ganhos territoriais substanciais em ambas as campanhas, a artilharia russa infligiu pesadas baixas nas forças atacantes. Os ucranianos começaram outra grande ofensiva em 4 de Junho contra as forças russas que são mais numerosas e muito mais bem preparadas do que aquelas contra as quais os ucranianos lutaram em Kharkiv e Kherson.

Em segundo lugar, a distinção entre ofensores e defensores numa grande batalha geralmente não é preto no branco. Quando um exército ataca outro exército, o defensor invariavelmente lança contra-ataques. Por outras palavras, o defensor transita para o ataque e o ofensor transita para a defesa. Ao longo de uma batalha prolongada, é provável que cada lado acabe atacando e contra-atacando, bem como defendendo posições fixas. Isso explica por que as taxas de troca de baixas nas batalhas da Guerra Civil dos EUA e nas batalhas da Primeira Guerra Mundial costumam ser aproximadamente iguais, não favoráveis ao exército que começou na defensiva. Na verdade, o exército que desfere o primeiro golpe ocasionalmente sofre menos baixas do que o exército alvo.[36]

Em suma, a defesa geralmente envolve muito ataque.

Está claro nas notícias ucranianas e ocidentais que as forças ucranianas frequentemente lançam contra-ataques contra as forças russas. Considere este relato no The Washington Post sobre os combates no início deste ano em Bakhmut: “´Há um movimento fluido acontecendo´, disse um primeiro-tenente ucraniano… Os ataques russos ao longo da frente permitem que as suas forças avancem algumas centenas de metros antes de serem empurradas de volta horas depois. ‘É difícil distinguir exatamente onde está a linha da frente porque ela se move como gelatina’, disse ele”.[37]

Dada a enorme vantagem da artilharia da Rússia, parece razoável supor que a taxa de troca de baixas nesses contra-ataques ucranianos favorece os russos – provavelmente de forma desigual.

Em terceiro lugar, os russos não estão empregando – pelo menos não com frequência – ataques frontais em larga escala que visam avançar rapidamente e capturar território, mas que exporiam as forças atacantes ao fogo fulminante dos defensores ucranianos. Como explicou o general Sergey Surovikin em Outubro de 2022, quando comandava as forças russas na Ucrânia: “Temos uma estratégia diferente… Poupamos cada soldado e estamos persistentemente esmagando o inimigo que avança”.[38]

Com efeito, as tropas russas adotaram táticas inteligentes que reduzem o número de baixas.[39]

A sua tática favorita é lançar ataques de sondagem contra posições ucranianas fixas com pequenas unidades de infantaria, o que faz com que as forças ucranianas os ataquem com morteiros e artilharia. [40] Essa resposta permite que os russos determinem onde os defensores ucranianos e a sua artilharia estão localizados. Os russos então usam a sua grande vantagem na artilharia para golpear os seus adversários. Depois disso, grupos de infantaria russa avançam novamente; e quando encontram séria resistência ucraniana, repetem o processo. Essas táticas ajudam a explicar por que é que a Rússia está progredindo lentamente na captura de territórios ucranianos.

Pode-se pensar que o Ocidente pode percorrer um longo caminho para nivelar a taxa de troca de baixas, fornecendo à Ucrânia muito mais tubos de artilharia e projéteis, eliminando assim a vantagem significativa da Rússia com essa arma extremamente importante. Isso não vai acontecer tão cedo, no entanto, simplesmente porque nem os Estados Unidos nem os seus aliados têm a capacidade industrial necessária para produzir em massa tubos de artilharia e projéteis para a Ucrânia. Tampouco podem construir rapidamente essa capacidade.[41]

O melhor que o Ocidente pode fazer – pelo menos durante o próximo ano – é manter o desequilíbrio de artilharia existente entre a Rússia e a Ucrânia, mas mesmo isso será uma tarefa difícil.

A Ucrânia pode fazer pouco para ajudar a remediar o problema, porque a sua capacidade de fabricar armas é limitada. É quase completamente dependente do Ocidente, não apenas para artilharia, mas para todo o tipo de sistema de armas principal. A Rússia, por outro lado, tinha uma capacidade formidável de fabricar armas para a guerra, que aumentou desde o início dos combates. Putin disse recentemente: “A nossa indústria de defesa está ganhando força a cada dia. Aumentamos a produção militar em 2,7 vezes no último ano. A nossa produção das armas mais críticas aumentou dez vezes e continua aumentando. As fábricas estão a trabalhar em dois ou três turnos, e algumas estão ocupadas o tempo todo.”[42]

Em resumo, dado o triste estado da base industrial da Ucrânia, ela não está em posição de travar uma guerra de atrição sozinha. Só pode fazê-lo com o apoio ocidental. Mas mesmo assim, está fadada a perder.

Houve um desenvolvimento recente que aumenta ainda mais a vantagem do poder de fogo da Rússia sobre a Ucrânia. Durante o primeiro ano da guerra, o poder aéreo russo teve pouca influência sobre o que aconteceu na guerra terrestre, principalmente porque as defesas aéreas da Ucrânia foram eficazes o suficiente para manter as aeronaves russas longe da maioria dos campos de batalha. Mas os russos enfraqueceram seriamente as defesas aéreas da Ucrânia, o que agora permite que a força aérea russa ataque as forças terrestres ucranianas diretamente atrás das linhas de frente. [43]

Além disso, a Rússia desenvolveu a capacidade de equipar o seu enorme arsenal de bombas de ferro de 500 kg com kits de orientação que as tornam especialmente letais. [44]

Em suma, a taxa de troca de baixas continuará a favorecer os russos no futuro previsível, o que importa enormemente numa guerra de atrito. Além disso, a Rússia está muito mais bem posicionada para travar uma guerra de atrição porque a sua população é muito maior que a da Ucrânia. A única esperança de Kiev vencer a guerra é o colapso da determinação de Moscou, mas isso é improvável, visto que os líderes russos vêem o Ocidente como um perigo existencial.

Perspectivas para um acordo de paz negociado

Há um crescente coro de vozes em todo o mundo pedindo que todos os lados na guerra ucraniana adotem a diplomacia e negociem um acordo de paz duradouro. Isso, no entanto, não vai acontecer. Existem muitos obstáculos formidáveis para acabar com a guerra em breve, muito menos fazer um acordo que produza uma paz duradoura. O melhor resultado possível é um conflito congelado, onde ambos os lados continuam procurando oportunidades para enfraquecer o outro lado e onde há um perigo sempre presente de novos combates.

No nível mais geral, a paz não é possível porque cada lado vê o outro como uma ameaça mortal que deve ser derrotada no campo de batalha. Quase não há espaço para compromisso com o outro lado nessas circunstâncias. Há também dois pontos específicos de disputa entre as partes em conflito que são insolúveis. Uma envolve território, enquanto a outra diz respeito à neutralidade ucraniana.[45]

Quase todos os ucranianos estão profundamente empenhados em recuperar todo o seu território perdido – incluindo a Crimeia.[46]

Quem pode culpá-los? Mas a Rússia anexou oficialmente a Crimeia, Donetsk, Kherson, Luhansk e Zaporozhe, e está firmemente empenhada em manter esse território. Na verdade, há motivos para pensar que Moscovo anexará mais território ucraniano se puder.

O outro nó górdio diz respeito à relação da Ucrânia com o Ocidente. Por razões compreensíveis, a Ucrânia quer uma garantia de segurança quando a guerra terminar, o que só o Ocidente pode oferecer. Isso significa adesão de facto ou de jure à NATO, uma vez que nenhum outro país pode proteger a Ucrânia. Praticamente todos os líderes russos, no entanto, exigem uma Ucrânia neutra, o que significa nenhum vínculo militar com o Ocidente e, portanto, nenhum guarda-chuva de segurança para Kiev. Não há como quadrar esse círculo.

Existem dois outros obstáculos à paz: o nacionalismo, que agora se transformou em hipernacionalismo, e a total falta de confiança do lado russo.

O nacionalismo tem sido uma força poderosa na Ucrânia há mais de um século, e o antagonismo em relação à Rússia tem sido um dos seus elementos centrais. A eclosão do actual conflito em 22 de Fevereiro de 2014 alimentou essa hostilidade, levando o parlamento ucraniano a aprovar um projeto de lei no dia seguinte que restringia o uso do russo e de outras línguas minoritárias, uma medida que ajudou a precipitar a guerra civil no Donbass.[47]

A anexação da Crimeia pela Rússia pouco depois piorou uma situação ruim. Ao contrário da sabedoria convencional no Ocidente, Putin entendia que a Ucrânia era uma nação separada da Rússia e que o conflito entre os russos étnicos e os falantes de russo que viviam no Donbass e o governo ucraniano era sobre “a questão nacional”.[48]

A invasão russa da Ucrânia, que coloca directamente os dois países um contra o outro numa guerra prolongada e sangrenta, transformou esse nacionalismo em hipernacionalismo de ambos os lados. Desprezo e ódio pelo “outro” permeia a sociedade russa e ucraniana, o que cria incentivos poderosos para eliminar essa ameaça – com violência, se necessário. Exemplos não faltam. Um proeminente semanário de Kiev sustenta que autores russos famosos como Mikhail Lermontov, Fyodor Dostoyevsky, Leo Tolstoy e Boris Pasternak são “assassinos, saqueadores, ignorantes”.[49]

A cultura russa, diz um proeminente escritor ucraniano, representa “barbárie, assassinato e destruição…. Tal é o destino da cultura do inimigo”.[50]

Previsivelmente, o governo ucraniano está engajado na “des-russificação” ou “descolonização”, que envolve expurgar bibliotecas de livros de autores russos, renomear ruas com nomes ligados à Rússia, derrubar estátuas de figuras como Catarina, a Grande, banir música russa produzida depois de 1991, rompendo os laços entre a Igreja Ortodoxa Ucraniana e a Igreja Ortodoxa Russa e minimizando o uso da língua russa. Talvez a atitude da Ucrânia em relação à Rússia seja mais bem resumida pelo comentário conciso de Zelensky: “Não vamos perdoar. Nós não esqueceremos”.[51]

Voltando-se para o lado russo da colina, Anatol Lieven relata que “todos os dias na TV russa você pode ver insultos étnicos cheios de ódio dirigidos aos ucranianos”.[52]

Sem surpresa, os russos estão trabalhando para russificar e apagar a cultura ucraniana nas áreas que Moscovo anexou. Essas medidas incluem a emissão de passaportes russos, a alteração dos currículos nas escolas, a substituição da hryvnia ucraniana pelo rublo russo, o direcionamento de bibliotecas e museus e a renomeação de vilas e cidades.[53]

Bakhmut, por exemplo, agora é Artemovsk e a língua ucraniana não é mais ensinada nas escolas da região de Donetsk.[54]

Aparentemente, os russos também não perdoarão nem esquecerão.

A ascensão do hipernacionalismo é previsível em tempo de guerra, não apenas porque os governos dependem fortemente do nacionalismo para motivar o seu povo a apoiar o seu país ao máximo, mas também porque a morte e a destruição que vêm com a guerra – especialmente as guerras prolongadas – levam cada lado a desumanizar e odiar o outro. No caso da Ucrânia, o amargo conflito sobre a identidade nacional adiciona lenha à fogueira.

O hipernacionalismo naturalmente torna mais difícil para cada lado cooperar com o outro e dá à Rússia motivos para tomar território que está cheio de russos étnicos e falantes de russo. Presumivelmente, muitos deles prefeririam viver sob o controle russo, dada a animosidade do governo ucraniano em relação a tudo o que é russo. No processo de anexação dessas terras, os russos provavelmente expulsarão um grande número de ucranianos étnicos, principalmente por medo de que eles se rebelem contra o domínio russo se permanecerem. Esses desenvolvimentos irão alimentar ainda mais o ódio entre russos e ucranianos, tornando o compromisso sobre o território praticamente impossível.

Há uma razão final pela qual um acordo de paz duradouro não é factível. Os líderes russos não confiam nem na Ucrânia nem no Ocidente para negociar de boa-fé, o que não significa que os líderes ucranianos e ocidentais confiem nos seus equivalentes russos. A falta de confiança é evidente de todos os lados, mas é especialmente aguda da parte de Moscovo por causa de um conjunto recente de revelações.

A fonte do problema é o que aconteceu nas negociações sobre o Acordo de Minsk II de 2015, que foi uma estrutura para encerrar o conflito no Donbass. O presidente francês, François Hollande, e a chanceler alemã, Angela Merkel, desempenharam o papel central na concepção dessa estrutura, embora tenham consultado extensivamente Putin e o presidente ucraniano, Petro Poroshenko. Esses quatro indivíduos também foram os principais actores nas negociações subsequentes. Há pouca dúvida de que Putin estava comprometido em fazer Minsk funcionar. Mas Hollande, Merkel e Poroshenko – assim como Zelensky – deixaram claro que não estavam interessados em implementar Minsk, mas sim como uma oportunidade de ganhar tempo para a Ucrânia fortalecer as suas forças armadas para que pudesse lidar com a insurreição no Donbass. Como disse Merkel ao Die Zeit, foi “uma tentativa de dar tempo à Ucrânia… para se tornar mais forte”.[55]

Da mesma forma, Poroshenko disse: “O nosso objetivo era, primeiro, parar a ameaça, ou pelo menos atrasar a guerra – garantir oito anos para restaurar o crescimento económico e criar forças armadas poderosas”.[56]

Pouco depois da entrevista de Merkel ao Die Zeit em Dezembro de 2022, Putin disse em entrevista coletiva: “Achei que os outros participantes deste acordo eram pelo menos honestos, mas não, acontece que eles também estavam mentindo para nós e só queriam abastecer a Ucrânia com armas e prepará-la para um conflito militar.” Ele continuou dizendo que ser enganado pelo Ocidente o fez perder a oportunidade de resolver o problema da Ucrânia em circunstâncias mais favoráveis para a Rússia: “Aparentemente, para ser honesto, orientamo-nos tarde demais,. Talvez devêssemos ter começado tudo isso [a operação militar] antes, mas apenas esperávamos poder resolver isto dentro da estrutura dos acordos de Minsk.” Ele então deixou claro que a duplicidade do Ocidente complicaria negociações futuras: “A confiança já está quase no zero, mas depois de tais declarações, como podemos negociar? Sobre o quê? Podemos fazer acordos com alguém e onde estão as garantias?”[57]

Em suma, dificilmente há chance de a guerra na Ucrânia terminar com um acordo de paz significativo. Em vez disso, é provável que a guerra se arraste por pelo menos mais um ano e, eventualmente, se transforme num conflito congelado que pode voltar a ser uma guerra de tiros.

Consequências

A ausência de um acordo de paz viável terá uma variedade de consequências terríveis. As relações entre a Rússia e o Ocidente, por exemplo, provavelmente permanecerão profundamente hostis e perigosas no futuro próximo. Cada lado continuará demonizando o outro enquanto trabalha duro para maximizar a quantidade de dor e problemas que causa ao rival. Esta situação certamente prevalecerá se os combates continuarem; mas mesmo que a guerra se transforme num conflito congelado, é improvável que o nível de hostilidade entre os dois lados mude muito.

Moscovo procurará explorar as fissuras existentes entre os países europeus, ao mesmo tempo em que trabalhará para enfraquecer o relacionamento transatlântico, bem como as principais instituições europeias, como a UE e a NATO. Dado o dano que a guerra causou e continua a causar à economia europeia, dado o crescente desencanto na Europa com a perspectiva de uma guerra sem fim na Ucrânia, e dadas as diferenças entre a Europa e os Estados Unidos no que diz respeito ao comércio com a China, os líderes russos devem encontrar um terreno fértil para causar problemas no Ocidente.[58]

Essa intromissão naturalmente reforçará a russofobia na Europa e nos Estados Unidos, piorando uma situação ruim.

O Ocidente, por sua vez, manterá as sanções contra Moscovo e reduzirá ao mínimo as relações económicas entre os dois lados, tudo com o objetivo de prejudicar a economia da Rússia. Além disso, certamente trabalhará com a Ucrânia para ajudar a gerar insurgências nos territórios que a Rússia tomou à Ucrânia. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos e os seus aliados continuarão adotando uma política obstinada de contenção em relação à Rússia, que muitos acreditam que será aprimorada com a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO e o posicionamento de forças significativas da NATO na Europa Oriental.[59]

É claro que o Ocidente continuará comprometido em trazer a Geórgia e a Ucrânia para a NATO, mesmo que seja improvável que isso aconteça. Finalmente, as elites dos EUA e da Europa certamente manterão o seu entusiasmo em promover a mudança de regime em Moscovo e levar Putin a julgamento pelas acções da Rússia na Ucrânia.

Não apenas as relações entre a Rússia e o Ocidente permanecerão venenosas no futuro, mas também serão perigosas, pois haverá a possibilidade sempre presente de uma escalada nuclear ou uma guerra de grande potência entre a Rússia e os Estados Unidos.[60]

A destruição da Ucrânia

A Ucrânia estava com sérios problemas económicos e demográficos antes do início da guerra no ano passado.[61]

A devastação infligida à Ucrânia desde a invasão russa é terrível. Analisando os eventos durante o primeiro ano da guerra, o Banco Mundial declara que a invasão “causou um impacto inimaginável no povo da Ucrânia e na economia do país, com uma contracção da atividade em impressionantes 29,2% em 2022”. Sem surpresa, Kiev precisa de injeções maciças de ajuda externa apenas para manter o governo a funcionar, sem falar na guerra. Além disso, o Banco Mundial estima que os danos excedem US$ 135 bilhões e que cerca de US$ 411 bilhões serão necessários para reconstruir a Ucrânia. A pobreza, relata, “aumentou de 5,5% em 2021 para 24,1% em 2022, empurrando mais 7,1 milhões de pessoas para a pobreza e retrocedendo 15 anos de progresso”.[62]

Cidades foram destruídas, cerca de 8 milhões de ucranianos fugiram do país e cerca de 7 milhões estão deslocados internamente. As Nações Unidas confirmaram 8.490 mortes de civis, embora acreditem que o número real seja “consideravelmente maior”.[63]

E certamente a Ucrânia sofreu mais de 100.000 baixas no campo de batalha.

O futuro da Ucrânia parece extremamente sombrio. A guerra não mostra sinais de terminar tão cedo, o que significa mais destruição de infraestrutura e moradias, mais destruição de vilas e cidades, mais mortes de civis e militares e mais danos à economia. E não apenas a Ucrânia provavelmente perderá ainda mais território para a Rússia, mas, de acordo com a Comissão Europeia, “a guerra colocou a Ucrânia num caminho de declínio demográfico irreversível”.[64]

Para piorar a situação, os russos farão horas extras para manter a Ucrânia economicamente fraca e politicamente instável. O conflito em andamento também deve alimentar a corrupção, que há muito é um problema grave, e fortalecer ainda mais os grupos extremistas na Ucrânia. É difícil imaginar que Kiev satisfaça os critérios necessários para ingressar na UE ou na OTAN.

Política dos EUA em relação à China

A guerra na Ucrânia está atrapalhando o esforço dos EUA para conter a China, que é de suma importância para a segurança americana, já que a China é um concorrente de igual para igual, enquanto a Rússia não é.[65]

De facto, a lógica do equilíbrio de poder diz que os Estados Unidos devem aliar-se à Rússia contra a China e direcionar força total para o Leste Asiático. Em vez disso, a guerra na Ucrânia aproximou Pequim e Moscovo, ao mesmo tempo em que forneceu à China um poderoso incentivo para garantir que a Rússia não seja derrotada e os Estados Unidos permaneçam presos na Europa, impedindo os seus esforços de se concentrar no Leste Asiático.

Conclusão

Já deve estar claro que a guerra na Ucrânia é um enorme desastre que provavelmente não terminará tão cedo e, quando terminar, o resultado não será uma paz duradoura. Algumas palavras são necessárias sobre como o Ocidente acabou nessa terrível situação.

A sabedoria convencional sobre as origens da guerra é que Putin lançou um ataque não provocado em 24 de Fevereiro de 2022, motivado pelo seu grande plano de criar uma Rússia maior. A Ucrânia, diz-se, foi o primeiro país que pretendia conquistar e anexar, mas não o último. Como já disse em várias ocasiões, não há evidências que sustentem essa linha de argumentação e, de facto, há evidências consideráveis que a contradizem diretamente.[66]

Embora não haja dúvida de que a Rússia invadiu a Ucrânia, a causa final da guerra foi a decisão do Ocidente – e aqui estamos falando principalmente dos Estados Unidos – de fazer da Ucrânia um baluarte ocidental na fronteira da Rússia. O elemento-chave dessa estratégia foi trazer a Ucrânia para a NATO, um movimento que não apenas Putin, mas todo o establishment da política externa russa, via como uma ameaça existencial que precisava ser eliminada.

Esquece-se frequentemente que numerosos formuladores de políticas e estrategistas americanos e europeus se opuseram à expansão da NATO desde o início porque entenderam que os russos a veriam como uma ameaça e que a política acabaria levando ao desastre. A lista de oponentes inclui George Kennan, ambos secretário de Defesa do presidente Clinton, William Perry, e o seu chefe do Estado-Maior Conjunto, general John Shalikashvili, Paul Nitze, Robert Gates, Robert McNamara, Richard Pipes e Jack Matlock, apenas para citar alguns.[67]

Na cimeira da NATO em Bucareste, em Abril de 2008, tanto o presidente francês Nicolas Sarkozy quanto a chanceler alemã Angela Merkel se opuseram ao plano do presidente George W. Bush de trazer a Ucrânia para a aliança. Merkel disse mais tarde que a sua oposição se baseava na sua crença de que Putin a interpretaria como uma “declaração de guerra”.[68]

Claro, os oponentes da expansão da NATO estavam corretos, mas eles perderam a luta e a NATO marchou para o leste, o que acabou levando os russos a lançar uma guerra preventiva. Se os Estados Unidos e os seus aliados não tivessem agido para trazer a Ucrânia para a NATO em Abril de 2008, ou se estivessem dispostos a acomodar as preocupações de segurança de Moscou depois que a crise na Ucrânia estourou em Fevereiro de 2014, provavelmente não haveria guerra na Ucrânia hoje e as suas fronteiras estariam como quando conquistaram a independência em 1991. O Ocidente cometeu um erro colossal, pelo qual ele e muitos outros ainda não pagaram.

1 Este artigo foi escrito para servir de base a palestras públicas que dei ou darei sobre o conflito na Ucrânia. Ver, por exemplo:

2 https://nationalinterest.org/feature/causes-and-consequences-ukraine-crisis-203182
https://jmss.org/article/view/76584

Why Are We in Ukraine?


https://nationalinterest.org/feature/course-correcting-toward-diplomacy-ukraine-crisis-204171

https://scheerpost.com/2022/04/09/former-nato-military-analyst-blows-the-whistle-on-wests-ukraine-invasion-narrative/
3 http://www.en.kremlin.ru/events/president/transcripts/70565
4 http://en.kremlin.ru/events/president/news/71445
http://en.kremlin.ru/events/president/news/71391
5 https://nationalinterest.org/feature/course-correcting-toward-diplomacy-ukraine-crisis-204171
https://tass.com/politics/1634479
6 http://en.kremlin.ru/events/president/news/71391
Putin mencionou brevemente esses dois objetivos em seu discurso de 24 de Fevereiro de 2022, anunciando a invasão da Ucrânia. Mas não eram objetivos realistas, já que a Rússia estava lançando uma “operação militar especial” que não visava conquistar toda a Ucrânia. http://en.kremlin.ru/events/president/news/67843
Assim, não surpreende que Putin tenha abandonado esses dois objetivos durante as negociações de Istambul em Março de 2022. https://www.ft.com/content/7f14efe8-2f4c-47a2-aa6b-9a755a39b626
7 A Alemanha invadiu a Polónia em 1º de Setembro de 1939 com aproximadamente 1,5 milhões de soldados. O território polaco que conquistou para fins de anexação e administração tinha cerca de 188.000 quilómetros quadrados e era habitado por cerca de 22,1 milhões de polacos. A Ucrânia sem a Crimeia tinha aproximadamente 603.601 quilómetros quadrados e uma população de 41 milhões de ucranianos quando a Rússia invadiu em 24 de Fevereiro de 2022. Por outras palavras, a Ucrânia era geograficamente mais de três vezes maior que a parte da Polónia que os alemães conquistaram em 1939 e a Ucrânia tinha quase o dobro da população. Para os números da Ucrânia, veja as notas 9 e 28. Para os números polacos, veja: Robert M. Kennedy, The German Campaign in Poland (1939), (Washington, DC: Departamento do Exército, 1956), p. 77; Richard C. Lukas, Forgotten Holocaust: The Poles under German Occupation, 1939-1944 (Lexington, KY: University of Kentucky Press, 1986), p. 2; e
http://rcin.org.pl/Content/15652/WA51_13607_r2011-nr12_Monografie.pdf
8 http://en.kremlin.ru/events/president/news/71391
9 A Ucrânia pré-2014 tinha 603.628 quilómetros quadrados. Crimeia (27.000), Donetsk (26.517), Kherson (28.461), Luhansk (26.684) e Zaporozhe (27.180) representam aproximadamente 23% do território da Ucrânia. Se os russos também anexassem Dnipropetrovsk (31.914), Kharkiv (31.415), Mykolaiv (24.598) e Odessa (33.310), eles controlariam cerca de 43% da Ucrânia pré-2014.
10 https://russiancouncil.ru/en/analytics-and-comments/comments/six-months-into-the-conflict-what-exactly-does-russia-hope-to-achieve-in-ukraine/
https://www.newstatesman.com/world/europe/ukraine/2023/02/russia-cannot-afford-lose-need-victory-sergey-karaganov-what-putin-wants
11 https://www.nato.int/nato_static_fl2014/assets/pdf/2020/4/pdf/2003-NATO-Russia_en.pdf
12 https://www.rand.org/pubs/research_briefs/RB10014.html
13 https://www.cfr.org/article/how-much-aid-has-us-sent-ukraine-here-are-six-charts
https://www.washingtonpost.com/national-security/2023/04/18/russia-ukraine-war-us-involvement-leaked-documents/
14 https://www.france24.com/en/europe/20230330-live-charles-iii-addresses-german-parliament-during-first-trip-abroad-as-king
15 https://www.congress.gov/bill/118th-congress/house-resolution/322/text
16 https://www.washingtonpost.com/national-security/2023/06/14/ukraine-counteroffensive-biden-support/
17 https://www.washingtonpost.com/national-security/2023/04/18/russia-ukraine-war-us-involvement-leaked-documents/
18 https://www.washingtonpost.com/national-security/2023/04/18/russia-ukraine-war-us-involvement-leaked-documents/
19 https://foreignpolicy.com/2023/04/17/the-west-is-preparing-for-russias-disintegration/
20 https://foreignpolicy.com/2023/05/15/ukraine-nato-membership-europe-russia-war/?tpcc=recirc_latest062921

https://www.stripes.com/theaters/europe/2023-06-16/ukraine-status-nato-military-aid-10457960.html?utm_campaign=dfn-ebb&utm_medium=email&utm_source=sailthru
21 https://kyivindependent.com/stoltenberg-says-ukraine-will-join-nato-vows-continued-support-despite-russias-dangerous-and-reckless-nuclear-rhetoric/
22 https://www.wsj.com/articles/chinas-xi-makes-first-call-to-zelensky-since-russian-invasion-b784bb7f?mod=world_lead_pos2
23 https://kyivindependent.com/zelensky-ukraine-applies-for-fast-track-nato-accession/#:~:text=30%2C%20President%20Volodymyr%20Zelensky%20said,and%20we%20protect%20each%20other.
24 https://bigserge.substack.com/p/russo-ukrainian-war-schrodingers?utm_source=substack&utm_campaign=post_embed&utm_medium=web
25 https://bigserge.substack.com/p/the-battle-of-bakhmut-postmortem?utm_source=substack&utm_campaign=post_embed&utm_medium=web
26 https://www.militarytimes.com/news/your-military/2023/06/12/russias-improved-weaponry-and-tactics-challenge-ukraine-offensive/
27 https://tass.com/defense/1524515
28 A Rússia tinha cerca de 144 milhões de pessoas no início do conflito, enquanto a Ucrânia tinha 41 milhões, um número que inclui as pessoas que vivem no Donbass, mas não inclui os 2,4 milhões de pessoas que vivem na Crimeia. Isso gera uma proporção de 3,5:1 a favor da Rússia. Conforme observado, aproximadamente 8 milhões de ucranianos deixaram o país desde o início da guerra – cerca de 3 milhões deles foram para a Rússia e os outros 5 milhões foram para o Ocidente. Além disso, a Rússia anexou território na Ucrânia, nem todos os quais agora controla. Antes do início da guerra em Fevereiro de 2022, havia cerca de 8,8 milhões de pessoas nos quatro oblasts que a Rússia anexou, algumas das quais estão em território que a Rússia ainda não controla e algumas das quais estão incluídas nos 3 milhões de ucranianos que se mudaram para Rússia. Parece razoável supor que 4 milhões dos 8,8 milhões que estavam nesses oblasts antes da guerra estão agora sob controle russo. Assim, a Rússia agora tem uma população de 151 milhões (144 + 3 milhões de refugiados + 4 milhões de pessoas nas áreas do leste da Ucrânia que agora controla). A Ucrânia, por outro lado, tem 30 milhões de pessoas na sua população actual (41 milhões – 8 milhões de refugiados – 4 milhões de pessoas nas áreas do leste da Ucrânia que a Rússia agora controla). Esses números rendem uma vantagem russa de 5:1. Claro, esses números podem mudar se um grande número de refugiados ucranianos voltar para casa ou se a Rússia conquistar substancialmente mais território ucraniano e anexá-lo. Independentemente disso, a Ucrânia permanecerá em desvantagem numérica decisiva quando se trata de tamanho da população.
https://publications.jrc.ec.europa.eu/repository/handle/JRC132458
https://www.economist.com/europe/2022/12/12/the-war-has-worsened-ukraines-demographic-woes
https://www.russiamatters.org/analysis/whats-ahead-war-ukraine
https://tass.com/society/1627949
https://www.rt.com/russia/577546-ukraine-population-shrink-half/
29 https://kyivindependent.com/danilov-ukraine-lost-7-5-times-fewer-troops-than-russians-in-bakhmut/
https://www.bbc.com/news/world-europe-64955537
30 Para citar um soldado de infantaria ucraniano lutando em Bakhmut, “É uma pena que provavelmente 90% das nossas perdas sejam de artilharia – ou tanques e aviação … E muito menos (baixas) de batalhas de tiro.” https://kyivindependent.com/battle-of-bakhmut-ukrainian-soldiers-worry-russians-begin-to-taste-victory/
https://www.moonofalabama.org/2023/03/ukraine-is-lying-about-casualty-ratios-to-justify-holding-of-bakhmut.html
31 https://english.elpais.com/international/2023-03-01/ukraine-outgunned-10-to-1-in-massive-artillery-battle-with-russia.html
https://www.nbcnews.com/politics/national-security/russia-ukraine-war-ammo-rcna56210
https://babel.ua/en/news/81312-forbes-russia-has-a-five-fold-advantage-in-artillery-but-western-weapons-can-change-the-situation
https://kyivindependent.com/why-ukraine-struggles-to-combat-russias-artillery-superiority/
https://www.washingtonpost.com/world/2023/04/20/bakhmut-ukraine-war-leaked-documents/
https://kyivindependent.com/battle-of-bakhmut-ukrainian-soldiers-worry-russians-begin-to-taste-victory/
https://kyivindependent.com/ukrainian-soldiers-in-bakhmut-our-troops-are-not-being-protected/
https://www.washingtonpost.com/world/2023/03/13/ukraine-casualties-pessimism-ammunition-shortage/
https://www.washingtonpost.com/world/2023/04/08/ukraine-ammunition-shortage-shells-ration/?utm_campaign=wp_post_most&utm_medium=email&utm_source=newsletter&wpisrc=nl_most&carta-url=https%3A%2F%2Fs2.washingtonpost.com%2Fcar-ln-tr%2F39a85b2%2F6431956453816d1ce09541f1%2F5972c5a9ae7e8a1cf4af1c87%2F31%2F72%2F6431956453816d1ce09541f1&wp_cu=45c484975590037f02458fe7cb0bc152%7CC0E249690CC33FB5E0430100007FF646
https://www.rt.com/russia/575278-ukraine-general-lament-state-army/?utm_source=Newsletter&utm_medium=Email&utm_campaign=Email
32 É difícil determinar o número de baixas russas e ucranianas, pois ambos os lados fornecem poucas informações sobre as suas próprias baixas e informações questionáveis sobre as baixas de seus oponentes. Vale a pena notar, no entanto, que tanto os relatos pró-ucranianos quanto os pró-ocidentais de eventos no campo de batalha geralmente falam sobre os níveis notavelmente altos de baixas que as forças ucranianas estão sofrendo, enquanto não há discurso equivalente nas descrições pró-russas do campo de batalha. Certamente há discussões sobre baixas russas, mas há poucas evidências de que as forças russas estejam sofrendo níveis de baixas especialmente altos, como as suas contrapartes ucranianas. Vários governos, instituições e indivíduos oferecem estimativas de baixas, mas não fornecem uma explicação de como chegaram a esses números. Uma rara exceção é uma análise cuidadosa da prolongada Batalha de Bakhmut por um blogueiro pró-Rússia, que estima que a taxa de troca de baixas naquela luta favoreceu os russos em aproximadamente 2:1.
https://bigserge.substack.com/p/the-battle-of-bakhmut-postmortem?utm_source=substack&utm_campaign=post_embed&utm_medium=web 33 https://samf.substack.com/p/time-for-ukraines-offensive?utm_source=substack&utm_campaign=post_embed&utm_medium=web
https://www.washingtonpost.com/world/2023/03/06/bakhmut-wagner-mercenaries-russia-ukraine/
https://www.wsj.com/articles/wagner-and-russian-army-cooperate-in-fresh-push-to-take-bakhmut-114fe886
https://www.economist.com/graphic-detail/2023/03/08/how-many-russians-have-been-killed-in-ukraine?utm_content=article-link-3&etear=nl_today_3&utm_campaign=r.the-economist-today&utm_medium=email.internal-newsletter.np&utm_source=salesforce-marketing-cloud&utm_term=3/8/2023&utm_id=1517391
34 https://www.jstor.org/stable/2538780
35 https://www.russiamatters.org/analysis/whats-ahead-war-ukraine
36 Sobre a Guerra Civil Americana, veja-se os números de baixas para os primeiros ofensores e defensores nas primeiras doze grandes batalhas daquele sangrento conflito em Richard E. Beringer et al., Why the South Lost the Civil War (Athens, GA: University of Georgia Press, 1986), p. 460. Em relação à Primeira Guerra Mundial, considere duas das principais batalhas que ocorreram em 1916. Na Batalha de Verdun, que a Alemanha iniciou contra a França e onde 23 milhões de projéteis de artilharia foram disparados pelos dois lados, houve 350.000 baixas alemãs e 400.000 baixas francesas. Na Batalha do Somme, onde as forças britânicas e francesas iniciaram o ataque contra o exército alemão e onde 1.700.000 projéteis foram disparados apenas no primeiro dia, os Aliados sofreram cerca de 620.000 baixas, enquanto os alemães sofreram 550.000 baixas. Martin Gilbert, Atlas of the First World War (Londres: Weidenfeld e Nicolson, 1970), pp. 53, 56; e https://www.historic-uk.com/HistoryUK/HistoryofBritain/Battle-of-the-Somme/; https://www.britannica.com/event/Battle-of-Verdun
37 https://www.washingtonpost.com/world/2023/04/20/bakhmut-ukraine-war-leaked-documents/
38 https://tass.com/defense/1524515
39 Para obter evidências de que as forças terrestres russas estão em boa forma após quatorze meses de guerra e provavelmente melhorarão no futuro, veja o recente testemunho do general Christopher Cavoli, o comandante supremo aliado na Europa.
https://www.stripes.com/theaters/europe/2023-04-26/ukraine-russia-offensive-eucom-congress-9928802.html?utm_campaign=dfn-ebb&utm_medium=email&utm_source=sailthru&SToverlay=2002c2d9-c344-4bbb-8610-e5794efcfa7d
https://armedservices.house.gov/sites/republicans.armedservices.house.gov/files/04.26.23%20Cavoli%20Statement%20v2.pdf
https://www.economist.com/syrsky-interview
https://www.kyivpost.com/post/15227#:~:text=War%20in%20Ukraine-,%27They%20Should%20Not%20Be%20Underestimated%27%3A%20A%20Ukrainian%20Soldier%20Describes,says%20a%20serviceman%20in%20Kreminna.
https://rusi.org/explore-our-research/publications/special-resources/meatgrinder-russian-tactics-second-year-its-invasion-ukraine
40 https://responsiblestatecraft.org/2023/04/17/lieven-inside-ukraine-some-real-breaks-and-insights/
https://kyivindependent.com/battle-of-bakhmut-ukrainian-soldiers-worry-russians-begin-to-taste-victory/
https://www.bbc.com/news/world-europe-64955537
https://www.kyivpost.com/post/15227

https://www.militarytimes.com/news/your-military/2023/06/12/russias-improved-weaponry-and-tactics-challenge-ukraine-offensive/
https://rusi.org/explore-our-research/publications/special-resources/meatgrinder-russian-tactics-second-year-its-invasion-ukraine
https://www.economist.com/europe/2023/05/21/russias-army-is-learning-on-the-battlefield?utm_medium=cpc.adword.pd&utm_source=google&ppccampaignID=17210591673&ppcadID=&utm_campaign=a.22brand_pmax&utm_content=conversion.direct-response.anonymous&gclid=Cj0KCQjwnMWkBhDLARIsAHBOftrBBcuuqhkoC_blsz3jrXFjUYLFreTmzrqvsoZOQhKLRO6oUOAOvEQaAl1iEALw_wcB&gclsrc=aw.ds
41 https://www.ft.com/content/aee0e1a1-c464-4af9-a1c8-73fcbc46ed17
https://www.wsj.com/articles/eu-to-send-ukraine-a-million-artillery-shells-as-russia-gains-ground-5e25a064
https://www.rt.com/russia/573610-russia-ammo-production-putin/
https://bigserge.substack.com/p/russo-ukrainian-war-leak-biopsy?utm_source=substack&utm_campaign=post_embed&utm_medium=web
https://www.wsj.com/articles/u-s-reaches-deep-into-its-global-ammunition-stockpiles-to-help-ukraine-8224d985

https://www.reuters.com/world/europe/germany-only-has-20000-high-explosive-artillery-shells-left-report-2023-06-19/#:~:text=BERLIN%2C%20June%2019%20(Reuters),the%20need%20for%20urgent%20purchases.
42 http://en.kremlin.ru/events/president/news/71445
http://en.kremlin.ru/events/president/news/71391
43 https://www.wsj.com/articles/ukraine-runs-into-russian-air-superiority-82c621c
44 https://kyivindependent.com/russias-smart-bombs-pose-increasingly-serious-threat-to-ukraine/
https://www.rt.com/russia/575978-ukraine-glide-bombs-offensive/

45 https://www.rt.com/russia/576996-russia-conditions-ukraine-peace/
46 “Um inquérito em Fevereiro e Março [2023] do Instituto Internacional de Sociologia de Kiev descobriu que 87% dos ucranianos consideravam inaceitáveis quaisquer concessões territoriais para alcançar a paz. Apenas 9% disseram que aceitariam concessões se isso significasse uma paz duradoura.”
https://www.ft.com/content/d68b4007-4ddf-4320-b29a-f2eee2662d6e
47 https://www.atlanticcouncil.org/blogs/ukrainealert/the-truth-behind-ukraine-s-language-policy/
Este artigo deixa claro como a linguagem é importante para alimentar os problemas dentro da Ucrânia.
48 http://en.kremlin.ru/events/president/news/66181
49 https://mondediplo.com/2023/01/04ukraine
50 https://www.nybooks.com/online/2023/04/21/derussification-ukraine-libraries/?utm_medium=email&utm_campaign=NYR%2004-23-23%20Tallman%20Benfey%20Bell%20Rudick%20Debevec-McKenney%20Schaeffer&utm_content=NYR%2004-23-23%20Tallman%20Benfey%20Bell%20Rudick%20Debevec-McKenney%20Schaeffer+CID_b19f74f0617664032481c98beab30139&utm_source=Newsletter&utm_term=A%20Book%20is%20a%20Quiet%20Weapon
https://www.washingtonpost.com/world/interactive/2023/ukraine-russian-influence-destruction/?itid=hp-top-table-main_p001_f004
51 https://goodfaithmedia.org/understanding-zelenskyys-we-will-not-forgive-we-will-not-forget
52 https://www.thenation.com/article/world/ukraine-russia-nationalism-war/
53 https://www.nytimes.com/2023/04/22/world/europe/zelensky-russian-ban-ukraine.html
https://www.wsj.com/articles/schools-in-occupied-ukraine-seek-to-turn-children-into-loyal-russians-d26cf4e?mod=hp_lead_pos6
54 https://www.rt.com/russia/577407-donetsk-ukrainian-language-pushilin/
55 https://consortiumnews.com/2022/12/13/patrick-lawrence-germany-the-lies-of-empire/
https://www.rt.com/russia/567873-zakharova-merkel-minsk-agreements/
56 https://consortiumnews.com/2022/12/05/scott-ritter-merkel-reveals-wests-duplicity/
https://www.rt.com/russia/577553-poroshenko-minsk-accords-nato/
Sobre Zelensky, https://www.rt.com/russia/571243-zelensky-minsk-agreements-failure/
57 https://www.rt.com/russia/567967-putin-thinks-shouldve-started-sooner/
http://www.en.kremlin.ru/events/president/transcripts/70565
http://en.kremlin.ru/events/president/news/71445
http://en.kremlin.ru/events/president/news/71391
https://www.rt.com/russia/578175-lavrov-ukraine-world-order/
58 O Banco Mundial relata que: “A invasão da Ucrânia pela Federação Russa, a subsequente interrupção de energia, alimentos, metais e outros suprimentos e o aperto da política monetária e das condições financeiras desaceleraram drasticamente o crescimento na Europa e na Ásia Central (ECA) em 2022. O crescimento da atividade regional enfraqueceu para 1,2% em 2022, de 7,1% em 2021.”
https://openknowledge.worldbank.org/server/api/core/bitstreams/004535c2-fbcd-4e96-9439-bc4bc502c2b3/content
https://www.wsj.com/articles/world-bank-warns-of-lost-decade-for-global-economy-aba506a4
https://www.politico.eu/article/74-percent-of-europeans-agree-with-french-president-emmanuel-macron-on-china-us-defense-report-shows/
59 https://www.nytimes.com/2023/04/17/world/europe/nato-russia-ukraine-war.html
https://armedservices.house.gov/sites/republicans.armedservices.house.gov/files/04.26.23%20Cavoli%20Statement%20v2.pdf
60 https://www.foreignaffairs.com/ukraine/playing-fire-ukraine
Considere, por exemplo, como a entrada da Finlândia e da Suécia na NATO aumentará a sensação de perigo da Rússia. Moscovo não apenas enfrentará uma aliança ocidental mais formidável, mas a Finlândia compartilha uma fronteira de 830 milhas com a Rússia; e os Estados Unidos aparentemente planeiam estabelecer uma presença militar na Finlândia. Além disso, o Mar Báltico, que é de importância estratégica vital para a Rússia – especialmente por causa de Kaliningrado – agora será cercado por países da NATO. Para piorar a situação, há sério potencial de problemas no Ártico, onde a Rússia é um dos oito estados da margem e onde as disputas são prováveis à medida que o gelo continua a derreter. Os outros sete estados da margem, no entanto, agora são todos membros da NATO – Grã-Bretanha, Canadá, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Estados Unidos. Numa crise no Ártico, uma Rússia assustada e em menor número – com a maioria das suas forças convencionais encurraladas na Ucrânia – pode seguir uma estratégia militar altamente arriscada para se proteger.

US sees in Finland’s NATO accession encirclement of Russia


https://www.zerohedge.com/geopolitical/us-talks-establishing-military-bases-finland

China-Russia Arctic Cooperation in the Context of a Divided Arctic

Russia Won’t Sit Idly by after Finland and Sweden Join NATO



61 https://carnegieendowment.org/2012/03/09/underachiever-ukraine-s-economy-since-1991-pub-47451
https://www.britannica.com/place/Ukraine/Economic-difficulties

Ukraine’s Big Mistake


Sobre a população da Ucrânia, ver as fontes na nota 28.
62 https://reliefweb.int/report/ukraine/ukraine-rapid-damage-and-needs-assessment-february-2022-2023-enuk
https://openknowledge.worldbank.org/server/api/core/bitstreams/004535c2-fbcd-4e96-9439-bc4bc502c2b3/content

The Shocking Economic Damage to Ukraine From Russia’s Invasion


63 https://www.ohchr.org/en/news/2023/04/ukraine-civilian-casualty-update-10-april-2023
64 https://joint-research-centre.ec.europa.eu/jrc-news-and-updates/war-exacerbates-ukraines-population-decline-new-report-shows-2023-03-08_en
https://www.rt.com/russia/577546-ukraine-population-shrink-half/
65 https://www.politico.com/news/magazine/2023/06/09/america-weapons-china-00100373
66 https://www.foreignaffairs.com/articles/russia-fsu/2014-08-18/why-ukraine-crisis-west-s-fault

https://nationalinterest.org/feature/causes-and-consequences-ukraine-crisis-203182
https://www.economist.com/by-invitation/2022/03/11/john-mearsheimer-on-why-the-west-is-principally-responsible-for-the-ukrainian-crisis
https://www.newyorker.com/news/q-and-a/why-john-mearsheimer-blames-the-us-for-the-crisis-in-ukraine
67 https://www.armscontrol.org/act/1997-06/arms-control-today/opposition-nato-expansion#:~:text=Dear%20Mr.,policy%20error%20of%20historic%20proportions.
68 https://www.theguardian.com/world/2022/jun/07/no-regrets-over-handling-of-vladimir-putin-says-angela-merkel


[*] Cientista político, ver Wikipedia
O original encontra-se em mearsheimer.substack.com/p/the-darkness-ahead-where-the-ukraine, via resistir.info

Subscribe
Notify of
guest

58 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hcosta
Hcosta
10 meses atrás

O autor é muito seletivo nas suas questões… Nenhuma referência às interferências Russas sobre a Ucrânia desde a sua independência ou as repressões violentas da União Soviética? Estado neutro era a Finlândia ou a Suécia, não a Ucrânia. E vou repetir o que me parece óbvio. A Ucrânia não entraria na OTAN devido à oposição de alguns países, cada um com os seus motivos, alguns mais compreensíveis do que outros, e não entraria a partir de 2014 devido a um conflito interno. Então como isto pode ser a justificação para a 2ª invasão em 2022? E a ameaça da OTAN… Read more »

Vitor
Vitor
Reply to  Hcosta
10 meses atrás

Caro , você não compreendeu refaça a leitura pois essa matéria vai no DNA da causa do conflito.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Vitor
10 meses atrás

Então pegue nas 26 letras do alfabeto, junte-as em palavras, depois em frases e tente explicar o que não compreendi… Este conflito só serve para o regime de Putin manter-se no poder de dois modos. O primeiro é evitar uma Ucrânia e Bielorrússia democrática e as consequências que isso teria para um regime que não consegue atingir os níveis de desenvolvimento dos restantes países Europeus. O segundo é aproveitar o estado de guerra para consolidar o poder. O resto é propaganda para disfarçar esta motivação. A Ucrânia “Nazi”, a minoria de etnia Russa que, no máximo, representam cerca de 39%… Read more »

leonidas
leonidas
Reply to  Vitor
10 meses atrás

Ele não quer entender…rs
O que sobra para questionar é se a recusa de enxergar o óbvio se deve a teimosia ou por ignorar completamente a complexidade geopolítica que deu origem a este conflito…

Leandro
Leandro
Reply to  Vitor
10 meses atrás

Compreender creio que sim, mas não atendeu a verdade dele, só isso.

Luiz Pereira Filho
Luiz Pereira Filho
Reply to  Hcosta
10 meses atrás

A próxima vítima vai ser o país da Moldávia no caminho da Rússia. A Moldávia poderia entrar na OTAN. Logo a Rússia ia falar não.

Joao
Joao
10 meses atrás

Interessante que o autor aborda táticas simples de reconhecimento em força, usadas desde a IIGM, como inovadoras…

E, é o q muitos já escreveram, vai acabar com a Rússia com parte da Ucrânia, enfrentando uma resistência longa.

A Ucrânia será “amparada” pelo ocidente, com resultados q vimos pos-II GM e pos-Guerra da Coreia.

E a Rússia gastando o que nao tem, pra se fortalecer.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Joao
10 meses atrás

Não haverá “duas Ucrânias” como houve com Alemanha e Coréia.

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  Joao
10 meses atrás

O autor só diz m…

deadeye
deadeye
10 meses atrás

Seria uma “vitória feia” – de acordo com o autor. Nome bonito para uma derrota estratégica.

leonidas
leonidas
Reply to  deadeye
10 meses atrás

Derrota estratégica é ter a Ucrânia na Otan…rs

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  deadeye
10 meses atrás

Parei de ler aí, não vou ficar lendo abobrinha. Ele próprio admite que a Rússia não vai conquistar os três objetivos principais pelo qual iniciaram a guerra e mesmo assim diz que é vitória da Rússia.

Ciclope
Ciclope
Reply to  SmokingSnake 🐍
10 meses atrás

Pois é, para você ver que deveria ter continuado a ler o resto.

Oráculo
Oráculo
10 meses atrás

Como é bom ler um texto dessa qualidade, aonde o autor explica e fundamenta suas convicções.

Você pode não concordar com o que ele escreve, mas tem que ser muito bom pra rebater suas opiniões com a mesma capacidade de argumentação e fundamentar a crítica com tanta qualidade de dados e informações tecnicas.

Uma verdadeira aula.
Parabéns a trilogia pela sua publicação.

Destro
Destro
10 meses atrás

Legal…
Tira o vovô Biden e coloca o tio Thunf, agora analisa outra vez

RSmith
RSmith
Reply to  Destro
10 meses atrás

… hum… isso ai só colocando todo o pais (USA) numa cadeira de psiquiatria!

Tuacha
Tuacha
Reply to  Destro
10 meses atrás

Quando o primeiro políticos, perder as eleições o apoio acaba e a estratégia muda para agradar o eleitorado. Sem falar a caça as bruxas que o político derrotado vai sofrer por ter gasto tanto dinheiro nessa guerra.

Quirino
Quirino
10 meses atrás

Grande analise! A parte mais interessante pra min é a parte que se refere ao passado e o presente, a parte do futuro, como o próprio autor disse, é quase adivinhação. Sobre a parte do ódio entre as partes, me fez lembrar dois vídeos que vi, um do lado ucraniano, onde soldados ucranianos prendiam ucranianos que eram falantes de russos em postes e os torturava, o outro vídeo, foi um vídeo de um soldado russo, decapitando com uma faquinha um jovem soldado ucraniano que estava vivo, foi bem bizarro, mas isso exemplifica o ódio, quanto mais essa guerra demorar mais… Read more »

Last edited 10 meses atrás by Quirino
Marlos
Marlos
Reply to  Quirino
10 meses atrás

Stalin era georgiano teriam que culpar a Geórgia por isso

RSmith
RSmith
Reply to  Quirino
10 meses atrás

a guerra é terrível… leva gente normal e pacifica a cometer as piores atrocidades… com reflexos igualmente terríveis para as futuras gerações…

Ciclope
Ciclope
Reply to  Quirino
10 meses atrás

Engraçado e que Stálin nem Russo era, ele era Georgiano. Kk

Kommander
Kommander
10 meses atrás

Sinceramente, eu tenho medo do futuro. Pois ficou bem claro que nenhum dos dois lados vai ceder, e a Rússia é capaz de tudo, e ainda pior é o ocidente alimentando o conflito.

Magaren
Magaren
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Russia está humilhada e acuada, agora mais do que nunca não vai voltar atrás.

Ricardo
Ricardo
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Vc é ucraniano?

Francisco Vieira
Francisco Vieira
10 meses atrás

Excelente artigo!
Eu ressaltaria:
“Quando falamos do Ocidente, no entanto, estamos falando principalmente dos Estados Unidos, já que seus aliados europeus recebem ordens de Washington quando se trata da Ucrânia.

Camargoer.
Camargoer.
10 meses atrás

Olá Colegas. Os que acompanham meus comentários sobre a guerra na Ucrãnia talvez tenham percebido que é mais ou menos o que eu tenho escrito nos últimos 8 ou 9 meses. A Russia passou a implementar uma guerra de atrito com o objetivo de enfraquecer a Ucrânia, que a ajuda militar para a Ucrânia tem sido suficiente para manter uma guerra de equilíbrio, que a Russia tem uma capacidade industrial e econômica para sustentar uma guerra de atrito por longo prazo e que neste momento, a correlação de forças desfavorece uma acordo, mas a médio prazo a resolução do conflito… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Coisas que ajudam a corroborar sua hipótese: O fato das sanções econômicas não terem afetado de forma significativa o esforço de guerra russo. Obviamente a economia russa sofreu um grande baque, mas nem de longe afetou a indústria armamentista russa. O fato da China estar ajudando, de forma indireta, os russos. Claro, os chineses não estão mandando bombas e armas pra Rússia, mas compram seu gás natural e vendem chips e peças de motores. As áreas controladas pela Russia na Ucrania incluem grandes áreas de indústria pesada e hubs ferroviários. Ao contrário da Ucrânia, a Rússia mantem sua infra-estrutura intacta.… Read more »

Ciclope
Ciclope
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Se esqueceu que o território anexado pela Rússia também é rica em minerais, terras férteis agricultáveis e a maior parte da matriz energética da Ucrânia também.
Zapprijja e literalmente a Itaipu da Ucrânia, e agora e dos Russos.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Não sei, o tempo tem a tendência de contrariar as melhores previsões.
Será que a China manterá a mesma posição? Será que as sanções terão um efeito em cascata? De que forma o Ocidente irá manter o seu apoio? Os efeito de uma economia de guerra, as baixas, isolamento internacional, etc… não terão consequências na opinião pública Russa?

Não sei se a Rússia escolheu fazer uma guerra de atrito mas talvez seja a única opção que lhe resta.

E a enorme capacidade industrial dos EUA não evitou que perdessem guerras…

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Hcosta
10 meses atrás

Particularmente, acho mais fácil a China continuar ajudando a Russia, mesmo que de forma velada, que o Ocidente continuar ajudando a Ucrânia por mais 1 ano e meio ou 2 anos…

Hcosta
Hcosta
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

A China por enquanto não tem o nível de intervenção na diplomacia internacional que o seu estatuto permite. Talvez a resolução do conflito Ucraniano seja o primeiro passo para atingir esse estatuto, mesmo às custas da Rússia. E talvez o regime Russo esteja à procura de uma saída honrosa e a China poderá propiciar isso… E ainda tem alguns países com grandes arsenais que poderão aliviar o fardo. Grécia, Bulgária, até a França e a Alemanha, que ainda estão aquém do esperado e mesmo países fora da Europa. Me parece que as decisões já foram tomadas e estamos na fase… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Depende muito do rumo político na Europa. Eu não acho que o deep state americano (dep de estado e defesa) fora a maior parte dos políticos de ambos os partidos irão cortar a ajuda, o mesmo para o Reino Unido. E também acho que o Trump não poderia mudar muita coisa… pra quem esquecer, a ajuda dos EUA ao Zelensky que tinha começado em 2014 continuou no governo Trump e foi até motivo de um dos dois processos de Impeachment que passou na câmara dos deputados… o Trump chantageou o Zelensky a investigar o filho do atual presidente ou cortaria… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rodolfo
10 meses atrás

Desculpe, a ajuda dos EUA que começou em 2014 foi à Ucrânia depois da revolução Maidan, o Zelensky foi eleito mais tarde.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Hcosta
10 meses atrás

Caro. Eu escrevi que, mantida a atual conjuntura geopolítica, ou que mantida a atual correlação de forças, o tempo está a favor da Russia. O futuro é aberto. Caso ocorra uma mudança do cenário, será preciso reavaliar o cenário. Análise é uma coisa que precisa ser revisado periodicamente. Análises são juízo de mérito. ou seja, sobre fatos e evidências. Um bom analista evita juízo de valor ou avaliar motivações pessoais ou morais. A Russia tem várias opções, algumas mais caras, como uma invasão de larga escala, outras que trariam consequências terríveis como um ataque nuclear. Isso na verdade não importa… Read more »

Hcosta
Hcosta
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Mas sem saber quais são os objetivos Russos não dá para saber se o tempo está do seu lado. É uma guerra de atrito que eles querem? Aí sim pode ter razão.

Mas se o objetivo for aliviar as sanções? Ou exportar novamente o gás em grandes quantidades para a Europa? Outras questões económicas?
Uma guerra de atrito não vai resolver estas questões.

Talvez tenham cavado um buraco muito fundo e agora não conseguem sair.

As motivações de algo, dos fatos, são também importantes para perceber a sua origem e a sua resolução.

Ivan
Ivan
Reply to  Hcosta
10 meses atrás

H Costa, . Como escrevi antes, você sabe! . O objetivo do Kremlin era uma guerra rápida, a derrubada do governo eleito de Kyiv (com a fuga ou morte de Zelensky), instalação de um governo submisso à Moscou e incorporação de áreas mais “interessantes” para Rússia. . Mas não combinaram com os ucranianos. Ao menos não com a maioria dos ucranianos, aqueles que resolveram salvar seu país. . Ao perder as Batalha de Gostomel (Aeroporto “Antonov”), perder a Batalha por Kyiv (do século XXI), e ser expulso da região de Kharkiv, o Kremlin teve que buscar um novo plano, que… Read more »

Augusto
Augusto
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

“Um bom analista evita juízo de valor ou avaliar motivações pessoais ou morais”

Sei……

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Augusto
10 meses atrás

Augusto. Para saber a motivação de uma pessoa séria preciso conversar com está pessoa, conversar com seus conhecidos e ter uma sólida formação em psicologia. Achar que alguém conseguiria desenvolver uma análise baseada em “motivação” é um grande equívoco. Escolhas as relações de troca, avalie variáveis mensuráveis e materiais. Fora disso é apenas especulação. No máximo uma coluna de opinião. Nunca uma análise.

Ciclope
Ciclope
Reply to  Hcosta
10 meses atrás

Pelo histórico mundial, a Rússia irá se adaptar às sanções ocidentais assim como Iran, Coreia do Norte, Cuba, e com vantagem brutal em relação e esses países.

Ivan
Ivan
Reply to  Hcosta
10 meses atrás

H Costa, . “Não sei se a Rússia escolheu fazer uma guerra de atrito mas talvez seja a única opção que lhe resta.” . Parabéns por sua paciência e forma educada de escrever. Mas você sabe: É “a única opção que lhe resta.” . Vladimir Vladimirovitch entrou nessa “Operação Especial” com informações erradas, fruto do próprio sistema de poder que ele recebeu e reforçou. A tal “Operação Especial” seria (e é) a continuação da Guerra de Invasão da Ucrânia que começou na Criméia e no Donbass em fevereiro de 2014. SIM, a Guerra de Invasão da Ucrânia começou em 2014.… Read more »

leonidas
leonidas
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Velho, o que o artigo fala sobre a realidade desta guerra é tão óbvio que como vc mesmo cita, já tinha sido colocado a meses. O problema é que as pessoas acham bonito ser e cultivar ignorância e teimam em analisar as causas dessa guerra como se estivessem em um clube juvenil jogando algum joguinho de estratégias. As razões pelas quais esta guerra jamais deveria ter ocorrido são claras a pelo menos 70 anos!!!! O ocidente abriu a caixa de pandora e como já foi colocado no Artigo, é possível fazer uma análise sobre o passado e mais ou menos… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  leonidas
10 meses atrás

Difícil dizer qual o valor dessa guerra para os EUA sem saber direito qual a estratégia final. A verdade é que existem correntes diferentes dentro do país, com os Neocons defendendo intervenção e democracia e do outro lado um grupo mais pragmático que defende que os EUA deveria se concentrar na Ásia já que é o continente do século 21. Outro fator é que para muitos dentro do dep de estado, o objetivo maior desse conflito seria uma mudança de regime na Rússia, ou pelo menos seu enfraquecimento. Hoje, essa guerra está endividando a Ucrânia que se tornará dependente dos… Read more »

JackTheRipper
JackTheRipper
10 meses atrás

Acompanho a Triologia a decadas, sem comentar. Mas após ler esse excelente artigo, me obrigo a parabenizar os editores por disponibilizá-lo a nós brasileiros, sempre carentes de informação jornalistica de qualidade.

Comte. Nogueira
Comte. Nogueira
10 meses atrás

Meu medo se resume num único ponto: da Rússia perder a guerra e ser humilhada pelo Ocidente, o que inevitavelmente, a levará a lançar mão de seu último recurso; também me causa desconforto saber que os contrapesos de forças mundiais se desequilibrarão numa proporção nefasta para os “não alinhados” com a cultura e o modo de ser do Ocidente, em razão de sua mente colonizadora que vem dos primórdios da civilização, pois quem não está a favor dos EUA/Otan, obviamente estará contra e sujeito à “sanções” e outros modos de contenção. No meio do caminho, fica a América Latina, a… Read more »

Last edited 10 meses atrás by Comte. Nogueira
Comte. Nogueira
Comte. Nogueira
10 meses atrás

Ainda não consigo entender como é possível a entrada de tantos carregamentos de armas para a Ucrânia, pois, aparentemente, as vias rodoviárias e ferroviárias parecem um tanto óbvias e de conhecimento da inteligência russa.
É não se observam ataques aéreos, ou interceptações aéreas, sobre esses comboios e entregas.

Eu mesmo
Eu mesmo
Reply to  Comte. Nogueira
10 meses atrás

Porque EUA e Rússia precisam que a guerra continue por mais tempo pra treinar novas táticas e afins com a nova geração de guerra, drones, cyberguerra etc.. Ignore análises rasas como as desse artigo, tudo que o autor falou pode ser encontrado lendo apenas notícias de ambos os lados. A Rússia está mais dependente do que nunca da China, que são inimigos históricos que apenas estão dando uma trégua por causa dos EUA. A Rússia tem uma economia fraca e baixa natalidade, chineses e outros asiáticos estão imigrando em massa pra Sibéria, o autor desconhece totalmente a realidade russa. O… Read more »

Marcos Silva
Marcos Silva
10 meses atrás

Quanta baboseira… A Rússia nunca vai vencer a Ucrânia nesses termos colocados aí no texto.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
10 meses atrás

É como luta de box onde os Russos escolhe onde quer bater os ucras escolhem como apanhar pouco e nato mandando os ucras não desistir….

Francisco Vieira
Francisco Vieira
10 meses atrás

” O porta-voz de segurança da Casa Branca, John Kirby, informou nesta quinta-feira, 20, que os soldados ucranianos já estão utilizando as bombas de fragmentação enviadas para que pudessem lutar contra a Rússia, em uma guerra que se encaminha para o seu segundo ano. “Recebemos algum feedback inicial dos ucranianos, e eles estão usando-os de forma bastante eficaz”, disse Kirby em entrevista coletiva,”

Arthur
Arthur
10 meses atrás

Na falta de lanterna, usa-se vela…

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
10 meses atrás

Realmente virou uma guerra de existência entre Rússia e Ucrânia/Ocidente… E esse rumo foi muito ruim para Ucrânia! Se a Ucrânia vencer a Rússia como conhecemos vai deixar de existir e se a Rússia vencer a Ucrânia vai deixar de existir e por tabela o enfraquecimento dos países que estão lutando essa guerra sem colocar as botas no território ucraniano… Ah questão é, para os países que estão lutando a guerra por procuração, não têm e principalmente não querem, colocar seus nacionais (de forma oficial!) lutando para matar e morrer em território ucraniano, lutam “diretamente” somente por meio de equipamento,… Read more »

Hygino Lima
Hygino Lima
10 meses atrás

Rússia tem um exército bagunçado,sem comando, impossível vencer à guerra. Infelizmente é tudo muito demorado devido a burocracia para chegar ajuda(UE e EUA) para a Ucrânia, quando a Ucrânia conseguir supremacia aérea com F16 a Ucrânia vencerá a guerra. Discordo ao ignorar que a Rússia teve menos baixas que a Ucrânia em Bakhmut,o exército Ucraniano simplesmente acabou o grupo privado Wagner em Bakhmut.

RSmith
RSmith
10 meses atrás

Excelente artigo. Pena que muitos aqui vão dizer que o autor é pro Rússia e contra o ocidente e a Ucrânia, porém é muito difícil refutar os argumentos apresentados e suas conclusões… só tendo uma posição dogmática que torna o individuo incapaz de entender o artigo.

Luiz Pereira Filho
Luiz Pereira Filho
10 meses atrás

Rússia início a guerra com Ucrânia já pensando na próxima vítima que seria a Moldávia ( que poderia entrar na OTAN) e logo após a china iniciar sua tomada da ilha por força. E a china olhou a guerra da Rússia com Ucrânia que está levando mais tempo e gasto financeiro. Agora estão buscando outros meios como deixar o mundo dividido em duas partes.

Last edited 10 meses atrás by Luiz Pereira Filho
Pragmatismo
Pragmatismo
10 meses atrás

Cadê o Bosco, o Marcelo aqui para refutar o Mearsheimer? Estou com saudades.
Att.

Ciclope
Ciclope
10 meses atrás

Meu Deus, que matéria!
Não se pode dizer que o autor mentiu, escreveu sua opinião embasado em dados públicos e em lógica pura.

Gavião
Gavião
10 meses atrás

Hoje, parece óbvio que a OTAN errou ao considerar a entrada da Ucrânia, outrora satélite russo. No entanto, não podemos esquecer que os países bálticos (ex satélites também) entraram na OTAN, praticamente sem qualquer contestação russa. É aquela história, engenheiro de obra pronta é fácil.

neto
neto
10 meses atrás

Na minha simples visão: objetivo Político/Estratégico Russo: A destruição completa do poder militar ucraniano, através da guerra de desgaste e atrito, para que jamais se torne uma ameaça futura, pois acredito que na parte territorial os russos já estão satisfeitos. Os russos não tem pressa em acabar com esse conflito.