Imagens divulgadas na internet mostram um drone suicida russo do tipo Zala atingindo um solitário IFV Bradley M2 ucraniano. Os drones do tipo Zala se mostraram armas valiosas e de grande valia.

Em outra imagem um drone Zala atinge um lançador do sistema antiaéreo IRIS-T. No entretanto, tudo indica que se trata de um “decoy” (um lançador falso, de madeira)

Subscribe
Notify of
guest

43 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
LUIZ
LUIZ
1 mês atrás

Incrível a curva de aprendizagem tanto dos ucranianos como os russos nessa guerra. A utilização de drones como uma ferramenta importante veio mudar a doutrina militar. Os baratos drones suicidas é a bola da vez. Os caros e avançados drones Bayktars perderam sua importância.

RSmith
RSmith
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Os “Bayktars” são armas mais complexas e não se comparam com um drone suicida tipo “lancet” que esta mais para uma “munição” do que os Bayktars que estão mais para “uma plataforma de lançamento de munições”… ambos tem vantagem e desvantagem a depender do Teatro de Operação e seu uso especifico.

Bosco
1 mês atrás

Os drones de vadiagem (loitering) devem ser lançados quando há grande possibilidade de encontrar um alvo , então, na prática , ele não substitui a vigilância do campo de batalha exercida por outros meios. Em vista disso eles não passam de mísseis de ataque direto com alguma flexibilidade a mais, como por exemplo, a possiblidade de interromper o ataque ou buscar um outro alvo próximo caso o primeiro já tenha sido neutralizado. O custo e a complexidade de implementar uma robusta defesa anti-drone são muito menores do que são as defesas anti-balísticos e anti-hipersônicos e temo que esse oba-oba dos… Read more »

Michel Lineker
Michel Lineker
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Qual seria o custo desses 8 F-35s e os 8 SB em relação comparado aos drones como no vídeo, em relação aos alvos possíveis?

Bosco
Reply to  Michel Lineker
1 mês atrás

8 F-35 e 64 Storm Breaker .
O custo é irrelevante no caso de ser a única solução viável.
Não fiz essa comparação.

João Augusto
João Augusto
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Boscão, adoro você, cara, e seus comentários são maravilhosos, mas “o custo é irrelevante” é intróito lógico para uma análise ou equivocada ou – desculpe a repetição – irrelevante. Esse fator é sempre determinante.

Bosco
Reply to  João Augusto
1 mês atrás

João,
O cenário que eu coloquei o F-35 é numa eventual situação em que os drones seriam neutralizados com certa facilidade e aí não sobraria nenhuma outra opção que não um F-35 com Storm Breaker.
Claro que em continuando praticável no futuro o emprego de drones kamikazes o custo se faz relevante.

Victor Carvalho
Victor Carvalho
Reply to  Michel Lineker
1 mês atrás

Boa tarde! É aí que está… Utilizar drones de reconhecimento para identificar alvos e lançar drones kamikazes para destruí-los é muito mais barato do que utilizar F-35 com pacotes de GBU-53/B (StormBreaker). Sem querer entrar no mérito da qualidade do combo do F-35+GBU-53 (que ainda está só no papel, enquanto que os drones estão sendo aprovados em combate), podemos concordar que utilizar estes sai muito mais caro. A GBU-53 não sai por menos de U$ 150k cada e, em comparação, o drone suicida mais famoso nessa guerra, o Lancet, não custa mais que U$ 40k cada. Só desse ponto já… Read more »

Maurício.
Maurício.
Reply to  Victor Carvalho
1 mês atrás

“A GBU-53 não sai por menos de U$ 150k cada e, em comparação, o drone suicida mais famoso nessa guerra, o Lancet, não custa mais que U$ 40k cada.”

Eu fiz um comentário e disse que provavelmente uma Stormbreaker poderia ser mais cara que um drone kamikaze, mas não pensei que seria tão mais cara!😳
No cenário que o Bosco colocou, com as 64 bombas, daria para comprar em torno de 240 drones, até mais, dependendo do modelo!

Neural
Neural
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Lancet tá custando 5k-8k dólares dependendo da versão, depois que ganhou escala de produção barateou. Fonte southfrobt numa notícia que saiu sobre eles

Last edited 1 mês atrás by Neural
RSmith
RSmith
Reply to  Victor Carvalho
1 mês atrás

… eu acho que “caro” mesmo é “perder a guerra….”

Bosco
Reply to  Victor Carvalho
1 mês atrás

Victor,
Drones como o Lancet não são interceptador por mísseis como o Iris-t. Ou se utiliza interferência eletrônica (soft kill) ou hard kill na forma de canhões , metralhadoras, drones antidrones, laser, PEM ou mísseis portáteis.
Nenhum exército hoje está equipado , treinado ou com doutrina para enfrentar drones, mas isso está mudando rapidamente e muito devido à guerra na Ucrânia.

Victor Carvalho
Victor Carvalho
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Boa noite!
Foi noticiado que os Iris-T estão sendo usados contra drones sim:
Under the radar, Germany trains Ukrainians on advanced air defence weapon | Reuters

Abraços!

Bosco
Reply to  Victor Carvalho
1 mês atrás

Victor,
Sinceramente não acredito não. A mídia leiga é muito burra quando o assunto é tecnologia militar e geralmente é a tia da cantina da redação que assina esses artigos.
Mas pode ser que seja verdade tendo em vista que o mundo está de cabeça pra baixo.

Helio Eduardo
Helio Eduardo
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Bosco, boa tarde. Interessante sua abordagem, eu eu concordo: os drones, de todos os tipos, dos civis de site chinês aos sofisticados do arsenal militar, são uma novidade no campo de batalha, logo medidas defensivas mais eficientes vão aparecer. O LUIZ foi feliz em ressaltar a curva de aprendizagem de ucranianos e russos, e você complementou bem sobre como os drones serão combatidos no futuro. Na sua opinião, num exercício de hipóteses, como você considera que poderia ser essa defesa anti-drone na sua forma mais simples e, portanto, acessível? Eletromagnética? Bloqueio de sinal? Pequenos drones atuando como “caça drones”? que… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Helio Eduardo
Bosco
Reply to  Helio Eduardo
1 mês atrás

Hélio, Você abordou todas as diversas formas de neutralizar pequenos drones e elas serão utilizadas combinadas. Muito provavelmente cada veículo de combate no futuro terá o seu próprio sistema antidrone (C-UAV) . Os pequenos drones (classe I e II) são vulneráveis a vários tipos de armas: metralhadoras, canhões, lança granadas, mísseis portáteis, drones antidrones, laser, arma de pulso EM, interferência eletrônica, etc. Os drones foram uma grande surpresa por conta não só do seu tamanho reduzido mas da velocidade baixa, e pegou todo mundo com a calça nas mãos. Com certeza drones autônomos operando em enxame e com características stealth… Read more »

Maurício.
Maurício.
Reply to  Bosco
1 mês atrás

“temo que esse oba-oba dos drones kamikazes seja só fogo de palha.” Eu acho o contrário, o “oba-oba” desse tipo de drone chegou para ficar, é algo relativamente barato e como estamos vendo na Ucrânia, pode tirar de combate ou causar danos consideráveis até mesmo em equipamentos considerados por alguns como “game changer”, um exemplo é o próprio Bradley. Quanto ao F-35, os EUA gastam uma fortuna em sua defesa, eles podem esbanjar em praticamente qualquer área, pra eles não faz diferença, mas a grande maioria dos países não tem condições de operar o F-35 com bombas guiadas como a… Read more »

Bosco
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

A defesa contra drones é fácil e barata de ser implementada em larga escala. A defesa contra uma esquadrilha de F-35 ou um F-15E, com dezenas de StormBreaker é muito mais complicada.

alguém
alguém
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Se for considerar só a hora de voo do f35 é o mesmo valor que o zala uns 35K usd. Se esse IRIS-T fosse real seria um prejuízo de 1M de euros, talvez seja melhor fazer decoy mesmo seria mais barato que a hora de voo do F35 😅😅.

Alecs
Alecs
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Comentário impecável como sempre, Mestre Bosco!

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 mês atrás

É o sucesso, os drones serão parte das doutrinas militares é inevitável, como também a artilharia, pelo menos naqueles TO que tiverem característica de atrito.

Jose
Jose
1 mês atrás

Drone destruindo um sistema “isca” ( decoy )…que sucesso hein Russos ! rs

Oliveira
Oliveira
Reply to  Jose
1 mês atrás

Provavelmente esse simulacro custa mais que o drone.

Last edited 1 mês atrás by Oliveira
Nei
Nei
Reply to  Oliveira
1 mês atrás

E isso não importa, pois foi colocado lá para este fim.

Oliveira
Oliveira
Reply to  Nei
1 mês atrás

Importa sim, é por isso que estão igual mendigos, se humilhando por qualquer trocado da OTAN. Guerra é antes de tudo, dinheiro.

Jose
Jose
Reply to  Oliveira
1 mês atrás

Tá, mas atingiu seu objetivo de ser um decoy. É produzido pra isso.

Last edited 1 mês atrás by Jose
Felipe
Felipe
Reply to  Jose
1 mês atrás

Destruiu muito e muito mais (mais de 1 Iris-T de verdade), só procurar os vídeos.

Jose
Jose
Reply to  Felipe
1 mês atrás

Destruiu..o vídeo acima então. ô ! Explodiu tudo !

Pragmatismo
Pragmatismo
Reply to  Jose
1 mês atrás

E quem acredita que era um simulacro?

Bosco
Reply to  Pragmatismo
1 mês atrás

Tirando você? Todo mundo!

José
José
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Boa ! Esses seres são uma piada.

Vitor
Vitor
1 mês atrás

Lancet o terror dos Nutella ianque faz muito com pouco ..o resto é lenço de velório.

Nei
Nei
Reply to  Vitor
1 mês atrás

Chegou o rapaz da piada, dá raiva e do discursinho antiamericano.

Jose
Jose
Reply to  Nei
1 mês atrás

Eles são assim. Não têm argumento e vivem pra idolatrar aquele anão russo ridiculo.

Last edited 1 mês atrás by Jose
Jose
Jose
Reply to  Vitor
1 mês atrás

Terror dos “decoys”….pode chorar e muito. Leia um pouquinho da matéria e, talvez, não vá escrever tanta baboseira pró ditador.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
1 mês atrás

Antonio,

Até onde sei, o EB não optou pelo CV90. A disputa no programa de novos blindados sobre lagartas mal começou.

O EB está no momento avaliando o CV90 e deverá avaliar outros blindados:

https://www.forte.jor.br/2023/07/18/saiba-mais-sobre-a-prospeccao-do-eb-para-novos-blindados-sobre-lagartas-vbc-fuz-e-vbc-cc/

RSmith
RSmith
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
1 mês atrás

Se o Exercito Brasil realmente quiser Bradley tenho certeza que é só pedir com jeitinho que titio Sam arranja um monte….

Sergio Machado
Sergio Machado
1 mês atrás

Creio que os maiores ganhos com era dos drones que se inicia não será os de ataque, haja vista em curso uma adaptação das defesas aéreas até então inexistentes para esse tipo de ameaça. Ainda, a guerra eletrônica se mostra eficaz e ainda vai melhorar muito mais, visto que os drones sempre terão o calcanhar de aquiles, que é a comunicação com o controlador, sempre passível de jammer. Os maiores ganhos serão como vetoradores de artilharia e como designador de alvos. Vislumbro que partir de agora nasceu uma nova arma muito complexa: a artilharia vetorada. E os russos saíram na… Read more »

Neural
Neural
1 mês atrás

Cada lancet custa só 5 mil dólares, então o prejuízo é pequeno, se os alvos são falsos.

Bosco
Reply to  Neural
1 mês atrás

É dito que cada Lancet custa 35 mil dólares.

Nacionalista
Nacionalista
1 mês atrás

Shoigu inspecionando CV-90 capturado:

https://www.youtube.com/watch?v=og5S7wB5hMk