O contrato, no valor de 848,8 milhões de euros, foi assinado ontem para a atualização em série dos tanques Ariete para o padrão C2. O acordo, assinado pelo CIO (Consórcio Iveco – Oto Melara), com a Diretoria de Armamentos Terrestres (DAT, Segredifesa), prevê o upgrade de 90 MBTs, que serão trazidos para o novo padrão C2 (mais uma opção para outros 35).

O programa, que terá uma duração de 8 anos (de 2023 a 2030), prevê a entrega das primeiras viaturas em 2025, enquanto as últimas chegarão em 2029. Noventa viaturas serão suficientes (apenas) para equipar 2 regimentos de tanques do Exército (de um total de 3 regimentos): esses departamentos, de fato, estão equipados com 41 MBTs.

Como se sabe, a atualização do C1 Ariete para o padrão Ariete C2 envolve uma série de intervenções bastante profundas em mobilidade, poder de fogo e, em menor grau, proteção. Do lado da mobilidade, a intervenção mais importante diz respeito ao upgrade do motor turbodiesel V-12 (elevado para 1.500 CV de potência e com um aumento significativo de binário), à adaptação da caixa de velocidades (para torná-la adequada à condução do nova potência ) LSG-3000, a revisão e atualização do trem rolante (suspensões, freios, etc.) e a substituição dos trilhos.

No que diz respeito à letalidade, o tanque mantém o canhão de alma lisa L44 de 120 mm (o que garante um desempenho mais do que adequado), enquanto o sistema de disparo é totalmente renovado. Prevê a instalação da ótica panorâmica ATTILA D para o comandante, do visualizador LOTHAR SD para o artilheiro e de um novo computador balístico (todos elementos emprestados do Sistema de Controle de Tiro do blindado Centauro II).

Além disso, os intertravamentos hidráulicos da torre são substituídos por novos intertravamentos elétricos: todos esses elementos levarão a uma melhoria significativa na capacidade de acertar um alvo em movimento (tiro em movimento) durante o dia e à noite em todas as condições meteorológicas (os intertravamentos elétricos também permitem melhorar a segurança da tripulação).

Para defesa próxima, uma metralhadora de 12,7 mm também foi adicionada. Além disso, o tanque recebe um pacote de comunicação e comando e controle de última geração, com rádio Leonardo VQ-1 SDR, novos intercomunicadores Larimart, novo sistema C2 (tipo C2N Evo) também Leonardo. Outras intervenções “menores” (em tanques, bombas de porão, aquecimento, NBC e sistemas de prevenção de incêndio, etc.) completam as atualizações.

FONTE: Rivista Italiana Difesa

Subscribe
Notify of
guest

36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
RPiletti
RPiletti
11 meses atrás

50 mi de Lulas por unidade… qto sai um zero km desses aí?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  RPiletti
11 meses atrás

A linha do Ariete foi encerrada a anos, não tem mais nenhum 0 km.

RPiletti
RPiletti
Reply to  Willber Rodrigues
11 meses atrás

ok, mas em linhas gerais, se uma modernização sai pelo valor acima, um novo sairia mais uns 100% disto? Total de 100mi por blindado?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Willber Rodrigues
11 meses atrás

Reabrir não é dificil!

Welington S.
Welington S.
11 meses atrás

Já adiantando. Não, o EB não vai comprar! E, sim. Vamos de Leopard 1A5BR até quando não der mais. E, não. Nossos Leopards não terão canhão de 120mm. É isso.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

a questão não é “ir até não dar mais”, a questão é como manter uma disponibilidade com a logística alemã voltada para esforço de guerra ucraniano, seja com as versões atuais (do jeito que estão), ou um (impossível) programa de modernização, fora o problema da verba, a situação só vem piorado para o EB…não se assustem se o EB engolir garganta abaixo uma solução tapa buraco impulsionado por politicagem.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
11 meses atrás

” a questão é como manter uma disponibilidade com a logística alemã…” Simples, não vai ser fácil, é nítido isso. Já saiu matéria inclusive falando do EB que estar buscando por nacionalizar o que for possível para os Leopards. O contrato com a KMW ainda é vigente até seu fim. Diversos leopards existentes estão indo para a Ucrânia. Então, obviamente, que a falta de peças vai ser visível. Mas, o que eu posso fazer? Eu não posso fazer nada! É o que eles querem. Sou da seguinte opinião. Leopards, já deu o que tinha que dá! Cascavel, já deu o que… Read more »

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

“O contrato com a KMW ainda é vigente até seu fim”

Em 2027 vence, não se pode deixar o contrato vencer para então tomar uma atitude (empurrar com a barriga), a fabricação de equipamentos militares é demorado, nessa data (2027) já precisa ter viaturas de uma nova família em operação com tripulação treinada….torno a dizer…a preocupação é a disponibilidade dos carros de combate.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
11 meses atrás

Sim, 2027 é logo alí. Eu sei disso. O que precisamos saber é como o EB lidará com essa situação. A notícia pela busca de nacionalizar o que for possível do blindado, já nos diz muita coisa e será muito difícil. Sinceramente, eu não acredito em aquisição de outro blindado. Se eu tivesse poder para tal, sem sombra de dúvidas a ”modernização” dos Leopards e EE-11 Cascavel estariam cancelados. ”Ah, mas o que você faria com eles?” A primeira coisa que eu faria com eles é: 1) Vender todos os Leopards para a França; 2) EE-11 Cascavel também poderiam ser… Read more »

Alecs
Alecs
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

Ótimo comentário. Penso que o EB deveria pensar em carros de combate mais modernos, mesmo que em menor quantidade.

Humilde Brasileiro
Humilde Brasileiro
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
11 meses atrás

Pelo que saiu em outro site famoso de defesa, o EB começou um processo de nacionalização e adaptação extrema de suas unidades a partir desse ano, já visando o fim do contrato, só sei que vai ser custoso (caro e problemático), manter esses monstros na ativa pelos próximos anos.

RDX
RDX
Reply to  Humilde Brasileiro
11 meses atrás

Perda de tempo, energia e dinheiro. E o motor, caixa de transmissão e outras dezenas de peças alemãs que já deixaram de ser produzidas? Lembrando que o que sobrou está reservado para o esforço de guerra ucraniano.

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  RDX
11 meses atrás

Perdemos uma gigante oportunidade de “desovar” todas essas velharias para a Ucrânia, e obter algo muito mais moderno e capaz por valores e condições que jamais nos serão oferecidos… Mas nosso iluminado prefere virar as costas para o ocidente por simples ideologia…
Bom, quem sabe sobra alguns T54/55 em boas condições pra gente adquirir

RDX
RDX
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

Não tem que inventar muito. É buscar duas ou três centenas de Abrams e Bradley no deserto e esquecer esse assunto.

Welington S.
Welington S.
Reply to  RDX
11 meses atrás

Abrams? Duvido muito. Bradley? Duvido mais ainda. Faz mais sentido o CFN ter Abrams, já que é desejo deles, do que o EB.

RDX
RDX
Reply to  Welington S.
11 meses atrás

Apesar do CFN conhecer o Abrams mais que o EB não faz muito sentido. Eu acredito que o CFN esteja mais interessado no M10 Booker.

Welington S.
Welington S.
Reply to  RDX
11 meses atrás

É, então. Agora com o nascimento do M10 Booker o CFN deixe de lado o Abrams. O Abrams é muito pesado e teríamos que ter uma logística pesada para movimentá-lo. Já com o M10 Booker essa logística seria muito mais ”leve”, digamos assim.

Last edited 11 meses atrás by Welington S.
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  RDX
11 meses atrás

CFN não adquiriu o Abrams pq não tem meios para coloca-lo na praia senão já tinha adquirido

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  RDX
11 meses atrás

não se assustem se o EB engolir garganta abaixo uma solução tapa buraco impulsionado por politicagem.” foi exatamente o que eu quis dizer aqui caro rdx

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  RDX
11 meses atrás

Se não ficar esperto , daqui a pouco estes Abrams e Bradleys do deserto vão parar na Ucrânia , pois a demanda de MBTs por lá é grande ….

Humilde Brasileiro
Humilde Brasileiro
11 meses atrás

Não diziam por ai que estava fora de linha, abandonado e que nem a Itália queria investir mais (é só voltar nos comentários das últimas matérias sobre candidatos a novo blindado do Brasil para conferir)?! Bem, parece que exceto pelo preço, cumpriria todos os pré-requisitos do EB…

Bardini
Bardini
Reply to  Humilde Brasileiro
11 meses atrás

“Não diziam por ai que estava fora de linha”
.
Está…
Faz duas décadas, inclussive.
.
“abandonado e que nem a Itália queria investir mais”
.
Vão modernizar 90…
Os 125 pretendidos anterioremente, só se tornam realidade, se exercerem a opção pela modernização de outros 35. Enquanto isso, os italianos negociam a aquisição de um blindado superior: Leopard 2.
.
“Bem, parece que exceto pelo preço, “
.
Preço de uma modernização, diga-se de passagem.
.
“…cumpriria todos os pré-requisitos do EB…”

Não atende.

Maurício.
Maurício.
11 meses atrás

Tem um pessoal sugerindo o Ariete para o Brasil, lembro que teve um pessoal que ficou magoado porque o Brasil escolheu o Centauro em vez de ter escolhido o veículo adaptado americano, imagina só o Ariete no EB, esse pessoal entraria em depressão…rsrsrs.

Humilde Brasileiro
Humilde Brasileiro
Reply to  Maurício.
11 meses atrás

Com o Guarani e Centauro já adquiridos, seria, uma escolha bem interessante, porque casaria legal.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Humilde Brasileiro
11 meses atrás

Humilde, eu falei só por zoação mesmo, eu acho o Ariete já meio antigo.

Humilde Brasileiro
Humilde Brasileiro
Reply to  Maurício.
11 meses atrás

Antigo é mesmo, mas, para quem pode ficar com os seus (também e ainda mais) antigos fora de operação…

Antunes 1980
Antunes 1980
11 meses atrás

Esse MBT cumpre todos os pré-requisitos do EB.
Com a planta da IVECO por aqui, tudo ficaria mais fácil.

Falta mesmo é vontade política e respeito pela defesa nacional.

Humilde Brasileiro
Humilde Brasileiro
Reply to  Antunes 1980
11 meses atrás

Cairia como uma luva, já tem Guarani, vai ter Centauro…

C G
C G
Reply to  Antunes 1980
11 meses atrás

Fazem mais de 20 anos que ele não é produzido, a propria Itália jogou a toalha do projeto, eu não sei de onde saiu esse delírio de Ariete no EB!

Luís Henrique
Luís Henrique
11 meses atrás

Um MBT novo como Abrams e K2 custam U$ 19 mi a unidade. Um alemão Leopard 2A7 ou A8 deve passar de U$ 20 mi.

Um CV-90 custa cerca de U$ 9 ou U$ 10 mi na versão IFV. Com canhão de 120 mm é muito provável que passe de U$ 10 mi.

Então 9,4 mi de Euros é caro mas ainda sai menos da metade do valor de um MBT pesado ocidental novo de fábrica. Então compensa.

Luís Henrique
Luís Henrique
11 meses atrás

O EB lançou documento falando da intenção de adquirir 65 MBT. A Itália possui 200 Ariete C1. Vão modernizar 90 e possivelmente +35 como opção, totalizando 125 unidades. Sobrarão 75 unidades. O EB poderia negociar essas 75 unidades, já que o requerimento é para adquirir 65. Podemos tentar a doação dos blindados e pagar “somente” pela modernização. Talvez podemos negociar que a modernização aconteça aqui no Brasil na fábrica da Iceco em sete lagoas. Teríamos um MBT pesado com capacidade de sobrevivência bem maior que a de MMBTs como o CV-90 e ainda sairia mais barato. E teríamos uma comunalidade… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Luís Henrique
11 meses atrás

Show. Então ao invés de ir atrás de um Abrams, por exemplo, que é superior e foi produzido aos milhares, vamos atrás dos piores Ariete que sobrarem, após a extensa modernização dos 90, quiçá 125 italianos. Modernização está, que é extensa pois têm-se que corrigir alguns problemas deste blindado, como no tocante ao powertrain…
.
E se o precisar de mais MBTs, para equipar outras unidades, simplesmente não terá como comprar mais do mesmo. Que maravilha, rsrsrs!
.
Se não me engano, você defendia a compra e modernização do Slava ucraniano. Então a coisa pode se explicar por aí.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Bardini
11 meses atrás

Abrams no EB? Acho muito difícil, teriam que andar com um posto de combustível do lado, se já é uma briga para se manter e operar uns Leopard do tempo do Epa imagina só um Abrams, que praticamente só os EUA tem condições de operar sem restrições.

Gabriel BR
Gabriel BR
11 meses atrás

Eu penso que a combinação ideal viria da China: O vci VN20 + VT4 mbt com ampla transferência de tecnologia.

Mustafah
Mustafah
Reply to  Gabriel BR
11 meses atrás

O blindado chinês, além de economicamente mais atraente e uma.otima máquina de guerra

José silva
José silva
11 meses atrás

Melhor caminho para o Brasil seria a proposta da John Cockerill oferece ao Brasil modernização do Leopard 1A5 BR com sua torre 3105