De vídeos de drones a selfies no front: a guerra mais documentada de todos os tempos está acontecendo agora

10

por Greg Myre

Quando comecei a cobrir guerras na década de 1980, um dia típico costumava ser assim: você acordava em um lugar sem eletricidade, telefone, televisão ou jornais. A Internet não existia.

Neste vácuo de notícias, você começa todos os dias do zero. Você passaria por um escritório do governo, rastrearia um oficial militar, visitaria um hospital, passearia no mercado. Se você tivesse sorte, no final do dia você encontraria uma história.

Minha experiência na Ucrânia foi diferente. Muito diferente. Antes de sair da cama, você vê dezenas de vídeos, mapas e atualizações do campo de batalha em seu telefone.

“Há mais informações desta guerra do que provavelmente de qualquer outra na história. Imediatamente disponível”, disse Rob Lee, um veterano da Marinha que agora é analista militar do Instituto de Pesquisa de Política Externa na Filadélfia.

Este fluxo de informações ficou evidente no primeiro dia da invasão em grande escala da Rússia em 24 de fevereiro do ano passado.

“Havia esse tipo de sobrecarga de informações”, disse Lee. “Foi meio difícil acompanhar. Você tinha que se concentrar em uma coisa de cada vez, porque a imagem toda era algo como ‘Há muita informação.’ ”

Uma nova forma de cobrir a guerra

Andriy Tsaplienko é um importante jornalista da TV ucraniana que cobriu muitos conflitos. Ele disse que esse fluxo constante mudou fundamentalmente a maneira como ele trabalha.

“Senti isso desde a primeira hora desta guerra”, disse Tsaplienko. “Recebi um telefonema do meu amigo [antes do amanhecer] e ele me disse: ‘A invasão começou.’ E resolvi compartilhar essa notícia o quanto antes.”

Ele postou no Telegram , o aplicativo de mídia social preferido entre ucranianos e russos.

Tsaplienko tinha menos de 10.000 seguidores naquele momento. Hoje, ele tem mais de 300.000 em seu canal do Telegram, que atualiza constantemente com reportagens de campo de batalha, vídeos e notícias.

“Você tem que fazer isso mais rápido, muito mais rápido do que antes”, disse Tsaplienko. “A mídia tradicional, como a televisão, os jornais ou mesmo os sites, são muito lentas. Estão vários passos atrás.”

O conflito na Ucrânia é a guerra mais documentada por pelo menos três razões.

A primeira é simplesmente a marcha da tecnologia, que oferece uma visão em tempo real da luta como nunca antes.

Empresas privadas de satélite fornecem um fluxo de imagens de danos infligidos em ambos os lados – como o Planet Labs – mostrando as fotos antes e depois de uma grande barragem ucraniana que foi destruída em junho.

Uma espada de dois gumes

Dmitri Alperovitch , um proeminente comentarista da guerra, diz que todas essas informações são extremamente úteis, embora acrescente uma ressalva.

“É realmente viciante acordar de manhã, abrir o Telegram e ver uma enxurrada de vídeos, mensagens de texto, fotos mostrando o que está acontecendo enquanto você dormia”, disse Alperovitch, que mora em Washington e dirige um think tank, o Acelerador de apólices Silverado . Mas eu o conversei na Ucrânia, porque ele diz que há um limite para o que você pode aprender de longe nas mídias sociais ou em outras fontes de segunda mão.

“É muito, muito importante entender que esta é uma visão muito seletiva de cada um dos lados que lutam nesta guerra”, disse ele. “Isso pode levar você a pensar que sabe mais do que realmente sabe sobre o andamento da guerra.”

Rob Lee , que também visitou a Ucrânia recentemente, disse que confiar demais nas mídias sociais cria todo tipo de distorção.

“Se houver um ataque de míssil em um tanque, e um tanque explodir, e se for para o Twitter, uma grande bola de fogo será retuitada. Muitas pessoas verão isso”, disse ele.

Lee entende o Twitter, que agora é conhecido como X. Seus seguidores cresceram de cerca de 50.000 antes da guerra em grande escala para 670.000 hoje. Mas ele enfatiza que a guerra nas mídias sociais pode ser muito diferente da guerra real.

“Há muitos vídeos também de mísseis atingindo tanques, mas tanques sobrevivendo ao ataque”, acrescentou. “Não vai ser muito retuitado porque não é um vídeo muito interessante. Muitas pessoas logo no início chegaram a essa conclusão muito errada de que os tanques eram mais obsoletos do que eram.”

Apesar da guerra, a Ucrânia ainda está aberta a estrangeiros

A segunda grande razão pela qual esta guerra é tão bem narrada é que grande parte da Ucrânia ainda funciona, apesar dos intensos combates no leste e no sul.

Escolas, lojas e empresas ainda estão funcionando, mostrando a resiliência da Ucrânia.

Jornalistas estrangeiros, trabalhadores humanitários e diplomatas vêm e vão livremente para a capital Kiev e outros lugares.

Isso beneficiou muito a Ucrânia, diz Anton Gerashchenko , um ex-funcionário do governo ucraniano que agora chefia uma equipe que twitta constantemente sobre a guerra e tem quase meio milhão de seguidores.

“A Ucrânia venceu a guerra da informação. Centenas de milhões de pessoas em todo o mundo viram nosso sofrimento e pressionaram seus governos para nos fornecer apoio”, disse ele.

Essa atenção internacional voltada para a Ucrânia excede em muito a de outras guerras em países menos conectados e menos acessíveis, como Síria, Iêmen ou Líbia.

Um terceiro fator crucial data da invasão inicial da Ucrânia pela Rússia em 2014.

Naquela época, a Ucrânia sentia que estava lutando para transmitir sua mensagem ao mundo. Organizações de notícias internacionais geralmente tinham presença permanente em Moscou, mas não em Kiev, contando a história da perspectiva da Rússia.

Em resposta, a Ucrânia fez um grande esforço para acomodar a cobertura da mídia.

“Na Ucrânia, o acesso às posições de linha de frente é comparativamente fácil”, disse Andriy Tsaplienko, correspondente da televisão ucraniana.

Em contraste, ele disse: “Eu costumava trabalhar com as forças americanas no Afeganistão e no Iraque. Não funciona assim. É um processo. Você precisa ser incorporado a unidades por meio de muitos procedimentos.”

Em uma visita à linha de frente no ano passado, Tsaplienko foi ferido por estilhaços. Ele agora tem um quadril artificial, anda mancando e passa menos tempo na frente.

Mas com tanta informação disponível, ele disse que pode fazer um trabalho mais analítico de uma distância mais segura.

Claro, os governos ucraniano e russo ainda querem manter partes da guerra fora de vista.

No entanto, mesmo isso vem com uma reviravolta. Blogueiros militares russos, muitas vezes incorporados às tropas russas, fornecem cobertura diária do campo de batalha. Eles são altamente partidários, mas geralmente são os primeiros a relatar os contratempos russos.

“Você tem essa dinâmica única em que os blogueiros russos e esses ultrapatriotas estão muito desapontados com a forma como a guerra está indo”, disse Dmitri Alperovitch. “Eles têm sido cada vez mais sinceros sobre os fracassos das forças armadas russas.”

Essa é apenas uma das muitas maneiras pelas quais esta guerra está sendo coberta como nenhuma outra.

FONTE: npe.org

Subscribe
Notify of
guest

10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Humilde Brasileiro
Humilde Brasileiro
1 mês atrás

E isso ao mesmo tempo está servindo para ceifar ainda mais vida, alguns voluntários e mercenários, estão sendo de um amadorismo e falta de foco ímpares.

LUIZ
LUIZ
Reply to  Humilde Brasileiro
1 mês atrás

Pular em cima de uma mina demonstrou um amadorismo fatal. As terras minadas da Ucrânia é um perigo pra qualquer força militar que quiser avançar.

Humilde Brasileiro
Humilde Brasileiro
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Um fato marcante (mais um entre tantos negativos) dessa guerra, foi aquele bombardeio russo à uma base de combatentes voluntariados estrangeiros facilmente localizada pela Rússia por causa da geolocalização dos smartphones e postagens em rede sociais.

Fernando Botelho
Fernando Botelho
1 mês atrás

Estão certíssimos esses soldados.

Podem estar vendo seus amigos perderem a vida, mas pelo menos não perdem os like no TiqueToque.

Francisco Vieira
Francisco Vieira
1 mês atrás

Curioso!
A guerra é totalmente documentada, filmada e televisionada…
E ninguém sabe o que de fato está acontecendo no front!

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
Reply to  Francisco Vieira
1 mês atrás

Exato! A diferença é que antes poucos mas grandes veículos de mídia detinham o monopólio da narrativa… hoje isso é mais pulverizado… mas a verdade do que acontece poucos tem o conhecimento, isso se de fato tem algum governo que consiga reunir tanta informação…

Zé Rato
Zé Rato
1 mês atrás

Na minha opinião, este novo tipo de guerra surgiu na Guerra Civil Síria. Começaram a aparecer milhares de vídeos de inúmeras situações de combate, em alguns casos com a mesma ação militar filmada dos dois lados e generalizou-se o uso de câmaras de filmar desportivas nos capacetes. Na questão dos drones, lembro-me que foi o Estado Islâmico que desenvolveu e generalizou o uso de drones comerciais modificados para largar granadas, projéteis de morteiro e bombas, bem como para reconhecimento e filmar ações militares. Havia mesmo vídeos filmados por drones de ataques suicidas com carros-bomba que eram aterradores. Dá para entender… Read more »

LUIZ
LUIZ
Reply to  Zé Rato
1 mês atrás

Com essa guerra tanto a doutrina ocidental e russa vão ter que ser atualizadas.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
1 mês atrás

Tá doido.Tem umas coisas que não dá para entender o sujeito ir lutar na Ucrânia e postar fotos da ida nas redes sociais.Esquecem das embaixadas passando informações.Um dos mandamentos dos Fallschirmjäger – Cuidado ao falar! Não seja corrupto! Os homens agem enquanto as mulheres falam. Falar pode levá-lo ao túmulo.

Munhoz
Munhoz
1 mês atrás

Nesta guerra vc tem muitos videos, porém vc tem poucos dados !
Vc tem um video tem um taqnue explodindo, porém vc não sabe exatamente quantos misseis foram disparados, quantos erraram o alvo e como o prpio texto diz quantos impactos ess tanque suportou.
O numero extao de baixas de ambos os lados também é um misterio