Existe certa confusão entre os leitores quando se trata de definir as linhas de defesas russas posicionadas na região leste e sul da Ucrânia, as quais buscam conter ou retardar o avanço da contraofensiva ucraniana.

Não é para menos. Há diferentes interpretações para elas, dependendo do ponto de vista dos analistas. Esta postagem visa simplificar o entendimento, mostrando como os ucranianos lidam com o assunto.

Para início de conversa, é importante mostrar onde as forças antagônicas se encontram no momento no campo de batalha. Olhando o mapa acima, a linha tracejada azul representa as posições da Ucrânia, observadas mais à frente, enquanto o traço vermelho representa as forças russas da mesma forma. Em laranja estão os sistemas de defesas observados por meio de imagens de satélite.

Tomando como exemplo o eixo Robotyne, a defesa em camadas se parece com algo mostrado na imagem abaixo. A primeira parte das defesas é a zona de combate ativo (Active Combat Zone), onde quase todas as linhas de árvores neste trecho são fortificadas. A área é fortemente minada e consiste principalmente em trincheiras e outras estruturas menores.

Para muitos esta seria a primeira linha de defesa para um total de três linhas, Às vezes, quando as pessoas falam sobre a primeira linha de defesa, elas se referem às defesas ao longo da zona de combate ativo, enquanto outras pessoas se referem à 1ª Linha Surovikin (ver mais abaixo).

É por este motivo que ouvimos algumas pessoas dizendo que a Ucrânia já rompeu a 1ª linha de defesa e outras dizem que não. Trata-se apenas da interpretação que elas fazem do teatro de operações.

Atrás da zona de combate ativo existem duas linhas de defesa que são chamadas de 1ª e 2ª linhas de defesa ou Linhas Surovikin. O nome delas está relacionado ao general russo que comandava as tropas na Ucrânia no segundo semestre do ano passado. Ele percebeu que a região dominada pelos russos ao norte do rio Dnipro possuía grande dificuldade para ser defendida e apresentava certa fragilidade logística. Por este motivo ele recuou as tropas para a margem esquerda do Dnipro (parte sul da Ucrânia) e criou uma série de defesas terrestres que se estendem para leste com o objetivo de dificultar ou impedir uma eventual contraofensiva ucraniana.

Elas foram construídas com o emprego de máquinas e consistem em uma vala antitanque, uma fileira tripla de pirâmides de concreto (conhecidas como “Toblerones”) e um sistema de trincheiras de infantaria. A área está fortemente minada. A imagem abaixo mostra estas três características das linhas.

É importante destacar que as mesmas estruturas que impedem ou dificultam a contraofensiva ucraniana também desfavorecem a movimentação das unidades russas atrás delas. Esta restrição é bem significativa entre as duas Linhas Surovikin.

Para mais detalhes sobre o tema, veja a postagem feita na conta Def Mon abaixo.

 

Subscribe
Notify of
guest

42 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos 07
Carlos 07
9 meses atrás

Há uma série de linhas defensivas de diversos tamanhos e tipos. Mas sem dúvidas, a parte mais complicada para os Ucranianos é ultrapassar as linhas minadas, pois são o grande fator de baixas blindadas e pessoais.

Bernardo
Bernardo
9 meses atrás

Quando se abre uma frente como ao Sul da linha Russa perto do Rio e não avança você não fica a merce de três lados com um alvo mais facil?

Pedro
Pedro
9 meses atrás

Resta saber se haverão gerações futuras para comemorar avanços de 1km

Heinz
Heinz
Reply to  Pedro
9 meses atrás

haverá, na guerra do Vietnã os vietcongs tiveram mais de 1milhão de mortos e mesmo assim conseguiram. E houve próximas gerações, porque na Ucrânia não haverá? Papo de torcedor!

Pedro
Pedro
Reply to  Heinz
9 meses atrás

Porque a Ucrânia pode deixar de existir. Tanto por uma derrota, como por um ataque nuclear

Jose
Jose
Reply to  Pedro
9 meses atrás

Deixa de viagem ser “russo”….

Guilherme Lins
Guilherme Lins
Reply to  Pedro
9 meses atrás

Até os aliados russos devem ficar doidos com essa história, doidos mesmo, né modo de falar não. Imagina um Irã, uma Coreia do Norte, sabendo que agora os russos iniciaram um poker com os EUA no qual as apostas são ataques nucleares? Kkkkkkkkkkkk
Galera fala como se a Rússia tivesse o monopólio das armas nucleares…

Guilherme Lins
Guilherme Lins
Reply to  Guilherme Lins
9 meses atrás

Nem foi preciso uma guerra, nem foi preciso um mínimo ataque. Só por exemplo, bastou apenas um Trump falando mais grosso para o gordinho norte-coreano pedir um acordo…
Imagina os aliados russos sabendo que tá valendo ataque nuclear por causa da Rússia? Kkkkkkkkk

Guilherme Lins
Guilherme Lins
Reply to  Guilherme Lins
9 meses atrás

Não. O gordinho se sentiu seguro para ameaçar o mundo novamente após a posse do senil. Aliás, não só o gordinho né, pra quem tem olhos, tá fácil ver o desmantelo que o mundo está.

AVISO DOS EDITORES: SEU COMENTÁRIO ESTÁ FLERTANDO COM POSTURAS DE CAPACITISMO, GORDOFOBIA E ETARISMO. JÁ HOUVE VÁRIOS CASOS DISSO LEVAR A SEQUÊNCIAS DE XINGAMENTOS QUE DESVIRTUARAM TOTALMENTE O DEBATE. SUGERIMOS ATENÇÃO COM O LINGUAJAR PARA MANTER O RESPEITO. LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

paulo araujo
paulo araujo
Reply to  Guilherme Lins
9 meses atrás

WOKE Defence Forces?

AVISO DOS EDITORES: NÃO É DIFÍCIL COMENTAR MANTENDO O MÍNIMO DE RESPEITO. MOSTRE QUE VOCÊ É CAPAZ, LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

erikbomberman
erikbomberman
Reply to  Guilherme Lins
5 meses atrás

CARAAAA, tu parece essa galerinha que acha que na geopolítica tudo é “narrativa”…. O FATO é que foi Trump a ir láaaa na casa do “gordinho” e apertar a mão dele. Fora que Trump NÂO ERA, NEM SERIA bom para o Brasil.

Pedro
Pedro
Reply to  Guilherme Lins
9 meses atrás

ninguém disse que tem monopólio: leia o comentário.

Disse sobre o fim da Ucrânia que pode ser de uma forma ou de outra. E se a Rússia der um all in?

Guilherme Lins
Guilherme Lins
Reply to  Pedro
9 meses atrás

Aí o senhor pensa mesmo que esse “ALL IN” ficaria sem consequências? Cara, os EUA passariam a dar verdadeiros ultimatos a nações como o Irã, Coreia do Norte, Venezuela… Num jogo maldito e louco, iniciado pelos Russos! Pode ter certeza, nenhum aliado russo quer que a Rússia tome uma decisão dessas!

Pedro
Pedro
Reply to  Guilherme Lins
9 meses atrás

Lógico que teria consequências.

Mas a Ucrânia deixaria de existir do mesmo. Foi isso que disse no meu primeiro comentário, cujo raciocínio está correto.

Alecs
Alecs
Reply to  Pedro
9 meses atrás

Atque nuclear é muito difícil, pois a condenação mundial triplicaria. Deixar de existir por derrota esta mais para piada pronta kkkkk Papo de torcedor.

Pedro
Pedro
Reply to  Alecs
9 meses atrás

Piada pronta é a Ucrânia sonhar com reconquistar todo seu antigo território.

Mas é torcida sim. Torço pela derrota da Ucrânia. E muita gente torce por isso.

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Pedro
9 meses atrás

Ataque nuclear em país vizinho ? E a radioatividade que pode chegar a Rússia ? Nao seria um tiro no pé ?

A mesma radioatividade chegando em países da OTAN, vc acha que ficariam de braços cruzados ?

Não viaja… volte para a realidade….

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Heinz
9 meses atrás

Hoje as “gerações futuras” dos Vietcongs que ontem se sacrificaram são aliados dos invasores!

Amâncio Siqueira Rosa Neto
Amâncio Siqueira Rosa Neto
9 meses atrás

Desde que consigam ter gerações para celebrar.

Wagner
Wagner
9 meses atrás

Surovikin estava fazendo uma boa estratégia,porque foi retirado da guerra?

Victor F
Victor F
Reply to  Wagner
9 meses atrás

Na Rússia, ser competente é algo perigoso. Shoigu provavelmente viu um concorrente nele e quando o Wagner fez a sua pequena passeata logo o Surovikin foi acusado de “fazer parte” não abertamente. mas o suficiente pra afastar ele.

Sergio Machado
Sergio Machado
9 meses atrás

As tropas não são infinitas. As linhas não são apenas para impedir o avanço, são para atrair para pesadas baixas, o que se materializa no momento com ganhos ínfimos. Esse é o pulo do gato.

Victor F
Victor F
9 meses atrás

Linhas defensivas são importantes, mas sem tropas para povoarem elas e sem suprimentos para tais tropas elas se tornam inúteis.

Segundo relatos (ISW e Tom Cooper) as reservas Russas na região não estão nas melhores condições

Vitor
Vitor
Reply to  Victor F
9 meses atrás

ISW ? Os caras não acerta uma .

Victor F
Victor F
Reply to  Vitor
9 meses atrás

acertar oque? eles nunca tentaram prever nada, eles fazem apenas analises diárias da situação corrente, o trabalho deles não é ficar prevendo as coisas igual muito emocionado faz por aqui.

George
George
Reply to  Vitor
9 meses atrás

ISW virou site se apostas para precisar acertar algo?

Pedro
Pedro
Reply to  Victor F
9 meses atrás

Pois é: O governo Ucraniano a menos de 1 mes, disse que a Russia tinha reservas sendo acumuladas a leste com 100k de homens e mais de 1000 veiculos blindados

Francisco Vieira
Francisco Vieira
9 meses atrás

Concordo! Que lutem até o último homem.

Comte. Nogueira
Comte. Nogueira
9 meses atrás

Óbvio que ninguém jamais admitirá, mas há registro fotográfico de botas, capacetes e coletes estadunidenses, ingleses e poloneses na lama do front de batalha.
E antes que alguém cobre a postagem de “links”, informo que estão disponíveis em fonte aberta na internet.

George
George
Reply to  Comte. Nogueira
9 meses atrás

Óbvio que ninguém vai acreditar em você se não mostrar os “registros fotográficos”.

Irish Green
Irish Green
9 meses atrás

Pergunta de leigo curioso; se jogarem bombas cluster num campo minado, nao explode as minas e “limpa” o terreno das minas?

Rayr Guilherme
Rayr Guilherme
Reply to  Irish Green
7 meses atrás

Olá, não sou especialista no assunto mas vamos lá. Eu acho que as granadas cluster quando se fragmentam não explodem ao contato com solo,as minas são ativadas por ondas de choque assim como os alemães faziam com os dispositivos remotos Goliath.

Guaraci
Guaraci
9 meses atrás

“Segundo uma estimativa dos EUA, os ucranianos dispararam cerca de 2 milhões de munições de artilharia de 155 mm desde o início da guerra, quase esgotando os arsenais ocidentais.”

Lucas
Lucas
9 meses atrás

Gostei do texto. Bastante didático.
Quem é o autor? Os editores da trilogia mesmo?

Guilherme Poggio
Reply to  Lucas
9 meses atrás

Lucas, a ideia foi essa. Tratar a questão de forma didática, sem puxar para um lado ou para o outro. Trata-se apenas da interpretação do campo de batalha. Fazemos muito isso aqui na trilogia (traduzir e simplificar os temas técnicos da área), além de publicar notícias e eventos históricos. Nós tínhamos uma ideia clara disso, mas faltava uma imagem que resumisse tudo. E ela veio quando a conta “Def mon” publicou o segundo mapa (de cima para baixo) que ilustra essa matéria. A base do texto acima veio exatamente do que foi publicado lá. Para ver o original basta clicar… Read more »

Pedro
Pedro
9 meses atrás

Perderam muito mais do que 20%

Ciclope
Ciclope
9 meses atrás

Quanto mais demora o avanço, mais tempo do defensor tem para se reorganizar, treinar e se fortalecer, para atacar sem seguida.

Cansado
Cansado
9 meses atrás

Me lembrou da famosa “Linha Maginot”…outros tempos…

Paulo Roberto
Paulo Roberto
7 meses atrás

Quando o site vai publicar a reportagem do general ucraniano admitindo o fracasso da contraofensiva???