O Boletim do Exército publicado na quinta-feira, 24 de agosto, trouxe algumas portarias a respeito do programa Guarani, que envolve não só a viatura 6×6 de mesmo nome, mas também a viatura 4×4 recentemente denominada Guaicurus. Entre elas, uma diz respeito a reduzir em até 150 unidades de Guarani para receber até 420 exemplares adicionais de Guaicurus. Seguem as portarias:

PORTARIA – EME/C Ex No 1.125, DE 14 DE AGOSTO DE 2023

Altera o Requisito Técnico Absoluto da Viatura Blindada de Reconhecimento – Média Sobre Rodas (VBR – MSR), 6×6 (EB20-RTLI-04.001), 3a Edição, 2021.

O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 4o, inciso X, do Regulamento do Estado-Maior do Exército (EB10-R-01.007), aprovado pela Portaria do Comandante do Exército no 1.780, de 21 de junho de 2022, e em conformidade com o art. 52, inciso I, e o art. 53, das Instruções Gerais para as Publicações Padronizadas do Exército (EB10-IG-01.002), aprovadas pela Portaria do Comandante do Exército no 770, de 7 de dezembro de 2011, bem como o que consta nos autos EB: 64535.007487/2021-39, resolve:
1o Alterar o seguinte requisito técnico absoluto descrito nos Requisitos Técnicos, Logísticos e Industriais da Viatura Blindada de Reconhecimento – Média Sobre Rodas (VBR – MSR), 6×6 (EB20-RTLI-04.001), aprovados pela Portaria – EME/C Ex no 508, de 10 de setembro de 2021:

RTA 68, letra “h”:
de: possuir velocidade angular máxima de elevação, no mínimo, 45°/s (quarenta e cinco graus por segundo). Rfr: ROA 2, ROA 6, ROA 11, ROA 29, ROA 34, ROA 35, ROA 36, ROA 39, ROA 41, ROA 62 (peso 10);
para: possuir velocidade angular máxima de elevação, de pelo menos, 5°/s (cinco graus por segundo). Rfr: ROA 2, ROA 6, ROA 11, ROA 29, ROA 34, ROA 35, ROA 36, ROA 39, ROA 41, ROA 62 (peso 10).
Art. 2o Determinar que esta Portaria entre em vigor em 1o de setembro de 2023.

PORTARIA – EME/C Ex No 1.126, DE 15 DE AGOSTO DE 2023

Constitui o grupo de trabalho para elaboração de contrato de obtenção da VBMT LSR 4×4 GUAICURUS e de aditivo no contrato de aquisição de VBTP MSR 6×6 GUARANI.

O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 3o, incisos III e VII, e o art. 4o, incisos II, X, XI, XII e XIII, do Regulamento do Estado-Maior do Exército (EB10-R-01.007), aprovado pela Portaria do Comandante do Exército no 1.538, de 14 de junho de 2021, e de acordo com o que estabelecem o art. 12, inciso III, e art. 44 das Instruções Gerais para as Publicações Padronizadas do Exército (EB10-IG-01.002), aprovadas pela Portaria do Comandante do Exército no 770, de 7 de dezembro de 2011, resolve:

Art. 1o Fica constituído o Grupo de Trabalho (GT) para elaboração de contrato de obtenção da VBMT LSR 4×4 GUAICURUS e de termo aditivo ao contrato de aquisição da VBTP MSR 6×6 GUARANI, no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 2o O GT terá a seguinte constituição:
I – Chefe: Chefe do Escritório de Projetos do Exército (EPEx);
(Prg EE F Bld); II – Coordenador Executivo: Gerente do Programa Estratégico do Exército Forças Blindadas
III – relatores: 1 (um) representante do COLOG, preferencialmente do COEx, e 1 (um) representante do DCT, preferencialmente da DSMEM (ambos com experiência em contratos);
IV – membros:
a) 1 (um) representante da 4a SCh/EME;
b) 1 (um) representante da Assessoria Jurídica do EME;
e) 1 (um) representante da Diretoria de Fabricação (DCT – DF); e
f) 1 (um) representante da Chefia de Material (COLOG – Ch Mat); e

V – considerações gerais:
a) os integrantes do GT deverão ser indicados pelos respectivos ODS, em até 8 (oito) dias contados após a publicação da presente Portaria, para composição inicial, e sempre que houver necessidade de alteração por parte do órgão;
b) os representantes designados trabalharão de forma acumulativa com as funções que desempenham em seus órgãos de origem; e
c) o GT tem por objetivo apresentar ao COLOG a minuta de termo aditivo ao Contrato no 120/D Mat, de 2016, que trata da aquisição das VBTP MSR 6×6 GUARANI, reduzindo o quantitativo total em até 150 (cento e cinquenta) plataformas e ao DCT a minuta de contrato para obtenção de até 420 (quatrocentas e vinte) VBTMT LSR 4×4 GUAICURUS.

Art. 3o Para a conclusão dos trabalhos, o GT deverá:
atribuições; e I – considerar a aprovação das minutas, por parte da CONJUR-EB, como parte de suas
II – encaminhar ao COLOG e ao DCT, no prazo de 90 dias, contados a partir da data de publicação desta Portaria, as minutas em pauta.
Art. 4o Esta Portaria entra em vigor a partir da data de sua publicação.

PORTARIA – EME/C Ex No 1.127, DE 17 DE AGOSTO DE 2023

Atribui denominação para a Viatura Blindada Multitarefa Leve Sobre Rodas 4×4 (VBMT LSR 4×4).

O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 4o, inciso X, do Regulamento do Estado-Maior do Exército (EB10-R-01.007), aprovado pela Portaria do Comandante do Exército no 1.780, de 21 de junho de 2022, resolve:

Art. 1o Fica atribuída a denominação “GUAICURUS” à Viatura Blindada Multitarefa Leve Sobre Rodas 4×4 (VBMT LSR 4×4), em homenagem aos bravos guerreiros indígenas, exímios cavaleiros, que participaram efetivamente na conquista e manutenção de grande parte da fronteira brasileira.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor a partir da data de sua publicação.

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest

171 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel BR
Gabriel BR
10 meses atrás

O Brasil não é um país sério.
As instituições deste país não merecem a menor credibilidade

Quirino
Quirino
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

Elas não merecem e não tem credibilidade nenhuma.
O verdadeiro Brasil morreu a muito tempo, o que ficou no lugar é uma tragédia em todos os sentidos, é o eterno país do futuro, futuro que nunca chega.

Jagder#44
Jagder#44
Reply to  Quirino
10 meses atrás

Não é interesse dos nossos governantes um país desenvolvido.
A política é manter nosso país na eterna miséria.
Lamentável.

Marcos Alexandre Queiroz
Marcos Alexandre Queiroz
Reply to  Quirino
10 meses atrás

O choro é livre

mauricio pacheco
mauricio pacheco
Reply to  Marcos Alexandre Queiroz
10 meses atrás

Sim, o choro é livre, e logo todos nós estaremos chorando juntos!

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Quirino
10 meses atrás

Morreu com a instalaçāo dessa república de quinta categoria. O império até que estava indo na direçāo certa.

Henrique
Henrique
Reply to  Allan Lemos
10 meses atrás

tava demorando pra vir a “viúva” daquilo que ele nunca viveu e só se alimenta de um sonho vago de um sombra do passado que é floreada por um bando de desocupados da internet.

a culpa nunca é dele e todo mundo vivendo entre 1988-2023… a culpa e do cara que tava lá em mil oitocentos e não importa kkkkkkkkk

Quirino
Quirino
Reply to  Henrique
10 meses atrás

Amigo, o passado importa, se vc gosta dele ou não isso é irrelevante, ele simplesmente importa e tem relevância em 2023, coisas que aconteceram em, usando suas palavras, mil oitocentos e não importa, na verdade importa e nos afeta ate hoje. O autoritarismo políticos, os problemas do judiciário, as falhas do presidencialismo brasileiro, esse comportamento dos políticos de tratar as instituições como se fosse a casa deles, as instituições fracas, as eterna tentativa de acabar com tudo e começar do zero, a falta de representatividade dos partidos, etc., tudo isso tem origem em um passado distante e vc querendo ou… Read more »

Quirino
Quirino
Reply to  Allan Lemos
10 meses atrás

O Império era uma nação com muitos problemas e seus políticos/partidos não eram muito diferente do que temos hoje, no entanto, a constituição de 1824, uma constituição que, diferente das outras que normalmente são copias, foi pensada para o Brasil.
A constituição de 1824 tinhas uns mecanismos muito interessantes que visava combater (ou amenizar) os graves problemas do Brasil da época. É uma constituição muito interessante e sem duvidas alguns de seus mecanismos poderiam nos ser muito uteis hoje em dia.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Quirino
10 meses atrás

O império estava nas māos de um homem competente. Os problemas eram derivados da condiçāo de colônia, mas seriam resolvidos com o tempo se o golpe nāo tivesse acontecido.

O problema nāo é a CF, embora a atual seja horrorosa.

AVISO DOS EDITORES: A DISCUSSÃO ESTÁ CAMINHANDO PARA ASSUNTOS TOTALMENTE DISTANTES DO TEMA.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Quirino
Quirino
Reply to  Allan Lemos
10 meses atrás

Amigo, que Dom Pedro II era um homem extremante competente, isso é fato, mas se o império era bom só por causa dele o império não seria bom por muito tempo, afinal, Dom Pedro II não viveria para sempre (de fato ele morreu em 1891), se o império só era bom por causa de sua habilidade o que seria do império após ele, entende? E por favor, não vamos entrar aqui em uma afirmação de que a princesa Isabel seria tão boa quanto ele por que não há como comprovar isso. Os mecanismos da constituição de 1824 permitiu que Dom… Read more »

Atirador
Atirador
Reply to  Quirino
10 meses atrás

Em 1924 o Imperador era D. Pedro I pai do II

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Atirador
10 meses atrás

Em 1924 o Império já tinha acabado há 35 anos, e essa discussão sobre Império não tem nada a ver com a matéria.

Scudafax
Scudafax
Reply to  Allan Lemos
10 meses atrás

Exato, Monarquia é a solução…! Óbvio que não.

AVISO DOS EDITORES: A DISCUSSÃO ESTÁ CAMINHANDO PARA ASSUNTOS TOTALMENTE DISTANTES DO TEMA.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Ciclope
Ciclope
Reply to  Quirino
10 meses atrás

______

COMENTÁRIO APAGADO. OS EDITORES AVISARAM QUE A DISCUSSÃO TINHA SAÍDO TOTALMENTE DO TEMA.

Wilson França
Wilson França
Reply to  Quirino
10 meses atrás

______

COMENTÁRIO APAGADO. OS EDITORES AVISARAM QUE A DISCUSSÃO TINHA SAÍDO TOTALMENTE DO TEMA.

CARLÃO
CARLÃO
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

Compra até Caminhão Americano e produtos FABRICADOS no BRASIL são PRETERIDOS

Uma Vergonha

AVISO DOS EDITORES:

4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais. As maiúsculas são de uso exclusivo dos editores para dar destaque às advertências nos comentários eventualmente editados ou apagados;

LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

RENAN
RENAN
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

Só verdades

CARLÃO
CARLÃO
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

De Guarani, não dá pra dar umas Bandas na praça de bracinho pra Fora , né !?
Caiu a ficha aí …..?

Dragonov
Dragonov
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

Bingo !
Essa foi na véia!

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

-Rapaz … -O bom da gente culpar os outros é que a gente se exime de reconhecer a própria incompetência, a própria preguiça e a própria safadeza, e também da necessidade de melhorar… -Se hoje eu jogo lixo na rua, sou malandro, não quero lavar as louças, e vou matar mais uma aula mais tarde para tomar cerveja, a culpa é dos meus tatatatataravós, antepassados que foram escravizados, que foram explorados pelos portugueses, e, mais recentemente, pelos europeus e americanos. Como eu sou inocente e vítima da história e da exploração da sociedade, não preciso mudar o meu comportamento ou… Read more »

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Francisco Vieira
10 meses atrás

Vou deixar para a próxima semana o início daquele curso de idiomas que eu iria fazer pelo Orkut. O mês já está acabando. Não gosto de começar as coisas pelo final …

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Francisco Vieira
10 meses atrás

Fale por você mesmo !
Existem pessoas sérias e trabalhadoras no Brasil que acordam cedo para você ter comida no seu prato …

João
João
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

Interessante q é sempre crítica, sem a menor ideia do q é… Ainda vem conversa de combate ao crime, com falácias sobre combate ao crime e PM…. Vamos lá! O Programa Guarani envolve 17 versões, distribuídas em variantes 4×4, 6×6 e 8×8. Não se incluem a Art 155 AP SR e o Veículo Socorro recém chegado no Brasil. As versões estão sendo desenvolvidas. As alterações continuarão. Alguém sabe se a Vtr QBRN sera 4×4 ou 6×6? Não? Nem eu…. Lá na frente será definido. Talvez, com essa alteração já até foi, de 6×6 pra 4×4. Os Grupos de Estudos existem… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
10 meses atrás

No “mundo ideal”, seria ótimo manter o n° de Guaranis e acrescentar +420 Linces.
Mas ao menos os Guaranis estão sendo cortados pra dar lugar a um veículo moderno como o Lince, e não estão tesourando Guaranis pra usar a grana praquela modernização inútil do Cascavel.
Falando nisso, como ficam as outras versão planejadas do Guaraní, como a versão AA, com esse novo corte?

Alecs
Alecs
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Tinha que cancelar a modernização dos Cascaveis.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  Alecs
10 meses atrás

Tinha que vender o valor da modernização com doação (sem custo) da unidade para países como Uruguai, Equador, Colômbia, Mauritânia, Angola etc …

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
10 meses atrás

E por que esses países vão querer torrar milhões em Cascavel modernizado?
Se para o Brasil é um mau negócio, por que para eles faria sentido?

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
10 meses atrás

Angola não precisa de aceitar “doações” com obrigação de modernização no país doador, eles se precisarem, compram novo.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
10 meses atrás

Infinitamente mais fácil esses países comprarem coisa melhor via FMS, ou equip. chinês melhor pela metade do preço com financiamento a perder de vista.
Nem país africano quer mais Cascavel. Isso é coisa do EB, que insiste em velharia ad eternum.

RDX
RDX
10 meses atrás

Péssima troca. Essa troca afeta a linha de produção do Guarani e aumenta os custos. Decisão tão ruim quanto a modernização do Cascavel. Estamos falando de menos 550 unidades (150 para o Lince e 400 para o Cascavel) Na verdade não era nem para ter comprado o Lince muito menos fabricá-lo sob licença. O ideal era ter feita uma compra conjunta de JLTV para o EB e CFN via FMS (um 4×4 infinitamente superior e com dezenas de milhares de encomendas garantidas) Isso tem cheiro de lobby…mas deixa para lá. Aliás é uma grande ilusão achar que fabricar algo no… Read more »

RPiletti
RPiletti
Reply to  RDX
10 meses atrás

Não sei o motivo de criarem grupos de estudos para tudo se depois os dados obtidos são jogados no lixo. Ou os grupos estão errando e muito ou não servem para a função. KCs cortados, A-Darter abandonado, míssil anti-radiação, os “barquinhos” da marinha, poucos projetos vai adiante por aqui…

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  RPiletti
10 meses atrás

Grupos de estudos e comissões servem para exporem as respectivas cauda de pavão e para receberem comissões. É assim em todo o Estado.

Bardini
Bardini
10 meses atrás

Conta de padaria: . Chutes arredondados: Cascavel “Modernizado” custando R$ 10,0 milhões de reais. LMV sem REMAX 4, custando R$ 2,0 milhões de reais. LMV com REMAX 4, custando R$ 3,5 milhões de reais. . 98 Cascavel “M”: Arredonda para R$ 1,0 bilhão de reais, no total. 201 Cascavel “M”: Arredonda para R$ 2,0 bilhões de reais, no total. . Por R$ 1,0 bilhão de reais, “poderíam” comprar ~285 LMVs com REMAX 4. Por R$ 1,0 bilhão de reais, “poderíam” comprar ~ 500 LMVs sem REMAX 4. Uma conta sem sentido dentro das necessidades da estrutura, apenas para um estimar… Read more »

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Bardini
10 meses atrás

Pois é meu caro…. eu já falei que o EB poderia esquecer essa aventura de cascavel modernizado e preencher as lacunas com o Guarani UT30BR (nem toda brigadas precisam de Centauros), sei que muitos cavalarianos torcem o nariz para isso…sacrificaria a manobra, mas o reconhecimento seria bem feito além de garantir continuidade da linha de produção dos Guarani.

fewoz
fewoz
Reply to  Bardini
10 meses atrás

Qual a utilidade do Cascavel? Ele pode fazer algo que o Guarani não pode? Caso a resposta seja negativa, que seja doado para países amigos. Por que o Brasil não se concentra em apenas um meio?

Bardini
Bardini
Reply to  fewoz
10 meses atrás

Todas suas perguntas dependem de um ponto chave: qual é o cenário?

Oráculo
Oráculo
Reply to  Bardini
10 meses atrás

Me surpreende o fato de que o EB cria um famigerado Grupo de Estudos, mobiliza gente, tempo e dinheiro pra formatar um plano de ação e não aparece um “abençoado” de um coronel ou general que faz uma conta de padaria dessas! Mas não, preferem puxar o cobertor de um lado, para aquecer o outro. Tudo porque os caras realmente pretendem ficar com o Cascavel, um veículo ultrapassado e com uma blindagem que não comporta o teatro de operações moderno, até 2050!! Que desperdício de dinheiro público, que gestão ridícula. O Alto Comando do Exército deveria ser todo aposentado na… Read more »

Miguel Felicio
Miguel Felicio
Reply to  Oráculo
10 meses atrás

….”O Alto Comando do Exército deveria ser todo aposentado na marra!
Bando de incompetentes, estão brincando de comandar um Exército enquanto jogam nosso dinheiro no lixo.” e ainda, aposentado pela alta traição ao povo que os sustenta……..desavergonhados, déspotas, covardes……..Desculpem.

MARS
MARS
10 meses atrás

Tudo indica que as afirmações dos chineses estão corretas…

Orivaldo
Orivaldo
10 meses atrás

Tranquilo, eu li por aí que o novo PAC vai dar um upgrade na Força

Quirino
Quirino
10 meses atrás

Definitivamente não é o exercito de Caxias, alias, Caxias deve estar se revirando no tumulo.

Jose silva
Jose silva
10 meses atrás

Duvido um general de exército ter argumentos para defender tal gasto com o cascavel.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Jose silva
10 meses atrás

De fato, sinceramente, eu me pergunto o que esses caras aprendem nesses anos todos que passam na academia militar.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Jose silva
10 meses atrás

Vou fingir que sou um General do Exército: 1 – Desde que o Cascavel foi adotado pelo Exército Brasileiro nenhum país tentou invadir nosso território o que comprova sua enorme capacidade de dissuasão. 2 – O Cascavel é o veículo blindado brasileiro de maior sucesso com 1715 unidades produzidas, boa parte delas exportada. 3 – Sua produção se iniciou em 1974, então ele ainda é jovem, pois não tem nem 50 anos. Os EUA usam B-52 que é mais velho e ninguém reclama. 4 – O Cascavel se destacou em duas guerras envolvendo países do 3° mundo, na África e… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Rafael Oliveira
10 meses atrás

🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

CARLÃO
CARLÃO
Reply to  Rafael Oliveira
10 meses atrás

______

COMENTÁRIO APAGADO. DEBATA SEM ATAQUES PESSOAIS.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Daniel
Daniel
Reply to  CARLÃO
10 meses atrás

Sim. Acho que essa é a ideia. O comentarista está sendo irônico.

Orivaldo
Orivaldo
Reply to  Rafael Oliveira
10 meses atrás

o que mostra que o Exército está pensando no dinheiro do contribuinte.

Vc escrever uma coisa dessa so pode serpiada. Se tem algo que as forças armadas não pensam, é no dinheirinho do contribuinte

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Orivaldo
10 meses atrás

Meu comentário foi irônico.

Chaosnat
Chaosnat
Reply to  Rafael Oliveira
10 meses atrás

Gostei da 10, serve tanto para ilustrar a questão da modernização ou não do Cascavel como tbm para os imbecis que acamparam em frente aos quartéis pedindo golpe. 😂

Henrique A
Henrique A
10 meses atrás

Por que mexer no Guarani? A economia deveria ser feita em outra área, os VBTP 6×6 deveriam ser poupados dos cortes.

DanielJr
DanielJr
10 meses atrás

Primeiro – Ainda querem manter a “indústria nacional” funcionando com seguidos cortes de pedidos, depois choram quando não dá certo, ou não conseguem exportar unidades. Segundo – Muitas pessoas querem que empresas nacionais assumam o controle dos programas estratégicos, para que a inovação, conhecimento e outras benesses fiquem dentro do Brasil. Isso é praticamente impossível, não tem como uma empresa média se manter Tendo como principal cliente o Estado brasileiro (federal, estadual, municipal). Qual investidor médio/grande vai colocar centenas de milhões de reais em um programa em que o comprador vai simplesmente retirar os pedidos? As únicas empresas que aguentam… Read more »

Henrique A
Henrique A
Reply to  DanielJr
10 meses atrás

Essa palavra é um trava-língua; manda os generais falarem rápido “guaicuru”.

RDX
RDX
Reply to  Henrique A
10 meses atrás

O certo é “Guaicurus”, no plural. rss

Ciclope
Ciclope
Reply to  RDX
10 meses atrás

Não concordo em dar o nome dessa tribo Brasileira para esse blindado.
Essa tribo, era uma tribo guerreira, de saqueadores, hábeis no uso de cavalos, faziam ataques de saques ao estilo dos mongóis. Tocavam o terror na região de Goiás, Mato Grosso e paraguai. Saquearam as tribos dos guaranis e as colônias espanhóis da região.
Dar um nome de uma tribo mal, perversa e cruel como essa para um blindado que nunca será usado em nada que não seja desfile e passeio de oficial, e gastar nome bom com algo ruim.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  DanielJr
10 meses atrás

O EB faz questão de exigir que o Guarani, um veículo feito pra nossa realidade, seja feito aqui. Compromete bilhões do dinheiro suado do contribuinte pra que ele seja feito aqui. Depois fica tesourando constantemente o n° de veículos iniciais, o que NÃO se traduz em economia, pois o valor do contrato e multas continuam o mesmo ( economia bvrra ). Depois inventam de comprar Lince, e comprometem mais bilhões do contribuinte pra que ele seja feito aqui. Depois, tesouram tudo e fazem outro programa mirabolante com ToT “mágico”. São os mesmos militares que reclamam que “o governo não lobera… Read more »

RDX
RDX
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Tem dinheiro sobrando. O problema é de gestão.
Mais uma vez eu pergunto: por que fabricar o Lince no Brasil? Qual o índice de nacionalização do LMV-BR?
tem mercado que justique o investimento? Pelo nome escolhido parece que não tem interesse no mercado externo.

RDX
RDX
Reply to  RDX
10 meses atrás

Vale a pena sacrificar o Guarani para fabricar um blindado de menor custo,fabricado sob licença e provavelmente sem potencial no mercado externo? Lembrando que a venda do Guarani gera royalties para o EB.

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  RDX
10 meses atrás

O Lince não tem potencial no mercado externo, porque já são veiculos com vários anos, pois quando a Itália os produziu, vendeu muitos ao seu exército, ao Espanhol, ao Britânico, aos Noruegueses e mais alguns países e muitos exércitos já os estão a retirar e comprar outros mais recentes.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  RDX
10 meses atrás

Qual o índice de nacionalização do LMV-BR?´´
Ah, você tocou no X´´ da questão…
Recentemente descobrimos que o Guarani, que o EB adorava bradar que é 100% nacional, tinha a caixa de câmbio importado da Alemanha, e eles, com uma caneta, suspenderam a exportação do Guaraní pra outro país.
E esse Lince? Vem em kit´s prontos pra serem montados aqui pra receber um selo de made in Brazil´´? É esse o ToT?

RDX
RDX
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

O primeiro lote foi fabricado na Itália e está sendo montado no Brasil.

RDX
RDX
Reply to  RDX
10 meses atrás

Importado por importado eu prefiro o JLTV.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

O motor é argentino ! A caixa de cambio é alemã…

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Gabriel BR
10 meses atrás

Riso. Cada um possui um “chip” secreto, cujo botão vermelho fica na mesa do presidente da Argentina ou da Alemanha. O dia que o Brasil entrar em guerra contra estes países, eles apertam o botão e o veículo para de funcionar.. riso. Obviamente, é uma brincadeira.. riso.

Felipe
Felipe
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Que eu saiba a nacionalização do Guarani começou em 60% e hoje está na faixa dos 80%, nunca foi previsto 100% até porque isso não existe num mundo globalizado.

Tito23
Tito23
Reply to  RDX
10 meses atrás

Eu comentei exatamente isso semana passada e fui criticado. Dinheiro tem. Falta gerir e administrar melhor

Felipe
Felipe
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Sempre achei o número inicial de veículos muito alto, já que em tese iam substituir os Urutu, mas ok tb querem converter unidades motorizadas em blindadas, mas temos diversas outras áreas pra investir e não há dinheiro pra tudo. Então agradecer que já recebemos mais de 600 Guarani pq é quase um milagre dado o histórico…

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  DanielJr
10 meses atrás

já estão chamando ele de cucuru…rs

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  DanielJr
10 meses atrás

Agora falando sério…o programa guarani já tem mais de décadas (e é ruim de ter programas longos assim)…nunca vou me esquecer de uma live de defesa que eu assisti onde diz claramente que os pedidos que EB fez na época foi acreditando na previsão do crescimento econômico do Brasil na época, basicamente o EB iria sair da tropa motorizada para mecanizada (alguns exageraram dizendo que fuzileiro não ia mais andar de caminhão)…isso foi tão ambicioso na época que saiu até no noticiário internacional…infelizmente todos sabemos que isso não aconteceu, o Brasil não cresceu e a conta está vindo para pagarmos….na… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
10 meses atrás

Acho que você exagerou um pouco.

Ainda que os primeiros estudos venham do fim dos anos 1990, o programa Guarani só começou pra valer há 15 anos e as primeiras entregas das viaturas 6×6 foram quase 10 atrás.

https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/9579/1/tc_gerardi_2021_3t_artigo.pdf

MMerlin
MMerlin
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
10 meses atrás

Se você acredita que a remodelagem no EB era ambiciosa, vai ver o plano estratégico da MB de mais de uma década atrás, rs.
Começava com dois NAe e ia além. Muito além.

Felipe
Felipe
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
10 meses atrás

Devemos chegar a 750-800 Guarani , será o nosso blindado mais numeroso, passando os M-113.

Ciclope
Ciclope
Reply to  DanielJr
10 meses atrás

Só uma correção, o nome do blindado e Guarani em homenagem a talvezaior tribo indígena, não só do país mas co de toda a América do Sul, com influência na língua de diversos povos até hoje, o Tupi-Guarani. Que tem tudo haver com o Brasil.
Justa homenagem, mudar o nome dos blindados de cobra para tribos indígenas. Por aqui se reclama, nos EUA, exemplo de tudo o que e bom, eles chamam um helicotero dd ataque de Apache, e uma chamar um mais moderno ainda de Comanche. Mas índio americano e bonito, os nosso e humilhante.

L G1e
L G1e
10 meses atrás

Coincidência. Coincidência. A zona boemia de BH. O povão.puteiro.Tem o nome de guaicurus. Coincidência. Concidendia.

Alecs
Alecs
Reply to  L G1e
10 meses atrás

Também moro em Belo Horizonte kkkkkk pensei a mesma coisa!

Henrique A
Henrique A
10 meses atrás

Coitado do Guarani, ele é mais cortado que salame de padaria…

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Henrique A
10 meses atrás

Tá competindo com o 390, pra ver quem entra mais na navalha…

Mateus Demarchi
Mateus Demarchi
10 meses atrás

Esse país vai mudar, ou para melhor ou para pior, no dia que enfrentar uma guerra sozinho, mano a mano, e os frescos que comandam tudo vão ver que suas mordomias vão acabar e serão mortos pelos invasores, tudo isso por culpa da incompetência dos mesmos frescos. Enfim, é isso que vai acontecer até o fim do século XXI.

AVISO DOS EDITORES: LEIA AS REGRAS DO BLOG.

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Marcos
Marcos
Reply to  Mateus Demarchi
10 meses atrás

A Elite brasileira é considerada uma das mais longevas do mundo. Está no poder há 500 anos ininterruptos mudando sempre as aparências e se adaptando para permanecer exatamente onde está. O país possui duas coisas impressionantes: Uma das, se não a maior, concentração de renda do mundo e a maior mobilidade social individual do mundo ( provavelmente por corrupção e roubos do dinheiro público, mas também muitos por mérito pessoal). Essa esperança de que eles irão mudar por uma guerra é bem improvável. Dificilmente chegaríamos ao ponto de uma guerra como a Ucrânia e Rússia fizeram. Nossa elite possui o… Read more »

GodDrax
GodDrax
10 meses atrás

Pelo cenário de conflito na Ucrânia seria melhor manter o numero de blindados Guarani, mas a melhor opção mesmo seria manter o numero de blindados Guarani e arrumar um espaço no orçamento para a aquisição dos GUAICURUS sem sacrificar os veículos 6×6.

Alecs
Alecs
Reply to  GodDrax
10 meses atrás

É só cancelar a modernização dos Cascaveis e redirecionar a verba para os Guaicurus.

RDX
RDX
10 meses atrás

Pois é.
A prioridade deveria ser o Guarani 6×6. É o único produto que tem potencial no mercado externo (recentemente o governo recusou a venda de 450 unidades para a Ucrânia) e gera royalties para o EB.
3 versões são fundamentais:
Guarani VBR com canhão 30 mm + ATGM Spike;
Guarani porta-morteiro 120mm. Gosto muito do NEMO, inclusive já foi oferecido ao EB e tem a peculiaridade de realizar disparos diretos, tal como o canhão do Cascavel;
Guarani MSHORAD.
Os dois primeiros poderiam substituir o Cascavel.

Miguel Felicio
Miguel Felicio
Reply to  RDX
10 meses atrás

Só vejo um problema para essas versões………os Generais!

Alisson Mariano
Alisson Mariano
10 meses atrás

Eu achei essa negociação muito pertinente. Possibilita a compra de uma boa quantidade de veículos de uma classe que é uma lacuna no inventário do EB (LMV), mantendo, ainda, uma quantidade expressiva de Guarani 6 x 6 encomendada. No futuro, quando a linha de montagem se aproximar do final da encomenda, pode-se adquirir lotes complementares dos dois veículos em versões modernizadas ou mesmo partir para outros modelos mais adequados aos desafios do futuro (se for o caso). Acredito que foi uma solução interessante para compatibilizar a aquisição dos dois veículos sem grandes alterações nos desembolsos, mantendo empregos e know-how na… Read more »

Vitor Botafogo
Vitor Botafogo
Reply to  Alisson Mariano
10 meses atrás

Comentário Sensato! Entendo dessa forma também. Como o Ministério da Defesa vai ter dificuldade de aprovar um novo projeto/aporte, decidiram por remanejar o orçamento e receber mais unidades do LMV a medida que os Guaranis são entregues também. Isso não significa corte no programa. Vejo como mesma forma a FAB que aparentemente trocou peças sobressalentes por mais 4 unidades do F-39 (Totalizando 40).
O PAC nada mais é que incluiu todos os projetos que estavam em andamento (mas ainda assim, todos sujeitos a tesoura do contingenciamento.

Lyw
Lyw
Reply to  Alisson Mariano
10 meses atrás

Exatamente. Há uma lacuna em veículos blindados 4×4 no EB e será remediada com uma troca. 150 veículos 6×6 por 420 veículos 4×4. Me parece na verdade uma troca inteligente, pois esse número de 150 não causará grande impacto ao EB e a compensação com outro tipo de equipamento de maior necessidade mostrasse necessária pra o EB e benéfica pra a indústria.

Guacamole
Guacamole
10 meses atrás

Querem apostar que no futuro, vão diminuir a quantidade de Cururus também?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Guacamole
10 meses atrás

Dele e dos Centauros.
Pode escrever e me cobrar no futuro.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Guacamole
10 meses atrás

me lembrou muito aquelas indenizações que o pessoal pede na justiça, se você quer receber 10, você pede 20 que no acordo vai cair e você receberá seus 10…rs

Adiposo do Bitcoin
Adiposo do Bitcoin
10 meses atrás

As polícias estaduais deveriam comprar Guaicurus para ficar abaixo dos blindados grandes (estilo Caveirão). Olha aí, uma boa opção pro Consórcio Sul-Sudeste, uma compra em consórcio é bom pra manter a linha de produção e reduzir o custo final.

RDX
RDX
Reply to  Adiposo do Bitcoin
10 meses atrás

A ideia é boa mas as PMs não possuem dinheiro para comprar o LMV-BR….muito menos condições para manter um nível aceitável de disponibilidade. É aquela história: pode comprar mas não vai conseguir operar. Mas, de fato, existe potencial para milhares de LMVs policiais, caso o governo federal tenha interesse em financiar um programa dessa natureza (aquisição + suporte).

RDX
RDX
Reply to  RDX
10 meses atrás

Um raro LMV policial.
comment image
LMV da Guardia Civil Española

Velame
Velame
Reply to  RDX
10 meses atrás

No Rio de Janeiro, acredito que a PMERJ tenha condições de comprar e operar alguns LMV. Só não sei se seria o ideal, pois só leva 04 militares.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Velame
10 meses atrás

Caro Velame. A PMRJ precisa carros patrulha, não de veículos blindados. Um dos problemas de segurança pública no Brasil é a existência de duas polícias. Isso é um obstáculo para as ações de combate ao crime organizado. No dia a dia, o que é preciso é carro patrulha para atender as desinteligências e os casos pequenos. Esta ideia de “guerra ao crime” fracassou, como fica evidente pelos dados de aumento da criminalidade ao longo das décadas desde o fim do século passado.

Velame
Velame
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Entendo sua visão romantica ou humanista da segurança publica, talvez onde você more o problema da criminalidade possa ser resolvido de maneira mais tradicional. Mas aqui, onde o aço encontra a carne, todas essa teorias bonitas caem por terra. Aqui nossos policiais precisam sim de vtr blindadas, é uma realidade triste, mas é a realidade, e fingir que ela nao existe não faz sumir o problema. Policiais não podem continuar morrendo porque existem pessoas que se melindram ao ver um blindado da PM. Tenho fé que um dia venceremos, mas até la é guerra…

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Velame
10 meses atrás

Caro Velame. È uma opinião baseado em evidências. Há décadas, as políticas de segurança pública estão baseadas no conceito de “guerra ao crime”, ao mesmo tempo que os dados de criminalidade e violência urbana crescem. Obviamente, a estratégia está errada. Insistir nesta estratégia é um equívoco. Quando se avalia o número de ocorrências atendidas pela PM de qualquer estado, a maioria absoluta são atendimentos de baixo risco, muitas de apoio á população. Pegando os dados de homicídios, cerca de 1/3 deles decorrem de motivos fúteis, uso de álcool, brigas de trânsito e crime passional. Carros blindados e helicópteros de guerra… Read more »

Velame
Velame
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Sua opinião. Eu respeito. Acredite, eu gostaria e muito que a realidade fosse outra. Você pode continuar se iludindo com suas teorias e numeros que não dizem nada, mas a vida real esta ai… Barricadas, fuzis, granadas, narcoguerrilheiros que não estão nem ai pras suas “evidencias”… eles continuarão baleando policiais enquanto fingimos que esta tudo bem, que é so liberar a maconha ou desmilitarizar a PM que tudo vai se resolver. Desculpa camarada, mas eu ja pisei no terreno mais do que gostaria e te garanto, precisamos sim de vtr blindadas. Precisamos proteger quem nos protege. “Simples assim”. AVISO DOS… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Velame
10 meses atrás

Caro. Sabemos que a militarização das polícias estudais foi uma solução adotada no contexto da guerra fria para que o país tivesse um contingente de reserva treinado. O fato de ser militar ou civil tem pouco impacto sobre o fracasso da política de segurança pública. As polícias federais, por exemplo (PF e PRF) são civis. As guardas municipais são civis. O problema é a politica de segurança publica adotada baseada na ideia de “guerra ao crime”. O problema é extremamente complexo e de difícil solução. Desmilitarizar a PM será inócuo sem uma mudança na estratégia como um todo. Sobre a… Read more »

Velame
Velame
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Ta bom Camargo. Você ja falou tudo que esta errado, já espremeu numeros e dados pra falarem o que você quer que eles falem. Agora diz ai: quais são as suas soluções para o problema da segurança publica no Rio de janeiro? Vamos ver se é “simples assim”. AVISO DOS EDITORES: MAIS UMA VEZ ALERTAMOS QUE A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO TOTALMENTE DO TEMA DA MATÉRIA, QUE NÃO É SOBRE A SEGURANÇA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO NEM SOBRE POLÍCIAS MILITARES. A MATÉRIA É SOBRE MUDANÇAS NAS ENCOMENDAS DE VIATURAS BLINDADAS 4×4 e 6×6 DO EXÉRCITO. SOLICITAMOS QUE PRESTEM ATENÇÃO ÀS… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Velame
10 meses atrás

Caro, Peça aos editores. Se eles permitirem, posso continuar o debate. Caso contrário, vamos esperar uma matéria sobre segurança pública para continuar o debate.

RDX
RDX
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Você está completamente equivocado. A PM brasileira surgiu em 1809 quando a Guarda Real de Polícia desembarcou no RJ protegendo a família real, portanto ela é uma instituição militar mais antiga que o próprio exército nacional. A nossa PM é uma gendarmaria. Desde quando a maioria das armas das facções criminosas são oriundas do mercado legal? De onde você tirou isso? Todo mundo sabe que grande parte do arsenal das facções é fruto de contrabando e entra em território nacional pelas mesmas rotas das drogas ilícitas. Curiosamente, a tragédia das grandes metrópoles é fruto da ineficiência das instituições federais (civis),… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  RDX
10 meses atrás

Caro. As polícias estaduais foram reorganizadas no final da década de 60, se tornando forças auxiliares e de reserva do Exército. Elas foram organizadas para atuarem na manutenção da ordem pública e para a segurança interna, atuando como força de dissuasão (segundo as atribuições descritas no decreto de 1969). A CF88 mudou esta configuração, ainda que manteve a separação das duas polícias. Como escrevi, o fato da PM ser militar ou civil parece importar menos do que o fato das políticas de segurança pública no Brasil terem fracassado. A maioria dos especialistas citam que simplesmente desmilitarizar as policias estaduais, ou… Read more »

Atirador
Atirador
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

_______

COMENTÁRIO APAGADO. OS EDITORES JÁ HAVIAM DEIXADO MAIS DE UMA DÚZIA DE AVISOS. LEIA.

Samuca cobre
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Engraçado a PM de São Paulo noticiou que ate o mês de Julho apreendeu mais de 100 armamentos denominados FUZIL… O DOBRO do que o mesmo período do ano passado…

AVISO DOS EDITORES:

4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais. As maiúsculas são de uso exclusivo dos editores para dar destaque às advertências nos comentários eventualmente editados ou apagados;

LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Samuca cobre
10 meses atrás

Caro. Vocẽ deve se lembrar de outro evento no qual acharam um arsenal de fuzis na casa do assassino da vereadora do Rio. Ainda assim, o número de fuzis apreendidos pelas polícias estaduais é uma fração das armas apreendidas, tanto que quando ocorre uma apreensão destas, é manchete de jornal.

AVISO DOS EDITORES: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO TOTALMENTE DO TEMA DA MATÉRIA, QUE É SOBRE MUDANÇAS NAS ENCOMENDAS DE VIATURAS BLINDADAS 4×4 e 6×6 DO EXÉRCITO.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Atirador
Atirador
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

_______

COMENTÁRIO APAGADO. OS EDITORES JÁ HAVIAM DEIXADO MAIS DE UMA DÚZIA DE AVISOS. LEIA.

Samuca cobre
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

No Rio de Janeiro os policiais morrem dentro de CARROS PSTRULHAS…

AVISO DOS EDITORES:

4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais. As maiúsculas são de uso exclusivo dos editores para dar destaque às advertências nos comentários eventualmente editados ou apagados;

LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Samuca cobre
10 meses atrás

Sugiro você buscar os dados de mortes de policias (incluindo civis) e verificar quantos foram assassinados fora do serviço, assassinados em confronto e quantos foram assassinados dentro de viaturas. Aliás, o caso mais famoso de disparos de fuzil contra viaturas da polícia se refere ao ex-deputado Jefferson.

AVISO DOS EDITORES: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO TOTALMENTE DO TEMA DA MATÉRIA, QUE É SOBRE MUDANÇAS NAS ENCOMENDAS DE VIATURAS BLINDADAS 4×4 e 6×6 DO EXÉRCITO.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Atirador
Atirador
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

_______

COMENTÁRIO APAGADO. OS EDITORES JÁ HAVIAM DEIXADO MAIS DE UMA DÚZIA DE AVISOS. LEIA.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Adiposo do Bitcoin
10 meses atrás

Caro. A questão é mais complexa. A ideia de “guerra ao crime” fracassou. Ao longo dos anos, desde meados da década de 60, a violência urbana aumentou exponencialmente. O Brasil vem exibindo elevados índices de homicídios há décadas. Achar que insistir nesta estratégia para reduzir a criminalidade é ignorar os fatos. Há anos, a polícia do RJ compra carros blindados de diferentes tipos ou acabam empregando veículos militares nas sucessivas operações de GLO com resultado nulo.

Carvalho
Carvalho
10 meses atrás

O grande problema de nossS unidades é justamente o desequilíbrio.
Até hj existem RCMec com suas fração de morteiro sendo rebocadas por qualquer vtr sobrando no inventário.
O Guarani não sobrevive sem o LMV. Não adianta termos mil e cacetada Guaranis e merrecas de LMV.
Este movimento pode indicar o entendimento do EB de termos poucas unidades, MAS COMPLETAS, de cabo a rabo.
O trem fica assim:
LMV + Centauro + Guarani..
Não adianta o Centauro chegar e ir à frente com os Marruas.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Carvalho
10 meses atrás

Exatamente….aquele marruá de reconhecimento não dá….para os exploradores na vanguarda precisa ter o LMV com Remax, equipados com NVG, AT4, detector de minas e ainda reforcados por uma equipe Sarp…aí fica bom.

RDX
RDX
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
10 meses atrás

Na cavalaria o ideal seria um mix de JLTV (possui capacidade off-road impressionante) e Guarani com REMAX para tarefas de reconhecimento. O Guarani tem a vantagem de ter espaço interno suficiente para transportar uma equipe com SARP, suprimentos, prisioneiros, feridos ou material capturado. Eu deixaria o LMV-BR (já que compraram) para tarefas de ligação e comando em unidades da infantaria, ou seja para atuar como um “taxi” de comandantes.

RDX
RDX
Reply to  RDX
10 meses atrás

Também defendo a substituição do Cascavel pelo Guarani com canhão 30mm (com a possibilidade de receber um lançador Spike dependendo da situação) para cumprir missões de reconhecimento. Lembrando que esse papel não cabe ao Centauro II. Eu, aliás, sou dos grandes defensores da designação do Centauro II no RCB e não no RCMec.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  RDX
10 meses atrás

Antes da compra do centauro, o EB chegou a estudar a criação de um regimento de carros de combate sobre rodas…se isso tivesse ido adiante, poderia até pensar em um FT sobre Rodas de grande velocidade…nos mesmos moldes de combinar a tradicional FT (RCC + BIB), combinaria (RCC SR + BI MEC)…mas parece que o EB resolveu assumir o Centauro como substituto direto do Cascavel (regimento de armas combinadas), ao meu ver ele será subutilizado.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
10 meses atrás

O manual de emprego do RCMec permite a junção de todos as frações de CC SR para formar uma FT.
Uma das principais características da Cav MEC é sua flexibilidade.
Não creio que haja subutilizacao. Mas creio que haverá pouco treinamento para esse tipo de emprego.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  RDX
10 meses atrás

Sim o JLTV é uma baita viatura para tarefa de VBMT, mas diferente dos fuzileiros navais que tem o tamanho de uma brigada dotar o EB todo com essa viatura ficaria dispendioso, talvez se distribui-la as equipes de reconhecimento das brigadas pesadas e deixar o LMV para as brigadas médias e leves….eu gostaria que o VBMT aposenta-se todos marruá igual os humvee fez com os jeep willys nos EUA, mas o custo também seria proibitivo.

Gustavo
Gustavo
10 meses atrás

Avibras passando sufoco em vez de escolherem guará escolheram lince, precisavam de um veículo de reconhecimento e pq na investiram no Guarani com torre 105 mm, foram lá escolheram centauro,até caminhão veio de fora, então o Brasil não deve aumentar investimento na defesa, se for pra continuar esse tipo de comprar do estrangeiro, um país sem industria e um país sem defesa.

Henrique A
Henrique A
Reply to  Gustavo
10 meses atrás

No caso da Avibras é so encomendar mais ASTROS e foguetes. No caso do Lince, era melhor que o EB pedisse mais Guarani, já que este também serve bem nas missões da cavalaria.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Gustavo
10 meses atrás

o Guara participou da licitação e perdeu, o guarani não foi projetado para disparar canhões de grande calibre, o centauro é o melhor tank destroyer do mundo….concordo que precisamos ter uma indústria de defesa decente….o problema é que não se pode esperar que as forças armadas seja uma “mãe” para elas, essas precisam amadurecer seus produtos não só para nossas forças armadas, mas para concorrer a nível mundial e nossas forças armadas fornecem toda orientação técnica necessária para esse progresso acontecer e virar um MEM (material de emprego militar). Também concordo que estas precisam de mais incentivo de capital e… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
10 meses atrás

Na verdade a Avibrás participou da concorrência com o Tupi (Sherpa francês).

Lili
Lili
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
10 meses atrás

EDITADO:
COMENTÁRIO BLOQUEADO DEVIDO AO USO DE MÚLTIPLOS NOMES DE USUÁRIO.

Henrique A
Henrique A
10 meses atrás

O Guarani também serve na cavalaria, este não seria melhor que os Lince? E do ponto de vista econômico não seria melhor investir num projeto nacional do que num estrangeiro?

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Henrique A
10 meses atrás

Henrique são viaturas com propósitos diferentes…um complementa o outro

Mars
10 meses atrás

No final das contas quantos Guaranis e Guaicurus serão comprados ao todo? Até o momento, é claro.

Santamariense
Santamariense
10 meses atrás

O EB adquiriu pouco mais de 220 Urutus, lá nos anos 70. O Guarani veio para substituí-lo nas Unidades de Cavalaria Mecanizada e para mobiliar as Unidades de Infantaria Motorizada que foram transformadas em Infantaria Mecanizada. Com essa diminuição de 150 viaturas do Guarani, o total recebido será de 1430. Assim, 1430 – 220 (substitutos dos Urutus) = 1210 Guaranis para mobiliar as Unidades de Infantaria Mecanizada. Tem tantas Unidades de Infantaria Mecanizadas no EB para receber todas essas viaturas? Ou as Unidades de Cavalaria Mecanizada vão absorver um número maior de viaturas Guarani do que as 220 que substituíram… Read more »

Henrique A
Henrique A
Reply to  Santamariense
10 meses atrás

Sim, mas até onde eu sei o EB não recebeu tudo isso de VBTP 6×6 não. Eu li uma matéria daqui de alguns meses atrás que dizia que 900 seriam entregues.

Santamariense
Santamariense
Reply to  Henrique A
10 meses atrás

Pelo último aditivo ao contrato que vi, eram 1580, sendo que já foram entregues mais de 600.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Santamariense
10 meses atrás

Quando o Exército lançou o programa Guarani a intenção era encomendar 2044 unidades para substituir o Urutu e o Cascavel, assim como previa novas capacidades: ____________________ “Essa nova família de viaturas mecanizadas contempla uma subfamília média, com as versões para reconhecimento, transporte de pessoal, morteiro, socorro, posto de comando, central de tiro, oficina e ambulância; e uma subfamília leve, com as versões para reconhecimento, anticarro, morteiro leve, radar, posto de comando e observação avançada.” _____________________ O número foi reduzido para 1580. Agora, para 1430. Tem uma notícia da Veja do começo do ano que falava da redução para 900 viaturas.… Read more »

Santamariense
Santamariense
Reply to  Rafael Oliveira
10 meses atrás

“ Quando o Exército lançou o programa Guarani a intenção era encomendar 2044 unidades para substituir o Urutu e o Cascavel, assim como previa novas capacidades:” Se fosse apenas para substituir os Urutus e Cascavéis, pouco mais de 600 unidades seriam suficientes. Sobrariam uns 1400 para remobiliar todas as Unidades de Infantaria Motorizada e ainda teria uma sobra grande de viaturas. 2044 era muito. “ O número foi reduzido para 1580. Agora, para 1430. Tem uma notícia da Veja do começo do ano que falava da redução para 900 viaturas. Não duvido.” Notícia da Veja não significa que é verdade.… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Santamariense
10 meses atrás

No primeiro contrato da UT30BR ela custou US$ 1 milhão. No próximo deve custar mais, mas não arrisco chutar o valor. A modernização do Cascavel não sairá barata, porque basicamente tem que comprar todos os sistemas da torre, aproveitando só o canhão. E ainda tem a modernização do veículo. Acho difícil custar menos que a torre UT30BR. Lembrando que o EB está usando como referência de preço o Centauro II e não o Guarani com torre UT30BR. ___________ Claro que a Veja não é dona da verdade. Mas já reduziram em 150 unidades depois da reportagem. Podem vir novos cortes… Read more »

Miguel Felicio
Miguel Felicio
10 meses atrás

A cabeça, como se entende não usam para o bem da Força e do País, mas usam a cabeça para suas tardes festivas, suas viagens suas mordomias, suas frescuras……

Pedro
Pedro
10 meses atrás

Não consigo me lembrar de nenhum programa das forças armadas que acabou exatamente como foi previsto. Sempre a cortes, problemas orçamentários, idéias “geniais”,etc….Esse país é uma desgraça mesmo. Não vamos para frente nunca.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Pedro
10 meses atrás

Xavante.

Não só entregou o que foi pedido como fizeram novos pedidos.

Super Tucano também.

Planejaram 99, sendo 76 firmes e 23 opções de compra, que foram exercidas.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Olá Nunão, creio que os submarinos Tupis também seriam um bom exemplo no caso da MB. Os aviões do esquadrão guardião também devem ser lembrados, até porque eles foram adquiridos no contexto do SIvan, junto com os A29. Como o programa FCT está em andamento, é melhor deixar quietinho porque está dando certo.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

No caso da classe Tupi, eu faria a ressalva de que, além de alguns atrasos (não exagerados, de qualquer forma), um dos componentes do programa era a qualificação para o projeto e construção de um submarino convencional nacional e em seguida de um submarino nuclear. Essa qualificação, incluída nos contratos com os alemães, avançou nos primeiros estágios mas parou na fase anterior ao projeto detalhado (o qual já deveria incluir seleção e primeiras encomendas de equipamentos), pois este já incorria em custos muito maiores que não foram viabilizados, por falta de uma fonte de financiamento local que desse segurança de… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Só é preciso acrescentar que nenhum projeto civil ou militar de médio ou grande envergadura será executado sem algum tipo de revisão ou aditivo contratual. É parte intrínseca de médios e grandes projetos que ocorra revisão, atualização, correção técnica, financeira ou de cronograma. Às vezes, até projetos pequenos passam por revisão, algumas vezes porque o projeto inicial tinha alguma lacuna, porque surge uma oportunidade de reavaliar alguma diretriz técnica, porque ocorre um intercorrência com um prestador de serviço. É ilusório achar que seja possível elaborar um projeto tão perfeito que seu detalhamento é executado como elaborado originalmente. Neste contexto, nenhum… Read more »

Pedro
Pedro
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

O Tapuia foi cancelado

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Pedro
10 meses atrás

O Tapuia era da classe do Tikuna. Os Tupis eram os quatro primeiros, sendo que o Tupi foi construído na Alemanha e os outros três no AMRJ

Antunes 1980
Antunes 1980
10 meses atrás

Só um fato relevante poderia mudar a mentalidade dos nossos governantes.
Talvez um embargo ou bloqueio naval na nossa costa, uma invasão, mesmo que pequena da região amazônica ou até mesmo uma disputa territorial mínima.
Enquanto vivermos em berço esplêndido, será isso aí. Veículos ao invés de blindados.

Henrique A
Henrique A
Reply to  Antunes 1980
10 meses atrás

Mas nós já fomos invadidos, pelo Paraguai, e as coisas não mudaram.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Antunes 1980
10 meses atrás

Caro Antunes. O problema é a mentalidade do comando militar. Desde a sua independência, o Brasil sofreu duas grandes agressões estrangeiras. A primeira deu origem á Guerra do Paraguai e a segunda resultou no envio de tropas a Itália na II Guerra. Nos dois casos, o EB estava despreparado, mal treinado e mal equipado, obrigando o país a buscar armas no exterior. Nos últimos 50 anos, pelo menos, ficou clado a importância do poder aéreo para garantir e assegurar a supremacia aérea. O país precisa de uma reforma da estrutura militar que amplie o papel da FAB e da MB… Read more »

Marco
Marco
10 meses atrás

Afinal de contas, a CHINA. e Japão estão CERTÍSSIMOS em falar das tropas brasileira.

Tuxedo
Tuxedo
10 meses atrás

Que vergonha!!! Eu sinceramente já perdi totalmente as esperanças nas Forças Armadas, pra mim não crescerão e só ficarão nisso aí mesmo, e a tendência será piorar cada vez mais…

RENAN
RENAN
10 meses atrás

Vamos simular um cenário de guerra atualmente

1 dia de guerra

No mínimo 300 veículo são retirado de combate
Seja por drones
Anti carro
Minas

Então se o Brasil tiver 1200 veículos podemos durar alguns dias

Os militares leva décadas para comprar material bélico a conta gotas

Basta mudar toda a estrutura militar
E manda embora 300 mil militares

Modernizando as operações usando tecnologia e terceiros

Assim sobra dinheiro de sobra para atividades fim

1° taf a cada 6 meses do general ao soldado, não passou, uma semana tenta novamente se reprovado adeus, bem vindo ao mercado civil.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  RENAN
10 meses atrás

Caro Renan. Ainda que seus números estejam distantes daqueles que seriam observados em um conflito em nosso território contra forças regulares, você tem razão em um aspecto. O principal fator de dissuasão é a superioridade aérea. Tenho tentado mostrar o erro estratégico das forças armadas brasileiras em privilegiar os gastos com o EB, deixando tanto a FAB quanto a MB sub-financiados. No atual cenário geopolítico, a prioridade é financiar uma marinha que tenha efetiva capacidade de negação do mar e um força aérea que tenha plena capacidade de garantir uma superioridade aérea.

Tutor
Tutor
10 meses atrás

Oh nome feio que deram à essa viatura!

Marcelo Rezzara
Marcelo Rezzara
10 meses atrás

Exército vem se preparando para ações anti insurreição urbana…. todos esses equipamentos são para controle de ações em cidades …. nos moldes da Venezuela…..

Chaosnat
Chaosnat
Reply to  Marcelo Rezzara
10 meses atrás

Só se estiverem planeando usar os veículos de 2030 pra frente, pois vai demorar anos até conseguir chegar nessa qtdade de veículos entregues e aptos para uso. 😉

Dragonov
Dragonov
10 meses atrás

“EB pretende adquirir menos 150 VBTP Guarani para receber mais 420 VBTMT Guaicurus.” Jesus amado ! Nada contra as nações dos povos originários, mas vai gostar de colocar nomes estranhos em veículos de combate. O EB com esse péssimo hábito. Os veículos militares nada se assemelham às povos originários, que eram educados, evoluídos, respeitosos dentre outras inúmeras qualidades. Sem falar no fato de que o EB e estado nacional nunca estiveram nem aí para eles. Vide o que está acontecendo com a nação Yanomami. Se é para homenagear, que se Fassa com atos que realmente farão diferença a esses povos… Read more »

erikbomberman
erikbomberman
10 meses atrás

Pessoal, dinheiro está voltando, para além de promessas. Vide o PAC. O que ocorre é análises de prioridades e de T.Os realistas, onde essa viatura menor tem suma importância em futuras participações em Missões de Paz da ONU, sendo que Lula já está voltando a falar em Conselho Permanente da ONU e maior importância geoestratégica do Brasil, como nos BRICS

Wilson
Wilson
10 meses atrás

Boa tarde, pessoal. Alguém poderia me explicar, que vantagem estratégica os VBMT LSR 4×4 GUAICURUS, trariam, em detrimento da aquisição dos 150 Guaranis. Temos uma demanda estratégica maior para este tipo de blindado 4×4?

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Wilson
10 meses atrás

Wilson,

Não entendi muito bem o que quer dizer sobre vantagem estratégica, já que são veículos de emprego tático.

Cada um realiza uma função diferente dentro de um regimento.

Resumindo bastante, o veículo blindado 4×4 realiza reconhecimento, com mais agilidade. Essa função é realizada hoje por veículos 4×4 sem blindagem (Marruá), o que não é mais aceitável.

Tem uma série completa de 8 matérias sobre o LMV aqui no site, feitas pelo editor Poggio em 2019, explicando tudo isso em detalhes.

Aqui tem a primeira parte:

https://www.forte.jor.br/2019/10/05/o-lmv-em-detalhes-parte-1/

E aqui tem a última, com links para todas as outras 7:

https://www.forte.jor.br/2019/10/18/o-lmv-em-detalhes-parte-final/

Wilson
Wilson
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Muito obrigado, Fernando.

Jonatha
10 meses atrás

A politica vai voltar a funcionar como deveria quando os políticos deixarem de fazer política para eles próprios e voltarem a se importar com o povo.
Porque política é isso, união de ideias e projetos para melhoria da nação e do povo não colocando em primeiro lugar desejos egoístas mais a necessidade da população em primeiro lugar.
Parece utópico mais é assim que deve funcionar.

109F-4
109F-4
10 meses atrás

Essa viatura “multitarefa” e “blindada” suporta, pelo menos, disparos de armas de “calibre permitido”?

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  109F-4
10 meses atrás

Tem matérias aqui sobre ambos. Experimente o campo busca do blog. Sobre o Guaicurus 4×4, especificamente, já comentei aqui nesta matéria com os links para uma série de 8 partes escrita pelo editor Poggio sobre a viatura.

109F-4
109F-4
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

👍👍

Gilson
Gilson
10 meses atrás

Muita conversa fora do contexto e sem conhecimento algum. O Exército Brasileiro, está fazendo o que é certo.

Leopoldo
10 meses atrás

A Aeronáutica é única das 3 forças que vem tomando decisões pé no chão e racional, exército e a fantasiosa marinha mostra como a falta de decisões corretas e pé no chão prejudica e endivida ainda mais a própria instituição.

Arthur
Arthur
10 meses atrás

E se perguntarem para um militar brasileiro o que é um drone, ele responderá que é aquele bicho voador dos filmes de Michael Bay… Nomes indígenas para um exercito tupiniquim. Ô forças armadas atrasadas essas…

João Augusto
João Augusto
10 meses atrás

É difícil pensar numa explicação que não envolva um ilícito. Quer dizer: onde está o mínimo: o PAD de quem fez e de quem aprovou o dimensionamento errado?
A impressão que fica é que a barriga cheia de alguma propina do contrato inicial acabou e agora querem fazer um contrato novo com nova boquinha.
Por incrível que pareça, é uma hipótese mais razoável do que pensar que os militares são tão ruins de serviço assim… Se bem que à luz dos acontecimentos recentes nada se pode descartar.
Em todo caso, cadê a investigação sobre o erro de dimensionamento?

Francisco Vieira
Francisco Vieira
10 meses atrás

Na minha opinião, o lince terá mais serventia.

GRAXAIN
GRAXAIN
Reply to  Francisco Vieira
10 meses atrás

Positivo, o EB poderá ter um veículo mais adequado para entrar em favelas e contenção do “inimigo interno”, em apoio a PF do B.

Luís Henrique
Luís Henrique
10 meses atrás

Nossa, que implicância com as forças armadas. Está insuportável esse povo do mimimi. As forças armadas precisam de orçamento adequado, é preciso um aumento do orçamento, chegar à 2% do PIB é o mínimo para um país grande como o Brasil se tornar uma potência militar. O contrato do Guarani foi assinado na época que nosso orçamento militar estava disparando e atingiu mais de U$ 30 bi em alguns anos, depois vieram os escandalos de corrupção e o objetivo de transformar o Brasil em uma potência militar caiu por terra. Isso não é culpa dos militares e sim dos governantes,… Read more »

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Luís Henrique
10 meses atrás

Se aumentar o orçamento para 2% do PIB, boa parte do acréscimo será transformado em salários, aposentadorias e pensões.
Não tenha dúvida disso.
Sem uma revisão estrutural das forças armadas, melhor deixar como está, sem nenhum centavo a mais do que já recebem.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  EduardoSP
10 meses atrás

Não, não vai acontecer isso. As 3 forças estão em processo de redução de efetivo, já foi divulgado isso. Pretendem reduzir em cerca de 10% o efetivo total. Portanto o EB deverá reduzir de 220 mil para 200 mil, a FAB e MB de cerca de 80 mil para cerca de 70 mil. Já foi dito aqui por colegas da força, que a MB está no caminho para atingir 65 mil homens nos próximos anos, ou seja, uma redução de quase 20% em vez de 10%. As forças armadas Não podem aumentar o efetivo sem a aprovação de lei no… Read more »

Felipe
Felipe
10 meses atrás

Acho válido se é o jeito para obter o número necessário desta viatura 4×4.

Já temos um número razoável de Guarani (+ de 600) , muito superior aos Urutu que devem substituir (+-134), o excedente está mobiliando unidades que não possuem blindados (motorizadas) até então.

Complemento, vi em outro portal que via FMS o exercito está adquirindo 12 a 16 helicopteros UH-60M Black Hawk para substituir os 4 S-70A e 8 Cougar que possuem. Aguardando postarem no Forte

Felipe
Felipe
9 meses atrás

Com este corte o número de Guarani para o EB vai fechar em 750 , pouco tempo atrás estavam previstas 900 unidades.