A China está dominando a corrida global pelo poder futuro, com o país estabelecendo uma liderança significativa na pesquisa de alto impacto na maioria dos domínios tecnológicos críticos e emergentes, de acordo com um relatório do Australian Strategic Policy Institute (ASPI), lançado em março de 2023. O relatório, denominado Critical Technology Tracker, examina 44 tecnologias críticas que abrangem defesa, espaço, robótica, energia, biotecnologia, inteligência artificial, materiais avançados e áreas-chave da tecnologia quântica.

A liderança global da China estende-se a 37 das 44 tecnologias monitorizadas, com o país destacando-se nas tecnologias de defesa e espaciais. Notavelmente, os avanços da China em mísseis hipersônicos com capacidade nuclear supostamente pegaram a inteligência dos EUA de surpresa em agosto de 2021. O Critical Technology Tracker da ASPI mostra que, para algumas tecnologias, todas as 10 principais instituições de pesquisa do mundo estão baseadas na China, gerando coletivamente nove vezes mais artigos de pesquisa de alto impacto do que o país em segundo lugar, na maioria das vezes os EUA.

Os EUA ocupam o segundo lugar na maioria das 44 tecnologias examinadas no Critical Technology Tracker, com uma grande lacuna entre a China e os EUA, como os dois países líderes, e todos os outros. Os dados indicam então um pequeno grupo de países de segundo nível liderado pela Índia e pelo Reino Unido. Outros países que aparecem regularmente neste grupo incluem Coreia do Sul, Alemanha, Austrália, Itália e, com menos frequência, Japão.

A Austrália está entre os cinco primeiros em nove tecnologias, seguida de perto pela Itália (sete tecnologias), Irã (seis), Japão (quatro) e Canadá (quatro). Rússia, Singapura, Arábia Saudita, França, Malásia e Países Baixos estão entre os cinco primeiros em uma ou duas tecnologias. Vários outros países, incluindo Espanha e Turquia, figuram regularmente entre os 10 primeiros países, mas não estão entre os cinco primeiros.

Uma conclusão surpreendente do relatório é que o Irã ultrapassou países como o Japão, o Canadá, a França e a Rússia para garantir o seu lugar entre os cinco primeiros em seis tecnologias críticas.

A longo prazo, a posição de liderança da China na investigação significa que o país se preparou para se destacar não apenas no atual desenvolvimento tecnológico em quase todos os setores, mas também em tecnologias futuras que ainda não existem. O relatório observa que, se não for controlado, isto poderá transferir não apenas o desenvolvimento e o controle tecnológico, mas também o poder e a influência globais, para um Estado autoritário onde o desenvolvimento, os testes e a aplicação de tecnologias emergentes, críticas e militares não sejam abertos e transparentes e onde possam ser implementados. ser examinados pela sociedade civil independente e pelos meios de comunicação social.

Num prazo mais imediato, a liderança da China, aliada a estratégias bem-sucedidas para traduzir os avanços da investigação em sistemas e produtos comerciais que são alimentados numa base de produção eficiente, poderia permitir à China obter um domínio estrangulado sobre o fornecimento global de certas tecnologias críticas. O relatório observa que tais riscos são exacerbados devido à vontade do Partido Comunista Chinês (PCC) de utilizar técnicas coercivas fora da ordem global baseada em regras para punir governos e empresas, incluindo a retenção do fornecimento de tecnologias críticas.

Os autores do relatório destacam a lacuna na compreensão do ecossistema tecnológico crítico, incluindo a sua trajetória atual. Apelam ao preenchimento desta lacuna para evitar um futuro em que um ou dois países dominem indústrias novas e emergentes, como aconteceu com as tecnologias 5G. É importante garantir que os países tenham acesso contínuo a cadeias de abastecimento de tecnologia crítica confiáveis e seguras, afirmam.

Aqui está uma lista dos principais países e universidades de acordo com o relatório Critical Technology Tracker da ASPI:

Principais países:

  • China: lidera em 37 das 44 tecnologias
  • Estados Unidos: vem em segundo lugar na maioria das 44 tecnologias
  • Reino Unido: aparece entre os cinco primeiros países em 29 das 44 tecnologias
  • Índia: aparece entre os cinco primeiros países em 29 das 44 tecnologias
  • Coreia do Sul: aparece entre os cinco primeiros países em 20 tecnologias
  • Alemanha: aparece entre os cinco primeiros países em 17 tecnologias
  • Austrália: aparece entre os cinco primeiros em nove tecnologias
  • Itália: aparece entre os cinco primeiros em sete tecnologias
  • Irã: aparece entre os cinco primeiros em seis tecnologias
  • Japão: aparece entre os cinco primeiros em quatro tecnologias
  • Canadá: aparece entre os cinco primeiros em quatro tecnologias
  • Rússia, Singapura, Arábia Saudita, França, Malásia e Holanda: aparecem entre os cinco primeiros em uma ou duas tecnologias

Melhores universidades:

  • Academia Chinesa de Ciências:
    está entre os cinco primeiros em 27 das 44 tecnologias
  • Universidade de Tecnologia de Delft (Holanda):
    tem supremacia em uma série de tecnologias quânticas
  • Sistema da Universidade da Califórnia (EUA):
    bem representado em algumas áreas, inclusive na categoria IA
  • Instituto Indiano de Tecnologia:
    um alto desempenho em uma variedade de tecnologias
  • Universidade Tecnológica de Nanyang (NTU Singapura):
    uma instituição líder em diversas tecnologias críticas
  • Universidade de Ciência e Tecnologia da China:
    destaca-se em tecnologias de energia e meio ambiente, materiais avançados e em uma variedade de tecnologias quânticas, de defesa e de IA, incluindo análise avançada de dados, aprendizado de máquina, sensores quânticos, robótica avançada e pequenos satélites
  • Laboratório Nacional Lawrence Livermore (EUA):
    um dos vários laboratórios nacionais que aparecem entre os cinco primeiros para determinadas tecnologias
    Google, Microsoft, Facebook, Hewlett Packard Enterprise e IBM: todos bem representados em algumas áreas, inclusive na categoria IA

Quando se trata de inteligência artificial, computação e comunicações, a China tem uma percentagem mais elevada do total de publicações, com 31%. Em biotecnologia, tecnologias genéticas e vacinas, a China lidera com 20%. A China tem 26% e 52% das suas publicações em produção biológica e biologia sintética, respectivamente.

A China também tem percentagens mais elevadas do total de publicações em energia e ambiente, quântica, detecção, cronometragem e navegação, e transporte, robótica e espaço.

Este relatório utiliza dados de publicações de pesquisas do banco de dados WoS Core Collection para comparar o desempenho de todos os países em tecnologias críticas em seis categorias. No entanto, o projeto inclui apenas dados disponíveis publicamente, e pesquisas confidenciais de governos e empresas privadas que não são publicadas não são capturadas.

Embora a China mantenha as suas próprias bases de dados bibliométricas, os investigadores baseados nas prestigiadas universidades chinesas preferem publicar em revistas internacionais. O estudo usa métricas de citação para revelar pesquisas inovadoras e atribui crédito para cada artigo igualmente entre os autores nomeados em cada artigo individual. Os 10% dos artigos mais citados são considerados o nível superior de publicações de alta qualidade.

FONTE: Helsinki Times – Finlândia

Subscribe
Notify of
guest

60 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel BR
Gabriel BR
10 meses atrás

A China hoje é o país que mais produz tecnologia no mundo

L G1e
L G1e
10 meses atrás

O Brasil tem a USP, Unicamp, ITA, IME, quase uma centena de universidades federais com orçamento gigantesco e não produz nenhuma pesquisa. Nem uma entre os 5 primeiros.

Jose
Jose
Reply to  L G1e
10 meses atrás

Caro L G1e essas que você citou entre muitas outras são líderes mas em formar …. se é que me entende amigo.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Jose
10 meses atrás

Vocês estão usando quais fontes para afirmar isso? Não produzem nenhuma pesquisa? De onde veio essa pérola? Só a USP, por exemplo, está entre as 100 melhores do mundo e um dos maiores responsáveis por isso é esforço de pesquisa e a relevância delas. A Unicamp está perto das 200 melhores, e isso não é pouco. Procurem se informar também sobre as principais áreas pesquisadas. Parece que vocês estão só reproduzindo discursos prontos que encontram aos montes por aí. Ajudem a elevar o nível do debate, procurem se informar minimamente sobre o que opinam. Vou mencionar só alguns dados sobre… Read more »

Jose
Jose
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Caro Nunão de qual universidade você faz parte, é óbvio que não conheço todas, mas as que tive o prazer de conhecer aqui no estado de SP a uns 25/30 anos atrás hoje não condizem mesmo com o que eram outrora, como não sou o dono da verdade assim como você não é são só percepções de cada um, da mesma forma parece que você também tem o discurso pronto que divulgam por aí sobre aqueles que discordam da atual situação das universidades públicas as quais ajudamos a manter com o dinheiro dos nossos impostos.

deadeye
deadeye
Reply to  Jose
10 meses atrás

Não é por nada, porém quando eu estava no IFSP no Ensino Médio, todo mundo ali se matava de estudar, e todos os professores eram preparados e todos os TCCs e Artigos, que foram publicados quando eu estava lá, eram relevantes, alguns, até mesmo viraram empresas. Quando nós visitamos o Centro de Tecnologia da USP, todos ali eram sérios e a pesquisa era sim de ponta. Sabe qual o problema? Simples, não tem integração na academia no Brasil com o setor privado, Forças Armadas ou Governo, então muita coisa é arquivada por isso. E sendo sincero, gente competente não falta,… Read more »

Jose
Jose
Reply to  deadeye
10 meses atrás

Caro deadeye, não tenho duvida alguma quanto aos pontos colocados por você, mas cabe a quem fazer essa ponte com o setor privado ou outro, quanto ao material humano certamente não é o problema pois são muito capacitados sem duvida alguma, a questão amigo está em quem tem gerido esses centros, e sinceramente como funcionário público a muitos anos me envergonha o comportamento dos que administram muitos desses centros de formação, que apesar de tudo são sim referência e orgulho para nós brasileiros.

Adolfo
Adolfo
Reply to  deadeye
10 meses atrás

A culpa dessa falta de integração da academia brasileira com o setor produtivo é 100% da academia. Eles não querem colaborações com o setor privado por acharem que estão se vendendo. É a arrogância esquerdista, adoram viver de dinheiro roubado do povo pelos impostos. Enqto a academia brasileira for majoritariamente esquerdista os artigos vão continuar sendo arquivados.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Jose
10 meses atrás

Discurso pronto? Eu?

Pergunto de novo: de que fontes estão tirando essas pérolas?

Passei dois links para vocês lerem e começarem a se atualizar. Já leu?

Hoje não faço parte de nenhuma universidade, mas tenho duas graduações e duas pós-graduações pela USP. Posso dizer, sem medo de errar, que o comentário do LG, o qual você corroborou, não condiz com a realidade.

Last edited 10 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Jose
Jose
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Parabéns pelas conquistas, ainda assim é a sua verdade, e pelo visto só ela vale, qual a parte de “sou funcionário público” e conheço muito bem como boa parte dessas universidades tem sido administradas você não entendeu? mostrar um ou outro artigo os quais merecem destaque sem duvida, contudo, não refletem de forma alguma a realidade, poderia citar vários casos sobre o que tem ocorrido mas para quem julga ser o dono da verdade seria perder o seu tempo e o meu também, então como já disse cada um acredita no que lhe convém e bom dia.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Jose
10 meses atrás

Onde eu escrevi que sou dono da verdade? Não invente. Quem veio com essa besteira de escrever sobre “dono da verdade” foi você mesmo.

Boa noite.

Last edited 10 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Guacamole
Guacamole
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Estamos usando a reportagem que você mesmo postou.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Guacamole
10 meses atrás

Não fui eu, foi o blog. Mania de fulanizar.

sergio
sergio
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Eu fui ver as áreas de destaque, e vou postar aqui as áreas que realmente importam Hoje:
Química 18
Economia 1
Engenharia 8
Tecnologia informação 6
matemática 2
física 16
ta ai om motivo de não sermos nem mencionados, e isso tem sim a ver com o viés politico que o pais segue!!!!!

Adolfo
Adolfo
Reply to  sergio
10 meses atrás

Sim a ideologia esquerdista arcaica que temos atrasa o Brasil. E infelizmente os acadêmicos adoram essa mamata!

L G1e
L G1e
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Doutor Nunao, estamos usando como fonte a matéria acima em que o Brasil não aparece em nenhum caso, enquanto Iran, índia, etc, estão bem colocados.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  L G1e
10 meses atrás

LG, eu questionei isso aqui:

O Brasil tem a USP, Unicamp, ITA, IME, quase uma centena de universidades federais com orçamento gigantesco e não produz nenhuma pesquisa.”

Nenhuma pesquisa? Como assim?

Se está falando do ranking da matéria, é sobre um recorte de pesquisas em tecnogias específicas. Há centenas de outras pesquisas extremamente relevantes para o Brasil em andamento, em todas as instituições que você mencionou.

Os links que passei servem de introdução. Atualize-se.

L G1e
L G1e
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Doutor Nunao, é lógico que as universidades brasileiras tem pesquisadores e produzem muitas pesquisas. Mas estamos analisando a matéria e o Brasil não está no ranking nas tecnologias do futuro. Alguns anos atrás no primeiro governo do atual presidente, estava sendo construída uma hidrelétrica, parece que em Rondônia. Aí mandaram parar tudo, para tudo, para tudo. Uma pesquisa nova. Um pesquisador Brasileiro descobriu um sapo no local. Tiveram que parar a obra um prejuízo louco. Sapo pra lá, sapo pra cá, o presidente falou toda essa confusão por causa de um sapo. Depois de muito sapo liberou a obra. Então… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  L G1e
10 meses atrás

Sapo foi na construção de uma hidrelétrica no Rio Grande do Sul, e o “Sapo Barbudo”, apelido dado pelo também gaúcho Brizola, não era mais presidente na ocasião (aliás, nem o Brizola era mais vivo, mas isso já é outro assunto). https://www.terra.com.br/amp/byte/ciencia/animais/especie-rara-de-sapo-impede-instalacao-de-hidreletrica-no-rs,595d746d63d1e310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html O caso das hidrelétricas no Rio Madeira, em Rondônia, este sim foi no tempo do “Sapo Barbudo”, mas a polêmica era com bagres, e teve também um episódio com pererecas, mas na construção de um viaduto: https://oeco.org.br/reportagens/21597-as-pererecas-e-os-bagres-de-lula/ Deixando as anedotas de lado, sua linha de argumentação está pegando a parte pelo todo, sugerindo que certo tipo de pesquisa… Read more »

L G1e
L G1e
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Doutor Nunao meu amigo. Você é duro na queda em um debate. E pôr isso que vc é doutor e eu sou apenas um peão da roça nascido nos cafundós do Brasil. E que com a vida consegui estudar um pouco. E entender um pouco do mundo. Hoje eu estou aposentado na roça cuidando das minhas galinhas, pararam de botar, dos meus porcos, graças a Deus o milho reduziu o preço, e do meu poucos gados, vacas, etc. Eu sou apenas um aposentado que gosta de assuntos militares. Depois da minha vida na ativa. Agora voltei para a roça. E… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  L G1e
10 meses atrás

Não duvido que seja bem melhor cuidar de animais.

Espero que consiga resolver o problema das galinhas.

L G1e
L G1e
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Doutor Nunao, resolvi os problemas da postura de ovos das minhas galinhas aqui na roça. E uma pesquisa nacional e só misturar sobras da mandioca, depois de produção do polvilho, e misturar com farelo de milho e um pouco de farelo de soja. 100% . As galinhas volta a botar.

L G1e
L G1e
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Kkkkkk

sergio
sergio
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
10 meses atrás

Quer dizer que Uma esta entra as 100 melhores, e outra esta perto das 200 melhores, vc quer que meu orgulhe de que ? , do que adianta temos não sei quantos dos melhores cientistas, se nem na galera da uma ou duas tecnologias nos estamos, do que adiante termos todos esses cientistas reconhecidos mundialmente, se isso não se traduz em desenvolvimento ou inovação, alias me explica uma coisa com todos esses cientistas conhecidíssimos, por que não nos destacamos em nada ????????

joao
joao
Reply to  sergio
10 meses atrás

bicho, pesquisador nem é profissão no brasil.

desenvolvimento e inovação precisa de grana, muita grana, e não, não se coloca grana nisso no brasil.
nos outros países a elite banca muita pesquisa pra se beneficiar no médio e longo prazo, aqui a elite prefere comprar jatinho e porcarias de status, nunca reinvestir no país. se quer mudança, mude a mentalidade da elite então.

AMX
AMX
Reply to  joao
10 meses atrás

“brasil”
E você ainda quer reclamar do país??

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  sergio
10 meses atrás

Sergio, Onde eu escrevi sobre querer que você, ou qualquer outro, se orgulhe dos dados que passei? Questione as coisas que eu efetivamente escrevi, em vez de inventar. Eu estou respondendo a um comentário em que a pessoa disse o absurdo que “o Brasil não produz nenhuma pesquisa”. Há muita coisa a melhorar na pesquisa e nas universidades brasileiras, mas pra começar a melhorar, já seria uma ajuda se as pessoas parassem de espalhar fake news, sem nem parar pra refletir sobre a besteira que estão divulgando. Coisas toscas sobre não haver pesquisa, sobre as grandes verbas de pesquisas serem… Read more »

Last edited 10 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Helio
Helio
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
8 meses atrás

Estudo de gênero neutro transbinarie não conta

sub urbano
sub urbano
Reply to  L G1e
10 meses atrás

O orçamento dessas universidades brasileiras é pífio LG1. Só o laboratório de genética da academia chinesa de ciencias paga todas essas universidades brasileiras q vc citou.

Orivaldo
Orivaldo
Reply to  sub urbano
10 meses atrás

8 bilhões para USP e 4 bilhões para Unicamp esse ano, vc acha pouco? Confia que se aumentar o orçamento a qualidade vem junto

Nativo
Nativo
Reply to  L G1e
10 meses atrás

Em compensação as particulares produzem títulos para Eduardo Cunha, Flávio bolsonaro, Suzana Von Richtofen e muitos outros “dotores”

Angelo
Angelo
Reply to  L G1e
10 meses atrás

A universidade brasileira produz muito artigo irrelevante, sobre temas irrelevantes, um muito parecido com o outro.

sergio
sergio
Reply to  Angelo
10 meses atrás

Falou tudo, pouca coisa publicada aqui tem relevância.

Carlos Crispim
Carlos Crispim
10 meses atrás

Enquanto isso em Banânia as universidades públicas com orçamentos bilionários perdidas em meio a discussões intermináveis sobre cotas racias, indígenas, trans…congressos de ideologia de gêneros, teses sobre Funk, qual idade certa pra mudar de sexo, como fazer a universidade mais plural…Folhas de pagamentos secretas para pagar cabos eleitorais, pesquisa sobre como fazer salsicha com insetos e etc… Perdemos o bonde, camaradas, é daí pra pior!

AVISO DOS EDITORES. O DEBATE ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E ENTRANDO NUM ASSUNTO EM QUE A DISCUSSÃO COSTUMA ACABAR MAL.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Underground
Underground
Reply to  Carlos Crispim
10 meses atrás

Pois é!
A tese é que seria necessário tomar as universidades para depois tomar o poder. O poder já tomaram, mas a insanidade e destruição das instituições continua. Tivessem esse povo na União Soviética ou mesmo na China atual, seriam levados a um lugar desconhecido, onde nunca mais seriam vistos.

AVISO DOS EDITORES. O DEBATE ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E ENTRANDO NUM ASSUNTO EM QUE A DISCUSSÃO COSTUMA ACABAR MAL.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Carlos Crispim
10 meses atrás

“as universidades públicas com orçamentos bilionários perdidas em meio a discussões intermináveis sobre cotas racias, indígenas, trans…” De onde vocês tiram essas pérolas? Os temas que você citou são uma parcela bem pequena do dia a dia dos debates nas universidades e das pesquisas realizadas. As universidades em geral têm muitos e muitos problemas a resolver, focos a ajustar, mas isso aí está muito longe de ser o principal tema. Acho que estão confundindo alguns discursos de centro acadêmico e de militantes, assim como a discussão de diversas políticas de inclusão com as pautas reais do dia a dia das… Read more »

Last edited 10 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Charle
Reply to  Carlos Crispim
10 meses atrás

Só se for na Universidade Pública que você estudou. Quando muito os temas de “inclusão social” são discutidos em diretórios estudantis.

Quando é para estudar, estuda-se sim. Aliás, ficou sabendo do feito que os(as) estudantes da UFRJ conseguiram na área de foguetes? E nem por essa vitória esse pessoal de ciências exatas está alheio aos problemas sociais.

Mas me diga qual é a instituição particular que conseguiria tal feito?

Nativo
Nativo
Reply to  Carlos Crispim
10 meses atrás

Nem os centros militares produzem grande coisa a não ser grandes malandros.
Tá osso mesmo.

Joanderson
Joanderson
10 meses atrás

Me surpreendeu o Irã na lista, como pode um pais sobre sanções se desenvolver mais que o Brasil e os outros paises da América Latina.
Outra surpresa foi o Reino Unido na frente de França,Alemanha,Japão e coreia do sul,achei que a confiança da Inglaterra nos EUA fizeram eles relaxar no desenvolvimento de novas tecnologias.

Vitor
Vitor
10 meses atrás

Brasil não emplaca em nada ! a casta política e judiciária tem uma dívida e um ônus de atraso perpétua com com o estado brasileiro .

sub urbano
sub urbano
10 meses atrás

O pessoal criou um mito (sem trocadilhos kkkk) relacionado ao custo das universidades brasileiras. Vamos a uma pequena comparação dos orçamentos. Primeiro as maiores do país, orçamento anual: USP: 1,5 bilhões de dólares. Tsinghua: 17 bilhões de dólares Harvard: 55 bilhões de dólares. Vamos a universidades grandes, não as maiores, porém relevantes. UFMG: 0,4 bilhão de dólares. Whuhan: 6 bilhões de dólares. Michigan: 17 bilhões de dólares. Viram a diferença? As universidades da China produzem mais com menos? Sim. Mas ainda sim tem um orçamento mais de 10x maior que as brasileiras. As americanas então vão na base da força… Read more »

Jose
Jose
Reply to  sub urbano
10 meses atrás

Caro sub urbano, a começar que nos EUA as universidades não são bancadas só pelo governo, muito pelo contrário, mas em que ajuda comparar com outras nações se a nossa realidade é outra, provavelmente o orçamento destinado não seja suficiente, mas deveria ser melhor administrado, amigo se você tivesse ideia dos benefícios para os funcionários desses centros ficaria envergonhado.

Bruno Lim
Bruno Lim
Reply to  Jose
10 meses atrás

Só nos países ocidentais é necessário essa gambiarra, pois cobrar pela entrada do aluno na universidade e/ou por investimentos pontuais de empresas é tanto excludente quanto instável pra receita da universidade. O correto é seguir o modelo chinês e taxar grandes empresas para investir massivamente no sistema educacional!!!

Jose
Jose
Reply to  Bruno Lim
10 meses atrás

Engraçado os EUA são o exemplo entre outras coisas em educação ou não? contudo, porém, todavia, entretanto só até a pagina dois onde os argumentos não encontram respaldo, vai entender.

L G1e
L G1e
Reply to  sub urbano
10 meses atrás

Meu amigo é lógico que não estamos falando em concorrer com a China e EUA que como está na matéria estão anos luz dos outros países. Más as universidades do Brasil podem sim concorrer com a Malásia, Índia, Iran, Canadá, Austrália etc. O que não pode acontecer é as universidades brasileiras ficarem fazendo pesquisa em humanas, sociologia pôr exemplo,e não ter nenhuma pesquisa,nada em química , física, matemática e biologia. O governo federal ministérios de ciências e tecnologia e educação, deveria pegar essas 44 tecnologias do futuro e enviar para as universidades brasileiras e falar temos que pesquisar essas áreas.… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  L G1e
10 meses atrás

O que não pode acontecer é as universidades brasileiras ficarem fazendo pesquisa em humanas, sociologia pôr exemplo,e não ter nenhuma pesquisa,nada em química , física, matemática e biologia”

Não tem nenhuma pesquisa em química, física, matemática e biologia?

Só na USP há quase 250 pesquisadores entre os mais influentes do mundo, e a maioria absoluta das pesquisas deles são justamente das áreas que você afirma “não ter nenhuma pesquisa”.

Já lhe passei esse link, estou passando mais uma vez pois, pelo jeito, você ainda não leu.

https://jornal.usp.br/institucional/247-pesquisadores-da-usp-estao-entre-os-mais-influentes-da-ciencia-mundial/

Lucena
10 meses atrás

Tem certos assuntos que só gente adulta pode entender…rsrsr… as vezes …. devesse tirar as crianças da sala por se tratar de assuntos para adulto..rsrsr

sub urbano
sub urbano
10 meses atrás

E se privatizar, piora.

Emmanuel
Emmanuel
10 meses atrás

Num futuro próximo, a China será líder, também, das sete tecnologias que ela não é líder.

Orivaldo
Orivaldo
Reply to  Emmanuel
10 meses atrás

Em um futuro próximo eu vou ter 35 anos, se eu não morrer

Camillo
Camillo
10 meses atrás

Vcs querem saber oque está acontecendo no mundo?
Primeiro não liguem mais a TV, nem os canais abertos nem os fechados. Depois esqueçam qualquer meio de comunicação no Brasil. E pesquisem no Google em inglês, sites do mundo inteiro, Ásia, Europa principalmente, e vão vcs mesmos filtrando e filtrando, até realmente perceber a realidade. Oque vc recebe na mídia tradicional no Brasil é uma ilusão.

Camillo
Camillo
Reply to  Camillo
10 meses atrás

Na mídia tradicional no Brasil é mostrada a ilusão que EUA e Israel querem criar como se fosse realidade.

Francisco
Francisco
10 meses atrás

Que bom que o domínio mundial vai sair das mãos de um país que faz guerras pelo mundo todo, invade outros países, promove golpes de estado onde o governo não lhe é favorável, impõe sanções econômicas aterradoras como e quando bem quer. A política externa dos Estados Unidos é baseada no terror. Já a política externa da China é de neutralidade e foca no comércio e parceria. O que os chineses querem é grana.

Com a China no comando, o mundo ficará um pouco melhor.

Yuri
Yuri
Reply to  Francisco
10 meses atrás

se você acredita nesse papinho de que os chineses são os salvadores, que vão nos libertar dos “americanos malvadões”, ingenuidade a sua. Na realidade eles não são nada diferentes dos EUA, eles não querem só grana, eles querem é hegemonia, eles querem é impor a agenda deles, basta ver como é o perfil dos países que eles “ajudam”.

Wagner
Wagner
10 meses atrás

Nossas Universidades são excelentes o que falta é apoio, inclusive foram bombardeadas por fake news, mas conseguiram tratorar os porcos que a difamava dando um show na pandemia. A UFRJ estava pesquisando sobre MAGLEV pesquisas para Petrobras. Mas com a carteva que assumiu de 2018 a 2022 o econocoach Guedes cortaram verbas, e o turista espacial na pasta de ciencia e tecnologia ajudou afundar as poucas pesquisas das federais.

Kataguiri Opressor
Kataguiri Opressor
10 meses atrás

Pq meus comentários nao aparece?

NOTA DOS MODERADORES:
MUITO SIMPLES, VOCÊ E OUTROS 46 COMENTARISTAS, ESTÁ SUSPENSO (OU EXPULSO) DE COMENTAR NA TRILOGIA.
O POR QUE:
– NÃO SEGUIR AS REGRAS PARA COMENTÁRIOS APESAR DE VÁRIOS AVISOS.
– USO DE MÚLTIPLOS NOMES DE USUÁRIO.
– TROLAGEM, BAIXARIAS E AFINS.

ednardo curisco
ednardo curisco
9 meses atrás

Típica mentalidade brasileira:

A) Preferes contratar um expert por 10.000 por mês ou 2 cabras marromenos por 2000 cada um?

B) Preferes contratar por 100.000 uma máquina/sistema de alta produtividade ou pagar 2 oreia por 2.000 cada um por mês?

C) Universidade é lugar de comunista/drogado/etc… Bom é pesquisar fora!

sabemos as respostas para os 3 quem um brasileiro médio (e nossos governos) têm. Daí sermos o que somos

Helio
Helio
8 meses atrás

“Irã: aparece entre os cinco primeiros em seis tecnologias”

Ué? Mas a neoconzada diz que o Irã é um país atrasado e incapaz de produzir nada.

Andromeda1016
Andromeda1016
8 meses atrás

Não conseguem desenvolver um motor decente para seus blindados e navios …

Vitor
Vitor
2 meses atrás