Treinamento oferecido pelo OTAN não é adequado para a guerra contra a Rússia, afirma soldado ucraniano

62

A conta do twitter “Constantine” (@Teoyaomiquu) publicou um interessante post sobre o treinamento recebido por soldados de infantaria de uma brigada ucraniana. Estes soldados foram treinados por tropas da OTAN em países da Europa. Posteriormente, estes mesmos militares seguiram para o campo de batalha para enfrentar nada menos que o poderoso Exército Russo e não insurgentes num país subdesenvolvido. Abaixo são descritas algumas opiniões sobre o treinamento recebido e a realidade do campode batalha.

Segue uma breve tradução da post.

Entrei em contato não só com a 32ª, mas também com a 92ª Brigada de Infantaria Mecanizada. A 92º lutou ao lado da 32º e pode fornecer uma visão única, à medida que vivenciaram e viram em primeira mão o cisma entre teoria e prática. Nossa nova brigada de infantaria fez um trabalho heróico nas circunstâncias dadas: tempo, recursos e munições limitadas.

Minhas conversas com todos da 32º foram marcadas pela gratidão, pois ninguém aprecia mais as pessoas dispostas a fazer o trabalho da infantaria do que a própria infantaria. Não condene este texto. Meu esforço é dar mais uma pequena contribuição para tornar o treinamento ocidental mais eficaz.

Permitam-me também salientar que, ao lidar com perdas, as emoções aumentam e há uma abertura para a infiltração de toxicidade. A desconexão entre as expectativas estabelecidas pelo treinamento e a realidade do campo de batalha ucraniano pode ser melhor explicada pela falta de comunicação. num nível mais elevado do que com a “arrogância ocidental”. Você ainda pode ficar com raiva, mas seria um tolo se escapasse para uma narrativa simples que se baseia na falta de inteligência ou empatia.

Não se pode esperar que as forças armadas ocidentais estejam perfeitamente sintonizadas com as exigências do campo de batalha ucraniano a nível institucional, quando as nossas próprias instituições enfrentam problemas semelhantes com menos distância da frente. Se você acha que o treinamento ucraniano é perfeito, tenho algo indesejável para te contar.

Você pode assistir a vídeos de instrutores ocidentais se despedindo dos recrutas ucranianos a qualquer momento. As respostas no Twitter feitas por generais de poltrona não os representam. Eu acho que eles se importam muito.

Background

A 32ª Brigada de Infantaria Mecanizada foi formada no início de 2023 e parcialmente equipada com equipamentos ocidentais com o núcleo de sua infantaria mecanizada utilizando o transporte de tropas americano M113.

Os seus batalhões de infantaria foram treinados na primavera de 2023 num país da OTAN. Após o retorno à Ucrânia, a brigada recebeu equipamentos e munições e estava totalmente equipada. Durante o verão, a 32ª brigada foi destacada ao lado da 92ª brigada, que lutava há nove meses no eixo Svatove, no nordeste da Ucrânia.

A implantação rapidamente se tornou problemática e resultou em pesadas baixas, forçando o comando a reconsiderar.

O treinamento

Conversei com um dos sargentos da brigada cujo apelido era “Nestor” sobre o treinamento que receberam no exterior. No geral, o treinamento incluiu táticas básicas de infantaria, reconhecimento e assalto.

Nestor disse que a parte mais interessante e útil foi o treinamento de reconhecimento. “Aprendemos como chegar perto do inimigo e construir postos de observação seguros. Foi essencial.” Eles também aprenderam como ajustar a artilharia e a navegação. “A navegação foi útil; detectar foi interessante, mas não foi particularmente útil no campo de batalha até agora.”

No entanto, o seu veredicto geral sobre a formação foi misto: “Foi como se os instrutores estivessem num vácuo. Recebemos treinamento em táticas de infantaria, enquanto esta guerra é uma guerra de artilharia e drones.”. Certa ocasião, o comandante de Nestor perguntou se os treinadores considerariam pelo menos a presença de drones no campo de batalha. A resposta foi um maldito “Não”. “Não levamos nossos drones e o único drone que tínhamos disponível era o DJI Phantom 4, mas não podíamos usá-lo por questões burocráticas.” ele se lembra.

Então eles continuaram o treinamento como está. O treinamento fornecido pelo Ocidente ficou aquém de considerar as realidades atuais no campo de batalha. O primeiro desdobramento da brigada na Ucrânia foi para manter a defesa na direção de Svatove. Porém, Nestor comentou: “Nosso batalhão não recebeu nenhum treinamento de combate defensivo. Foi tudo orientado para o ataque.

Numa nota positiva, o sargento diz que a infantaria ucraniana aprendeu a mover-se e a atacar edifícios e trincheiras. “Se você considerar esse treinamento básico de infantaria, foi bom.” As companhias de infantaria passam sete dias praticando operações de assalto com armas combinadas, atacando diversos objetivos. Um dia, era uma cidade pequena. Outro dia, era uma trincheira inimiga. “Passamos por pântanos, lama e noites frias. Certa vez, nosso instrutor disse que viver no campo de batalha seria mais fácil se experimentássemos essas condições agora. Ele estava certo.”

Mas as compahias receberam muito pouco treino para sobreviver no campo de batalha: “Não houve treino de camuflagem. A infantaria não aprendeu como ocultar posições, construir bunkers e nenhum treinamento de combate defensivo.”

No final, Nestor acrescenta que uma das coisas que eles precisavam era de conscientização e treinamento em EOD. “Você deve entender que o campo de batalha está repleto de armadilhas, minas e artefatos explosivos. Sabíamos disso antes da implantação. Todos na Ucrânia sabem disso. Perguntamos aos treinadores se poderíamos receber algum treinamento sobre o assunto.” Mas, por alguma razão, os treinadores recusaram-se até mesmo a discutir o assunto. Era um tabu. “Lamentamos especificamente a falta de treinamento EOD. Poderia ter salvado vidas.”

A implantação

Após a conclusão do treinamento na Alemanha por um país da OTAN, e após um curto período na Ucrânia, eles foram enviados para reforçar a direção de Svatove. Os problemas apareceram imediatamente. O batalhão de Nestor foi desdobrado ombro a ombro com um dos batalhões da 92ª brigada. O soldado da 92ª brigada com o indicativo “Zero” explica: “Parece que eles foram treinados em outro planeta. O que era óbvio para nós era uma terra incógnita para eles.”

Ele continua com a história de um de seus primeiros encontros com a 32ª infantaria: “Estávamos dirigindo a 15 km da linha de frente e notei um Ural (caminhão) militar, com um pelotão completo agrupado perto de uma das pequenas mercearias locais. Eles agiram como se não soubessem que era uma zona de guerra. Tivemos que parar e dizer-lhes que o drone ZALA (russo) estava por aí. O comandante do pelotão não sabia que o inimigo tinha tais capacidades.”.

Um grave erro no treino da OTAN foi que um comandante de companhia permanecesse nas trincheiras com a companhia. Embora pareça heróico e possa funcionar quando se enfrenta um inimigo mal equipado, a Rússia está bem equipada e tem centenas de drones. Este erro caro foi corrigido depois de perderem algumas posições. “O comandante de companhia tem que ter os olhos voltados para o céu. Ele precisa ter seu próprio fluxo de drones e se comunicar com comandantes de pelotão ou grupo.” – Foi uma lição custosa para a unidade de Nazar; “Isso nos custou vidas.”

Perguntei por que um comandante de companhia não podia permanecer na trincheira. Meu amigo da 92ª Brigada explicou que quando o comandante da companhia está na trincheira, ele se torna mais um elo na cadeia de comando: “Por favor, entendam que controlar 100 soldados em combate é uma tarefa difícil. O comandante de nível superior observa o fluxo de drones e toma decisões. Ele dá uma ordem ao comandante da companhia pelo rádio. O comandante da companhia tem que entender exatamente o que está acontecendo para tomar decisões e passar ordens aos pelotões. Para isso, é necessário observar o campo de batalha de cima. Tente sentar-se sob o bombardeio de um tanque e gritar no rádio enquanto você mesmo ouve gritos no rádio. É muito mais eficiente quando o comandante da companhia tem sua própria sala de comando e controle com fluxos de drones chegando.

Ele pode tomar decisões calmas e ponderadas olhando para o campo de batalha em vez de ouvir o que está acontecendo, e não é mais um jogo de telefone. .” “No campo de batalha atual, até mesmo o comandante de grupo ou pelotão precisa ter um tablet com nosso aplicativo de mapa especial para ser eficaz, e você não pode mais confiar em um inimigo estúpido. Eles evoluíram.” resume Nestor: “Não sabíamos nada disso e ninguém poderia compartilhar conosco a experiência e o conhecimento. Agora somos mais espertos, mas o preço foi terrível.”

Outra capacidade que não foi treinada pode surpreender: dirigir. Pode parecer absurdo para alguns, mas aqueles familiarizados com o campo de batalha sabem o quão perigoso e caro pode ser até mesmo um simples avanço ou afastamento da frente de batalha. Nossos motoristas devem ter mais experiência em dirigir à noite; dirigir durante o dia é muito perigoso. O treinamento para operações noturnas de direção é fundamental para evitar acidentes e a perda de equipamentos valiosos. É também emblemático: pode não parecer uma prioridade máxima para a formação de pessoal da OTAN com um calendário reduzido.

No entanto, a sua importância deve ser comunicada tal como qualquer outra discrepância mencionada aqui e noutros lugares.

Conclusão

A desconexão do treino da NATO faz com que uma brigada fique despreparada no campo de batalha. Especificamente, a falta de treinamento de UAV, de defesa, de conscientização sobre minas e de EOD levou a baixas desnecessárias no campo de batalha.

Para evitar uma situação semelhante no futuro, a Ucrânia precisa tratar o treino da OTAN como treino básico de infantaria, em vez de um ciclo completo de preparação ao nível de brigada/batalhão.

Precisamos realizar exercícios pós-treinamento e adaptar as unidades às mais novas tecnologias e táticas no campo de batalha. Em última análise, a brigada ganhou experiência suficiente para ser eficaz, mas o custo poderia ter sido muito menor.

Subscribe
Notify of
guest

62 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Realista
Realista
9 meses atrás

Como assim eles não são os melhores do mundo ?

Os russos usam pás e chips de geladeira, além de ser um exército totalmente despreparado e sem equipamentos.

Vi no HNM

Wagner
Wagner
9 meses atrás

OTAN passou 20 anos “lutando” na guerra irregular contra o Talibã e não aprendeu nada?

Brandão
Reply to  Wagner
9 meses atrás

Nem deveriam, são conceitos bem diferentes .
Guerra total, guerra assimétrica e conflitos de baixa intensidade exigem formas de emprego da expessão militar distintas, não tem como comparar ou aplicar as mesmas técnicas de um conflito estado x estado com operações de contra insurgência.

Augusto
Augusto
Reply to  Wagner
9 meses atrás

Logo logo os papeis irão se inverter e serão os ucranianos que irão instruir os ocidentais.

Não existe treinamento melhor que a própria experiência de combate. E nenhum exercito do mundo atualmente possuiu experiência em uma guerra de alta intensidade com exceção dos próprios ucranianos e os russos.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
9 meses atrás

O probema é que a OTAN prevê que, quando o soldado pisar no campo de batalha, o inimigo já foi “amaciado” pela Força Aérea e que o soldado terá apoio aéreo quando necessario. O que é compreensível, já que os EUA/OTAN conseguiram isso em todas as guerras que lutaram nos ultimos 40 anos. Numa guerra aonde ambos oa lados não tem superioridade aérea, isso é um choque de realidade. Outra coisa, os ucranianos são os primeiros a experimentar a guerra do séc. XXI, aonde o maior inimigo de todos são os drones, em quantidade e voando 24h o campo de… Read more »

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

Verdade! Lembro bem da guerra do Iraque em que, depois de pesados bombardeio, os soldados americanos iam fazendo o “rescaldo” e dando tiros de misericórdia nos iraquianos que iam encontrando feridos no chão.

Brandão
Reply to  Francisco Vieira
9 meses atrás

Napoleão Bonaparte, o “Imperador Artilheiro” já dizia…”A artilharia empresta à guerra a dignidade sem a qual ela seria uma mera rixa”.
A maior parte das baixas em campo de batalha são ocasionadas pela artilharia, seja naval, terrestre ou aérea, porém a tarefa de cerrar junto ao inimigo, conquistar e manter posições ainda é tarefa da infantaria.

Augusto
Augusto
Reply to  Brandão
9 meses atrás

“A maior parte das baixas em campo de batalha são ocasionadas pela artilharia, seja naval, terrestre ou aérea, porém a tarefa de cerrar junto ao inimigo, conquistar e manter posições ainda é tarefa da infantaria.”

Em Austerlitz, após Napoleão fuzilar o dispositivo central dos exercícios Austro-Russos, Napoleão deu ordens para o Marechal Soult avançar comandando a infantaria lhe dizendo: Um sopro e essa guerra termina. Essa foi a maior vitória do Imperador, mesmo com um golpe devastador de sua artilharia, a infantaria foi necessária para tomar as posições do exercito aliado.

Guacamole
Guacamole
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

_No mais, esse relato me faz perguntar o nível de treinamento básico/médio de um soldado do EB, se avançamos nisso ou ainda estamos atrasados…_

Acho que a resposta pra essa pergunta é bem óbvia…

Brandão
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

Em algumas OM’s sim, houve um bom avanço, especialmente em conciência situacional dos comandantes de pequenas frações, mas infelizmente… nem todas as OM’s tem a mesma forma de emprego.
Atualmente as Brigadas Operacionais da Força de Pronto Emprego realizam anualmente um grande exercício com emprego combinado de todas as armas com apoio de DQBRN, aviação, artilharia de mísseis e foguetes, guerra eletrônica e forças especiais, lembrando que antes da realização do exercício propriamente dito, ocorrem muitos outros em caráter preparatório.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Brandão
9 meses atrás

“nem todas as OM’s tem a mesma forma de emprego.”

Você quis dizer 95% das OM’s, né? É só ver a quantidade de soldados BR que tem o que nos EUA e OTAN é comum, mas aqui é visto como coisa da elite: colete tático, NVG, mira red hot na arma, etc.
Temos núcleos de excelência, isso não se discute, mas tambem é inegável que a esmagadora maioria da tropa tem que se virar com uniforme básico e FAL pelado.
Imagine eles numa guerra de alta intensidade? Teremos o mesmo nível de baixas que ambos os lados nessa guerra.

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

FAL pelado não.
Temos a baioneta.

kkkkkkkk

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

O treinamento no EB é fazer o recruta passar trabalho, fazer exercício, ordem unida, comer mal, passar mais trabalho, mais ordem unida e fazer um campo básico com sucatas de fuzís desativados da IIGuerra e um dia de treinamento de pista de cordas, com um campo para tiro real com peças de artilharia no fim do ano. O PelOpEs tem uns treinos à mais e mais sugação e só. Ah! De setembro até a baixa vira uma tranquilidade, só cuidar a apresentação e tirar serviço.

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Cristiano GR
9 meses atrás

No Brasil soldado só serve para tirar serviço de guarda e de porteiro, e só aprende o suficiente para isso. Mas… Para que formar bem um recruta se ele sairá no final do ano?
O Brasil sendo Brasil.

Maurício.
Maurício.
9 meses atrás

“Não condene este texto. Meu esforço é dar mais uma pequena contribuição para tornar o treinamento ocidental mais eficaz.” Com todo o respeito “Constantine”, mas com esse texto, aqui no Brasil você seria rotulado de torcedor do Putin, putinzet*, vendido e coisas do gênero, fato! Quanto ao treinamento da OTAN, tinha um pessoal que achava que seria um “divisor de águas”, o tal “treinamento padrão OTAN” no fim, se resume em um treinamento básico de infantaria, nada além disso, e os conhecimentos recebidos nem sempre se ajustavam com a realidade do combate. Mas, na minha opinião, o principal ponto está… Read more »

Augusto
Augusto
Reply to  Maurício.
9 meses atrás

“Com todo o respeito “Constantine”, mas com esse texto, aqui no Brasil você seria rotulado de torcedor do Putin, putinzet*, vendido e coisas do gênero, fato!”

Sim, e muitos só viram uma trincheira em filmes ou no vídeo game. O cara sabe o que está falando, está lá se lascando, passando por uma terrível guerra de alta intensidade e lutando pelo seu pais.

Tuacha
Tuacha
9 meses atrás

Agora, coloque em prática o que você aprendeu kkkkk

Quirino
Quirino
9 meses atrás

“Recebemos treinamento em táticas de infantaria, enquanto esta guerra é uma guerra de artilharia e drones.” Eu vi varias entrevistas de soldados gringos que lutaram na Ucrânia e todos eles dizem isso, a maioria deles nunca chegou a enfrentar o russo cara a cara, eles disseram que vão para a linha de frente e ficam sendo bombardeados por artilharia e drones dia e noite, depois eles saem, outros ficam no lugar, depois eles voltam, e o ciclo se repete, quando eles atacam os russos esses se limitam a abandonar a posição sem lutar e pedir tiros de artilharia, eles disseram… Read more »

Marcelo Soares
Marcelo Soares
9 meses atrás

Quem tem que ensinar à Otan são os ucranianos, são os mais experientes em combates de grande intensidade no momento.

Bispo
Bispo
9 meses atrás

A doutrina OTAN é praticamente a Americana: Guerra = Superioridade Aérea, fácil contra “camelos bombas” e seus guerreiros com sandálias.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Bispo
9 meses atrás

Que doutrina Americana, na Nato existem países como França e Reino Unido, com manuais de guerra próprios e com muitas guerras e operações, de onde foram retiradas tácticos para os manuais, muita coisa também foi retirada da 2 guerra mundial e da primeira, bem como de guerras cívis, etc.
Todos contribuem, principalmente os mais experientes, como os EUA, UK e França.

Munhoz
Munhoz
9 meses atrás

Vamos jogar lenha no debate!
A Ucrânia fez muita propaganda da contra ofensiva, me lembro do soldado ucraniano com o dedo na própria cara fazendo xiuu para a data e hora do ataque, isto é uma aberração militarmente falando, fora o líder ucraniano prometendo chegar a Criméia antes do natal .
A Ucrânia tá com o rabo preso na política por isso vai perder!

Wagner
Wagner
Reply to  Munhoz
9 meses atrás

A propaganda foi um mal negocio para os Ucranianos

Baal
Baal
Reply to  Munhoz
9 meses atrás

De 4 de junho a 4 de setembro a “contra-ofensiva” ucraniana consegiu avançar em 200km2, ou seja, 0,4% de 50.000km2 controlados pelas Forças Armadas Russas no sul em Kherson, Zaporozhye e DPR; a custa de centenas tanques/blindados e milhares de soldados:

https://twitter.com/FrenteOriental/status/1699590885971743197

Heinz
Heinz
Reply to  Munhoz
9 meses atrás

Robotyne caiu hoje segundo os russos, mas os Ucranianos já confirmaram isso há duas semanas atrás. Os combates seguem sentido Verbove, 18 km de Tokmak. O avanço é lento, mas ele está acontecendo e isso é inegável diante dos fatos.

Neural
Neural
Reply to  Heinz
9 meses atrás

Robotyne ainda não caiu não, área sul está com os Russos

Heinz
Heinz
Reply to  Neural
9 meses atrás

Caiu, foi o próprio canal War gonzo que afirmou. Se os próprios Rússia afirmam, aí o problema é sua fonte.

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Munhoz
9 meses atrás

A política…

Brandão
Reply to  Munhoz
9 meses atrás

Mas faz parte da guerra de 5ª geração, amigo. O amplo expectro das operações exige informação e desinformação, inteligência e contra-inteligência, opinião pública, guerra eletônica, cibernética, comercial e por aí vai.

Sergio Machado
Sergio Machado
9 meses atrás

E a OTAN não tem plano B? Se não tiverem supremacia aérea, colam as placas? No mínimo estranho.
Talvez ficaram muito tempo jogando na 3a divisão. Realidade é dura e não perdoa, guerra full é ruts.

Tuxedo
Tuxedo
9 meses atrás

A Ucrânia não tem a mínima chance de ganhar essa guerra. Essa guerra será vencida pela Rússia.

Heinz
Heinz
Reply to  Tuxedo
9 meses atrás

Que guerra? É operação especial. Pelo seu bem, espero que você não esteja na Rússia, pois você pode ser preso por fake news.
O que é vencer a guerra? Derrubar o governo Ucraniano? Tomar Kiev? Destruir o país? Tomar Odessa e vincular a Criméia com a tranistria via terrestre? Tomar os 45% que faltam de Donetsk? Retomar a capital do oblast de Kherson?
Desnazificar os nazistas Ucranianos?

Paulo Neves
Paulo Neves
Reply to  Heinz
9 meses atrás

Hein, eu não sei se você está chateado, por que torce para o ucranianos, ou realmente acreditou nas afirmações deles, mas o problema aqui não é o tanto de avanço (que é muito pouco), mas o custo/benefício que é péssimo.
Não é possível manter estes ataques com tais níveis de perdas. Apenas não vale a pena.
Os ucranianos estão fazendo o jogo dos russos e entrando em uma guerra de desgaste, onde sabem que vão perder, pois são menores
Se for para continuar assim não faz sentido.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Paulo Neves
9 meses atrás

Vcs falam como se fosse estratégia em guerra prolongar o conflito..ir.ao, o invasor sempre via acabar o conflito o mais rápido possível. Nunca foi parte dos planos entrar nesse lamaçal. A economia é drenada, e no longo prazo , o bolso russo vai esgotar. Já. O bolso do ocidente é mais profundo. A Rússia vai sentir na pele.

Vitor
Vitor
9 meses atrás

Reflexão – Olha só a doutrina militar ocidental com toda pompa da mídia … acarreta 400 mil baixas às forças armadas ucraniana …não é pouco para um oponente que usa chip de geladeira e pá para lutar como arma nessa guerra por procuração.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Vitor
9 meses atrás

Você de novo trazendo esses números ? Cadê sua fonte ?

Não vale as vozes da.sua cabeça

Vitor
Vitor
Reply to  Nuno Taboca
9 meses atrás

Nos canais poloco você vai encontrar esse número…não fique surpreso…lá já estão comentando em quase 50 mil Ucras abatido nessa contra ofensiva…aceita que dói menos.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Vitor
9 meses atrás

Vc se engana.o maior fornecedor de armas continua sendo a Rússia. Depois que fugiram, deixaram toneladas para trás.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Vitor
9 meses atrás

Hahahaha. Polacos? Sei.

Esse número só existe na esgotosfera russófila. A coisa tá feia, pros dois lados.

Mas quem.invadiu, se.dizia uma potência. Agora tá atolada até o pescoço, gastando 1Bi por dia para manter a guerra, com uma.economia.do.tamanho do Brasil.

A verdade é que o esforço de.guerra russa vai exaurir muito antes do que vcs desejam. A economia tá sentindo o baque. A russinha tá na lama.

Emmanuel
Emmanuel
9 meses atrás

Que o EB traga todo esse tipo de informação para a sua doutrina, o que duvido muito que aconteça.

Não estávamos preparados para uma guerra a moda antiga, imagina atualizada.

Michel Lineker
Michel Lineker
9 meses atrás

E agora vão chamar o soldado ucraniano de Putinete também? O que precisam pra entender que guerra não super trunfo?

Ricardo
Ricardo
9 meses atrás

A torcida pro russa pode se acalmar. É só um relato sobre o que pode melhorar e não que eles estão sendo destruídos. Sosseguem.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Ricardo
9 meses atrás

Perfeito. Se alguém ousa falar isso do lado russo, é convidado a tomar chá de polônio. Ucranianos tem muito o que ensinar a Otan. Não é demérito nenhum, para ninguém. Vivendo e aprendendo e se adaptando. O inimigo invasor não está ali de brincadeira. Russos, apesar de toda sujeira de seu governo pútrido e ditatorial, tem pessoas competentes nas fileiras, que farão o melhor. Cabe aos ucranianos aprenderem e expulsar os invasores.E estão fazendo isso..devagar mas constante. Os russos vão pagar essa fatura no futuro, com sua economia em decadência não próximos anos. E a Ucrânia vai receber todo o… Read more »

Heinz
Heinz
9 meses atrás

Os Ucranianos são os melhores do mundo, sem mais! Os caras estão lutando contra uma super potência, estão bancando mesmo. A experiência que eles possuem em combate é quase inigualável, e digo que é superior aos dos russos pois eles empregam um misto de técnicas ocidentais e soviéticas. O que falta a eles é equipamentos em larga escala, coisa que os russos tem de sobra.
Espero que o EB esteja estudando esse conflito 24 horas por dia e aplique isso hoje e no futuro no preparo de nossas tropas.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Heinz
9 meses atrás

“e digo que é superior aos dos russos pois eles empregam um misto de técnicas ocidentais e soviéticas.”

Heinz, tu leu no texto que o treinando recebido pela OTAN é basicamente um treinamento básico de infantaria, e o que conseguiram absorver não se encaixa muito no TO, né? Então esquece esse papo de “técnicas ocidentais”, o próprio ucrâniano está dizendo no texto que não foi grande coisa. O que os ucrânianos estão aprendendo é por puro mérito próprio, na dor, na tentativa e erro, não tente dourar a pílula do “treinamento padrão OTAN”, não cola mais.

Gabriel BR
Gabriel BR
9 meses atrás

Os militares Ucranianos em minha opinião estão se mostrando os mais competentes de toda a Europa. Fosse qualquer potencia europeia (UK , França e Alemanha) já tinham é sucumbido vergonhosamente.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Gabriel BR
9 meses atrás

A Rússia não tá perdendo ninguém né ?

Por isso estão enviando presidiários?

Rs essa conta não bate.

Rafael
Rafael
9 meses atrás

Isso é guerra de verdade. Rússia e Ucrânia terão dois exércitos bem treinados depois que a guerra acabar. O problema é que se a guerra persistir, a Ucrânia corre o risco de ficar sem exército, pois tem a população bem menor que a Rússia.

António Rodrigues
9 meses atrás

O que me espanta nesta contra ofensiva é a não ter tropas paraquedistas ( nem os ucranianos pediram treino na OTAN) para largar atrás das defesas russas nem os ucranianos terem pedido aviões para o fazer ou helicópteros para a largada de tropas especiais para atacar pelas costas as defesas russas. Tem manuais OTAN que não estão sendo levados á letra, aliás já teve um general do exército português a comentar isso na CNN Portugal.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  António Rodrigues
9 meses atrás

Se helis não estão tendo vida fácil alí, imagine aeronaves de transporte pra PQD’s.
Seriam massacrados antes mesmo de pularem do avião.

Nilson
Nilson
Reply to  António Rodrigues
9 meses atrás

Para isso é necessário ter supremacia aérea. Nenhum dos dois lados tem, nenhum dos dois lados pode usar PQD na retaguarda…

Fábio De Souza
Fábio De Souza
9 meses atrás

Nesta Guerra de Falsas Informações , aos poucos algumas verdades vem aparecendo , eu já li uma Matéria bem Parecida com essa , Porém era o contrario , onde se diziam que o Exercito Russo , era totalmente despreparado com soldados sem nenhum treinamento , mal equipados e que estavam sendo massacrados. Pois bem agora estamos vendo que essa situação é o contrario , assim como o Exercito Russo , não tinha mais Tanques , que estavam sem munição , sem misseis de alta precisão , que os Russos estavam tirando peças de Maquinas de lavar etc, etc ….

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Fábio De Souza
9 meses atrás

O exército russo não deixa de ser um decepção retumbante. Não resta mais dúvida de que os frangalhos que sobrou, fora os presidiários, tomou uma surra homérica, dado o que os países comparando-se o poderia alardeado na época.
A Rússia nunca foi, e nunca será pareo nem para a Polônia, o que dirá da OTan.
Dito isso, avaliar o treinamento faz parte do processo de aprendizado. Críticas fazem parte.

Não se ouve muitas críticas de russos para com o exército russo, pelo simples motivo que na ditadura russa, se vc ousar criticar, ou morre ou vai preso. E a diferença.

Destro
Destro
9 meses atrás

Resumindo
Os manuais de combate estão desatualizados quanto ao uso de novas tecnologias no TO.
Sem cobertura eletrônica o TO é um campo minado de cima e em baixo.

Se os descalços talibã deram um suor nos EUA e URSS por anos…a Ucrânia vai fazer o mesmo com os russos.

naval762
naval762
9 meses atrás

A OTAN tá vendo as incongruências de sua visão de guerra e os ucranianos estão pagando o preço, esses soldados e aquele piloto de caça pagaram o preço; o certo seria o treino ser orientado por ucranianos para ucranianos e com o pessoal da Organização como apoio, apenas.

Vitor
Vitor
Reply to  naval762
9 meses atrás

É aquele ditado morre por min! Mas não foi eu que falei.

carvalho2008
carvalho2008
9 meses atrás

Vi o relato de um Brasileiro que pareceu bem profundo e analitico no youtube no FalaGlauber….pereceu bem consistente….a realidade verdadeira nada mais é o que ja disse dezenas de vezes no Aereo e Naval, as tecnologias comerciais avancam tão rapido, que atropelam as tecnologias militares e quebram as doutrinas instaladas. Ninguem estava pronto para o tipo de combate na Ucrania, nem de um lado , nem de outro… O relato que vi e corroborado por outros é que existe uma mistura de guerra das trincheiras da WWI, junto com artilharia e drones do seculo 21…e dezenas de tipos de drones… Read more »

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
9 meses atrás

Tem de ver que o pior ou melhor treinamento vai estar anos luz da realidade do dia a dia do front.

Carlos Campos
Carlos Campos
9 meses atrás

Olha o uso de drones tá sendo muito constante dos dois lados, única coisa preocupante é o não treinamento sobre as armadinhas, aqui em manaus meu tio recebeu treinamento de como fazer armadilhas e até emboscadas, é um treinamento difícil, no caso sobre as armadilhas, o exército ucraniano devia se inteirar sobre as falhas do treinamento da OTAN e resolver isso.

Just
Just
9 meses atrás

Será que tem alguem do Exercito Brasileiro por dentro destas novidades no campo de batalha? Eu quando vejo os videos do EB, daquele pessoal todo enfileirado andando em direção ao inimigo como se fosse a primeira guerra mundial, me da uma agonia danada!!

João do Carmo Filho
João do Carmo Filho
9 meses atrás

Deixa ver se eu entendi, aquele que dá o treinamento para os Ucrânianos são os mesmos que apanharam do Vietnã, Afeganistão,Iraque,Líbia e Síria …….coitado desses soldados já tão com um pé na cova….

Gavião
Gavião
8 meses atrás

Excelente reportagem. Aqui no “Ocidente” temos uma visão muito ucraniana do conflito, imaginando que os ucranianos estão em vantagem, o que não vemos no plano estratégico. Trata-se de um conflito complexo onde nenhum dos lados (na minha opinião) tem forças para uma vitória conclusiva. Torcemos pela paz.