Obuseiros autopropulsados K-9 da Coreia do Sul

SEUL — A Coreia do Sul procura expandir a sua posição no mercado global de armas após um salto significativo no ano passado, capitalizando o aumento da procura de armas impulsionado por conflitos geopolíticos na Europa e no Oriente Médio , bem como por uma China assertiva.

A Coreia do Sul emergiu como um dos exportadores de armas mais prolíficos no ano passado, alcançando exportações recordes de armas de 17,3 bilhões de dólares, um aumento acentuado em relação aos 7,25 bilhões de dólares em 2021, de acordo com o Ministério da Defesa.

Por trás do boom estava a Polônia, que assinou acordos no valor de US$ 13 bilhões com empresas coreanas para comprar tanques K-2, obuseiros autopropulsados K-9, aeronaves de ataque leve FA-50 e lançadores múltiplos de foguetes K-239 Chunmoo, na tentativa de reforçar suas defesas na sequência da guerra Rússia-Ucrânia.

K2 Black Panther

Observadores da indústria dizem que a Coreia do Sul está bem posicionada para explorar o mercado europeu para além dos seus principais clientes no Sudeste Asiático e no Oriente Médio, com linhas de produção robustas de equipamento militar de ponta e econômico, compatível com o sistema dos EUA e da OTAN.

“Em meio a um aumento na demanda global por armas desencadeado pela prolongada guerra Rússia-Ucrânia, os atores emergentes, como a Coreia do Sul, estão se beneficiando do declínio da indústria de armas da Rússia, o segundo maior exportador mundial”, disse Shim Soon-hyung, pesquisador no Instituto Estatal da Coreia para Economia Industrial e Comércio.

Aproveitando o impulso do sucesso do ano passado, os fornecedores locais de defesa fecharam novos acordos no início deste ano ou deverão assinar acordos num futuro próximo.

Em fevereiro, a Korea Aerospace Industries (KAI) fechou um contrato de 1,2 trilhões de won (US$ 920 milhões) para vender 18 aeronaves de ataque leve FA-50 para a Malásia, sua quarta venda no exterior após acordos com a Indonésia, as Filipinas e a Tailândia.

Em julho, o veículo de combate de infantaria Redback da Hanwha Aerospace foi escolhido como o licitante preferencial para o programa de aquisição da Austrália no valor de US$ 12 bilhões.

Hanwha Aerospace Redback

Se finalizado, marcaria a segunda exportação da Hanwha para a Austrália após um acordo de 2021 para obuseiros autopropulsados K-9, que estão em serviço em nove países, incluindo Turquia, Polônia e Índia.

A Coreia do Sul também está chegando a novos clientes no Oriente Médio , no meio de renovadas preocupações de segurança na sequência do conflito Israel-Hamas.

Após as vendas do sistema de mísseis terra-ar da LIG Nex1, chamado Cheongung II, para os Emirados Árabes Unidos em 2021, a empresa coreana está nas rodadas finais de negociações com a Arábia Saudita para um grande acordo de fornecimento para o sistema de defesa aérea, de acordo com reportagens locais.

Cheongung II

Outra área promissora é a expansão do mercado naval, já que a Coreia do Sul é um dos poucos países capazes de construir submarinos de 3.000 toneladas e destróieres equipados com o sistema Aegis.

A Hanwha Ocean, cuja antecessora, a Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering Co., exportou pela primeira vez submarinos para a Indonésia em 2011, tem apresentado ofertas para construir submarinos para o Canadá, Filipinas e Polônia, que deverão substituir as suas antigas frotas de submarinos.

A HD Hyundai Heavy Industries Co. está buscando alavancar sua capacidade de projetar e construir de forma independente destróieres Aegis de mais de 7.000 toneladas para expandir seu território de exportação além do Sudeste Asiático, de olho nos mercados da América do Norte e da Europa.

Autoridades da indústria dizem que o aumento das vendas no exterior poderia reduzir os custos por unidade e abrir oportunidades de negócios no mercado de manutenção, reparo e revisão no longo prazo, um benefício para a meta da Coreia do Sul de se tornar o quarto maior exportador de armas do mundo até 2027.

Mas os desafios permanecem, uma vez que os grandes negócios de armas exigem pacotes financeiros abrangentes, por vezes apoiados pelo governo, e precisam aproveitar o momento geopolítico certo.

A Coreia do Sul está negociando uma segunda ronda de contratos estimados em 30 biliões de won com a Polônia para vender equipamento militar adicional, mas os fornecedores locais temem que a falta de apoio financeiro e a mudança do governo polaco após as eleições do mês passado possam impedir o mega acordo.

Como o Banco de Exportação e Importação estatal da Coreia não consegue fornecer empréstimos e garantias para as vendas propostas depois de atingir o limite máximo dos contratos do ano passado, cinco bancos coreanos têm estado em negociações para fornecer um empréstimo sindicalizado no valor de 2,7 bilhões de dólares num montante inicial fase de apoio, segundo fontes do setor.

“Estamos monitorando de perto o plano de financiamento e a situação política na Polônia para descobrir as suas implicações no nosso acordo de fornecimento”, disse um responsável da empresa de defesa local, pedindo anonimato.

FONTE: Yonhap News Agency

Subscribe
Notify of
guest

28 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mafix
Mafix
3 meses atrás

Vem ni mim papai veimmmm K-2 Panther .

Ai eu vejo um pais que uma parceria faz sentido tanto na transferencia tecnologica e qualidade no equipamento…

Plinio Jr
Plinio Jr
3 meses atrás

Estes caras possuem muitos produtos interessantes para as FAs brasileiras … passou da hora do Brasil olhar com seriedade em parcerias com os sul coreanos …

adriano Madureira
adriano Madureira
Reply to  Plinio Jr
2 meses atrás

Esquece amigo, os militares jamais sairão da ponte aérea Brasil- eua- europa…

Há muitos mercados promissores, mas preferem ser dependentes dos parceiros tradicionais.

eliton
eliton
3 meses atrás

O oficialato brasileiro precisa começar a olhar com mais carinho para os países asiáticos. Ali que é o futuro.

Maurício.
Maurício.
Reply to  eliton
2 meses atrás

O oficialato brasileiro está sempre dando bandinha pela Ásia, principalmente na China, é olhando tanques, blindados e antiaérea, mas na minha opinião, estão só gastando dinheiro público e aproveitando a viagem, no fim, quase sempre é um produto europeu que vence. A Coreia do Sul poderia ter mais chances que a China, esse tanque K2 poderia ser uma boa opção, mas o negócio do EB é Leopard 1 mesmo.

Carlos Pietro
Carlos Pietro
3 meses atrás

K2 Black Panther, nosso futuro carro de combate.

Rafael
Rafael
Reply to  Carlos Pietro
3 meses atrás

Se o EB decidir pela aquisição de um MBT novo (tomara!) talvez vai exigir produção no Brasil e talvez um projeto exclusivo para as nossas necessidades (peso, dimensões para transporte, compatibilidade de munição e nacionalização do motor e outras peças essenciais, etc.).
Algo como um Leopard 1 atualizado e mais barato de manter no futuro.
Mas eu ainda acho mais provável que escolham o CV90 120mm ou outro da mesma categoria, infelizmente.

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Carlos Pietro
3 meses atrás

Entre as opções de um MBT novo, sem dúvidas, o K2 é a escolha ideal ….

Heinz
Heinz
Reply to  Carlos Pietro
3 meses atrás

Sempre torci por ele, K2 na veia aqui. Imagina aí uma venda de C-390 da Embraer atrelada a uma compra dos K2 por parte do Brasil, seria fantástico

Carlos Pietro
Carlos Pietro
Reply to  Heinz
2 meses atrás

Heinz,voçê têm toda a razão, seria fantástico; para nós e para eles.

Andromeda1016
Andromeda1016
Reply to  Heinz
2 meses atrás

Há rumores que há grande interesse por parte da Coreia pelo C-390 e a compra parece certa.

Carlos Pietro
Carlos Pietro
Reply to  Andromeda1016
2 meses atrás

Amém.

Mauricio Autorino Veiga
Mauricio Autorino Veiga
3 meses atrás

Talvez com a compra do KC 390 (por eles) possa surgir a oportunidade da obtenção de Material Bélico Coreano pelas FAs Brasileiras…

adriano Madureira
adriano Madureira
Reply to  Mauricio Autorino Veiga
2 meses atrás

se de um acordo desses pudesse vir umas aeronaves de ataque novas, seria bom.

comment image

comment image

Mafix
Mafix
Reply to  Mauricio Autorino Veiga
2 meses atrás

Ja foi oferecido aos Coreanos o K-390 ?

Poderia sair um belo acordo .

Heinz
Heinz
Reply to  Mafix
2 meses atrás

Parece que levaram a aeronave para lá, e saiu uma notícia que os sul coreanos gostaram muito das especificações da aeronave, só nos resta torcer a favor do 390 e contra o lobby americano

Rafael
Rafael
3 meses atrás

Espero que as pessoas que tomam decisões já tenham superado a fase do “se não é americano ou europeu não presta!”

Um Simples Brasileiro
Um Simples Brasileiro
3 meses atrás

K2 Black Panther é um monstro.

Carlos Pietro
Carlos Pietro
Reply to  Um Simples Brasileiro
2 meses atrás

Verdade, e lindo também. Uma bela máquina.

C G
C G
3 meses atrás

Eu visito alguns navio mercantes de grande porte, eu sempre me impressionei com os Samsung e Hyundai, uma vez precisei entrar em um “buraco” por motivos técnicos que nao vem ao caso, uma caixa estanque na proa do navio, um lugar que na vida toda do navio não deve ser acessado mais que duas ou três vezes, sério, a limpeza era hospitalar, eu ja estava impressionado com o requinte da super estrutura mas a olhada “embaixo do tapete” foi a confirmação, são navios proximos da perfeição! Em compensação fiz um serviço em um navio similar chines, primeiro da classe dele,… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  C G
3 meses atrás

Poderia falar a data da visita ao navio chinês e no sul-coreano?
Pq os chineses avançaram muito nos últimos anos. Gostaria de saber se foi um navio construído ano passado ou há 10 anos…

C G
C G
Reply to  Luís Henrique
3 meses atrás

Recentíssimo, te dou mais exemplos, as linhas do navio, vc olha o Hyundai e tudo reto, limpo, sem emendas, no chines vai tudo cheio de curvas, a mesma linha para andar 50 metros desvia de outras linhas, de equipamentos, de peças estruturais, sabe aquelas fotos que a gente vê de cabos de internet chegando todos organizadinhos e em outras umas emboleiras de fio? Nas devidas proporções é a mesma “energia”! Ou na troca de uma válvula, se vc tem um militro fora de alinhamento nos flanges o parafuso não passa, um serviço simples ja envolve talha, macaco, um monte de… Read more »

Orivaldo
Orivaldo
2 meses atrás

Esses sabem ganhar dinheiro. Só com a Polônia ja estão fofos

Jagder
Jagder
2 meses atrás

Vassalos a serviço do imperialismo norte americano.

Nickless
Nickless
Reply to  Jagder
2 meses atrás

Se eles não fossem vassalos do imperialismo americano, seriam vassalos do imperialismo chines, estaria bom pra vc?

Jagder
Jagder
Reply to  Nickless
2 meses atrás

Sim.

Carlos Crispim
Carlos Crispim
2 meses atrás

E o Brasil só tem o Guarani..

Carlos Campos
Carlos Campos
2 meses atrás

única coisa que me interessa nos Coreanos são os Blindados e os navios, pois em geral sao mais baratos que os Ocidentais, de qualquer forma os últimos anos tem sido maravilhosos para os Sulcoreanaos