Um laser militar que poderia aumentar as Forças Armadas do Reino Unido com maior precisão, ao mesmo tempo que reduz a dependência de munição de alto custo, alcançou seu próximo marco.

Durante um teste no Campo de Testes de Hebrides do MOD, o sistema de arma de energia dirigida a laser DragonFire (LDEW) alcançou o primeiro disparo de alta potência do Reino Unido de uma arma laser contra alvos aéreos. O alcance do DragonFire é classificado, mas é uma arma de linha de visão e pode se engajar com qualquer alvo visível.

DragonFire explora a tecnologia do Reino Unido para ser capaz de entregar um laser de alta potência em longas distâncias. A precisão necessária é equivalente a acertar uma moeda de £1 de um quilômetro de distância.

Armas de energia dirigida a laser podem se engajar com alvos na velocidade da luz e usam um feixe intenso de luz para cortar o alvo, levando à falha estrutural ou resultados mais impactantes se a ogiva for visada.

Dispará-lo por 10 segundos tem o custo equivalente a usar um aquecedor regular por apenas uma hora. Portanto, tem o potencial de ser uma alternativa de baixo custo a longo prazo para certas tarefas que os mísseis atualmente realizam. O custo de operação do laser é tipicamente menos de £10 por disparo.

DragonFire é liderado pelo Laboratório de Ciência e Tecnologia da Defesa (Dstl), em nome do MOD do Reino Unido, trabalhando com seus parceiros da indústria MBDA, Leonardo e QinetiQ.

Este marco demonstrou a capacidade de engajar alvos aéreos em distâncias relevantes e é um grande passo para trazer essa tecnologia para o serviço. Tanto o Exército quanto a Marinha Real estão considerando o uso desta tecnologia como parte de suas futuras capacidades de Defesa Aérea.

O último marco se baseia em uma série de testes de grande sucesso, incluindo o primeiro disparo de laser de alta potência estático de uma capacidade soberana do Reino Unido e demonstração da capacidade do sistema DragonFire de rastrear alvos aéreos e marítimos em movimento com alta precisão a distância.

Com base nessa pesquisa, o MOD anunciou recentemente sua intenção de financiar um programa de vários milhões de libras para fazer a transição da tecnologia do ambiente de pesquisa para o campo de batalha.

O último teste foi patrocinado pela organização de Ciência e Tecnologia da Defesa (DST) do MOD e Programas Estratégicos e possibilitado por muitas outras agências do governo, garantindo que todos os requisitos de aprovação regulatória e de segurança fossem satisfeitos.

O sistema de armas DragonFire é o resultado de um investimento conjunto de £100 milhões do Ministério da Defesa e da indústria. Juntas, as empresas envolvidas estão apoiando empregos altamente qualificados no Reino Unido em novas tecnologias de ponta que estão entregando uma mudança significativa na capacidade do Reino Unido em sistemas LDEW.

Em 2017, o Programa de Pesquisa do Conselheiro Científico Chefe do MOD concedeu um contrato de £30 milhões ao consórcio DragonFire para demonstrar o potencial dos LDEWs.

A pesquisa e a tecnologia de LDEW são entregues em parceria e são uma forma econômica de atender às necessidades do MOD enquanto mantém a base de tecnologia e habilidades da indústria do Reino Unido.

A defesa do Reino Unido continua a investir nessas tecnologias revolucionárias e está avançando nos planos que acabarão por trazê-las para o serviço.

FONTE: www.gov.uk

Subscribe
Notify of
guest

62 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
737-800RJ
737-800RJ
1 mês atrás

Há alguns anos eu falei aqui que as potências do norte iriam entrar na era dos lasers, enquanto o Brasil ainda estaria pensando em entrar na dos mísseis para defesa antiaérea.
Se a culpa é dos políticos, dos militares ou do cachorro caramelo da esquina, não sei, fato é que é triste ver o quão atrasados estamos!

RSmith
RSmith
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

Pois eu digo e afirmo que com certeza a culpa é do caramelo da esquina pois todos nos sabemos que nossos políticos são pessoas honestas, sensatas e sinceras e quem dizer o contrario não tomou o chá do Santo Daime como eu 😛

Sergio
Sergio
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

Não somos capazes de organizar uma sociedade minimamente decente e justa à sua gente humilde e trabalhadora. Deixemos o laser aos que podem e entreguemos a Deus o destino da terra do pau Brasil.

Elintoor-_
Elintoor-_
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

E no “BRAFÍL PUTÊNFIA” a preocupação é se devemos ter 3 banheiros diferentes em estabelecimentos públicos…

Nativo
Nativo
Reply to  Elintoor-_
1 mês atrás

Ué tá com saudades do BRASIL PUTENSSA que se preocupava e se deveria ou não ter esses 3 banheiros?

Santamariense
Santamariense
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

Meu caro, nós não produzimos nem canhões antiaéreos …

Carlos Crispim
Carlos Crispim
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

Rapaz, com as nossas universidades federais preocupadas com o c…vc sabe o que, não tem a menor condição, professores doutrinadores, alunos há 10 anos sem conseguir se formar,vamos pesquisar o quê? Acabou o Brasil faz tempo, o QI brasileiro só cai há 50 anos, enquanto dos outros países sobe…

Fagundes
Fagundes
Reply to  Carlos Crispim
1 mês atrás

Pare de falácias.Só a Ufrj já gerou mais de 100 empresas para o país, a Ufrgs deve ter números parecidos, a USP gerou mais de 1000 empresas.É só o MD dar o aval e o exército fazer a licitação, colocar o dinheiro na mesa, que a sai um laser desse.

C G
C G
Reply to  Carlos Crispim
1 mês atrás

Vc comprou a ideia da universidade comunista mas deixa eu te contar, é mentira para te transformar em massa de manobra, é claro que grandes e pequenas questões sociais são discutidas ali mas eles pegam com uma pinça so o que vai te transformar em “mais” reacionário e te empurram pelo WhatsApp, simplesmente pare, a USP, Unicamp, Unesp, Unifesp entre muitas outras grandes nesse país produzem muita pesquisa e sim, pesquisa de humanas vale muito, mas muito mesmo, tentam te empurrar essa conversa “humanas discute três banheiros” enquanto retiram direitos trabalhistas, privatizam empresas estatais que dão lucro, criam colégios militares… Read more »

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

A questão é tecnicamente exige muita energia para manter um.laser dessa potência é capacidade funcionado e disparando irá consumir muita potência de motores convencionais, talvez somente em sistemas movidos a energia nuclear, mas seria impressionante interceptar algo na velocidade da luz, daria adeus a mísseis hipersonicos.

Arthur
Arthur
1 mês atrás

Envia logo esta estrovenga pra Ucrânia, porque o Zelensky está mendigando até injeção na testa. Depois se vê para que serve essa “arma maravilhosa”.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Arthur
1 mês atrás

Nem que o RU fizesse fronteira com a Ucrânia… Isso é arma quase tão estratégica como os mísseis balísticos pq a única coisa que poderia interceptar um ICBM é isso daí.

Nonato
Nonato
Reply to  Filipe Prestes
1 mês atrás

Ficou confuso isso ai…

Vitor
Vitor
1 mês atrás

No início da década de 80 Ronald Reagan lançou programa guerra nas estrelas se passaram mais de 50 anos de guerra de propaganda o que prevalece na verdade é o domínio dos misseis hipersônicos .

JBS
JBS
Reply to  Vitor
1 mês atrás

Comentário sem pé nem cabeça!

Objetivo do Reagan era exaurir a extinta URSS economicamente, atraindo a mesma para uma corrida armamentista que a mesma não podia pagar – parece que ele acertou não? Ou a URSS ainda existe?

Realista
Realista
Reply to  JBS
1 mês atrás

E é a mesma coisa que a China está fazendo com os EUA .

Anota ai pra você lembrar daqui uns anos .

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  Realista
1 mês atrás

Como se os EUA são mais ricos??
A China se não fosse uma ditadura, teria muitos problemas internos, pois quer investir tanto ou mais, que os EUA, na defesa, com um PIB per capita, baixíssimo comparado com os EUA.

RDX
RDX
1 mês atrás

Me fez lembrar a série Star Wars. É possível que no futuro tais armas miniaturizadas equipem os caças de 7ª ou 8ª geração, transformando as ideias de criativos cineastas em realidade.

Last edited 1 mês atrás by RDX
Israel
Israel
Reply to  RDX
1 mês atrás

Ué.. O EUA já fez o projeto para instalar no caça F22

BraZil
BraZil
1 mês atrás

Olá a todos. Estranhei o nome na matéria. Me lembrou o casseta e planeta. (risos). Mas brincadeira à parte o Brasil não precisa de laser hoje e nem precisará daqui a 20 anos. Temos que focar no que é útil e necessário para nossa realidade, o que já é um gigantesco desafio…Nicola Tesla adoraria ver esse teste…em nome dele, um viva aos gênios

Macgaren
Macgaren
1 mês atrás

Barzil tem similar?

Carlos
Carlos
Reply to  Macgaren
1 mês atrás

Sim, mas só pra brincar com gatos.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Macgaren
1 mês atrás

sim no ano 2090

Sergio
Sergio
Reply to  Macgaren
1 mês atrás

” Barzil tem similar?”
Só tem aqueles chaveiros laser, mas mesmo assim é made in china ….rs

Heinz
Heinz
1 mês atrás

Os drones terão vida curta com esse invento, pelos menos os kamikazes. Apenas é necessário um radar muito bom e um equipamento deste, que kabum!

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Heinz
1 mês atrás

Drones e mísseis (até hipersônicos) também

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Heinz
1 mês atrás

Tudo que fosse disparado seria interceptado…laser resolveria tudo

Filipe Prestes
Filipe Prestes
1 mês atrás

Quem diria que o Império seria o primeiro a conseguir a construir a Estrela da Morte

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  Filipe Prestes
1 mês atrás

Uma das Fremm’s Francesas, está já fazendo testes com um sistema parecido, que o colocaram, por cima da ponte da Fremm, aparelho esse pertença de uma empresa civil Francesa.
Com certeza, procurando no Google, dá para ler, quem tiver interesse.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Rui Mendes
1 mês atrás

Rui,

O DragonFire possui uma potência em Kw (categoria 50 Kw) bem superior ao que está sendo testado pelos franceses (HELMA-P, de 2 Kw), que deve servir para abater pequenos drones.

“The system consists of a 2-axis turret with an array of optical sensors and the laser weapon itself, which has a power of 2 kilowatts.”

https://www.navalnews.com/naval-news/2023/06/french-navy-tests-helma-p-laser-weapon-from-horizon-destroyer/

Ambos foram desenvolvidos a partir de 2017.

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  Mercenário
1 mês atrás

Sim, tens razão.
Eu disse parecido, por ser um sistema laser.
No caso Francês, será mais para defesa, como as fragatas defenderem-se de drones kamikaze, de forma muito mais barata.

Heinz
Heinz
Reply to  Filipe Prestes
1 mês atrás

Na verdade foi Israel.

Gabriel BR
Gabriel BR
1 mês atrás

Parece ser menos poluente que a soluções atuais

Nemo
Nemo
1 mês atrás

Uma dúvida, se um raio de energia atingir um artefato nuclear o que acontece?

Underground
Underground
Reply to  Nemo
1 mês atrás

Nada!

Nonato
Nonato
Reply to  Nemo
1 mês atrás

Não sei
Não sei apenas impacto, calor detona a ogiva ou se há algo mais específico para promover a detonação.

Robert Freir
Robert Freir
Reply to  Nemo
1 mês atrás

Acho que seria totalmente desintegrado, pois as ogivas nucleares até onde sei não são ativadas durante o vôo mas ativadas ao atingir o alvo ou se aproximar dele.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Nemo
1 mês atrás

O calor intenso concentrado num único ponto provoca a detonação do artefato. Na verdade esse laser deve ser mais útil contra aeronaves e mísseis convencionais, ainda que hipersônicos.

Bispo
Bispo
1 mês atrás

O progresso tecnológico não vem em meses , demora décadas , laser militar evoluiu muito, mais se tornarem a panaceia anti drones, hipersonico, etc…. vai demorar…pois drones e misseis hipersonicos evoluirão para ser imunes aos feixes, etc.

Laser estilo star wars….quando a fusão(não fissão) nuclear estivar avançada a nível de minutarização, talvez.

Last edited 1 mês atrás by Bispo
Miguel Ângelo Potenza
Miguel Ângelo Potenza
Reply to  Bispo
1 mês atrás

Para obter um alcance cada vez maior, dos atuais 40 Km até 4 ou 10 mil Kilometros, o suficiente para destruir os ICBM”s o quanto antes, haverá a necessidade de cada vez maior potência para os feixes de luz à laser até o ponto de nenhuma camuflagem cerâmica ou de espelho serem capazes de deter as armas a laser.

Eu acredito que o futuro é a existência da humanidade no futuro dependerão do desenvolvimento das armas à laser: estas são muito mais armas de defesa do que de ataque, a única é melhor esperança contra os ICBM”s.

Paulo Sollo
Paulo Sollo
1 mês atrás

Como acontece com qualquer nova tecnologia militar, antes mesmo dela entrar se tornar operacional já estão buscando desenvolver também os meios de defesa para ela.
E neste caso serão os escudos defletores.
Obviamente é algo ainda a ser desenvolvido e descobertos os melhores materiais a serem utilizados, mas isto será feito e a medida que for evoluindo lâminas defletoras poderão ser instaladas numa variedade de vetores. Aeronaves, mísseis, navios, carros de combate.

Será uma disputa entre potência energética vs capacidade de deflexão.

Claudio
Claudio
1 mês atrás

Para mim essa é a frase mais importante da reportagem: “A defesa do Reino Unido continua a investir nessas tecnologias revolucionárias e está avançando nos planos que acabarão por trazê-las para o serviço” Infelizmente no Brasil existe uma concepção de se adquirir soluções prontas, e não é dado apoio adequado às pesquisas básicas, que são fundamentais para possibilitar o desenvolvimento dessas tecnologias revolucionarias.

Patta
Patta
1 mês atrás

O laser pode ter saturação?

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Patta
1 mês atrás

É provável que o canhão de laser consiga engajar um único alvo por vez devido a natureza do fótons agrupados num único feixe, que é o conceito de laser.

Scudafax
Scudafax
1 mês atrás

Os oficiais generais das Forças Armadas discutem sobre como proteger mísseis e drones de ataques diretos de energia laser no Brasil? Ou será que apenas o churrasco de final de semana no Clube Militar na Lagoa?

https://highlinepc.com/laser-blocking-polycarbonate-sheet/#:~:text=Laser%20blocking%20polycarbonate%20is%20commonly,where%20lasers%20are%20used%20regularly”.

adriano Madureira
adriano Madureira
1 mês atrás

E enquanto isso, em uma terra distante, alegre, pacífica, onde o povo só pensa em feriados, imprensados, micaretas, samba suor e cerveja, Nem água!

Gustavo
Gustavo
1 mês atrás

Não há míssil hipersonico que consiga competir com o laser. São 10.000 km/h vs 300.000 km/s. Quem dominar, no futuro, a tecnologia de laser de ultra-alta potência, capaz de interceptar e inutilizar mísseis balísticos intercontinentais, ganha qualquer guerra.

Carvalho2008
Carvalho2008
1 mês atrás

Segue o desfile…ainda falta muito até tornar-se operacional

Todas as demonstrações apontam que ainda é necessário vários segundos de foco no alvo para destrui-lo….ainda falta potência….e muita…

Não esquecer que mísseis balísticos intercontinentais tem ogivas múltiplas…

Se o canhão precisar ficar entre 5 a 10 segundos focados, ele não conseguirá fazer a destruição de vários alvos ao mesmo tempo

Tem de chegar ao estágio de um pulso em milissegundos….mas caminha o desenvolvimento….

Outro ponto, mesmo após bem desenvolvido, ele somente servira para tiro direto….

Last edited 1 mês atrás by Carvalho2008
_RR_
_RR_
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Carvalho,

A ideia original é interceptar na fase intermediária, como demonstrado pelo projeto americano YAL-1. Contudo, também se pensa em safar o que seria o alvo prioritário.

Um tipo como esse certamente irá operar em regime de bateria, com várias UTs atuando coordenadas por um C&C escorado em radares de vigilância e DT. Ou seja, mesmo na improbabilidade de haver mais de um ataque por alvo, haveria toda uma bateria para defende-lo.

Ander
Ander
1 mês atrás

Problema desse tipo de arma é sua limitação e alcance, em um cenário com chuva, neblina ou poeiras seu alcance e potência cai exponencialmente, uma forma de enganar esse tipo de sistema seria soltar mísseis com milhões de partículas de alumínio e depois os mísseis contra o alvo, estratégia para enganar a arma laser não vai faltar.

Adriano Rocha
Adriano Rocha
1 mês atrás

Um país que não consegue tripulação para seus navios guerra preocupado com armas laser

Angelo
1 mês atrás

Será que esses lasers tem ou terão alcance para alcançar os satélites em órbita?
Fico pensando se assim como infelizmente temos bala perdida se no futuro teremos incidentes em que o lasers errem o alvo ou o alvo manobre evasivamente e acabe acertando algum satélite em órbita, nem é questão de derrubar ou destruir mas causar danos inviabilizando seu funcionamento.

Marcos
Marcos
1 mês atrás

Gente… Acorda… Quando o laser estiver em operação, as bombas, mísseis e drones serão pintados com tinta refletiva (espelhada)… Isso vai terminar em nada… Aponta um laser industrial para o espelho e vê o que acontece… É desviado (refletido)…

Last edited 1 mês atrás by Marcos
Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Marcos
1 mês atrás

Não sou especialista na área, mas acho que podemos trabalhar na frequência dele, carga energética, diâmetro ser for um nano laser, como ter uma nano camada de reflexao? Muito novo tudo… usar reflexão para o laser atingir motor de um missel ou seja satélites para refletir o laser para mísseis após saírem do banner…sei lá..

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Se cada soberania usasse o valor dos envestimentos para pesquisa em guerra. Acredito que organizaria a sociedade e eliminaria a fome. Mas sabemos que o ego e o senso de ser melhor que o outro prevalece e isso já mais acontecerá, pois o ser humano é um inteligente irracional.

Israel
Israel
1 mês atrás

EDITADO:
4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais. As maiúsculas são de uso exclusivo dos editores para dar destaque às advertências nos comentários eventualmente editados ou apagados.

LEIA AS REGRAS PARA COMENTÁRIOS:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Djailson
Djailson
1 mês atrás

A atualização de defesa será criar aviões com espelhos e vida que segue kkkk

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Djailson
1 mês atrás

Sim claro, só lembrando que espelho atrapalha sinal de Wi-Fi tb, vai impactar mas comunicação do avião tb, navegação, GPS etc….não tem caminho fácil para nenhum lado

Dr. Mundico
Dr. Mundico
1 mês atrás

Impressionante como tem gente aqui que acha que objetos (armamentos inclusive) devem ser idealizados, projetados e criados na sua forma definitiva, sem direito a aperfeiçoamentos ou evolução. Acham que tudo já nasce pronto para uso imediato, como num roteiro de história em quadrinhos. Isso denota uma ignorância e uma falta de perspectivas dignos de um primata com estilingue. Devem estar assistindo filme da Netflix em excesso. Alguém poderia dizer isso para o inglês James Puckle em 1720 (!!!), quando ele desenvolveu um equipamento que viria a ser o embrião da metralhadora moderna? Um equipamento que disparava 10 projéteis por minuto… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Dr. Mundico
Felipe Pinheiro
Felipe Pinheiro
1 mês atrás

Os comentários não acrescentam em nada, só bobagem

Jorge Oliveira
Jorge Oliveira
1 mês atrás

Essas armas são boas se a adversário não saturar as defesas com mais de 2 projéteis… pois cada disparo requer um alto consumo de energia que acho que só dá para um ou dois disparos.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Jorge Oliveira
1 mês atrás

Alto consumo é relativo para.um navio a diesel é algo para um movido a energia nuclear não.