Por John Rapley*

A América gosta de pensar em si mesma em termos ornamentados. A cidade brilhante em uma colina. A nação indispensável. A terra dos livres. Há algo em cada apelido, com certeza. Mas há outra expressão, nem sempre tão lisonjeira, que também se aplica aos Estados Unidos: império global.

Ao contrário das outras noções, que tiveram origem nas lutas de nascimento da República, esta data da fase final da Segunda Guerra Mundial. Na famosa Conferência de Bretton Woods, os Estados Unidos desenvolveram um sistema comercial e financeiro internacional que funcionou na prática como uma economia imperial, direcionando desproporcionalmente os frutos do crescimento global para os cidadãos do Ocidente.

Paralelamente, a América criou a OTAN para fornecer um guarda-chuva de segurança aos seus aliados e organizações como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico para forjar políticas comuns. Ao longo da segunda metade do século, este sistema atingiu um grau de dominação mundial que nenhum império anterior alguma vez conhecera.

Nas últimas duas décadas, porém, entrou em declínio. Na viragem do milénio, o mundo ocidental era responsável por quatro quintos da produção económica global. Hoje, essa parcela caiu para três quintos e está em queda. Enquanto os países ocidentais lutam para restaurar o seu dinamismo, os países em desenvolvimento têm agora as economias de crescimento mais rápido do mundo. Através de instituições como os BRICS e a OPEP e encorajados pela China, estão a converter o seu crescente peso económico em poder político.

Deste ponto de vista, pode parecer que os Estados Unidos estão a seguir o curso de todos os impérios: condenados ao declínio e à eventual queda. A América, é verdade, nunca mais irá desfrutar do grau de dominação económica e política global que exerceu nas décadas após a guerra. Mas pode, com as escolhas certas, olhar para um futuro em que continuará a ser a nação preeminente do mundo.

Chamar a América de império é, reconhecidamente, gerar controvérsia ou, pelo menos, confusão. Afinal de contas, os Estados Unidos não reivindicam domínio sobre nenhum país e até incitaram os seus aliados a renunciarem às suas colónias. Mas há um precedente esclarecedor para o tipo de projecto imperial que os Estados Unidos forjaram depois da guerra: o Império Romano.

No século IV, esse império evoluiu de um estado de conquista para um estado onde a Cidade Eterna permanecia um centro espiritual, mas o poder real era partilhado entre as províncias, com dois centros de autoridade imperial: um no leste e outro no oeste. Em troca da cobrança de impostos, as elites fundiárias provinciais gozavam da protecção das legiões, sendo a sua lealdade ao império cimentada por uma participação real nos seus benefícios e pelo que o historiador Peter Heather chama de uma cultura unificadora do latim, das cidades e das togas.

Tal como a América moderna, Roma atingiu um grau de supremacia sem precedentes na sua época. Mas o paradoxo dos grandes sistemas imperiais é que muitas vezes eles semeiam as sementes da sua própria queda. À medida que Roma se tornou rica e poderosa a partir da exploração económica das suas periferias, inadvertidamente estimulou o desenvolvimento de territórios para além das suas fronteiras europeias. Com o tempo, as confederações maiores e politicamente mais coerentes que surgiram adquiriram a capacidade de impedir – e eventualmente reverter – a dominação imperial.

Da mesma forma, o declínio da América é um produto do seu sucesso. Embora os países em desenvolvimento tenham crescido mais lentamente no período pós-guerra do que os seus homólogos ocidentais, ainda assim cresceram. No final do século, começaram a converter essa crescente influência económica em poder político e diplomático. Não só tinham começado a adquirir a capacidade de negociar melhores acordos comerciais e financeiros, como também tinham uma moeda de troca crucial sob a forma de dois recursos de que as empresas ocidentais necessitavam agora: mercados em crescimento e ofertas abundantes de mão-de-obra.

Um dos primeiros sinais desta periferia mais assertiva surgiu na conferência da Organização Mundial do Comércio de 1999, em Seattle. Um grupo de países em desenvolvimento uniu forças para suspender os procedimentos, pondo fim à prática de longa data de um punhado de aliados ocidentais elaborarem um projecto de acordo para apresentação aos delegados. Desde então, os países em desenvolvimento reduziram gradualmente a sua dependência do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, formaram instituições de crédito e começaram a experimentar acordos comerciais que diminuem a sua dependência do dólar.

Roma, diz a história, foi derrubada pelas chamadas invasões bárbaras. A verdade é mais complexa. Dentro de uma única geração caótica em ambos os lados do ano 400, várias confederações cruzaram a metade ocidental do império. Em solo romano, estes imigrantes formaram então alianças ainda maiores – como os visigodos e os vândalos – que eram demasiado poderosas para serem derrotadas pelo império.

Alguns comentadores foram rápidos em ver a migração moderna para o Ocidente como uma força igualmente destrutiva. Mas essa é a lição errada a tirar da história romana. Sua economia era principalmente agrícola e estável. Se um poder subisse, outro teria de cair, uma vez que não se poderia simplesmente expandir a base de recursos para apoiar ambos. Quando Roma se revelou incapaz de derrotar os novos contendores, perdeu uma fonte de impostos da qual não conseguiu recuperar.

A situação de hoje é completamente diferente. Graças à mudança tecnológica, o crescimento económico já não é um jogo de soma zero, possível num lugar mas não noutro. Embora os países ocidentais já não dominem a indústria transformadora e os serviços, ainda mantêm uma vantagem em indústrias intensivas em conhecimento, como a inteligência artificial e a farmacêutica, ou onde construíram valor de marca, como nos bens de luxo, no desporto e no entretenimento. O crescimento económico – mesmo que mais lento do que na periferia – pode continuar no Ocidente.

Mas isso exigirá trabalhadores. Dado que as sociedades ocidentais, com taxas de natalidade em declínio e populações envelhecidas, não estão a produzir trabalhadores suficientes, estes terão de vir da periferia global – tanto os que imigram para o Ocidente como os muitos mais que ficam em casa para trabalhar em empresas que servem o Ocidente. redes de fornecimento. A migração pode ter corroído a riqueza do Império Romano. Agora é o que se interpõe entre o Ocidente e o declínio econômico absoluto.

Outros paralelos com a história romana são mais diretos. A metade oriental do Império Romano superou o colapso do Ocidente no século V e foi até capaz de estabelecer uma posição hegemónica sobre os novos reinos nos seus territórios ocidentais perdidos. Esta situação poderia ter sobrevivido indefinidamente se o império não tivesse gasto recursos vitais, a partir do final do século VI, num conflito desnecessário com o seu amargo rival persa. A arrogância imperial levou-o a uma série de guerras que, após duas gerações de conflito, deixaram ambos os impérios vulneráveis ​​a um desafio que os esmagaria a ambos em apenas algumas décadas: um mundo árabe recentemente unido.

Para a América, é um conto de advertência. Ao responder à inevitabilidade da ascensão da China, os Estados Unidos precisam de perguntar-se quais são as ameaças existenciais e quais são meramente desconfortáveis. Tanto o Ocidente como a China enfrentam perigos prementes, como as doenças e as alterações climáticas, que devastarão toda a humanidade, a menos que as nações os enfrentem em conjunto. Quanto à crescente militarização e beligerância da China, os Estados Unidos devem considerar se estão realmente enfrentando a armadilha de Tucídides de uma potência em ascensão ou simplesmente de um país que defende os seus interesses cada vez maiores.

Se os Estados Unidos tiverem de confrontar a China, seja militarmente ou – espera-se – apenas diplomaticamente, herdarão grandes vantagens do seu legado imperial. O país ainda tem fontes de poder com as quais ninguém pode rivalizar seriamente: uma moeda que não enfrenta nenhuma ameaça séria como meio de troca mundial, os profundos reservatórios de capital geridos em Wall Street, as forças armadas mais poderosas do mundo, o poder brando exercido pelas suas universidades e o vasto apelo de sua cultura. E a América ainda pode recorrer aos seus amigos em todo o mundo. Dito isto, deveria ser capaz de mobilizar os seus recursos abundantes para continuar a ser a principal potência mundial.

Para o fazer, porém, a América terá de desistir de tentar restaurar a sua glória passada através de uma abordagem “América Primeiro”. Foi o mesmo impulso que empurrou o Império Romano para o aventureirismo militar que provocou a sua eventual destruição. A economia mundial mudou e os Estados Unidos nunca mais serão capazes de dominar o planeta como antes. Mas a possibilidade de construir um novo mundo a partir de uma coligação de pessoas com ideias semelhantes é um luxo que Roma nunca teve. A América, como quer que se chame, deveria aproveitar a oportunidade.


John Rapley (@jarapley) é economista político da Universidade de Cambridge e autor, com Peter Heather, de “Por que os impérios caem: Roma, a América e o futuro do Ocidente”.

FONTE: The New York Times

Subscribe
Notify of
guest

35 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
25 dias atrás

Aproveitando a deixa….é Off, mas não tão off assim….rs….parece que a China reconheceu o governo Talibã no Afeganistão e colocou um embaixador lá, fonte:

“https://gauchazh.clicrbs.com.br/mundo/noticia/2024/01/china-aproveita-vacuo-deixado-pelo-ocidente-no-afeganistao-cls1qzieb000i01jzrb9hthnv.html”

Ravengar
Ravengar
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
25 dias atrás

Interesse em terras raras e investimentos em um hub rodoviário passando pelo norte do Afeganistão até o Irã.

Gabriel
Gabriel
Reply to  Ravengar
25 dias atrás

Os EUA lucraram bilhões com a papoula afegã, agora é a vez da China sugar recursos dos coitados kkkkkkk
Uma rodovia na região faz parte do “Belt and Road” chinês, a Índia não curtiu….

Talisson
Talisson
Reply to  Gabriel
24 dias atrás

Sugar com investimentos? Sou mais o jeito da China do que o jeito americano, a base de muitas bombas.

Nemo
Nemo
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
25 dias atrás

Também isolar os Uigures na China.

SteelWing
SteelWing
Reply to  Nemo
23 dias atrás

Uigures tiveram mais crescimento populacional do que a população geral chinesa nas últimas décadas, não estão vivendo mal ou sendo extintos. E o que a China faz de “perseguição” é o padrão dela com as demais religiões: tenha religião, mas somente a partir dos 18 anos e as lideranças devem satisfações ao Estado Chinês. Acontece isso inclusive com católicos também. Isso mantém a coesão social e evita que apareçam grupos fanáticos religiosos mulçumanos, que destratem e tirem direitos de mulheres e de outras crenças em nome de Alá ou qualquer outra justificativa. Já percebeu que os direitos de mulheres na… Read more »

Emmanuel
Emmanuel
25 dias atrás

Qual foi o império que não ruiu?
Se pegarmos os últimos dois mil anos vamos ter um império para cada século, praticamente.
Nada de novo.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Emmanuel
24 dias atrás

Exato ! Ray Dalio explica como isso acontece em seu livro.

Migs
Migs
Reply to  Emmanuel
24 dias atrás

Mas o ultimo império que caiu durou 414 anos, no caso os britânicos.

Nativo
Nativo
Reply to  Migs
24 dias atrás

414 anos de império britânico??? Onde ? quando? Sobre quem?

Akhinos
Akhinos
Reply to  Migs
24 dias atrás

Amigão pare de acreditar em filmes. Século 16 o maior império era Portugal. Século XVII eram os espanhóis. Século XVIII era multipolar com os holandeses e franceses em evidencia vantagem e finalmente o século XIX assistiu ao nascimento da hegemonia britanica.

Esse texto ai que o camarada escreveu é um punhado de wishful thinking e uma pitadinha de sabujice. Se querem um autor sério para entender tendencias do Ocidente melhor olhar o grande John Gray.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Emmanuel
24 dias atrás

O que o artigo propõe para os EUA é uma aterrissagem e não uma queda.

Os britânicos, conseguiram essa aterrissagem com um razoável sucesso. Ao contrário de Roma, Londres não terminou invadida e sobrevive com um império aposentado.

Já Rússia e EUA tem que tomar cuidado com essa “crise de meia idade” em recuperar as glórias perdidas. Como o autor coloca essa foi a derrocada do Império Romano do ocidente.

Paulo Sollo
Paulo Sollo
25 dias atrás

O artigo é muito bom porém discordo de duas afirmações do texto. A primeira é a afirmação de que o dólar não enfrenta nenhuma ameaça séria como moeda de troca mundial quando, apesar de que neste momento a hegemonia do dólar ser inquestionável, como sabemos já há um movimento em prática para substituir o dólar como moeda de troca, a principio pelos parceiros dos BRICS, e este movimento tem despertado o interesse de vários outros países. Certamente que uma mudança desta requer um tempo para se estabelecer e se consolidar, mas está dando seus primeiros passos e é algo irreversível.… Read more »

Sergio
Sergio
25 dias atrás

Decadência já se encontram. Assisti um vídeo da noite de reveillon num subúrbio de Detroit. A qtidade de tiros disparados, dentro de casa, para ” comemorar ” mais um ano é de corar de vergonha o comando vermelho.

A despeito do urbanismo mais espetacular do planeta e outras qualidades caminham para o fundo do poço.

Mas não creio e fim. Com um arsenal nuclear daquele? Duvido. Por egoísmo arrastarao o mundo todo pro buraco juntinho deles.

Last edited 25 dias atrás by Sergio
Renato B.
Renato B.
Reply to  Sergio
24 dias atrás

Nova Iorque nos anos 80 não era muito diferente, tanto que bastava uma blecaute para a cidade irromper em saques.

Charle
Charle
Reply to  Sergio
24 dias atrás

Concordo. O que você disse ratifica a impressão de que o atual e declinante “império” dos EUA jamais teve, tem ou terá aquela necessária dose de classe e elegância misturada com um pouquinho de sabedoria que possuía o império britânico quando este se deu conta de que “o jogo estava chegando ao fim e já era hora de guardar o tabuleiro e as peças no armário”.

Last edited 24 dias atrás by Charle
Dexter
Dexter
Reply to  Charle
16 dias atrás

Brilhante!!!

Gabriel BR
Gabriel BR
24 dias atrás

Todo império cai! Isso é uma máxima histórica…o império americano durou pouco !

Gabriel BR
Gabriel BR
24 dias atrás

Nada dura para sempre , inclusive o Brasil

Macgaren
Macgaren
24 dias atrás

Presencia a queda da URSS, a Ascensão da China e não acreditaria que veria EUA perder lugar como potência dominante.

Problema se o substituto for uma ditadura ou um país como a Rússia que invadir vizinhos:”Porque sim”.

wilhelm
wilhelm
Reply to  Macgaren
24 dias atrás

A política externa americana é muito mais agressiva que a da Rússia.

Macgaren
Macgaren
Reply to  wilhelm
24 dias atrás

Hoje a politica externa é mais agressiva porque é a potencia economica e militar, mas se a russia com uma economia desse tamanho invadiu um vizinho, apenas “porque sim”, imagina se tivessem o poder da URSS ou dos EUA atualmente.

Interfeririam até no polo sul.

Até a China que aparenta ser muito mais low profile que EUA são ou a URSS foi, tem as pendengas locais na propria asia para resolver.

wilhelm
wilhelm
Reply to  Macgaren
24 dias atrás

Não foi “porque sim”: esse conflito começou a se desenhar anos atrás com a expansão da OTAN para perto das fronteiras da Rússia e muita, mas muita gente, alertou para os riscos envolvidos nessa aventura americana. O que estamos vendo é apenas o culminar de algo que já estava em andamento.

Critique-se a Rússia, justo, mas não é como se essa guerra tivesse começado do nada. Os EUA fariam igual ou até pior se a China instalasse uma aliança militar no México.

Macgaren
Macgaren
Reply to  wilhelm
24 dias atrás

Nossa que dozinha da Russia, Ucrania teria que ser um capacho deles para assim fazer sentido para vc.

E não podem mais escolher o que querem.
De um lado entrar para a zona do UE e viver em democracia em uma zona comercial desenvolvida, do outro ser um fantoche da russia e viver nessa miséria que estão até agora.

wilhelm
wilhelm
Reply to  Macgaren
24 dias atrás

Se você entendeu que eu estou com “dó” da Rússia, sugiro que volte a escola para aprender interpretação de texto. Eu apenas deixei bem claro que esse cenário trágico que estamos vendo não surgiu do nada (“porque sim”) e tão pouco de maneira orgânica.

Ademais, geopolítica é sobre poder, e não sobre justiça. O país que coexiste ao lado de uma potência que se vire pra existir sabendo das consequências das suas ações. Isso vale tanto para os países que existem ao lado dos EUA quanto da Rússia.

lucena
lucena
24 dias atrás

O problema desse império em declínio para os outros do passado … é que esse tem bombas atômicas espalhadas em outros lugares, além de tantas armazenadas por lá… tais bombas …. podem destruir o planeta terra ….a nossa única casa no universo.

Quirino
Quirino
24 dias atrás

O governo Biden e sua politica de “fronteiras abertas” levou aos Estados Unidos milhões de imigrantes ilegais, pessoas que entraram nos Estados Unidos sem passar por uma verificação de antecedentes, desses milhões tenha certeza que alguns milhares são criminosos (de acordo com o governador do Texas ate terroristas entraram pela fronteira), além disso, o numero gigantesco de imigrantes (numero maior que a população de alguns estados americanos) esta a sobrecarregar as cidades americanas e o peso já esta a ser sentido em algumas cidades do país com o sistema de saúde sobrecarregado e falta de emprego sendo algumas das consequências… Read more »

Last edited 24 dias atrás by Quirino
João Augusto
João Augusto
24 dias atrás

Afinal de contas, os Estados Unidos não reivindicam domínio sobre nenhum país e até incitaram os seus aliados a renunciarem às suas colónias.”
Tá bão, Cláudia.

sergio 02
sergio 02
24 dias atrás

Uma coisa que o mundo todo e principalmente esses bando de alalistas de meia pataca ja deveria ter aprindido, e que nunca substime os EUA, eles tem o pessimo abito de surpreender vc qunado menos se espera.

Charle
Charle
Reply to  sergio 02
24 dias atrás

A surpresa: agora que se tocaram que a Ucrânia já era, vão tramar uma nova guerra para deixar satisfeitos os seus mulbilionários acionistas das indústrias de armas. Já imaginou se eles se voltam para a América do Sul? Quisessem construir algo de bom para eles mesmos e para o mundo, firme e decididamente fariam de todas as Américas um local de paz e prosperidade mútuas. Um lugar de livre comércio, financeiro e cultural. Com três idiomas oficiais: Inglês, Espanhol e Portugês. Uma moeda única. Quem sabe um único passaporte? Mas só consideram “americanos” aqueles nascidos nos EUA. Infelizmente a mentalidade… Read more »

Ander
Ander
24 dias atrás

A força da propaganda é imposição da narrativa influencia o mundo. Quem são os bons ou ruins? Quem explora e destrói para manter sua posição? Nos últimos 200 anos quantas guerras e invasões Europa e EUA bancaram em nome da liberdade e democracia? Quantas guerras a China bancou independente do motivo? Quem são os bons ou ruins?

RODES
RODES
24 dias atrás

JPN ia substituir a América nos anos 80

depois nos anos 90 e 2000 foi a vez da UE

de 2010 em diante a CHI e até agora nada

Ué ????

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  RODES
24 dias atrás

Impérios caem de dentro para fora , e não pq perderam uma corrida

Akhinos
Akhinos
Reply to  RODES
24 dias atrás

Sim amigão,duas regiões ocupadas militarmente pelo império hegemonico e que viviam sob o julgo do sistema financeiro desse sistema hegemonico iriam suplantar o império. Realmente a China é exatamente a mesma ameaça aos EUA que Japão e UE.

ElBryan
ElBryan
23 dias atrás

Outro livro muito bom é O Destino dos Impérios (John Glubb).