Banco do Brasil encerra financiamento a indústria de armas; setor e Defesa reagem

35
Astros 2020

O Banco do Brasil enviou um comunicado a empresas de defesa para informar que, a partir de agora, não vai usar mais capital próprio para fazer negócios com elas. Cabe ao governo federal destinar recursos para, por exemplo, garantir exportações, apurou o repórter Julio Wiziack, com Diego Félix, para a coluna Painel S.A., do jornal Folha de S.Paulo.

De acordo com a apuração, com a nova política, a instituição financeira se junta aos demais bancos privados que, por razões de governança, não fazem negócios com empresas que produzem artigos destinados a guerras, como armas, equipamentos ou veículos.

A notícia desagradou o governo federal e José Múcio Monteiro, ministro da Defesa, disse que já se reuniu com a presidente do BB, Tarciana Medeiros, que, por sua vez, prometeu avaliar uma possível ampliação do Proex (Programa de Financiamento às Exportações) para ajudar o setor, que, atualmente, responde por 4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Os contratos em curso serão honrados, mas a instituição determinou que não haja contratos novos.

A situação implica as empresas Mac Jec, CBC, dona da Taurus, Mectron e Avibrás, informa o veículo.

FONTE: br.tradingview.com

Subscribe
Notify of
guest

35 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dagor Dagorath
Dagor Dagorath
25 dias atrás

A indústria de defesa está atrelada a política de Estado. Dito isso, esse papel deveria ser do BNDES, uma empresa pública de fomentoque não possui acionistas estrangeiros e que pode sofrer pressões externas como o BB.

Guacamole
Guacamole
Reply to  Dagor Dagorath
25 dias atrás

Como postei no ultimo artigo, o BB é de economia mista. 50% das ações pertencem ao governo Brasileiro.

Desta feita, me parece estranho mudarem a política sem nem avisar o acionista majoritário antes.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Guacamole
25 dias atrás

Caro. A pergunta mais interessante é sobre esta política de governância.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer.
25 dias atrás

Governança é uma dentre várias muletas semânticas e corporativas de significado embaçado, apropriadas às mais diversas desculpas esfarrapadas, geralmente dadas em questões polêmicas, por altos (e baixos) executivos.

Serve pra quase tudo nos “manuais de integridade corporativa” que se espalharam como praga mundo afora (já tive a infelicidade – ainda que paga, o que ameniza o aspecto infeliz – de organizar e traduzir em linguagem minimamente inteligível alguns desses manuais escritos originariamente num português de outra dimensão linguística, em trabalhos de inserir goela abaixo, ops, comunicar seus bizarros preceitos aos colaboradores de algumas empresas importantes por aí…).

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
24 dias atrás

Pois é. Muito jargão…

RSmith
RSmith
Reply to  Guacamole
24 dias atrás

muito estranho….

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Dagor Dagorath
25 dias atrás

Olá Dagor. Pelo que entendi, há um entendimento que os banco brasileiros não irão mais financiar exportações ou vendas de armas. Por outro lado, o BNDES abriu recentemente uma linha de financiamento para exportação para o setor de Defesa.

Eu só precisaria entender o que seria esta prática de “governância”.

Ravengar
Ravengar
Reply to  Camargoer.
24 dias atrás

” Governança”
ESD e afins ..

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Ravengar
24 dias atrás

E.S.G. Environmental, Social and Governance.

Jack
Jack
Reply to  Dagor Dagorath
24 dias atrás

Não adianta muito escoar rios de dinheiro para a indústria de defesa se o governo não comprar. A principal vitrine de equipamento militar nacional é nossa força militar. Não adianta pegar uma pastinha, colocar embaixo do braço e gastar a sola do sapato rodando o mundo tentando vender. Fica muito mais difícil se o cliente número 1 não comprar.

Last edited 24 dias atrás by Jack
Orivaldo
Orivaldo
Reply to  Dagor Dagorath
24 dias atrás

Bnds só para os irmãos joesley

RSmith
RSmith
Reply to  Dagor Dagorath
24 dias atrás

penso o mesmo…. o BB esta sofrendo pressões de seu acionista externos… o que de quebra serve para fortaleza as industrias de armas estrangeiras…

Capa Preta
Capa Preta
25 dias atrás

Um banco público que teria por finalidade ser estratégico fazendo isso por pura lacração. Que beleza de administração e visão de soberania, parabéns aos envolvidos, _________

COMENTÁRIO EDITADO. NÃO DESVIE A DISCUSSÃO PARA O PROSELITISMO POLÍTICO E IDEOLÓGICO E PROVOCAÇÕES QUE NÃO AGREGAM NADA AO DEBATE.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Welington S.
Welington S.
Reply to  Capa Preta
25 dias atrás

______

COMENTÁRIO APAGADO. NÃO DESVIE A DISCUSSÃO PARA O PROSELITISMO POLÍTICO E IDEOLÓGICO E PROVOCAÇÕES QUE NÃO AGREGAM NADA AO DEBATE.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Capa Preta
25 dias atrás

Caro. Por muito tempo, o Banco do Brasil foi o emissor de moeda, banco de fomento para exportação e importação e um monte de coisas… a partir da década de 60, foi criado o Banco Central, que assumiu a responsabilidade de emitir moeda e servir como agente de crédito para o sistema financeiro. Antes, o BB era ao mesmo tempo banco e agente de crédito dos demais bancos. Com a criação do BNDE, que depois virou BNDES, o BB reduziu a sua atuação como agente de fomento, mas continuou sendo um agente de financiamento de exportação e exportação. O BB… Read more »

Welington S.
Welington S.
25 dias atrás

_______

COMENTÁRIO APAGADO. NÃO DESVIE A DISCUSSÃO PARA O PROSELITISMO POLÍTICO E IDEOLÓGICO E PROVOCAÇÕES QUE NÃO AGREGAM NADA AO DEBATE.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Bueno
Bueno
25 dias atrás

“A notícia desagradou o governo federal e José Múcio”

a presidente do BB, Tarciana Medeiros, foi indicada pelo atual presidente , isto esta parecendo uma joga de marketing ou cortina de fumaça

ODST
ODST
Reply to  Bueno
24 dias atrás

teatro

Nemo
Nemo
25 dias atrás

Geralmente o Prsidente do Conselho de Administração do banco é o número 2 da Fazenda. De qualquer forma, a conversa deveria ser com o Haddad. Parece que o Ministro da defesa está prestigiado.

Gabriel BR
Gabriel BR
24 dias atrás

Errado não está!
O BB é um banco comercial que deve priorizar negócios rentáveis, e os clientes externos da indústria de Defesa do Brasil por vezes são países que estão implicados em sansões internacionais. Em resumo esse tipo de operação submete a empresa a riscos desnecessários.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Gabriel BR
24 dias atrás

Deveríamos ter uma agência de crédito e promoção de exportações especializadas a modelo da Rússia.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Gabriel BR
24 dias atrás

BNDES.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Camargoer.
24 dias atrás

Deveríamos evitar expor o BNDES a possibilidades de sanções estrangeiras , muitas infraestruturas sociais dependem do financiamento do BNDES.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Gabriel BR
24 dias atrás

O Brasil tem uma política bem transparente de exportação de armas. Uma alternativa que poderia ser incorporada no arcabouço brasileiro seria um programa de vendas governo-governo.

Por exemplo, teria sido possível vender os Guarnis para a Argentina sem os problemas relacionados com as regras internacionais para financiamento. As operações internacionais de crédito possuem regras que precisam ser seguidas, inclusive as tais “compliamce” (outro nome bonitinho junto com “gorvenança”)

Jagder
Jagder
Reply to  Gabriel BR
24 dias atrás

Mais um cabide? Não cansa não?

Gustavo
Gustavo
24 dias atrás

Já era para banco do Brasil ser privatizado, e muda o nome para banco dos acionista assim brasileiros sabe pra que ele serve, bancos públicos nao importa as instituições serve sim pra fomentar a indústria, o agro, e o comércio essa utilidade dos bancos públicos, se ele não tem utilidade vende o banco.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Gustavo
24 dias atrás

Caro, O BB é responsável por todo o financiamento para agricultura. Também é o banco responsável pelas contas do governo federal. O BB também financia exportação e importação de produtos industriais e commodities (agora, exceto armas e munições). O BB também ser servido para atuar em políticas anticíclicas, Por exemplo, na crise de 2008, os bancos privados encerram todas as linhas de crédito, inclusive para as empresas, o que poderia ter levado a uma reação em cadeia (como aconteceu nos EUA e na Europa). O BB manteve as linhas de crédito abertas, o que abrandou a crise no Brasil.

Rodolfo
Rodolfo
24 dias atrás

A Taurus já tem uma fábrica na Florida, isso vai empurrar ainda mais produção pros EUA.

Mario Del Ferro
Mario Del Ferro
24 dias atrás

Banco comercial não deve financiar esse tipo de operação mesmo, devido a influência dos stakeholders. Em minha concepção tal financiamento deve ser encaminhado ao BNDES, que é o nosso fiador de exportações. Respeito os demais caso discordem, entretanto, não vi nenhuma surpresa com a decisão do banco do Brasil, que é uma empresa de capital aberto.

Marcelo Soares
Marcelo Soares
24 dias atrás

Na foto da matéria o Astro “esverdeado” é do exército da Indonésia ou do CFN?

Last edited 24 dias atrás by Marcelo Soares
Luiz
Luiz
24 dias atrás

Esse banco de Brasil nao tem nada

Daniel
Daniel
24 dias atrás

Se o ministro da defesa tivesse coragem era só pedir para todas as tropas e pessoal da reserva fazer portabilidade para outro banco (uma vez que a esmagadora maioria dos funcionários públicos federais tem conta no BB), acho que o recado seria dado!!!

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
23 dias atrás

E ontem cortaram também 70% do orçamento Adminisrativo do ministerio da Defesa… Não vai mais ter café lá , nem xerox , nem tinta para impressora.. Isso com a desculpa de alocar o dinheiro pro PAC…. Porque do ministério da Defesa ? Tem outros também para cortar a verba administrativa: por que não ministerio da Cultura? ou povos indigenas? … entre tantos… Se quer ter 37 ministério que se tenha dinheiro para todos

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Rodrigo Maçolla
23 dias atrás

A situação do orçamento federal ficou desfuncional depois que o parlamento assumiu o controle de uma parte substancial por meio de emendas.

Sobre a redução do custeio, isso afetou também o MEC. As universidades estão com uma verba de custeio este ano menor que ano passado.

Veja, a pressão para deficit zero sem aumento de impostos só pode ser alcançado por corte orçamentário.

Os gastos com pessoal ativo e inativo é prioritário. Investimento em infraestrutura e, no caso do MInDef, a continuidade dos programas de aquisição de equipamento, também precisa ser mantido. Só sobra o custeio para ser cortado.

Moa
Moa
21 dias atrás

Nossos inimigos agradecem ao presidente do Banco do Brasil. Cuidado! Isso pode configurar traição à Pátria.