(Estocolmo, 22 de abril de 2024) As despesas militares globais totais atingiram US$ 2443 bilhões em 2023, um aumento de 6,8% em termos reais em relação a 2022. Este foi o aumento mais acentuado desde 2009. Os 10 maiores gastadores em 2023—liderados pelos Estados Unidos, China e Rússia—todos aumentaram seus gastos militares, de acordo com novos dados sobre gastos militares globais publicados hoje pelo Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (SIPRI), disponíveis em www.sipri.org.

Aumentos nos gastos militares em todas as regiões

Os gastos militares mundiais subiram pelo nono ano consecutivo, alcançando um recorde de US$ 2443 bilhões. Pela primeira vez desde 2009, os gastos militares aumentaram em todas as cinco regiões geográficas definidas pelo SIPRI, com aumentos particularmente grandes registrados na Europa, Ásia e Oceania e no Oriente Médio.

“O aumento sem precedentes nos gastos militares é uma resposta direta à deterioração global da paz e da segurança”, disse Nan Tian, Pesquisador Sênior do Programa de Gastos Militares e Produção de Armas do SIPRI. “Os Estados estão priorizando a força militar, mas correm o risco de uma espiral de ação-reação no cenário geopolítico e de segurança cada vez mais volátil.”

A ajuda militar à Ucrânia reduz a lacuna de gastos com a Rússia

Os gastos militares da Rússia aumentaram 24% para um estimado de US$ 109 bilhões em 2023, marcando um aumento de 57% desde 2014, o ano em que a Rússia anexou a Crimeia. Em 2023, os gastos militares da Rússia representaram 16% do total dos gastos governamentais e seu ônus militar (gastos militares como parte do produto interno bruto, PIB) foi de 5,9%.

A Ucrânia foi o oitavo maior gastador em 2023, após um aumento de gastos de 51% para alcançar US$ 64,8 bilhões. Isso deu à Ucrânia um ônus militar de 37% e representou 58% do total dos gastos governamentais.

Os gastos militares da Ucrânia em 2023 foram 59% do tamanho dos gastos da Rússia. No entanto, a Ucrânia também recebeu pelo menos US$ 35 bilhões em ajuda militar durante o ano, incluindo US$ 25,4 bilhões dos EUA. Combinada, essa ajuda e os próprios gastos militares da Ucrânia foram equivalentes a cerca de 91% dos gastos russos.

Os EUA permanecem como o principal gastador da OTAN, mas os membros europeus aumentam sua participação

Em 2023, os 31 membros da OTAN contabilizaram US$ 1341 bilhões, igual a 55% dos gastos militares mundiais. Os gastos militares dos EUA aumentaram 2,3% para alcançar US$ 916 bilhões em 2023, representando 68% do total dos gastos militares da OTAN. Em 2023, a maioria dos membros europeus da OTAN aumentou seus gastos militares. Sua participação combinada no total da OTAN foi de 28%, a mais alta em uma década. Os 4% restantes vieram do Canadá e da Turquia.

“Para os estados europeus da OTAN, os últimos dois anos de guerra na Ucrânia mudaram fundamentalmente a perspectiva de segurança”, disse Lorenzo Scarazzato, Pesquisador do Programa de Gastos Militares e Produção de Armas do SIPRI. “Essa mudança nas percepções de ameaça se reflete em partes crescentes do PIB sendo direcionadas para gastos militares, com a meta da OTAN de 2% sendo cada vez mais vista como uma linha de base, em vez de um limiar a ser alcançado.”

Uma década após os membros da OTAN se comprometerem formalmente com uma meta de gastar 2% do PIB em militares, 11 dos 31 membros da OTAN alcançaram ou superaram esse nível em 2023—o maior número desde que o compromisso foi feito. Outra meta—de direcionar pelo menos 20% dos gastos militares para ‘gastos com equipamentos’—foi atingida por 28 membros da OTAN em 2023, contra 7 em 2014.

O aumento dos gastos militares da China impulsiona o aumento dos gastos pelos vizinhos

A China, o segundo maior gastador militar do mundo, alocou um estimado de US$ 296 bilhões para o militar em 2023, um aumento de 6,0% em relação a 2022. Este foi o 29º aumento consecutivo ano a ano nos gastos militares da China. A China representou metade do total dos gastos militares na região da Ásia e Oceania. Vários vizinhos da China vincularam seus próprios aumentos de gastos ao aumento dos gastos militares da China.

O Japão alocou US$ 50,2 bilhões para seu militar em 2023, o que foi 11% mais do que em 2022. Os gastos militares de Taiwan também cresceram 11% em 2023, alcançando US$ 16,6 bilhões.

“A China está direcionando grande parte de seu crescente orçamento militar para aumentar a prontidão de combate do Exército de Libertação Popular”, disse Xiao Liang, Pesquisador do Programa de Gastos Militares e Produção de Armas do SIPRI. “Isso levou os governos do Japão, Taiwan e outros a aumentarem significativamente suas capacidades militares, uma tendência que acelerará ainda mais nos próximos anos.”

Guerra e tensões no Oriente Médio alimentam o maior aumento de gastos da última década

Os gastos militares estimados no Oriente Médio aumentaram 9,0% para US$ 200 bilhões em 2023. Este foi o maior índice de crescimento anual na região visto na última década.

Os gastos militares de Israel—o segundo maior da região depois da Arábia Saudita—cresceram 24% para alcançar US$ 27,5 bilhões em 2023. O aumento dos gastos foi principalmente impulsionado pela grande ofensiva de Israel em Gaza em resposta ao ataque no sul de Israel pelo Hamas em outubro de 2023.

“O grande aumento nos gastos militares no Oriente Médio em 2023 refletiu a situação em rápida mudança na região—do aquecimento das relações diplomáticas entre Israel e vários países árabes nos últimos anos ao surto de uma grande guerra em Gaza e ao medo de um conflito em toda a região”, disse Diego Lopes da Silva, Pesquisador Sênior do Programa de Gastos Militares e Produção de Armas do SIPRI.

Ação militar contra o crime organizado impulsiona os gastos na América Central e no Caribe

Os gastos militares na América Central e no Caribe em 2023 foram 54% maiores do que em 2014. Os níveis crescentes de criminalidade levaram ao uso aumentado das forças militares contra gangues criminosas em vários países da sub-região.

Os gastos militares da República Dominicana aumentaram 14% em 2023 em resposta ao agravamento da violência de gangues no Haiti vizinho. Os gastos militares da República Dominicana aumentaram acentuadamente desde 2021, quando o assassinato do presidente haitiano Jovenel Moïse jogou o Haiti em crise.

No México, os gastos militares alcançaram US$ 11,8 bilhões em 2023, um aumento de 55% em relação a 2014 (mas uma diminuição de 1,5% em relação a 2022). As alocações para a Guardia Nacional (Guarda Nacional)—uma força militarizada usada para conter atividades criminosas—aumentaram de 0,7% do total dos gastos militares do México em 2019, quando a força foi criada, para 11% em 2023.

“O uso dos militares para suprimir a violência de gangues tem sido uma tendência crescente na região há anos, à medida que os governos são incapazes de abordar o problema usando meios convencionais ou preferem respostas imediatas—muitas vezes mais violentas”, disse Diego Lopes da Silva, Pesquisador Sênior do Programa de Gastos Militares e Produção de Armas do SIPRI.

Outros desenvolvimentos notáveis

  • A Índia foi o quarto maior gastador militar globalmente em 2023. Com $83,6 bilhões, seus gastos militares foram 4,2% maiores que em 2022.
  • O maior aumento percentual nos gastos militares por qualquer país em 2023 foi visto na República Democrática do Congo (+105%), onde houve um conflito prolongado entre o governo e grupos armados não estatais. O Sudão do Sul registrou o segundo maior aumento percentual (+78%) em meio à violência interna e ao transbordamento da guerra civil sudanesa.
  • Os gastos militares da Polônia, os 14º mais altos do mundo, foram de $31,6 bilhões após um crescimento de 75% entre 2022 e 2023—de longe o maior aumento anual por qualquer país europeu.
  • Em 2023, os gastos militares do Brasil aumentaram 3,1% para $22,9 bilhões. Citando a diretriz de gastos da OTAN, membros do Congresso do Brasil apresentaram uma emenda constitucional ao Senado em 2023 que visa aumentar o ônus militar do Brasil para um mínimo anual de 2% do PIB (de 1,1% em 2023).
  • Os gastos militares da Argélia cresceram 76% para alcançar $18,3 bilhões. Este foi o nível mais alto de gastos já registrado pela Argélia e foi em grande parte devido a um forte aumento na receita de exportações de gás para países da Europa, à medida que se afastavam dos fornecimentos russos.
  • O Irã foi o quarto maior gastador militar no Oriente Médio em 2023, com $10,3 bilhões. De acordo com os dados disponíveis, a parcela dos gastos militares alocada ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica aumentou de 27% para 37% entre 2019 e 2023.

FONTE: www.sipri.org

Subscribe
Notify of
guest

69 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 mês atrás

“Os gastos militares na América Central e no Caribe em 2023 foram 54% maiores do que em 2014. Os níveis crescentes de criminalidade levaram ao uso aumentado das forças militares contra gangues criminosas em vários países da sub-região.” Pessoal da América Central e do Sul tem uma tendência a dar murro em ponta de faca e em insistir em usar algo que não funciona em nsnhum lugar do mundo, que é usar FA’s pra combater o crime organizado… Perguntem ao México e Colômbia. “Em 2023, os gastos militares do Brasil aumentaram 3,1% para $22,9 bilhões. Citando a diretriz de gastos… Read more »

Heinz
Heinz
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Discordo de você, é necessário sim aumentar nossos gastos militares, não fazer isso é ir contra todos os países sérios que estão fazendo isso. Como: EUA, China, Rússia, Japão, Coreia do Sul, Índia, Polônia, França, Inglaterra, Itália, Israel, Irã, Paquistão, Filipinas e por ai vai.
A questão é: direcionar esse aumento de verbas para a pesquisa, produção e aquisição de equipamentos, bem como, melhorar o nível de treinamento das FA.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Heinz
1 mês atrás

“Discordo de você, é necessário sim aumentar nossos gastos militares,” Eu seria a favor de aumentar a Defesa pra 2% do PIB ( vamos deixar a discussão sobre de onde viria essa grana extra pra outra hora, não é o foco disso aqui ) somente APÓS serem feitas profundas reformas estruturais nas FA’s, com foco em eficiência e gestão de gastos. Algum desses “países sérios” que você mencionou acima gastam 90% da sua grana em Defesa com pessoal, pensão e soldo? Não. E outra, simplesmente aumentar a verba pra Defesa, quando dá pra vontar nos dedos o quê de nacional… Read more »

Heinz
Heinz
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Concordo 100%, mas que é necessário aumentar é sim, uma mão lava a outra, é um argumento que pode ser usado por algum legislador numa tese para aumento do orçamento, em contrapartida as FA seriam obrigadas a serem reformistas, apesar de que, seria um processo a longo prazo como enxugar o número de pessoal de carreira.

Joao
Joao
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Nesse caso, precisa entender melhor de estatística.
O gasto com pessoal é fixo. Ponto final.
Aumento com Defesa do aumentará com pessoal, se, somente se, aumentar o efetivo, o que não vai. O efetivo está programado pra diminuir em todas as Forças.
Outro dado importante.
Pensionistas e inativos são contabilizado a no orçamento da defesa aqui, e na maioria dos países, se não em todos, não, o que distorce a porcentagem.

Sulamericano
Sulamericano
Reply to  Joao
28 dias atrás

Olá João,
Você poderia citar um exemplo de algum outro país que (para além do militar reformado) tem em sua folha de pagamento esposas e (principalmente) filhas?

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Heinz
1 mês atrás

Por que você confiança que esse orçamento extra seria usado para comprar equipamentos e tecnologias?

O funcionalismo público brasileiro é um poço sem fundo, Judiciário e MP já vāo ganhar uma PEC que custará R$ 42bi.

Se derem mais orçamento para os militares, irāo fazer aprovar benefícios do tipo, “correções” de salários e abrir concursos públicos, nāo fazer investimentos na defesa. Nāo se iluda comparando o Brasil com países sérios.

Samuel Asafe
Samuel Asafe
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

é só fazer uma vinculação obrigatória do gasto. Condiciona pra aprovação dos 2% que sejam colocados no texto pauta referentes a contenção de gasto com pessoal. Obrigatoriedade de gasto com investimento ja é realidade por exemplo na área da educação, quando se fala do dinheiro do Fundeb; Resultado? tão fazendo creche pra tudo quanto é quanto, pq não pode usar o dinheiro com outro tipo de coisa. Dá certo, basta querer fazer. Imagina por exemplo um orçamento da defesa de 200 bilhões de reais(hoje é em torno de 125bi), com a obrigatoriedade de gastos com treinamento e investimentos fixos em… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Samuel Asafe
Heinz
Heinz
Reply to  Samuel Asafe
1 mês atrás

É mais ou menos nesse modelo.

Vitor
Vitor
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

País da boquinha …

Heinz
Heinz
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Eu não confio, só dei a ideia do aumento do orçamento ser atrelado a compra de equipamentos e de tocar projetos estratégicos.
O judiciário é muito pior do que as FA no quesito de gastos e ineficiência.

Sensato
Sensato
Reply to  Allan Lemos
29 dias atrás

Que eu saiba, para aumentar efetivo militar, é preciso decreto do executivo ou lei do legislativo. Foi o que ocorreu em 2009 quando a MB pôde contratar mais 20k, a FAB 13k e o EB mais 31k em 2013.

Bispo
Bispo
Reply to  Heinz
1 mês atrás

Concordo em parte , nossas FAs fazem umas aquisições “esquisitas”.

NBS
NBS
Reply to  Bispo
1 mês atrás

Então, essas aquisições esquisitas em parte têm um grande viés ideológico de alinhamento automático aos EUA, ao Ocidente e ao santo graal do FMS, feito para compras de segunda mão, o que no final tem o condão de interferir nos fornecedores nacionais de solução.

Sensato
Sensato
Reply to  Bispo
29 dias atrás

Nisso eu concordo. Nunca entendi os Mi35 na FAB pra ficar em apenas um exemplo.

BraZil
BraZil
Reply to  Sensato
28 dias atrás

Aquisições estranhas. mais exemplos: O M60, que veio de contrapeso…O IGLA.( Precisamos de defesa AA, mas equipamento Russo aqui é sempre um ponto fora da curva), portanto, seria menos estranho um equipamento ocidental neste caso…

rui mendes
rui mendes
Reply to  Heinz
1 mês atrás

Gastos com pessoal, não??
É que se não, melhorar os níveis de treino, são secundários ou mesmo dezcaftáveis, pois poderá não haver pessoal para treinar, pois com baixos salários, os militares podem dizer, a quem acha que só é importante aumentar os gastos com pesquisa e produção, para treinarem e se alistarem eles.

Nativo
Nativo
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Isso foi uma piada ??? 22 de bilhões de dólares, não dá pra treinar ninguém, e os salários ainda são baixos? Se forem os dos pobres soldadoa não duvido, porque dos oficiais vai de vento em popa.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Ola Wilber. Vocẽ tem razão. È um enorme erro, senão uma imensa estupidez, supor que o uso de forças armadas como meio de segurança pública irá funcionar. Não vai. É uma opção demagógica e ineficaz. O problema de segurança pública é extremamente complicado e multivariado. O uso de forças armas como forças de segurança pública decorre da suposição (equivocada) que a solução da criminalidade é maior repressão ou endurecimento da política de encarceramento. Sobre o aumento dos gastos militares no Brasil para 2% do PIB é um grande erro. Melhor é focar em aumentar o PIB. Os gastos com defesa… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Camargoer.
Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Camargoer.
1 mês atrás

Ja eu, acredito que o amigo Camargoer está equivocado. Não importa a cifra, importa o parâmetro de Gasto X PIB Quem gasta mais investe mais em segurança. Quem gasta menos, investe menos e por consequência, se garante menos no cenário global. O benchmarking está dado, quem está na frente é quem está atrás. E um fato gostando ou não. Os problemas somente são resolvidos por equilíbrio e não negando a necessidade. Segurança de um país não é feita do dia para a noite e portanto, mesmo vc zelando de um lado e investindo noutros setores sociais, vc terá a garantia… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Então Carvalho…. sou um dos mais ácidos críticos da “qualidade dos gastos” militares no Brasil, ainda que eu seja um entusiasta dos programas de desenvolvimento nacional e nacionalizados. Ainda que parece contraditório, não deveria ser. Muita gente critica o ProSub ou as FCT, dizendo que deveria ser compradas prontas do exterior. Acho um erro. Há algum tempo (não sei se ainda acontece), as fardas e coturnos eram comprados da China. Uma economia burra e um erro de politica de industrialização. Por outro lado, critico a política de previdência militar, que se tornou insustentável, critico a estratégia do EB de dispersão… Read more »

Joao
Joao
Reply to  Camargoer.
1 mês atrás

O mais interessante de tudo é que as estruturas defasadas estão sendo recriadas na OTAN…
A ineficácia se comprava como? Se TODAS as missões foram e estão sendo cumpridas?
Que ameaça poderia se sobrepor a capacidade das FFAA?

O Gen Vilas Boas fez uma das melhores colocações.
“Pela falta de inimigos temos tempo e oportunidade de se fazer com calma, o que os outros fazem às pressas”.

Isso aliado ao questionamento do EM Exercito russo em visita ao Brasil.

“Como vcs tem tantos vizinhos e tem paz com todos?”

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer.
1 mês atrás

A maior parte do orçamento é engessado, nāo há espaço para investimentos sérios em infraestrutura,

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Existe dois tipo de gastos “engessados”. 1) folha de pagamento e 2) gastos vinculados. Quando se considera a folha de pagamento do governo federal, os dois maiores ministérios são o da Defesa e depois o MEC, por razões óbvias. Vale a pena fazer uma comparação da despesa previdenciária destes dois ministérios. Fica evidente que o sistema previdenciário militar é insustentável a médio praz (se não a curto prazo) Ninguém, nem no setor privado nem no setor público, faz gastos de investimento á vista. Grandes obras levam anos talvez décadas para serem construídas e muitas delas são feitas por meio de… Read more »

NBS
NBS
Reply to  Camargoer.
1 mês atrás

Perfeita a exposição. Os gastos com previdência militar são insustentáveis. Estão quase iguais à dívida americana; qualquer desajuste atrasa o pagamento dos aposentados militares. É necessário que a sociedade, os políticos e os militares iniciem um diálogo em busca de solução. Os militares quase sempre se opuseram à solução de integração ao quadro geral da administração pública, na expectativa de aumentos salariais diferenciados, regalias do corpo militar e carreira própria. Se estabelecermos negociações, é possível que soluções sejam encontradas, mas a inação tem seu preço, inclusive com escolhas ruins, como a desativação generalizada de meios.

Joao
Joao
Reply to  NBS
1 mês atrás

Se, por exemplo, o GF não passar 500 milhões (!!!!), isso mesmo, 500 milhões pra Itaipu fazer Comunicação Social, dentre outras, perceberá q os problemas são outros e não esses…

Joao
Joao
Reply to  Camargoer.
1 mês atrás

Não adianta repetir esse mantra…
As reformulações propostas aqui, aos moldes da OTAN, caíram a maioria por terra, ao se visualizar a guerra da Ucrânia. A FFAA da OTAN estão em polvorosa….
A previdência já foi solucionada. Vai parlar mais pra ativa? Vai dobrar o efetivo pros militares trabalharem 40 hrs por semana? Duvido pras duas.

As FFAA não devem ser aplicadas em segurança pública. Corretíssimo.
Mas GLO não é Segurança Pública… é tornar os problemas novamente ao alcance da segurança pública.

O que tem de ser cobrado é o que fazer após a GLO… isso ninguém cobra… por que?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Meu amigo, da vontade de desistir de vez. O sr. acabou de ler uma matéria mostrando a Polônia com população menor que o estado de São Paulo, investindo mais de U$ 30 bi. A Argélia que tem PIB menor que a CIDADE de São Paulo, investindo U$ 18 bi. A média mundial de 2,3% do PIB investido em defesa. Viu que o Brasil que passou muitos anos investindo 1,4 ou 1,5% do PIB, reduzir para apenas 1,1%. E além de tudo isso tem mais uma coisa que passa despercebido, muitos países não incluem o pagamento de aposentadorias no orçamento militar… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Mas também não adianta barrar qualquer aumento de orçamento, pq sem um grande orçamento nunca teremos equipamentos militares de ponta em quantidades razoáveis.´´

É justamente por isso que eu defendo que esse aumento de verba pra Defesa só seja feito APÓS as reformas administrativas das FA´s.
Sem elas, pode ter certeza que essa porcentagem a mais de verba pa Defesa será inócuo. Será apenas mais um desperdício de dinheiro.
Ou você REALMENTE acredita que essa verba extra será usada pra FAB comprar 90 Gripens, ou pro EB comprar K2 Black Panther ou Patriot?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Eu acho porque as forças não podem aumentar o efetivo, tudo é feito através de leis e determinação do poder político. Lá atrás o Luiz Inácio deu a ordem e assinou o decreto aumentando o efetivo das forças. O comandante do EB, da FAB e da MB não podem aumentar o efetivo. Nos últimos anos o orçamento foi sendo diminuído e bastante, era 1,4% ou 1,5% e hoje está em 1,1%. Então os militares querem mais recursos para poderem comprar equipamentos, é para isso que um aumento no orçamento será utilizado, pois os militares não podem aumentar efetivo e também… Read more »

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Nossa estou com dó deles.
Vc realmente acha que os militares não influenciam nos seus gastos?
Que são uns coitados que só fazem o que o Congresso determina?
Se acredita nisso vc não está entendendo como funciona a política e a relação entre civis e militares no Brasil.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  EduardoSP
1 mês atrás

Caro Eduardo, tramita uma PEC para aumentar o orçamento militar para 2% do PIB, com aumentos de 0,1% ao ano. Hoje estamos investindo 1,1% do PIB, portanto demoraria cerca de 9 anos para atingirmos os 2%. Muitos aqui são contrários pois entendem que este aumento será destinado ao aumento de salários e ao aumento do efetivo. Só estou deixando claro para alguns que ainda não sabiam, que o comandante do EB, da MB e da FAB não podem simplesmente aumentar o efetivo da maneira que quiserem, como também não podem alterar seus próprios salários. Se incluírem na PEC um aumento… Read more »

Joao
Joao
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Perfeito.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Olá Luiz. Pode diminuir por decisão administrativa do comando…. Não pode aumentar além do que diz a lei.

A Lei determina o contingente máximo.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Camargoer.
1 mês atrás

Exato.

Joao
Joao
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Isso tudo já sabem, mas querem falar mal…

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Joao
28 dias atrás

Pelo contrário… alguns colegas por vezes sugerem que o contingente é determinado pelo Congresso… não é. A lei determinada os contingentes máximos, os quais são definidos pelos comandos militares e levados para a administração para serem encaminhados para aprovação do Congresso.

Nenhum deputado ou senador irá escrever um projeto de lei definindo tamanho de efetivo sem ter antes um OK dos comandos…

Sensato
Sensato
Reply to  Luís Henrique
29 dias atrás

Exato. Foi o que ocorreu em 2009 quando a MB pôde contratar mais 20k, a FAB 13k e o EB mais 31k em 2013.

Akhinos
Akhinos
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Não adianta a galera tem dificuldades para entender coisas básicas, em outro post eu tentei explicar como o gasto nominal não significava nada pq havia um negócio chamado inflação e eles ainda sim ficaram me hostilizado. Conforme eu afirmei em outro post, o gasto real com defesa no Brasil caiu 48% desde 2014. A permanência de gastos acima de 90% do orçamento com folha de pagamento se deve ao fato de que o governo não pode contingenciar ou cortar tais gastos. O governo pode apenas cortar gastos discricionários e foi exatamente isso que ele fez. Por isso o gasto obrigatório… Read more »

Mig25
Mig25
Reply to  Akhinos
1 mês atrás

Meu caro, parabéns pelo comentário! Excelente! Soube concatenar desde orçamento público, execução orçamentária, necessidade de maiores investimentos em Defesa face a nova configuração geopolítica mundial, e ainda foi preciso no seu diagnóstico sobre macro política interna. Este seu comentário deveria ser lido por muitas pessoas, um dos melhores que li ultimamente por aqui. Só discordo de um pequeno trecho, mas talvez você e os mais entendidos no assunto possam me fazer mudar de ideia…é realmente necessária a aquisição específica de Black Hawks? Não é possível encomendar helicópteros similares capazes de realizar a missão pela Helibras/Airbus? Ou há grande falta de… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Mig25
1 mês atrás

“Não é possível encomendar helicópteros similares capazes de realizar a missão pela Helibras/Airbus? Ou há grande falta de peças para a construção/montagem de helicópteros que só viabilizaria a aquisição de vetores prontos? Os EUA tem no momento os “falcões negros” disponíveis para venda?” Conforme declarações recentes do comandante do Exército em audiência na CREDN, a fila de pedidos de helicópteros no mundo está longa, sem disponibilidade para compra de helicópteros novos no prazo necessário. Isso acontece devido aos impactos da pandemia e guerra na Ucrânia nas cadeias de fornecimento, assim não haveria como repor os 8 Cougars mais antigos e… Read more »

Mig25
Mig25
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
1 mês atrás

Obrigado pela resposta Nunão!

Joao
Joao
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Bons apontamentos que ignoram por aqui…

Wellington R. Soares
Wellington R. Soares
Reply to  Willber Rodrigues
29 dias atrás

Caro Willber, vejo que o problema está dos dois lados, primeiramente é necessário uma revisão nas FAs, defendo algo mais enxuto, porém mais tecnológico, principalmente na Marinha e Força Aérea (reduzir efetivo e conseguir meios mais modernos – drones, radares, etc..).
Mas também 1,1% do PIB é muito pouco, deveria ser no mínimo 1,5%, levando em consideração que temos um PIb de 2 Tri…Daria algo em torno de 30Bi anual.

Matheus Parreiras
Matheus Parreiras
1 mês atrás

Já no Brasil, só tristeza …

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Matheus Parreiras
1 mês atrás

“Só tristeza” porque?
A Defesa esta no top 5 de maiores verbas da União a maia de uma década, mesmo com um corte de verba aqui e um contingenciamento alí, ainda sim é dinheiro pra diabo, querem mais o quê?

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Olá Wilber, Muita gente ainda tem dificuldade para compreender o que são os contingenciamentos do orçamento federal. A lei orçamentária aprovada prevẽ um determinado gasto anual. Quando a receita tributária mensal for menor que 1/12 do gasto previsto para o ano, descrito no orçamento, a lei de responsabildiade fiscal determina que seja feito um contingenciamento na proporção da diferença entre a arrecadação e aquele valor de 1/12. Como a receita tributária é sazonal, há meses nos quais ela é maior que este valor, noutros ela é inferior. Os gastos contingenciados nos meses de menor arrecadação são compensados no meses de… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Camargoer.
1 mês atrás

E mesmo com corte e, contingenciamentos em ( muito ) atraso, os principais programas das FA’s BR foram em frente:
FX-2
390
FCT’s
Riachuelos
Guaraní
Além de “compras extras”, como os dois KC-30 da FAB, e os Centauros II do EB.
Então, não sei o motivo de choro e dizer “que tristeza”….

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Concordo. Tem também o SN10/Labgene.

O problema é o inchamento do pessoal das forças armadas em tempo de paz e o modelo previdenciário militar insustentável.

Joao
Joao
Reply to  Camargoer.
29 dias atrás

As FFAA estão desinchando, fruto de se libertarem da PND/END estabelecida na 2ª Adm que agora está na 3ª.
A previdência está ótima, desinchando dos tempos passados (posto acima, Filhas, ex-combatentes, anistiados).

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Defesa é financiado Exclusivamente pelo governo Federal. Educação e saúde possuem financiamento federal, estadual, municipal e privado. Assim como várias outras áreas do governo. Por isso é “normal” os gastos com Defesa Nacional serem um dos mais altos do governo federal. Em muitos países desenvolvidos, a Defesa é o Maior gasto federal, justamente por isso. Quando se soma os investimentos realizados por estados e municípios em Educação e Saúde, o valor investido chega a ser 2 à 3 X Maior que o investido pelo governo Federal. Isso sem contar os investimentos privados. Já a Defesa Nacional não recebe nenhum real… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Quase isso…. De fato, o governo federal é responsável pela setor de defesa. Isso é uma prerrogativa exclusiva do executivo federal. Por outro lado, o governo federal também faz repasses dos fundos de saúde e de educação para as prefeituras e estados, tanto no âmbito do Fundeb quanto pelos canais do SUS. Ainda que estes fundos não sejam do orçamento do MEC ou do MinSaude, o governo central é responsável por enorme parcela dos gostos neste setores. O governo federal também é responsável pelo sistema de previdência pública, via INSS e também pela complementação do FGTS. Aliás o maior orçamento… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Camargoer.
29 dias atrás

Sim, mas quando comparam o quanto o Brasil investe em Defesa, Saúde e Educação, e colocam a Defesa como 4º maior gasto do governo, etc, ninguém inclui tudo isso que você escreveu e ninguém faz estas contas, apenas colocam o orçamento federal do MEC, da Saúde e da Defesa e a maioria analisa os números e acha que o orçamento da defesa já é muito grande porque é quase igual ao gasto com saúde ou educação. Mas se colocassem os investimentos municipais e estaduais, mesmo que com “ajuda” federal, veriam que o investimento em saúide e educação é 3 ou… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Luís Henrique
28 dias atrás

Olá LH. Em tempos de paz, seria inaceitável que os gastos com defesa fossem mais altos que os gastos com saúde ou educação. Aliás, mesmo em tempos de guerra, é preciso sustentar os gastos com saúde e educação. Aqueles momentos de “guerra total”, no qual toda a sociedade se organiza em torno da guera são exceções, quase sempre em torno de momentos críticos. Ao longo do século XXI, os maiores gastos com defesa ocorreram durante os períodos de expansão do PIB, mantendo mais ou menos a mesma proporção do PIB. Em valores absolutos, na primeira década deste século, os gastos… Read more »

Patta
Patta
1 mês atrás

risco de uma espiral de ação-reação” Se a Rússia aumenta os gastos militares os Eua também devem aumentar? foi isso que entendi.

Notemos que a américa em sua maioria é um continente pacífico que foca em seus problemas internos.
No gráfico vemos que o país que mais gasta e faz os dados subir e descer é o próprio tio Sam. Deu a lógica!

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Patta
1 mês atrás

A América Latina está para o século XXI o que o oriente médio foi no século XX com seus recursos

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Patta
1 mês atrás

“Notemos que a américa em sua maioria é um continente pacífico que foca em seus problemas internos.” Sejamos sinceros aqui: Somos um continente “pacífico” porque somos um continente POBRE. Não tenho dúvidas de que, se fosse-mos um continente montado em petróleo, igual o OM, Chile e Argentina, ou Perú e Equador, teriam o mesmo tipo de “relacionamento” que Irã e Iraque nos anos 80. Ou Israel e Irã desde…sempre. Deve ser por isso que os índices de violência interno dos países da América do Sul são tão altos…em vez de matar nossos vizinhos, a gente canaliza essa raiva pra matar… Read more »

Akhinos
Akhinos
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Isso é mentira. Não é pq somos “pobres”. O Oriente Médio é África são imensamente mais pobres que a América Latina e vivem em guerra desde sempre. A América Latina é pacífica porque o Brasil é imensamente mais poderoso que o resto e qualquer tipo de belicosidade na região pode atiçar o gigante e despertar o nacionalismo brasileiro adormecido. Pode ver que todo mundo tem problema com todo mundo, mas ng se atreve a falar que tem problemas conosco. Na vdd eles tentam buscar o apoio brasileiro para suas quizumbas. Se o senhor conhecesse melhor a tradição diplomatica da região… Read more »

Maurício.
Maurício.
1 mês atrás

Um dos culpados por esse aumento dos gastos é a Rússia, um país que um pessoal já dizia estar quebrado, falido, que não tinha mais o poder da antiga urss, um país que era passado, um país que ninguém mais se importava, pois a real ameaça agora era a China…

Munhoz
Munhoz
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Exato, porém se vc prestar atenção verá que a Ucrânia coloca quase todo o seu efetivo para conter uma Rússia que coloca 1/4 de suas forças, isso com gastos praticamente equivalentes, acredito que este gasto russo seja somente com equipamentos e despesas operacionais , a folha de pagamento não esta incluída como nos demais

Digo
Digo
1 mês atrás

A China ainda está gastando menos de 2% do PIB na defesa, os EUA estão gastando apenas 3% do PIB(durante a guerra fria oscilou de 6% a 10%), a Russia provavelmente esta gastando entre 8% e 12%(a USSR gastava 15% a 20%) tem muito espaço pra crescer ainda

Paulo Sollo
Paulo Sollo
1 mês atrás

“gastos militares da Ucrânia foram equivalentes a cerca de 91% dos gastos russos.”
Somando seu próprio orçamento com o que receberam da Otan.

Então quem é realmente o incompetente no campo de batalha?

Rússia e Ucrânia gastaram praticamente o mesmo em 2023 mas ao longo de todo este ano a Rússia acumulou vitórias e a Ucrânia, derrotas e está em colapso.

E a Ucrânia lutando com as armas “mais modernas do mundo” e a Rússia lutando com material da era soviética.

Mais um fato para —— EDITADO ——

Heinz
Heinz
Reply to  Paulo Sollo
1 mês atrás

Que insanidade que você digitou.

Carlos
Reply to  Paulo Sollo
29 dias atrás

A Rússia gastou em 2023 109 bilhões de USD e a Ucrânia 59% já com as doações dos países de Ramstein deste valor de acordo com o Instituto Internacional para os Problemas da Paz e o valor gasto pela Rússia corresponde a mais de 30% do orçamento da Rússia e recordo que a URSS desapareceu porque gastava mais de 40% do orçamento em armas e guerras e Putin está caminhando para esse fim. Competência no campo de batalha só queria relembrar que se os países de Ramstein tivessem fornecido tudo o que prometeram talvez a conversa seria outra, e recordemos… Read more »

lucena
lucena
1 mês atrás

Os EUA gastam uma grande soma de dinheiro para manter a sua supremacia militar mundial… como o gráfico demostra. . Diz o ditado popular que …” o peixe morre pela boca” … basta verificar como as armas milionárias americana … estão sendo usadas para abater as armas de menor valor dos seus inimigos… milhões de dólares X mil dólares … custo e beneficio … em guerras só se faz com muito dinheiro … fato. . Como a economia americana vai sair desse século ? … vai sair maior ou menor quando entro nesse século? … só o tempo vai dizer.… Read more »

lucena
lucena
Reply to  lucena
1 mês atrás

Se me permitem acrescentar algo mais … vejo que aos poucos … a economia americana entrou em uma espiral muito perigosa para o mundo. . Se verificarem a balança comercial de exportação americana … o seu carro chefe é a sua indústria bélica … a economia americana está dependendo muito do mercado bélico para manter o seu motor econômico funcionando. . O governo americano utiliza o esforço de guerra … para mostrar ao cidadão comum americano … que o seu posto de trabalho está diretamente ou indiretamente ligado as guerras… já que o quele produz é para esse fim. .… Read more »

Joao
Joao
Reply to  lucena
29 dias atrás

Na Tempestade do Deserto, segundo Collin Powell, era previsto que os EUA tivessem 30.000 baixas. Tiverem menos de 2.000 e a maioria em acidentes. Para isso armamentos são caros. Para vencer guerras. Os meios russos estão se mostrando deficientes, pois estão lutando contra um oponente com meios antigos e insuficientes. Como seria contra uma força poderosa? A China ainda não foi testada nos tempos mais contemporâneos. Armamentos e meios baratos ainda estão “dando trabalho”, pq não se decidiu “por força” contra quem usa. Até lá, os valores são pagos, pelo o quanto é defendido. Lembrando que uma guerra que possa… Read more »

NBS
NBS
1 mês atrás

Como citado nos diversos comentários, a vinculação de 2% do PIB deve ser precedida por uma solução que retire os gastos com pessoal e previdência do orçamento corrente. Sem encontrar uma solução para esse problema, corre-se o risco de que este orçamento seja corroído pelas recomposições salariais, pensões irrestritas de viúvas, direitos adquiridos do pessoal da ativa, pensões de filhas e, com o aumento da expectativa de vida, as aposentadorias por um período maior. Então, há muitas coisas a serem resolvidas.

Gustavo
Gustavo
1 mês atrás

Brasil e um pouco questionável aumento do orçamento militar, esses países aumenta investimentos, para aquisição de produtos nacionais, o Brasil que dinheiro pra comprar jipe de fora, artilharia de fora, sistema de defesa aérea de fora vai movimentar economia de fora, não tem projetos desenvolvimento e aquisição nacional de longo prazo, se fomos reparar o brasil nao produz metralhadora, obuseiro rebocado, sistema defesa aérea 3 olha que temos avibras que poderia nos fornecer bastar parceria e investimento no setor, mais sinceramente se não tiver projeto pra falar que esses 2% vai ser pra forcas armadas para desenvolver nossa indústria, melhoria… Read more »