Rio de Janeiro (RJ) – O Centro de Avaliações do Exército (CAEx) iniciou uma nova fase de testes de lançamento do Míssil Anticarro MSS 1.2 AC, visando sua avaliação operacional em projeto de desenvolvimento.

Os testes estão sendo conduzidos para avaliar a eficácia e a precisão do míssil contra alvos móveis e fixos, totalizando 21 disparos, a serem realizados por tropas do Exército Brasileiro de diversas naturezas.

No dia 6 de junho, os exercícios de lançamento do míssil foram realizados por militares do Comando de Fronteira Roraima/7º Batalhão de Infantaria de Selva, sediado em Boa Vista (RR) e do 1º Esquadrão de Cavalaria Paraquedista, do Rio de Janeiro. Os testes também contarão com a participação do 5º Batalhão de Infantaria Leve, de Lorena (SP) e do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.

As atividades começaram com uma apresentação detalhada do material, seguida por estudos técnicos e táticos do míssil. A fase final dos exercícios envolveu o emprego prático do referido armamento, permitindo aos militares verificar sua funcionalidade em campo.

Em maio, o CAEx já havia realizado testes que verificaram a segurança no emprego do material e o cumprimento dos requisitos técnicos projetados, além de ratificar os quesitos de segurança e eficácia. Na ocasião, o míssil foi lançado contra um alvo com blindagem e, para averiguar o êxito do teste, foi utilizado um conjunto de câmeras e drones que registraram sua trajetografia.

O MSS 1.2 é um armamento orgânico do pelotão anti-carro das unidades de Infantaria e Cavalaria, tendo como principal missão a destruição dos blindados inimigos, podendo também ser utilizado contra outros alvos compensadores, como: concentração de viaturas, construções fortificadas, depósitos de combustível e munição, embarcações blindadas e helicópteros voando à baixa altura.

Dessa maneira, o projeto de desenvolvimento do MSS 1.2 AC entra na fase final que antecede a sua adoção, pelo Exército Brasileiro, como Material de Emprego Militar de alto conteúdo tecnológico. O projeto demonstra o compromisso da Força Terrestre com a busca pelo incremento de sua capacidade bélica de dissuasão e com as entregas à sociedade, por meio da geração de empregos e do fortalecimento da Base Industrial de Defesa (BID).

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest

58 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Henrique de Freitas
Henrique de Freitas
11 dias atrás

Legal!

Daniel
Daniel
Reply to  Henrique de Freitas
11 dias atrás

O jeito é pensar positivamente.
“É que tem para hoje”.
“Antes tarde do que nunca”.
São frases que deveriam constar na nossa bandeira, ao invés de “Ordem e progresso”.
Paciência, “Toca o barco e segue o jogo”. Opa, olha mais uma frase.

Bispo
Bispo
Reply to  Daniel
11 dias atrás

Nada haver … de cara teriam que refazer o hino Nacional… “deitado eternamente em berço esplêndido” devia ser extirpado.

E as frase deveria ser … “vamos aprender com quem esta apanhando para saber como bater” 😈

MMerlin
MMerlin
Reply to  Bispo
11 dias atrás

Nosso território é, literalmente, um berço esplêndido. Em todos os sentidos.
Se não temos a capacidade de usufruir de tal recurso de modo eficiente e sustentável…

Bispo de Guerra
Bispo de Guerra
Reply to  MMerlin
10 dias atrás

Deitado eternamente… ideia de um país de “vagaba”.

E o “berço esplêndido” , soube o que ocorreu no RS recentemente… os próximos eventos já no horizonte (há pesquisas sérias , “modelagem climática”)..crise hídrica no sul/sudeste … o mundo mudou (alguns só percebem quando “a água bate no queixo”).

🙃

Last edited 10 dias atrás by Bispo de Guerra
Santamariense
Santamariense
Reply to  Bispo
8 dias atrás

Nada a ver

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Daniel
11 dias atrás

Já puseram ” Independência ou Morte ” na bandeira kkkkkkkk

Abraços

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  Daniel
9 dias atrás

Os avanços da tecnologia no Brasil nos últimos anos têm transformado profundamente diversos aspectos da sociedade. A inteligência artificial (IA) e o aprendizado de máquina estão revolucionando setores como saúde, finanças e transporte e militares, permitindo diagnósticos mais precisos, investimentos mais inteligentes e veículos autônomos. A Internet das Coisas (IoT) está conectando dispositivos do dia a dia, desde eletrodomésticos até cidades inteiras, promovendo maior eficiência e conveniência. Além disso, a computação em nuvem está democratizando o acesso a recursos de computação poderosos, permitindo que empresas e indivíduos inovem sem os altos custos de infraestrutura. Esses desenvolvimentos estão não apenas aprimorando… Read more »

marcos.poorman
marcos.poorman
11 dias atrás

Depois de mais de vinte anos de desenvolvimento, espero que esse míssil nas mãos da empresa SIATT seja aperfeiçoado, ganhe novas versões e aplicações.

Marcos
Marcos
11 dias atrás

O míssil passou vários anos parado. A Siatt atualizou os sistemas, a Akaer desenvolveu um baita sistema de guiagem que está junto com o lançador.

Ai fica os zé falando que o míssil é o mesmo de quando foi projetado inicialmente.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Marcos
11 dias atrás

Akaer atuou no MSS? nunca vi nada sobre, sei que eles atuaram dentro do A DARTER, através da OPTO, que também tem projeto para sensores IR que poderão ser usados para mísseis e carros de combate, não me espantaria se o que vc disser é vdd

Last edited 11 dias atrás by Carlos Campos
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Carlos Campos
10 dias atrás

Fui pesquisar e é verdade, depois de fuçar dentro do site deles vi que podemos ter um míssil melhor que esse, só basta querer

Fresney
Fresney
11 dias atrás

Parabens as FAA, pela eficiência em colocar logo em operação o míssil. Precisou de uma crise na fronteira norte para isso sair, espero que sirva de lição. Kd as defesas anti aereas que ainda nada de sair do papel ??

Orivaldo
Orivaldo
Reply to  Fresney
11 dias atrás

Muito eficiência kkkkkkk

Machado
Machado
Reply to  Fresney
11 dias atrás

Brasil sempre foi assim. Sempre entrou despreparado noa conflitos e só então tomou atitudes que deveriam ter sido tomadas em tempo de paz. Definitivamente o provérbio “Se deseja a paz prepare-se pra guerra” não é seguido pelo nosso país. Vide Guerra do Paraguai, 1GM, 2GM

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Machado
9 dias atrás

mas ja houve conflito?

Pedro fullback
Pedro fullback
11 dias atrás

Precisou um susto ( Venezuela) para que uma arma ideal para o teatro operacional de pacaraima tivesse o seu desenvolvimento mais rápido.

Espero que o Brasil não aprenda atraves dos “sustos”.

Minuteman
Minuteman
Reply to  Pedro fullback
11 dias atrás

Desde quando Venezuela ou qualquer outro “país” da AL dá “susto” no Brasil?

Pedro fullback
Pedro fullback
Reply to  Minuteman
11 dias atrás

Qualquer país pode dar susto. Meu amigo, se os EUA tiveram dificuldades com Houthis e Afeganistão, a Rússia com a Ucrânia, imagina o Brasil onde a sua indústria não fabrica nem um prego?

MMerlin
MMerlin
Reply to  Pedro fullback
9 dias atrás

Apenas para que fique claro, é no território nacional que está um dos maiores fabricantes de pregos escala mundial.
Então, fabricamos pregos. E mais de um.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  Minuteman
11 dias atrás

Tem acompanhado ultimamente notícias oriundas daquelas bandas?

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Minuteman
11 dias atrás

No momento em que eles tentam desrespeitar as fronteiras dos vizinhos

Nativo
Nativo
Reply to  Minuteman
10 dias atrás

Desde 1864.

Macgaren
Macgaren
Reply to  Minuteman
10 dias atrás

Não, Maduro não é tao amigo do atual presidente como vc pensa, lamento.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Pedro fullback
9 dias atrás

nossa que susto!!! Se voce não alertasse não sei o que seria de nos!

GUTO
GUTO
11 dias atrás

Sem entrar no mérito da eficiência do míssil, acho muito interessante 21 disparos para análise do projeto.
Acredito que serão usadas reservas do EB, e com isso novas encomendas ocorrerão para normalizar os estoques.

Rodrigo G C Frizoni
Rodrigo G C Frizoni
11 dias atrás

Pelos dados no wiki ele so atinge até 2km e tem um peso com o lançador passando de 52 kg. “Em comparação, o MILAN ADT-ER tem peso total de 34 kg, o Javelin, 22,3 kg, o TOW-2A, 21,6 kg.”

Espero que a capacidade de penetração tenha sido atualizada pq os dados falam em cerca de 530 mm em comparação, Javelin (750 mm), Spike ER (800 mm) e TOW (900 mm).

O exercito tinha que acompanhar os execelentes resultados do ATGM ucraniano e atualizar o nosso sistema com base nisso.

Last edited 11 dias atrás by Rodrigo G C Frizoni
Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Rodrigo G C Frizoni
11 dias atrás

Isso! Boa fonte de pesquisa…

Sgt Moreno

Rodrigo G C Frizoni
Rodrigo G C Frizoni
Reply to  Claudio Moreno
11 dias atrás

Vc usa qual? Spunit kk

RDX
RDX
Reply to  Rodrigo G C Frizoni
11 dias atrás

https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/8610/1/AC%20CAP%20CAV%20T%C3%9ALIO%20RIBEIRO%20DE%20ALMEIDA%20-%202020.pdf

Exato. Ogiva com carga oca simples, 530 mm de penetração, 52 kg e 2 km de alcance (algumas fontes citam 3km em condições favoráveis)

Portanto, trata-se de um ATGM incapaz de penetrar a blindagem frontal dos MBTs de última geração, pesado e com alcance limitado. Tais deficiências revelam a idade do projeto.

Bosco
Bosco
Reply to  RDX
11 dias atrás

Em favor do míssil nacional, num campo de batalha não há só MBTs.
Podemos muito bem termos esse míssil capaz de destruir 90% de tudo que há no campo de batalha combinado com o Spike e com um “drone” kamikaze com ogiva mais capaz, esses mais eficazes contra MBTs.

RDX
RDX
Reply to  Bosco
10 dias atrás

Concordo. O destino desse sistema é ser uma arma antimaterial intermediária entre o Carl Gustaf e o Spike. Penso no Spike com foco em MBTs… e no MSS 1.2 com foco em construções e blindados leves. Importante salientar que o Spike é muito caro para ser usado contra construções e outros alvos de baixo valor.

RDX
RDX
Reply to  RDX
10 dias atrás

Além disso, o ângulo de ataque do Spike talvez não seja adequado para tiros diretos contra construções. Aliás, essa deve ser a razão pela qual o TOW nunca foi completamente substituído pelo Javelin.

Mcruel
Mcruel
Reply to  RDX
11 dias atrás

O ótimo é inimigo do bom! Toca em frente o que temos agora… melhor que nada!

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  RDX
11 dias atrás

se ele destruir a largata do MBT já é ótimo

Bosco
Bosco
Reply to  Rodrigo G C Frizoni
11 dias atrás

Uma correção, Rodrigo. Vc citou os pesos dos mísseis Javelin e Milan juntos com o sistema completo de lançamento mas se equivocou em relação ao TOW.
O sistema completo de lançamento do TOW, junto com um missil carregado é de 100 kg, sendo obrigado seu transporte desmontado em 4 fardos por 4 infantes.

Last edited 11 dias atrás by Bosco Jr
rui mendes
rui mendes
Reply to  Rodrigo G C Frizoni
10 dias atrás

O Milan ADT-ER?
Isso é obsoleto.
O mellhor míssil da MBDA de dispara e olvida, é o MMP.

RDX
RDX
Reply to  rui mendes
10 dias atrás

Podemos citar 4 sistemas como congêneres do MSS 1.2 AC

Bill e Bill 2 (Suécia) – o Bill foi adquirido pelo CFN na década de 90
Milan 2, Milan 2T, Milan 3 e Milan ER (França) – O Milan 3 foi adquirido pelo EB no final da década de 90
Metis-M e Metis-M1 (Rússia)
RK-3 Corsar (Ucrânia)

Last edited 10 dias atrás by RDX
RDX
RDX
Reply to  RDX
10 dias atrás

E as últimas versões do AT-4 Spigot (9K111 Fagot) da era soviética

Last edited 10 dias atrás by RDX
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
11 dias atrás

Por um lado, fico feliz desse projeto finalmente estar andando, e espero que o EB faça a parte dele, em encomendar mais unidades e em injetar grana em seu P&D pra novas versões.

Por outro lado, é simplesmente inaceittável a demora e a obsolência desse projeto. Não há justificativa pra isso.

Last edited 11 dias atrás by Willber Rodrigues
Tutor
Tutor
10 dias atrás

Tem um lugar bom para testar esse negócio de verdade, mas, o Brasil não quer (e não pode) se envolver, né?

Last edited 10 dias atrás by Tutor
Talisson
Talisson
Reply to  Tutor
10 dias atrás

Serei a favor de nos metermos na Ucrania quando fizermos nossos proprios fertilizantes. Mas creio que os neolibeirais brasileiros querem uma coisa, mas não querem outra.

Rodrigo G C Frizoni
Rodrigo G C Frizoni
10 dias atrás

Outra coisa que torma esse sistema velho frente aos novos BMT é que sua ogiva é de carga oca simples, ou seja, se o blindado utilizar sitema ERA por exemplo vai ser desviado facilmente pelo tijolo explosivo da defesa. Esse simplema só vai prestar contra blindados leves

Renato
Renato
Reply to  Rodrigo G C Frizoni
7 dias atrás

Por outro lado, na América do Sul nenhum força armada opera ou tem perspectiva de operar MBT´s modernos. Sim, esse míssil está longe do estado da arte, mas atende ás necessidades de nosso teatro operacional.

Diego S
Diego S
10 dias atrás

Uma míssil menor transportado pelos drones… Alguém produz no mundo?

Antunes 1980
Antunes 1980
10 dias atrás

Estava assistindo um documentário sobre a Norinco. O crescimento em qualidade e tecnologia é impressionante.
Inadmissível não termos nenhuma parceria com essa gigante.
Agora ficar décadas em desenvolvimento de produtos que já nascem desatualizados é questionável.

Diego S
Diego S
Reply to  Antunes 1980
9 dias atrás

Poderiam fazer uma pergunta a um general chinês. O que usaria para destruir um tanque dos estados unidos ou Rússia? Quanto custa onde compram?

Heinz
Heinz
10 dias atrás

Creio que seja suficiente para fazer a torre dos T72 venezuelanos irem para a Lua.

Heinz
Heinz
Reply to  Heinz
9 dias atrás

verdade, acredito que um drone Fpv ou um AT4 dê conta.

adriano Madureira
adriano Madureira
10 dias atrás

Está a trinta anos avançando…

Mario Del Ferro
Mario Del Ferro
10 dias atrás

Comprem centenas de lançadores e milhares de mísseis. Produzir em massa… o básico feito aqui, é o começo para versões aprimoradas. É assim que se desenvolve uma indústria.

Bueno
Bueno
9 dias atrás

Otima noticia! estão ocorrente testes em breve teremos as entregas!

Ander
Ander
9 dias atrás

Muito bom, mas porque um míssil que remonta final da década de 80 ainda não está operacional em larga escala? Brasil está brincando com sua soberania, exército e fuzileiros já tinham que ter implantado centenas de pequenos Drones DJI em sua unidades de infantaria, FAB já deveria ter Drones armados e kamikazes, marinha com pequenas embarcações autônomas armadas e kamikazes. Parece que não enxerga a grande mudança nas batalhas.

Allan Balbi
Allan Balbi
Reply to  Ander
9 dias atrás

Rapaz, estamos esperando outra grande guerra para ganhar mais sucatas… é assim que vive o FB.

Lobo
Lobo
9 dias atrás

Só dando uma melhorada na ogiva já ficava bom. Será tão complicado assim fazer essa atualização?

Romão
Romão
9 dias atrás

Off-topic: O fardamento do Exército Brasileiro é bizarro.
Parece que estamos vendo uma foto da guerra portuguesa de ultramar.
Tá maluco…
comment image

Last edited 9 dias atrás by Romão
Nilton L Junior
Nilton L Junior
9 dias atrás

Pelo tamanho da criança vai ser bem fácil de carregar.

Roberto paim
Roberto paim
6 dias atrás

Esse exército é de brinquedo mesmo. Enquanto outros países já estão com armas tecnológicas poderosas o Brasil ainda testando arma anti tanque .