1. O ciclo econômico na América Latina nos últimos anos tem sido positivo. Uma oportunidade que está sendo perdida e atropelada pela crise política quase generalizada e pela insegurança jurídica crescente. Na Venezuela, a imprevisibilidade é total em função do câncer terminal do presidente Chávez, cujos prazos se encurtam. A semana passada começou com a denúncia de juízes de manipulação dos tribunais e terminou com o assassinato de um general muito próximo a Chávez, sugerindo a “antecipação” da sucessão em seu grupo.

2. Na Bolívia, Evo Morales, que era líder do sindicato dos cocaleiros e, que por sua imagem, iludiu os que o pensavam como líder indígena, enfrenta, sistematicamente, há um ano, protesto crescente dos quechuas e aymaras (60% da população) em relação a suas terras. No Equador, Rafael Correa reprime a imprensa e vai tornando seu governo cada vez mais autoritário. Enfrenta as denúncias de seu próprio irmão.

3. Na Nicarágua, a eleição que reelegeu Daniel Ortega foi considerada fraudulenta pelos observadores da União Europeia. No Panamá, o presidente e magnata Martinelli, um populista de direita, enfrenta ações por atropelar as leis e desconhecer o judiciário. Na Guatemala, o novo presidente, General (R) Perez Molina, disse que não há como combater o tráfico de drogas e que é melhor liberar o tráfico das 300 toneladas anuais que passam por seu país. Em Honduras, as ocupações de terra crescem, o tráfico de drogas se expande e a oposição avança sobre a debilidade do presidente Pepe Lobo. O presidente Fulnes, de El Salvador, credenciou emissário no presídio de segurança máxima e propôs aos chefes das gangues um acordo para reduzir os homicídios.

4. Na Argentina, o vice-presidente é acusado, de forma documentada, de corrupção por tráfico de influência. A presidente Cristina Kirchner desapropriou a Repsol da Espanha e inventou um conflito com o Reino Unido pelas Ilhas Malvinas. Enquanto isso, a economia desaba. No Brasil, após o afastamento de oito ministros por denúncias da imprensa, o Congresso é estilhaçado com grampos de denúncias de corrupção no esquema conhecido como Cachoeira-Delta, abre CPI e promete sangrar na carne. No México, os cartéis de drogas tornam-se operativos armados paralelos e seus sicários matam os que criam problemas.

5. No Paraguai, o senado decidiu destituir 7 ministros da Suprema Corte, apoiados em legislação existente. Os ministros vão recorrer à OEA e o presidente Lugo aguarda o desfecho.

6. Restam Uruguai, Colômbia, Chile e Peru. No Peru, o presidente Humala -mesmo enfrentando os problemas familiares- até aqui mostra-se sensato, e seu passado chavista ainda não deu sinais de aflorar. Enfrenta problemas com os indígenas por uma lei populista que fez no início do governo, dando poder de decisão a eles em investimentos em suas regiões, o que tem bloqueado bilhões de investimentos em mineração.

7. No Chile, com suas instituições estáveis, a crise é de popularidade do presidente Peneira que se enfrenta a constantes e massivos protestos dos estudantes. No Uruguai, o presidente Mujica (ex-dirigente Tupamaro) surpreendeu pela moderação. Recentemente despertou preocupação em relação à revisão da lei de anistia e ao apoio a Cristina Kirchner. Apenas a Colômbia de Eduardo Santos é um mar de tranquilidade, com seu presidente firme contra as FARC e de popularidade crescente.

8. A recente reunião da Cúpula das Américas na Colômbia mostrou o marasmo político continental. E faltou Cuba, mas nem precisava lembrar a natureza desse regime.

FONTE: Ex-Blog do Cesar Maia

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

2 Responses to “América Latina: a crise política se aprofunda” Subscribe

  1. hamadjr 23 de abril de 2012 at 15:01 #

    A crise na América Latina é histórica, o jornalista Eduardo Galeano já nos anos 80 tinha exposto a sua origem em As Veias Abertas da América Latina, as saídas segundo até onde tenho acompanhado passa por uma nova dinâmica de acomodação dos interesses tipo Dilma.

  2. giordani1974 23 de abril de 2012 at 18:01 #

    A América Latina e Central, saíram de ditaduras militares para ditaduras brancas.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

CRE reserva verbas para Sisfron, helicópteros e rede de postos no exterior

sisfron

Projetos definidos como prioritários para os Ministérios da Defesa e das Relações Exteriores vão receber R$ 819 milhões, conforme emendas […]

Governo não retaliará general que criticou relatório da CNV

general Sérgio Etchegoyen

O governo não vai tomar nenhuma atitude contra o general de Exército da ativa Sérgio Etchegoyen, chefe do Departamento Geral […]

Dilma destaca força da indústria da defesa em encontro com generais

Dilma discursando

Em almoço anual com oficiais-generais nesta terça-feira no Clube da Aeronáutica, a presidente Dilma Rousseff exaltou o papel das três […]

Poder Naval: lançamento do livro ‘Monitor Parnaíba – 75 anos’, no dia 19 de dezembro, em São Paulo

Livro Monitor Parnaíba - 75 anos -  Capas - WEB

A editora Aeronaval Comunicação, que produz a revista Forças de Defesa, está lançando a primeira edição do livro “Monitor Parnaíba […]

Rússia diz que reagirá caso EUA imponham novas sanções

pb121107russiaparade03p

A Rússia adotará contra-medidas se os Estados Unidos impuserem novas sanções contra Moscou por conta da crise na Ucrânia, disse […]

Brasil deve fechar em 2015 compra de bateria antiaérea russa por R$2,5bi

Pantsir S1 - imagem KBP

Militares brasileiros acompanharam testes em Moscou. Mísseis capazes de atingir alvo a 15 km seriam colocados em RJ, DF e […]