Home Armas Nucleares Análise – As relações da Rússia com os EUA estão em seu...

Análise – As relações da Rússia com os EUA estão em seu pior ponto desde a Guerra Fria?

1494
14

Por Karen Deyong – The Washington Post

Ainda pode estar longe das profundezas da Guerra Fria, mas o discurso do presidente russo Vladimir Putin do dia 1 de março, que descreve novas armas “invencíveis” para superar as defesas dos EUA, reduziu a temperatura já baixa da relação em vários graus.

Poucos especialistas de ambos os lados acreditam que as novas armas, supondo que elas realmente existam e sejam desdobradas, mudariam o equilíbrio de poder entre duas nações que já têm a capacidade de se destruir várias vezes.

Ao mesmo tempo, existe um amplo consenso de que os ataques retóricos, a diplomacia paralisada e a escalada militar que caracterizam cada vez mais as relações entre os EUA e a Rússia são contraproducentes para a segurança global.

“Dar a metade do tempo no discurso anual ao parlamento russo para uma descrição gráfica das capacidades das novas armas é uma medida de quão perto os EUA e a Rússia se moveram para a colisão militar”, disse Dmitri Trenin, chefe do Centro Carnegie Moscou, no Twitter. “Para o futuro previsível, parece que a agenda Rússia-EUA será limitada a apenas um item: a prevenção da guerra. Boa sorte para todos nós.”

A Rússia e os Estados Unidos têm muito a falar sobre temas como controle de armas, ciber-intrusões, Ucrânia, Síria e além. Mas não há respostas fáceis sobre como quebrar o que parece ser um deslizamento inexorável em um congelamento mais profundo e pouco otimismo de que o diálogo está prestes a surgir

“O nível de tensão é alto, mais alto agora do que era há vários meses, em parte porque os russos passaram da fase em que pensavam que com o presidente Donald Trump poderiam mudar o relacionamento em uma direção diferente”, disse Thomas Graham, diretor sênior para a Rússia na equipe do Conselho de Segurança Nacional de George W. Bush e agora diretor-gerente da Kissinger Associates Inc.

“Isso é qualitativamente pior do que qualquer período pós-Guerra Fria”, disse Graham.

Trump parece ser o único membro sênior de sua administração que ainda acredita em um descongelamento. Ele elogiou a honestidade e a franqueza de Putin depois de se encontrar com ele pessoalmente e lembrou suas próprias aspirações de campanha para laços mais próximos. Ele ainda não se opõe à interferência eleitoral que as agências de inteligência dos Estados Unidos confirmaram, em grande parte porque teme que isso prejudicasse sua própria legitimidade, de acordo com funcionários da administração.

Mas, como ele não conseguiu mover as relações adiante, “os russos basicamente vêem a administração Trump como uma causa perdida”, disse Andrew Weiss, que ocupou altos cargos políticos na Rússia durante as administrações de Bill Clinton e George W. Bush e agora é vice-presidente para estudos no Carnegie Endowment for International Peace.

“Por um lado, [a administração] está atolada nesta intensa crise política”, em parte sobre as alegações de laços da campanha de Trump com Moscou. “Por outro lado, tem esse nível óbvio de disfunção e incoerência. Trump está dizendo apenas coisas agradáveis ​​sobre a Rússia”, disse Weiss, enquanto “o gabinete de segurança nacional em torno dele tem visões bastante importantes da Rússia como um adversário”.

Autoridades de defesa dos EUA citaram constantemente a Rússia como a ameaça estratégica mais significativa para os Estados Unidos e a principal razão para construir o seu orçamento de defesa. O general John Hyten, que lidera o Comando Estratégico dos EUA, disse em um discurso que a Rússia representa “a única ameaça existencial para o país”.

O secretário de Estado Rex Tillerson disse que não haverá aquecimento das relações com a Rússia até que esta abandone a anexação da Crimea em 2014, algo que a Rússia prometeu nunca fazer. A administração inverteu uma proibição da era Obama contra o fornecimento de armas letais aos militares ucranianos. Na primeira implementação importante dessa decisão, notificou o Congresso dos planos de vender 210 mísseis antitanque para a Ucrânia.

Tillerson também tornou-se cada vez mais duro com a Rússia por não ter controlado os ataques brutais contra civis pelo governo do presidente Bashar Assad que apoia na Síria.

A Rússia não só está fornecendo cobertura aérea para o regime, mas também é “responsável” pelo uso de armas químicas por Assad, disse Tillerson em numerosas ocasiões. “Eles podem negar tudo o que querem, mas os fatos são fatos”, disse ele à Fox News no mês passado.
 
Tratado
 
Tanto os Estados Unidos quanto a Rússia já descreveram expansões de seus arsenais nucleares e ainda não está claro se o novo START, o principal tratado de redução de armas vigente entre os dois, permanecerá viável além da data de vencimento de 2021. Cada um também cobrou o outro sobre violações do Tratado sobre as Forças Nucleares Intermediárias (INF).
 
Como ambos aumentaram rapidamente seus orçamentos de defesa, “este é um momento em que deveria haver algumas conversas sérias sobre o controle de armas”, disse Steven Pifer, especialista sobre a Rússia durante 25 anos como oficial do Serviço de Relações Exteriores e agora membro sênior do Brookings Institution.
 
“O que eu me preocupo é, não tenho certeza de onde o impulso virá, Washington ou Moscou, para chegar a um diálogo sério de controle de armas”, disse Pifer. Deve haver “alguma coisa sensata” a ser feita para “encontrar uma maneira de salvar o INF e dar uma extensão rápida ao novo START”.
 
Apesar de suas críticas, tanto Tillerson quanto as autoridades de defesa destacaram a importância de encontrar um caminho para dialogar com Moscou. Esse não é o caso do Congresso, que aprovou de forma esmagadora legislação recente que dirige Trump para impor novas sanções à Rússia. Até agora, o presidente não tomou medidas.
 
A legislação e as restrições do Congresso criam ainda mais complicações para a administração, disse Weiss, porque “qualquer coisa que pareça um alívio para Putin chegaria morta ao Senado”.
 
“O problema que temos”, disse ele, “é que estamos entrando neste mundo, onde o quadro que usamos para gerenciar as relações EUA-Rússia está em condições conflitantes”, pois “ambos os lados estão envolvidos em atividades que fazem o outro muito nervoso”.
 
Duas datas são vistas como chave na expansão militar da Rússia que ampliou o alcance no cenário mundial. A retirada dos EUA em 2002 do Tratado de Mísseis Antibalísticos – seguida do desenvolvimento de defesas antimísseis mais sofisticadas – foi vista pela Rússia como uma forma de minar seu próprio arsenal nuclear estratégico. Doze anos depois, a ocupação e anexação da Rússia da Crimeia marcaram um passo importante no que é visto como a Rússia pós-União Soviética voltando ao seu lugar legítimo no cenário mundial.
 
A intervenção da Ucrânia foi rapidamente seguida pelo apoio militar da Rússia a Assad – movimento que diz era justificado pelo direito internacional para apoiar um governo soberano, ao contrário da intervenção militar não convidada contra o Estado Islâmico na Síria.
 
Os programas revelados no discurso de Putin “estiveram em desenvolvimento por um tempo”, disse Jeffrey Lewis, do Middlebury Institute, que também fundou o ArmsControlWonk.com, em um e-mail para o The Washington Post. “Todos eles são sobre derrotar as defesas de mísseis dos EUA”.
 
“Por um tempo”, o que significa “desde antes de Donald Trump se tornar presidente”. Enquanto Trump começou a falar, mesmo durante a transição presidencial sobre a expansão do arsenal nuclear dos EUA, escreveu Lewis, não foi por isso que Putin estava revelando os novos sistemas da Rússia.
 
“O tom da revisão da postura nuclear” – revelado oficialmente pelo governo Trump neste mês – “tornou mais fácil para Putin enquadrar esses programas como uma resposta às ações dos EUA, mas todos eles estão em andamento há anos”, escreveu Lewis. “Isso é mais sobre a decisão de Bush de se retirar do tratado ABM e o fracasso de Bush ou Obama em lidar com preocupações com a Rússia sobre a defesa de mísseis do que sobre a “Nuclear Posture Review”.
 
Nesse documento, Trump formalizou sua promessa do Estado da União de construir um arsenal nuclear “tão forte e poderoso que deterá qualquer ato de agressão”. A inclusão de Putin dos novos sistemas da Rússia em seu comunicado nacional serviu de refutação – mas era um anúncio independente da política de administração de Trump.
 
“Demorou algum tempo”, disse Lewis sobre a decisão de Bush de 2001, “mas finalmente conseguimos nossa corrida armamentista”.
 
Expansão Global
 
Uma nova análise do Carnegie Endowment resume uma “campanha ampla, sofisticada, dotada de recursos e … surpreendentemente eficaz” da Rússia “para expandir seu alcance global”, ao mesmo tempo que os Estados Unidos se retiraram do seu papel de liderança global.
 
Ela identifica quatro ferramentas utilizadas por Moscou, de acordo com seus objetivos e as oportunidades em diferentes regiões e países. Elas incluem medidas econômicas como alívio da dívida, resgates e investimentos, como está fazendo na Venezuela para sustentar o governo do presidente Nicolás Maduro.
 
Moscou também cultivou, promoveu e financiou a influência de figuras políticas amigáveis, particularmente entre líderes de direita como o primeiro-ministro Viktor Orban na Hungria. Em outras partes da Europa, como nos Estados Unidos, utilizou as redes sociais e as ciber-operações para atrapalhar sociedades e promover divisões.
 
Em quarto lugar, “aproveitou a instabilidade em todo o Oriente Médio e a retirada dos EUA para reconstruir laços com governos e regimes em toda a região”, disse a análise do Carnegie. Além da Síria, a Rússia também se tornou um jogador na Líbia – onde apoia o general Khalifa Hifter, um líder militar rebelde que compete pelo poder lá. A Rússia também busca agressivamente vendas de armas para alguns dos aliados mais próximos dos Estados Unidos da região.
 
Diante de uma série de problemas no relacionamento entre os EUA e a Rússia, alguns especialistas advertiram contra a reação exagerada a um discurso que eles diziam que era principalmente destinado a uma audiência nacional, antes das eleições presidenciais deste mês.
 
Embora sua vitória seja praticamente garantida, Putin busca a validação com uma participação maciça e maioria. Mas com uma economia estagnada, “ele não tem nada de sério para oferecer ao russo médio”, disse Pifer. “Então, o que ele faz? Ele exagera a ameaça americana.
 
Outros extraíram uma lição maior. “Se você não viveu a Guerra Fria, ela se parecia muito com o que estamos vivendo agora”, disse Joe Circincione, presidente do Ploughhares Fund, uma base de política de armas nucleares.
 
FONTE: Washington Post

14 COMMENTS

  1. Os EUA só querem continuar a promover a desestabilização do Oriente Médio e os russos são contra.

    A América Latina (Venezuela) não interessa mais aos americanos. Podem virar comunistas à vontade.

    O resto é puro blefe e guerra fria.

    • M. Silva,

      Ao contrário… A situação na América Latina é de total interesse dos Estados Unidos…

      Trata-se da preservação de uma importante zona a sua retaguarda. Se num súbito chineses e/ou russos ficam bota nesse hemisfério, isso irá de encontro direto a preservação da principal fonte de recursos materiais do Hemisfério Ocidental.

      Quanto a Oriente Médio, ninguém precisa empurrar pra aquilo lá desestabilizar… Já é instável por si só… A rigor, todos os olhos do Ocidente estão se voltando para o leste europeu e Extremo Oriente. É para este último lugar, aliás, que os EUA estão a deslocar o melhor de suas forças.

      O máximo que os EUA podem fazer com o Oriente a essa altura, é empanturrar de armas seus aliados e deixar que se resolvam. E estão fazendo isso…

      • “A rigor, todos os olhos do Ocidente estão se voltando para o leste europeu e Extremo Oriente. É para este último lugar, aliás, que os EUA estão a deslocar o melhor de suas forças.”

        Ao que me consta por algumas fontes, os EUA querem deslocar cerca de 60% de seus meios navais e aéreos para a região do Extremo Oriente e Leste Europeu.

        • Gilson Moura,

          A previsão é que até 2020, 60% das forças navais dos EUA sejam concentrados unicamente no Pacífico, com o restante distribuído entre Atlântico e o resto do globo.

          O USMC deverá proceder de forma similar. Aliás, o Pacífico seria “o ambiente” para os Marines.

          Já o US Army, a tendência seria manter concentradas consideráveis forças em solo pátrio, prontas para serem desdobradas ao menor sinal de problema.

          E a USAF provavelmente manterá o melhor de seu poderio concentrado no Alaska e Havaí, repartindo suas melhores unidades entre esses locais e a Alemanha, deixando o território continental com uma proporção maior da Guarda Nacional.

  2. “Doze anos depois, a ocupação e anexação da Rússia da Crimeia marcaram um passo importante no que é visto como a Rússia pós-União Soviética voltando ao seu lugar legítimo no cenário mundial.”

    kkkkkkkkkkkkkk

    “Em outras partes da Europa, como nos Estados Unidos, utilizou as redes sociais e as ciber-operações para atrapalhar sociedades e promover divisões.”

    Olha, os russos usam a mesma tática dos imperialistas americanos, como é que falam mesmo os russófilos: “dividir para conquistar”?

  3. Enquanto os Russos quiserem mudar a ordem mundial que é Liberal e ditada pelo mundo livre, ocidente vai ser reativo e proativo contra a Russia, se o Putin não quiser guerra que não tente mudar as relações mundiais e se abra para o ocidente e sejam aliados. Simples assim!

  4. O verdadeiro inimigo de todos está na China, e os russos estão se isolando. A guerra se trava em várias frentes, não necessariamente militares e a administração Putin esta colocando a Russia em uma posição ruim. Vai colher os frutos em breve. Os americanos eram previsíveis e com eles conviveram mais de 40 anos em guerra fria. Os chineses são traíras.

    • Colombelli,
      .
      Já escrevemos isso tantas vezes ao longo da última década – eu e você – que parece um disco arranhado.
      .
      Moscou só tem olhos para a Europa, que no passado foi o centro do mundo. Mas nova frente está na Ásia, bem nos contrafortes esquecidos da Rússia, por onde os chineses vão construir a nova ‘Rota da Seda’, sem falar da infiltração maciça (aos milhões) no extremo leste russo por imigrantes ilegais.
      .
      Quando os russos se voltarem para o Oriente, este estará ocupado pelos chineses.
      .
      Abraço,
      Ivan Ivanovich.

  5. Os EUA inventaram todos esses terroristas que estão no Oriente Médio tentando levar a Demoniocracia e depois querem dar uma de mocinhos e transformam os Russos em novos malvados (alemães).
    ————————————————————————————————————-
    O fato é que os Âmis estão por traz dessa Globalização, mundo sem fronteira, sem culturas, civilizações misturadas sem identidades, usam a mídia a favor de temas totalmente hedonista e destroem o Cristianismo.
    ——————————————————————————————————

    Somente o Putin e a Russia podem salvar o mundo verdadeiro que é a civilização Grego – Romana.
    ——————————————————————————————————-
    Não como fazer uma guerra contra a China sabendo que os Âmis estão cercando a fronteira Russa e se preparando para uma guerra contra a Russia.

    Pobre mundo.

  6. Soldat, eles cercaram e de forma bem pior por 40 anos e não deu nada. Dos EUA e OTAN se sabe o que esperar. Nunca fizeram nada efetivo contra a URSS ou a Russia.
    Dos chineses não se sabe o que vem. Eles serão discretos, traiçoeiros ( como de costume) e a fonte de recursos mais próxima que eles tem é a Russia. Eles estão desesperados. Putin esta se isolando e se colocando sozinho contra eles. Isso não é inteligente.

    E pra meditar: se os EUA refugam a Europa, porque não investir nela? Por que não investir em uma aliança da Russia com a Europa? Os russos so teriam a ganhar com isso. Mas é preciso parar com este discurso besta de enfrentamento para consumo interno. Isso so engana os incautos. A Russia tem mais em comum com a Europa do que se pode imaginar. Agora é a oportunidade ( pra quem sabe enxergar). As vezes se morde…. as vezes se assopra ( com melhor resultado)

  7. Colombelli
    O grande problema é que a Europa só aceita aliados que agem da mesma forma que ela em quase todas as áreas, inclusive em receber refugiados , ou pior, aceitar a propaganda globalista e a atuação de ONGs que só serve para destruir a cultura de um país.
    Se for para a Rússia se aliar a Europa e começar a enteada de milhares de refugiados , começar a fazer leis progressistas para dar maia direitos as “minorias” etc, é melhor que a Rússia fique isolada mesmo.
    Fora que a Rússia teria que abrir mao da aliança com o Regime Sírio, e dar lugar aos terroristas, teria que devolver a Criméia o que iria enfraquecer muito Putin, o povo da Rússia não iria mais querer saber de Putin pois acharia ele fraco.
    No momento a Rússia não pode ceder ao Ocidente .

  8. colombelli..
    Sábios comentários são os seus… A Rússia nunca foi nossa inimiga ,o problema e a cisma que a Rússia tem do ocidente, mas não podemos julga lá, quantas vezes o Ocidente (paises da Europa) invadiu a Rússia ? Na ultima foi um genocídio ,mais de 24 milhões de pessoas mortas , eles não confiam no Ocidente ,mas eles também sabe que Chineses não são amigos ,e estes não são amigos de ninguém mesmo ..muitos dizem “é a Rússia só apóia ditadura” gente a Rússia e pobre ela não tem muita coisa para dar em troca ,todos que os EUA por causa da $$ , investimento econômico crescimento etc..Ai o que sobra para a coitada da Rússia ?? Só refugo Venezuela, Irã, Cuba etc…não que ela queira relacionar só com estes paises , mas é o que sobra , devido a cisma que a Rússia tem ,o Ocidente tem preconceito dela, e isso está entrando em nossas cabeças… A Rússia é um país cristão ,conservador e que valoriza a Familia …Não e este mal todo não..
    Está briguinha da Ucrânia com a Rússia é como Marido com ex mulher ..E a culpada disso tudo e a URSS , Nikita pegou a Criméia da Rússia em 1954 e deu para a Ucrânia sem nenhuma consulta, Stalin pegou a Região Sudoeste em 39/45 e anexou a Ucrânia, Lenin pegou o leste e anexou a Ucrânia em 1922 …E todas estas regiões tinha maioria Russa ,por que era território Russo, a URSS prejudicou mais a Rússia que qualquer outro país , sem contar que quando ela acabou a Rússia ficou com as dividas…

  9. Leo, a Russia modula até onde quer ir. Não precisa aderir a onda do politicamente correto da Europa. Não creio que refugiados queiram ir pra Russia. No mais, é uma questões de custo benefício ver o que ao poio a Assad traz de positivo. Eu acho que nada é pior que os chineses, estes sim podem ir se infiltrando nas fronteiras russas e comendo por fora. A guerra não é com meios militares.
    Se isolando do acidente ele fica fraco contra seu real inimigo. Este é o que importa. Inimigo de todos nós aliás.
    E os EUA deveriam lembrar que a Russia é o melhor aliado contra a China. O inimigo do meu inimigo é meu amigo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here