Home Asas Rotativas Z-9W, o Pantera chinês

Z-9W, o Pantera chinês

1116
42

A Harbin Aircraft Corporation (HAMC) começou a desenvolver uma variante de ataque do seu helicóptero utilitário Z-9 (cópia licenciada do Eurocopter AS 365N Dauphin II) em meados da década de 1980. O protótipo foi destinado ao papel anti-blindados, transportando uma unidade óptica no alto da cabine e quatro mísseis guiados anti-carro HJ-8 (ATGM), em ambos os lados da fuselagem.

Esta variante voou em 1987 e fez o primeiro teste de disparo de míssil em 1989. A produção desta variante começou no início da década de 1990, que incorporou uma variada gama de armamentos, incluindo canhões de 23mm, metralhadoras de 12,7 milímetros, casulos de foguetes de 57/90mm, e mísseis IR ar-ar TY-90.

Foram produzidos de 30 a 40 helicópteros de ataque Z-9W  para o Exército de Libertação do Povo da China, em meados da década de 1990.

Em 2005, foi apresentado o novo Z-9WA ” Variante de Ataque Noturno”, caracterizado por um sistema eletro-óptico instalado sob o nariz, desenvolvido pela Luoyang Electro-Optics Technology Development Center (EOTDC). O sistema inclui uma TV de luz-baixa e um buscador/rastreador infravermelho, que permitem ao helicóptero realizar missões de combate em qualquer tempo.

Outras melhorias incluem a capacidade de transportar oito mísseis ATGM, suíte de guerra eletrônica para auto-defesa, nova cabine com displays multifunção, e motores mais potentes Turbomeca ARRIEL 2C.

42
Deixe um comentário

avatar
42 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
22 Comment authors
Harbin Zhi-9 (Z-9)RaimundoMauricio R.BoscoKönig Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
sgt. York
Visitante
sgt. York

E o nosso Exército com esses Panteras desarmados.

RL
Visitante
RL

Será que poderiamos modernizar nossos Panteras com esses equipamentos de modo a elevar os esquadrões de aviação do EB a um patamar mais elevado? Ou os Panteras são de uso exclusivo para movimentação ligeira da tropa?

Alfredo_Araujo
Visitante
Alfredo_Araujo

Exatamente, sao helicopteros de movimentação ligeira…

RL
Visitante
RL

E se modernizarmos então os esquilos com tecnologia mais avançada e armamentos mais modernos para que operem junto com os MI-35 aumentando a capacidade de ataque e escolta aproximada em operações onde os Pantera e futuros Cougar´s executassem tarefas de desembarque de tropas.

Poderiamos aproveitar as unidades existentes dos Esquilos e aplicar alguma tecnologia desenvolvida pelas empresas Brasileiras, como Atech, Aeroeletronica, Mactron ou mesmo a Avibrás.

Algumas tecnologias de navegação poderiam também serem aplicadas nos Panteras, para melhorar suas capacidades em operações adversas.

alerred
Visitante
alerred

No recente aniversário de 30 anos da HELIBRÁS, foram divulgadas algumas fotos do Pantera equipado com suportes laterais e casulos com lançadores de foguetes e metralhadora .50. Possível é ao Exército Brasileiro modernizar os Panteras e Esquilos restantes, equipando-os com motores mais potentes, miras/telêmetros sob o teto da cabine e lançadores de mísseis, foguetes, canhões e metralhadoras. o governo brasileiro tem como estabelecer parcerias com Israel e África do Sul para este tipo de empreendimento.

Tiago Jeronimo
Visitante
Tiago Jeronimo

Ta aê esses eu apoiaria comprarmos e/ou fabricarmos.

Vassily Zaitsev
Visitante
Vassily Zaitsev

Já que o EB não tem helis de ataque, seria muito bem vinda uma modernização dos cerca de 36 Panteras do acervo e equipa-los com IR, designadores Laser, mísseis anti-tanque e foguetes.

Fábio Max
Visitante

A suposta aquisição de MI35 não é para criar uma força de ataque na EB?

OU serão da FAB?

Direto do Centro da Terra
Visitante
Direto do Centro da Terra

FAB

camberiu
Visitante
camberiu

OFF TOPIC.

Sobre a enquete do melhor tanque do mundo postada nesse site, achei interessante a ausencia do Type-90 e do Type-10 Japoneses. O TYPE-10 e’ considerado pela US ARMY entreo os 5 melhores tanques do mundo e em termos de eletronica, o mais sofisticado. O TYPE-10 e’ o mais novo tanque japones e e’ ainda mais sofisticado que o TYPE-90. Segue um video no novissimo TYPE-10 e do TYPE-90.

http://www.youtube.com/watch?v=TLnjfYKhcU4

http://www.youtube.com/watch?v=jhuak46avnc&feature=related

Alfredo_Araujo
Visitante
Alfredo_Araujo

Serao da FAB os Mi-35…
Até pq a concorrencia para o helicoptero de ataque era da FAB..

cesar
Visitante
cesar

licença p/ uma “viagem”.pergunta aos engº de plantão.
será q ñ dá p/ pegar o pantera, aproveitar sua motorização, substituir a fuselagem por uma biplace em tandem e transformá-lo em um heli de ataque leve/observação?

McNamara
Visitante

Prezado Vassily, 36 foi um dia a dotação. Hoje são 32, e nem todos estão operacionais assim.
Helicóptero não é “Transformer”. Isso custa bastante em pesquisa e desenvolvimento.

Baschera
Visitante
Baschera

Custa mais barato comprar um novo…
Sds.

Cinquini
Visitante
Cinquini

cesar, possível é, visto que isso foi feito com o UH para transformar em Cobra, mas, como o Baschera disse sai mais barato comprar um novo!
Abração

FELICIO
Visitante
FELICIO

Sai mais barato sempre. Mas sempre estaremos atrás dos outros, comprando segunda classe. Não desenvolvendo nada.

marcos
Visitante
marcos

desenvolvimento de tecnologia seria no caso fabricar e naum somente modificar!!!
sds

Raimundo
Visitante
Raimundo

Realmente, Sr. Cinquini, como o Sr. mesmo escreveu, se transformaram o UH-1 em Cobra, acho que é plenamente possível transformar o Pantera do EB em uma lagartixa! Seria uma “camuflagem” perfeita, acima de qualquer suspeita! Assim, o elemento surpresa seria bem explorado num possível ataque com helicópteros Pantera!

Raimundo
Visitante
Raimundo

Sr. “Vassily Zaitsev”,

realmente, não há mais 36 helicópteros Pantera em uso no EB. Parece que 4 foram perdidos em treinamentos:
2 sofreram um acidente chocante (colidiram com redes de alta tensão de eletricidade)
e parece que 2 se acidentaram durante treinamento numa modalidade de vôo ultra baixo conhecido tecnicamente como “Vôo Topeira” ou “Vôo Subterrâneo”!

Vassily Zaitsev
Visitante
Vassily Zaitsev

Saindo do assunto e entrando na enquete: voto no M-1 Abrans por causa do seu currículun. Nas duas guerras do golfo, foi um verdadeiro “cavalo de batalha”, destroçando à grandes distâncias T-55/72 quase sem baixas em todo o percurso dos confrontos. O Challenger tb se saiu muito bem. O Leopard-2 realmente parece ser fantástico, mas ja foi testado em combate? já alguma vez recebeu um impacto de obus/míssil anti-tanque na sua couraça e, mesmo assim sobreviveu? Já vi um teste de resistencia do M-1 e fiquei impressionado: recebeu nada mais que um JAVELIN no teto e mesmo assim não teve… Read more »

Raimundo
Visitante
Raimundo

Sr. “Vassily Zaitsev”, o fato de um projétil não penetrar na couraça do tanque ou na torre do mesmo não significa que necessariamente não tenha causado nenhum dano ao tanque ou não tenha ferido os tripulantes dentro do tanque, pois existe um tipo de munição usada amplamente por vários exércitos no mundo (não sei se o Exército Brasileiro usa tal tipo de munição) chamada granada HESH: essa munição lançada de tubo não penetra na couraça, mas, ao atingí-la , provoca o estilhaçamento da parede interna da estrutura do tanque e tais estilhaços podem ferir ou até mesmo matar os tripulantes… Read more »

Marine
Visitante
Marine

Concordo com o Vassily,

O Abrams e mais do que provado em combate com baixas minimas! Ele causo tremedeira nas pernas do inimigo…rsrsrsrs

RoLoUcO
Visitante
RoLoUcO

a uns dias atrás, vi um programa chamado armas do futuro na tv por assinatura, que mostrava o merkava israelense, e me deixou muito impressionado!!voto nele!!

König
Visitante
König

Vassily em contrapartida teve um bom numero de Abrams postos fora de combate por RPG-7.

Alfredo_Araujo
Visitante
Alfredo_Araujo

Estava lendo um artigo onde o escritor salientava o numero de Abrans postos fora de combate no iraque e conparava com o numero de Chalengers na mesma situação… e o resultado foi q nenhum chalenger foi posto fora de combate… mesmo os minados voltavam em poucos dias!

Bosco
Visitante
Bosco

Ser posto fora de combate implica em muitas variáveis. Se o sistema optrônico de observação e pontaria do tanque ou se sua esteira forem destruídos o tanque ficar literalmente fora de combate. Isto não implica em baixas na tripulação e nem em danos irremediáveis ao tanque. Ou seja, não importa qual tanque seja, todos estão sujeitos a terem seus “sensores” destruidos ou deteriorados e sua mobilidade comprometida, já que esteira é tudo igual, e não compartilha as características da blindagem exclusiva para cada modelo de tanque. Existem estudos no sentido de colocarem um tanque fora de combate usando técnicas “soft… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Raimundo, o conceito HESH não tem sido muito empregado contra a “nova” blindagem “Cobham” que é composta de múltiplas camadas espaçadas de materiais diferentes (compostos, cerâmicos, metais, etc). O HESH e o HEAT são pouco efetivos contra a blindagem Cobham, e menos efetivos contra placas de blindagem espaçada adicional, blindagem “reativa”, blindagem “gaiola”, etc. Para tanto é necessário um sistema duplo Heat em tandem com explosão seqüencial para melhorar o efeito. Apenas as munições cinéticas mostram terem resultados mais previsíveis contra as blindagens dos MBTs modernos e sem dúvidas todos apresentam vulnerabilidades oriundas de “falha” ou e de “soluções de… Read more »

Marine
Visitante
Marine

Bosco,

Mais uma vez vc esta absolutamente certo e explicou muito bem, principalmente o que e considerado “out of action”.

Olha, nao tem tanque no mundo que aguente IED com tres 155mm enterradas no chao e os poucos RPGs que consiguiram fazer algo forma tiros de sorte, ate porque meu proprio Humvee ja levou RPG e ainda estou aqui sem um arranhao, rrsrsrsrs. Essas comparacoes sao todas relativas, mais uma vez perdemos tempo comparando ficha tecnicas de equipamentos, muitos deles sem a menor experiencia de combate…

Sds!

König
Visitante
König

Marine mas tem sido noticiado que a resistencia usa outras ogivas nos RPG7 que são muito mais capazes que as originais isso não seria o motivo das perdas?
Se formos levar em conta que o RPG7 original havia sido feito para no maximo enfrentar os M48,M47,Centurion e etc.
Saudações

Marine
Visitante
Marine

Konig, Existem outras ogivas que sao mais eficazes do que a “standard” sim e claro existem casos em que danificaram Abrams mas esse casos sao pouquissimos e geralmente sao “mobility kills” ou danos ao equipamento optico do tanque e nao penetracao do veiculo. O temido RPG-29 e raramente encontrado em uso no Oriente Medio e pra te falar a verdade as noticias que temos nesse sentido nao da pra confiar pq esse tipo de informacao e guardado com grande segredo pelos Exercitos Ocidentais e exagerados como propaganda pelo outro lado (Hezzbolah e Al-Qaeda). Pra resumir, desconheco de tripulacao de tanques… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Um grande problema das operações urbanas em relação ao uso dos tanques é que o inimigo pode atacar de todos os lados. Os MBTs foram a princípio projetados para uma guerra clássica em que o inimigo está de frente. Daí a blindagem do tanque ser maior na parte frontal do tanque e menor (as vezes inexistente) na parte de trás, expondo o motor a um maior nível de dano. Mas mesmo se for atingido na parte de trás em geral o tanque pode ter seu motor destruído mas a destruição não chega à “célula de sobrevivência” interna, poupando a tripulação,… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Na verdade explosões maciças (ou macivas como preferem uns) nas proximidades, como as produzidas pelas IEDs e pelas bombas de lançamento aéreo, funcionam como a ogiva HESH citada pelo Raimundo, não penetrando efetivamente na blindagem do tanque, mas fazendo com que o interior do mesmo seja estilhaçado danificando o equipamento e matando os tripulantes.
Um abraço.

Bosco
Visitante
Bosco

Tentei achar a foto de um Merkava com uma RCWS cobrindo o arco traseiro em vão. Posso ter sido traído pela minha memória. Até que ache (se achar) desconsiderem esta configuração para o tanque israelense que eu citei.
Um abraço.

König
Visitante
König

Temum um video no Orkut que mostra um M1 passando sobre uma IED ele simplesmente o tira do chão imaginem quanto explosivo não foi necessario para isso e a parte de baixo de um MBT tambem é um ponto fraco na blindagem.
saudações

König
Visitante
König

*No lugar de orkut queria dizer Youtube

Marine
Visitante
Marine

Bosco e Konig,

Os dois estao certissimos, o que te mantem vivo e a combinacao de blindagem com boas e sensatas TTPs mas o mais importante e ser agressivo e nao ficar escondendo atras de blindagem…

Detonacoes na “barriga” do tanque ou mesmo humvees sao as mais assustadoras hoje, sendo impossivel de se proteger tudo.

Sds.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Xí, falar que RPG-7 tirou M-1 de combate é conversa de pescador!!!
Blindagem espaçada e blindagem reativa não são a mesma coisa que blindagem de RHA!!!
E projéteis quimicos HEAT ou HESH, não voam nem perto da velocidade de um APFSDS-T.
Prosaicamente um Oerlikon 25mm ou uns tirinhos do GAU-8A 30mm do A-10, ah isto sim já produzui M-1 em chamas e fora de combate e no caso da munição do canhão GAU, tripulantes sobreviventes c/ cancer linfático.
Então p/ M-1 e Merkava, toda essa tralha soviética/russa de armamento antí-tanque, é biribinha de São João.

Cinquini
Visitante
Cinquini

Raimundo, respondi sobre a viabilidade técnica, não se isso é viável, ok?

Abração

Raimundo
Visitante
Raimundo

Sr. Alfredo_Araujo, o fato de o tanque inglês Challenger 2 se sair melhor em combate do que o M1 Abrams norte-americano já era obviamente esperado. Os ingleses desde a década de 1960 adotaram a doutrina de produzir tanque MBT muito pesados, por adotarem uma blindagem maciça e espessa, veja a sequência: MBT Coqueror, MBT Chieftan e Challenger 2 – cada um mais pesado do que o outro (todos esses tanques eram mais pesados do que os outros tanques de sua época). O Challenger 2 chega a ser quase 8 toneladas mais pesado do que o M1 Abrams, o M-60 e… Read more »

Raimundo
Visitante
Raimundo

Voltando ao tema do post: Os nossos vizinhos austrais estão em vias de adquirir uma versão “made in China” do helicóptero francês Esquilo. Parece que o único contratempo a ser superado pelos argentinos para finalizar essa negociação que foi divulgada pela imprensa há alguns meses é justamente o fato de a própria Eurocopter e a Helibrás não terem dado garantias aos argentinos quanto à qualidade da turbina usada na versão chinesa, afirmando inclusive que não realizariam nenhum tipo de manutenção (principalmnete nas turbinas) nestas aeronaves. Assim, os argentinos vão comprar uma versão chinesa (de qualidade duvidosa) de um helicóptero francês,… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Raimundo,
bem lembrado que foi na década de 80 (pra mim tinha sido até antes). Por isto é que a minha “nova” também está entre “aspas”.
Um abraço!

trackback

[…] fabrica uma versão naval do AS 365N Dauphin II sob licença, conhecido como Z-9C, variante da versão terrestre. O Z-9C opera embarcado nas Type 052 (”Luhu”), Type 051B (”Luhai”), and Type 053H2G/H3 […]