quarta-feira, outubro 20, 2021

Saab RBS 70NG

Conselho de Segurança da ONU aprova quarta rodada de sanções contra o Irã

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Medidas receberam 12 votos a favor e apenas três contra

vinheta-clipping-forteNOVA YORK – O Conselho de Segurança da Organização das das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta quarta-feira, 9, uma nova resolução que impõe sanções ao Irã por conta do controvertido programa nuclear deste país.

“O Conselho assumiu suas responsabilidades. Agora o Irã deve escolher um caminho mais sábio”, disse a representante americana no Conselho, Susan Rice. Os EUA foram o país que mais pressionou pela aplicação da resolução no Conselho.

O pacote de sanções aprovado pelo Conselho é o quarto aplicado contra o Irã. As medidas são uma resposta do órgão à resistência da República Islâmica em paralisar seu programa nuclear e à falta de cooperação do país com as investigações da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

A nova resolução prevê restrições contra a Guarda Revolucionária do Irã, o sistema de mísseis do país e o congelamento de investimentos ligados ao enriquecimento de urânio. Todos os carregamentos de exportação com o Irã como destino também serão submetidos a uma fiscalização mais rigorosa.

Votos

Dos 15 membros do órgão, 12 votaram a favor das medidas. Apenas Brasil, Turquia e Líbano deram pareceres contra a resolução. Nenhum dos membros permanentes do Conselho – Rússia, China, EUA, França e Reino Unido – votou contra.

Os embaixadores do Brasil e da Turquia no Conselho de Segurança pediram que o órgão votasse contra as sanções ao Irã, mas os esforços foram em vão. A embaixadora brasileira, Maria Luiza Ribeiro Viotti, disse aos outros membros que o Brasil “não vê as sanções como uma meio efetivo” no caso do Irã.

A votação estava marcada para às 11 horas, mas foi atrasada porque Brasil e Turquia procuram saber de instruções de suas capitais sobre seus votos. Os dois países, junto do Líbano, deixaram claro que dificilmente apoiariam a rodada de sanções contra Teerã.

O Líbano indicou aos seus companheiro de conselho que iria provavelmente se abster pelo fato de que o grupo militante libanês apoiado pelo Irã, Hezbollah, está em seu governo, disseram diplomatas. Brasil e Turquia, entretanto, podem se abster ou votar contra a resolução, eles acrescentaram.

Ancara e Brasília disseram que um acordo de troca nuclear que eles obtiveram no Irã no mês passado fez com quem futuras sanções contra a República Islâmica do Irã fossem desnecessárias. As sanções eram pretendidas pelas potências nucleares pelos temores de que o Irã enriqueça urânio para produzir armas atômicas. Teerã, porém, nega tais alegações e afirma que mantém o programa nuclear apenas para fins civis.

Potências dizem que sanções da ONU contra o Irã foram ‘necessárias’, mas afirmam que estão abertos ao diálogo com a República Islâmica

Os países que negociaram as sanções aprovadas nesta quarta-feira, 9, pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) disseram que as medidas foram necessárias para responder à relutância do Irã em abandonar seu controvertido programa nuclear.

O governo dos EUA, o principal agente por trás da aprovação das sanções, anunciou que ainda está aberto ao diálogo com o Irã. “Os EUA permanecem abertos para negociar, mas o Irã deve assumir suas obrigações e demonstrar claramente à comunidade internacional a natureza de seu programa nuclear”, informa um comunicado da Casa Branca.

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que as sanções enviam uma “mensagem inequívoca” ao Irã. “Reconhecemos os direitos do Irã, mas esses direitos requerem responsabilidades”, disse o presidente americano.

Rússia

O embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, afirmou que as sanções foram uma “medida forçada, cuja implementação envolveu uma cuidadosa e proporcional aproximação”. A Rússia, que por muito tempo se opôs à aplicação da resolução, considerou que ela foi “necessária” para garantir a estabilidade da ordem mundial.

Churkin ainda citou a futura usina nuclear russa em Bushehr, no Irã, como uma prova de que Moscou apoia o direito de a República Islâmica ter acesso á energia nuclear para fins pacíficos.

França

A França, que junto dos EUA e do Reino Unido lutou para que as sanções fossem aprovadas o quanto antes, afirmou que “as portas para diálogo com o Irã continuam abertas”. “Esperamos que o Irã finalmente escolha a cooperação”, diz um comunicado divulgado pela chancelaria de Paris momentos depois da votação no Conselho de Segurança.

Reino Unido

O ministro de Relações Exteriores britânico, William Hague, considerou as sanções como “um passo muito significativo”. “A decisão mostra a determinação da comunidade internacional sobre a questão. Mostra também que a tática iraniana de não querer negociar sobre a totalidade de seu programa nuclear não vai funcionar”, disse o chanceler.

China

A China, outro país que se manteve contrário à resolução por muito tempo devido à proximidade e boas relações que mantêm com o Irã, pediu que todos os países sejam condizentes com as medidas. “A China pede que todos os membros da comunidade internacional que implementem a resolução compreensivelmente e de boa fé”, disse Li Baodong, embaixador chinês no Conselho.

Li, porém, disse que as sanções não impedem o diálogo do Irã com o mundo continuar. “É imperativo retornarmos ao caminho do diálogo e das negociações”, disse o chinês, acrescentando que o objetivo da resolução é justamente “trazer a República Islâmica de volta às conversas”.

Alemanha

A Alemanha, que se uniu aos membros permanentes do Conselho de Segurança para negociar as sanções, disse que as medidas são uma “clara e equilibrada resposta à persistência negativa” do Irã em esclarecer as dúvidas de seu programa nuclear para a comunidade internacional.

“O Irã desobedece há dois anos as demandas do Conselho de Segurança e da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). A resolução deixa claro às autoridades iranianas que esta atitude contra o direito internacional tem seu preço”, afirmou o ministro de Exteriores alemão, Guido Westerwelle.

União Europeia

A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, afirmou que o órgão também está aberto para dialogar com o Irã a respeito do seu programa de enriquecimento de urânio. “O objetivo de nossos esforços é chegar a um estabelecimento compreensivo de longo prazo que restaure a confiança da comunidade internacional sobre a natureza pacífica do programa nuclear iraniano”, disse.

As sanções eram pretendidas pelas potências nucleares pelos temores de que o Irã enriqueça urânio para produzir armas atômicas. Teerã, porém, nega tais alegações e afirma que mantém o programa nuclear apenas para fins civis.

FONTE: Estadão (com informações das agências Efe, AP e Reuters)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

5 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader
11 anos atrás

Bem, assistimos ao naufrágio da mais recente palhaçada da diplomacia da República Bolivariana do Brasil. 12 X 2(1)! Em termos futebolísticos seria uma goleada! Enfim, tudo o que a ópera bufa do Sr. Lula da Silva, CA e MAG conseguiu foi unir em torno do tema, em tempo recorde, potências tão díspares quanto EUA, Federação Russa e República Popular da China. Logrou êxito assim a diplomacia do Itamaralívia em conseguir dobrar a resistência de Rússia e China em aplicar sanções ao Irão em um tempo recorde: havia SEIS MESES que tais potências se recusavam sistematicamente a votar no CS da… Read more »

Rogério
Rogério
11 anos atrás

Palhaçada do Itamaraty, nem o Líbano votou a favor.

Cadê os “Geopolíticos de plantão”, que diziam que a China e Rússia seriam contra.

[]s

Vader
11 anos atrás

Hahahaha, caro Giap, vamos enxergar a realidade como ela é, e não como gostaríamos que fosse? Só um pouquinho? Então vamos lá: Quem foi que disse para você que Rússia e China (duas ditaduras, uma delas comuna) acreditam na “paz, justiça e igualdade entre os povos”????? Parceiro, caia na real: os governantes de tais países, aliás como quase TODOS os governantes de todos os países do mundo perseguem em primeiro lugar seu próprio bem estar; em segundo, se possível, o de seus povos. Você jura que esperava “paz, justiça e igualdade entre os povos” justamente destes países? Exatamente do Neo-czarismo… Read more »

Rogério
Rogério
11 anos atrás

“Rússia e China desapontaram todos no mundo que acreditam na paz, na justiça e na igualdade entre os povos.”

Quem sabe né? Talvez eles tenham dado uma chance à paz, uma vez que o prosseguimento do programa nuclear iraniano é inaceitável p/ Israel, que não se furtara do direito de atacá-los por isso, então pressioná-lo pela diplomacia é uma forma de poupá-los de um ataque israelense.

Parabéns a Rússia e a China, e que o Itamaraty nunca mais faça a BURRADA que fez, pois foi vergonhoso.

Vader
11 anos atrás

Hehehe, acabo de ler que fontes diplomáticas turcas deram conta de que por muito pouco o Bralívia não ficou sozinho contra as sanções do CS da ONU: o embaixador turco chegou à ONU com ordens de se abster da votação (como o Líbano), sendo que na última hora, telefonema desesperado do Itamaralívia fez com que Ancara mudasse (por pena?) sua determinação ao seu corpo diplomático.

Já pensaram? 🙂

Isso é que é ser “respeitado” no cenário internacional né?

Isso é que é ser “ouvido” né?

Últimas Notícias

Colin Powell, líder militar e primeiro secretário de Estado negro dos EUA, morre após complicações da Covid-19

(CNN) – Colin Powell, o primeiro secretário de estado negro dos EUA cuja liderança em várias administrações republicanas ajudou...
- Advertisement -
- Advertisement -