segunda-feira, março 1, 2021

Saab RBS 70NG

WikiLeaks: EUA temiam que mísseis russos vendidos à Venezuela chegassem às Farc

Destaques

EUA e aliados constroem cadeia de suprimentos de tecnologia ‘livre da China’

Biden assinará ordem presidencial para reforçar as indústrias de chips, baterias e terras raras WASHINGTON/TAIPEI – O presidente dos EUA,...

Uma Força Terrestre à altura dos desafios atuais

General de Exército José Luiz Dias Freitas A dinâmica das relações internacionais e das interações sociais, neste primeiro quartil do...

Tropa paraquedista retorna ao Brasil após exercício nos EUA

Rio de Janeiro (RJ) – No dia 22 de fevereiro, foi realizada no Campo do 26º Batalhão de Infantaria...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Os EUA expressaram à Rússia sua preocupação com a venda para a Venezuela de cerca de cem mísseis antiaéreos de manejo individual, temendo que eles caíssem nas mãos de membros da guerrilha colombiana Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), segundo telegramas diplomáticos americanos obtidos pelo WikiLeaks.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, ordenou a suas embaixadas em Moscou e Caracas que obtivessem informações sobre a negociação de armamentos entre Rússia e Venezuela, segundo um telegrama confidencial emitido pelo Departamento de Estado em fevereiro de 2009 e publicado pelo jornal espanhol “El País” nesta quarta-feira.

Washington se mostrou especialmente preocupado porque os “vínculos da Venezuela com as Farc representam um sério risco de proliferação e desvio” desses armamentos.

Para os EUA, a “base de sua preocupação” vinha de informações extraídas de computadores do falecido chefe das Farc, Raúl Reyes, e obtidas pela Colômbia, sobre supostas “discussões específicas entre o governo venezuelano e as Farc sobre o fornecimento dos mísseis antiaéreos”.

Além disso, Hillary assegurava que “não há indícios de que a Venezuela esteja preparada para implementar práticas de segurança adequadas e mecanismos de armazenamento consistentes com os padrões internacionais”, para guardar o armamento.

Funcionários americanos de Defesa retomaram suas preocupações durante uma reunião em julho deste ano, com seus colegas russos, na qual foram informados da venda de Moscou a Caracas de cem mísseis antiaéreos portáteis modelo Igla-S, segundo outro telegrama do Departamento de Estado, datado de agosto.

Mas a Rússia assegurou aos EUA que as “transferências da Venezuela às Farc não podiam acontecer”, segundo um documento revelado pelo WikiLeaks.

O presidente Hugo Chávez confirmou em setembro de 2009 a compra da Rússia de 92 tanques T-72 e de mísseis antiaéreos, cujo número não foi divulgado. A aquisição foi feita por meio de financiamento de US$ 2,2 bilhões de Moscou a Caracas.

FONTE: Folha OnLine

- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
newton.carvalho
newton.carvalho
10 anos atrás

Se isso rolar vai ser uma grande prova de fogo para os STs comprados pela Colômbia, pois uma coisa é receber e resistir a tiros de AK-47 disparados para o alto, outra coisa bem diferente é se defender de um missil guiado por calor

RtadeuR
RtadeuR
10 anos atrás

Preocupação perfeitamente justificável, anos atráz os EUA compraram ilegalmente , senão todos, a maior parte dos mísseis bolivianos, o que gerou um procedimento judical na Bolívia, por causa desta mesma preocupação.
Acredito e concordo que o pais que tenha esse tipo de armamento deva saber guardá-lo com toda segurança possível, nada impede que grupos possam planejar tomá-los para os mais diversos fins.

Freire
Freire
10 anos atrás

Rss,”Cumpahero Loco” cara cuidado.não acho dificil as FARC terem alguns lá para diverti-los.

Marine
Marine
10 anos atrás

E ainda tem uns que acham que o Governo de Chavez nao apoia a FARC…

- Advertisement -

Guerras Modernas

Armênia, Azerbaijão e Rússia fecham um acordo para acabar com o conflito de Nagorno-Karabakh

YEREVAN/BAKU (ARMENIA/AZERBAIJÃO) — Armênia, Azerbaijão e Rússia disseram que assinaram um acordo para encerrar o conflito militar na região...
- Advertisement -
- Advertisement -