sexta-feira, outubro 15, 2021

Saab RBS 70NG

Abdullah II denuncia obstáculos israelenses a programa nuclear civil da Jordânia

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O rei da Jordânia, Abdullah II, acusou Israel de pôr obstáculos aos projetos de desenvolvimento de energia nuclear em seu país e alertou para os riscos de o conflito sírio se estender aos países vizinhos, em uma entrevista concedida nesta quarta-feira à AFP. Segundo o soberano hachemita, os projetos de utilização de energia nuclear para o fornecimento de energia e a dessalinização da água na Jordânia enfrentam “uma forte oposição (..) proveniente de Israel”, apesar de os dois países terem assinado um tratado de paz em 1994. “Quando começamos a nos voltar para a energia nuclear com fins pacíficos, entramos em contato com vários países (…) para que trabalhassem conosco, mas rapidamente percebemos que Israel pressionava esses países para dificultar qualquer cooperação”, afirmou. “Uma delegação jordaniana identifica um possível sócio e uma semana depois uma delegação israelense pede a nosso interlocutor que não apoie a proposta jordaniana no setor nuclear”, disse.

Autoridades israelenses negaram essas acusações. “Israel apoia o uso da energia nuclear civil para que a Jordânia satisfaça suas necessidades energéticas e nunca atuou” para impedir os projetos, disse um alto funcionário israelense, que pediu para não ser identificado. Israel poderia inclusive chegar a comprar eletricidade produzida na Jordânia caso esta tenha excedentes com a produção em um reator nuclear, acrescentou. “Cada vez que nos consultam à respeito, adotamos um enfoque positivo”, afirmou.

A Jordânia importa 95% de sua energia elétrica e tenta buscar alternativas ao gás egípcio, que cobre atualmente 80% de sua demanda de produção elétrica. Essa fonte sofreu diversas cortes nos últimos meses, já que o gasoduto que leva o gás egípcio a Israel e à Jordânia foi alvo de catorze atentados desde 2011. Por outro lado, 92% do território jordaniano é desértico e o monarca espera usar a energia nuclear em usinas de dessalinização. “A energia nuclear será o meio mais econômico e mais seguro de dessalinização”, argumenta. Um consórcio formado pelo grupo francês Areva e pelo japonês Mitsubishi participa atualmente de uma licitação com a empresa russa Atomstroyexport para construir a primeira central nuclear jordaniana.

Transição na Síria

Em outro tema delicado, o rei se disse “extremamente preocupado com o risco de fragmentação da Síria, onde estamos assistindo (…) a um recrudescimento da violência confessional”. “Isso não só representa um perigo para a unidade da Síria, pois o conflito também pode atingir países vizinhos com uma composição confessional similar”,alertou. “Já vimos sinais de que esse risco está mais próximo”, destacou.

Cerca de 200 mil sírios se refugiaram na Jordânia desde o início da rebelião contra o presidente Bashar al-Assad em março de 2011. O monarca jordaniano propõe, como possível saída da crise síria, “uma fórmula de transição política com todos os componentes da sociedade síria, incluindo os alauitas”, a corrente religiosa a que Assad pertence, para que eles “sintam que podem desempenhar um papel no futuro de seu país”. Este “processo de transição inclusiva” seria, segundo Abdullah II, a única maneira de frear os enfrentamentos. Essa alternativa permitiria “preservar a integridade territorial e a unidade da Síria” e favoreceria “a estabilidade regional”, insistiu. “Digo desde o princípio: o problema não é de um indivíduo, mas sim de um sistema. Se o presidente Bashar sair amanhã, mas o sistema se conservar, o que o povo sírio terá ganho?”, perguntou. A repressão dos protestos e os enfrentamentos causaram a morte de 27.000 pessoas, cerca de 70% das quais eram civis, segundo dados de uma ONG síria.

FONTE: AFP via Terra Notícias

- Advertisement -

6 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Blind Man's Bluff
Blind Man's Bluff
9 anos atrás

Pra quem se interessa, saiu um documentario ingles interessante a respeito do surgimento do islamismo, que causou ira por parte dos “beduinos”.
Chama-se Islam: The Untol Story

danra2
danra2
9 anos atrás

Cara, mas por que ele quer uma usina nuclear? Deixa um monte de resíduos perigosos que depois não tem o que fazer com eles! Não é deserto? Enche de usinas solares aí, pô!

Renato Oliveira
Renato Oliveira
9 anos atrás

Prezado danra2, Dizer que precisa de energia nuclear é balela, como você disse, solar daria conta, eólica possivelmente também funcionaria. Ele quer energia nuclear pelos mesmos motivos que os iranianos. ‘Paz com Israel’ é um termo relativo. Sorriem para as câmeras para não fazer feio com Europa e EUA, mas o povo da região do MENA (em inglês, de Oriente Médio e Norte da África, em que a maioria dos países são árabes muçulmanos) simplesmente não admite a possibilidade de existir um Estado Judeu na região. Como não há nenhuma democracia na região, exceto Israel e Turquia, os governantes assinam… Read more »

Observador
Observador
9 anos atrás

Senhores, Não se deixem levar pelas mentiras “verdes” dos ecochatos, capitaneados pela Marina Silva, a fantoche dos interesses europeus no Brasil. Colocar energia eólica e solar como fontes primárias de energia só pode sair da cabeça dos eco-recalcados, cujo fanatismo se iguala ao fanatismo religioso. Fato: energia solar e eólica não podem ser estocados. Ou como vai se estocar o sol e o vento? A energia solar e a eólica são apenas e tão somente energias COMPLEMENTARES: nenhum país sério pode basear seus sistemas elétricos nestas duas fontes. A Espanha sentiu isto na pele recentemente, pois suas usinas eólicas se… Read more »

Renato Oliveira
Renato Oliveira
9 anos atrás

Caro Observador, Não questiono a necessidade legítima de enrgia dos jordanianos. A questão é que, ao contrário do Brasil, os países do MENA tem abições de desenvolver nukes, e usinas nucleares são um bom começo. Daí Israel talvez tentar impedir. O ataque a Osirak foi uma empreitada muito complicada, e os israelenses não querem fazer algo similar, a menos que estritamente necessário, como no caso do Irã. Mas, se possível eles querem “evitar a fadiga”. Pressionar para não ter usinas nucleares é uma das formas de se antecipar aos problemas. É difícil entender esse ponto de vista sem estudar a… Read more »

danra2
danra2
9 anos atrás

Não sei não, Observador . . . Essa história de não poder armazenar energia solar é uma realidade hoje, mas será que com um pouco de investimento em tecnologia a situação não muda? Afinal, usinas nucleares SOMENTE para produção de energia ainda é uma situação de custo/beneficio questionável e de riscos altos. Como o Japão percebeu. E outra coisa, imagine a segurança que teria que ser aplicada a uma instalação dessas em um lugar que ataques suicidas são comuns? Eu não colocaria minha mão no fogo acreditando que nenhuma dessas organizações terroristas não pensariam em fazer um ataque suicida contra… Read more »

Últimas Notícias

ESPECIAL: Apresentação das capacidades do Exército Francês

Por Jean François Auran* Colaborador especial do Forças Terrestres/Forças de Defesa Parece às autoridades militares francesas que o mundo está se...
- Advertisement -
- Advertisement -