Home FEB Roteiro da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Itália

Roteiro da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Itália

5895
15

1

Por Gabriel Henrique Garcia

Tive o prazer de visitar a Itália no final do mês de maio de 2014, onde conheci diversos lugares históricos. Como amante de militaria que sou (motivo pelo qual eu acompanho as publicações do Forças de Defesa, tanto impressa como online), e acima de tudo patriota, não pude deixar de conhecer os locais onde a FEB – Força Expedicionária Brasileira, teve participação durante a Segunda Guerra Mundial.

Confesso que, além de extramente emocionado, fiquei surpreso por tudo que encontrei ali. Esperava visitar o Cemitério Militar Brasileiro de Pistóia, e só. Para meu júbilo, não foi apenas isso que eu vi.

Na região existem diversos monumentos e museus contando a participação brasileira em solo europeu, junto com americanos, britânicos (e outras muitas nacionalidades), contra as tropas ítalo-germânicas. Além disso, o povo daquelas cidades (principalmente os mais velhos), quando descobrem que somos brasileiros, abrem um sorriso contagiante, sendo gratos por tudo que fizemos a eles durante a guerra.

Resumindo: é um passeio e tanto, e eu recomendo a todos os brasileiros de coração que o façam quando estiverem viajando pela Itália. Pistóia, que é o ponto de partida do roteiro, não fica distante de Florença e Pisa (duas cidades que são obrigatórias para os turistas naquele país), e é recompensador dedicar um dia de viagem para conhecer esse monumentos e museus que citei (o ideal são dois dias, para conseguir ver tudo com calma, mas meu dinheiro era curto então foi apenas um dia mesmo). E mesmo que o turista não tenha vontade de passar o dia inteiro visitando os locais de destaque dos nossos heróis da FEB, apenas a visitação do Cemitério Brasileiro em Pistóia já é de grande valia (garanto que os verdadeiros brasileiros sairão de lá emocionados e com lágrimas nos olhos).

Informações na internet sobre como fazer esse roteiro são extremamente escassas. Sofri um pouco para conseguir apenas o básico. Mas, por sorte, obtive o e-mail do senhor que administra o Cemitério Brasileiro de Pistóia. Ele é filho de um veterano da FEB, que casou, após a guerra, com uma italiana que conheceu durante o conflito. Seu nome é Mario Pereira. Além de ser extremamente solícito (ele nos leva pessoalmente para visitar todos os locais, com as devidas explicações históricas de tudo que vemos), é um estudioso e apaixonado pelo tema da Segunda Guerra Mundial, em especial, claro, por motivos óbvios, a participação brasileira. Seu amor pelo Brasil me comoveu, bem como o de outras pessoas (como os que já citei anteriormente). Entre essas outras pessoas uma se destaca: a Sra. Emanuela Battistini, que administra a biblioteca e museu de Montese (cidade liberada pela FEB). Ela carrega até mesmo a bandeira do Brasil dentro do carro.

Eu sei que não são todos que se entusiasmam pelo tema, mas creio que nos sites Trilogia de Defesa, caso algo assim seja publicado, a maioria dos leitores se interessará. Portanto venho trazer essa idéia a tona.

Não sei se é do interesse do senhor fazer uma publicação do tipo, mas caso seja, estou a disposição para responder o que for preciso, na necessidade uma postagem um pouco mais abrangente . Além disso, tenho diversas fotos do passeio (nem todas ficaram boas), que podem ilustrar o que será encontrado lá. Como ouvi do próprio sr. Mario, que administra o local, se apenas 10% dos brasileiros que visitam a região de Pisa/Florença se interessasse pelos nossos heróis da FEB, já seria excelente (a prova de que quase ninguém visita esses locais, infelizmente). Não podemos deixar essa história morrer. Afinal, se não formos nós, brasileiros, a nos interessar por isso, quem então assumirá esse papel?

E se tudo isso já não fosse motivo o suficiente, a região (Emiglia-Romana e Toscana) é linda, com paisagens fenomenais. Só por isso já valeria a pena fazer o roteiro, uma vez que foge um pouco do turismo padrão da Itália, e nos coloca, nem que seja por um dia, um pouco mais no verdadeiro dia a dia italiano.

Finalmente, ficaria honrado se o senhor fizesse um post com o referido tema. Envio também, caso alguém decida efetuar o passeio, o endereço de e-mail do sr. Mario Pereira, para que seja combinado os detalhes da visitação e tudo mais: mariopereira.italia@gmail.com.

Em anexo estão algumas fotos do passeio. Deixarei em seguida as descrições de cada uma, obedecendo a ordem numeral.

Descrição das fotos:

  • 1- Cemitério Brasileiro de Pistóia, com destaque para o monumento ao fundo e o Pavilhão Nacional a esquerda.
  • 2- Frase do Marechal Mascarenhas de Moraes gravada no local.
  • 3- Busto do Marechal.
  • 4- Placa de homenagem ao soldado brasileiro, junto com a chama que nunca se apaga.
  • 5- Frase de destaque gravada no muro logo ao final do Cemitério.
  • 6- Os nomes de todos os militares brasileiros mortos em combate se encontram ali, onde eram as sepulturas originais (os corpos de todos já foram trasladados para o Rio de Janeiro atualmente).
  • 7- Cartaz com frase de efeito dentro do escritório do sr. Mario Pereira.
  • 8- Logo atrás da construção com torre está Monte Castelo, uma das principais batalhas da FEB. É claro que na época do confilto não havia vegetação nenhuma ali por causa da artilharia, mas a colina é a mesma.
  • 9- Monumento no cume de Monte Castelo, em homenagem aos pracinhas que morreram naquela batalha. (Note que muitas crianças estão no local. Isso se deve ao fato de que no dia estava acontecendo uma excursão de escola pelo campo, e as professoras fizeram uma parada ali ao final para explicar as crianças sobre a participação brasileira no conflito).
  • 10- Mesmo monumento. O sr. Mario Pereira na esqueda, e eu ao lado, com a câmera na mão.
  • 11- Monumento ao Sargento Max Wolf Filho, que morreu devido a uma rajada de metralhadora alemã, enquanto patrulhava a região com sua unidade. O monumento está no exato local onde ele faleceu.
  • 12- Detalhe da placa do monumento.
  • 13- Museu da cidade de Montese, onde a sra. Battistini (que eu já citei anteriormente), nos deu o prazer de nos acompanhar. Infelizmente não tenho muitas fotos desse museu. A bateria da câmera acabou durante a visitação.
  • 14- Visitando trincheiras alemãs da época da guerra, para defesa dos montes da região. O caminho é bem sinuoso, mas é muito interessante poder ver onde eles viviam durante o conflito. O conjunto de trincheiras se estende por quilômetros. Visitamos apenas algumas, mas só na parte das trincheiras é um passeio para um dia inteiro.
  • 15- A trincheira em destaque, com defesas feitas de pedra. Até hoje interessados no assunto encontram equipamentos da época da guerra com detectores de metais nesses locais (até mesmo explosivos que não detonaram).
  • 16- Mas uma trincheira alemã, essa um pouco mais trabalhada, com cobertura.
  • 17- Um dos museus da região. Lá existe uma infinidade de coisas para se ver. O museu é muito completo, com todo tipo de armamento, uniforme e etc. usado durante a guerra. E vai muito além disso. Um museu excelente.
  • 18- Algumas fardas do museu.
  • 19- Parte do armamento exposto no museu
  • 20- “
  • 21- Conjunto de medalhas.
  • 22- Idem 19.
  • 23- “
  • 24- “
  • 25- “
  • 26- Bandeiras italiana e brasileira juntas no museu.
  • 27- Mesma situação, na entrada do museu, juntas dessa vez das bandeiras americana e da União Européia.
  • 28- Meu pai, o sr. Mario e eu ao final da tarde, no Cemitério Brasileiro.
  • 29- O Cemitério com o pôr-do-sol ao fundo.
  • 30 a 34- Essas são apenas algumas imagens da Osprey que achei interessantes, com as fardas da FEB e da FAB durante o período da guerra.

 

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

15
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
Pedro R GomesPedro Ribeiro GomesRafael LealDaisy Mary da Silva ProençaFrancisco Carlos S.Silva Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Estive no Monumento Votivo Militare Brasiliano ano passado.

Pistoia fica próximo a Firenze, mas poucos brasileiros sabem da existência do cemitério da FEB.

Me lembro de ter publicado algumas fotos na página da Trilogia no Face.

Todo ano, no dia 2 de novembro, é feita uma homenagem aos Pracinhas, com a presença do Embaixador brasileiro na Itália, de ex-combatentes e militares das duas nações.

Minha meta agora é conhecer os cemitérios e monumentos franceses em Verdun e no Somme.

Brandenburg
Visitante
Member
Brandenburg

Parabéns ao autor da matéria e ao caro editor por ter aceito a sugestão de publica-la no ForTe.Confesso que sempre me emociono quando leio depoimentos sobre a FEB e não me envergonho disto. Durante minha vida no serviço ativo do EB sempre tive muito contato com veteranos das operações na Itália, em vários Estados brasileiros e, ao contrário de muitos companheiros, sempre ouvi muito atentamente suas histórias.Foram heróis, sem dúvida, apesar de muitos depreciarem sua atuação.Saudações.

piloto de Cougar
Visitante
piloto de Cougar

Conspira contra sua própria grandeza o povo que não cultua seus feitos históricos…

Essa frase diz muito sobre a nossa realidade atual…

Parabéns pela matéria!

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Gabriel Henrique Garcia

Simplesmente,

P A R A B É N S !

Muito bom texto, ótima fotos, irrepreensível.

Reforços as palavras do Brandenburg.

Soldat
Visitante
Soldat

DDDDD+++++++++++

Brasil acima de todos e de tudo…..

Brasil….Brasil…Brasil…..

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

Sensacional.

Estava comentando com o filho de um amigo, hoje mesmo, algumas das passagens da FEB pela Itália. Em especial, aquela onde 3 heróis em patrulha, foram interceptados por patrulha inimiga. Anos após o fim da guerra, o EB localizou os corpos, que foram enterrados com menção honrosa pelos inimigos daquela guerra.

Apenas 1 história, dentre muitas.

Save Ferris!

Paulo Sergio Albanez
Visitante
Paulo Sergio Albanez

Boa noite, são ótimas as dicas, sou neto de um combatente da feb, ele sempre contava como foi difícil lá na Itália, estou marcando uma viagem para a Itália para abril de 2017 e se possível mandar mais algumas dica por onde passou os brasileiros na Itália. obrigado

Pedro Ribeiro Gomes
Visitante
Pedro Ribeiro Gomes

Vc foi? Gostaria de umas dicas. Irei lá em março 2019

Fátima Pontes
Visitante
Fátima Pontes

Adorei…tbem sou simpatizante da FEB. Num futuro próximo, pretendo ir a Itália, gostaria de dicas sobre as cidades por onde passaram nossos heróis, mas tbem não poderei gastar muito. Desejo incluir Milão, de onde vieram meus trisinhas e Gênova, onde está o porto de onde embarcaram. É possível fazer todo o percurso de trem ? Grande abraço !!

tiziano
Visitante
tiziano

piace leggere della storia della FEB, vivo in italia e sono sposato con una brasiliana,la FEB è passata vicino alla terra dove nacque mia madre e capisco le difficoltà di quei tempi,grazie al loro coraggio io ora sono nato libero.
lascio questo indirizzo per mostrare che la storia non viene dimenticata
http://www.gracpiacenza.com/-p-47-thunderbolt-ponte-dellolio-assis.html

Francisco Carlos S.Silva
Visitante
Francisco Carlos S.Silva

meu pai JOÃO DIVINO BERNARDES DA SILVA foi do batalhão da saude na 2 guerra..

Daisy Mary da Silva Proença
Visitante
Daisy Mary da Silva Proença

No tempo que passamos em Pistoia, também conhecemos e o Monumenti votivo aos expedicionários brasileiros na Seg. Grande Guerra e trilhamos o caminho percorrido pela FEB. É emocionante conhecer e saber de seus feitos mas, o que mais ociona e orgulha o coração verdadeiramente brasileiro, é a gratidão e o amir que dedicam a nós brasileiros pelas conquistas realizadas. Amo a Itália, adoro seu povo e diga-se de passagem, não tenho descendência italiana. Mas falo a língua e amo o país e seu povo.

Rafael Leal
Visitante
Rafael Leal

Alguem sabe qual o contato do Sr. Mario?

Pretendo ir fazer o roteiro da FEB em 1 semana e gostaria de contacta-lo.

tiziano
Visitante
tiziano
Pedro R Gomes
Visitante
Pedro R Gomes

O Mario é muito educado. Vale a pena conhece-lo. Aproveite e faça uma doação ao pequeno museu que ele mantem sem ajuda do governo brasileiro.